METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS"

Transcrição

1 METODOLOGIAS PARA PROJEÇÃO DA OFERTA/ DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

2 O RENOVABIO E A MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL O RenovaBio é uma política de Estado que objetiva traçar uma estratégia conjunta para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira. Fontes de Energia Primária Matriz Energética Nacional 2016 Fontes de Energia Secundária Foi referência para... Será referência para... Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

3 Gás Natural Óleo Diesel Gasolina Querosene Etanol Outros O RENOVABIO E A MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL O RenovaBio é uma política de Estado que objetiva traçar uma estratégia conjunta para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira. Fontes de Energia Primária Matriz Energética Nacional 2016 Fontes de Energia Secundária Foi referência para... Será referência para... Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

4 OFERTA INTERNA DE ENERGIA (2016) Renováveis 43,5% 13,5% Biomassa da Cana 17,5% Hidráulica 12,6% Lenha e Carvão Vegetal 8,0 % Lixívia e outras renováveis 5,4 % Mundo (2014) 86,5% Renováveis Não-Renováveis Não - Renováveis 56,5% 9,4% Petróleo e Derivados 36,5 % Gás Natural 12,3% Carvão Mineral 5,5 % Urânio 1,5 % Outras Não Renováveis 0,7 % OCDE (2014) 90,6% Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

5 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR FONTE (2016) Óleo Combustível 1,2% Outras fontes 15,8% GLP 3,2% Gás Natural 7,4% Querosene 1,3% Gasolina 9,5% 57% 43% Eletricidade 17,5% Óleo Diesel 16,9% Renováveis Não-Renováveis Lixívia 2,4% Lenha 6,3% Bagaço de Cana 11,7% Biodiesel 1,2% Etanol 5,6% Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

6 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR FONTE (2016) Óleo Combustível 1,2% Outras fontes 15,8% GLP 3,2% Gás Natural 7,4% Querosene 1,3% Gasolina 9,5% 57% 43% Eletricidade 17,5% 42% Óleo Diesel 16,9% Renováveis Não-Renováveis Lixívia 2,4% Lenha 6,3% Bagaço de Cana 11,7% Biodiesel 1,2% Etanol 5,6% Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

7 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR SETOR (2016) INDUSTRIAL 33,0% TRANSPORTES 32,4% ENERGÉTICO 10,3% SERVIÇOS 4,9% AGROPECUÁRIA 4,0% 11% 21% 25% 1% 47% 20% 17% 47% 92% 4% 23% 31% 10% 19% 1% 6% 26% Óleo Diesel A Gás Natural Eletricidade Outras Não Renováveis Biodiesel Bagaço de Cana Outras Renováveis

8 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR MODO DE TRANSPORTE (2016) RODOVIÁRIO 93,7% AÉREO 4,0% HIDROVIÁRIO 0,9% FERROVIÁRIO 1,4% Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

9 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR MODO DE TRANSPORTE (2016) RODOVIÁRIO 93,7% AÉREO 4,0% HIDROVIÁRIO 0,9% FERROVIÁRIO 1,4% Fontes no Consumo de Energia do Transporte (2016) 29% 44% 3% 7% 10% 2% 4% 1% DIESEL A BIODIESEL GASOLINA A ETANOL ANIDRO ETANOL HIDRATADO GÁS NATURAL QUEROSENE OUTROS Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

10 CONSUMO FINAL DE ENERGIA POR MODO DE TRANSPORTE (2016) RODOVIÁRIO 93,7% AÉREO 4,0% HIDROVIÁRIO 0,9% FERROVIÁRIO 1,4% Consumo Final de Energia no Modo Rodoviário (2016) 45,4% 3,4% 31,2% 7,7% 10,3% 2,1% DIESEL A BIODIESEL GASOLINA A ETANOL ANIDRO ETANOL HIDRATADO GÁS NATURAL 35,1 Milhões tep 2,6 24,1 5,9 7,9 1,5 Fonte: EPE, Balanço Energético Nacional.

11 METODOLOGIAS

12 INCERTEZAS IMPLÍCITAS NAS PROJEÇÕES Economia Petróleo Políticas Públicas Tecnologia & Eficiência Guerras & Conflitos Mudanças Climáticas Competitividade & Substituições

13 VISÃO GERAL DA ABORDAGEM METODOLÓGICA Projeção Econômica Brasileira Projeção da oferta de combustíveis Perspectiva Econômica Consolidação da Matriz Energética Projeção da demanda de energia Perspectiva Socioambiental Perspectiva Energética Projeção da oferta de energia elétrica Potencial dos recursos energéticos

14 VISÃO INTEGRADA DOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Modelos Macroeconômicos Estudos Econômicos Modelos Econômicos Setoriais Estudos da Demanda Estudos da Oferta Premissas Setoriais Eficiência Energética Recursos Energéticos Sazonalidade Demografia Meio Ambiente Tecnologia Meio Ambiente Modelo do Setor Residencial Modelos Setoriais de Demanda de Energia Modelo de Eletricidade Modelo de Transportes Regulação Modelo de Expansão do Refino Modelos de Oferta de Energia Modelo de Oferta de Biocombustíveis Custos Modelo de Expansão de Eletricidade GD Centr. Consumo Final de Energia Resultados Finais Matriz Energética Oferta Interna de Energia

15 TRANSPORTES

16 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

17 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

18 PROJEÇÃO DE OFERTA DE ETANOL E DEMANDA DE VEÍCULOS LEVES DO CICLO OTTO Licenciamento e/ou Venda de veículos Sucateamento* Frota Circulante Autonomia média dos veículos Evolução da Autonomia Perda de Autonomia Distância de Referência DEMANDA ANUAL OFERTA DE ETANOL Preço do combustível Distância Média Percorrida OBJETIVO: BALANÇO OFERTA x DEMANDA Idade do veículo

19 METODOLOGIA PARA PROJEÇÃO DA OFERTA DE ETANOL Competividade tc/ha Ciclo da cana Variedades ATR/tc Mecanização Conversão Industrial Capacidade Produtiva

20 FLUXOGRAMA SIMPLIFICADO OFERTA DE ETANOL Projeção de Açúcar Etanol de milho Área (ha) kg de ATR/tc kg de ATR kg de açúcar Etanol Lignocelulósico Produtividade (tc/ha) Cana Moída (tc) ATR Total ton de ATR L de Etanol ATR Açúcar ATR Outros Usos e M. Externo ATR Etanol Carburante Interno ton de ATR L de Etanol Etanol Carburante (Anidro e Hidratado) Etanol para Outros Usos Etanol para M. Internacional kg de ATR L de Anidro Volume Anidro Vol. Carburante kg de ATR L de Hidratado Vol. Hidratado Vol. Carburante

21 MODELO PARA PROJEÇÃO DA OFERTA DE ETANOL CICLO DA CANA Área reincorporada Área de expansão ANO DE REFERÊNCIA (CONAB) Cana planta (1º corte) Cana Cana soca Soca (2º (2º corte) corte) Cana soca (3º corte) Cana soca (4º corte) Cana soca (5º corte) Área para Reforma Cana planta (1º corte) Cana Cana soca Soca (2º (2º corte) corte) Cana soca (3º corte) Cana soca (4º corte) Cana soca (5º corte) Área para Reforma Área reincorporada Área de expansão PROJEÇÃO DE ÁREA SAFRA 1 ATÉ 10 Área reincorporada e Área para reforma estimadas através de fatores históricos

22 FLUXOGRAMA SIMPLIFICADO MODELO DE DEMANDA DE VEÍCULOS LEVES CICLO OTTO Licenciamento e/ou Venda de veículos Sucateamento Frota Circulante Autonomia média dos veículos Evolução da Autonomia Perda de Autonomia Distância de Referência DEMANDA ANUAL OFERTA DE ETANOL Preço do combustível Idade do veículo Distância Média Percorrida OBJETIVO DEMANDA ANUAL Gasolina A, Etanol hidratado e anidro

23 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

24 MODELO - TRANSPORTE RODOVIÁRIO Transporte Carga e Passageiro Coletivo Modelagem: bottom up (técnico paramétrico) Energia = frota x distância média x rendimento energético; Frota = f(vendas, sucateamento) Distância média = f(idade veículo, grau de utilização, fator de ocupação) Rendimento energético = f(tecnologia, idade veículo, condições externas, ocupação) Ganho de eficiência Saídas: Energia e Atividade

25 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

26 MODELO - TRANSPORTE FERROVIÁRIO ELETRICI DADE 16% Transporte de Passageiro e Carga DIESEL B 84% Modelagem bottom-up desagregada por linha, considerando a extensão, atividade e a quantidade de toneladas transportadas; Avalia os projetos previstos (PAC, Programa de Investimentos em Logística) e os projetos anunciados pelos governos estaduais e pelas empresas operadoras; Energia (tep) = Atividade (t.km) x Intensidade energética (tep/t.km). Saída: Atividade Extensão (km) Intensidade de uso (t.km/km ou p.km/km) Atividade (t.km ou p.km)

27 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

28 MODELO - TRANSPORTE AÉREO Transporte de Passageiro e Carga Modelagem econométrica top-down: QAv = f (PIB, dummies); Atividade (t.km equivalente) = Energia (tep) / Intensidade Energética (tep/ t.km) Foco em consumo final (desconta o abastecimento a aeronaves estrangeiras no Brasil); Desagregação passageiro e carga da demanda de QAV, de acordo com recomendações IATA Passageiro = 90 kg (75 kg peso + 15 kg bagagem). Saída: Energia QUEROSE NE DE AVIAÇÃO 99% GASOLIN A DE AVIAÇÃO 1%

29 O MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE DA EPE RODOVIÁRIO Modelo de Veículos Leves: Ciclo Otto Modelo de Veículos Leves: Diesel Modelo de Veículos Pesados: Carga Modelo de Veículos Pesados: Passageiros FERROVIÁRIO Modelo Ferroviário: Carga Modelo Ferroviário: Passageiros AÉREO MODELO INTEGRADO DE TRANSPORTE Modelo Aéreo: Carga e Passageiros AQUAVIÁRIO Modelo Aquaviário: Carga e Passageiros Energia (tep) = Atividade (p.km ou t.km) X Intensidade Energética (tep/p.km ou tep/t.km)

30 MODELO - TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Transporte de Passageiro e Carga Modelagem Econométrica (função PIB) top-down: Passageiro : Atividade de passageiros nos centros urbanos e navegação de interior na Amazônia Carga: segue PIB e adicional de cabotagem para refinarias (NE) e embarcações apoio do pré-sal Energia (tep) = Atividade (t.km) x Intensidade energética (tep/t.km) Saída: Atividade DIESEL MARÍTIM O 30% ÓLEO COMBUS TÍVEL 70%

31 FLUXOGRAMA - METODOLOGIA BIODIESEL Consumo Obrigatório % regional do consumo de Diesel por setor % obrigatório de Biodiesel (Lei /2016) Consumo regional do Diesel Consumo Competitivo por Setor Oferta regional de insumos graxos Consumo de Diesel por setor Análise do consumo competitivo de Biodiesel por setor Projeção do consumo regional obrigatório de Biodiesel Projeção do consumo regional competitivo de Biodiesel por setor Projeção da demanda regional de Biodiesel Projeção de Preços por Região Preço do Diesel Preço do Biodiesel Análise do preço de Diesel e do preço mínimo de Biodiesel Projeção de preços de Diesel e Biodiesel

32 BIOQUEROSENE / BIOGÁS & BIOMETANO Bioquerosene Entrada no pool de combustível de aviação no longo prazo Custo para atender a especificação e competitividade Considera uma defasagem das metas do ICAO 1 no CORSIA 2 Neutralizar o crescimento das emissões após 2020 Ganho de eficiência (tecnológica / sistêmica) ou substituição por bioquerosene ou compensação por mecanismos de flexibilidade Biogás & Biometano Realizado Potencial técnico do setor sucroenergético para produção destinada à geração elétrica Em andamento Avaliação de entrada no mercado de combustíveis 1 International Civil Aviation Organization ICAO 2 Carbon Offsetting and Reduction Scheme for International Aviation - CORSIA Fonte: EPE (2017)

33 CONSIDERAÇÕES FINAIS

34 CONSIDERAÇÕES FINAIS O RenovaBio é uma política de Estado, fundamental para o planejamento de longo prazo do Setor Energético do país, que deverá orientar tendências e balizar as alternativas de expansão. Para reconhecer o papel estratégico dos biocombustíveis na matriz energética brasileira, a meta de descarbonização deverá ser abrangente. A modelagem deverá considerar todos os biocombustíveis. A EPE utiliza abordagem que integra modelos especializados para a realização de suas projeções. O RenovaBio é uma iniciativa relevante para ampliar a produção de biocombustível do país e está sendo considerada nas projeções da EPE. Etanol e biodiesel. Possibilidades para outros biocombustíveis: bioquerosene, biogás e biometano.

35 Angela Oliveira da Costa Consultora Técnica + 55 (21) OBRIGADA! Avenida Rio Branco, 1-11 o andar Centro - Rio de Janeiro Facebook: EPE.Brasil

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene

Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Panorama e Perspectiva de Querosene de Aviação no Brasil: Desafios e Oportunidades para o Bioquerosene Descarbonização: Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene 30 de

Leia mais

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL

PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL: PERSPECTIVAS DE DEMANDA E OFERTA DE ETANOL, GASOLINA, BIODIESEL E DIESEL 10ª Edição do Fórum Nordeste Oportunidades nos Setores de Biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

Leia mais

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Ricardo Gorini. Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Ricardo Gorini Diretor do Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE Oportunidades e desafios para o

Leia mais

A EPE E O RENOVABIO. Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica. José Mauro Coelho. Campinas/SP 29 set. 2017

A EPE E O RENOVABIO. Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica. José Mauro Coelho. Campinas/SP 29 set. 2017 A EPE E O RENOVABIO Workshop Estratégico CTBE RenovaBio: Modelagem Econômica Campinas/SP 29 set. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis PAPEL DA EPE NO PLANEJAMENTO

Leia mais

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore

Leia mais

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS

RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS RENOVABIO: COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA E INVESTIMENTOS Seminário Biotecnologia 4.0 São Paulo/SP 11 mai. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Presidente em Exercício

Leia mais

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade

Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Nova Independência/SP, 17 de maio de 2018 REUNIÃO DE FORNECEDORES Pedra Agroindustrial S/A Usina Ipê Avaliação da safra 2017/2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 RenovaBio uma nova realidade Prof.

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris

Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris Desafios para a Descarbonização dos Transportes no Brasil e o Acordo de Paris Brasília, 6 de Dezembro de 2017 Projeção da Emissões de CO 2 Transportes Current Policies Scenário (IEA, 2017) 12000 10000

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio 24 de maio de 2017 Perspectivas sobre a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis

Proposta de Metas Compulsórias Anuais de Redução de Emissões na Comercialização de Combustíveis Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 Consulta Pública - Anexo da Nota Técnica nº 12/2018/DBIO/SPG Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Proposta de Metas Compulsórias

Leia mais

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio Campinas, 18 de agosto de 2017 SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes Fundado em 1941 Fórum para discussão

Leia mais

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos

Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biocombustíveis Lei nº 13.576/17 4ª Reunião do Comitê RenovaBio Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Modelo RenovaBio Cenário, Meta, Premissas e Impactos Entradas

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA V SIMPÓSIO DE COMBUSTÍVEIS MATRIZ ENERGÉTICA AUTOMOTIVA DESAFIOS ATÉ 2020 20 de junho de 2012 (quarta-feira) Milenium

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Setembro de 2017 PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Elizabeth Farina Diretora Presidente Fotografia da crise no setor sucroenergético, no mercado de combustíveis e no Brasil Endividamento

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina Rio de Janeiro/RJ 30 ago. 2018 José Mauro Coelho

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora

Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio. 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis e o RenovaBio 01/02/2018 Tamar Roitman - pesquisadora Caderno de Biocombustíveis Histórico dos biocombustíveis no Brasil Aprovação da Lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis

Leia mais

A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes. André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA)

A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes. André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) A importância do Etanol na Descarbonização do Setor Transportes André Luís Ferreira Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) Campinas, 20 de Setembro de 2016 Roteiro da Apresentação 1. Caracterização

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora)

Caderno de Biocombustíveis. 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Caderno de Biocombustíveis 15/09/2017 Milas Evangelista de Sousa (consultor sênior) Tamar Roitman (pesquisadora) Cadernos FGV Energia A FGV Energia edita e atua em parcerias para a produção de publicações

Leia mais

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL

PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL PAINEL 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE: REALIZANDO O POTENCIAL Ethanol Summit 2017 São Paulo/SP 27 jun. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis 30 ANOS DE BIOELETRICIDADE

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017

Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética. Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética Milas Evangelista de Sousa - Consultor Sênior 30/10/2017 Perspectivas dos Biocombustíveis na Matriz Energética 2 Argentina Brazil Canada China Denmark

Leia mais

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012

José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia. Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 José Manuel Cabral de Sousa Dias Embrapa Agroenergia Guarujá (SP), 29 de outubro de 2012 Cenários para os biocombustíveis no Brasil Matriz energética e fontes de energia Biocombustíveis no mundo Evolução

Leia mais

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético

Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Potencial do Biogás de Resíduos Agroindustriais Setor Sucroenergético Zilmar José de Souza Rio de Janeiro RJ 27 de novembro de 2017 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/ A União das Indústrias de Cana-deaçúcar

Leia mais

RenovaBio Impactos Esperados

RenovaBio Impactos Esperados RenovaBio Impactos Esperados Plinio Nastari Presidente, DATAGRO Representante da Sociedade Civil no CNPE Conselho Nacional de Política Energética 17ª. Conferencia da DATAGRO sobre Açúcar e Etanol Grand

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

ELETROMOBILIDADE BRASIL:PERSPECTIVAS

ELETROMOBILIDADE BRASIL:PERSPECTIVAS ELETROMOBILIDADE NO BRASIL:PERSPECTIVAS Painel: Mobilidade Elétrica no Brasil e no Mundo: Ontem, Hoje e Amanhã São Paulo, 19 de Outubrode 2017 Jeferson Borghetti Soares Superintendente TENDÊNCIAS GLOBAIS

Leia mais

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis

Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Ricardo Borges Gomide Departamento de Biocombustíveis ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo-SP, 21/09/17 Fotos: UNICA, ABIOVE e GRANBIO. Biocombustíveis e a Aviação Impactos

Leia mais

MERCOSUR EUROPEAN UNION DIALOGUES: IMPACTS OF CLIMATE CHANGE ON ENERGY SECURITY AND FOOD SECURITY

MERCOSUR EUROPEAN UNION DIALOGUES: IMPACTS OF CLIMATE CHANGE ON ENERGY SECURITY AND FOOD SECURITY MERCOSUR EUROPEAN UNION DIALOGUES: IMPACTS OF CLIMATE CHANGE ON ENERGY SECURITY AND FOOD SECURITY CONTRIBUIÇÃO DO SETOR ENERGÉTICO BRASILEIRO À NDC DO BRASIL Brasília, 16 de agosto de 2017 SUMÁRIO SETOR

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

Mitigação de Emissões de GEE na Área de Transportes, Importância da Biomassa

Mitigação de Emissões de GEE na Área de Transportes, Importância da Biomassa Mitigação de Emissões de GEE na Área de Transportes, Importância da Biomassa Carlos Feu Alvim Economia e Energia e&e III Conferência Regionais sobre Mudanças Globais São Paulo - 4 a 8 de Novembro de 2007

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2017

Balanço Energético Nacional 2017 Balanço Energético Nacional 2017 Relatório Síntese ano base 2016 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2017 BEN 2017 Destaques ano base 2016 BEN 2016 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO

APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO APRESENTAÇÃO SOBRE A EPE E O PROGRAMA RENOVABIO Universidade Federal do ABC V Simpósio do Curso de Pós-Graduação em Energia Santo André/SP 28 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais

Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Workshop estratégico CTBE: modelagem econômica Campinas, 29 de setembro de 2017 Indicadores e metodologias para a quantificação dos impactos ambientais Embrapa Unicamp CBTE Agroicone Marília Folegatti

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO FIRJAN Perspectivas do Gás Natural no Rio de Janeiro Rio de Janeiro/RJ 05 dez. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

MODELOS DE SUPORTE AO RENOVABIO

MODELOS DE SUPORTE AO RENOVABIO MODELOS DE SUPORTE AO RENOVABIO RenovaBio: Próximos Passos Rio de Janeiro/RJ 01 fev. 2018 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis MODELOS MATEMÁTICOS DA EPE Objetivo Subsidiar

Leia mais

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios

Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios Seminário Biomassa: Desafios e Oportunidades de Negócios BIOMASSA: Pilar da Sustentabilidade Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Curitiba

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 18 de Agosto de 2017 NP-3 Downstream no Brasil tem características privilegiadas Por ser longo em cru, curto em derivados e distante dos principais mercados Posição

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Balanço Energético Nacional

Balanço Energético Nacional 2008 Balanço Energético Nacional Sumário Executivo ano base 2007 Balanço Energético Nacional 2008 ano base 2007 : : sumário executivo Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Édison Lobão Secretário

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz,

As emissões de CO 2 totais provenientes do uso de Energia no Estado do Rio de Janeiro crescerão, aproximadamente, 59% e 83% no período da Matriz, 6 Conclusão A Matriz Energética possibilita aos planejadores de políticas energéticas contarem com uma ferramenta para simular trajetórias variadas da evolução da demanda e da oferta de energia no Estado,

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2018

Balanço Energético Nacional 2018 Balanço Energético Nacional 2018 Relatório Síntese ano base 2017 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2018 Destaques ano base 2017 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS. Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi

ENERGIAS RENOVÁVEIS. Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi ENERGIAS RENOVÁVEIS Prof. Jean Galdino IFRN São Paulo do Potengi 2015.2 ENERGIAS RENOVÁVEIS AULA 0 Conteúdo 0. Introdução 0.1 Problema/Dependência do petróleo 0.2 PIB X Consumo de energia 0.3 Matriz Energética

Leia mais

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Brasília, 7 de dezembro de 2016 Produtoras de Biodiesel Associadas Insumos Tecnologia

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar São Paulo, 06 de fevereiro de 2012 O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA Painel 2: Recursos Energéticos e Discussões Climáticas Globais EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA David Tsai 14 de outubro de 2015 INSTITUTO

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2009 I Resultados Preliminares I ano base 2008 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Impressão Flama Ramos Acabamento e Manuseio Gráfico LTDA Brasil. Empresa de Pesquisa

Leia mais

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA

BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA BRASIL INFRAESTRUTURA BÁSICA TRANSPORTES FONTES DE ENERGIA TELECOMUNICAÇÕES O principal meio de transporte no Brasil é o rodoviário, responsável por cerca de 60% dos deslocamentos de cargas. TRANSPORTES

Leia mais

Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio

Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio WORKSHOP BIOEN-FAPESP RenovaBio: ciência para a sustentabilidade e competitividade da bioenergia Tópicos de pesquisa visando aprimorar o RenovaBio Antonio Bonomi Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia

Leia mais

SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL

SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL SAFRA 2013/2014 NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar São Paulo, 21 de outubro de 2013 Qual é a expectativa para a safra 2013/2014

Leia mais

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc

Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc Estrutura de Refino: Até quando o Brasil importará derivado de petróleo? Biorrefinarias Alfred Szwarc 14º Encontro de Energia FIESP São Paulo, 06 de agosto de 2013 Matriz Energética Brasileira Cana: 36%

Leia mais

I ECOSÃO PAULO. Fontes Renováveis de Energia. Prof. Suani Coelho. São Paulo, 8 de novembro de 2007

I ECOSÃO PAULO. Fontes Renováveis de Energia. Prof. Suani Coelho. São Paulo, 8 de novembro de 2007 I ECOSÃO PAULO Fontes Renováveis de Energia Prof. Suani Coelho São Paulo, 8 de novembro de 2007 Vantagens das Energias Renováveis Vantagens Estratégicas Fluxo mundial de petróleo Fonte: Kemp; Harkavy (1997)

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC

BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA. Pedro C. R. Rossi UFABC BASES CONCEITUAIS DA ENERGIA Pedro C. R. Rossi (pedro.rossi@ufabc.edu.br) Fontes de energia Principais fontes de energia disponíveis para a sociedade Fontes de energia Energia primária, energia de uso

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE

CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CNPE RESOLUÇÃO N o 14, DE 8 DE JUNHO DE 2017 Estabelece diretrizes estratégicas para a política de biocombustíveis a ser proposta pelo Poder Executivo, cria o Comitê

Leia mais

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade

Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Cenários para os Biocombustíveis e Bioeletricidade Fortaleza CE 5 de outubro de 2017 Zilmar José de Souza Gerente de Bioeletricidade Cana-de-açúcar - Energética 1 t de cana (colmos) 140 kg de açúcar 280

Leia mais

Análise Energética do Setor de Transporte e Justificativas em Prol da Utilização do Veículo Elétrico.

Análise Energética do Setor de Transporte e Justificativas em Prol da Utilização do Veículo Elétrico. VE Latino Americano 9º Salão Latino Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias 10 a 12 de Setembro de 2013 Expo Center Norte São Paulo Análise Energética do Setor de Transporte e

Leia mais

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018

Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 26 de maio de 2017 Avaliação safra 2016/2017 e perspectivas safra 2017/2018 Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Avaliação da safra 2016/2017 Moagem e produção Mercados de etanol

Leia mais

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO VII Seminário de Bioeletricidade CEISE Br / UNICA 25ª Fenasucro & Agrocana 2017 Sertãozinho/SP 23 ago. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE

Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE Setembro de 2017 Modelo Econômico para Gestão das Metas de Redução de Intensidade de Carbono pelo CNPE Marlon Arraes Departamento de Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain

Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain Plataforma Mineira de Bioquerosene Farm to Fly Value Chain *O setor representa cerca de 1% do PIB brasileiro ou R$32 bilhões de reais, gera aproximadamente 684 mil empregos, que representa 0,7% do mercado

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético XIX Seminário ABMR&A Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético Luciano Rodrigues Assessor Econômico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo 01 de outubro de 2008

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

Transporte, Energia e Desenvolvimento Urbano: Aspectos Macroeconômicos

Transporte, Energia e Desenvolvimento Urbano: Aspectos Macroeconômicos 12ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA - FÓRUM TÉCNICO Transporte, Energia e Desenvolvimento Urbano: Aspectos Macroeconômicos Fernando Bittencourt e Bianca K. Ribeiro O transporte coletivo, como atividade

Leia mais