SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO"

Transcrição

1 SEMINÁRIO PORTUGAL BRASIL BRASIL PORTUGAL BRASIL PORTUGAL PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO TEMA PLANEJAMENTO Guimarães, Portugal Fevereiro de 2012

2 PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Foco na renovabilidade da matriz Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Economia da Energia e do Meio Ambiente Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Guimarães, Portugal Fevereiro de 2012

3 Expansão do Setor Elétrico Brasileiro Foco na renovabilidade da matriz AGENDA 1 Contexto socioeconômico e projeção da demanda de energia 2 Estratégia para expansão da oferta 3 Expansão da oferta em andamento: Os leilões da expansão da geração 4 Expansão planejada da oferta 5 Resumo e conclusões 3

4 1 Contexto socioeconômico e projeção da demanda de energia 4 4

5 Crescimento demográfico 0,68%aa = 14 milhões de pessoas equivalente a 1,4 vezes a população atual da Bélgica equivalente à população atual da Bahia = 15 milhões de domicílios 5 5

6 Número de consumidores residenciais Novas ligações por ano (milhões) ,9 Taxas de crescimento (médias anuais) 4,2% 2,4% ,5 1,5% 0,7% 6 média histórica ( ) 1,5 milhões de novos consumidores residenciais por ano população Universalização do serviço Menor crescimento da população Demanda acompanha crescimento demográfico de uma geração atrás Redução do número de habitantes por domicílio Fonte: EPE, PDE 2020 nº consumidores 6

7 Alguns indicadores sociodemográficos brasileiros: o país mudou muito... Indicadores Mortalidade infantil (por mil) Esperança de vida ao nascer (ambos os sexos) 57 anos 72 anos Taxa de fecundidade total (filhos por mulher) 5,5 1,9 Crescimento demográfico 2,8% ao ano 0,8% ao ano População entre 15 e 64 anos 54% 68% Idade mediana da população 19 anos 31 anos Índice de dependência demográfica Grau de urbanização 50% 87% Taxa de alfabetização (ambos os sexos) 58% 92% Atividade feminina 19% 44% Anos de estudo da mulher (média) 2,1 8,5 Fontes: Alves, José Eustáquio(apresentação em power-point, maio de 2008); ONU ( e IBGE ( 7 7

8 Bônus demográfico Brasil Experiência Asiática 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 1º bônus demográfico proporção de dependentes demográficos 0, Região Taxa de crescimento (% a.a.) PIB per capita Contribuição estimada do bônus demográfico (%a.a) PEA Máx Mín Ásia 3,33 2,76 1,64 0,73 Leste Asiático Sudeste Asiático Sul Asiático 6,11 2,39 1,87 1,37 3,8 2,90 1,81 0,91 1,71 2,51 1,34 0,41 Fonte: Elaboração Própria Fonte: Mason, Notas: (1) Bônus demográfico: é o período em que a estrutura etária da população atua no sentido de facilitar o crescimento econômico. Isso ocorre quando há um grande contingente da população em idade produtiva e um menor percentual de crianças e idosos no total da população. (2) Leste Asiático: China, Hong Kong, Macau, Coréia do Norte, Coréia do Sul; (3) Sudeste Asiático: Brunei, Camboja, Timor Leste, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Cingapura, Tailândia, Vietnã; (4) Sul asiático: Bangladesh, Butão, Índia, Ilhas Maldivas, Nepal, Paquistão, Sri Lanka. 8

9 6,0 PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL Crescimento econômico Dinâmica de crescimento superior à média mundial Investment grade Estabilidade econômica e política Pré-sal Projetos de infraestrutura Bônus demográfico 5,0 4,0 3,5 3,5 4,2 4,9 3,0 2,0 1,0 0, Mundo Brasil 9 9

10 Brasil. Projeção do consumo de eletricidade na rede Consumo por classe (TWh) Categoria do consumidor (% a.a.) Residencial 107,2 135,7 166,9 4,5 Industrial 183,7 229,9 283,7 4,4 Comércio e serviços 69,1 93,5 123,8 6,0 Outros consumidores 59,0 70,7 84,7 3,7 Total 419,0 529,8 659,1 4,6 Fonte: EPE, PDE ,26 1,57 10

11 Sistema Interligado Nacional (SIN) Carga de Energia Acréscimo médio anual no período: MWmédios 5 a 6 mil MW Período Variação % ao ano , , ,8 MWmédio Fonte: EPE, PDE Nota: considera a interligação do sistema Acre-Rondônia ao subsistema SE/CO, na última semana de outubro de 2009, e a interligação do sistema Tucuruí-Macapá-Manaus ao subsistema Norte, em janeiro de

12 2 Estratégia para expansão da oferta 12 12

13 Objetivos da política energética Segurança energética Fontes próprias de energia Modicidade tarifária Competitividade das fontes Redução de emissões de gases de efeito estufa Fontes não emissoras Fontes renováveis atendem a todos os objetivos da política energética 13 13

14 Elementos básicos da estratégia da expansão da oferta de energia Eficiência energética Reciclagem e aproveitamento de resíduos Energias renováveis Energia nuclear pch!? eólica solar biomassa 14 14

15 Eficiência energética em 2020 Energia elétrica 33,9 TWh (4,4% do consumo) Energia conservada equivalente Combustíveis 17,2 x 10 6 tep (5,4% do consumo) MW hidrelétricos Energia conservada equivalente barris por dia 15 15

16 Além disso, também é elemento chave da estratégia de expansão da oferta de energia no Brasil a energia hidrelétrica... Usina de São Simão, MG 16 16

17 O Brasil possui o 3º maior potencial hidroelétrico do mundo China, 13% Demais países, 44% Rússia, 12% Brasil, 10% EUA, 4% Canadá, 7% Congo, 5% Índia, 5% Fonte: Tolmasquim, M. (coord). Geração de Energia Elétrica no Brasil. Ed. Interciência,

18 18 PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL Aproveitamento do potencial hidrelétrico em países selecionados % do potencial tecnicamente aproveitável Congo Indonésia Peru BRASIL (bacia do Amazonas) Rússia Colômbia Índia China [2005] BRASIL China [2010] Canadá Itália Suécia China [2020] BRASIL (São Francisco) Estados Unidos Noruega Japão BRASIL (bacia do Paraná) Alemanha França Observações: Baseado em dados do World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de Para o Brasil, dados do Atlas de Energia Elétrica do Brasil, da ANEEL, e da EPE, referentes a 2008 (usinas em operação e com concessão outorgada). Para a China, dados do Worldwatch Institute. 3. Os países selecionados detém 2/3 do potencial hidráulico desenvolvido do mundo. 4. O potencial tecnicamente Planejamento aproveitável Expansão Setor corresponde Elétrico Brasileiro a cerca de Guerreiro 35% do potencial Guimarães, teórico PT. Fev média 2012 mundial

19 Amazônia: fronteira do potencial hidroelétrico brasileiro Bioma de alta sensibilidade e de elevado interesse ambiental 19 19

20 Instrumentos do planejamento Plano de Longo Prazo (25-30 anos) Estudos prospectivos sobre fontes de energia hidrelétricas energia eólica energia solar etc. Plano Decenal de Expansão Leilões para expansão da oferta 20 20

21 3 Expansão da oferta em andamento Os leilões de expansão da geração 21 21

22 FONTES DE PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE BRASIL X MUNDO BRASIL 2010 RENOVÁVEIS = 87,2% MUNDO 2008 RENOVÁVEIS = 18,7% Hidráulica (1) 81,2% Nuclear 13,5% Hidráulica 15,9% Gás Natural 21,3% Outras (4) 2,8% Eólica 0,4% Nuclear 2,6% Gás Natural 5,8% 1 Inclui importação 2 Inclui gás de coqueria 3 Inclui lenha, bagaço de cana, lixívia e outras recuperações Carvão e Derivados (2) Derivados de 1.3% Petróleo 3,1% Biomassa (3) 5,6% Derivados de Petróleo 5,5% Carvão e Derivados 41,0% 4 Inclui geotermal, solar, eólica, combustíveis renováveis, rejeitos e lenha Fontes: EPE [BEN 2011] e IEA [Key World Energy Statistics ] 22

23 Brasil. Sistema Interligado Nacional(SIN) Acréscimo da capacidade instalada, MW Potência instalada 2002: MW Potência instalada 2012: MW (est.) Acréscimo médio anual: MW Notas 1. Acréscimo líquido da capacidade instalada, i.e., considera a desinstalação da geração emergencial. 2. Valor de 2012 estimado sem considerar possibilidade de antecipação de geração, instalação dedicadas ao mercado livre e autoprodução. Fontes: Aneel, EPE 23

24 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA UHE Jirau 19mai 1º LER, Biomassa 14ago 6º LEN 17set 7º LEN 30set 12º LEN 17ago 4º LER, Eólica; Biomassa 18ago 13º LEN 20dez º LEN 16dez 2º LEN 29jun 3º LEN 10out 1º LFA 18jun 4º LEN 26jul 5º LEN 16out UHE Sto Antonio 10dez 8º LEN 27ago 2º LER, Eólica 14dez 9º LEN 21dez UHE Belo Monte 20abr 10º LEN 30jul 3º LER 25ago 2º LFA 26ago 11º LEN 17dez Desde 2005, 22 leilões 13 Leilões de Energia Nova (LEN) 4 Leilões de Energia de Reserva (LER) 2 Leilões de Fontes Alternativas (LFA) 3 Leilões de grandes hidroelétricas Fonte: 24 EPE

25 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Resultados consolidados EMPREENDIMENTOS 503 CAPACIDADE INSTALADA MW ENERGIA ASSEGURADA MWmédios (42,4%) ENERGIA CONTRATADA 239 mil GWh/ano CUSTO MÉDIO DA ENERGIA 131,5 R$/MWh ( 56/MWh) DESÁGIO MÉDIO 10,8 % GIRO FINANCEIRO ECONOMIA Obs.: Valores referentes a dezembro de R$ bilhões ( 296 bilhões) 84 R$ bilhões ( 35,7 bilhões) Fonte: EPE 25

26 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Expansão viabilizada por meio dos leilões, MW Potência viabilizada : Potência viabilizada : Potência viabilizada : Média anual: MW MW MW MW

27 PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Quantidade de energia contratada, MWmédios Leilões 2011 Leilões 2010 Leilões 2009 Leilões Leilões 2007 Leilões 2006 Leilões

28 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Custo médio da energia contratada, por fonte, Valores em R$/MWh 183,58 181,25 178,68 175,72 174,63 173,68 170,08 168,10 167,49 166,84 166,53 166,47 160,68 160,03 153,41 109,57 134,22 Obs.: Valores referentes a dezembro de 2011 Fonte: EPE 28

29 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Custo médio da energia contratada, por fonte, Valores em R$/MWh 183,58 181,25 178,68 175,72 173,68 168,10 167,49 166,84 166,53 166,32 160,68 160,03 145,48 133,82 131,27 109,31 131,45 Obs.: Valores referentes a dezembro de 2011 Fonte: EPE 29

30 CARVÃO MINERAL MW 3% GÁS NATURAL MW 10% PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Expansão por tipo de fonte ÓLEO DIESEL 972 MW 2% ÓLEO COMBUSTÍVEL MW 12% OUTRAS FÓSSEIS 490 MW 1% URÂNIO MW 2% OFERTA CONTRATADA MW FONTES RENOVÁVEIS MW [ 71% ] HIDRÁULICA MW 52% OUTRAS BIOMASSAS 138 MW 0% BAGAÇO DE CANA MW 7% EÓLICA MW 10% PCH 523 MW 1% Fonte: EPE 30

31 EXPANSÃO DA OFERTA DE BIOELETRICIDADE, MW Potência instalada 2005: Potência instalada 2015: Acréscimo médio anual: MW MW 783 MW Extra leilões Proinfa Leilões 31

32 EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA EÓLICA, MW Potência instalada 2006: Potência instalada 2011: Acréscimo médio anual : 237 MW MW 215 MW Potência instalada 2016: MW Acréscimo médio anual : MW Nota -potência instalada antes do Proinfa(antes de 2006): 29 MW Leilões PREÇO MÉDIO R$/MWh Proinfa 2005 Leilão 2009 Leilões ,74 166,55 145,93 133, Proinfa Leilões ,43 101,39 105,12 32

33 LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Preço médio da energia de fontes alternativas, R$/MWh Preço Médio Anual de Con ntratação [R$/MWh] 180,00 175,00 170,00 165,00 160,00 155,00 150,00 145,00 140,00 135,00 130,00 175,46 171,58 163,93 178,64 178,48 177,46 174,58 175,31 172,90 166,55 175,66 170,23 161,99 160,47 160,47 160,49 158,75 158,75 153,41 146,28 168,14 168,14 168,14 160,02 160,02 160,02 143,33 143,33 143,33 134,33 131,24 131,24 131, PCH EÓLICA BIOMASSA FONTES ALTERNATIVAS Obs.: Valores referentes a dezembro de 2011 Fonte: EPE 33

34 Preço Médio Anual de Contrat tação [R$/MWh] 180,00 175,53 PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL LEILÕES PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA Preço médio da energia contratada, R$/MWh 175,31 171,58 170,00 166,80 168,34 171,18 161,99 163,58 168,54 166,86 160,00 164,80 165,64 159,65 161,44 152,36 150,00 145,88 146,28 143,33 140,00 144,72 142,46 138,41 130,00 133,12 120,00 121,88 110,00 114,02 108,93 100, HIDRÁULICA ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS FÓSSIL MÉDIO Obs.: Valores referentes a dezembro de 2011 Considera Energia Botox Fonte: 34 EPE

35 4 Expansão planejada da oferta 35 35

36 EXPANSÃO HIDRELÉTRICA , MW Expansão Prevista MW Contratada MW 74% Planejada MW 26% Potência Instalad da (MW) Expansão contratada Expansão planejada (1) (1) Incorpora o resultado do 12º LEN 2011 e 13º LEN 2011 aos do PDE 2020 (Previsão do PDE 2020 em Hidroeletricidade para 2014: 890 MW) Fonte: EPE [PDE 2020] 36

37 Potência Instala ada (MW) PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL EXPANSÃO FONTES ALTERNATIVAS , MW Expansão Prevista MW Contratada MW 57% Planejada MW 43% Expansão contratada Expansão planejada (1) Incorpora os resultados dos 12º LEN 2011, 4º LER 2011 e 13º LEN 2011 aos do PDE 2020 (Previsão do PDE 2020 em Fontes Alternativas para 2014: MW) Fonte: EPE [PDE 2020] 37

38 PORTUGAL BRASIL SEMINÁRIO BRASIL - PORTUGAL EXPANSÃO TERMELÉTRICA , MW Expansão Prevista MW Contratada MW 100% Planejada 0 MW 0% Potência Insta alada (MW) Gás Natural Carvão Mineral Óleo Combustível (1) Incorpora o resultado do 12º LEN 2011 aos do PDE 2020 (Previsão do PDE 2020 em Fontes Fósseis para 2014: 0 MW) Fonte: EPE [PDE 2020] 38

39 EXPANSÃO DA CAPACIDADE INSTALADA Acréscimo de 62,6 GW no período, 73% já contratado Térmica 11,0 11,0 GW 18% Renováveis 10,7 8,3 19,0 GW 30% 52% Hidro 24,2 8,4 32,6 GW Contratado Planejado Capacidade instalada em dezembro/2010: 109,6 mil MW Observação: já considera leilões realizados em agosto de 2011 Fonte: EPE 39

40 Expansão contratada, ,9 GW Renováveis, 76% Renováveis exclusive hidrelétricas, 23% Hidrelétricas, 53% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Hidro Renováveis Nuclear Térmicas Observação: já considera leilões realizados em agosto de

41 EXPANSÃO DA CAPACIDADE INSTALADA NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL (SIN) Dezembro / 2010 PCH, EOL, BIO 9GW 8% UTE 16 GW 15 % NUCLEAR 2 GW 2% HIDRO 83GW 75% Renováveis, 2010: 83% Renováveis, 2020: 83% PCH, EOL, BIO 28GW 16% Dezembro / 2020 UTE 27 GW 16% NUCLEAR 3 GW 2 % HIDRO 116GW 66% FONTE: EPE (PDE 2020) Observação: já considera leilões realizados em agosto de

42 5 Resumo e conclusões 42 42

43 EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO Evolução Prevista de LTs, em km, por nível de tensão Tensão 750 kv ±600 kv 500 kv 440 kv 345 kv 230 kv TOTAL Existente em 2010* Evolução Estimativa Total instalado em 2010 Total previsto em km km 43

44 Energia solar fotovoltaica: uma rota alternativa Desenvolvimento tecnológico Avanço regulatório Smart grid 44 44

45 Resumo e conclusões A expansão da oferta de energia elétrica no Brasil pode e deve seguir com base em fontes renováveis, com predominância da hidreletricidade, mas com crescente participação da energia eólica e da biomassa A fronteira hidrelétrica brasileira é a Amazônia o que constitui incerteza crítica na expansão da oferta de energia, aumentando a expectativa com relação a renováveis alternativas A competitividade da energia eólica no Brasil a credencia com uma das alternativas da expansão da oferta nos próximos anos 45 45

46 Resumo e conclusões Outras fontes renováveis, como a energia solar, podem ganhar espaço na estratégia de expansão da oferta. No caso da energia solar, uma das rotas importantes é a conversão fotovoltaica, tipicamente geração distribuída, em que o desenvolvimento de uma regulação adequada é um dos desafios a serem superados e onde o avanço do smartgridpode desempenhar papel relevante na viabilização dessa alternativa A concretização da estratégia de expansão da oferta de energia exige ampla articulação com vistas à execução de políticas coordenadas e soluções negociadas 46 46

47 Muito obrigado! EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE Av. Rio Branco, 1 11 o andar Rio de Janeiro RJ Tel.: + 55 (21) Fax: + 55 (21)

48

Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético

Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Leia mais

Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético

Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético Novos paradigmas de consumo O comportamento do consumidor em 2030 e seus impactos para o setor energético Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente POLÍTICA ENERGÉTICA 21 de Setembro de 2015 12 th International Conference Brazil Energy and Power BEP 12 Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro -AmCham Rio Painel Energia e Política Industrial

Leia mais

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE São Paulo, SP 13 de Março de 2015 Expansão do Sistema

Leia mais

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz Ministério de Minas e Energia II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL

UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL UM PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL 25 de Outubro de 2011 Centro de Eventos e Convenções Brasil 21 Brasília Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Mauricio

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro XXVII ENCOSEL Novembro de 2011 As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro Nivalde J. de Castro Professor da UFRJ e coordenador do GESEL Perspectivas Mundiais Sumário Perspectivas do SEB: Potencial elétrico:

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Rio de Janerio 23 de junho de 2015 Sumário Energia Elétrica e seus desafios

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Simpósio Internacional: Reativação da Construção de Usinas Nucleares na América Latina Apresentação: Participação da Energia Nuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Junho/2015 Ronaldo dos Santos Custódio rcustodio@eletrosul.gov.br Matriz Renovável O problema brasileiro Brasil possui matriz notadamente renovável

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Características do potencial hidroenergético COPPE-UFRJ

Características do potencial hidroenergético COPPE-UFRJ Características do potencial hidroenergético na Amazônia COPPE-UFRJ Julho 2008 Jerson Kelman Diretor-Geral da ANEEL PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO SETORIAL Composição da Matriz de Energia Elétrica (Disponível

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País 11º FIIEE Minas Gerais Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País Modelo do Setor Elétrico do Brasil Leis 10847 e 10848 de 2004 Princípios Promover a Modicidade Tarifária Garantir a Segurança do Suprimento

Leia mais

Características Centrais do SEB

Características Centrais do SEB Seminário Energia Sustentável Universidade de Coimbra- Faculdade de Economia Os Desafios do Setor Elétrico do Brasil frente às Energias Renováveis Nivalde J. de Castro Coordenador do Gesel- UFRJ Características

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras?

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Brasília, 05 de agosto

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SEMINÁRIO CRISE ENERGÉTICA E DESENVOLVIMENTO Políticas do Ministério de para o Setor Energético

Leia mais

Mudança de Paradigma do Sistema Elétrico Brasileiro e Papel das Energias Complementares

Mudança de Paradigma do Sistema Elétrico Brasileiro e Papel das Energias Complementares Mudança de Paradigma do Sistema Elétrico Brasileiro e Papel das Energias Complementares Thereza Aquino Nivalde de Castro Professores da UFRJ 13 de março 2017 Hipóteses Centrais 1. O Brasil é um dos poucos

Leia mais

Energia Solar Integração e Desenvolvimento

Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar Integração e Desenvolvimento Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Cuiabá, 12 de Agosto de 2016 Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar = Integração + Desenvolvimento

Leia mais

O Setor Elétrico do Brasil

O Setor Elétrico do Brasil V SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Integração com Energia Renovável O Setor Elétrico do Brasil Desafios para o Século XXI José Antonio Coimbra Secretário-Executivo Rio de Janeiro,

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO VII Seminário de Bioeletricidade CEISE Br / UNICA 25ª Fenasucro & Agrocana 2017 Sertãozinho/SP 23 ago. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Produção de Eletricidade com Fontes Renováveis no Brasil

Produção de Eletricidade com Fontes Renováveis no Brasil Produção de Eletricidade com Fontes Renováveis no Brasil Amilcar Guerreiro Diretor de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética Ministério de Minas e Energia Gramado, RS 20 de abril de 2018 MESA

Leia mais

SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE

SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE São Paulo, 15/04/2010 Ministério de Minas e Energia SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Visão Geral do Setor

Visão Geral do Setor 1T13 Visão Geral do Setor 10 maiores geradores de energia elétrica (TWh) Total China EUA Japão Rússia Índia Alemanha Canadá França Coréia Sul Brasil 1.104,0 1.051,6 1.006,2 614,5 607,6 564,3 520,1 501,3

Leia mais

Brasil: Matriz Energética do Futuro

Brasil: Matriz Energética do Futuro Brasil: Matriz Energética do Futuro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética - EPE Brasília, DF 22 de novembro de 2016 Brasil: Matriz Energética do Futuro

Leia mais

CIESP. 10º Encontro Internacional de Energia. Hotel Unique. São Paulo, 05 de outubro de Tema 2: Planejamento e Política Energética

CIESP. 10º Encontro Internacional de Energia. Hotel Unique. São Paulo, 05 de outubro de Tema 2: Planejamento e Política Energética CIESP 10º Encontro Internacional de Energia Hotel Unique São Paulo, 05 de outubro de 2009 Tema 2: Planejamento e Política Energética Painel 1: Avanços Regulatórios no Setor de Energia Jerson Kelman Temas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Zilmar Souza Mesa Redonda: Energia Poços de Caldas - MG 21 de maio de 2015 BIOELETRICIDADE: CAPACIDADE INSTALADA EM 2015 3 o 7% 18% 62% Fonte de Combustíveis Utilizados

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 4T14 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Maiores geradores mundiais de energia elétrica (TWh) 2013 Total 23.127,0 (100%) China 5.361,6 (23,2%) EUA 4.260,4 (18,4%) Índia 1.102,9 (4,8%) Japão Rússia 1.088,1 1.060,7

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Desafios da Regulação no Setor Elétrico. Desafios da expansão do setor elétrico. Amilcar Guerreiro III SEMINÁRIO INTERNACIONAL MESA I

Desafios da Regulação no Setor Elétrico. Desafios da expansão do setor elétrico. Amilcar Guerreiro III SEMINÁRIO INTERNACIONAL MESA I III SEMINÁRIO INTERNACIONAL Desafios da Regulação no Setor Elétrico MESA I Desafios da expansão do setor elétrico Amilcar Guerreiro Diretor Estudos Energia Elétrica Coimbra, Portugal 14-15 novembro 2016

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE

ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE Mesa Redonda 1: GRANDES HIDRELÉTRICAS POTENCIAL E PANORAMA Palestra: ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE Jorge Miguel Samek Diretor Geral Brasileiro da Itaipu BRASIL: PANORAMA

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia.

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia. ABINEE TEC SUL Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia Porto Alegre, 18 e 19 de agosto de 2004 MATRIZ ENERGÉTICA Consumo de Energia

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO 04 de Julho de 2013 Sede da Fundação Getulio Vargas Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Mauricio T. Tolmasquim

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 Palestra Especial: ENASE 2018 Rio de Janeiro/RJ 23 mai. 2018 Reive Barros Presidente AGENDA Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) Cenário Macroeconômico

Leia mais

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Dr. Sinval Zaidan Gama Diretor de Operação - ONS Rio de Janeiro, 12 de junho 2018 A Matriz de Energia Elétrica

Leia mais

Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios

Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios Ministério de Minas e Energia Colóquio 2010 2020: Uma Década Promissora para o Brasil? Planejamento Eletroenergético do Sistema Interligado Nacional e seus Desafios José Carlos de Miranda Farias Diretor

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 1 Panorama Energético no Brasil e no Mundo Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS PCH Nnho da Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio de Janeiro, 31 janeiro de 2011 Prof. Dr. Geraldo Lúcio TIAGO Filho Universidade Federal de Itajubá Professor Titular Centro Nacional

Leia mais

Comercialização de Energia ACL e ACR

Comercialização de Energia ACL e ACR Comercialização de Energia ACL e ACR Capítulo 1 Panorama Energético no Brasil e no Mundo Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Leia mais

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Nº 01/2014 O presente boletim tem o objetivo de divulgar os principais dados do Setor Eólico no Brasil com periodicidade mensal. O conteúdo publicado refere-se

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Ricardo Savoia Gerente de Regulação e Tarifas ANDRADE & CANELLAS 25/10/2011

Ricardo Savoia Gerente de Regulação e Tarifas ANDRADE & CANELLAS 25/10/2011 Panorama da Matriz Energética Nacional Painel: Debater a demanda e oferta de energia, fontes atuais de geração, oportunidades, vantagens, riscos nos projetos em andamento e planejamento futuro. Ricardo

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Elbia Melo Presidente Executiva

Elbia Melo Presidente Executiva Elbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica congrega, em todo o Brasil, contando com 94 empresas pertencentes à cadeia produtiva direcionada à produção

Leia mais

Perspectivas de Difusão dos RED

Perspectivas de Difusão dos RED SEMINÁRIO INTERNACIONAL Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos (RED) sobre o Setor de Distribuição Perspectivas de Difusão dos RED Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1T12 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 10 maiores geradores mundiais 2010 TW/h Total 21.325,0 (100%) EUA 4.325,9 (20,3%) China 4.206,5 (19,7%) Japão Rússia 1.145,3 1.036,8 (5,4%) (4,9%) Índia Canadá 922,3 629,9

Leia mais

Obrigado! Consultoria em Energia

Obrigado! Consultoria em Energia Obrigado! Marcos Guimarães Consultoria em Energia Pedro Kurbhi Agenda 1 - Eficiência Energética x Gestão Contratual 2 - Pontos Críticos na Gestão de Energia 3- A Demanda 4 - O Consumo 5- Reativos 6 - A

Leia mais

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos. Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação 1 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 Condições Hidroenergéticas SE/CO

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 2T12 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 10 maiores geradores mundiais 2010 TW/h Total 21.325,0 (100%) EUA 4.325,9 (20,3%) China 4.206,5 (19,7%) Japão Rússia 1.145,3 1.036,8 (5,4%) (4,9%) Índia Canadá 922,3 629,9

Leia mais

Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050

Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050 II Tech Nordeste SEBRAE / CE Ubiratan Francisco Castellano

Leia mais

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO POTENCIAL E AÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO BIOELETRICIDADE: Desafios para Crescer ETHANOL SUMMIT 2011 José Aníbal Secretário de Energia do Estado de São Paulo São Paulo 6 de Junho de 2011 Nuclear 5,8% Secretaria

Leia mais

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios BIOMASSA: Pilar da Sustentabilidade Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Curitiba

Leia mais

Energia Eólica Setembro 2016

Energia Eólica Setembro 2016 Energia Eólica Setembro 2016 2 3 4 12 ton. / pá BRASIL: 5.432 aerogeradores construídos 5 Associados 6 Panorama do Setor Eólico Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) --------------------

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ CICLO DE DEBATES SOBRE AS PERSPECTIVAS DA INTEGRAÇÃO ELÉTRICA

Leia mais

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai

V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA. Energia Eólica. Brasil x Uruguai V JORNADAS INTERNACIONALES DE ENERGÍA EÓLICA Energia Eólica Brasil x Uruguai Elbia Melo Maio / 2014 Fonte Eólica no Mundo Ranking Mundial 1 China 91,42 2 EUA 61,09 3 Alemanha 34,25 4 Espanha 22,96 5 Índia

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

O estado atual do setor elétrico brasileiro. José Goldemberg

O estado atual do setor elétrico brasileiro. José Goldemberg O estado atual do setor elétrico brasileiro José Goldemberg Dossiê Energia Justiça brasileira elétrica RESUMO Neste artigo é feita uma análise da evolução do sistema de produção de eletricidade, que até

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 10 maiores geradores mundiais 2010 TW/h Total 21.325,0 (100%) EUA 4.325,9 (20,3%) China 4.206,5 (19,7%) Japão Rússia 1.145,3 1.036,8 (5,4%) (4,9%) Índia Canadá 922,3 629,9 (4,3%)

Leia mais

Ministério de Minas e Energia PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

Ministério de Minas e Energia PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Seminário: Energia e Meio Ambiente Aspectos Legais Marcio Pereira Zimmermann Secretário de

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 4T15 GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Maiores geradores mundiais de energia elétrica (TWh) 2014 Total 23.636 (100%) China 5.583 (23,6%) EUA 4.330 (18,3%) Índia 1.296 (5,5%) Rússia 1.064 (4,5%) Japão 996 (4,2%)

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

Sistema Elétrico Brasileiro no Mundo

Sistema Elétrico Brasileiro no Mundo Sistema Elétrico Brasileiro no Mundo EUA China Japão Rússia Índia Alemanha Canadá França Coréia do Sul Brasil 1154,3 1160,0 1036,2 1014,4 834,3 808,8 639,1 637,6 598,9 603,6 574,4 569,8 462,9 440,0 454,5

Leia mais