BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006"

Transcrição

1 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa

2 2 Oferta e Demanda de Energia por Fonte 1991 / 26 Conteúdo Total de Fontes Primárias Total de Fontes Secundárias EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

3 5 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.1 Total de Fontes Primárias 1³ tep Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes * Consumo Total Transformação Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Transportes Rodoviário Ferroviário 4 Hidroviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Consumo Não-Identificado * Inclusive energia não aproveitada e reinjeção. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

4 CAPÍTULO 2 51 n Gráfico 2.1a Estrutura do Consumo de Fontes Primárias % Transformação Consumo Final n Gráfico 2.1b Fontes Primárias 1 6 tep Consumo Total Produção n Tabela 2.2 Petróleo 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação Não inclui líquido de gás natural. 2 Inclui condensados de nafta e LGN importado. n Gráfico 2.2 Petróleo 1 6 m Produção Consumo Total EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

5 52 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.3 Gás Natural 1 6 m³ Produção Importação Var. Est. Perdas e Ajustes * Consumo Total Transformação Produção de Derivados de Petróleo Geração Elétrica Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial / Público Transportes Rodoviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros * Inclusive não-aproveitada e reinjeção. n Gráfico 2.3 Gás Natural % Consumo Final Energético 4 2 Transformação Consumo Final Não-Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

6 CAPÍTULO 2 53 n Tabela 2.4 Carvão Vapor 1 3 t Produção Exportação/Importação 17 Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Transportes 6 Ferroviário 6 Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas 21 Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Consumo Não-Identificado * Geração de energia elétrica. n Tabela 2.5 Carvão Metalúrgico 1³ t Produção Importação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final na Indústria Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Outros Não-Especificados * Processado em coquerias. EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

7 54 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.6 Energia Hidráulica GWh Produção Consumo Total Transformação Geração Pública Geração de Autoprodutores n Tabela 2.7 Urânio (U 3 8 ) t Produção,,,,,,, 2,3, 13, 66, 328,9 27,7 352,1 129,1 23,6 Importação,,,,, 139, 827, 533,9,6 61, 161, 353,1 212,5 5, 58,5 195,8 Var. Est. Perdas e Ajustes 116,, 43,4 135,5 76, -139, -15, -34,7 18,7 126, 219, -94,8-41,1 18,3-182,7 113,5 Consumo Total 116,, 43,4 135,5 76,, 722, 51,5 19,3 2, 446, 587,2 442,1 582,3 454,9 539,8 Transformação * 116,, 43,4 135,5 76,, 722, 51,5 19,3 2, 446, 587,2 442,1 582,3 454,9 539,8 * Produção de urânio contido no UO 2 dos elementos combustíveis. n Tabela 2.8 Caldo de Cana 1³ t Produção Consumo Total Transformação * * Processado nas destilarias para produção de álcool etílico. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

8 CAPÍTULO 2 55 n Tabela 2.9 Lenha 1³ t Produção Importação Consumo Total Transformação * Geração Elétrica Produção de Carvão Vegetal Consumo Final Consumo Final Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Transportes 5 Ferroviário 5 Hidroviário Industrial Cimento Mineração e Pelotização Ferroligas e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros * Produção de carvão vegetal e geração elétrica. n Gráfico 2.4 Lenha 1 6 t Transformação Residencial Industrial Agropecuário EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

9 56 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.1 Melaço 1³ t Produção Consumo Total Transformação * * Processado nas destilarias para produção de álcool etílico. n Tabela 2.11 Bagaço de Cana 1³ t Produção Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Industrial Química Alimentos e Bebidas Papel e Celulose Outros * Geração de energia elétrica. n Tabela 2.12 Lixívia 1³ t Produção Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Industrial Papel e Celulose * Geração de energia elétrica. n Tabela 2.13 Outras Recuperações 1 3 tep Produção Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Industrial Cimento Papel e Celulose Outras Indústrias * Geração de energia elétrica e produção de álcool etílico. MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

10 CAPÍTULO 2 57 n Tabela 2.14 Total de Fontes Secundárias 1 3 tep Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Transportes Rodoviário Ferroviário Aéreo Hidroviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Consumo Não-Identificado n Gráfico 2.5 Fontes Secundárias 1 6 tep Produção Consumo Total EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

11 58 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.15 Derivados de Petróleo e de Gás Natural 1 3 tep Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes * Consumo Total Transformação Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Transportes - Total Rodoviário Ferroviário Aéreo Hidroviário Industrial - Total Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Consumo Não-Identificado * Inclui energia não aproveitada. n Gráfico 2.6 Consumo Total de Derivados de Petróleo e de Gás Natural 1 6 tep Transporte Outros Não-Energéticos Industrial MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

12 CAPÍTULO 2 59 n Tabela 2.16 Óleo Diesel 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Comercial Público Agropecuário Transportes Rodoviário Ferroviário Hidroviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Mineração e Pelotização Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros * Geração de eletricidade n Gráfico 2.7 Composição do Consumo do Óleo Diesel % Outros Transportes 2 Agropecuário EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

13 6 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.17 Óleo Combustível 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Comercial Público Agropecuário Transportes Ferroviário 1 1 Hidroviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Não-Identificado * Geração de eletricidade. n Gráfico 2.8 Óleo Combustível 1 6 m Produção Consumo MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

14 CAPÍTULO 2 61 n Tabela 2.18 Gasolina 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Transportes Rodoviário Aéreo n Gráfico 2.9 Gasolina 1 6 m Produção Consumo n Tabela 2.19 Gás Liquefeito de Petróleo - GLP 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Industrial Ferro-Gusa e Aço Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros Consumo Não-Identificado 42 EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

15 62 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.2 Nafta 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Industrial Ferro-Gusa e Aço Química * Produção de gás de cidade, efluentes petroquímicos e outros energéticos de petróleo. n Tabela 2.21 Coque de Carvão Mineral 1³ t Produção Importação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Outras Indústrias n Tabela 2.22 Querosene 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial e Público Agropecuário 1 1 Transportes Aéreo Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Mineração e Pelotização Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

16 CAPÍTULO 2 63 n Tabela 2.23 Gás de Cidade 1 6 m³ Produção Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Industrial Ferro-Gusa e Aço Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros n Tabela 2.24 Gás de Coqueria 1 6 m³ Produção Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Industrial Ferro-Gusa e Aço * Geração de energia elétrica. EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

17 64 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.25 Eletricidade GWh Produção Centrais El. Serv. Público Autoprodutores Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Setor Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Transportes Ferroviário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Alimentos e Bebidas Têxtil Papel e Celulose Cerâmica Outros n Gráfico 2.1 Consumo de Eletricidade TWh Outros Industrial Comercial Residencial MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

18 CAPÍTULO 2 65 n Tabela 2.26 Carvão Vegetal 1³ t Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Energético Residencial Comercial Público Agropecuário Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço Ferroligas Mineração e Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Têxtil Cerâmica Outros n Tabela 2.27 Álcool Etílico * 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Transportes Rodoviário * Inclui metanol. n Gráfico 2.11 Álcool Etílico 1 6 m Produção Consumo EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

19 66 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 n Tabela 2.28 Álcool Anidro 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Transportes Rodoviário n Gráfico 2.12 Álcool Anidro 1 6 m Produção Consumo n Tabela 2.29 Álcool Hidratado 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Transportes Rodoviário n Gráfico 2.13 Álcool Hidratado 1 6 m Produção Consumo MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME

20 CAPÍTULO 2 67 n Tabela 2.3 Outras Secundárias de Petróleo 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético Comercial e Público Transporte Industrial Cimento Mineração/Pelotização Não-Ferrosos e Outros Metálicos Química Outros Consumo Não-Identificado n Tabela 2.31 Alcatrão de Carvão Mineral 1³ t Produção Variação Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Não-Energético Consumo Final Energético Setor Energético 2 2 Industrial Cimento Ferro-Gusa e Aço * Geração de eletricidade n Tabela 2.32 Produtos Não-Energéticos de Petróleo 1³ m³ Produção Importação Exportação Var. Est. Perdas e Ajustes Consumo Total Transformação * Consumo Final Consumo Final Não-Energético * Produção de efluentes petroquímicos EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE

Aula 6 Balanço Energético

Aula 6 Balanço Energético AULA Fundação 6 BALANÇO Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 6 Balanço Energético Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 1999

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 1999 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL ANO BASE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernao Henrique Cardoso MINISTRO DE MINAS E ENERGIA Rodolpho Tourinho Neto SECRETÁRIO

Leia mais

Balanço Energético da Bahia 2009. Versão Preliminar

Balanço Energético da Bahia 2009. Versão Preliminar Versão Preliminar Série 1992 2008 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Jaques Wagner Governador SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA João Felipe de Souza Leão Secretário Silvano Ragno Superintendente de Energia e Comunicações

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANO BASE 2011

BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANO BASE 2011 BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANO BASE 211 BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANO BASE 211 Sumário Realização Governo Do Estado Do Espírito Santo Renato Casagrande Governador

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Esferas de Armazenamento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) na Refinaria Landulfo Alves RLAM São Francisco do Conde BA PETROBRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

Balanço energético. Do Estado de Minas Gerais

Balanço energético. Do Estado de Minas Gerais 28º Balanço energético Do Estado de Minas Gerais BEEMG I 2013 Ano Base 2012 ELABORADO PELA CEMIG COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Diretor Presidente Djalma Bastos de Morais Diretor Vice Presidente

Leia mais

ADENE Nº 13/2005 PROCEDIMENTOS DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS ENERGÉTICOS. Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos. Diretor

ADENE Nº 13/2005 PROCEDIMENTOS DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS ENERGÉTICOS. Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos. Diretor PROCEDIMENTOS DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS ENERGÉTICOS DEZEMBRO DE 2005 Ministério de Minas e Energia Ministro Silas Rondeau Cavalcante Silva Ministério da Integração Nacional Ministro Ciro Ferreira Gomes

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA E ENERGÉTICOS E DE EMISSÕES DE CO2, SÃO PAULO, 2008-2020

PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA E ENERGÉTICOS E DE EMISSÕES DE CO2, SÃO PAULO, 2008-2020 PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA E ENERGÉTICOS E DE EMISSÕES DE CO2, SÃO PAULO, 2008-2020 PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA E ENERGÉTICOS E DE EMISSÕES DE CO2, SÃO PAULO, 2008-2020 2 PROJEÇÃO DE CONSUMO DE

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

29º Balanço Energético do Estado de Minas Gerais

29º Balanço Energético do Estado de Minas Gerais 1 ELABORADO PELA CEMIG COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Diretor Presidente Mauro Borges Lemos Diretor Vice Presidente Mateus de Moura Lima Gomes Diretor de Relações Institucionais e Comunicação Luiz

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020

MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 MATRIZ ENERGÉTICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2008 2020 Governo do Estado do Rio de Janeiro Governador Sérgio Cabral Vice-Governador Luiz Fernando

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil

Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil Planejamento Estratégico Para Geração Termelétrica no Brasil SEMINÁRIO ABRAGET 2007 João Carlos de Oliveira Mello Presidente Andrade & Canellas Consultoria e Engenharia Rio de Janeiro, 26 de abril de 2007

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2003

Balanço Energético Nacional 2003 Balanço Energético Nacional 2003 Secretaria de Energia Ministério de Minas e Energia REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRA DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

UNIVERSIDADE RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA

UNIVERSIDADE RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA UNIVERSIDADE RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE LENHA E CARVÃO VEGETAL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Autor: Felipe Sunquim de Oliveira

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Sistema Brasileiro de Cap-and-Trade no Setor Industrial: Vantagens, Desafios, Reflexos na Competitividade Internacional e Barreiras à Implementação Roberto Schaeffer

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

Parte I Energia no Brasil e no mundo

Parte I Energia no Brasil e no mundo Derivados de Petróleo Capítulo 7 Stock Xchng Parte I Energia no Brasil e no mundo 2 Consumo 37 Capítulo 7 Derivados de Petróleo Box 2 Eficiência energética A expansão acentuada do consumo de energia, embora

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção GESTÃO DE ENERGIA Prof. Dr. José Angelo Cagnon Prof. Dr. Luiz Gonzaga Campos Porto Gestão Energética Introdução Indicadores Energéticos Situação Nacional. A Gestão de Energia Comissões

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 PELOS SETORES INDUSTRIAIS: UM AUXÍLIO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS ANTE AO DESAFIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS

EMISSÕES DE CO2 PELOS SETORES INDUSTRIAIS: UM AUXÍLIO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS ANTE AO DESAFIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS EMISSÕES DE CO2 PELOS SETORES INDUSTRIAIS: UM AUXÍLIO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS ANTE AO DESAFIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS Flavia de Castro Camioto (EESC-USP) flaviacamioto@yahoo.com.br Daisy Aparecida

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: potencial de eficiência energética com enfoque setorial

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: potencial de eficiência energética com enfoque setorial 1 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: potencial de eficiência energética com enfoque setorial 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia COPPE

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia COPPE PRIMEIRO INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES AN- TRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA RELATÓRIOS DE REFERÊNCIA EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO POR QUEI- MA DE COMBUSTÍVEIS: ABORDAGEM TOP-DOWN Instituto Alberto

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Indicadores e variáveis do Sistema IGS com correções Temas Energia e Emissões de GEE. Novembro de 2013

Indicadores e variáveis do Sistema IGS com correções Temas Energia e Emissões de GEE. Novembro de 2013 Indicadores e variáveis do Sistema IGS com correções Temas e Emissões de GEE Novembro de 2013 Geração Hidrelétrica IHEE Consumo de energia elétrica no processo de geração hidrelétrica CEEGH - Consumo total

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ENERGIA PARA QUÊ E PARA QUEM NO BRASIL

ENERGIA PARA QUÊ E PARA QUEM NO BRASIL Workshop - Heinrich Böll Foundation Brazil ENERGIA PARA QUÊ E PARA QUEM NO BRASIL Célio Bermann (coord.) Professor Livre-Docente do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Equipe de pesquisadores do

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Plano Nacional de Energia 2030 Eficiência Energética Brasília, 13 julho de 2006 Plano Nacional de Energia - 2030 Eficiência Energética Roteiro Observações Iniciais e Conceitos Motivações e Dificuldades

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2012 I Resultados Preliminares I ano base 2011 Ministério de Minas e Energia BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2012 I Resultados Preliminares I ano base 2011 Editoração Grupojam

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Estudos da Oferta Recursos Energéticos: Combustíveis Líquidos Brasília, 29 de agosto de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Combustíveis líquidos Roteiro 1 2 Biocombustíveis

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010

Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010 Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010 Gerência de Energia e Mudanças Climáticas Fundação Estadual do Meio Ambiente LISTA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013

Energia no Bloco dos BRICS Ano de referência: 2013 Parâmetros Macroeconômicos O Produto Interno Bruto dos BRICS foi 9,1 trilhões dólares em 1 (PPP constante 11), mostrando crescimento 5,6% sobre 1. No mesmo ano, o mundial cresceu,1%. Em 1, os BRICS apresentaram

Leia mais

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial 04 de Novembro de 2015 FIESP-SP Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo Agenda A Matriz Energética

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento EBDQUIM 2014 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento 19 de Março de 2014 Atividades da ANP Números do Setor de Petróleo

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DEMINAS GERAIS: Potencial de eficiência energética com enfoque setorial

PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DEMINAS GERAIS: Potencial de eficiência energética com enfoque setorial 1 PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DEMINAS GERAIS: Potencial de eficiência energética com enfoque setorial 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação Estrutura da apresentação Geração de energia elétrica no Brasil e emissões de CO 2 Como estimar as emissões de CO 2 dos materiais de construção Aplicação de ACV: O caso do aquecedor solar Geração de energia

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Alternativas para mitigar a poluição gerada pelo setor industrial do Estado de Minas Gerais

Alternativas para mitigar a poluição gerada pelo setor industrial do Estado de Minas Gerais Alternativas para mitigar a poluição gerada pelo setor industrial do Estado de Minas Gerais MARIANA SARMANHO DE OLIVEIRA LIMA Universidade Federal do Amazonas marianasarmanho@hotmail.com Alternativas para

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DE SÃO PAULO BALANÇO ENERGÉTICO DO ESTADO DE SÃO PAULO 2006 Ano Base : 2005 GovernodoEstadodeSãoPaulo Grupo Setorial de Tecnologia da Informação e Comunicação Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista Série

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Maria Paula Martins Diretora Geral

Maria Paula Martins Diretora Geral Maria Paula Martins Diretora Geral Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 38% 48% 14% 18% 7% 29% 35% Petróleo Carvão Hidráulica Cana Gás Urânio Lenha Outras renováveis 6% 12% 46% 2000

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS IMPACTO DA QUALIDADE EXERGÉTICA DA ENERGIA FINAL NO CONSUMO DE ENERGIA PRIMÁRIA: CASO GÁS NATURAL Alexandre Betinardi Strapasson 1, Murilo Tadeu Werneck

Leia mais

Aula 3 Centros de Transformação e Energias Secundárias

Aula 3 Centros de Transformação e Energias Secundárias AULA Fundação 3 CENTROS Universidade DE Federal TRANSFORMAÇÃO de Mato Grosso do E Sul 1 Matriz Energética Aula 3 Centros de Transformação e Energias Secundárias Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

COGERAÇÃO: UMA ALTERNATIVA PARA PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE

COGERAÇÃO: UMA ALTERNATIVA PARA PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE DOMINGOS CARLOS ODDONE COGERAÇÃO: UMA ALTERNATIVA PARA PRODUÇÃO DE ELETRICIDADE Dissertação apresentada ao Programa Interunidades de Pós Graduação em Energia da Universidade de São Paulo Escola Politécnica,

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO POR QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS: ABORDAGEM TOP-DOWN

EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO POR QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS: ABORDAGEM TOP-DOWN SEGUNDO INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA RELATÓRIOS DE REFERÊNCIA EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO POR QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS: ABORDAGEM TOP-DOWN Economia e Energia

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia

Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia 1 Situação atual e perspectivas da utilização da biomassa para a geração de energia M. A. Brand, UNIPLAC; M. D. Neves, TRACTEBEL ENERGIA Resumo- Este trabalho consiste em um levantamento da situação atual

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo

Potência Instalada de Geração Elétrica Brasil e Mundo O setor sucroalcooleiro responde por 42 da potência APE e, em 211, gerou excedentes de cerca de 9.9 GWh. Os 1 maiores setores autoprodutores de eletricidade 31/12/211 Nº Setor Instalada de Geração no Mundo

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo

Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo sumário 05 07 1. Introdução 2. Setor Energia 3. Setor Processos industriais e uso de produtos 4. Setor Agricultura,

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais Ano base 2010

Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais Ano base 2010 Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais Ano base 2010 Fundação Estadual do Meio Ambiente A Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, por meio da Gerência de

Leia mais