ACSS. Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Manual de Auditoria Interna Parte III Hospitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACSS. Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Manual de Auditoria Interna Parte III Hospitais"

Transcrição

1 Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Hospitais

2 Página: 2 de 116 I. Histórico do documento Data Versão Descrição Autor Aprovação 1/02/ MAI aprovado Versão 1 ACSS

3 Página: 3 de 116 II. Objectivos Objectivos do manual O propósito deste documento é disponibilizar à Função Auditoria Interna dos Hospitais (e/ou outras Unidades de Saúde com as devidas adaptações) um guia sobre: Os princípios da Função Auditoria Interna; O seu posicionamento no seio da Organização; A gestão da Função Auditoria Interna; e A gestão das acções (projectos) de Auditoria Interna. Estrutura do manual Este manual divide-se em três volumes: Parte I Princípios, conceitos e standards de desempenho da Função Auditoria Interna Parte II Metodologias e técnicas de trabalho de auditoria e exemplos de documentos Questionários de controlo interno e programas de trabalho standard Responsabilidades de manutenção e aprovação do manual Compete ao responsável pelo Departamento de Auditoria da ACSS proceder à sua manutenção e actualização, e obter a respectiva aprovação do Conselho Directivo da ACSS. É da responsabilidade do Conselho de Administração do Hospital, sob proposta da ACSS, proceder à sua aprovação e implementação.

4 Página: 4 de 116 III. Índice 1. PRODUÇÃO E GESTÃO DE UTENTES Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o controlo interno Programa de auditoria CLIENTES E CONTAS A RECEBER Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o controlo interno Programa de auditoria RECURSOS HUMANOS Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno Programa de Auditoria COMPRAS E CONTAS A PAGAR Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno Programa de auditoria EXISTÊNCIAS Objectivos de Controlo/Auditoria... 54

5 Página: 5 de Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno Programa de auditoria IMOBILIZADO Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno Programa de auditoria TESOURARIA Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno Programa de auditoria CONTABILIDADE E REPORTE Objectivos de Controlo/Auditoria Principais factores de risco e erros ou omissões Questionário sobre o Controlo Interno

6 Página: 6 de PRODUÇÃO E GESTÃO DE UTENTES 1.1. Objectivos de Controlo/Auditoria O auditor deverá concluir nesta área sobre os seguintes aspectos: Todos os dados-mestre de utentes são correctamente registados e mantidos correctos e actualizados. A admissão de utentes é realizada de forma a que todos sejam devidamente registados e que todos os actos clínicos sejam efectivamente imputados. As isenções concedidas são correctamente registadas e fundamentadas. A entidade financeira responsável dos utentes é adequadamente identificada e utilizada prioritariamente como elemento identificativo para efeitos de facturação. A produção registada corresponde a actos clínicos ou episódios (actos de produção) efectivamente realizados e foram registadas na sua totalidade. Todos os actos clínicos realizados são registados correctamente quando ocorridos. Apenas os actos clínicos válidos realizados são registados. Todos os actos clínicos efectuados são correctamente valorizados tendo em conta os custos directos e indirectos associados aos mesmos. Todos os consumos de medicamentos, materiais e MCDT s são devidamente registados, controlados e facturados. Todos os serviços externos são devidamente autorizados e registados. Os recursos afectos à produção são utilizados de modo a maximizar a eficácia e eficiência das operações da entidade. É produzida informação sobre produção, a qual representa correctamente todos os actos clínicos efectuados, permitindo o acompanhamento do desempenho dos serviços. Os resíduos são adequadamente tratados. São divulgadas no Relatório e Contas todas as informações pertinentes relacionadas com a produção.

7 Página: 7 de 116 Estão definidas as atribuições e responsabilidades dos colaboradores as quais contemplam uma adequada segregação de funções, assegurando que as operações de autorização, registo e controlo de actos de produção recaiam sobre diferentes pessoas. Os reportes para as entidades externas (ACSS, ARS, IGAS, IGF entre outros) são correcta e atempadamente efectuados.

8 Página: 8 de Principais factores de risco e erros ou omissões Os principais factores de risco e erros ou omissões que comprometem a consecução dos objectivos de controlo interno e/ou impacte nas demonstrações/dados financeiros são os seguintes: Produção incorrectamente registada. Produção registada em períodos incorrectos. Registo de Produção sem a execução do respectivo acto. Produção não registada na sua totalidade (execução do acto sem reflexo administrativo/ registo informático). Doentes admitidos com informação insuficiente ou incorrecta, facto que torna a facturação difícil de controlar. Codificação de GDH não conferida. Registo de actos inválidos. Medicamentos, consumíveis e MCDT s não imputados total ou correctamente ao acto clínico (processo clínico). Recurso excessivo a meios diagnóstico exteriores. Sistema de suporte à produção desactualizado.

9 Página: 9 de Questionário sobre o controlo interno O auditor deverá concluir sobre o sistema de controlo interno implementado nesta área, recorrendo ao questionário abaixo apresentado, podendo, para o efeito, escolher outros procedimentos/questões que considere mais adequadas. O questionário sobre o controlo interno tem como objectivo: Compreensão preliminar do sistema de controlo interno instituído. Identificação de pontos fracos e factores de risco do processo. Apoio na definição da Estratégia de Auditoria e na elaboração do respectivo programa, no sentido de: o Desenhar os tipos e extensão de testes a efectuar o Confirmar os pontos fracos suscitados na compreensão e/ou identificar novas situações de excepção. O questionário deverá ser respondido na primeira coluna (S-Sim / N-Não), quando aplicável e na segunda coluna (-Referência) com explicações adicionais, sob a forma de narrativas, fluxogramas ou descrições anexas ao presente questionário sempre que considerado adequado ou quando a resposta a qualquer questão seja Não e indicie problemas ou desconformidades a nível do controlo interno com potenciais impactes nas demonstrações financeiras. I QUESTIONÁRIO 1. Existe organograma que descreva os níveis hierárquicos-funcionais e permita uma apropriada distribuição de funções e de competências? 2. Existe manual de procedimentos ou regulamento interno para esta área? Indicar as datas da aprovação pelo responsável e de implementação.

10 Página: 10 de É utilizada a aplicação informática criada pela ACSS para a área de produção/gestão de doentes? Em caso negativo, qual a aplicação utilizada? 4. Os serviços de Urgência, Consulta Externa, Internamento, Ambulatório, Hospital de Dia e Bloco Operatório estão informatizados? 5. Qual a forma de admissão dos utentes nestes serviços? a) Existe suporte normalizado (ficha)? b) É preenchido informaticamente? c) No caso de se tratar de ficha preenchida manualmente, indicar quantas vias contém e qual o destino das mesmas? d) No caso de a ficha ser preenchida de forma manual, os dados são perfeitamente legíveis? 6. O Hospital utiliza o software desenvolvido pela ACSS para o registo de entrada dos doentes? Em caso negativo, qual a aplicação utilizada? 7. A ficha de admissão do utente é numerada sequencialmente? 8. O campo de identificação do utente apresenta os elementos necessários relativos à entidade responsável pelo pagamento dos serviços, nomeadamente: a) Nome b) Morada c) Contactos d) Número de cartão de utente e) Número de beneficiário f) Entidade financeira responsável (subsistema) 9. Existe um processo clínico, único, por utente? É registado informaticamente? 10. A ficha do utente acompanha-o durante o percurso nos serviços, registando-se a causa da admissão e os exames/análises efectuados (meios complementares de diagnóstico e terapêutica MDCT)?

11 Página: 11 de No acto da inscrição, para além do número de utente, é solicitada a identificação de um subsistema a que eventualmente pertença e é (este subsistema) considerado para efeitos de facturação? 12. É efectuado um processo de triagem dos doentes? 13. Nos casos de admissão na urgência, qual procedimento efectuado, sempre que não seja possível identificar de imediato o utente? 14. Sempre que o utente se identifica com um número provisório, que procedimentos de validação são efectuados (números provisórios válidos inferiores a 6 meses)? 15. Relativamente aos utentes indocumentados ou estrangeiros, quais os procedimentos de admissão no Hospital e que dados são considerados para efeitos de posterior facturação? 16. Existe registo sobre os meios complementares de diagnóstico e terapêutica prescritos pelos médicos? 17. Relativamente às prescrições de medicamentos e de exames complementares de diagnóstico e terapêutica (MCTD) a realizar pelo utente fora do Hospital, existe controlo sobre a sua emissão? 18. Quando a factura da Sub-Região é recebida procede-se à sua conferência verificando-se: a) Se as prescrições de medicamentos e MCDT tiveram origem no Hospital. b) Se o médico que prescreve está afecto ao Hospital. 19. No caso da prescrição de exames complementares a realizar pelo doente fora do Hospital é emitida requisição ou termo de responsabilidade (devidamente autorizada)? É enviada cópia para a contabilidade?

12 Página: 12 de Quando a factura da Sub-região é recebida procede-se à sua conferência com os respectivos termos de responsabilidade e com a tabela de preços objecto de contrato ou convenção? 21. No serviço de gestão de doentes são realizadas conferências entre o número total de termos de responsabilidade e os exames complementares facturados pela Sub-região? 22. O registo de actos clínicos e MCDT s é efectuado aquando da ocorrência dos mesmos? Os registos são efectuados simultaneamente no processo clínico e no sistema de gestão de utentes? 23. São emitidas listagens periódicas de erros de dados mestres de utentes introduzidos em sistema (ex: insuficiência de morada, inexistência de número de beneficiário)? 24. São efectuadas análises estatísticas periódicas da produção? Como é garantida a fiabilidade da informação com os sistemas informáticos? 25. A prescrição de medicamentos pelos médicos está registada informaticamente permitindo a identificação do utente? 26. É efectuada uma análise do padrão de prescrição por médico (ex: genéricos ou não genéricos, tipo de medicamentos, etc.)? Está instituído um processo de receita electrónica? 27. Existe controlo sobre as vinhetas emitidas pela ARS? Encontram-se em local seguro e o seu acesso é restrito? 28. Existe e é utilizado um sistema informático que permita recolher todos os dados clínicos e administrativos resultantes da estadia do utente em cada serviço, por forma a disponibilizar os dados essenciais aos GDH (Grupo de Diagnóstico Homogéneo)?

13 Página: 13 de Como são arquivadas as folhas de codificação dos GDH? Que controlos estão instituídos sobre a sua totalidade e exactidão da codificação? 30. Quantos médicos codificadores existem no Hospital? Qual o volume de processos codificados por mês? 31. O serviço de gestão de doentes envia mensalmente listagem dos GDH codificados à contabilidade, por forma que esta verifique se todos os GDH foram facturados? 32. Os serviços prestadores de MCDT estão informatizados? 33. A realização de exames complementares só é efectuada com a respectiva prescrição médica? 34. Existe uma agenda de ocupação de salas de bloco operatório? 35. Como são identificados os actos médicos a retirar da facturação (Portaria 567/2006)? 36. Quais os indicadores de produção e desempenho elaborados regulamentos? Com que periodicidade? 37. Está instituído algum sistema de acompanhamento e avaliação dos consumos dos produtos farmacêuticos pelos diversos serviços do Hospital?

14 Página: 14 de Programa de auditoria De acordo com a natureza, extensão dos procedimentos de auditoria e especificidade do Hospital a auditar avaliados na fase de planeamento, o auditor deverá elaborar um programa detalhado de trabalho, recorrendo ao exemplo abaixo apresentado, podendo, contudo, escolher outros passos de validação que considere mais adequados. Tipo Teste 1. Obter uma listagem de produção, por serviço/valência, do período em análise e confrontar com a informação reportada à ARS/ACSS. Se possível obter os ficheiros informáticos de produção retirados do sistema. TC 2. a) Observar o procedimento sobre a verificação de erros de input de dados de mestre de clientes. b) Verificar, numa base de teste, a evidência de análise da listagem de erros produzida pelo sistema e respectiva correcção em sistema (considerar a possibilidade de verificar a evidência em sistema). TC 3. Analisar a sequência numérica das fichas de admissão no hospital e relacionar com os respectivos registos da produção do respectivo serviço/valência TC 4. Seleccionar uma amostra de actos/episódios clínicos e verificar se o registo dos mesmos foi efectuado de acordo com os procedimentos instituídos TC 5. Tendo por base uma amostra de actos/episódios clínicos, verificar o seu registo no processo clínico do doente TC 6. Solicitar uma listagem de consultas desmarcadas e, numa base de amostragem, confrontá-la com os registos da produção, no sentido de verificar a sua não inclusão nos mesmos TC 7. Para uma amostra de consultas externas, validar que os utentes pertencem à área de influência do Hospital. TC

15 Página: 15 de Verificar nos registos informáticos, a sobreposição de actos de consulta com sessões de hospital de dia. Tipo Teste TC 9. Para o serviço de internamento, solicitar a listagem de episódios por codificar em GDH. Verificar a antiguidade da mesma e averiguar situações de antiguidade superior a 20 dias TC 10. Para o serviço de internamento, obter evidência de revisão da codificação efectuada pelo gestor de GDH TC 11. Para o serviço de internamento, obter evidência de verificação de listagem de erros emitida pela aplicação auditoria a registos de GDH TC 12. Identificar se existem episódios de internamento inferiores a 24 horas, e verificar se foram analisadas as causas. TC 13. Identificar para reentradas no internamento (em períodos inferiores a 72 horas após a saída) e verificar se foram analisadas as causas. TC 14. Obter uma listagem de entrada na urgência, pelo motivo de: acidente de viação, acidente de trabalho, agressão e acidente escolar. Numa amostra seleccionada, verificar a entidade facturada. TC 15. Analisar nos registos informáticos se está completa a identificação do utente e correcção identificação da sua entidade financeira responsável TC 16. Verificar, com referência à data de fecho, que não existe produção por enviar para facturação. TC 17. Comparar o volume de serviços prestados com a capacidade instalada (camas disponíveis, horas ocupação MCDT, capacidade de atendimento nas consultas externas e na urgência, etc.) TSRA 18. Proceder à leitura e análise das reclamações dos utentes. TC

16 Página: 16 de 116 Tipo Teste 19. Em situações de transferência de dados entre aplicações, relacionadas com este processo, verificar os controlos de integração de informação. TC

17 Página: 17 de CLIENTES E CONTAS A RECEBER 2.1. Objectivos de Controlo/Auditoria O auditor deverá concluir nesta área sobre os seguintes aspectos: Todos os dados mestre de clientes e de serviços / preços são correctamente registados e mantidos correctos e actualizados. Todas as prestações de serviços foram devidamente facturadas e de acordo com a legislação em vigor. Todas as cobranças são relevadas correctamente nas contas de clientes e contabilizadas. Todos os ajustamentos aos saldos de clientes são devidamente autorizados e correctamente registados e contabilizados. As contas de clientes são adequadamente geridas de modo a assegurar a cobrança dos valores em dívida nos prazos fixados bem como a correcção dos saldos. É efectuado encontro de contas regular com outros hospitais. São constituídas provisões adequadas para créditos de cobrança duvidosa tendo em conta informação dos serviços de contencioso e advogados externos da entidade. As prestações de serviços correspondem a serviços efectuados, foram registadas na sua totalidade, contabilizadas pelos valores facturados e estão registados na conta apropriada. Os recursos afectos à facturação e gestão de clientes são utilizados de modo a maximizar a eficácia e eficiência das operações da entidade. As Demonstrações Financeiras reflectem nas rubricas apropriadas os valores correctos de prestações de serviços, clientes e provisões para cobrança duvidosa. São divulgadas nos Anexos às Demonstrações Financeiras todas as informações pertinentes para facilitar a compreensão das mesmas. As dívidas de clientes representam a totalidade dos montantes ainda não recebidos neste período e em períodos anteriores. Os saldos de clientes representam direitos da entidade.

18 Página: 18 de 116 A política de anulação de débitos em função da antiguidade e valor respeita as normas em vigor. Estão definidas as atribuições e responsabilidades dos colaboradores as quais contemplam uma adequada segregação de funções, assegurando que as operações de autorização, contabilização, controlo e salvaguarda de activos recaiam sobre diferentes departamentos e/ou pessoas. Os reportes para as entidades externas (ACSS, ARS, IGAS, IGF entre outros) são correcta e atempadamente efectuados.

19 Página: 19 de Principais factores de risco e erros ou omissões Os erros e as omissões mais frequentes e/ou de maior impacte nas Demonstrações Financeiras são os seguintes: Prestações de serviços não registadas na sua totalidade (as taxas moderadoras são contabilisticamente registadas quando recebidas). Actos clínicos não facturados, facturados incorrectamente ou não facturados oportunamente. Facturação sem a execução do respectivo serviço. Informação insuficiente ou incorrecta sobre o utente, para efeitos de facturação. Informação insuficiente ou incorrecta sobre os clientes. Facturação incorrecta aos subsistemas. Ajustamentos à facturação não aprovados. Facturas não registadas nas contas de clientes. Cobranças não registadas nas contas de clientes. Gestão inadequada de saldos de clientes. Ajustamentos a saldos de clientes não aprovados. Proveitos mal classificados ou não reconhecidos. Proveitos registados por valores incorrectos. Proveitos registados em períodos incorrectos. Análises de antiguidade dos saldos de clientes, saldos em contencioso e necessidades de constituição de provisões para cobranças duvidosas, efectuadas inadequadamente. Incobráveis não provisionados.

20 Página: 20 de Questionário sobre o controlo interno O auditor deverá concluir sobre o sistema de controlo interno implementado nesta área, recorrendo ao questionário abaixo apresentado, podendo, para o efeito, escolher outros procedimentos/questões que considere mais adequadas. O questionário sobre o controlo interno tem como objectivo: Compreensão preliminar do sistema de controlo interno instituído. Identificação de pontos fracos e factores de risco do processo. Apoio na definição da Estratégia de Auditoria e na elaboração do respectivo programa, no sentido de: o Desenhar os tipos e extensão de testes a efectuar o Confirmar os pontos fracos suscitados na compreensão e/ou identificar novas situações de excepção. O questionário deverá ser respondido na primeira coluna (S-Sim / N-Não), quando aplicável e na segunda coluna (-Referência) com explicações adicionais, sob a forma de narrativas, fluxogramas ou descrições anexas ao presente questionário, sempre que considerado adequado ou quando a resposta a qualquer questão seja Não e indicie problemas ou desconformidades a nível do controlo interno com potenciais impactes nas demonstrações financeiras. I QUESTIONÁRIO 1. Mensalmente procede-se à comparação da facturação registada na contabilidade com a facturação (informação) evidenciada pelo sistema de gestão de doentes? 2. Os documentos de suporte à facturação são arquivados juntamente com a factura na contabilidade? 3. São preparados balancetes de antiguidade de saldos? Por quem são analisados e com que formalismo?

21 Página: 21 de São constituídas provisões para clientes de cobrança duvidosa? Qual o critério? 5. São efectuadas diligências (ofício) solicitando o pagamento das dívidas? 6. Qual o mecanismo estabelecido para a passagem dos clientes à fase de contencioso? Caso estes serviços sejam prestados por advogados externos, está instituído e em funcionamento um sistema de acompanhamento regular das acções desenvolvidas e dos seus resultados? 7. Que autorizações são necessárias para anulação de créditos considerados incobráveis? No caso dos montantes envolvidos serem significativos o esforço de cobrança prossegue após tal anulação? 8. São realizadas periodicamente circularizações de confirmação dos saldos mais significativos de clientes? 9. São efectuados dados estatísticos de cobranças por local de origem (urgência, consulta externa, internamento e MCDT)? 10. Tais estatísticas são comparadas com as prestações de serviços registadas contabilisticamente? 11. Relativamente às taxas moderadoras dos MDCT, como se procede o recebimento? Qual o controlo instituído? 12. Na situação em que o recebimento de taxas moderadoras não é efectuado no próprio dia são emitidas as respectivas notas de débito? 13. Existe algum sector responsável pelos procedimentos relativos à cobrança de taxas moderadoras referentes às notas de débito emitidas? 14. Estão instituídos procedimentos para os utentes que não paguem as taxas moderadoras?

22 Página: 22 de Estão identificadas quais as principais causas da não cobrança de taxas moderadoras? 16. No serviço de gestão de doentes: 16.1 É conferido o número total de utentes atendidos com as taxas moderadoras recebidas, as notas de débito emitidas e os casos isentos? 16.2 Existe suporte documental para as conferências realizadas? 17. Para os utentes de subsistemas ou entidades financeiras responsáveis pelo pagamento (fora SNS), são realizadas as conferências necessárias pelo serviço de gestão de doentes e este envia informação para a contabilidade, para se proceder à respectiva facturação? 18. O serviço de gestão de doentes envia para a contabilidade, as listas dos subsistemas a facturar, dos utentes que não pagaram e que pagaram? 19. Existe e é utilizado um sistema informático que permita recolher todos os dados clínicos e administrativos resultantes da estadia do utente em cada serviço, por forma a disponibilizar os dados essenciais aos GDH (Grupo de Diagnóstico Homogéneo) e efectuar a facturação e ligação à contabilidade?

23 Página: 23 de Programa de auditoria De acordo com a natureza, extensão dos procedimentos de auditoria e especificidade do Hospital a auditar, avaliados na fase de planeamento, o auditor deverá elaborar um programa detalhado de trabalho, recorrendo ao exemplo abaixo apresentado, podendo, contudo, escolher outros passos de validação que considere mais adequados. Tipo Teste 1. Comparar os saldos de clientes (subsistemas) e o PMR (prazo médio de recebimentos), com o ano anterior, investigando diferenças e dando especial ênfase à razoabilidade das explicações obtidas. Comparar as prestações de serviços reais com as orçamentadas. TSRA 2. Rever o balancete de clientes à data do Balanço e verificar: a) A consistência dos saldos mais significativos com os clientes mais importantes. b) A adequacidade das provisões constituídas para cobranças duvidosas. c) A existência de saldos credores investigando a sua natureza. TSRA 3. Relativamente às prestações de serviços: a) Obter mapa com as prestações de serviços mensais, por natureza. Comparar com o período anterior, investigar flutuações ou tendências e verificar a sua consistência, discutir com a entidade. b) Comparar as prestações de serviços anuais com o orçamento. c) Comparar as inscrições de doentes com as prestações de serviços. d) Comparar as prestações de serviços com os recebimentos. TSRA 4. Rever o arquivo das notas de crédito emitidas após o final do ano, relacionadas com anulação das prestações de serviços efectuadas no período em análise. Considerar a necessidade de se constituírem provisões e de se efectuarem ajustamentos em custos/prestações de serviços. 5. Verificar, com referência à data de fecho, a eventual existência de serviços efectuados, antes daquela data, e não facturados tendo em atenção: a) Informação sobre os serviços prestados constante do sistema informático do serviço de gestão de doentes.

24 Página: 24 de 116 Tipo Teste b) Em caso contrário, verificar os motivos das prestações de serviços. 6. Analisar sequência numérica dos diversos arquivos: facturas, notas de débito, recibos, notas de crédito, etc., e concluir sobre a forma como os referidos arquivos se encontram organizados. TC 7. Através de consulta do arquivo de facturas, verificar se em todas elas é indicado o nº da respectiva ficha de admissão do utente/prescrição médica (requisição). Efectuar igualmente o teste inverso, isto é, partindo do arquivo da ficha de admissão do utente/prescrição médica (requisição), e confirmando a inscrição do número da factura. TC 8. A partir do arquivo de notas de crédito emitidas, verificar se é inscrito o número da factura/nota de débito a que diz respeito. TC 9. Para os meses mais significativos, constantes dos mapas de facturação, seleccionar as prestações de serviços mais significativas, incluindo notas de crédito, e realizar as seguintes tarefas: a) Verificar a cópia da factura, confirmando o seu preenchimento (n.º(s) de contribuinte, descrição, numeração, etc.). b) Testar cálculos. c) Comparar preços com as tabelas em vigor. d) Verificar a contabilização na conta corrente do cliente / utente. e) Verificar recebimentos, depósitos e emissão de recibo. f) Para as notas de crédito seleccionadas: verificar adequacidade do seu preenchimento; comparar com a respectiva factura/nota de débito, e obter explicação para a sua emissão, verificando autorização e contabilização. 10. Com base no balancete de clientes seleccionar alguns saldos para circularização procedendo também ao seguinte trabalho: 10.1 Para as respostas recebidas: a) Registar os saldos na folha de controlo de circularização. b) Solicitar ao Hospital a preparação de reconciliações para as respostas não concordantes.

25 Página: 25 de 116 c) Investigar os itens de reconciliação antigos levando em linha de conta a necessidade de serem provisionadas a 100% Para os clientes que não responderam nos 15 dias seguintes à expedição do 1º pedido, enviar novo pedido, com a expressão "2ºPedido" inscrita a vermelho no canto superior direito Caso não haja qualquer resposta utilizar processos alternativos de confirmação, nomeadamente "follow up" do saldo e recebimentos subsequentes, encontro de contas, etc Encerrar circularização e elaborar mapa resumo com resultados da circularização e dos procedimentos alternativos. Tipo Teste 11. Para um dia seleccionado aleatoriamente verificar a facturação dos consumos de medicamentos administrados a utentes. 12. Em situações de transferência de dados entre aplicações, relacionado com este processo, verificar os controlos de integração de informação.

26 Página: 26 de RECURSOS HUMANOS 3.1. Objectivos de Controlo/Auditoria O auditor interno deverá concluir nesta área sobre os seguintes aspectos: É mantida informação (dados mestre) adequada sobre recursos humanos em termos de dados pessoais, carreiras, avaliações de desempenho, formação, absentismo e remunerações. As remunerações são processadas de forma correcta, com base em tempos normais, suplementares efectivamente trabalhados e em conformidade com a legislação em vigor. O trabalho suplementar é autorizado previamente. As escalas são aprovadas superiormente devendo cada colaborador ter uma escala assignada. O registo e controlo de assiduidade é adequado e efectivo. Os valores processados e pagos estão de acordo com as horas efectivamente trabalhadas. As contribuições e impostos são processados de forma correcta. Os recursos afectos à função recursos humanos são utilizados de modo a maximizar a eficácia e eficiência das operações da entidade. A contratação, demissão, promoção avaliação de desempenho de colaboradores são efectuadas de acordo com a legislação em vigor. A informação requerida por entidades externas (INE, Segurança Social, etc.) é produzida de acordo com a legislação em vigor. As Demonstrações Financeiras reflectem nas rubricas apropriadas o valor correcto dos custos com o pessoal. Todas as responsabilidades significativas referentes ao pessoal existentes ou incorridas até à data estão mensuradas, registadas e classificadas nas demonstrações financeiras pelos valores apropriados. São divulgadas nos Anexos às Demonstrações Financeiras todas as informações pertinentes para facilitar a compreensão das mesmas.

27 Página: 27 de 116 Estão definidas as atribuições e responsabilidades dos colaboradores as quais contemplam uma adequada segregação de funções, assegurando que as operações de autorização, contabilização, controlo e salvaguarda de activos recaiam sobre diferentes departamentos e/ou pessoas. Os reportes para as entidades externas (ACSS, ARS, IGAS, IGF entre outros) são correcta e atempadamente efectuados.

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13 INDICE Pág. Nr. NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 ANEXO: PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 A.I CAIXA 8 A.I.1 Fundo de maneio 8 A.II BANCOS 9 A.II.1 Abertura e movimentação de contas bancárias

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL PREÂMBULO Com

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos

Gestão de Recursos Humanos Gestão de Pessoal Definição A Gestão de Pessoal implica não apenas o tratamento oficial do esquema de remunerações, mas também a manutenção do Cadastro dos Empregados, Higiene e Segurança no Trabalho,

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS.011-2011 Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde I.P.

ACSS Administração Central do Sistema de Saúde I.P. ACSS Administração Central do Sistema de Saúde I.P. Manual de Procedimentos Administrativos e Contabilísticos SERVIÇO DE GESTÃO FINANCEIRA MA.CHLP.014.00 1 / 69 Palavras-Chave: GESTÃO; FINANCEIRA; MANUAL

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

www.chvng.min-saude.pt PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1ª Revisão

www.chvng.min-saude.pt PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1ª Revisão www.chvng.min-saude.pt PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1ª Revisão Setembro 2011 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO DO CHVNG/E... 4 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS... 7 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo

UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo UNIVERSIDADE DE TRAS-OS-MONTES E ALTO DOURO Regulamento de Normas de Controlo Interno Serviços Financeiros e Patrimoniais Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade Pública (POCP), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO Sistema de Controlo Interno Escolas e Serviços da Administração Educativa RELATÓRIO 2008 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Sistema de Controlo Interno: Escolas e Serviços

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

sage Infologia50 Contabilidade

sage Infologia50 Contabilidade Contabilidade Nova Versão SAFT-PT Sage 2008 e Analisador SAFT: Validação, consulta e exploração de dados do ficheiro SAFT. Automatização do CMVMC: Automatização do CMVMC, permitindo a introdução da existência

Leia mais

DECISOR NEW BUSINESS CONCEPT ALL RIGHTS RESERVED ERP

DECISOR NEW BUSINESS CONCEPT ALL RIGHTS RESERVED ERP ERP C xientes da evolução do mercado dos ERP s, e do respectivo aumento de competitividade da concorrência, nas últimas duas décadas repensámos o nosso próprio ERP e aplicámos um conceito de tridimensionalidade.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno Câmara Municipal Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO INDICE CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º 1º Objecto... 4 Art.º 2º Âmbito... 4 Art.º 3º Competências... 4 Art.º 4º Documentos e registos... 5

Leia mais

Frequência de Contabilidade Financeira I

Frequência de Contabilidade Financeira I Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 5,00 valores 1.ª Teste A Frequência de Docentes: Ana Paula Matias e Francisco Antunes N.º: Prova: Frequência Data: 2011 11 29 Comprovativo de entrega

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação O Sistema de Controlo Interno deverá englobar o plano de organização, políticas, métodos e procedimentos de controlo, bem como todos os demais métodos e procedimentos. A elaboração de um tal documento

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

comparativo FUNCIONALIDADES COMUNS característica disponível característica não disponível licenciamento adicional Multiposto Ambiente Integrado

comparativo FUNCIONALIDADES COMUNS característica disponível característica não disponível licenciamento adicional Multiposto Ambiente Integrado característica disponível característica não disponível licenciamento adicional comparativo FUNCIONALIDADES COMUNS Multiposto Ambiente Integrado Multi-Empresa Multi-utilizador com gestão de permissões

Leia mais

República n.º 132 SÉRIE II de 12 de julho de 2011. INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 113 D1

República n.º 132 SÉRIE II de 12 de julho de 2011. INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 113 D1 1 Regula o procedimento de pagamento da comparticipação do Estado no preço de venda ao público dos medicamentos dispensados a beneficiários do Serviço Nacional de Saúde que não estejam abrangidos por nenhum

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos Actualizado em: 81121 P5 - Gestão Estratégica Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos SP3 Planeamento e Revisão do Sistema IT 9 Planeamento e Análise 4 Programa de Objectivos

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo

Regulamento de Controlo Interno. Junta de Freguesia de Valongo Junta de Freguesia de Valongo INDÍCE CAPÍTULO I 2 Disposições gerais CAPÍTULO II 3 Organização, funções, competências e atribuições CAPÍTULO III 4 Princípios e regras CAPÍTULO IV 5 Organização contabilística,

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE Pacote Contabilidade Destinatários O pacote Gestão Contabilística destina-se a Organizações que têm como principal objectivo a prestação de serviços

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 À Semelhança de medidas tomadas por administrações Fiscais de outros países, foi publicada em Portugal a portaria a regulamentar a Certificação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5659 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 40/2007 de 24 de Agosto Aprova um regime especial de constituição imediata de associações e actualiza o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO

NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO NORMA DE CONTROLO INTERNO PREÂMBULO O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei nº 162/99, de 14 Setembro,

Leia mais

Manual de Utilizador. SCDGF - Sistema de Classificação de Doentes de Apoio à Gestão e ao Financiamento. Módulo de Facturação

Manual de Utilizador. SCDGF - Sistema de Classificação de Doentes de Apoio à Gestão e ao Financiamento. Módulo de Facturação Manual de Utilizador SCDGF - Sistema de Classificação de Doentes de Apoio à Gestão e ao Financiamento Módulo de Facturação V3.0 20.09.2011 Índice Controlo do Documento... 5 Histórico de Alterações... 5

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT 1. O que é a requisição electrónica de MCDT e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de requisições de meios auxiliares

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Índice Pág. Abertura e movimento de contas. 17 Cheques. 17 Cobrança de receitas e outros fundos. 10 Cobrança por entidades diversas do Tesoureiro. 17 Compras.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS MAIO DE 2011 SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APROVISIONAMENTO E TRANSPORTES Regulamento para Requisição, Controlo e Fornecimento

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

GM RECURSOS HUMANOS HUMANOS. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM RECURSOS HUMANOS HUMANOS. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM RECURSOS O GM Recursos Humanos é a solução desenvolvida pela MacWin para a gestão do Capital Humano da sua empresa. Apoiada num interface intuitivo mas altamente eficiente, a solução torna-se extraordinariamente

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Pacote para Gestão de Recursos Humanos Destinatários O pacote Gestão de Recursos Humanos destina-se a Organizações que têm como principal

Leia mais

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal. Projeto de Informatização Gas GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.com Versão 4.11 A empresa Criada em

Leia mais

Módulo de CRM. Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES]

Módulo de CRM. Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES] Módulo de CRM Customer Relationship Management [VERSÃO 1.0] [APRESENTAÇÃO DE FUNCIONALIDADES] Um software com cada vez mais funcionalidades a pensar no seu negócio! A quem se destina As empresas que pretendem

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O POCAL Plano Oficial da Contabilidade das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, alterado pela Lei n.º 162/99,

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais