Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009"

Transcrição

1 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

2 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos próximos anos, levará a um aumento significativo da demanda Canadá - Etanol 2010: 10% mistura UE - Bios 2010: 5,75% 2020: 10% China - Etanol 2010: 75% E10 USA - Renováveis 2012: 7,5 bi galões 2015: 15 bi galões 2022: 36 bi galões Argentina Biodiesel e Etanol 2010: 5% Brasil - Biodiesel 2008: 3% 2013: 5% Índia - Etanol 2008: 10% Malásia - Biodiesel 2010: 5% Indonésia - Biodiesel 2010: 2% : 5% As metas estabelecidas para biocombustíveis na matriz energética global irão criar uma demanda que viabilizará os investimentos em expansão da oferta e de infra-estrutura. Fonte: WoodMackenzie, 2007, The Economic Times,

3 PRODUÇÃO GLOBAL DE ETANOL, COMÉRCIO E PREÇOS (PROJEÇÕES ATÉ 2017) Bilhões Litros US$/Litros Produção Comércio Preços Fonte: FAO

4 FLUXOS DE COMÉRCIO ETANOL 2007 vs Principais Fluxos de Comércio de Etanol 2007 Principais Fluxos de Comércio de Etanol 2020 Unidades: Mil toneladas Unidades: Mil toneladas Fonte: Wood Mackenzie,

5 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fontes Renováveis: 45,4 % 251,5 Milhões Tep Petróleo e Derivados 37,3% Biomassa 31,5% M undo OECD Brasil Renováveis Não Renováveis Gás Na tural 10,2% Carvão Mineral 5,7% Urânio 1,5% Hidráulica e Elétrica 13,9% Fonte: Resenha Energetica Brasileira 2008 M inistério de M inas e Energia (MM E) 5

6 MATRIZ BRASILEIRA DE COMBUSTÍVEIS VEÍCULARES Gasolina C: Gasolina + Álcool Anidro 23,3 + 8,2 = 31,5% 23,3% 8,2% 50,9% Diesel (Total) 50,9 + 0,5 = 51,4% Etanol (Total) 8,2 + 13,7 = 21,9% 13,7% 3,4% 0,5% Gasolina Pura Álcool Anidro Álcool Hidratado Gás Natural Biodiesel Diesel 6

7 MATRIZ BRASILEIRA DE COMBUSTÍVEIS VEÍCULARES Álcool 19,4% Gás Natural 3,7% Diesel 51,6% Gasolina 25,3% Fonte: Resenha Energetica Brasileira 2008 M inistério de M inas e Energia (MM E) 7

8 BRASIL É O PRIMEIRO PAÍS A OBTER BENEFÍCIOS A PARTIR DO ÁLCOOL Consumo do Setor de Transporte Gasolina e Etanol 25,000 20,000 Ínicio da desregulamentação do setor Fim da regulação 1999 Veículos Flex-Fuel 10³ tep 15,000 10,000 PROÁLCOOL Veículo à Álcool 5, Gasolina Etanol Os motivadores originais foram segurança energética e atratividade econômica. Hoje, também se consideram os benefícios ambientais. Fonte: MME, BEN

9 EVOLUÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS LEVES NO BRASIL % Mil Veículos % % % Gasolina Álcool Flexfuel Diesel Fonte: Estratégia / Petrobras

10 PRODUÇÃO E EXPANSÃO DO ETANOL Mais de km de distância da fronteira da Floresta Amazônica Plantação de Cana Ano Área de Cana (MM ha) 1,9 7,1 Produtividade (ton/ha) 46,82 75,05 Floresta Amazônica BRASIL (TOTAL) ÁREA ARÁVEL ÁREA PLANTADA ATUAL PASTOS DISPONÍVEL PARA EXPENSÃO ÁREA DE CANA-DE- AÇÚCAR PARA ETANOL PLANTAÇÕES PARA ÓLEO VEGETAL (B2 e B5) EXTENSÃO DA ÁREA (milhões de hectares) ,7 a 4,0 Percentual 100% 45% 7% (16% da área arável) 25% (55% da área arável) 11% (24% da área arável) 0,35% (0,8% da área arável) 0,2 a 0,47% (0,4% a 1% da área arável) Fonte: IBGE (Áreas de Preservação) e CTC (Plantação de Cana)

11 PETROBRAS: PRESENTE EM TODOS OS SEGMENTOS DE ENERGIA Exploração & Produção Refino, Transporte e Comercialização Distribuição Gás & Energia Reservas Provadas: 11,2 bilhões boe (SEC 2008) Produção de Óleo e Gás: 2,4 milhões boed (2008) 15 Refinarias Capacidade: mil bpd Dutos: Km Terminais:46 Navios: 54 5,998 Postos de Serviço no Brasil 35% Market Share Venda de Gás Natural: 49,0 milhões m 3 / dia Geração Elétrica: MWmédios Usinas Termelétricas: 18 Petroquímica Acionista minoritário nas centrais petroquímicas brasileiras Biocombustíveis Etanol: Abertura de Novos Mercados Biodiesel: 3 Usinas (Candeias, Quixadá e Montes Claros) 11

12 CARTEIRA DE INVESTIMENTOS: % 3% PLANO DE NEGÓCIOS US$ 174,4 BILHÕES 2% 2% INVESTIMENTOS EM BIOCOMBUSTÍVEIS US$ 2,8 BILHÕES 16% 7% 5,6 3,0 11,8 2,8 3,2 E&P RTC G&E Petroquímica 25% 43,4 104,6 (*) 59% Distribuição Biocombustív eis 84% Corporativ o (*) US$ 17,0 bi em Exploração Etanol Biodiesel Atuar, globalmente, no segmento de biocombustíveis, com participação relevante nos negócios de biodiesel e de etanol Atuar no negócio etanol, participando da cadeia produtiva nacional e do desenvolvimento de mercados internacionais; Assegurar o desenvolvimento de tecnologias competitivas para a produção de biocombustíveis, a partir, principalmente, de matérias-primas de biomassa residual; Atuar no negócio biodiesel, participando da cadeia produtiva nacional e atuar seletivamente no exterior, priorizando matérias-primas da agricultura familiar de forma sustentável. 12

13 PROGER - PROGRAMA TECNOLÓGICO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Rio de Janeiro PROJETOS DE P&D EM BIOCOMBUSTÍVEIS Biodiesel Hidrogenação de óleo animal/vegetal Bioetanol não-convencional Bioetanol de Lignocelulose Bioetanol a partir de Óleo Vegetal Biocombustível Sintético (BTL) 13

14 CONCLUSÕES Mercado Mundial e Nacional em Expansão: Segurança Energética e Questões Ambientais Etanol brasileiro é competitivo e não concorre com a produção de alimentos; Desafios: Padronização da Qualidade; Estabelecimento de um Mercado Global: tornar o etanol uma commodity; Questões Tarifárias; Infraestrutura e Logística 14

15 Houve um tempo em que a Petrobras era apenas uma empresa de petróleo. José Sérgio Gabrielli de Azevedo PETROBRAS São Paulo 02 de junho de

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA Tendências da Produção de Etanol Plano Decenal de Energia 2010-2019 III Workshop INFOSUCRO INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 26 de novembro de 2010 Lei 10.847 de 15 de março de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Armando Guedes Coelho Conselheiro IBP Junho/2009 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald,

Leia mais

A Agricultura do Brasil e do Paraná

A Agricultura do Brasil e do Paraná Governo do Estado do Paraná A Agricultura do Brasil e do Paraná Políticas Públicas para a Produção de Biodiesel Orlando Pessuti Vice-Governador Abril/2007 BRASIL 5º Maior país do mundo PIB de US$ 1,0 trilhão

Leia mais

Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de RIOCENTRO. e uso do biodiesel - PNPB. Alan Kardec Presidente

Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de RIOCENTRO. e uso do biodiesel - PNPB. Alan Kardec Presidente t1 Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de 2008 - RIOCENTRO PAINEL: Biodiesel Desenvolvimento regional e sustentabilidade econômica PALESTRA: Sustentabilidade econômica

Leia mais

Gás Natural x Bioenergia: Competição ou Complementação

Gás Natural x Bioenergia: Competição ou Complementação Gás Natural x Bioenergia: Competição ou Complementação Ildo Luis Sauer Diretor de Gás e Energia da Petrobras Ciclo Temático Civilização da Biomassa Painel Matriz Energética Brasileira São Paulo, 06 Março

Leia mais

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro 2014 07/10/2014 1 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

O Caminho da Sustentabilidade

O Caminho da Sustentabilidade SEMINÁRIO OPÇÕES ESTRATÉGICAS NA CADEIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS Fundação Getúlio Vargas / Instituto Brasileiro de Economia BIOCOMBUSTÍVEIS: O Caminho da Sustentabilidade F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A

Leia mais

RenovaBio Apresentação CTBE

RenovaBio Apresentação CTBE RenovaBio Apresentação CTBE Campinas, 18 de Agosto de 2017 NP-3 Downstream no Brasil tem características privilegiadas Por ser longo em cru, curto em derivados e distante dos principais mercados Posição

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA SEGUNDO CAPÍTULO FÓRUM RAC2017 - CAMINHOS DA RETOMADA 17 de Julho de 2017 A MATRIZ ENERGÉTICA BASEADA NO PETRÓLEO E GÁS : NECESSIDADES E OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA Celso Morooka

Leia mais

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio

CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio CTBE - Workshop Estratégico Programa RenovaBio Campinas, 18 de agosto de 2017 SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes Fundado em 1941 Fórum para discussão

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização. Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização. Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Belo Horizonte, 30 de agosto de 2017 Ana Helena Mandelli SINDICOM Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20%

O desafio. energia. Plano Estratégico Plano de Negócios e Gestão Indicadores. 1,2% 1% 1% US$ 220,6 bilhões 0,4% 5% 4% 16% 12% 18% 20% PANORAMA O desafio é a nossa energia Criada em 1953, a Petrobras atua de forma integrada nas atividades de exploração e produção, refino, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição de derivados,

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

Plano de Negócios

Plano de Negócios Plano de Negócios 2010-2014 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou no dia 18 de junho, o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totalizando US$ 224 bilhões, representando

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA MATRIZ ENERGÉTICA : É O BALANÇO DOS RECURSOS ENERGÉTICOS QUE UM PAÍS TEM OU COMPRA PARA UTILIZAR NO PROCESSO PRODUTIVO. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO Fixação 1) (ENEM) Suponha que você seja um consultor e foi contratado para assessorar a implantação de uma matriz energética

Leia mais

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental

Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Seminário Biodiesel e Bioquerosene: Sustentabilidade econômica e ambiental Painel Biodiesel: A visão do mercado e novas oportunidades A Visão do Setor sobre Regulação e o Mercado de Biocombustíveis Milas

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Expandir e modernizar o parque nacional de refino e adequar a infraestrutura industrial no exterior, de modo a buscar atender integralmente o mercado interno

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente. João Carlos de Souza Meirelles Secretário A Política Estadual de Energia e o Meio Ambiente João Carlos de Souza Meirelles Secretário Diretrizes Estratégicas Ampliação da produção das energias renováveis Fomentar o gás natural como garantia de

Leia mais

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Haroldo Lima Diretor-Geral Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 1 1 Surgimento e evolução

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia Tema Estratégico Independência Energética Soberania e Segurança Nacional

Leia mais

Oportunidades e desafios para disponibilidade de Bioquerosene de Aviação. Ana Helena Mandelli Set 2017

Oportunidades e desafios para disponibilidade de Bioquerosene de Aviação. Ana Helena Mandelli Set 2017 Oportunidades e desafios para disponibilidade de Bioquerosene de Aviação Ana Helena Mandelli Set 2017 O que é o Sindicom Infraestrutura de Distribuição de combustíveis Biocombustíveis no Brasil: uma realidade

Leia mais

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional Apresentação ao Congresso Nacional 1 Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal Biosol Agroindústria SA Álcool e Energia Elétrica Estado Roraima Maio de 2012 Índice 2 1. Setor Sucroalcoleiro

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis 29 de Maio de 2012 Bioenergia

Leia mais

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL - LAN 1458 Indústria sucroenergética: Açúcar

Leia mais

MATÉRIAS-PRIMAS PARA PRODUÇÃO DO BIODIESEL: PRIORIZANDO ALTERNATIVAS

MATÉRIAS-PRIMAS PARA PRODUÇÃO DO BIODIESEL: PRIORIZANDO ALTERNATIVAS MATÉRIAS-PRIMAS PARA PRODUÇÃO DO BIODIESEL: PRIORIZANDO ALTERNATIVAS SÍLVIO CRESTANA DIRETOR-PRESIDENTE SÃO PAULO AGOSTO, 2005 Cenários MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL (%) Cenários MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

Leia mais

A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil

A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil A estratégia da Petrobras e auto-suficiência energética para o Brasil Câmara de Comércio Britânica do Rio de Janeiro José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 22 de Maio de 2006 0 Aviso PETROBRAS As

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios

Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios 2008 2012 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2007 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRAS,

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MATRIZ ENERGÉTICA DO FUTURO. Pedro Parente Ethanol Summit 27/06/2017

UM OLHAR SOBRE A MATRIZ ENERGÉTICA DO FUTURO. Pedro Parente Ethanol Summit 27/06/2017 UM OLHAR SOBRE A MATRIZ ENERGÉTICA DO FUTURO Pedro Parente Ethanol Summit 27/06/2017 ROACE Indústria do petróleo estava em crise mesmo antes da queda dos preços dos últimos anos... Retorno médio sobre

Leia mais

Agricultura Energética: Impulsionadora do Agronegócio Brasileiro

Agricultura Energética: Impulsionadora do Agronegócio Brasileiro FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agricultura Energética: Impulsionadora do Agronegócio Brasileiro Dr. Fábio de Salles Meirelles Presidente da FAESP e do SENAR/SP Primeiro Vice-Presidente

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Potencial e disponibilidade de biomassa de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do

Leia mais

Inovar para resgatar a competividade

Inovar para resgatar a competividade LIVRO VERDE DO ETANOL Inovar para resgatar a competividade Evento de Lançamento do PAISS Agrícola São Paulo, 17 de fevereiro de 2014. 1 R$ por litro de etanol Bilhões de litros de etanol Revolução e Involução

Leia mais

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Energia para o Desenvolvimento do Interior Paulista A Visão e o Papel do Estado João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Tipos de Geração Capacidade Instalada (GW)

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Os Investimentos da Petrobras e o Desenvolvimento Econômico

Os Investimentos da Petrobras e o Desenvolvimento Econômico Os Investimentos da Petrobras e o Desenvolvimento Econômico Seminário UM BRASIL QUE CRESCE JORNAL O DIA E PETROBRAS José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 30 de janeiro de 2007 1 Aviso PETROBRAS As

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE REFINO NO BRASIL Jorge Celestino Diretor Executivo de Refino e Gás Natural 24.10.2016 Transformações na indústria do petróleo mundial Mudança no cenário competitivo: shale

Leia mais

A Experiência Brasileira em Biocombustíveis

A Experiência Brasileira em Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia I Workshop Internacional de Sustentabilidade Energética A Experiência Brasileira em Biocombustíveis Luciano Costa de Carvalh Coordenador Substitu Departamento de Combustíveis

Leia mais

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Workshop Perspectivas para o Setor de Gás Natural no Brasil São Paulo, 31 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Missão: Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através

Leia mais

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL

LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis e Derivados de Petróleo LIMITES DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Luiz Antonio d Avila Escola de Química da UFRJ LABCOM Laboratório de Combustíveis

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis

Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Estrutura Organizacional Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria de Planejamento

Leia mais

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank

Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Os Desafios do Setor Sucroenergético e o Movimento + Etanol Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar São Paulo, 06 de fevereiro de 2012 O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Suprir o mercado interno de combustíveis, por meio da expansão e modernização do parque nacional de refino e possibilitar o comércio de petróleo e derivados

Leia mais

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Linhas de Financiamento Veículos Elétricos Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Agenda Indústria Automotiva Drivers para difusão Situação atual Linhas do BNDES Indústria Automotiva

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Agosto de 2017 SINDAÇÚCAR/PI Regiões de produção de cana no Brasil Uso da terra no Brasil Fonte: USP Fonte: USP Uso da terra

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Perspectivas para o biodiesel no Brasil

Perspectivas para o biodiesel no Brasil Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo Perspectivas para o biodiesel no Brasil Fábio Guerra Assessor Econômico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília DF 17 de março

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz

II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz Ministério de Minas e Energia II Seminário da Matriz Energética O Modelo Energético Brasileiro Plano de Expansão e a Diversificação da Matriz José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

As Experiências de Regulação dos Países de Língua. Edson Menezes da Silva Superintendente de Abastecimento Lisboa 28 de maio de 2008

As Experiências de Regulação dos Países de Língua. Edson Menezes da Silva Superintendente de Abastecimento Lisboa 28 de maio de 2008 Regulação de Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Fundação Calouste Gulbenkian As Experiências de Regulação dos Países de Língua Oficial i Portuguesa Edson Menezes da Silva Superintendente

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

O etanol na matriz energética brasileira

O etanol na matriz energética brasileira O etanol na matriz energética brasileira Sergio Valdir Bajay Unicamp Luis Augusto Horta Nogueira Unifei Francisco José Rocha de Sousa consultor da Câmara Federal de Deputados, na área de energia Evolução

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG Alexandre Mendonça de Barros 05 de Agosto de 2013 1 Índice As transformações da economia agrícola internacional Vantagens

Leia mais

ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE

ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE Mesa Redonda 1: GRANDES HIDRELÉTRICAS POTENCIAL E PANORAMA Palestra: ITAIPU: MODELO PARA APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS DE GRANDE PORTE Jorge Miguel Samek Diretor Geral Brasileiro da Itaipu BRASIL: PANORAMA

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS Alfredo Renault Campinas, 11 de novembro de 2015 SUMÁRIO I. PETROBRAS PLANO DE NEGÓCIOS II. PRÉ-SAL III. PRIORIDADES E DESINVESTIMENTOS

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004 José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores Julho de 2004 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Combustíveis Fósseis Carbono retido na crosta terrestre durante eras geológicas Renováveis Carbono retirado da atmosfera

Leia mais

L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá

L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá Perspectivas para o biodiesel no Brasil L. A. Horta Nogueira Universidade Federal de Itajubá 1 Perspectivas para o biodiesel no Brasil Roteiro Evolução da produção de biodiesel Sustentabilidade e biodiesel

Leia mais

Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol. 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016

Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol. 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016 Ações de Governo Incentivos ao Uso Eficiente do Etanol 3º SIUEE INEE 21 de Setembro de 2016 PROÁLCOOL Lançado pelo governo brasileiro em 1975 choques do petróleo (1973 e 1979). Duas aplicações veiculares:

Leia mais

PROGRAMA FAPESP DE PESQUISA EM BIOENERGIA BIOEN

PROGRAMA FAPESP DE PESQUISA EM BIOENERGIA BIOEN PROGRAMA FAPESP DE PESQUISA EM BIOENERGIA BIOEN FOTO EDUARDO CESAR ENERGIA PARA O FUTURO A participação de fontes limpas e renováveis na matriz energética brasileira, de 39,4% em 2014, está entre as mais

Leia mais

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP

Panorama dos biocombustíveis no Brasil. Marcela Flores SBQ/ANP Panorama dos biocombustíveis no Brasil Marcela Flores SBQ/ANP Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Petrobras, mercado de combustíveis e mudança climática Pedro Parente

Petrobras, mercado de combustíveis e mudança climática Pedro Parente Petrobras, mercado de combustíveis e mudança climática Pedro Parente Novembro 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão de Agosto de 2012

Plano de Negócios e Gestão de Agosto de 2012 Plano de Negócios e Gestão 2012 2016 29 de Agosto de 2012 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Energy Balance. Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista. Corporate Participation

Energy Balance. Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista. Corporate Participation XXVIII National Seminar on Large Dams Energy Balance Rio de Janeiro, 27th October 2011 Olga C. R. L. Simbalista Director of Planning,, Business Manegement and Corporate Participation BRAZIL AND WORLD DATA

Leia mais