POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades (Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul SENGE-RS) MOACIR CARLOS BERTOL Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto 12 de setembro 2018

2 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Situação Elétrica e Energética do Brasil

3 Setor Elétrico Brasileiro Características CAPACIDADE INSTALADA 160,6 mil MW Expansão de 40,2% (2010/17) Ou 6,5 mil MW / ano +3 mil MW em 2018 Até julho/2018 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 548,6 mil GWh (não inclui autoprodução) Expansão de 14% (2010/17) (52% da América do Sul) Jul/17-jun/18 LINHAS DE TRANSMISSÃO 144,8 mil km Expansão de 40,6% (2010/17) Ou 5,8 mil km/ano +3,2 mil km em 2018 Até julho/2018 UNIDADES CONSUMIDORAS 83 Milhões Expansão de 21,5% (2010/17) Ou 2,0 milhões / ano Até junho/2018 Rede Básica > 230 kv. Fonte: BIG ANEEL e Boletim de Monitoramento Setor Elétrico (junho/2018)

4 CAPACIDADE INSTALADA Fontes Renováveis 82,1% da total Até julho/2018 HIDRÁULICA EÓLICA SOLAR BIOMASSA 102,3 mil MW 13,2 mil MW 1,63 mil MW 14,7 mil MW Hidráulica Inclui UHE, PCH, CGH Eólica e Solar inclui GD e não GD Fontes de origem fóssil (16,7%) sendo Óleo (5,4%) Gás Natural (8,1%) Carvão (2,1%) Gás Industrial recuperado (1,1%) Nuclear (1,2%) 63,6% 8,2 % 1 % 9,2 % CAPACIDADE INSTALADA Total 160,6 mil MW Fonte: BIG ANEEL e Boletim de Monitoramento Setor Elétrico (junho/2018)

5 % OFERTA INTERNA DE ENERGIA (OIE) Participação por Fonte 2016 / 2017 (%) ,5 36,2 Oferta de Energia (milhões tep) 2016: 288,3 2017: 293,5 Crescimento: 1,8% (acima do PIB, de 1%) 20 17,5 17, Petróleo e Derivados Produtos da Cana 12,3 12,9 12,6 11,9 8,0 8,0 Gás Natural Hidráulica Lenha e C. Vegetal ,4 5,8 5,5 5,6 Outras Renováveis (a) Gás de alto-forno, aciaria, coqueria, enxofre 1,5 1,4 0,7 0,6 Carvão Nuclear Outras Ñ Renov.(b) Lixívia, eólica, solar, biodiesel, biogás, casca de arroz, capim elefante, resíduos de árvores Renováveis Combustíveis Fósseis Brasil: 2016: 43,5% 2017: 43,2% Brasil: 2016: 55,1% 2017: 55,3% Fonte: Balanço Energético Nacional

6 % ,0 65,2 OFERTA INTERNA DE ENERGIA ELÉTRICA Participação por Fonte 2016 / 2017 (%) Oferta de Energia Elétrica - TWh 2016: 619,7 2017: 624,3 Crescimento: 0,7% ,5 9,1 8,3 8,2 2,0 2,1 2,7 2,5 2,6 2,5 Hidro Gás Natural Biomassa Óleo Carvão Nuclear Eólica Gás Industrial ,4 6,8 1,9 2,1 0,0 0,1 Solar Combustíveis Fósseis Brasil: 2016: 15,7% 2017: 17,2% Mundo: 2016: 65,9% Renováveis Brasil: 2016: 81,7% ,3% Mundo: 2016: 24,2% Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

7 COMPROMISSO NACIONAL: COP 21 META ABSOLUTA O Brasil comprometeu-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, em CONTRIBUIÇÃO INDICATIVA SUBSEQUENTE O Brasil apresentou como contribuição a indicação de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005, em 2030 Caminhos para se atingir a meta Alcançar uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030 Aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030 Aumentar a parcela de energias renováveis (além da energia hídrica) no fornecimento de energia elétrica para ao menos 23% até Alcançar 10% de ganhos de eficiência no setor elétrico até 2030

8 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Plano Decenal de Expansão de Energia PDE 2026

9 9 Estrutura Institucional do Setor Conselho Nacional de Política Energética Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico Empresa de Pesquisa Energética Operador Nacional do Sistema Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Agência Nacional de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

10 Planejamento Energético Visão estratégica Estudos de longo prazo (até 30 anos) Plano Nacional de Energia Balanço Energético Nacional Visão de programação Estudos de curto e médio prazos (até 10 anos) Plano Decenal de Expansão de Energia Leilões Monitoramento Visão de 1 a 3 anos Petróleo e Gás Energia Elétrica Transmissão Biodiesel

11 BRASIL PDE 2026 DEMOGRAFIA E ECONOMIA Milhões de habitantes 10 3 R$ per capita (2010) ,9 219, ,0 População 0,61% a.a. 1,3 milhão/ano PIB Per Capita 1,8% a.a. PDE2024: 3,9% a.a. bilhões de habitantes 22, Fonte: Plano Decenal 2026, IBGE, MME/SPE.

12 PDE 2026 OFERTA DE ENERGIA milhões tep Energia Total 2,0 a.a. 351 TWh Fonte: Plano Decenal 2024, MME/SPE % Renováveis 43,5 % Fósseis 55,0 620 Energia Elétrica 3,5% a.a % Renováveis 81,7 % Fósseis 15,9 PDE2024: 4,2% a.a. % Renováveis 48,8 % Fósseis 49,2 % Renováveis 86,9 % Fósseis 10,1 PDE 2024: 940 TWh em 2024

13 CARGA REGIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA DO SIN % AO ANO 2016 / 2026 % SIN 3,5 Sul 3,4 Sudeste/Centro Oeste 3,2 Nordeste 4,0 Norte 4,9 0 Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

14 % OFERTA INTERNA DE ENERGIA (OIE) Participação por Fonte 2016 / 2026 (%) ,5 31,3 Oferta de Energia (milhões tep) 2016: 288,3 2026: 351,2 Crescimento anual médio: 2,0% Petróleo e Derivados 19,1 17,5 Derivados da Cana 12,3 12,0 12,6 13,7 8,0 7,3 Gás Natural Hidro Lenha e Carvão Vegetal ,5 5,3 6,1 9,1 1,5 2,0 Carvão Outras (*) Nuclear * Solar, eólica, biodiesel, biogás e gás industrial fóssil Combustíveis Fósseis Brasil: 2016: 55,1% 2026: 49,2% Mundo:2016: 81,4% Renováveis Brasil: 2016: 43,5% 2026: 48,8% Mundo:2016: 13,7% Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

15 % ,0 62,2 OFERTA INTERNA DE ENERGIA ELÉTRICA Participação por Fonte 2016 / 2026 (%) Oferta de Energia Elétrica - TWh 2016: 619,7 2026: 878 Crescimento anual médio: 3,5% a.a ,1 5,8 8,3 9,5 Hidro Gás Natural Biomassa Petróleo e Derivados 2,0 0,5 2,7 1,9 2,6 3,0 12,5 5,4 Carvão Nuclear Eólica Gás Industrial ,9 1,8 0,0 2,8 Solar Combustíveis Fósseis Brasil: 2016: 15,7% 2026: 10,1% Mundo: 2016: 65,9% Renováveis Brasil: 2016: 81,7% ,9% Mundo: 2016: 23,6% Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

16 Expansão da Capacidade Instalada de Geração Elétrica - Brasil MW dez/2016 a dez/2026 FONTES Expansão 2016/2026 (GW) % Total SIN APE clássico Total GW HIDRO 13,8 13,8 19,2 NUCLEAR 1,4 1,4 2,0 GÁS NATURAL 4,8 0,6 5,4 7,5 CARVÃO 0,3 0,1 0,4 0,6 ÓLEO -2,9 0,1-2,8-3,9 GÁS INDUSTRIAL 0,0 1,0 1,0 1,4 PCH 2,3 0,4 2,7 3,8 BIOMASSA 4,1 2,0 6,0 8,4 EÓLICA 18,4 0,1 18,5 25,8 SOLAR 9,6 3,3 13,0 18,1 INDICATIVA DE PONTA(*) 12,2 12,2 17,0 TOTAL (*) 64,1 7,5 71,6 100,0 E&P PETRÓLEO 0,0 2,1 2,1 TOTAL NACIONAL 64,1 9,5 73,6 IMPORTAÇÃO -3,9-3,9 TOTAL DA EXPANSÃO 60,2 9,5 69,7 % Renováveis/novas 72,0 60,5 70,7 (*) Pode contemplar termelétricas ciclo aberto, reversíveis, repotenciação de hidrelétricas, baterias ou gerenciamento da demanda. Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

17 Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026 CAPACIDADE INSTALADA DE GERAÇÃO ELÉTRICA (*) (GW) 2016 e 2026 FONTES Incremento Estruturas (%) HIDRO 91,5 105,3 13,8 57,4 46,0 NUCLEAR 2,0 3,4 1,4 1,2 1,5 GÁS NATURAL 13,0 18,3 5,4 8,1 8,0 CARVÃO 3,4 3,8 0,4 2,1 1,7 ÓLEO 9,0 6,3-2,8 5,7 2,7 GÁS INDUSTRIAL 1,7 2,7 1,0 1,1 1,2 PCH 5,4 8,2 2,7 3,4 3,6 BIOMASSA 14,2 20,2 6,0 8,9 8,8 EÓLICA 10,1 28,6 18,5 6,4 12,5 SOLAR 0,1 13,0 13,0 0,1 5,7 INDICATIVA DE PONTA 12,2 12,2 0,0 5,3 TOTAL (*) 150,4 222,0 71,6 94,4 96,9 E&P PETRÓLEO 3,1 5,1 2,1 1,9 2,2 TOTAL NACIONAL 153,5 227,1 73,6 96,3 99,2 IMPORTAÇÃO 5,9 1,9-3,9 3,7 0,8 TOTAL OFERTA 159,3 229,0 69,7 100,0 100,0 (*) Para 2016: dados do Banco de Informações de Geração da ANEEL, em 31/12/2016 Nota: Inclui autoprodução cativa e sistemas isolados Capacidade total = 160,6 GW // Eólica: 13,2 GW // Solar: 1,6 GW // Biomassa: 14,7 GW Data de Referência: 07/2018

18 Expansão Contratada e Planejada do SIN Capacidade Instalada de Geração Elétrica GW dez/2016 a dez/ Contratada 33 GW Planejada 31 GW Contratada planejada Até o leilão a

19 Razões de uma menor expansão de geração térmica por fósseis - PDE2026 Fator de capacidade instalada da hidráulica passa de 46% em 2016 a 56% em 2026, Continuidade de forte expansão de eólica, Necessidade de dar escala industrial à energia solar, Excedentes de biomassa da cana e de celulose em alta Compromissos internacionais com emissões, Expansão mais contida da demanda de energia elétrica

20 Petróleo BRASIL PDE 2026 EXPANSÃO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Produção 2016 (2,6 milhões bbl / dia). Produção 2026 (5,1 milhões bbl / dia). Crescimento de 7 % ao ano. Superávit em 2026 (2 milhões bbl / dia); Gás Natural Produção 2016 (103,4 milhões m 3 / dia). Produção bruta potencial de gás convencional 2026 (182 milhões m 3 / dia). Crescimento de 5,8% ao ano. Etanol Produção 2016 (28,3 milhões m 3 ). Produção 2026 (43,1 milhões m 3 ). Crescimento de 4,3% ao ano. Exportações líquidas em 2026 (2,2 milhões m 3 ); Biodiesel Produção 2016 (3,8 milhões m 3 ). Produção 2026 (6,6 milhões m 3 ). Crescimento de 5,7% ao ano. Percentual mistura com diesel fóssil (+ou-10%).

21 Investimentos na Expansão do Suprimento de Energia Por Área, dez/2016 a dez/2026 (R$ bilhões) Área R$ bilhões % Energia Elétrica ,2 Geração ,5 Transmissão 119 8,6 Petróleo e Gás ,4 Biocombustíveis 33 2,4 Total (cotações R$ 3,26/US$) ,0 % do PIB acumulado no período 3,1 % da FBKF acumulada no período 15,6 (*) O valor foi retificado, razão desta nova edição do boletim A expansão prevista para a produção primária de energia possibilitará superávit de 37% sobre a demanda total de energia, revertendo os déficits verificados até Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

22 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Expansão no Horizonte de 2006 a 2026

23 CONSUMO FINAL DE ENERGIA Participação por Setor 2006 / 2026 (%) % Milhões tep 2006: : : 273 % ao ano 2006/16: 2, /26: 1,76 29,2 41,4 36,1 36,7 36,9 33, ,8 6,4 7,5 Não Energético 12,0 10,8 11,0 4,9 5,4 6,3 4,7 4,5 4,7 Residencial Serviços Agropecuária Transportes Indústria Nota: A indústria não inclui o consumo do setor energético (consumo na E&P de petróleo, produção de etanol, refinarias, mineração de carvão e consumo próprio de usinas de geração). O consumo do setor energético é determinado em razão das hipóteses da oferta 2006 = 18,8 Milhões tep; 2016 = 26 e em 2026 = 37,7. Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

24 CONSUMO FINAL DE ENERGIA (*) Participação por Fonte 2006 / 2026 (%) % Milhões tep 2006: : : 273 % ao ano 2006/16: 2, /26: 1,76 42,9 43,5 39, ,9 20,9 17,618,4 19,318,6 0 Eletricidade Bioenergia Sólida 7,4 9,8 3,8 4,8 Bioenergia Líquida 4,5 4,3 Carvão Mineral 5,9 5,4 6,1 2,0 1,6 1,3 Óleo Gás Natural Gás Industrial Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE (*) Não inclui o setor energético (consumo na E&P de petróleo, produção de etanol, refinarias, mineração de carvão e consumo próprio de usinas de geração)

25 CONSUMO DE ENERGIA EM TRANSPORTES Participação por Fonte 2006 / 2026 (%) % ,6 45,6 41,9 Milhões tep 2006: 53,6 2016: 82,7 2026: 91,5 % ao ano 2006/16: 4, /26: 1,02 29,3 27, ,3 11,9 22,2 16,8 Querosene de Aviação, Gasolina de Aviação e Óleo Combustível 0 Diesel Fóssil 5,6 5,2 Gasolina Etanol Biodiesel Gás Natural Energia Elétrica 5,6 3,8 1,9 2,1 0,2 0,2 0,3 5,8 5,9 4,6 Outras Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

26 CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA Participação por Fonte 2006 / 2026 (%) % ,8 Milhões tep 2006: 22,1 2016: 24,8 2026: 30,0 % ao ano 2006/16: 1, /26: 1,89 33,4 46,0 54,5 26,1 25,9 26,5 25, ,6 0 0,9 1,4 Lenha e C.Veg. Gás de Cozinha Gás Natural Energia Elétrica Geração Distribuída 2,1 0,0 0,0 1, Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

27 CONSUMO INDUSTRIAL DE ENERGIA (*) Participação por Fonte 2006 / 2026 (%) % ,8 41,0 43,4 Milhões tep 2006: 76,0 2016: 84,2 2026: 100,7 % ao ano 2006/16: 1, /26: 1, ,7 19,9 20,9 12,3 11,7 11,6 12,3 11,0 10,8 9,9 11,3 10,3 0 Eletricidade Bioenergia Carvão Mineral Óleo 4,2 3,6 2,9 Gás Natural Gás Industrial Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE (*) Não inclui o setor energético (consumo na E&P de petróleo, produção de etanol, refinarias, mineração de carvão e consumo próprio de usinas de geração)

28 CONSUMO FINAL DE ENERGIA ELÉTRICA Participação por Setor 2006 / 2026 (%) % TWh 2006: : : 663 % ao ano 2006/16: 2, /26: 3,06 48,9 39,8 36, ,2 27,1 22,9 23,5 27,0 27,8 0 4,4 5,7 5,6 0,4 0,4 0,5 Residencial Serviços Agropecuária Transportes Indústria Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE Nota: não inclui o setor energético (consumo na E&P de petróleo, produção de etanol, refinarias, mineração de carvão e consumo próprio de usinas de geração)

29 OFERTA INTERNA DE ENERGIA ELÉTRICA (OIEE) Participação por Agregado Setorial 2006 / 2026 (%) % ,5 OIEE: soma das duas parcelas = ,2 75,5 OIEE TWh 2006: : : 878 OIEE: % ao ano 2006/16: 3, /26: 3, soma das duas parcelas = indústria de energia 18,5 20,8 24,5 15,3 16,1 15,6 4,8 8,9 3,2 Consumo Final Indústria de Energia Setor Energético Perdas Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

30 OFERTA INTERNA DE ENERGIA (OIE) (*) Participação por Agregado Setorial 2006 / 2026 (%) % ,4 OIE: soma das duas parcelas = ,5 77,6 OIEE TWh 2006: : : 351 OIEE: % ao ano 2006/16: 2, /26: 1, soma das duas parcelas = indústria de energia 20 18,6 20,5 22,4 8,3 9,1 10,2 10,2 11,4 12,2 0 Consumo Final Indústria de Energia Setor Energético Perdas (*) Toda a energia necessária para movimentar a economia Fonte: Balanço Energético Nacional e PDE 2026

31 Consumo Final de Eletricidade(*) e PIB Taxas médias ao ano por período e elasticidades (%) % 18 Elasticidade da energia elétrica ao PIB 1,4 3,7 1,7 0,6 n.a. 1,5 12,0 8,6-2 5,9 4,3 3,4 3,6 3,7 2,5 1,6 1,7 2,5-0, E.Elétrica PIB (*) Inclui consumo do setor energético Fonte: Balanço Energético Nacional e Plano 2026

32 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Energia e Desenvolvimento

33 Consumo Residencial de Eletricidade per capita 2015 (kwh/hab) Energia e Desenvolvimento Consumo de Eletricidade em Serviços per capita 2015 (kwh/hab) Consumo Ciclo Otto per capita 2015 (m³/hab) Consumo Ciclo Otto por Veículo 2015 (m³/veíc.)

34 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Energia e Sustentabilidade Climática

35 Renováveis nas Matrizes Energéticas 2017 Renováveis na Matriz Energética (%) Hidráulica na Matriz de Oferta Elétrica (%) ,2 34,1 10,0 16,1 13, ,2 72,0 12,9 16,5 16,1 0 Brasil RS (2015) OCDE Ñ OCDE e Ñ BR Mundo 0 Brasil RS (2015) OCDE Ñ OCDE e Ñ BR Mundo Bioenergia no Consumo Industrial de Energia (%) Bioenergia no Consumo de Energia em Transportes (%) , , , , ,0 5,1 Brasil RS (2015) OCDE Ñ OCDE e Ñ BR 7,6 Mundo ,3 1,1 Brasil RS (2015) OCDE Ñ OCDE e Ñ BR 3,0 Mundo

36 Dados Regionais de Energia Elétrica 2017 Geração Eólica (%) Geração Hidráulica (%) Geração por Bioenergia (%) Participação das Renováveis na Geração Total (%) (8,7%)

37 Renováveis e Indicadores de Emissões 2017 Renováveis na Matriz de Oferta Elétrica (%) 2017 Intensidade de Emissões de CO tco 2 /tep de OIE tco 2 /mil US$ (PIB PPP constante de 2011) 2017 tco 2 /hab

38 Inventário de Emissões e Metas Voluntárias Milhões tco 2-37% - 43% Metas 2025 Fonte: DIE/SPE/MME

39 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Resultados de Leilões

40 Preços Médios de Leilões por Fonte US$/MWh (dólar do dia do leilão) PCH e CGH 54, UHE - Hidráulica 53,92 43, Todos os leilões realizados de cada fonte, até abril de 2018

41 Preços Médios de Leilões, por Fonte US$/MWh (dólar do dia do leilão) Gás Natural 74,78 43, Cavaco de Madeira 64,08 35, Todos os leilões realizados de cada fonte, até abril de 2018

42 Preço do Último Leilão e Médio de Todos os Leilões - US$/MWh Rótulos do Último Leilão** (decrescente) Rótulos do Preço Médio (decrescente) **Até o Leilão A Dólar do dia do leilão

43 Capacidade Contratada em Leilões 2005 a 2018 MW e % MW (total) Inclui início de suprimento até 2023 % (70% de renováveis) **Até o Leilão A

44 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Leilões Regulados (A-4 e A-6)

45 Leilão A-4: 2017 Realização Leilão: 18/12/2017 Início de suprimento: 01/01/2021 Projetos Cadastrados Projetos Habilitados Projetos Vencedores Fonte: MME a partir de dados da ANEEL e CCEE

46 Leilão A-4: 2017 Leilão A Preços médios por Fonte (R$/MWh) Biomassa 234,9 CGH 179,0 PCH 182,1 Solar FV 145,7 Eólica 108,0 0,0 50,0 100,0 150,0 200,0 250,0 Fonte: CCEE

47 Leilão A-4: 2018 Realização Leilão: 04/04/2018 Início de suprimento: 01/01/2021 Projetos Cadastrados Projetos Habilitados Projetos Vencedores Fonte: MME a partir de dados da ANEEL e CCEE

48 Leilão A-4: 2018 Leilão A Preços médios por Fonte (R$/MWh) Biomassa 198,9 CGH 197,8 PCH 198 Solar FV 118 Eólica 67, Menores preços já negociados para usinas eólicas e solares

49 Realização Leilão: 20/12/2017 Leilão A-6: 2017 Início de suprimento: 01/01/2023 Projetos Cadastrados Projetos Habilitados Projetos Vencedores Fonte: MME a partir de dados da ANEEL e CCEE

50 Leilão A-6: 2017 Leilão A Preços médios por Fonte (R$/MWh) Biomassa 216 PCH 218,9 Gás Natural 212,9. Eólica 98, Fonte: MME a partir de dados da CCEE

51 Realização Leilão: 31/08/2018 Início de suprimento: 01/01/2024 Projetos Cadastrados Leilão A-6: 2018 Projetos Habilitados Projetos Vencedores Fonte: MME a partir de dados da ANEEL e CCEE

52 Leilão A-6: 2018 Leilão A Preços médios por Fonte (R$/MWh) Biomassa 175,6 Gás Natural 180 CGH 195 PCH 194 UHE 151,68 Eólica 90, Fonte: CCEE e ANEEL

53 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA OBRIGADO

54 Resumo Leilões Regulados (A-4 e A-6) 2017 e 2018 (R$/MWh) ,6 218, ,5 98, , ,9 67,6 108,0 145,7 151,68 182,1 179,0 212,9 234,9 Eólica Solar UHE PCH CGH Gás Natural Biomassa Leilão A Leilão A Leilão A Leilão A Fonte: CCEE e ANEEL

55 COMPROMISSO DO BRASIL PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVENSÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇA DO CLIMA (UNFCCC) COMPROMISSOS DE MITIGAÇÃO Contribuição: o Brasil pretende comprometer-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, em Contribuição indicativa subsequente: reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005, em 2030.

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades na perspectiva da Expansão de ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Low Carbon Business Action Brazil Ubiratan Francisco Castellano Secretaria de Planejamento e

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050

Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Oportunidades e Desafios na perspectiva dos Planos Energéticos Brasileiros de Médio e Longo Prazo PDE2026 e PNE2050 II Tech Nordeste SEBRAE / CE Ubiratan Francisco Castellano

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente

POLÍTICA ENERGÉTICA. Mauricio T. Tolmasquim Presidente POLÍTICA ENERGÉTICA 21 de Setembro de 2015 12 th International Conference Brazil Energy and Power BEP 12 Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro -AmCham Rio Painel Energia e Política Industrial

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2018

Balanço Energético Nacional 2018 Balanço Energético Nacional 2018 Relatório Síntese ano base 2017 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2018 Destaques ano base 2017 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2017

Balanço Energético Nacional 2017 Balanço Energético Nacional 2017 Relatório Síntese ano base 2016 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2017 BEN 2017 Destaques ano base 2016 BEN 2016 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO VII Seminário de Bioeletricidade CEISE Br / UNICA 25ª Fenasucro & Agrocana 2017 Sertãozinho/SP 23 ago. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

O Setor Elétrico do Brasil

O Setor Elétrico do Brasil V SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Integração com Energia Renovável O Setor Elétrico do Brasil Desafios para o Século XXI José Antonio Coimbra Secretário-Executivo Rio de Janeiro,

Leia mais

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE

SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (SENGE / RS) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS - FNE SEMINÁRIO CRISE ENERGÉTICA E DESENVOLVIMENTO Políticas do Ministério de para o Setor Energético

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022

PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 Palestra Especial: ENASE 2018 Rio de Janeiro/RJ 23 mai. 2018 Reive Barros Presidente AGENDA Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) Cenário Macroeconômico

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL Ethanol Summit 2017 São Paulo/SP 27 jun. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Junho/2015 Ronaldo dos Santos Custódio rcustodio@eletrosul.gov.br Matriz Renovável O problema brasileiro Brasil possui matriz notadamente renovável

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios BIOMASSA: Pilar da Sustentabilidade Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Curitiba

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Simpósio Internacional: Reativação da Construção de Usinas Nucleares na América Latina Apresentação: Participação da Energia Nuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Analise Socioambiental no planejamento de médio e longo prazo

Analise Socioambiental no planejamento de médio e longo prazo Analise Socioambiental no planejamento de médio e longo prazo Marcos Ribeiro Conde Empresa de Pesquisa Energética Ministério de Minas e Energia Análises socioambientais nos estudos de Longo Prazo Objetivo:

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas 2 PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução do parque de geração de eletricidade no RS no período

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 3º Oficina IEI Brasil - Geração Distribuída Renovável, Eficiência Energética e o Consumidor Final O papel do MME frente aos desafios e aos caminhos para maior inserção da

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia

ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia ELABORAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO E FINANCIAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO NACIONALMENTE DETERMINADA DO BRASIL AO ACORDO DE PARIS: Setor de Energia Marcela Cardoso Guilles da Conceição Rio de Janeiro,

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico

Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Nota Metodológica SEEG Monitor Elétrico Coordenação Técnica Instituto de Energia e Meio Ambiente Greenpeace Equipe Responsável David Shiling Tsai Felipe Barcellos e Silva Gabriel de Freitas Viscondi Larissa

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Abril de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Abril de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.670 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Junho de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Junho de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.512 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Balanços Energéticos Estaduais

Balanços Energéticos Estaduais Balanços Energéticos Estaduais 2, 212, 215 Matrizes Energéticas Matrizes Emissões Indicadores CO 118% NE,554,254 tep Ministério Minas e Energia Edição 29 zembro 21 1 Departamento Informações e Estudos

Leia mais

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia.

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia. ABINEE TEC SUL Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia Porto Alegre, 18 e 19 de agosto de 2004 MATRIZ ENERGÉTICA Consumo de Energia

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE

SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE São Paulo, 15/04/2010 Ministério de Minas e Energia SEMINÁRIO DO JORNAL VALOR ECONÔMICO PARÁ OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS A HIDROELETRICIDADE Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

Suprimento Energético / Elétrico Médio e Curto Prazo / Sistema Interligado Nacional

Suprimento Energético / Elétrico Médio e Curto Prazo / Sistema Interligado Nacional ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2015 Suprimento Energético / Elétrico Médio e Curto Prazo / Sistema Interligado Nacional Economia de Energia e Eficiência Energética

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.669 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Energia Solar Integração e Desenvolvimento

Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar Integração e Desenvolvimento Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Cuiabá, 12 de Agosto de 2016 Energia Solar Integração e Desenvolvimento Energia Solar = Integração + Desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHEIROS ELETRICISTAS RJ. Plano Nacional de Energia 2030

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHEIROS ELETRICISTAS RJ. Plano Nacional de Energia 2030 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHEIROS ELETRICISTAS RJ Plano Nacional de Energia 2030 REPRESENTAÇÃO PROFISSIONAL ATUAL Jorge Luiz Bitencourt da Rocha MsC em Engenharia Elétrica Engenheiro Eletricista e Operacional

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Zilmar Souza Mesa Redonda: Energia Poços de Caldas - MG 21 de maio de 2015 BIOELETRICIDADE: CAPACIDADE INSTALADA EM 2015 3 o 7% 18% 62% Fonte de Combustíveis Utilizados

Leia mais

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Programa detalhado Critérios de Avaliação Participação

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plano de Energia e Mudanças Climáticas 3 Potência instalada (MW) PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução do parque de geração de

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Situação atual e perspectivias

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Situação atual e perspectivias A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Situação atual e perspectivias Zilmar de Souza Bioeletricidade 1º Encontro Cana & Biomassa Ribeirão Preto 16 de abril de 2015 A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

TRENSURB- PORTO ALEGRE METROREC- RECIFE

TRENSURB- PORTO ALEGRE METROREC- RECIFE GT ENERGIA ANTP METRÔ-RIO TRENSURB- PORTO ALEGRE SUPERVIA METRÔ - BH METRÔ-SP METROREC- RECIFE CPTM METRÔ-BRASÍLIA CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE ENERGIA DE TRAÇÃO Potência Instalada - 1045,4 MVA Consumo

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Resenha Energética Brasileira. Exercício de Edição de Maio de Ministério de Minas e Energia

Resenha Energética Brasileira. Exercício de Edição de Maio de Ministério de Minas e Energia Resenha Energética Brasileira Exercício de 2015 Edição de Maio de 2016 Ministério de Minas e Energia MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ministro Fernando Coelho Filho Secretário Executivo Paulo Pedrosa Secretário

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

Políticas para Energias Renováveis e Nuclear. na América Latina. O Caso Brasil. Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018

Políticas para Energias Renováveis e Nuclear. na América Latina. O Caso Brasil. Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018 Políticas para Energias Renováveis e Nuclear Roberto C. A. Travassos ELET ROBRAS ELETRONUCLEAR Assistente do Diretor Técnico na América Latina O Caso Brasil Rio de Janeiro - Brasil, 28 de Agosto de 2018

Leia mais

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro XXVII ENCOSEL Novembro de 2011 As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro Nivalde J. de Castro Professor da UFRJ e coordenador do GESEL Perspectivas Mundiais Sumário Perspectivas do SEB: Potencial elétrico:

Leia mais

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 AULA 2 SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1 Introdução Por que gerar energia? 2 O mundo é dependente de energia? 3 O mundo é dependente de energia? 4 Tipos de Geração 5 Introdução O

Leia mais

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público

Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Boletim Mensal de Dados do Setor Eólico - Público Nº 01/2014 O presente boletim tem o objetivo de divulgar os principais dados do Setor Eólico no Brasil com periodicidade mensal. O conteúdo publicado refere-se

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Brasil.

Leia mais

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA.

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA. FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA Sandra Carneiro ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA COMPARATIVA DE FONTES DE ENERGIA Vitória (ES), Junho de 2017. Sandra Carneiro PEDRO PACHECO BACHETI 2013 2014 2015

Leia mais

BOLETIM/UNICA: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2018

BOLETIM/UNICA: A Bioeletricidade da Cana em Números Março de 2018 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE 1 Atualmente, a fonte biomassa em geral representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) na matriz elétrica do Brasil. Quando

Leia mais

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016

Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente. 2- Introdução. Professor: Sandro Donnini Mancini. Fevereiro, 2016 Insituto de Ciência e Tecologia de Sorocaba Disciplina: Recursos Energéticos e Meio Ambiente Graduação em Engenharia Ambiental 2- Introdução Professor: Sandro Donnini Mancini Fevereiro, 2016 1 ENERGIA

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL

WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL WORKSHOP ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO BRASIL Painel 1: Expansão da Geração Solar Fotovoltaica no Brasil FIESP 18 de outubro de 2017 Thiago Barral Superintendente de Projetos de Geração Diretoria de Estudos

Leia mais