Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas"

Transcrição

1 Cenário Atual do Setor de Petróleo & Gás e suas Perspectivas Setembro /10/2014 1

2 A Dinamus Somos uma empresa de consultoria e inteligência de mercado especializada no desenvolvimento de negócios no setor de petróleo, gás e energia. Nossas principais áreas de atuação são: Inteligência Comercial Alavancagem Empresarial Internacional Mercado Inovação Gestão de Projetos 07/10/2014 2

3 Agenda 1 Cenário Atual e Perspectivas 2 Pré-Sal 07/10/2014 3

4 Perspectiva da Matriz Energética Mundial (%) Petróleo 32,4% 31,1% 29,9% 27,9% 27,1% Carvão 27,3% 28,2% 27,4% 25,5% 24,5% I Gás 21,5% 21,4% 21,9% 23,3% 23,9% Bioenergia 10% 10,1% 10,3% 10,7% 10,9% Nuclear 5,6% 5,4% 6,0% 6,5% 6,6% Hidroelétrica 2,3% 2,4% 2,5% 2,8% 2,8% Outras renováveis 0,9% 1,4% 2% 3,3% 4,2% 3

5 Demanda Mundial de Petróleo (milhões barris/dia) 100 I 89,78 94,

6 Consumo de Energia/Habitante País/Região Tep/Habitante Tep: Consumo de Energia per capita Estados Unidos 7,15 Rússia 4,95 OECD 4,39 África do Sul 2,92 Argentina 1,85 Chile 1,81 China 1,81 México 1,64 Brasil 1,36 Ásia 0,68 África 0,67 Índia 0,59 Mundo 1,86 Fonte: EPE 6

7 Perspectiva da Matriz Energética Nacional (%) Fonte: EPE Energia Não Renovável 56,9 55,6 55,0 55,1 Petróleo e Derivados 38,5 33,9 31,9 29,2 Gás Natural 11,0 13,7 15,5 15,8 Carvão Mineral e Derivados 6,0 6,1 6,1 7,0 Urânio e Derivados 1,4 1,9 1,5 3,1 Renovável 43,1 44,4 45,0 44,9 Derivados da Cana 16,4 19,2 21,2 18,2 Hidráulica e Eletricidade 14,2 13,0 12,6 13,8 Lenha e Carvão Vegetal 8,2 7,2 6,0 5,9 Outros 4,3 5,0 5,2 7,0 7

8 Reservas de Petróleo Nacionais Provadas Bilhões barris Fonte: ANP 8

9 Produção de Petróleo Milhares barris/dia

10 Brasil Cenário Mundial - Reservas Posição País Reservas (bilhões de barris) Participação Mundial 1 Venezuela 298,3 17,7% 2 Arábia Saudita 265,9 15,8% 3 Canadá 174,3 10,3% 4 Irã 157,0 9,3% 5 Iraque 150,0 8,9% 6 Kuwait 101,5 6% 7 Emirados Árabes 97,8 5,8% 8 Rússia 93,0 5,5% 9 Líbia 48,5 2,9% 10 Estados Unidos 44,2 2,6% 11 Nigéria 37,1 2,2% 12 Cazaquistão 30,0 1,8% 13 Catar 25,1 1,5% 14 China 18,1 1,1% 15 Brasil 15,6 0,9% 16 Angola 12,7 0,8% 17 Argélia 12,2 0,7% 18 Mexico 11,1 0,6% 19 Equador 8,2 0,5% 20 Azerbaijão 7,0 0,4%

11 Brasil Cenário Mundial - Produção Posição País Produção (milhares de barris/dia) Participação Mundial 1 Arábia Saudita 11,5 13,1% 2 Rússia 10,7 12,9% 3 Estados Unidos 10,0 10,8% 4 China 4,2 5,0% 5 Canadá 3,9 4,7% 6 Emirados Árabes 3,6 4,0% 7 Irã 3,5 4,0% 8 Iraque 3,1 3,7% 9 Kuwait 3,1 3,7% 10 México 2,8 3,4% 11 Venezuela 2,6 3,3% 12 Nigéria 2,3 2,7% 13 Brasil 2,1 2,7% 14 Noruega 1,8 2,0% 15 Angola 1,8 2,0% 16 Cazaquistão 1,7 2,0% 17 Argélia 1,5 1,7% 18 Colômbia 1,0 1,3% 19 Líbia 0,98 1,1% 20 Azerbaijão 0,93 1,1%

12 Investimento: Aeronáutica CIS Eletroeletrônica Total Indústria: R$ bilhões Setor Petróleo: 42% Siderurgia Química Papel e Celulose Extrativa Mineral Automotivo Demais da Inds. Petróleo e Gás Fonte: BNDES 10

13 O Investimento do Setor é uma oportunidade para o país GASTOS E INVESTIMENTOS NO SETOR DE E&P OFFSHORE (US$ bi 2009) Investimento consolidado do setor 25,1 22,3 14, , ,3 0,6 30,1 0,5 0,5 0,5 9,8 10,9 1,0 8,7 7,6 6,0 1,0 2,7 10,1 10,2 5,3 9,5 9,4 6,8 3,8 4,2 4,7 5,3 5,7 6,0 7,5 6,0 5,0 4,7 4,7 5, Construção de Petroleiros e Barcos de Apoio Desenvolvimento da Produção Construção de Unidades Produtoras Exploração e Avaliação 312 Construção de Sondas Sísmica , DISPÊNDIO TOTAL (INVESTIMENTO E GASTOS OPERACIONAIS) INVESTIMENTO ACUMULADO Nota: Inclui sondas e unidades produtivas já arrendadas Fonte: Agenda da Competitividade. ONIP (2010). 11

14 Investimentos Setor P&G Outras Empresas 21% US$ 280 bilhões Petrobras US$ 221 bilhões Outras US$ 59 bilhões 79% Petrobras Fonte: Petrobras, IBP e Consolidação ONIP. 12

15 Investimentos E&P no Brasil Outras Empresas 23% US$ 200 bilhões Petrobras US$ 155 bi Outras US$ 45 bi 77% Petrobras Fonte: Petrobras, IBP e Consolidação ONIP. 13

16 Bilhões US$ Evolução do Investimento Petrobras 45,13 43,16 42,95 48, , ,42 30, , ,41 5,46 5,41 8,1 1 7,4 1 8,93 12,

17 Déficit do Setor de P&G Milhões US$ * Exportação Petróleo Exportação Derivados de Petróleo Total Exportação Importação de Petróleo Importação de Derivados de Petróleo Importação de Gás Natural Total Importação Déficit Fonte: ANP *até maio/

18 Petrobras Defasagem do preço da Gasolina: 17% Defasagem do preço do Diesel: 16% Dívida bruta 1º Tri 2014: R$ 308 bilhões - maior dívida bruta dentre todas as empresas de petróleo. Forte investimento nos últimos anos Longo período de priorização da CAPEX em relação ao OPEX. Aperto do Caixa Aperto aos fornecedores. 16

19 Investimento em Refinarias 16

20 Refinaria COMPERJ Localização: Itaboraí Rio de Janeiro Capacidade de refino: 165 mil barris de petróleo/dia Status: Em implantação. Previsão operação: agosto de 2016 Principais produtos: óleo diesel, nafta petroquímica, querosene de aviação, coque, GLP (gás de cozinha) e óleo combustível. 16

21 Refinaria Abreu e Lima Localização: Ipojuca - Pernambuco Capacidade de refino: 230 mil barris de petróleo/dia Status: Em implantação. Previsão operação: novembro de 2014 Principais produtos: óleo diesel, nafta petroquímica, coque, GLP (gás de cozinha) e gasóleo. 16

22 Refinaria Premium I Localização: Bacabeira - Maranhão Capacidade de refino: 600 mil barris de petróleo/dia Status: Em licitação e em fase de avaliação. Principais produtos: óleo diesel, querosene, nafta petroquímica, coque, GLP (gás de cozinha) e bunker. 16

23 Refinaria Premium II Localização: Caiucaia - Ceará Capacidade de refino: 300 mil barris de petróleo/dia Status: Em licitação - em fase de reavaliação técnica e econômica para adequação aos parâmetros internacionais da indústria de petróleo e gás. Principais produtos: óleo diesel, querosene de aviação, nafta petroquímica, coque, GLP (gás de cozinha) e bunker. 16

24 Agenda 1 Cenário Atual e Perspectivas 2 Pré-Sal 24

25 A Nova Província: Pré-sal 18

26 Reservas Recuperáveis Estimadas o Marlim - 1,7 bilhões de barris o Libra - 8 a 12 bilhões de barris o Roncador - 2,5 bilhões de barris o Cessão Onerosa - 5 bilhões de barris o Lula - 5 a 8 bilhões de barris Cenário Offshore Brasil - 6 das 10 maiores descobertas mundiais desde 2008 Estimativa de 1/3 da demanda mundial offshore nos próximos 10 anos Maior incremento no mundo de óleo novo em mar Área total do Pré-sal: 149 mil km² 15% da produção atual 20

27 Pré-sal Custo de Produção A produção atual do Pré-sal é de 520 mil barris / dia. De 2010 a 2014, a média de produção diária dos reservatórios do pré-sal cresceu 10 vezes. Pré-sal já responde por 22% da produção da Petrobras no Brasil. Fatores de Redução do Custo de Produção Curva de aprendizado diminui custos Alta produtividade dos poços Diminuição do custo logístico por barril devido a escala Avanço da tecnologia Subsea 23

28 Poços de Alta Produtividade Número Bacia Campo Produção Petróleo (bbl/d) 1 Campos Jubarte Santos Sapinhoá Santos Lula Santos Lula Santos Sapinhoá Santos Lula Santos Lula Santos Sapinhoá Campos Marlim Sul Campos Marlim Sul FONTE ANP/SDP/SIGEP 24

29 Campos de Maior Produção Fonte: ANP 26

30 Libra Previsões e Estimativas Previsões Início da Produção: 2017 / 2019 Maior descoberta do mundo desde 2008 Pico de Produção: 2027 / 2030 Estimativas Pico de produção: 1,4 milhões de barris Investimento previsto: US$ 100 bilhões Previsão de 12 a 15 FPSOs Custo de Produção: 8 bilhões de barris x US$ 30/b: US$ 240 bilhões Cerca de 140 poços produtores 27

31 Bilhões de barris Impacto Pré-sal Reservas Brasileiras Perspectiva de se tornar a 8ª maior Pré-sal 60 bilhões 29

32 Novas Unidades Produtoras - Petrobras Fonte: Petrobras 30

33 Perspectiva das Atividades Offshore Total de novas unidades Bacias ES, Campos e Santos Unidades de Exploração: 28 Estimativa de unidades de E&P em operação Unidades de Produção: 60 Unidades de Exploração: 54 Unidades de Produção:

34 Mil bpd Estimativa da Produção Os gastos com a operação irão aumentar com o aumento da produção. Estimativa: U$ 11 bilhões com fornecedores em Crescimento em 2014: 7,5% +- 1p.p Fonte: Petrobras - Plano de Negócios

35 Frota de Barcos de Apoio Estimativa Brasileiras Estrangeiras Total Fonte - ABEAM 33

36 Contato Obrigado! Glauco Nader Sócio Diretor Dinamus Consultoria Telefone:

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PANORAMA ATUAL DA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Armando Guedes Coelho Conselheiro IBP Junho/2009 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Fonte: Nakícenovic, Grübler e MaConald,

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios

Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios Petróleo e Gás: Investimentos, Oportunidades e Desafios - MEC SHOW 2018 - Milton Costa Filho Secretário Geral IBP Aviso Legal O conteúdo da presente apresentação é meramente informativo e utiliza dados

Leia mais

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO ESPÍRITO SANTO PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS E REFLEXOS ECONÔMICOS

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO ESPÍRITO SANTO PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS E REFLEXOS ECONÔMICOS Agenda 1 2 3 4 INTRODUÇÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO ESPÍRITO SANTO PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO PARTICIPAÇÕES GOVERNAMENTAIS E REFLEXOS ECONÔMICOS 5 RODADAS DA ANP E OPORTUNIDADES PARA

Leia mais

Principais Oportunidades no setor Petróleo e Gás

Principais Oportunidades no setor Petróleo e Gás Principais Oportunidades no setor Petróleo e Gás Alfredo Renault ONIP Outubro-2009 Matriz Energética Nacional 1995-2007 Evolução da Oferta Interna de Energia - % Fonte 1995 2000 2005 2006 2007 Energia

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

Painel I Cenário Político: Posição do Governo e Planejamento Energético

Painel I Cenário Político: Posição do Governo e Planejamento Energético IV Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira Painel I Cenário Político: Posição do Governo e Planejamento Energético Helder Queiroz Diretor da ANP 02 de Junho de 2014 Sumário 1 2 3 4 Cenário

Leia mais

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 Marcelo Mafra Borges de Macedo Superintendente de Segurança Operacional e Maio Ambiente Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 O Papel

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

Rodadas de Licitação 2017 Potenciais Impactos no RJ

Rodadas de Licitação 2017 Potenciais Impactos no RJ Rodadas de Licitação 2017 Potenciais Impactos no RJ Décio Oddone, Diretor Geral Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017. Agenda 1 2 3 4 Cenário Atual Aprimoramentos Rodadas de Licitação Conclusão A Indústria

Leia mais

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011

Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades. Adriano Pires Março de 2011 Hidrocarbonetos - O Pré-Sal - Dificuldades e Oportunidades Adriano Pires Março de 2011 1 Metas Nacionais de Produção e Reservas da Petrobras 7,4% a.a. 5.059 1.109 ia d / p e b il M 1.752 1.791 1.758 252

Leia mais

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS

CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS CENÁRIO E PERSPECTIVAS DO SETOR PETRÓLEO 4º CAMPETRO CAMPINAS OIL & GAS Alfredo Renault Campinas, 11 de novembro de 2015 SUMÁRIO I. PETROBRAS PLANO DE NEGÓCIOS II. PRÉ-SAL III. PRIORIDADES E DESINVESTIMENTOS

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO

PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO PERSPECTIVAS DO SETOR DE GÁS NATURAL NO RIO DE JANEIRO FIRJAN Perspectivas do Gás Natural no Rio de Janeiro Rio de Janeiro/RJ 05 dez. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

Desafios da Energia no Brasil

Desafios da Energia no Brasil Desafios da Energia no Brasil Armando Guedes Coelho Presidente do Conselho Empresarial de Energia da FIRJAN Membro do Conselho de Administração do IBP Agosto/2013 PANORAMA MUNDIAL SÉCULO XXI DIVERSIFICAÇÃO

Leia mais

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Programa detalhado Critérios de Avaliação Participação

Leia mais

Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013

Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013 Por que Estamos Importando Gasolina? Adriano Pires Agosto/2013 1 Agenda Oferta e Demanda de Gasolina Preços da Gasolina: Defasagem e Perdas Soluções do Governo Propostas 2 Oferta e Demanda de Gasolina

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA

INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA SEGUNDO CAPÍTULO FÓRUM RAC2017 - CAMINHOS DA RETOMADA 17 de Julho de 2017 A MATRIZ ENERGÉTICA BASEADA NO PETRÓLEO E GÁS : NECESSIDADES E OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTOS NO INTERIOR PAULISTA Celso Morooka

Leia mais

Sessão Especial Petróleo e Pré-Sal: Janela de oportunidades e novos paradigmas na indústria energética brasileira

Sessão Especial Petróleo e Pré-Sal: Janela de oportunidades e novos paradigmas na indústria energética brasileira Seminário: Políticas estratégicas de inovação e mudança estrutural em um contexto de crescimento e crise Sessão Especial Petróleo e Pré-Sal: Janela de oportunidades e novos paradigmas na indústria energética

Leia mais

S M E Comissão de Energia 28/04/2010

S M E Comissão de Energia 28/04/2010 Oportunidades e Desafios do Pré-Sal S M E Comissão de Energia 28/04/2010 HIDROCARBONETOS Definição Compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Cumprimentar os presentes Agradecer IotA Por que o tema é relevante Hámais de 30 anos... Essa nova realidade que eu gostaria de compartilhar com v.

Cumprimentar os presentes Agradecer IotA Por que o tema é relevante Hámais de 30 anos... Essa nova realidade que eu gostaria de compartilhar com v. O Pré sal: Brasil como Player Global no Setor de Petróleo Brazil Energy Roundtable: Energy & the New Administration Luiz Costamilan Cumprimentar os presentes Agradecer IotA Por que o tema é relevante Hámais

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

Regulamentação da Cláusula de PDI dos Contratos para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural

Regulamentação da Cláusula de PDI dos Contratos para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural Regulamentação da Cláusula de PDI dos Contratos para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural Luciana M. S. de Mesquita Superintendente-Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Setor de O&G Relevância para o Brasil

Setor de O&G Relevância para o Brasil Setor de O&G Relevância para o Brasil Julho 2018 A descarbonização da matriz energética deve reduzir a demanda por petróleo Redução adicional de emissões de CO2 - SDS x NPS Gton/ano Demanda total de petróleo

Leia mais

Nota à Imprensa. Resultados do 2º Trimestre de Principais Destaques do Resultado. Principais Destaques Operacionais

Nota à Imprensa. Resultados do 2º Trimestre de Principais Destaques do Resultado. Principais Destaques Operacionais Nota à Imprensa Resultados do 2º Trimestre de 2016 Lucro Líquido de R$ 370 milhões, ante um prejuízo de R$ 1,2 bilhão no 1T16, determinado por: redução de 30% nas despesas financeiras líquidas; crescimento

Leia mais

ENERGIA E DESENVOLVIMENTO Oferta, demanda e desafios

ENERGIA E DESENVOLVIMENTO Oferta, demanda e desafios 22 capítulo 3 energia e desenvolvimento 3 ENERGIA E DESENVOLVIMENTO Oferta, demanda e desafios . prêmio jovem cientista 23 caderno do professor Quando se trata de economia, quase sempre se considera que

Leia mais

8º Encontro Nacional do PROMINP

8º Encontro Nacional do PROMINP 8º Encontro Nacional do PROMINP Demandas de Bens & Serviços para a operação dos projetos de Abastecimento PETROBRAS Abastecimento São Luís, 23/11/2011 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL

PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Agosto de 2014 SUMÁRIO Atividades de E&P no Brasil Contratos

Leia mais

Os Novos Desafios do Pré-Sal Estadão São Paulo 16 de agosto de Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral da ONIP

Os Novos Desafios do Pré-Sal Estadão São Paulo 16 de agosto de Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral da ONIP Oportunidades e Desafios da Agenda de Competitividade para Construção de uma Politica Industrial na Área de Petróleo: Propostas para um Novo Ciclo de Desenvolvimento Industrial Eloi Fernández y Fernández

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão de Agosto de 2012

Plano de Negócios e Gestão de Agosto de 2012 Plano de Negócios e Gestão 2012 2016 29 de Agosto de 2012 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da

Leia mais

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica

Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica. Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Seminário O Papel do Congresso Nacional na inovação tecnológica Painel III O setor produtivo e a inovação tecnológica Roberto Murilo Carvalho de Souza Gerente de Estratégia Tecnológica CENPES PETROBRAS

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis

Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Desafios e perspectivas para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis Visão ANP Magda Chambriard Diretora-Geral FGV Energia em foco: Estratégias e Desafios para o Futuro Rio de Janeiro, 20 de

Leia mais

Política Brasileira de Conteúdo Local. Propostas de aprimoramento

Política Brasileira de Conteúdo Local. Propostas de aprimoramento Política Brasileira de Conteúdo Local Propostas de aprimoramento Agenda Atual Cenário Dados do setor Política de Conteúdo Local aplicada ao setor Propostas para Rodadas Futuras Atual cenário da indústria

Leia mais

Estratégia de Inovação e Tecnologia da Petrobras

Estratégia de Inovação e Tecnologia da Petrobras Estratégia de Inovação e Tecnologia da Petrobras Rio de Janeiro, 20 de abril de 2012 Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo de Pesquisas e Desenvolvimento Aviso As apresentações podem conter previsões

Leia mais

AS FONTES DE ENERGIA

AS FONTES DE ENERGIA AS FONTES DE ENERGIA ARCAICAS - Energia muscular (o homem e o animal), o fogo (queima de madeira), a água (rodas de água) e o vento (moinhos). MODERNAS - C. mineral, gás, petróleo, hidroeletricidade e

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque

Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Visão Geral Ministério de Minas e Energia Ministro Bento Albuquerque Apresentação para o ABDIB Fórum 2019 Estratégias para a Retomada da Infraestrutura 21/05/2019-14h30 Este documento foi preparado pelo

Leia mais

Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal

Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Perspectivas para Exploração e Desenvolvimento do Pré-Sal Oswaldo A. Pedrosa Jr. Fundação Getúlio Vargas (FGV) 25 de março de 2015 Rio de Janeiro, RJ 1 2 3 4 5 6 Assuntos

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

14º Encontro de Energia São Paulo - 05/08/2013

14º Encontro de Energia São Paulo - 05/08/2013 INSTITUTO BRASILEIRO DE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS 14º Encontro de Energia São Paulo - 05/08/2013 Petróleo e Biocombustíveis Painel : A Eterna Busca da Autossuficiência Flávio Ofugi Rodrigues Diretor

Leia mais

Excedentes da Cessão Onerosa

Excedentes da Cessão Onerosa Maria das Graças Silva Foster Presidente Excedentes da Rio de Janeiro, 27 de junho de 2014 1 Através da a Petrobras adquiriu os direitos para explorar, avaliar e produzir até 5 bilhões de boe em seis áreas

Leia mais

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro

Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Revisão da Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro 2012-2024 Sumário: I. Modelo de Projeção II. Principais Premissas da Matriz Energética III.

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Projetos de Investimentos Planejados para o Setor de Petróleo e Gás G s no Brasil

Projetos de Investimentos Planejados para o Setor de Petróleo e Gás G s no Brasil Workshop: Os desafios para a indústria nacional frente às demandas do setor de Petróleo e Gás 2 de julho de 2008 Projetos de Investimentos Planejados para o Setor de Petróleo e Gás G s no Brasil Pedro

Leia mais

Geopolítica do Petróleo, Petrobras e Pré Sal. Brasil aumenta a importância no Mundo

Geopolítica do Petróleo, Petrobras e Pré Sal. Brasil aumenta a importância no Mundo Geopolítica do Petróleo, Petrobras e Pré Sal Brasil aumenta a importância no Mundo Sumário Curto Prazo Preços do Petróleo Papel da OPEP Longo Prazo Papel do petróleo e gás Mudanças na Demanda Petrobras

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA Painel 2: Recursos Energéticos e Discussões Climáticas Globais EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO SETOR DE ENERGIA David Tsai 14 de outubro de 2015 INSTITUTO

Leia mais

Energia no Mundo Indicadores. Matrizes Energéticas. Matrizes Elétricas. Edição de 13 de dezembro de Ministério de Minas e Energia

Energia no Mundo Indicadores. Matrizes Energéticas. Matrizes Elétricas. Edição de 13 de dezembro de Ministério de Minas e Energia Energia no Mundo 215-216 Matrizes Energéticas Matrizes Elétricas Indicadores Edição de 13 de dezembro de 217 Ministério de Minas e Energia MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ministro FERNANDO COELHO FILHO Secretário

Leia mais

Oportunidades na cadeia de suprimento da indústria de óleo e gás no Brasil

Oportunidades na cadeia de suprimento da indústria de óleo e gás no Brasil Oportunidades na cadeia de suprimento da indústria de óleo e gás no Brasil Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral - ONIP FIESP Competro, setembro de 2012 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. ONIP Investimentos Política

Leia mais

Estratégia Tecnológica da Petrobras

Estratégia Tecnológica da Petrobras Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2011 Estratégia Tecnológica da Petrobras Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do CENPES Petrobras no mundo

Leia mais

ATRATIVIDADE DO UPSTREAM BRASILEIRO PARA ALÉM DO PRÉ-SAL Prof. Edmar de Almeida. Grupo de Economia de Energia

ATRATIVIDADE DO UPSTREAM BRASILEIRO PARA ALÉM DO PRÉ-SAL Prof. Edmar de Almeida. Grupo de Economia de Energia ATRATIVIDADE DO UPSTREAM BRASILEIRO PARA ALÉM DO PRÉ-SAL Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Índice 1. Contextualização e objetivo do trabalho 2. Esforço Exploratório no Brasil: um diagnóstico

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

AmCham Rio Networking Coffee

AmCham Rio Networking Coffee AmCham Rio Networking Coffee Carlos Brenner 07/08/2014 MANTENEDORES Ouro Prata 2 BRASIL: PERFIL ÓLEO 1993: 5,0 2003: 10,6 2013: 15,6 Bilhões de Barris ÓLEO 2003: 1,548 2006: 1,804 2009: 2,024 2013: 2,114

Leia mais

FUP Federação Única dos Petroleiros

FUP Federação Única dos Petroleiros FUP Federação Única dos Petroleiros Semana Acadêmica do Curso de Engenharia Ambiental UFSM 31/10/2013 Energia e Alimentos A Nova Escassez João Antônio de Moraes Coordenador www.fup.org.br moraes@fup.org.br

Leia mais

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO

O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO 7ª Conferência de Energia e Recursos Naturais da América Latina Rio de Janeiro/RJ 30 ago. 2018 José Mauro Coelho

Leia mais

José Formigli Diretor do E&P. 500 mil barris de óleo por dia no Pré-Sal

José Formigli Diretor do E&P. 500 mil barris de óleo por dia no Pré-Sal José Formigli Diretor do E&P 500 mil barris de óleo por dia no Pré-Sal LOCALIZAÇÃO DA PROVÍNCIA PRÉ-SAL LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DO PRÉ-SAL CONCESSÃO (BACIA DE SANTOS) CONCESSÃO (BACIA DE CAMPOS) (00%) BALEIA

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

FUP Federação Única dos Petroleiros. Atualizando o debate sobre as rendas geradas pela exploração de petróleo no Brasil efeitos do pré-sal

FUP Federação Única dos Petroleiros. Atualizando o debate sobre as rendas geradas pela exploração de petróleo no Brasil efeitos do pré-sal FUP Federação Única dos Petroleiros Atualizando o debate sobre as rendas geradas pela exploração de petróleo no Brasil efeitos do pré-sal Índice Histórico dos Modelos de Exploração de Petróleo no Brasil

Leia mais

Brasília, 13 de julho de 2006

Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Petróleo e Derivados Roteiro Observações Iniciais Petróleo e Derivados no Mundo Aspectos

Leia mais

Confidencial. 23/Ago/2011 1

Confidencial. 23/Ago/2011 1 Confidencial 23/Ago/2011 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia sobre condições futuras

Leia mais

BOLETIM ENERGÉTICO FEVEREIRO 2017

BOLETIM ENERGÉTICO FEVEREIRO 2017 Petróleo Júlia Febraro De acordo com a ANP, o grau API médio do petróleo produzido em dezembro foi de aproximadamente 26,3, sendo 32,3% da produção óleo leve (>=31 API), 44,1% óleo médio (>=22 API e

Leia mais

da Petrobrás Audiência Pública Comissão Especial da Câmara dos Haroldo Lima Diretor Geral - ANP 21 de outubro de 2009

da Petrobrás Audiência Pública Comissão Especial da Câmara dos Haroldo Lima Diretor Geral - ANP 21 de outubro de 2009 A capitalização da Petrobrás Audiência Pública Comissão Especial da Câmara dos Deputados que examina o PL 5.941/09 Haroldo Lima Diretor Geral - ANP 21 de outubro de 2009 -Contexto.evolução do papel do

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

GESTÃO DE PARTILHA: PERSPECTIVAS

GESTÃO DE PARTILHA: PERSPECTIVAS GESTÃO DE PARTILHA: PERSPECTIVAS BRITCHAM RIO DE JANEIRO, 24/08/2017 IBSEN FLORES LIMA DIRETOR-PRESIDENTE Agenda A Pré-Sal Petróleo S.A. Regimes Regulatórios Regime de Partilha de Produção O Pré-Sal Brasileiro

Leia mais

Aula 2 Matriz Energética Brasileira

Aula 2 Matriz Energética Brasileira 1 Matriz Energética Aula 2 Matriz Energética Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Matriz Energética Mundial 3 Matriz Energética

Leia mais

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira PARNAÍBA GÁS NATURAL Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira QUEM SOMOS A PGN é uma empresa independente de exploração e produção que opera na Bacia do Parnaíba,

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore

Leia mais

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO:

UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: UMA VISÃO INTEGRADA DO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS EM UMA ERA DE TRANSIÇÃO: ONDE ESTAREMOS EM 10 ANOS? Almoço-palestra do Comitê de Energia, Indústria Naval & Offshore

Leia mais

Visão Geral sobre E&P e o Potencial do Estado de Pernambuco

Visão Geral sobre E&P e o Potencial do Estado de Pernambuco Visão Geral sobre E&P e o Potencial do Estado de Pernambuco Florival Carvalho Diretor Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Seminário Pernambucano de Mineração, Petróleo & Gás (Recife,

Leia mais

O QUE É O PRÉ-SAL. Corcovado

O QUE É O PRÉ-SAL. Corcovado 1 O QUE É O PRÉ-SAL Grandes reservatórios de petróleo e gás natural Situados entre 5.000 e 7.000 metros abaixo do nível do mar Lâminas d'água que podem superar 2.000 metros de profundidade Abaixo de uma

Leia mais

SEÇÃO 1 Panorama Internacional. Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços. Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção

SEÇÃO 1 Panorama Internacional. Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços. Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção SEÇÃO 1 Panorama Internacional Petróleo 1.1 Reservas 1.2 Produção 1.3 Refino 1.4 Preços Gás Natural 1.5 Reservas 1.6 Produção 1 Esta seção apresenta informações sobre o desempenho da indústria mundial

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

Petrobras tem lucro líquido de R$ milhões nos nove meses de 2015

Petrobras tem lucro líquido de R$ milhões nos nove meses de 2015 Nota à Imprensa 12 de novembro de 2015 Petrobras tem lucro líquido de R$ 2.102 milhões nos nove meses de 2015 No terceiro trimestre de 2015, a Companhia apresentou prejuízo de R$ 3.759 milhões O lucro

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ATUAL POLÍTICA DE CONTEÚDO LOCAL Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia - UFRJ

CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ATUAL POLÍTICA DE CONTEÚDO LOCAL Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia - UFRJ CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ATUAL POLÍTICA DE CONTEÚDO LOCAL Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia - UFRJ Índice 1. Aspectos metodológicos 2. A experiência Internacional

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

Ministério de Minas e Energia PROPOSTA DE MODELO. Workshop sobre o Marco Regulatório do Pré-sal Marco Antonio M. Almeida. veis - MME.

Ministério de Minas e Energia PROPOSTA DE MODELO. Workshop sobre o Marco Regulatório do Pré-sal Marco Antonio M. Almeida. veis - MME. PROPOSTA DE MODELO REGULATÓRIO RIO DO PRÉ-SAL Workshop sobre o Marco Regulatório do Pré-sal Marco Antonio M. Almeida Secretário rio de Petróleo, Gás G s Natural e Combustíveis Renováveis veis - MME 01.10.2009

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS)

PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO 2012 2016 Contribuição da Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UO-BS) PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2020 Santos, 23 de outubro de 2012 MERCADO DE DERIVADOS

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

PANORAMA DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS BRASILEIRO

PANORAMA DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS BRASILEIRO PANORAMA DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS BRASILEIRO João José de Nora Souto Secretário-Adjunto da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Brasília,

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2009 I Resultados Preliminares I ano base 2008 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Impressão Flama Ramos Acabamento e Manuseio Gráfico LTDA Brasil. Empresa de Pesquisa

Leia mais

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre

mestre Clique para editar o texto Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 Clique para editar o texto mestre Clique Plano de para Negócios editar e o Gestão título mestre 2015-2019 Clique para editar o texto mestre Clique para editar o texto mestre Apresentação para Imprensa 29 de Junho de 2015 AVISOS Clique

Leia mais

Conteúdo Local. Propostas de aprimoramento

Conteúdo Local. Propostas de aprimoramento Conteúdo Local Propostas de aprimoramento Agenda Atual Cenário Dados do setor Regras de Conteúdo Local aplicadas ao setor Propostas para Rodadas Futuras Atual cenário da indústria Impactos da Crise Impactos

Leia mais

Carteira de Investimentos 2003 a 2007

Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Workshop Temático - PROMINP Carteira de Investimentos 2003 a 2007 Empresas de petróleo (exceto Petrobras) Angra dos Reis, 07 de Agosto de 2003 A carteira de investimentos prevista pela indústria de petróleo

Leia mais

Divulgação de Resultados

Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados 3º trimestre de 2010 (legislação societária) Teleconferência/Webcast Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 16 de novembro de 2010 1 AVISO Estas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º trimestre de 2015 Teleconferência / Webcast 18 de Maio de 2015 1 AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

Lucro líquido do primeiro semestre alcançou R$ 16 bilhões 21 milhões

Lucro líquido do primeiro semestre alcançou R$ 16 bilhões 21 milhões Nota à Imprensa 13 de agosto de 2010 Lucro líquido do primeiro semestre alcançou R$ 16 bilhões 21 milhões Aumento foi de 11% sobre o 1º semestre de 2009, principalmente devido ao aumento da cotação do

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

PETRÓLEO BOLETIM ENERGÉTICO MARÇO 2017 A) PRODUÇÃO, CONSUMO E SALDO COMERCIAL DO PETRÓLEO. Júlia Febraro / Fernanda Delgado

PETRÓLEO BOLETIM ENERGÉTICO MARÇO 2017 A) PRODUÇÃO, CONSUMO E SALDO COMERCIAL DO PETRÓLEO. Júlia Febraro / Fernanda Delgado PETRÓLEO Júlia Febraro / Fernanda Delgado A) PRODUÇÃO, CONSUMO E SALDO COMERCIAL DO PETRÓLEO. O mês de janeiro de 217 apresentou queda de 1,6% da produção em relação ao mês anterior e crescimento de 14%

Leia mais

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Workshop Perspectivas para o Setor de Gás Natural no Brasil São Paulo, 31 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Petróleo e derivados 10 de novembro de 2014 Expansão de produção doméstica de petróleo nos próximos anos, sustentará elevados superávits comerciais a partir de 2018 Priscila Pacheco Trigo Andréa Bastos

Leia mais

Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras

Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura Painel 4: Capitalização da Petrobras TÓPICOS PROPOSTOS 1 -PETROBRAS MARCOS ESCOLHIDOS 2 - PLANO DE INVESTIMENTO 2009/2013 E FINANCIAMENTO 3 - VALORAÇÃO

Leia mais

A Indústria de Petróleo e Gás Natural no Brasil: Situação Atual e Tendências Futuras no Contexto da Sustentabilidade Energética

A Indústria de Petróleo e Gás Natural no Brasil: Situação Atual e Tendências Futuras no Contexto da Sustentabilidade Energética A Indústria de Petróleo e Gás Natural no Brasil: Situação Atual e Tendências Futuras no Contexto da Sustentabilidade Energética Florival Rodrigues de Carvalho SPP/ANP XI Reunião Anual de ARIAE Madrid,

Leia mais

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas Novo Marco Regulatório Pré-sal e áreas estratégicas 1 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-SAL PARA O BRASIL E BRASILEIROS 2 O QUE É O PRÉ-SAL Grandes reservatórios de petróleo e gás natural Situados entre 5.000 e 7.000

Leia mais

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas.

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Recursos e Ofertas de Energia Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Base year 2004) Eng. Doutoranda Vanessa Meloni Massara

Leia mais

Apoio do BNDES para o Setor de P&G

Apoio do BNDES para o Setor de P&G Apoio do BNDES para o Setor de P&G Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Setembro / 2013 MERCADO de P&G BRASILEIRO É importante ter a dimensão desse desafio Pré-sal: um

Leia mais