Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

2 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III. Evolução do Consumo de Energia IV. Evolução do Consumo de Energia Elétrica V. Evolução do Consumo de Gás Natural 2

3 I. Matriz Energética Modelo de Projeção 3

4 Modelo de Projeção Apresenta a previsão da expansão da demanda de energia do Rio de Janeiro no horizonte de análise Para a revisão da Matriz Energética foi utilizada a ferramenta LEAP (Longrange Energy Alternatives Planning System), reconhecida internacionalmente, também empregada na Matriz O LEAP foi concebido e desenvolvido no Stockholm Environmental Institute SEI e no Brasil é uma das ferramentas utilizadas pela Empresa de Pesquisa Energética EPE e por governos estaduais (ex: SP e RN). 4

5 II. Principais Premissas da Matriz Energética 5

6 Premissas Básicas As premissas básicas adotadas nos cenários da Matriz são dos tipos: Macroeconômicas; Demográficas, iais; e Relativas à eficiência energética. Três Cenários macroeconômicos: Otimista Moderado Conservador 6

7 Macroeconômicas e Demográficas: A economia do Estado do Rio de Janeiro crescerá: Cenário Conservador: 2,4%, de , e 2,5%, de Cenário Moderado: 3,9%, de , e 4,8%, de Cenário Otimista: 5,2%, de , e 7,7% de A Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016 incrementarão o consumo de energia e estimularão os investimentos em diversos setores da economia. Investimentos decorrentes de tais eventos terão reflexos em toda a cadeia produtiva da economia, mas com impacto destacado nos setores de serviços, infraestrutura, alimentos, bebidas e construção civil. Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro Comperj, Usina Termonuclear Angra 3, Complexo Portuário de Açu, construção de novos navios petroleiros e plataformas de petróleo, e também a construção de outras centrais geradoras de eletricidade. 7

8 Macroeconômicas e Demográficas: A renda das famílias crescerá 3,8% ao ano. A taxa de crescimento demográfico anual será de 0,6%. a.a. até 2014; 0,5%. a.a. até 2019; 0,4%. a.a. até 2023 e 0,3%. a.a. até O número de domicílios particulares aumenta em ritmo superior a população, como consequência o número de habitantes por domicílios terá uma queda de -0,8% a.a. Fonte: IBGE 8

9 iais: Industrial Cresce o peso da indústria no PIB; e cai os setores comercial e serviços e agropecuário. O crescimento industrial é puxado pelo setor energético. Um setor que deverá continuar a crescer significativamente é o energético (extração de petróleo e gás) com o início da exploração e produção de petróleo da camada pré-sal, o que trará benefícios diretamente ao Estado do Rio de Janeiro, não só pelo aumento da produção de petróleo e gás natural, mas principalmente, pelos investimentos em infraestrutura (plataformas, barcos de apoio, terminais e unidades de apoio logístico). Sem grandes variações no perfil do consumo nas indústrias, com o óleo combustível sendo parcialmente substituído pelo gás natural em alguns setores. 9

10 iais: de Transportes Ampliação expressiva da frota de veículos no período, devido ao aumento da renda. Aumento significativo da frota de veículos multicombustíveis. Biodiesel para o atendimento à mistura mandatória de 5% até 2014 e 7% a partir de Residencial Aumento da posse de eletrodomésticos nas residências, em função do aumento da renda das famílias. Pequeno aumento na participação do GN nas residências. 10

11 Principais Fontes de Dados: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ANP. Petrobras - Petróleo Brasileiro S.A. Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores do Rio de Janeiro - CEPERJ. Empresa de Pesquisa Energética EPE. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro FIRJAN. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas IPEA. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS. Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro DETRAN/RJ. 11

12 III. Evolução do Consumo de Energia Cenário Moderado 12

13 Mil tep Evolução do Consumo de Energia no Estado Consumo em % maior do que em 2012 e em % maior Fonte: IEPUC 13

14 Evolução do Consumo de Energia por Fontes Gás Natural Úmido 6,8% Outras Fontes 14,0% Eletricidade 22,0% Gás Natural Úmido 12,6% Outras Fontes 11,0% Eletricidade 21,3% Coque de Carvão Mineral 14,3% Gás Natural Seco 15,0% Coque de Carvão Mineral 12,0% Gás Natural Seco 14,2% Óleo Diesel 14,5% Querosene de Aviacão 5,6% Gasolina A 7,8% Óleo Diesel 16,3% Querosene de Aviacão 4,2% Gasolina A 8,4% Fonte: IEPUC 14

15 Evolução do Consumo de Energia por Fontes Mil tep Fonte 2012 % 2024 % Derivados de Petróleo Gás Natural Derivados de Carvão Mineral Eletricidade Outras Fontes Consumo Total Derivados de petróleo e carvão mineral, gás natural e eletricidade representarão 95% do consumo de energia estadual em Outras Fontes Eletricidade Derivados de Carvão Mineral Gás Natural Derivados de Petróleo 0% 40% 80% 120% 160% Fonte: IEPUC 15

16 Mil tep Evolução do Consumo de Energia por Energético 17,9% Agropecuário 0,6% Industrial 29,3% Energético 30,1% Agropecuário 0,4% Consumo Final Não Energético 2,1% Estatal 2,4% Consumo Final Não Energético 1,5% Residencial 9,0% de Transportes 34,0% Comercial e Serviços 4,6% Residencial 6,1% de Transportes 34,1% Consumo Final Não Energético Energético Agropecuário Industrial Estatal Comercial e Serviços de Transportes Residencial Industrial 22,8% Estatal 1,5% Comercial e Serviços 3,5% Fonte: IEPUC 16

17 Evolução do Consumo de Energia por O início da exploração do pré-sal é o principal responsável pelo aumento no consumo de energia no setor energético, com consequente aumento significativo no consumo de Energia do Estado em transporte e indústria terão crescimento significativo. Total Consumo Final Não Energético Energético Agropecuário Industrial Estatal Comercial e Serviços de Transportes Residencial 0% 50% 100% 150% 200% 250% Mil tep 2012 % 2024 % Residencial de Transportes Comercial e Serviços Estatal Industrial Agropecuário Energético Consumo Final Não Energético Total Fonte: IEPUC 17

18 Mil tep Evolução do Consumo de Energia no Energético Óleo Diesel 6,4% Óleo Combustível 0,7% Outras Secundárias de Carvão Mineral 1,7% Óleo Combustível 0,3% Eletricidade 27,2% Eletricidade 29,1% Óleo Diesel 6,4% Bagaço de Cana 2,3% Outras Secundarias de Petróleo 5,3% Bagaço de Cana 1,4% Biodiesel 0,3% Gás Natural Seco 18,2% Biodiesel 0,3% Gás Natural Úmido 37,9% Gás Natural Úmido 41,8% Eletricidade Óleo Diesel Óleo Combustível Outras Secundárias de Carvão Mineral Outras Secundarias de Petróleo Gás Natural Gas Natural Umido Biodiesel Bagaço de Cana 10% 9% 11% Outras Secundárias de Carvão Mineral 1,4% Outras Secundarias de Petróleo 3,7% Gás Natural Seco 15,7% Fonte: IEPUC 18

19 Mil tep Evolução do Consumo de Energia na Indústria por subsetor Produtos de Minerais Não Metálicos 7,4% Extração e Tratamento de Minerais 0,1% Outras Indústrias 5,5% Bebidas 1,9% Produtos Alimentícios 3,2% Têxtil 0,3% Produtos de Minerais Não Metálicos 8,3% Extração e Tratamento de Minerais 0,1% Outras Indústrias 5,3% Bebidas 2,1% Produtos Alimentícios 2,6% Têxtil 0,2% Química 6,2% Química 6,2% 2012 Papel e Celulose 0,9% 2024 Papel e Celulose 0,6% Metalúrgica 74,6% Metalúrgica 74,6% Outras Indústrias Bebidas Produtos Alimentícios Têxtil Química Papel e Celulose Metalúrgica Produtos de Minerais Não Metálicos Extração e Tratamento de Minerais 45% 45% 63% Fonte: IEPUC 19

20 Evolução do Consumo de Energia na Indústria por fontes Eletricidade 16,6% 2012 Gás Natural Seco 21,9% Óleo Diesel 1,7% Eletricidade 16,5% 2024 Gás Natural Seco 19,2% Óleo Diesel 1,6% Outras Fontes 8,1% Derivados de Carvão Mineral 51,7% Outras Fontes 8,1% Derivados de Carvão Mineral 54,6% Fonte: IEPUC 20

21 Mil tep Evolução do Consumo de Energia na Indústria por fontes Mil tep Fonte 2012 % 2024 % Eletricidade Gás Natural Seco Óleo Diesel Derivados de Carvão Mineral Outras Fontes Total Outras Fontes Derivados de Carvão Mineral Óleo Diesel Gás Natural Seco Eletricidade 53% % % Fonte: IEPUC 21

22 Mil tep Evolução do Consumo de Energia nos Transportes Hidroviário 7,2% Rodoviário 73,9% Hidroviário Ferroviário Aéreo Rodoviário 58% 40% 94% Aéreo 16,5% Ferroviário 2,4% Hidroviário 6,1% 2024 Rodoviário 79,1% % Aéreo 12,3% Ferroviário 2,5% Fonte: IEPUC 22

23 Evolução do Consumo de Energia nos Transportes Gás Natural Seco 12,9% Eletricidade 0,7% Gasolina A 23,0% Querosene de Aviacão 16,5% Gás Natural Seco 12,9% Eletricidade 0,4% Gasolina A 24,7% Querosene de Aviacão 12,3% Biodiesel 1,8% Biodiesel 2,8% Etanol 7,4% Óleo Combustível 4,0% Óleo Diesel 33,8% Etanol 7,0% Óleo Combustível 3,1% Óleo Diesel 36,9% Fonte: IEPUC 23

24 Mil tep Evolução do Consumo de Energia nos Transportes Mil tep Fonte 2012 % 2024 % Biodiesel Óleo Combustível Querosene de Aviacão Gás Natural Seco Etanol Óleo Diesel Gasolina A Eletricidade Eletricidade Gás Natural Seco Gasolina A Querosene de Aviação Óleo Diesel Óleo Combustível Etanol Gasolina de Aviação Biodiesel Total Fonte: IEPUC 24

25 IV. Evolução do Consumo de Energia Elétrica no Estado Cenário Moderado 25

26 Mil tep Consumo de Eletricidade por Agropecuário 0,6% Energético 22,0% 2012 Residencial 25,8% de Transportes 1,1% Energético Agropecuário Industrial Estatal Comercial e Serviços de Transportes 200% Industrial 22,1% Energético 41,0% Agropecuário 0,4% Estatal 9,8% 2024 Industrial 17,6% Residencial 19,4% Comercial e Serviços 18,7% de Transportes 0,6% Comercial e Serviços 14,5% Estatal 6,5% Residencial 44% 40% 36% Fonte: IEPUC 26

27 V. Evolução do Consumo de Gás Natural no Estado Cenário Moderado 27

28 Mil tep Consumo de Gás Natural por Energético 46,1% 2012 Residencial 2,4% de Transportes 20,1% Comercial e Serviços 1,9% Estatal 0,04% Energético Industrial Estatal Comercial e Serviços de Transportes Residencial 200% 2024 Residencial 1,2% Industrial 29,5% de Transportes 16,5% Comercial e Serviços 1,2% Estatal 0,02% % 90% Energético 64,8% Industrial 16,4% Fonte: IEPUC 28

29 Obrigado. 29

2 Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

2 Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2 Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2008 2020 2.1. Introdução A Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro para o período 2008/2020 foi desenvolvida pelo Governo do Estado em parceria com

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro 2014 07/10/2014 1 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios

Leia mais

Classificação das Fontes de Energia

Classificação das Fontes de Energia BRASIL: FONTES DE ENERGIA Classificação das Fontes de Energia análise dos recursos disponíveis e dos recursos em uso As fontes de energia podem classificar-se em: Primárias - quando ocorrem livremente

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

Classificação das Fontes de Energia

Classificação das Fontes de Energia BRASIL: FONTES DE ENERGIA Classificação das Fontes de Energia análise dos recursos disponíveis e dos recursos em uso As fontes de energia podem classificar-se em: Primárias - quando ocorrem livremente

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio Campinas, 18 de agosto de 2017 SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes Fundado em 1941 Fórum para discussão

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Expandir e modernizar o parque nacional de refino e adequar a infraestrutura industrial no exterior, de modo a buscar atender integralmente o mercado interno

Leia mais

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016 Insituto de Ciência e Tecologia de Sorocaba Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente Graduação em Engenharia Ambiental 2- Introdução Professor: Sandro Donnini Mancini Fevereiro, 2016 1 ENERGIA

Leia mais

Plano Nacional de Energia Cenário sócio-econômico e demanda de energia. Empresa de Pesquisa Energética EPE

Plano Nacional de Energia Cenário sócio-econômico e demanda de energia. Empresa de Pesquisa Energética EPE Plano Nacional de Energia 2050 Cenário sócio-econômico e demanda de energia Empresa de Pesquisa Energética EPE Ricardo Gorini ricardo.gorini@epe.gov.br Rio de Janeiro, RJ Junho de 2015 Plano Nacional de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA MATRIZ ENERGÉTICA : É O BALANÇO DOS RECURSOS ENERGÉTICOS QUE UM PAÍS TEM OU COMPRA PARA UTILIZAR NO PROCESSO PRODUTIVO. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS

Leia mais

Carlos Campos Neto

Carlos Campos Neto V BRASIL NOS TRILHOS Investimentos e outras observações sobre o setor ferroviário brasileiro Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Setembro de 2012 2 Crise/ajuste fiscal degrada/não amplia estoque

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Secretaria de Energia Matriz Energética do Estado de São Paulo 2035 Conferência Internacional Energia Nuclear CEES/FAAP

Secretaria de Energia Matriz Energética do Estado de São Paulo 2035 Conferência Internacional Energia Nuclear CEES/FAAP Matriz Energética do Estado de São Paulo 2035 Conferência Internacional Energia Nuclear CEES/FAAP SECRETARIA DE ENERGIA Jean Cesare Negri São Paulo 25 de maio de 2011 BALANÇO ENERGÉTICO Balanço Energético

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Workshop Perspectivas para o Setor de Gás Natural no Brasil São Paulo, 31 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Descarbonização: Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene 30 de

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Desempenho do BNDES em 2012

Desempenho do BNDES em 2012 Desempenho do BNDES em 2012 //1 22 de janeiro de 2013 1 AGENDA //2 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Desempenho do BNDES em 2012 Conclusões //3 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Perspectivas

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 18 de Agosto de 2017 NP-3 Downstream no Brasil tem características privilegiadas Por ser longo em cru, curto em derivados e distante dos principais mercados Posição

Leia mais

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA SEGUNDO CAPÍTULO FÓRUM RAC2017 - CAMINHOS DA RETOMADA 17 de Julho de 2017 A MATRIZ ENERGÉTICA BASEADA NO PETRÓLEO E GÁS : NECESSIDADES E OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA Celso Morooka

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2017

Balanço Energético Nacional 2017 Balanço Energético Nacional 2017 Relatório Síntese ano base 2016 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2017 BEN 2017 Destaques ano base 2016 BEN 2016 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Segundo o Relatório 2010 do EIA, no grupo que não integra a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o Brasil, o Cazaquistão e a

Segundo o Relatório 2010 do EIA, no grupo que não integra a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o Brasil, o Cazaquistão e a 1 Introdução Segundo a Lei nº 9.478, de 6/8/1997, também chamada Lei do Petróleo, o petróleo pode ser definido como todo e qualquer hidrocarboneto líquido em seu estado natural. Entende-se então que o

Leia mais

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1

Bioetanol e Cogeração. Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol e Cogeração Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 1 Bioetanol - Cenário Fontes alternativas de energia - Bioetanol e Cogeração 2 Bioetanol - Cenário Uma importante alternativa

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas

Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Bioeletricidade - a energia elétrica da cana: Evolução e perspectivas Zilmar José de Souza Thermal Energy LatAm 2012 Rio de Janeiro RJ 31 de janeiro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Armando Guedes Coelho Conselheiro IBP Junho/2009 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald,

Leia mais

INFORME À IMPRENSA Plano Decenal de Energia PDE 2019

INFORME À IMPRENSA Plano Decenal de Energia PDE 2019 Setor energético receberá investimentos de quase R$ 1 trilhão até 2019 Geração de eletricidade terá de crescer 63 mil MW em 10 anos. País será exportador de petróleo e derivados Rio de Janeiro, 04/05/2010

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Prof. Marco Saidel. Centrais Termelétricas

PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais. Prof. Marco Saidel. Centrais Termelétricas PEA 3496 Energia e Meio Ambiente: Sistemas Energéticos e seus Efeitos Ambientais Prof. Marco Saidel Centrais Termelétricas Termelétrica Princípio de funcionamento energia térmica energia mecânica energia

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2003

Balanço Energético Nacional 2003 Balanço Energético Nacional 2003 Secretaria de Energia Ministério de Minas e Energia REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRA DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL

Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL Rede Salesiana de Escolas Colégio Salesiano DOM BOSCO Natal RN 7 ano INDUSTRIA E ENERGIA NO BRASIL NATAL- RN 2015 INTRODUÇÃO Companhia Siderúrgica Nacional, construída entre os anos de 1942 e 1947, empresa

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Energia da Biomassa Células a combustível

Energia da Biomassa Células a combustível PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula de Fontes Energia da Biomassa Células a combustível slide 1 / 19 BIOMASSA Oleoginosas (palma, canola, girassol, dendê, mamona, etc) Esmagamento Óleos

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Simpósio Internacional: Reativação da Construção de Usinas Nucleares na América Latina Apresentação: Participação da Energia Nuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ 14 Encontro de Energia - FIESP GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO: UMA ANÁLISE PELO LADO DA DEMANDA Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ São Paulo 5 de Agosto de 2013 PLANO DA APRESENTAÇÃO O que

Leia mais

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste Cenários para o Setor Elétrico Energia Competitiva no Nordeste BAHIA Atividade Econômica Estrutura da Produção Industrial Bahia Setores % Refino de petróleo e coque 30,1 Alimentos e Bebidas 17,8 Produtos

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020

MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 Governo do Estado do Rio de Janeiro Governador Sérgio Cabral Vice-Governador Luiz Fernando

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise

Carvoejamento, Carbonização e Pirólise I Seminário Madeira Energética MADEN 2008 ABC - RJ, 2 e 3 de setembro de 2008 Carvoejamento, Carbonização e Pirólise José Dilcio da Rocha Pesquisador da EMBRAPA - Agroenergia O que é Carvoejamento, Carbonização,

Leia mais

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar São Paulo, 06 de fevereiro de 2012 O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

O COMPLEXO CENTRO-SUL

O COMPLEXO CENTRO-SUL Unidade 3 Capítulo 9 O COMPLEXO CENTRO-SUL Prof.º Luiz Fernando Wisniewski lfw.geografia@gmail.com COMPLEXO CENTRO SUL Apresenta 25% do território nacional e 68% da população absoluta do Brasil. O que

Leia mais

Energia Solar Integração e Desenvolvimento

Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar Integração e Desenvolvimento Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Cuiabá, 12 de Agosto de 2016 Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar = Integração + Desenvolvimento

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios 2008 2012 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2007 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRAS,

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

A Agricultura do Brasil e do Paraná

A Agricultura do Brasil e do Paraná Governo do Estado do Paraná A Agricultura do Brasil e do Paraná Políticas Públicas para a Produção de Biodiesel Orlando Pessuti Vice-Governador Abril/2007 BRASIL 5º Maior país do mundo PIB de US$ 1,0 trilhão

Leia mais

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014 Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Sumário da Apresentação 1 Análise Macroeconômica Nacional 2 3 4 Análise do Investimento Privado Análise de Cenários

Leia mais

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Março de 2013 Em março de 2013 a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia alcançou 2,9%, pouco acima da taxa registrada no mês

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização. Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização. Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes

Leia mais

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda 1 Introdução O fenômeno da combustão sempre esteve diretamente ligado à história da humanidade desde os primórdios de sua existência. No início, através do fogo espontâneo presente na natureza. Pelas suas

Leia mais

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 Estudo de Expansão BID Estudo de Acessibilidade USP/FDTE Planejamento Estratégico da CODESP Estudo da

Leia mais

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos INFRA ESTRUTURA Unidade de Estudos Econômicos Vendas de Combustíveis - 2003 - (m 3 ) Fonte: ANP Brasil Rio Grande do Sul ÓLEO DIESEL 36.583.949 2.635.789 GASOLINA 21.539.654 1.794.099 GLP 11.385.310 789.869

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE ANÁLISE DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO PARANAENSE HISTÓRICO Último plano aeroviário data de 1989; Seu horizonte de planejamento se esgotou em 2008; Em junho de 2012 foi tomada a iniciativa de elaboração interna

Leia mais

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL Cummins Brasil LTDA 29 de Outubro de 2008 Luis Chain Faraj Agenda Definição de Biodiesel Análise do Ciclo de Vida - Diesel x Biodiesel Programa de Biodiesel do Brasil

Leia mais

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia Tema Estratégico Independência Energética Soberania e Segurança Nacional

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017

Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017 Compras de Carvão Mineral Nacional e Combustíveis Secundários para Orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético CDE 2017 Versão 1.0 11/11/2016 Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras DG GC GCO

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás 2º trimestre/2013 R SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Petróleo e Gás Resumo Executivo São Paulo V.02 02/2013 agosto / 2013 Resumo

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Estrutura Brasileira

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Estrutura Brasileira Energia e Transporte Evolução da Estrutura Brasileira Energia e Transporte Evolução da Estrutura Brasileira 1. Leia com atenção: "Parabolicamará" Antes mundo era pequeno porque Terra era grande hoje mundo

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO Fixação 1) (ENEM) Suponha que você seja um consultor e foi contratado para assessorar a implantação de uma matriz energética

Leia mais