Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas"

Transcrição

1 Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

2 Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Outras Medidas

3 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe - linha de crédito às empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, - até 40 milhões de euros, - destinada ao reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes

4 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Montantes de Financiamento: Micro empresas (-10 colaboradores) ,00 Pequenas empresas (10 a 49 colaboradores) ,00 Médias empresas (50 a 249 colaboradores) e Grandes Empresas do sector do turismo e sectores exportadores ,00 Sistema de garantia mútua (50% e 75%) Bonificação de juros e carência de capital até 12 meses Candidatar-se directamente nas Instituições Bancárias

5 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Condições de Acesso não tenham incidentes não justificados junto da banca e/ou dívidas à Administração Fiscal ou à Segurança Social manter o volume de emprego observado à data da contratação do empréstimo durante a vigência do contrato de financiamento. Prazo das operações pode ser até 7 anos, mas apenas de 3 anos para as micro e pequenas empresas

6 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Pontos fortes Reforço da liquidez das empresas (O montante máximo de financiamento ,00 (micro empresas), ,00 (pequenas empresas) ou ,00 (restantes empresas); Beneficiam de uma garantia mútua (até 75% do capital em dívida micro e pequenas empresas, ou até 50% no caso de operações com as restantes empresas);

7 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Pontos fortes Bonificação de juros; Isenção de comissões e taxas habitualmente praticadas pelo banco, bem como outras similares praticadas pelo Sistema de Garantia Mútua (SGM).

8 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Pontos fracos Obrigatoriedade de não dispor de dívidas à Administração Fiscal ou Segurança Social; Manter o volume de emprego observado à data da contratação do empréstimo durante a vigência do contrato de financiamento (3 a 7 anos); Prazo de reembolso reduzido para as micro e pequenas empresas (até 3 anos com um período de carência de 12 meses);

9 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Pontos fracos Aquisição de acções da SGM no montante de 2% sobre o valor da garantia; Prazos muito dilatados entre a aprovação e contratação da operação; Custos e encargos, associados à contratação do financiamento, designadamente os associados a avaliação de imóveis, registos e escrituras, impostos ou taxas, e outras despesas similares,

10 de Apoio ao Sector Empresarial Açores Investe Pontos fracos Possibilidade de exigência de outras garantias adicionais às empresas. Algumas empresas reclamam que concorreram às duas linhas, devido à formalização da operação mais tardia desta linha, ficaram com as contas caucionadas canceladas. Após a aprovação a operação pelo Banco e Ilhas de Valor estão a debitar de imediato o montante de 2% sobre o valor da garantia referente às acções da SGM

11 Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Outras Medidas

12 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores: até ao montante global de 100 milhões de euros, que visa a realização de operações de reestruturação de dívida bancária, nomeadamente, resultante de contas correntes caucionadas, crédito ao investimento e leasing de equipamento afecto à actividade produtiva Candidatar-se directamente nas Instituições Bancárias

13 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores condições de acesso a) Não ter incidentes não justificados junto de instituições de crédito; b) Podem candidatar-se empresas que tenham transitoriamente dívidas à Administração Fiscal ou à Segurança Social, na condição de que procedam à sua regularização até à formalização do acto que lhes permita beneficiar da bonificação c) Não se encontrem em situação de insolvência d) Comprometer-se a manter o volume de emprego

14 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores montantes máximos a financiar: a) O montante máximo de operações a financiar por empresa é de 3 Milhões de euros; b) Empresas do mesmo Grupo Empresarial detidas em mais de 50% por poderão candidatar-se com as empresas que no seu conjunto de operações, não ultrapassem os 9 Milhões de euros.

15 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores montantes máximo a financiar: a) Bonificação de 50% do spread num valor máximo de bonificação de 1,5%; b) O montante total de bonificação a atribuir a cada uma das empresas não poderá exceder 30% dos encargos financeiros bancários suportados no período compreendido entre e

16 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores prazo das operações: a) O prazo máximo do apoio inerente às operações é até 10 anos, após a contratação; b) O período de carência de Capital é entre 12 e até 24 meses; c) As operações vencem juros que serão liquidados à respectiva instituição de crédito trimestral e postecipadamente.

17 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Pontos Fortes: Diminuição dos encargos financeiros globais a curto e médio prazo; Libertação de fundos para reforçar a solidez económicofinanceira;

18 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Pontos Fortes: Bonificação de 50% do spread (num valor máximo de bonificação de 1,5%); O prazo de decisão das operações é mais reduzido, pela não intervenção da SGM;

19 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Pontos Fracos: Manter o volume de emprego observado à data da contratação do empréstimo durante a vigência do contrato de financiamento (até 10 anos); Prazos muito longos entre a aprovação e contratação da operação; Exigência de garantias reais;

20 Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Pontos Fracos: Custos e encargos, associados à contratação do financiamento, designadamente comissões e taxas praticadas pelo Banco e pelo Sociedade de Garantia Mútua, bem como outros associados a avaliação de imóveis, registos e escrituras, impostos ou taxas, e outras despesas similares;

21 Observações das Instituições Bancárias: Os empresários têm de uma maneira geral apresentado os elementos atempadamente; Intervenção da Sociedade de Garantia Mútua tem prejudicado os prazos de formalização da operação; Na linha de apoio da reestruturação da dívida deveria existir a opção de pagamento dos juros mensalmente, para não existir derrapagens.

22 Observações das Instituições Bancárias: Estão numa fase de conclusão da formalização das operações; Antes da entrada em vigor das linhas de crédito deveriam ter consultado os bancos, para que as regras do circuito fossem claramente definidas; A procuração passada ao banco pelo avalista (empresa Ilhas de Valor) dando poderes para assinarem o contrato por aquela entidade, introduziu maior celeridade no processo de formalização das operações;

23 Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Outras Medidas

24 Um Pacote de Medidas Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER, de modo a potenciar respostas mais céleres e adequadas à promoção e facilitação do sistema privado: Antecipar o pagamento das comparticipações governamentais, no âmbito dos sistemas de incentivos Pagamento mediante factura 15 dias para entrega de recibo

25 Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Outras Medidas

26 Regulamento do Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho: Sistema de adiantamento de fundo reembolsável para pagamento a funcionário

27 Regulamento do Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho montante de apoio: empréstimo reembolsável no prazo máximo de 6 anos, sem juros, e com um ano de carência de amortização, não podendo ultrapassar quatro vezes o equivalente ao valor mensal da retribuição mínima garantida por lei (4x472,50 ) por cada posto de trabalho permanente a manter.

28 Regulamento do Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Pontos Fortes: Manter o nível de emprego das empresas com dificuldades económicas; Beneficiar de um empréstimo reembolsável no prazo máximo de 6 anos, sem juros, e com um 1ano de carência de amortização, que será determinado em função das necessidades da empresa e do tipo de operação a financiar, não podendo ultrapassar quatro vezes o equivalente ao valor mensal da retribuição mínima garantida por lei (4x472,50 ) por cada posto de trabalho permanente a manter.

29 Regulamento do Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Pontos Fracos: Obrigação de não terem efectuado despedimentos colectivos no período de um ano antecedente ao pedido; Inexistência até à data de uma fase de candidaturas no âmbito da Tipologia 3 Consultadoria e Formação para Microempresas e PME do Pro-emprego, impossibilitando as empresas de beneficiaram de um apoio para desenvolver e executar um programa de viabilização

30 Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera o Regime do SIDER Programa de Apoio à Manutenção de Postos de Trabalho Outras Medidas

31 Programa de Valorização Profissional: Qualificar os trabalhadores em momentos de baixa de actividade económica transitória, de carácter sazonal, de modo a melhorar a sua situação profissional, a sua empregabilidade, bem como aumentar a qualidade do tecido empresarial açoriano

32 Programa de Valorização Profissional - Pontos Fortes: Qualificar activos que se encontram em períodos temporários de inactividade por baixa de actividade sazonal; Manter o nível de emprego das empresas com sede na Região; A compensação retributiva devida a cada trabalhador é garantida em 30% pelo seu empregador, e em 70% pela Segurança Social, sendo os 30% da compensação retributiva devida pelo empregador reembolsados às empresas pelo Fundo Regional de Emprego.

33 Programa de Valorização Profissional - Pontos Fracos: Só podem beneficiar dos apoios as empresas do Sector do Turismo, que desenvolvem as actividades de alojamento, restauração e similares e as actividades de diversão e recreativas; Só é aplicável nos casos de suspensão do contrato de trabalho (não aplicável nas situações de redução do período normal de trabalho);

34 Programa de Valorização Profissional - Pontos Fracos: Só podem ser abrangidos os trabalhadores que tenham estabelecido com a empresa um contrato de trabalho sem termo; Processo de candidatura pouco claro

35 Ser Associado da CCAH é uma Vantagem Económica Única Muito Obrigado

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo)

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Objetivo - Financiar o reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes e investimento novo em ativos fixos corpóreos ou incorpóreos; - Até

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

PME Investe VI Aditamento

PME Investe VI Aditamento PME Investe VI Aditamento O apoio do FINOVA às empresas Fundo gerido pela PME Investimentos No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe,

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ

LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ 1- O que é a Linha de Apoio à Reestruturação de Dívida Bancária das Empresas dos Açores e Apoio à Liquidez?

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho

LINHAS DE CRÉDITO E APOIO EMPRESAS DOS AÇORES. 2011- Junho LINHAS DE CRÉDITO E APOIO ÀS EMPRESAS DOS AÇORES 2011- Junho CONJUNTURA INTERNACIONAL ADVERSA No final do ano de 2008 dá-se o colapso de algumas das principais instituições financeiras dos EUA Rápida contaminação

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE - Síntese dos Termos e Condições -

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE - Síntese dos Termos e Condições - - Síntese dos Termos e Condições - A Condições Gerais da Linha 1. Montante Até 800 milhões de euros. 2. Prazo de Vigência Até 6 meses após a abertura da Linha de Crédito, podendo este prazo ser extensível

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.3

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.3 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

Linha de apoio à exportação das empresas dos Açores

Linha de apoio à exportação das empresas dos Açores Linha de apoio à exportação das empresas dos Açores Beneficiários Empresários em nome individual, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, sociedades comerciais e cooperativas, que desenvolvam

Leia mais

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1

3º Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.1 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros nº 16/2010,de 4 de março aprova o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Economia Social (PADES)

Resolução do Conselho de Ministros nº 16/2010,de 4 de março aprova o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Economia Social (PADES) 2013 Índice O enquadramento O que é Para que serve Para quem Que tipologias específicas existem O que é comum O que é diferente Quanto custa Circuito de candidatura e decisão Entidades responsáveis O

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 28/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 28/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 28/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando que as empresas são essenciais à criação e manutenção do emprego e ao crescimento económico,

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação -

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação - Anexo III Termos e condições da Linha de Crédito PME CRESCIMENTO I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: Preferencialmente Pequenas e Médias Empresas (PME), tal como definido na Recomendação

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

Linha de Crédito PME INVESTE V

Linha de Crédito PME INVESTE V Linha de Crédito PME INVESTE V MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OUTRAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia MútuaM Enquadramento No quadro dos apoios que têm vindo a ser concedidos às PME s portuguesas

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano SISTEMAS DE INCENTIVO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL Sistema de Incentivos à Inovação MODCOM Modernização do Comércio Linha de Crédito - PME INVEST III ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015. Ficha de Produto

Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015. Ficha de Produto Linha Garantia Mútua - FEI 2013-2015 Ficha de Produto 1) Beneficiários: Pequenas e médias empresas, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, localizadas em território nacional,

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Empreendimentos Turísticos e Actividades de Animação de Interesse para o Turismo Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que:

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas do sector

Leia mais

FUNDO FINICIA CRÉDITO LOCAL AO INVESTIMENTO. PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO - Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ÁGUEDA

FUNDO FINICIA CRÉDITO LOCAL AO INVESTIMENTO. PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO - Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ÁGUEDA FUNDO FINICIA CRÉDITO LOCAL AO INVESTIMENTO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO - Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ÁGUEDA Entre: A CÂMARA MUNICIPAL DE ÁGUEDA, Contribuinte nº

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM Fundo de Contragarantia Mútuo Sessões Turismo de Portugal, Abril 2010 Apresentação Segmentos de Actuação Linhas de Oferta

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Estabelecimentos de Restauração e Bebidas Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Não tenham um volume de facturação anual

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.2

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.2 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações enquadradas ou já contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incidentes não

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 1. QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional: SI Inovação SI Qualificação e Internacionalização das PME 2. Regime Protocolos Bancários 3. Linha de Crédito

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados junto

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO EMPRESAS

LINHAS DE CRÉDITO EMPRESAS LINHAS DE CRÉDITO EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Novembro de 2008 Síntese - Condições gerais Breve resumo das condições Linha Linha Linha Micro e Exportadoras Turismo Pequenas Empresas Montante

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade

Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade Propostas de apoio de tesouraria a empresas portuguesas com atividade comercial em Angola: Linha de Crédito com garantia mútua Governo de Portugal Ministério da Economia Secretaria de Estado da Inovação,

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

Novas Ideias Novos Negócios. 2 de Julho de 2014

Novas Ideias Novos Negócios. 2 de Julho de 2014 Microcrédito Novas Ideias Novos Negócios 2 de Julho de 2014 Microcrédito - MicroInvest para financiamentos até 20.000 euros por operação, com garantia SGM de 100%; - Invest + destinada a financiar operações

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 17-agosto-2015 2.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos - Crédito Habitação para Residentes [2.1.20150922.18]

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI Sistema de Apoio Financeiro à Agricultura Linha de Crédito ao Fundo de Maneio

Leia mais

Índice. Pág. Nota Introdutória 5

Índice. Pág. Nota Introdutória 5 REGULAMENTO 2013 1 2 Índice Pág. Nota Introdutória 5 1. Disposições e princípios Gerais 6 1.1. Disposições Gerais 6 1.1.1. Objecto 6 1.1.2. Prazos de Aplicação e Modificações 6 1.1.3. Definições 6 1.2.

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

crédito ao investimento no turismo

crédito ao investimento no turismo Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, lote 6 1050-124 Lisboa Tel 211 140 200 Fax 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt www.turismodeportugal.pt crédito ao investimento no turismo p r

Leia mais

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS ÀS PME S Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada PROGRAMA DE APOIO À RESTAURAÇÃO E HOTELARIA PARA A AQUISIÇÃO DE PRODUTOS REGIONAIS LINHA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA DOS AÇORES

Leia mais

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014 Soluções de Financiamento BES 21 de Janeiro de 2014 Agenda I. Enquadramento II. III. IV. Soluções de Financiamento para «Começar» Soluções de Financiamento para «Crescer e Consolidar» Soluções de Financiamento

Leia mais

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES Cartão Ordem dos Advogados Um cartão de crédito PERSONALIZADO E DIFERENCIADOR com vantagens únicas para a classe profissional COMPRE AGORA

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO LINHAS DE CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE PROTOCOLO BANCÁRIO TP NATUREZA Conjuntural Estrutural OBJECTIVO Facilitar o acesso das empresas do sector ao crédito Promover

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014]

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJETO Criar as condições para a adequação dos serviços de dívida

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM José Fernando Figueiredo Presidente do Conselho de Administração Sessão PRIME - Lisboa 4 Fevereiro 2010 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO... Poupança 2 ... AO LONGO DO

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ALMADA Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objetivo) Pretende-se

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO?

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? FINANCIAMENTOS DISPONÍVEIS para PME s Mecanismos de Financiamento 1. Sistemas de Incentivos do QREN 2. Linhas PME Investe 3. Microcrédito 4. Valtejo FINICIA 5. PAECPE

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais