4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA"

Transcrição

1 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético Brasília, 20 de maio de 2015

2 SUMÁRIO 1) ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO HISTÓRICO DE 30 ANOS 1980/2010 2) ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HISTÓRICO DE 30 ANOS 1980/2010 3) PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ENERGÉTICA BRASILEIRA E O PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DO SISTEMA ENERGÉTICO NACIONAL 4) AS OPÇÕES E A EXPANSÃO DO SISTEMA ENERGÉTICO NACIONAL 5) CONCLUSÕES

3 Tema 1 Energia Elétrica no Mundo Histórico de 30 Anos 1980/2010 3

4 % Ministério de MATRIZ DE OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA DO MUNDO PARTICIPAÇÃO DAS FONTES (%) PERÍODO 1980 / Oferta de Energia Elétrica (TWh) Crescimento anual médio: 3,3% Incremento 1980 / 2010 (%) Carvão Mineral Gás Natural Hidrelétrica Nuclear Petróleo Derivados Crescimento ( %) PIB: 3,1 População: 1,5 1 3 Outras Participação na Matriz Elétrica (%) Combustíveis Fósseis Energias Renováveis 22 19

5 DEMOGRAFIA, ECONOMIA E ENERGIA MUNDO - PERÍODO HISTÓRICO - 30 ANOS 1980 / 2010 CONCLUSÕES 1/2 1) Economia Mundial (PIB): Taxa de Crescimento Anual Média de 3,1%; População: 1,5%; Resultado: PIB/habitante - 1,6% ao ano. 2) Oferta de Energia Mundial: Taxa de Crescimento Anual Média de 1,9%, (inferior a da economia de 3,1%). 3) Oferta de Energia Elétrica Mundial: Taxa de Crescimento Anual Média de 3,3%, (semelhante a da economia de 3,1%).

6 DEMOGRAFIA, ECONOMIA E ENERGIA MUNDO - PERÍODO HISTÓRICO - 30 ANOS 1980 / 2010 CONCLUSÕES 2/2 4) Matriz de Oferta de Energia Mundial: Sem Grandes Variações nas Participações das Diversas Fontes Energéticas; Significativa Redução da Participação do Petróleo, de 43% para 32%; Pequena Elevação do Carvão Mineral e do Gás Natural; Grande Elevação da Nuclear, de 3% para 6%. 5) Matriz de Oferta de Energia Elétrica Mundial: Com Grandes Variações nas Participações das Diversas Fontes Energéticas; Significativa Redução da Participação do Petróleo de 20% para 5%; Grande Elevação do Gás Natural e da Nuclear. Carvão Mineral: Maior Energético na Produção de Energia Elétrica (cerca de 40% do total).

7 Tema 2 Energia Elétrica no Brasil Histórico de 30 Anos 1980/2010 7

8 % Ministério de MATRIZ DE OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA DO BRASIL PARTICIPAÇÃO DAS FONTES - PERÍODO 1980 / 2010 (%) 92,5 74,3 Oferta de Energia Elétrica (TWh) Crescimento anual médio: 4,7% (mundo: 3,3%) Incremento 1980/2010 (%) 6,3 0 1,95,1 5,7 0 3,72,7 0 2,7 1,91,3 0 1,5 0 0,4 Hidro Importação Biomassa Gás Natural Petróleo Derivados Crescimento (%) PIB: 2,4 Pop: 1,6 Nuclear Carvão Mineral Gás Industrial Eólica MUNDO 2010 Fóssil: 69% Renovável: 19 % Fonte: Resenha Energética MME (2011) Participação na Matriz Elétrica (%) Combustíveis Fósseis 6 11 Energias Renováveis 94 86

9 DEMOGRAFIA, ECONOMIA E ENERGIA BRASIL - PERÍODO HISTÓRICO - 30 ANOS 1980 / 2010 CONCLUSÕES 1/2 1) Economia Brasileira (PIB): Taxa de Crescimento Anual Média de 2,4%; População: 1,6%; Resultado: PIB/habitante - 0,8% ao ano. 2) Oferta de Energia Brasileira: Taxa de Crescimento Anual Média de 2,9%, (superior a da economia de 2,4%). 3) Oferta de Energia Elétrica Brasileira: Taxa de Crescimento Anual Média de 4,7%, (significativamente superior a da economia de 2,4%).

10 DEMOGRAFIA, ECONOMIA E ENERGIA BRASIL - PERÍODO HISTÓRICO - 30 ANOS 1980 / 2010 CONCLUSÕES 2/2 4) Matriz de Oferta de Energia Brasileira: Com Grandes Variações nas Participações das Diversas Fontes Energéticas; Grande Redução da Lenha e Carvão Vegetal, de 27% para 10% e do Petróleo, de 48% para 38%; Grande Elevação dos Derivados da Cana e do Gás Natural; Pequena Elevação da Hidráulica de 10% para 14%. 5) Matriz de Oferta de Energia Elétrica Brasileira: Com Grandes Variações nas Participações das Diversas Fontes Energéticas; Grande Redução da Hidroelétrica 92% para 74%; Razoável redução dos Derivados do Petróleo de 3,7% para 2,7% Grande Elevação do Gás Natural, de 0% para 5,7%, da Biomassa, de 1,9% para 5,1% e da Nuclear, de 0% para 2,7%.

11 % Ministério de ECONOMIA E OFERTA DE ENERGIA TAXAS ANUAIS MÉDIAS DE CRESCIMENTO Período 1980/ ,1 2,4 2,9 2 1,9 1 0 Mundo 1980/2010 Brasil 1980/2010 Crescimento do PIB Crescimento do Consumo de Energia

12 Ministério de % Mundo % 0 39,6 3,0 Fonte: IEA e MME/ BEN MATRIZ DE OFERTA DE ELETRICIDADE MUNDO x BRASIL (%) TWh 23,0 13,0 16,2 65,2 10,7 5,1 5,4 Carvão Gás Natural Hidro Nuclear Petróleo Outras Derivados da Cana Brasil ,3TWh (2,6% do Mundial) Renováveis: 21,2% Combustíveis Fósseis: 68,1% Renováveis : 74,6% 2,5 5,1 6,0 5,2 Carvão Gás Natural Hidro Nuclear Petróleo Outras * Derivados da Cana (*) Inclui parcela de Gás Industrial de origem Fóssíl. 0,0 Combustível Fósseis : 22,9%

13 Ministério de BRASIL AUTO SUFICIÊNCIA / IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO % Parcela de Importação da Oferta de Energia (%)

14 BRASIL MATRIZ DE OFERTA DE ENERGIA - ANO 1979 %

15 DECISÕES ESTRATÉGICAS NA DÉCADA DE ELETROBRAS Construção de Grandes e Médias Usinas Hidroelétricas 2. PETROBRAS Prospecção de Petróleo no Mar 3. PRO ÁLCOOL Acordo Nuclear com a Alemanha (oito nucleares de MW cada até 1990) 15

16 Tema 3 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ENERGÉTICA BRASILEIRA E O PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DO SISTEMA ENERGÉTICO NACIONAL 16

17 17 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ENERGÉTICA Segurança no Abastecimento Modicidade Tarifária Universalização do Atendimento Expansão ao Mínimo Custo Respeito aos Contratos Fortalecimento do Planejamento Diversificação da Matriz: Fontes Renováveis Integração Nacional e Autossuficiência Desenvolvimento Tecnológico Nacional Questões Socioambientais Integração Sulamericana Obs. Política Energética Nacional Lei / 97

18 PRINCIPAIS DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO (1/2) Formulação das Políticas Energéticas Expansão do Sistema Elétrico/Energético - Energia do Amanhã Financiamento do Programa de Expansão Operação do Sistema Elétrico/Energético Confiabilidade e Custos Ações das Agências Reguladoras ANEEL, ANA e ANP Comercialização da Energia Fluxo Financeiro entre os Agentes

19 PRINCIPAIS DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO (2/2) Desenvolvimento Tecnológico Integração Indústrias / Universidades Formação de Pessoal Ações Internacionais Integração elétrica / energética com os países vizinhos e outras ações Transição na Expansão da Hidro para Térmica e a Inserção das Fontes Renováveis Intermitentes (eólica, biomassa e solar) Usinas Hidroelétricas a Fio-d água (sem reservatórios de regularização plurianual) e a Inclusão de Usinas Reversíveis (de bombeamento) Diárias e Sazonais aspectos de planejamento, de operação e de comercialização, inclusive o balanço de ponta do SIN

20 DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA 2000 e 2012 País Consumo Final (CF) TWh CF %aa Anos que CF dobra Ano Qtd. China ,4 7 Índia ,2 10 Coréia do Sul ,3 14 Rússia ,8 39 Brasil ,5 (*) 21(*) França ,7 100 Alemanha ,6 116 Estados Unidos ,4 174 Canadá ,3 232 (*) Com uma taxa de crescimento anual média de 4,5 %, o tempo que o Consumo Final Dobra passa para 16 anos.

21 O PLANEJAMENTO E O MONITORAMENTO DO SETOR ENERGÉTICO BRASILEIRO VISÃO ESTRATÉGICA ESTUDOS DE LONGO PRAZO (ATÉ 30 ANOS) PLANO NACIONAL DE ENERGIA MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL VISÃO DE PROGRAMAÇÃO ESTUDOS DE CURTO E MÉDIO PRAZOS (ATÉ 10 ANOS) PLANO DECENAL DE ENERGIA LEILÕES MONITORAMENTO VISÃO DE 1 A 3 ANOS Petróleo e Gás Energia Elétrica Transmissão Biodiesel

22 Tema 4 AS OPÇÕES E A EXPANSÃO DO SISTEMA ENERGÉTICO NACIONAL 22

23 BRASIL INDICADORES DEMOGRÁFICOS População (milhões de habitantes) 195,0 173,0 147,0 119,0 93,0 212,0 223,0 228,0 226,0 218,0 0 3,0 2,0 1,0 0,0-1, ,5 2,1 Taxa de Crescimento Anual média (%) 1,6 1,2 0,8 0,5 0,2-0,1-0,4 1970/ / / / / / / / /60 4,00 2,00 0,00-2,00 Fonte: IBGE/2013 2,6 2,8 Incremento Anual Médio (milhões de habitantes) 2,4 2,4 1,7 1,1 0,5-0,2-0,8 1970/ / / / / / / / /60

24 10 3 R$ per capita (2010) Milhões de habitantes Ministério de BRASIL DEMOGRAFIA E ECONOMIA 240 População 120 0,7% a.a ,5 milhões/ano PIB Per Capita bilhões de habitantes ,9 4,0% a.a. 27,2 PIB: 4,7% a.a Fonte: Plano Decenal 2023, IBGE, MME/SPE.

25 TWh milhões tep 500 Ministério de BRASIL OFERTA DE ENERGIA Energia ,7% a.a % Renováveis 41,0 % Fósseis 57,7 % Renováveis 42,4 % Fósseis 56, Fonte: Plano Decenal 2023, MME/SPE. 610,4 Energia Elétrica 4,3% a.a. 933, % Renováveis 87,8 % Fósseis 7,8 % Renováveis 85,6 % Fósseis 11,7

26 kwh/ per capita Tep per capita Ministério de BRASIL ENERGIA PER CAPITA ,47 Oferta de Energia per capita 3,0% a.a. 1, Mundo 1,88 USA 7,02 Austrália 5,40 Coreia do Sul 5,23 Espanha 2,72 Venezuela 2,40 Chile 1,94 (ano 2011) Consumo de Energia Elétrica bilhões de per capita habitantes Mundo ,5% a.a USA Austrália Coreia do Sul Espanha Chile Venezuela (ano 2011) Fonte: Plano Decenal 2023, IBGE, MME/SPE.

27 RECURSOS ENERGÉTICOS NACIONAIS Renováveis Não Renováveis Hidroelétrica Biomassa Eólica Solar Petróleo Gás Natural Carvão Mineral Urânio

28 SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

29 COMPETITIVIDADE ENTRE AS PRINCIPAIS FONTES DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

30 EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA [gramas de carbono equivalente / kwh] (*) LINHITO CARVÃO PETRÓLEO GÁS NATURAL SOLAR PV HIDRELETRICIDADE BIOMASSA EÓLICA NUCLEAR Fonte: IEA (2004) * Considerando as emissões em todo o ciclo de vida, desde a fabricação dos equipamentos

31 % Ministério de BRASIL MATRIZ DE OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA PARTICIPAÇÃO DAS FONTES (%) PERÍODO 2013 / ,769,3 Oferta de Energia Elétrica - TWh ,4; ,8 Crescimento anual médio: 4,3% 40 Crescimento (%) PIB: 3,9 População: 0, Incremento 2013 / 2023 % 11,38,1 7,6 6,6 Hidro Gás Natural Biomassa Nuclear Petróleo e Derivados 8,1 2,42,8 3,6 0,4 1,9 1,6 2,4 1,6 1,1 0,00,5 Gás Industrial Carvão Eólica Solar Combustíveis Fósseis Renováveis Brasil: ,2% ,7% Mundo: ,2% Brasil: ,4% ,6% Mundo: ,4% Fonte: Balanço Energético Nacional e Plano 2021

32 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA 2013: 126,8 GW (86 hidro 77%) 2023: 211,4 GW (121 hidro 57%) 84,6 GW no Decênio 2013/2023 (8,46 GW/ano) Fonte GW % Hidro 36,4 41,3 Eólica 14,2 24,1 Biomassa 10,4 7,9 Solar 5,1 6,0 79,4% Gás natural 16,4 19,3 Nuclear 1,4 1,7 Petróleo 1,3 1,6 Gás Industrial 0,7 0,8 Carvão 0,3 0,4 Fonte: PDE 2023, MME/SPE Total 84,6 100,0 (13,5 GW de Autoprodutor)

33 BRASIL PDE 2023 CAPACIDADE INSTALADA DE GERAÇÃO ELÉTRICA (*) (GW) Fonte Estrutura (%) Hidro 86,0 121,0 67,9 57,2 Nuclear 2,0 3,4 1,6 1,6 Gás Natural 12,2 28,6 10,0 13,5 Carvão 3,4 3,7 2,7 1,8 Óleo 7,8 6,5 6,2 3,1 Gás Industrial 1,7 2,4 1,0 1,1 Biomassa 11,5 18,1 8,9 8,6 Eólica 2,2 22,6 1,7 10,7 Solar 0 8,1 0,004 2,4 TOTAL 126,8 211,8 100,0 100,0 (*) Incluí autoprodutor cativo (20,2 GW) e não inclui a parcela paraguaia de Itaipu.

34 BRASIL PDE 2023 EXPANSÃO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Petróleo Produção Atual (2,0 milhões bbl/dia). Produção 2023 (4,9 milhões bbl/dia). Crescimento de 9,2 % ao ano. Superávit em 2023 (1,8 milhões bbl/dia); Gás Natural Produção Atual (77,2 milhões m 3 /dia). Produção Potencial 2023 (175 milhões m 3 /dia). Crescimento de 8,5 % ao ano. Déficit em 2023 (33 milhões m 3 /dia); Etanol Produção Atual (27,6 milhões m 3 ). Produção 2023 (47,3 milhões m 3 ). Crescimento de 11,5 % ao ano. Superávit em 2023 (2,6 milhões m 3 ); Biodiesel Produção Atual (2,9 milhões m 3 ). Produção 2023 (6,0 milhões m 3 ). Crescimento de 4,7% ao ano. Percentual Mistura com Diesel Fóssil (7%).

35 BRASIL PDE 2023 INVESTIMENTOS NO SISTEMA ENERGÉTICO PERÍODO 2013 / 2023 Investimentos em Energia R$ bilhões (*) % Petróleo e Gás Natural ,0 Eletricidade ,8 Biocombustíveis 82 6,2 Total de Investimentos (**) ,0 (*) Câmbio R$ 2,34/US$ (**) Representa cerca de 2,7% do PIB e 12,9% da FBCF, ambos acumulados no período

36 % Ministério de EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Gramas de Dióxido de Carbono Equivalente (CO 2 -eq) MUNDO mil tco 2-eq % BRASIL mil tco 2 -eq (3% do Mundo) Fonte: Banco de Dados da UNFCCC

37 Mil (CO 2 -eq)/hab. Ministério de EMISSÕES DE GAZES DE EFEITO ESTUFA / PER CAPITA Ano de Mundo 2010 Brasil 2010

38 SETOR ENERGÉTICO - EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA (*) ALGUNS PAÍSES E REGIÕES (2011) 4 3 2,4 3,2 2,4 2,6 2,9 (tco 2 - eq / tep) 2,3 2,3 2,3 2,3 2,4 2 1,5 1 0 USA AUSTRÁLIA ALEMANHA JAPÃO CHINA ÍNDIA MÉXICO VENEZUELA OECD MUNDO BRASIL (tco 2 -eq / hab) 16,9 17,4 9,1 9,3 10,0 5,9 5,4 4,0 4,5 1,4 2,1 USA AUSTRÁLIA ALEMANHA JAPÃO CHINA ÍNDIA MÉXICO VENEZUELA OECD MUNDO BRASIL Fonte: Agência Internacional de Energia (IEA) (*) Baseada na oferta de energia para consumo doméstico

39 bilhões de tep Ministério de OFERTA DE ENERGIA MUNDIAL - COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS PERÍODO 1980 / ,5 8 6,1 7,1 8, Taxa Anual Media de Crescimento 1980 / 2010 Oferta de Combustíveis Fósseis 1,4 Gás Natural 2,6 Carvão 1,4 Petróleo 0,8 Taxa Anual Media de Crescimento 2000 / 2010 Oferta de Combustíveis Fósseis 2,6 Carvão 4,3 Gás Natural 2,8 Petróleo 1,3

40 POTENCIAL HIDROELÉTRICO BRASILEIRO APROVEITÁVEL (COMPETITIVO E AMBIENTALMENTE VIÁVEL) Potencial Hidroelétrico Brasileiro: MW (4º do mundo); PLANO 2030 (de 11/2007): Considerado MW Aproveitável; Atualmente: Estima-se que Não Ultrapassará MW; Este Montante Será Aproveitado até o Quinquênio 2025/2030 (cenários econômico, energético e socioambiental futuros); Expansão da Capacidade Instalada do Brasil, a Partir Deste Quinquênio (sem novas hidroelétricas para construir): Será Majoritariamente Baseado Numa Combinação de Nuclear, Gás Natural e Carvão Mineral, Complementado Pelas Fontes Alternativas Biomassa, Eólica e Solar 40

41 BRASIL - HIDROELETRICIDADE / USINAS DE MAIOR PORTE NA REGIÃO NORTE Bacia do Madeira (7.310 MW) : Jirau (3.750 MW) e Santo Antônio (3.560 MW) - suprimento 2013/2014 Bacia do Xingu ( MW) : Belo Monte ( MW) - suprimento 2015/2017 Bacia do Tapajós (~ MW) : Alto Tapajós : Teles Pires (cinco usinas, ~3.600 MW) e Juruena (treze usinas, ~8.600 MW), totalizando MW - suprimento 2016/2018. Médio Tapajós: sete usinas (complexo São Luiz), totalizando MW suprimento 2017/2020;

42 APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDROELÉTRICO DE DIVERSOS PAÍSES DO MUNDO (%) Congo Indonésia Peru Rússia China Colômbia Índia BRASIL Canadá Itália Suécia Estados Unidos Noruega Japão Alemanha França % do Potencial Tecnicamente Aproveitável Observações: Baseado em dados do World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de Para o Brasil, dados do Atlas de Energia Elétrica do Brasil, da ANEEL, referentes a janeiro de Os países selecionados detém 2/3 do potencial hidráulico desenvolvido do mundo. 4. O potencial tecnicamente aproveitável corresponde a cerca de 35% do potencial teórico média mundial

43 A ALTERNATIVA NUCLEAR PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Por que a Geração Nuclear, no Futuro, no Brasil? Esgotamento do Potencial Hidrelétrico Nacional, no Quinquênio 2025/2030 Competitividade da Opção Nuclear; Custo Unitário da Energia Competitivo Operação Permanente (de base); Custo do Combustível Baixo Aspectos Ambientais; Nenhuma Emissão de CO 2 (gás de efeito estufa) Desenvolvimento Tecnológico; Criação de Empregos Nobres e Qualidade da Indústria

44 A ALTERNATIVA NUCLEAR PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Histórico Angra I (década de 1970). Acordo Nuclear com a Alemanha, em 1975 (oito usinas nucleares de MW até 1990). elevado crescimento do mercado; desconhecimento do potencial hidrelétrico nacional; dúvidas sobre a transmissão a longa distância. Operação de Angra II em 2000 Conclusão de Angra III Decisão do CNPE

45 ESTUDOS E AÇÕES PARA VIABILIZAR AS PRÓXIMAS USINAS NUCLEARES APÓS ANGRA III 1/2 I) Estudos do Sítio Escolha das Áreas (trabalho de escritório) Escolha do Micro Local (trabalho de campo) II) Estudo da Tecnologia e dos Custos Tecnologia: experiência internacional com a nova geração de reatores Orçamento (custos) e Cronograma de Construção Viabilidade Econômica: custo do MWh suprido

46 ESTUDOS E AÇÕES PARA VIABILIZAR AS PRÓXIMAS USINAS NUCLEARES APÓS ANGRA III 2/2 III) Comercialização da Energia Projeto Estruturante: horizonte de operação além do leilão A-5 Competitiva com outras opões de fontes primárias para produção IV) Licenciamentos Socioambiental e Nuclear V) Participação da Iniciativa Privada na Construção e Operação das Usinas Nucleares

47 Tema 5 CONCLUSÕES 47

48 CONCLUSÕES 1 / 4 Economia Brasileira, Crescimento Estrutural de Cerca de 4% ao Ano, Inclusive no Longo Prazo 20 / 30 anos; Setor Energético, Crescimento da Ordem de 4% a 5% ao Ano, Pouco Acima do da Economia; Expansão da Capacidade Instalada em Cerca de / MW / ano, nos Próximos 10 / 20 anos; Expansão da Capacidade Instalada, nos Próximos Anos, até 2025: Prioridade para Hidroelétricas (cerca de 40 / 50%), Eólica e Bagaço de Cana-de-Açúcar (cerca de 25%) e Gás Natural (10 / 15%, dependendo da oferta/preço) e da Solar;

49 CONCLUSÕES 2 / 4 Esgotamento do Potencial Hidroelétrico Aproveitável (cerca de MW) no Quinquênio 2025 / 2030; Necessidade de Geração Térmica de Base, Com Baixo Custo do Combustível (nuclear, carvão e gás natural), Substituindo a Expansão Hidroelétrica, na Década 2020 / 2030; A Expansão da Capacidade Instalada, a Partir da Metade da Próxima Década Deverá Ser Constituída Majoritariamente (cerca de 50%), de um Misto de Nuclear, Carvão Mineral (emissão de CO 2 ) e Geração a Gás Natural, Ciclo Combinado com Elevado Rendimento (oferta/preço e outros usos), em Substituição a Hidroeletricidade;

50 CONCLUSÕES 3 / 4 Deverão Ser Intensificados os Programas das Fontes Alternativas Renováveis: Eólica, Derivados Energéticos da Cana-de-Açúcar e a Solar para Geração de Energia Elétrica; Os Programas de Eficiência Energética Continuarão Sendo Desenvolvidos com Prioridade, Considerando a Elevação dos Custos Marginais de Expansão do Sistema Gerador Nacional a Longo Prazo; Concluir os Estudos de Viabilidade das Novas Usinas Nucleares, Após Angra III, Considerando um Sítio no Nordeste e Outro no Sudeste, de Forma a Permitir uma Decisão de Implantação e Operação das Novas Usinas Nucleares, em Meados da Próxima Década;

51 CONCLUSÕES 4 / 4 Este Contexto está em Perfeita Sintonia com os Estudos Desenvolvidos no Planejamento de Longo Prazo do PLANO 2030 (concluído em 11 / 2007); Neste ano de 2014, Estão em Andamento os Estudos de Planejamento de Longo Prazo do Setor Energético, Contemplando o Horizonte até o Ano O Plano Nacional de Energia 2050, Deverá Estabelecer as Políticas para a Geração Térmica Nuclear, a Gás Natural e a Carvão Mineral, e as Demandas de Desenvolvimento Tecnológico das Diferentes Opções de Geração.

52 Muito Obrigado Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético MME/ Brasil

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Energy Balance. Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista. Corporate Participation

Energy Balance. Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista. Corporate Participation XXVIII National Seminar on Large Dams Energy Balance Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista Director of Planning,, Business Manegement and Corporate Participation BRAZIL AND WORLD DATA

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 TECNOLOGIA NUCLEAR, TECNOLOGIA MINERAL, CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS, MEIO AMBIENTE, SAÚDE MESTRADO E DOUTORADO CONTRIBUIÇÕES ASSOCIADAS

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades Jerson Kelman Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 O Setor Elétrico é causador ou vítima das mudanças climáticas? A concentração de GEE na atmosfera aumentou

Leia mais

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015.

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. A ABRAGEL Associação com foco na defesa de interesses dos empreendedores de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Usinas Hidrelétricas até 50 MW 15 anos de atuação

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 1 Panorama Energético no Brasil e no Mundo Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Leia mais

Exercícios de Fontes de Energia

Exercícios de Fontes de Energia Exercícios de Fontes de Energia 1. Todas as atividades humanas, desde o surgimento da humanidade na Terra, implicam no chamado consumo de energia. Isto porque para produzir bens necessários à vida, produzir

Leia mais

Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO. SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICAP Brasília, 20 de outubro de 2009 SENADO FEDERAL

Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO. SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICAP Brasília, 20 de outubro de 2009 SENADO FEDERAL SENADO FEDERAL Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO Eletrobrás Termonuclear S.A. 1 Consumo Per Capita de Energia Elétrica: 15 Maiores Geradores Mundiais Canadá Estados Unidos Austrália Japão

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais Energia A sustentabilidade dos recursos essenciais Estudo de caso Crises de energia: Brasil e EUA i. Grandes centros urbanos: $ atrai investidores e mão de obra ii. Aumento da população iii. Esgotamento

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul XI Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional AMAN, 12 de agosto de 2014 Antonio

Leia mais

Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008

Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008 Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008 Rio de Janeiro Relatório de Pesquisa Indicadores

Leia mais

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz Audiência Pública conjunta Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz 1 Estabelece um cronograma para a portabilidade da conta de

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS FGV SÉRIE ENERGIA EM FOCO 2015 ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA O FUTURO Rio de Janeiro - RJ 28 de setembro de 2015

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia 15.1 Conteúdo: Principais Fontes de Energia 15.1 Habilidade: Verificar as principais fontes de energia utilizadas atualmente, analisando sua importância para o desenvolvimento da sociedade Revisão: Espaço

Leia mais

PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Diretor Técnico da Eletronuclear TÓPICOS Projeções da Indústria Nuclear Estruturação do Projeto

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de massa ou volume (Rendimento); ii) Facilmente disponível; iii)

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza Fontes renováveis e não-renováveis de energia Amanda Vieira dos Santos 8941710 Giovanni Souza - 9021003 Fontes renováveis e não-renováveis de energia Usos para a energia: Com o avanço tecnológico passamos

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia Enfoque no Biogás

Fontes Alternativas de Energia Enfoque no Biogás Fontes Alternativas de Energia Enfoque no Biogás Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

X SIMPOSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E USINAS REVERSIVEIS USINAS HIDRELÉTRICAS REVERSÍVEIS O ESTADO DA ARTE

X SIMPOSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E USINAS REVERSIVEIS USINAS HIDRELÉTRICAS REVERSÍVEIS O ESTADO DA ARTE X SIMPOSIO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E USINAS REVERSIVEIS USINAS HIDRELÉTRICAS REVERSÍVEIS O ESTADO DA ARTE Carmo Gonçalves 1. USINAS HIDRELÉTRICAS REVERSÍVEIS Figura 01 - Ilustração

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

5 Planejamento da Expansão de Longo Prazo Resultados do Plano Nacional de Energia 2030 [53-64]

5 Planejamento da Expansão de Longo Prazo Resultados do Plano Nacional de Energia 2030 [53-64] 5 Planejamento da Expansão de Longo Prazo Resultados do Plano Nacional de Energia 2030 [53-64] 5.1 Introdução 5.1.1 Os Estudos do PNE 2030 Compõe os estudos do Plano Nacional de Energia 2030 - PNE 2030

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Energia

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Energia Energia Energia 1. Grande parte da produção de petróleo, no Brasil, provém de bacias localizadas na plataforma continental (off shore). Todavia, a produção de petróleo, em área terrestre (on shore), tem

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Fórum Abraceel CanalEnergia O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Edson Luiz da Silva Gerente de Assunto Regulatórios e

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 Agenda... Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Transição energética da Alemanha ( Energiewende

Leia mais

Análise De Dados Da Produção De Energia Primária No Brasil No Período De

Análise De Dados Da Produção De Energia Primária No Brasil No Período De Análise De Dados Da Produção De Energia Primária No Brasil No Período De 1990-2011 Álvaro Renan Vieira Nunes (1) ; Carlos Roberto de Lima (2) ; Marcelo Soares Pimentel (3) ; William de Sousa Santos (4)

Leia mais

A Itaipu Binacional e a eficiência energética

A Itaipu Binacional e a eficiência energética A Itaipu Binacional e a eficiência energética Seminário de Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARANÁ CREA/PR Painel 2 setor de

Leia mais

BRASIL: MATRIZ ENERGÉTICA DE BAIXO CARBONO E O PAPEL DA GERAÇÃO TERMONUCLEAR

BRASIL: MATRIZ ENERGÉTICA DE BAIXO CARBONO E O PAPEL DA GERAÇÃO TERMONUCLEAR BRASIL: MATRIZ ENERGÉTICA DE BAIXO CARBONO E O PAPEL DA GERAÇÃO TERMONUCLEAR Zieli Dutra Thomé Filho Nivalde J. de Castro Paulo Cesar Fernandez Rio de Janeiro Agosto de 2009 1 BRASIL: MATRIZ ENERGÉTICA

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Inserção Internacional Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes Curto prazo Hidráulica

Leia mais

Ethanol Summit. Conjuntura Econômica e Energia Renovável. Antonio Delfim Ne-o. 07 de julho de 2015 São Paulo, SP

Ethanol Summit. Conjuntura Econômica e Energia Renovável. Antonio Delfim Ne-o. 07 de julho de 2015 São Paulo, SP Ethanol Summit Conjuntura Econômica e Energia Renovável Antonio Delfim Ne-o 07 de julho de 2015 São Paulo, SP 1 I.1. PIB e Componentes Selecionados (1996 = 100) 180 170 Consumo das Famílias 160 150 140

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental 48330.001664/2013-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria Executiva Assessoria Especial em Gestão Socioambiental NOTA TÉCNICA N o 44/2013-AESA/SE-MME Assunto: Licenciamento Ambiental de Parques Eólicos

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Eduardo Chagas Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Maio de 2015 Papel da infraestrutura na retomada do crescimento Tendo em vista as dificuldades

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

"Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas

Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas "Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas no Brasil " Evento regional ONU de alto nivel sobre "Crisis Energética y Crisis Alimentaria: desafíos y oportunidades Santiago, Chile,

Leia mais

Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012

Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012 Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012 Energia Nuclear no Brasil Quatro venenos no debate sobre energia SECTARISMO MITO DA PANACÉIA POTÊNCIA x ENERGIA MERCANTILIZAÇÃO Há que considerar 4 escalas de tempo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

Energia, Fontes Renováveis e Etanol

Energia, Fontes Renováveis e Etanol I Simpósio Infra-Estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um País Emergente Energia, Fontes Renováveis e Etanol Claudio J. D. Sales Brasília, 27 de novembro de 2008 O conteúdo deste relatório foi

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas Professor: Xuxu USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica,

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Panorama Econômico e Desempenho Setorial 2009 Apresentação Fundada em 1963, a Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética

O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética PETRÓLEO O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética Fonte renovável Concentrada no NE Maiores produtores

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais