IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS"

Transcrição

1 BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo de aconselhamento profissional) INTRODUÇÃO Com este trabalho pretendemos chamar a atenção para alguns dos aspectos mais importantes a ter em consideração durante o exercício e em especial nos procedimentos de encerramento do mesmo, relativamente ao reconhecimento de perdas por imparidade de activos financeiros, tendo em consideração os seus aspectos contabilísticos e fiscais. ASPECTOS CONTABILÍSTICOS Normas aplicáveis: NCRF 27 Diferenças para o POC A NCRF 27 requer que nos activos financeiros mensurados ao justo valor, as variações dos mesmos seja levada a resultados. As normas internacionais já faziam parte do referencial português, por força da DC 18, pelo que as diferenças entre a NCRF 27 e o POC deveriam ser inexistentes. No entanto, admite-se que as diferenças possam ser muito significativas uma vez que as normas internacionais não estariam a ser aplicadas em Portugal de forma integral. 1

2 Definição A NCRF 27 define activo financeiro como sendo qualquer activo que seja, (a) dinheiro, (b) um instrumento de capital próprio de outra entidade, ou (c) um direito contratual de: - Receber dinheiro; - De trocar activos em condições potencialmente favoráveis; - Um contrato que possa ser liquidado em instrumentos de capital próprio da própria sociedade. Naturalmente inclui-se nesta classe os clientes e outras contas a receber. Entende-se por custo amortizado de um activo financeiro, a quantia pela qual o activo financeiro é mensurado no seu reconhecimento inicial, deduzido dos reembolsos de capital, +/- a amortização cumulativa, usando o método do juro efectivo, de qualquer diferença entre essa quantia inicial e a quantia na maturidade, e menos qualquer perda por imparidade ou incobrabilidade. Reconhecimento Um activo financeiro apenas deve ser reconhecido quando a empresa se torne uma parte das disposições contratuais do instrumento financeiro, ou seja quando satisfaz as condições de definição de activo financeiro. A Estrutura Conceptual define activo como sendo um recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se espera que fluam para a entidade benefícios económicos futuros. Mensuração Os instrumentos financeiros relativos a clientes e a contas a receber devem ser mensurados ao custo ou ao custo amortizado menos perdas por imparidade. Se o recebimento for diferido e o valor temporal do dinheiro for significativo, a mensuração inicial deve corresponder ao valor presente da quantia a receber, a diferença para o valor de factura deve ser reconhecido como rédito de juros. Enquanto o instrumento financeiro for detido, a política de mensuração subjacente ao mesmo não deve ser alterada. 2

3 Reconhecimento Os activos financeiros relativos a dívidas de clientes e de outros devedores devem ser avaliados quanto à imparidade no final de cada exercício. Caso sejam identificados indícios efectivos de imparidade, a Empresa deve reconhecer uma perda por imparidade na demonstração dos resultados. A NCRF 27 considera que existem indícios efectivos de imparidade quando se verifica: a) Uma significativa dificuldade financeira do devedor; b) Uma quebra contratual, tal como não pagamento ou incumprimento no pagamento do juro ou amortização da dívida; c) A oferta pelo credor ao devedor, por razões económicas ou legais relacionadas com a dificuldade financeira do devedor, de concessões que de outro modo, não consideraria; d) A probabilidade de o devedor entrar em falência ou qualquer outra reorganização financeira; e) O desaparecimento de um mercado activo para o activo financeiro, devido a dificuldades financeiras do devedor; f) Informação observável indicando que existe uma diminuição na mensuração da estimativa dos fluxos de caixa futuros de um grupo de activos financeiros desde o seu reconhecimento inicial, embora a diminuição não possa ser ainda identificada para um dado activo financeiro individual do grupo, tal como sejam condições económicas nacionais, locais ou sectoriais adversas. Mensuração As perdas de imparidade relacionadas com os activos financeiros provenientes de dívidas de clientes e de outros devedores, são calculadas pela diferença entre a quantia e o valor actual dos fluxos de caixa estimados descontados à taxa de juro original efectiva do activo financeiro. Reversão Se num período subsequente a perda por imparidade diminuir, a perda reconhecida anteriormente deve ser revertida. A reversão não deve resultar num valor contabilístico do activo financeiro que exceda o custo amortizado que estaria contabilizado, caso a imparidade não tivesse sido reconhecida, à data em que a imparidade foi revertida. O valor de reversão deve ser reconhecido no resultado líquido do período. 3

4 Desreconhecimento De acordo com a NCRF 27, deve-se desreconhecer um activo financeiro, quando: a) Os direitos contratuais aos fluxos de caixa resultantes do activo financeiro expiram, ou b) A entidade transfere para outra parte dos riscos significativos e benefícios relacionados com o activo financeiro, ou c) A entidade apesar de reter alguns riscos significativos e benefícios relacionados com o activo financeiro, tenha transferido o controlo do activo para uma outra parte e esta tenha capacidade prática de vender o activo na sua totalidade a uma terceira parte não relacionada e a possibilidade de exercício dessa capacidade unilateralmente, sem necessidade de impor restrições adicionais à transferência. Por exemplo, no Factoring sem recurso o risco é transferido, logo deve-se desreconhecer o activo financeiro. No Factoring com recurso e no desconto de letras o risco não se transfere, logo não se devem desreconhecer os activos financeiros. Divulgações Devem ser divulgadas as bases de mensuração e as políticas contabilísticas inerentes a estes activos financeiros, que sejam relevantes para a compreensão das demonstrações financeiras. Devem ser divulgadas as quantias s de cada uma das categorias dos activos financeiros. Para tal poderá ser utilizado um quadro do tipo seguinte: ACTIVOS FINANCEIROS Instrumentos de capital próprio Contas a receber de clientes Outras contas a receber Caixa e equivalentes Quando os activos financeiros mensurados ao custo amortizado se encontrarem em imparidade, esta deve ser divulgada e poderá ser apresentada num quadro do tipo seguinte: 4

5 IMPARIDADE DE CONTAS A RECEBER Reforços Reversões Clientes Outras contas a receber A informação apresentada no quadro acima deverá ser complementada com uma descrição acerca dos critérios que a Empresa segue para reconhecimento da imparidade. A imparidade reconhecida no exercício e a imparidade, poderá também ser suportada por um quadro que represente a antiguidade de saldos das dívidas de clientes, do tipo seguinte: DIVIDAS A RECEBER DE CLIENTES Não vencidas Vencidas: 0-30 dias dias dias dias > 360 dias Também recomendamos que as outras dívidas a receber sejam descriminadas num quadro do tipo seguinte: OUTRAS CONTAS A RECEBER Não correntes: Adiantamentos ao pessoal Assistência médica Correntes: Adiantamentos ao pesoal Devedores por acréscimos de rendimentos Outros 5

6 A Empresa deve também divulgar informação relevante acerca dos riscos a que a sua actividade se encontra exposta, tais como os riscos cambiais, os riscos de crédito e os riscos de liquidez. ASPECTOS FISCAIS A aplicação do método do custo amortizado passa a ser aceite para fins fiscais. Consideram-se rendimentos ou gastos do exercício em que ocorram os resultantes da aplicação do método do juro efectivo aos instrumentos financeiros valorizados pelo custo amortizado (art.º 20.º e 23.º n.º1 alínea c) do CIRC). As perdas por imparidade de dívidas a receber apenas são dedutíveis para efeitos fiscais desde que: a) Resultem de créditos da actividade normal da Empresa (art.º 35.º n.º 1 alínea a) do CIRC); b) Possam ser considerados de cobrança duvidosa (facturas vencidas há pelo menos 6 meses) e desde que sejam evidenciados em rubrica apropriada na contabilidade (art.º 35.º n.º 1 alínea a) do CIRC); c) Existam provas objectivas de imparidade e desde que tenham sido efectuadas diligências para o seu recebimento, por exemplo através do envio de carta registada ou de fax a solicitar o pagamento (art.º 36.º n.º 1 alínea c) do CIRC); d) O cliente tenha pendente processo de execução, de falência ou insolvência ou desde que tenha pendente processo especial de recuperação e protecção de credores e os mesmos se encontrem devidamente comprovados com as respectivas certidões emitidas pelo tribunal (art.º 36.º n.º 1 alínea a) do CIRC); e) Os créditos tenham sido reclamados judicialmente, devidamente comprovados por certidão do tribunal (art.º 36.º n.º 1 alínea b) do CIRC); Para os créditos sobre os quais existam provas objectivas de imparidade e desde que existam evidências das diligências de cobrança efectuadas, não são aceites como gastos fiscais as perdas por imparidade que ultrapassem os seguintes montantes anuais acumulados (art.º 36.º n.º 2 do CIRC): Meses de 6 até 12 De 12 até 18 De 18 até 24 Há mais de 24 Percentagens 25% 50% 75% 100% Por não serem considerados de cobrança duvidosa, não são aceites para efeitos de dedução fiscal as perdas por imparidade reconhecidas sobre os créditos das seguintes entidades (art.º 36.º n.º 3 do CIRC): a) Estado, Regiões autónomas e Autarquias locais; b) Cobertos por seguros de crédito, salvo na parte não coberta; 6

7 c) Detentores de pelo menos 10% do capital e sobre membros dos órgãos sociais e ainda sobre entidades participadas em pelo menos 10% do capital, a menos que o devedor tenha pendente processo de insolvência e de recuperação de empresas ou processo de execução ou quando os créditos tenham sido reclamados judicialmente; Os créditos incobráveis podem ser directamente considerados gastos ou perdas do período de tributação na medida em que tal resulte de processo de insolvência e de recuperação de empresas, de processo de execução ou de procedimento extrajudicial de conciliação para viabilização de empresas em situação de insolvência ou em situação económica difícil mediado pelo IAPMEI - Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento, quando relativamente aos mesmos não tenha sido admitida perda por imparidade ou, sendo-o, esta se mostre insuficiente (art.º 41.º do CIRC). Dossier fiscal O art.º 130.º do CIRC dispõe que os sujeitos passivos de IRC, com excepção dos que se encontrem isentos nos termos do art.º 9.º do CIRC, são obrigados a manter em boa ordem, durante o prazo de 10 anos, um "Processo de Documentação Fiscal" relativo a cada exercício, relacionado com a Declaração Modelo 22, o qual deverá estar constituído até 15 de Julho. Os documentos que devem constar no processo de documentação fiscal são os previstos na Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho. Assim e para o reconhecimento da imparidade relativa a dívidas de clientes e de outros devedores, recomendamos a organização de um processo capaz de fazer prova perante a administração fiscal quanto a todos os requisitos legais exigidos, onde conste: - Balancete de clientes e outros devedores - Mapa de antiguidade de saldos - Extractos dos clientes em imparidade com evidência da decomposição do saldo - Cópias das cartas registadas e/ou dos Fax enviados aos clientes - Cópia dos processos judiciais de recuperação de créditos - Cópia das certidões obtidas dos tribunais - Entre outros 7

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA;

FICHA DOUTRINÁRIA. ii) Cessação de atividade para efeitos de IVA, nos termos do art.º 33.º do CIVA; FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIRC Artigo: 36.º e 41.º Assunto: Créditos incobráveis não abrangidos pelo art.º 41.º - consequências fiscais do seu desreconhecimento, Despacho de 2014-01-28, do Diretor-Geral

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ANEXO I DESRECONHECIMENTO

ANEXO I DESRECONHECIMENTO ANEXO I DESRECONHECIMENTO Parte 1 - Enquadramento 1. As instituições devem considerar na avaliação de desreconhecimento dos títulos os requisitos abaixo indicados. 2. Para efeitos do número anterior, as

Leia mais

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos Adaptação do Código do IRC aos novos normativos contabilísticos 2009-04-23 1 Lei n.º 64-A/2008, de 31/12 (OE para 2009) Art.º 74.º Autoriza o Governo a alterar o Código do IRC e legislação complementar

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

CLASSE 2 CONTAS A RECEBER E A PAGAR:

CLASSE 2 CONTAS A RECEBER E A PAGAR: NOTA: Nos exemplos e exercícios que efectuamos utilizamos as taxas de IVA de 5%, 12% e 20%, no entanto as taxas de IVA, actualmente são de 6% (Lista I), 13% (Lista II) e 23% (Taxa normal). O mesmo se passa

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

ORA newsletter. Nº 65 JUNHO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MAIO DE 2012

ORA newsletter. Nº 65 JUNHO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MAIO DE 2012 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Maio de 2012 1 A Recuperação do IVA em Créditos Incobráveis 2 IAS 19 Benefícios aos Empregados (Revisão 2011) 5 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MAIO DE 2012

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

Classe 2. Contas a Receber e a Pagar. Classe 2 - Contas a Receber e a Pagar. Abordagem contabilística, fiscal e auditoria EDUARDO SÁ SILVA

Classe 2. Contas a Receber e a Pagar. Classe 2 - Contas a Receber e a Pagar. Abordagem contabilística, fiscal e auditoria EDUARDO SÁ SILVA Exerce funções de docente no Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) e na Escola Superior de Ciências Empresarias de Valença (ESCE). Exerce igualmente funções de técnico oficial

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

2.28. Benefícios dos Empregados

2.28. Benefícios dos Empregados . Modelo Geral do Sistema de Normalização Contabilística 179.8. Benefícios dos Empregados.8.1. Introdução O presente ponto é fundamentado na Norma Contabilística e de Relato Financeiro (NCRF) 8, e visa

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009

ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Mário Guimarães1 ALTERAÇÕES AO IRC BRAGA, 13 DE NOVEMBRO DE 2009 1. Introdução MÁRIO DA CUNHA GUIMARÃES (ROC, TOC, Docente do IPCA, Consultor Fiscal) uimaraes@jmmsroc.pt www.jmmsroc.pt ÍNDICE Mário Guimarães2

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS

ENCERRAMENTO DE CONTAS 1 13 Jan 2011 ENCERRAMENTO DE CONTAS ROCHA MARTINS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ENCERRAMENTO DE CONTAS GENERALIDADES GENERALIDADES 1. Número

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 1 - Introdução 1.1 - A APN - Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares, NIF.502887206, é uma Associação, constituída em 1992, tendo

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Relatório de Contas 2013 Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Anexo às Demonstrações Financeiras Aon Portugal Corretores de Seguros, S.A. 31 de Dezembro de 2013 Aon Portugal Corretores

Leia mais

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória 5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Av. Tenente Coronel João Luis de Moura, Loja A cave

Leia mais

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças

Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças Serviço de Intervenção e Cobranças Condições do Serviço de Intervenção e Cobranças A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, através do seu Departamento Jurídico e Fiscal, presta auxílio a empresas

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADE... 4 Período de 1 de Abril de 2011 a 31 de Março de 2012

RELATÓRIO DE ACTIVIDADE... 4 Período de 1 de Abril de 2011 a 31 de Março de 2012 RELATÓRIO E CONTAS FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 11 12 Abril de 2011 a Março de 2012 ÍNDICE 01 RELATÓRIO DE ACTIVIDADE... 4 Período de 1 de Abril de 2011 a 31 de Março de 2012 01.1. World of Difference 5

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013. FGCT, FCT e ME

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013. FGCT, FCT e ME INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 42/2013 FGCT, FCT e ME Índice 1.Introdução... 1 2.Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho (FGCT)... 1 2.1.Enquadramento contabilístico do FGCT... 1 2.2.Enquadramento fiscal

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) RelatórioAnual 2014 2 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

Clube de Futebol Os Belenenses

Clube de Futebol Os Belenenses Clube de Futebol Os Belenenses Em Preparado por: 1 Índice das Balanços em 30 de Junho 2015 e 30 Junho de 2014 3 Demonstrações dos Resultados por Naturezas dos exercícios findos em 30 Junho 2015 e 2014

Leia mais

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 28 páginas CONTEÚDO I Pág. Demonstrações financeiras Demonstração dos resultados 3 Demonstração do rendimento integral 3 Balanço 4 Demonstração

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Rua São Gonçalo de Lagos, Pavilhão de Exposições em Torres

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC 1 1 APRESENTAÇÃO A revogação do POC e o novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Aspectos fiscais mais relevantes decorrentes da adopção do

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria eduardo sá silva carlos martins Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria Índice Geral INTRODUÇÃO... I. CLASSE 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS... I.1 NORMAS RELEVANTES...

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Noites SNC 2010 2.ª Sessão

Noites SNC 2010 2.ª Sessão Noites SNC 3.ª Sessão 1 OBJECTIVO EN T ID A D E : B A LA N ÇO (Individual ou Consolidado) em XX de YYYYYYY DE 20XX R U B R IC A S N OT A S U N ID A D E M ON ET Á R IA (1) D A T A S 3 1 X X X N 3 1 X X

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais