BALANÇO ENERGÉTICO do Estado do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO ENERGÉTICO do Estado do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 BALANÇO ENERGÉTICO do Estado do Rio de Janeiro

2 Realização: SECRETARIA DA CASA CIVIL E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Apoio:

3 BALANÇO ENERGÉTICO do Estado do Rio de Janeiro RIO DE JANEIRO 2018

4 Copyright 2018 Amaro Olimpio Pereira Junior Todos os direitos desta edição reservados à Synergia Editora Editor Jorge Gama Editora assistente Isabelle Assumpção Capa Equipe Synergia Diagramação Flávio Meneghesso Revisão Equipe Synergia Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) de acordo com ISBD Elaborado por Vagner Rodolfo da Silva - CRB-8/9410 P436b Pereira Jr, Amaro O. Balanço energético do estado do Rio de Janeiro: / Amaro Olimpio Pereira Junior (Coord.) Rio de Janeiro : Synergia, p. ; 14cm x 21cm. Inclui bibliografia. ISBN: Economia. 2. Balanço energético. 3. Rio de Janeiro (Estado). I. Título. CDD CDU 33(81) Índice para catálogo sistemático 1. Economia : Brasil Economia : Brasil 33(81) Livros técnicos, científicos e profissionais Tel.: (21)

5 SUMÁRIO EXECUTIVO Governador Luiz Fernando Pezão Vice-Governador Francisco Oswaldo Neves Dornelles Secretário da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico Christino Áureo da Silva Subsecretario de Desenvolvimento Econômico Alberto Messias Mofati Equipe SDE Sergio Guaranys Glauco La Macchia

6 Coordenação: Amaro Olimpio Pereira Junior Equipe Técnica do Balanço Energético Raymundo Moniz de Aragão Neto Christiane Barbosa Eluan Uchôa Claude Cohen Jacqueline Barbosa Mariano Teresa Bezerra Meira Thaís Cammarota Editoração Elza Maria da Silveira Ramos

7 PREFÁCIO A Subsecretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico entrega o Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro anos-base 2015 e 2016, com dados referentes à produção de energia por fontes, o consumo por região e por setor, a importação e exportação, a distribuição e o uso inal da energia. O Estado se destaca por ser o maior produtor e contar com as maiores reservas de petróleo e gás natural do Brasil, localizadas nas Bacias de Campos e Santos. Mas, além das fontes tradicionais de energia, o Estado atua no desenvolvimento da oferta de energias alternativas, apoiando e desenvolvendo os instrumentos legais para a sua produção. Nesse contexto, merecem destaque a produção de biogás e de biometano primeira produção comercial do Brasil, a partir de resíduos sólidos de lixões, e o desenvolvimento de ferramentas para utilização e disseminação do conceito à população, tal como o aplicativo Mapa Solar Rio, que identi ica o potencial de geração fotovoltaica nos telhados do município do Rio (disponível no site e o Atlas Solarimétrico do Estado do Rio de Janeiro (disponível no site que facilita os cálculos econômicos de investidores potenciais em geração solar no Estado.

8 Assim, a manutenção de uma base de dados atualizada com informação sobre todos os luxos de energia, começando pela extração de recursos primários, passando pelo processamento das fontes primárias em secundárias nos centros de transformação, até chegar ao consumo inal, é fundamental para que o governo possa formular políticas energéticas adequadas que possibilitem desenvolver estratégias voltadas para a atração de novos investimentos com foco na cadeia produtiva e, com isso, gerar novos empregos e renda para a população luminense. Paralelamente, a Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico vem estimulando o aproveitamento de outros recursos energéticos existentes, tais como energia solar, eólica, biomassa, biogás e biocombustíveis. Para tanto é necessário dimensionar as demandas das diferentes fontes de energia por parte dos consumidores residencial, comercial, público, industrial, agropecuário e setor de transportes de forma a balizar a política energética a ser implementada. Neste sentido, a publicação regular do Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro auxilia, neste processo, trazendo dados de produção de petróleo, gás natural, energia hidráulica, produtos da cana-de-açúcar e outras fontes renováveis; de importação, exportação, variação de estoques, reinjeção e energia não aproveitada; de transformação de energia nas re inarias, unidades processadoras de gás natural, plantas de gasei icação, coquerias, centrais elétricas, carvoarias e destilarias e; de consumo inal de energia no setor residencial, comercial, público, agropecuário, de transportes e industrial. Esperando que esta publicação contribua para a elaboração de estudos e projetos empreendidos pelos diversos agentes econômicos que atuam no setor, aproveitamos para agradecer às empresas que contribuíram fornecendo informações de produção, transformação e consumo de energia, além das instituições que nos apoiaram com dados adicionais, como a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a Petrobrás, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a FIRJAN, dentre outras. Alberto Mofati Subsecretário de Desenvolvimento Econômico VIII Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

9 APRESENTAÇÃO O Balanço Energético é uma forma consistente de representação do luxo de energia em um sistema país, estado ou município, permitindo que de forma sintética sejam veri icadas a con iabilidade e o tratamento adequado dessas informações. Trata-se de uma forma reconhecida de representação, bastando citar o Balanço Energético Nacional como a mais antiga publicação continuada de estatísticas do país. No Estado do Rio de Janeiro, a Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico de ine políticas e estratégias que contemplem diretrizes e prioridades para o segmento Energético do Estado, a partir da elaboração do Balanço Energético, que é a principal base de dados para a elaboração da Matriz Energética Estadual. A presente publicação é uma síntese do Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro relativo aos anos 2015 e 2016, que está disponível no site da Subsecretaria de Desenvolvimento Econômico ( sedeis) e no site do Programa de Planejamento Energético da COPPE/UFRJ ( cujo objetivo principal é atualizar a base de dados ener-

10 gética do Estado, com vistas a despertar o interesse de potenciais investidores e subsidiar políticas públicas para proporcionar a necessária segurança de suprimento de energia. São objetivos especí icos deste trabalho: A publicação do Balanço Energético Estadual, contendo séries históricas da contabilização dos luxos dos diferentes produtos energéticos produzidos, processados e consumidos no Estado; A consolidação da metodologia para desenvolvimento do Balanço, incluindo processos de coleta de dados, identi icação de suas fontes e métodos para contabilização; Disseminação do conhecimento e disponibilidade de dados para entidades governamentais e não governamentais, interessadas em questões energéticas; Fornecer elementos para garantir que o uso e a produção das fontes de energia não contribuam para a degradação do meio ambiente natural e urbano e para a emissão de gases geradores de efeito estufa. X Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

11 DESTAQUES Dos resultados obtidos na presente edição do Balanço Energético, merecem especial destaque: A atividade econômica reduzida teve impactos no consumo inal de energia. Setores como indústria e transportes, diretamente dependentes da atividade econômica, tiveram seus consumos totais de energia reduzidos em 2016 de 8,5% e 12,3% em relação a 2014, respectivamente. Apesar da redução na atividade econômica, o Estado manteve sua força como produtor de energia primária, especialmente petróleo e gás natural. Comparado com 2014, a produção de energia primária apresentou crescimento de 14,4% em 2016, passando a representar 35% da produção nacional. A oferta interna de energia apresentou forte redução em 2016 na comparação com 2014, de 16,8%. Tal redução é explicada pela combinação da redução do consumo inal (6,4%) e a energia utilizada em processos de transformação (23,9%), especialmente na geração termelétrica de eletricidade (com redução de 26,4% na comparação entre os anos)

12

13 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...IX DESTAQUES...XI DADOS SOCIOECONOMICOS... 1 EVOLUÇÃO DO PIB RJ E BRASIL (1985=100)... 2 EVOLUÇÃO DO PIB/CAPITA RJ E BRASIL (1985=100)... 3 PREÇOS DA ENERGIA RJ E BRASIL... 4 PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA...5 PRODUÇÃO DE ENERGIA RJ E BRASIL... 6 CONSUMO FINAL DE ENERGIA RJ E BRASIL... 7 OFERTA INTERNA DE ENERGIA RJ E BRASIL... 8 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RJ E BRASIL... 9 CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA...10

14 ESTRUTURA DA OFERTA INTERNA DE ENERGIA (KTEP) RJ...11 CONSUMO FINAL POR FONTE (KTEP) RJ...12 CONSUMO FINAL POR SETOR (KTEP)...13 CONSUMO DE ENERGIA SETOR INDUSTRIAL (KTEP)...14 CONSUMO DE ENERGIA SETOR DE TRANSPORTES (KTEP)...15 INDICADORES ENERGÉTICOS INTENSIDADE ENERGÉTICA RJ E BRASIL...18 CONSUMO FINAL DE ENERGIA PER CAPITA RJ E BRASIL...18 CONSUMO DE ELETRICIDADE PER CAPITA RJ E BRASIL...19 EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) DO SETOR DE ENERGIA RJ E BRASIL...19 EMISSÕES DE GEE PER CAPITA RJ E BRASIL...20 EMISSÕES GEE POR PIB RJ E BRASIL...20 DADOS POR REGIÃO ADMINISTRATIVA...21 PRODUÇÃO DE ENERGIA PRIMÁRIA POR REGIÃO ADMINISTRATIVA...22 CONSUMO FINAL POR REGIÃO ADMINISTRATIVA (KTEP)...23 BALANÇOS ENERGÉTICOS CONSOLIDADOS...25 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1980 (UNIDADE: KTEP)...26 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1985 (UNIDADE: KTEP)...27 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1990 (UNIDADE: KTEP)...28 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1995 (UNIDADE: KTEP)...29 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2000 (UNIDADE: KTEP)...30 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2005 (UNIDADE: KTEP)...31 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2010 (UNIDADE: KTEP)...32 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2014 (UNIDADE: KTEP)...33 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2015 (UNIDADE: KTEP)...34 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2016 (UNIDADE: KTEP)...35 XIV Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

15 DADOS SOCIOECONOMICOS

16 EVOLUÇÃO DO PIB RJ e Brasil (1985=100) Fonte: CEPERJ (RJ) e IBGE (Brasil) 2 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

17 EVOLUÇÃO DO PIB/CAPITA RJ e Brasil (1985=100) Fonte: CEPERJ (RJ) e IBGE (Brasil) Dados Socioeconômicos 3

18 PREÇOS DA ENERGIA RJ e Brasil RJ Brasil Fonte de Energia Energia Elétrica Residencial (US$c/MWh)a Energia Elétrica Industrial (US$c/MWh)a 197,42 209,96 179,67 183,54 187,39 202,23 154,89 154,58 Gasolina C (US$/litro)b 1,06 1,13 1,00 1,06 Óleo Diesel (US$/litro)b 0,84 0,88 0,85 0,86 GLP (US$c/kg)b 1,06 1,11 1,11 1,19 Gás Natural (US$/mil m3)b 154,98 102,83 145,20 164,98 Fonte: a ANEEL; b fonte: ANP; c Câmbio 2015: 3,34 R$/US$ 2016: 3,48 R$/US$ 4 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

19 PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA

20 PRODUÇÃO DE ENERGIA RJ e Brasil A barra azul do grá ico acima mostra que o Estado do Rio de Janeiro foi responsável por 35% da produção de energia primária nacional em Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

21 CONSUMO FINAL DE ENERGIA RJ e Brasil O consumo inal de energia no Estado do Rio de Janeiro, por outro lado, representou 7,6% do total nacional, como mostra a barra azul do grá ico acima. Produção e Consumo de Energia 7

22 OFERTA INTERNA DE ENERGIA RJ e Brasil Rio de Janeiro Brasil 8 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

23 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RJ e Brasil Rio de Janeiro Brasil Produção e Consumo de Energia 9

24 CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor de Consumo Consumo (GWh) Residencial Industrial Comercial Rural Poder público Iluminação pública Serviço Público Consumo Próprio Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

25 ESTRUTURA DA OFERTA INTERNA DE ENERGIA (ktep) RJ % (2016) OFERTA INTERNA DE ENERGIA % ENERGIA NÃO RENOVÁVEL % PETRÓLEO E DERIVADOS % GÁS NATURAL % CARVÃO MINERAL E DERIVADOS URÂNIO (U3O8) E DERIVADOS % % ENERGIA RENOVÁVEL % HIDRÁULICA E ELETRICIDADE % LENHA E CARVÃO VEGETAL % DERIVADOS DA CANA-DE-AÇÚCAR % OUTRAS RENOVÁVEIS % Produção e Consumo de Energia 11

26 CONSUMO FINAL POR FONTE (ktep) RJ % (2016) Gás Natural % Carvão Mineral % Lenha % Bagaço de Cana % Outras Renováveis % Gás de Coqueria % Coque % Eletricidade % Carvão Vegetal % Etanol % Alcatrão % Produtos do Petróleo % 12 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

27 CONSUMO FINAL POR SETOR (ktep) % (2016) Consumo Não Energético % Setor Energético % Residencial % Comercial % Público % Agropecuário % Transportes % Industrial % Produção e Consumo de Energia 13

28 CONSUMO DE ENERGIA SETOR INDUSTRIAL (ktep) Extração e Tratamento de Minerais Cimento Cerâmica Vidro Outros não Metálicos Siderurgia Outros Metalúrgicos Papel e Celulose Química Têxtil Produtos Alimentícios Bebidas Outras Indústrias Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

29 CONSUMO DE ENERGIA SETOR DE TRANSPORTES (ktep) Total Rodoviário Ferroviário Aéreo Hidroviário Produção e Consumo de Energia 15

30

31 INDICADORES ENERGÉTICOS

32 INTENSIDADE ENERGÉTICA RJ e Brasil Intensidade energética RJ Brasil Intensidade Total (tep/106 R$) 40,16 41,05 46,15 46,01 Indústria (tep/106 R$) 24,07 22,86 48,88 50,43 Agropecuária (tep/106 R$) 12,72 11,03 31,66 29,18 Serviços (tep/106 R$) 3,14 3,19 2,88 2,93 Residência (tep/ mil domicílios) 321,44 307,30 394,72 385,98 Transporte (tep/106 R$) 9,49 9,47 12,95 13,19 CONSUMO FINAL DE ENERGIA PER CAPITA RJ e Brasil 18 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

33 CONSUMO DE ELETRICIDADE PER CAPITA RJ e Brasil EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) DO SETOR DE ENERGIA RJ e Brasil Indicadores Energéticos 19

34 EMISSÕES DE GEE PER CAPITA RJ e Brasil EMISSÕES GEE POR PIB RJ e Brasil 20 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

35 DADOS POR REGIÃO ADMINISTRATIVA

36 PRODUÇÃO DE ENERGIA PRIMÁRIA POR REGIÃO ADMINISTRATIVA REGIÃO PRODUÇÃO (ktep) % METROPOLITANA 86,0 0,08% NOROESTE FLUMINENSE 12,4 0,01% NORTE FLUMINENSE ,3 99,35% SERRANA 231,1 0,22% BAIXADAS LITORÂNEAS 0,0 0,00% MÉDIO PARAÍBA 313,7 0,30% CENTRO-SUL FLUMINENSE 33,2 0,03% COSTA VERDE 0,0 0,00% TOTAL ,6 100,00% 22 Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

37 CONSUMO FINAL POR REGIÃO ADMINISTRATIVA (ktep) REGIÃO CONSUMO NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL, PÚBLICO E AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL METROPOLITANA 159, , , , , ,4 NOROESTE FLUMINENSE 6,50 0,0 48,2 21,6 133,0 15,7 NORTE FLUMINENSE 19, ,8 121,9 62,8 396,9 170,0 SERRANA 17,60 0,0 114,8 38,7 356,5 207,0 BAIXADAS LITORÂNEAS 6,70 0,0 113,8 57,6 500,4 23,2 MÉDIO PARAÍBA 22,70 142,1 98,7 63,2 403, ,9 CENTRO-SUL FLUMINENSE 7,30 0,0 43,9 16,9 177,2 15,3 COSTA VERDE 6,80 0,0 35,7 15,4 106,2 4,2 TOTAL 246, , , , , ,8 Dados por Região Administrativa 23

38

39 BALANÇOS ENERGÉTICOS CONSOLIDADOS

40 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1980 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

41 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1985 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanços Energéticos Consolidados 27

42 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1990 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

43 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 1995 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanços Energéticos Consolidados 29

44 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2000 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

45 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2005 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanços Energéticos Consolidados 31

46 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2010 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

47 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2014 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanços Energéticos Consolidados 33

48 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2015 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanço Energético do Estado do Rio de Janeiro

49 BALANÇO ENERGÉTICO CONSOLIDADO 2016 (Unidade: ktep) FLUXO DE ENERGIA PETRÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL PRODUTOS DA CANA DERIVADOS PETRÓLEO HIDRÁULICA E ELETRICIDADE OUTROS TOTAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (EXTERIOR) IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO (NACIONAL) PERDAS, REINJEÇÃO E VARIAÇÃO DE ESTOQUES OFERTA INTERNA BRUTA REFINARIAS PLANTAS DE GÁS NATURAL USINAS DE GASEIFICAÇÃO COQUERIAS CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR CENTRAIS ELÉTRICAS CARVOARIAS DESTILARIAS OUTRAS TRANSFORMAÇÕES PERDAS DA DISTRIBUIÇÃO CONSUMO FINAL TOTAL CONSUMO FINAL NÃO ENERGÉTICO SETOR ENERGÉTICO RESIDENCIAL COMERCIAL PÚBLICO AGROPECUÁRIO TRANSPORTES INDUSTRIAL Balanços Energéticos Consolidados 35

50

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Balanço Energético Nacional

Balanço Energético Nacional 2008 Balanço Energético Nacional Sumário Executivo ano base 2007 Balanço Energético Nacional 2008 ano base 2007 : : sumário executivo Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Édison Lobão Secretário

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Superintendente de Energia Sergio Guaranys. Equipe SDE Glauco La Macchia. Coordenação: Amaro Pereira. Governador Luiz Fernando Pezão

Superintendente de Energia Sergio Guaranys. Equipe SDE Glauco La Macchia. Coordenação: Amaro Pereira. Governador Luiz Fernando Pezão Governador Luiz Fernando Pezão Vice-Governador Francisco Oswaldo Neves Dornelles Secretário da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico Christino Áureo da Silva Subsecretario de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

O 23 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2007, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 23 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2007, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2018

Balanço Energético Nacional 2018 Balanço Energético Nacional 2018 Relatório Síntese ano base 2017 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2018 Destaques ano base 2017 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

O 22 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2006, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 22 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2006, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2009 I Resultados Preliminares I ano base 2008 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Impressão Flama Ramos Acabamento e Manuseio Gráfico LTDA Brasil. Empresa de Pesquisa

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2017

Balanço Energético Nacional 2017 Balanço Energético Nacional 2017 Relatório Síntese ano base 2016 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2017 BEN 2017 Destaques ano base 2016 BEN 2016 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Brasil.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS. Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi

ENERGIAS RENOVÁVEIS. Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi ENERGIAS RENOVÁVEIS Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi 2015.2 ENERGIAS RENOVÁVEIS AULA 0 Conteúdo 0. Introdução 0.1 Problema/Dependência do petróleo 0.2 PIB X Consumo de energia 0.3 Matriz Energética

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

BEAL. Balanço Energético do Estado de Alagoas ANO BASE 2014

BEAL. Balanço Energético do Estado de Alagoas ANO BASE 2014 2 015 BEAL Balanço Energético do Estado de Alagoas ANO BASE 2014 Governador Renan Filho Vice-Governador José Luciano Barbosa da Silva Secretária de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo Jeanine

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

Coordenação: Amaro Pereira. Governador Luiz Fernando Pezão. Vice-Governador Francisco Oswaldo Neves Dornelles

Coordenação: Amaro Pereira. Governador Luiz Fernando Pezão. Vice-Governador Francisco Oswaldo Neves Dornelles a Governador Luiz Fernando Pezão Vice-Governador Francisco Oswaldo Neves Dornelles Secretário da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico Christino Áureo da Silva Subsecretario de Desenvolvimento Econômico

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Ricardo Forgiarini Rupp Roberto Lamberts

Ricardo Forgiarini Rupp Roberto Lamberts Relatório: Fatores de conversão de energia elétrica e térmica em energia primária e em emissões de dióxido de carbono a serem usados na etiquetagem de nível de eficiência energética de edificações [Versão

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2003

Balanço Energético Nacional 2003 Balanço Energético Nacional 2003 Secretaria de Energia Ministério de Minas e Energia REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRA DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS

METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica Diretoria de

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2015 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2016 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2001

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2001 Página em branco MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL ANO BASE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa BIJ-0207 Bases Conceituais da Energia Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa Prof. João Moreira CECS - Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2014 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

Classificação das Fontes de Energia

Classificação das Fontes de Energia BRASIL: FONTES DE ENERGIA Classificação das Fontes de Energia análise dos recursos disponíveis e dos recursos em uso As fontes de energia podem classificar-se em: Primárias - quando ocorrem livremente

Leia mais

Balanço Energético Nacional ano base 2004 : : sumário executivo

Balanço Energético Nacional ano base 2004 : : sumário executivo Balanço Energético Nacional 2005 ano base 2004 : : sumário executivo Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Silas Rondeau Cavalcante Silva Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

Análise Do Consumo Final De Energia Primária No Brasil No Período De

Análise Do Consumo Final De Energia Primária No Brasil No Período De Análise Do Consumo Final De Energia Primária No Brasil No Período De 1990-2012 Mileny Galdino da Silva (1) ; Carlos Roberto de Lima (2) ; Amanda Gomes Feitosa (3) ; Jéssica Mayara Hipólito de Araújo (4)

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Simpósio Internacional: Reativação da Construção de Usinas Nucleares na América Latina Apresentação: Participação da Energia Nuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

Classificação das Fontes de Energia

Classificação das Fontes de Energia BRASIL: FONTES DE ENERGIA Classificação das Fontes de Energia análise dos recursos disponíveis e dos recursos em uso As fontes de energia podem classificar-se em: Primárias - quando ocorrem livremente

Leia mais

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Programa detalhado Critérios de Avaliação Participação

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO FIRJAN Perspectivas do Gás Natural no Rio de Janeiro Rio de Janeiro/RJ 05 dez. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA

BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA TRANSPORTES FONTES DE ENERGIA TELECOMUNICAÇÕES O principal meio de transporte no Brasil é o rodoviário, responsável por cerca de 60% dos deslocamentos de cargas. TRANSPORTES

Leia mais

Balanços Energéticos Estaduais

Balanços Energéticos Estaduais Balanços Energéticos Estaduais 2, 212, 215 Matrizes Energéticas Matrizes Emissões Indicadores CO 118% NE,554,254 tep Ministério Minas e Energia Edição 29 zembro 21 1 Departamento Informações e Estudos

Leia mais

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios BIOMASSA: Pilar da Sustentabilidade Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Curitiba

Leia mais

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise I Seminário Madeira Energética MADEN 2008 ABC - RJ, 2 e 3 de setembro de 2008 Carvoejamento, Carbonização e Pirólise José Dilcio da Rocha Pesquisador da EMBRAPA - Agroenergia O que é Carvoejamento, Carbonização,

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Políticas e programas da Secretaria de Minas e Energia para promover as energias renováveis no Rio Grande do Sul

Políticas e programas da Secretaria de Minas e Energia para promover as energias renováveis no Rio Grande do Sul Políticas e programas da Secretaria de Minas e Energia para promover as energias renováveis no Rio Grande do Sul Dr. Guilherme de Souza Assessoria Técnica da SME A SECRETARIA DE MINAS E ENERGIA A Secretaria

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA Pedro C. R. Rossi (pedro.rossi@ufabc.edu.br) Fontes de energia Principais fontes de energia disponíveis para a sociedade Fontes de energia Energia primária, energia de uso

Leia mais

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol e Cogeração Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol - Cenário Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 2 Bioetanol - Cenário Uma importante alternativa

Leia mais

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz,

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz, 6 Conclusão A Matriz Energética possibilita aos planejadores de políticas energéticas contarem com uma ferramenta para simular trajetórias variadas da evolução da demanda e da oferta de energia no Estado,

Leia mais

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Coordenação Técnica Instituto de Energia e Meio Ambiente Greenpeace Equipe Responsável David Shiling Tsai Felipe Barcellos e Silva Gabriel de Freitas Viscondi Larissa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA MATRIZ ENERGÉTICA : É O BALANÇO DOS RECURSOS ENERGÉTICOS QUE UM PAÍS TEM OU COMPRA PARA UTILIZAR NO PROCESSO PRODUTIVO. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS

Leia mais

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz Ministério de Minas e Energia II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Workshop Perspectivas para o Setor de Gás Natural no Brasil São Paulo, 31 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Alunos: Guilherme F. Alves Paulo Henrique de Melo Toledo. Professor: Dr. Rafael A. Souza. Juiz de Fora 27 de Junho de 2018

Alunos: Guilherme F. Alves Paulo Henrique de Melo Toledo. Professor: Dr. Rafael A. Souza. Juiz de Fora 27 de Junho de 2018 Alunos: Guilherme F. Alves Paulo Henrique de Melo Toledo Professor: Dr. Rafael A. Souza Juiz de Fora 27 de Junho de 2018 Fontes de Energia 1 São recursos da natureza (primários) ou artificiais (secundários)

Leia mais

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro 2014 07/10/2014 1 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 Introdução Por que gerar energia? 2 O mundo é dependente de energia? 3 O mundo é dependente de energia? 4 Tipos de Geração 5 Introdução O

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério de Minas e Energia PANORAMA BRASILEIRO

República Federativa do Brasil Ministério de Minas e Energia PANORAMA BRASILEIRO República Federativa do Brasil Ministério de Minas e Energia PANORAMA BRASILEIRO FRANCISCO ROMÁRIO RIO WOJCICKI Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético QUITO, 20/03/2007 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO 2017

BALANÇO ENERGÉTICO 2017 2017 Notas Explicativas O Balanço Energético (BE) é um mapa de dupla entrada, no qual figuram em coluna as formas de energia utilizadas e em linha os diversos movimentos ou operações de transformação associados

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2014

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2014 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2015 I Relatório Síntese I ano base 2014 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2015 Ano base 2014: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2015

Leia mais

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016 Insituto de Ciência e Tecologia de Sorocaba Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente Graduação em Engenharia Ambiental 2- Introdução Professor: Sandro Donnini Mancini Fevereiro, 2016 1 ENERGIA

Leia mais

a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios

a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios 3 4 5 a IAEA, e instituições que possuem conjuntos de EISDs próprios Fonte: Almeida (2016). 6 econômica (ECO), ambiental (AMB) e social (SOC) 7 8 9 10 ORDEM ORIGEM SIGLA INDICADOR COMPONENTES / PARÂMETROS

Leia mais

Novas tecnologias e economia de baixo carbono. Profº José Goldemberg Universidade de São Paulo (USP)

Novas tecnologias e economia de baixo carbono. Profº José Goldemberg Universidade de São Paulo (USP) Novas tecnologias e economia de baixo carbono Profº José Goldemberg Universidade de São Paulo (USP) São Paulo, 18 de março de 2015 Tabela I Emissões de gases de efeito estufa (incluindo desmatamento) MtCO₂e

Leia mais

APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL

APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL POTENCIAL, ECONOMICIDADE E MERCADO DE MÉDIO E LONGO PRAZO Empresa de

Leia mais

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia Tema Estratégico Independência Energética Soberania e Segurança Nacional

Leia mais