Balanços Energéticos Estaduais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanços Energéticos Estaduais"

Transcrição

1 Balanços Energéticos Estaduais 2, 212, 215 Matrizes Energéticas Matrizes Emissões Indicadores CO 118% NE,554,254 tep Ministério Minas e Energia Edição 29 zembro 21 1

2 Departamento Informações e Estudos Energéticos / SPE/MME / (55 1) / MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ENERGÉTICOS Consulte: / Publicações e Indicadores / Boletins Energia, para acessar todo o material publicado 2

3 Apresentação Este documento apresenta os Balanços Energéticos Simplificados dos anos 2, 212 e 215 para as cinco (5) regiões geográficas e os vinte e sete (27) estados brasileiros, contemplando os fluxos oferta e man s fontes energia, com staque para dos produção primária, do comércio externo, oferta interna, dos centros transformação e do consumo final por setor econômico e por fonte. Abaixo dos balanços energéticos constam os dos geração energia elétrica por fonte, para centrais públicas e autoprodutoras. Adicionalmente, são apresentados gráficos s matrizes oferta interna energia por fonte, do consumo final energia por setor, oferta interna energia elétrica por fonte, do comércio externo por fonte, s emissões CO 2 por setor, além um gráfico com indicadores per capita. Ao final do documento são apresentas tabelas com indicadores absolutos, relativos, per capita, ranking e taxas crescimento entre 2 e 215, para as principais variáveis. No Brasil há estados com maior vocação para o extrativismo, para a mineração, para a agropecuária, para a indústria, para os serviços, ou combinações stas ativis. O senvolvimento econômico corrente tais vocações, o consumo energia locomotora ste senvolvimento, e as emissões CO 2 associas aos usos combustíveis fósseis, mostram indicadores que enriquecem algumas áreas conhecimento, em especial, a socioambiental. Assim, trata-se mais um instrumento do Departamento Informações e Estudos Energéticos (ex N3E) para disseminação informações energéticas executivas, coerentes e oportunas. 3

4 SUMÁRIO Página Apresentação 3 Sumário 4 Conceitos 5 Destaques Brasil 8 Norte 1 Norste 12 Suste 14 Sul 1 Centro Oeste 18 Rondônia 2 Acre 22 Amazonas 24 Roraima 2 Pará 28 Amapá 3 Tocantins 32 Maranhão 34 Piauí 3 Ceará 38 Rio G. do Norte 4 Paraíba 42 Pernambuco 44 Alagoas 4 Sergipe 48 Bahia 5 Minas Gerais 52 Espírito Santo 54 Rio Janeiro 5 São Paulo 58 Paraná Santa Catarina 2 Rio G. do Sul 4 Mato G. do Sul Mato Grosso 8 Goiás 7 Distrito Feral 72 Indicadores 74 Glossário e Unis 79 4

5 Conceitos O sempenho econômico uma região geográfica é medido pelo Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma tos as riquezas produzis em um período tempo. A man energia necessária para produzir estas riquezas é medi pela Oferta Interna Energia (OIE) (ou man total energia), que é a soma dos quantitativos tos as formas energia utilizas no mesmo período tempo. No caso OIE, a sua formação se faz pelos usos nos setores econômicos e resincial, cujo total é nominado Consumo Final Energia (CFE); e pelos usos na Indústria Energia (IE). Os usos na IE são correntes extração, produção e transporte energia para atenr aos setores econômicos e resincial. Neste documento, o CFE está sagregado em: agropecuário, industrial, serviços, transporte, resincial e usos não energéticos. Os usos IE, que corresponm a uma parcela significativa OIE, compreenm as pers energia nos processos transformação (refinarias, termelétricas, carvoarias, etc); as pers energia no transporte, distribuição e armazenagem; e o consumo próprio energia para calor processo, força motriz e iluminação, nos processos extração, produção e transporte energia. Assim, a OIE = CFE + IE Balanço Energético (BE) é a nominação internacional a um conjunto conceitos e regras uniformes que permitem consolir os quantitativos oferta e man tos as formas energia, e bem assim, obter as estruturas (matrizes energéticas) setoriais e por fonte e os níveis comércio externo energia uma região. A OIE, o CFE e os usos IE são as variáveis mais representativas do BE. No BE, a soma s importações e exportações tos as formas energia, termina se uma região ou estado tem superávit ou déficit energia (Comércio Externo). Se há superávit, significa que a Produção Primária (PP) superou a OIE. tonela equivalente petróleo = 1 Giga calorias (Gcal), é a uni padrão utiliza para a consolição dos dos energia. A lenha libera 3.1 cal/g, ou 3,1 Gcal/t, quando combustão. A gasolina libera 1,4 Gcal/t. A razão entre o indicador lenha e o do petróleo resulta em,31 tep/t, fator que converte tonelas lenha em tep. Para a gasolina, o fator é 1,4 tep/t. Este é o critério para se obter a soma dos quantitativos tos as formas energia na uni padrão tep. As emissões CO 2 são calculas a partir coeficientes que são obtidos s reações químicas que ocorrem quando combustão ca fonte energia em presença do oxigênio do ar. Os coeficientes dos diferentes tipos carvões ficam entre 3,5 e 4 tco 2 /tep; os petróleo e rivados entre 2,5 e 3,4 tco 2 /tep e os gás natural entre 2 e 2,4 tco 2 /tep. Estes indicadores, aplicados aos dos do Balanço Energético, permitem obter as emissões totais e por setor econômico uma região. 5

6 Destaques entre 2 e 215 No Brasil, 2 a 215 e em termos equipamentos e movimentação energia, a maior taxa crescimento ao ano (aa) ocorreu no aumento frota veículos leves, 5,5% aa. Os usos Indústria Energia (IE) - pers e consumo próprio-, cresceram a 5% aa, em razão expansão s ativis exploração e produção petróleo e gás, do aumento produção etanol e do aumento geração termelétrica. O baixo regime chuvas ocorrido a partir 211 sencaou a necessi forte geração por termelétricas e respectivas pers térmicas. A produção energia primária (PP) cresceu a 4,2% aa e a Oferta Interna Energia (OIE) - ou man total energia-, a 3,1% aa, o que proporcionou recuo significativo nas necessis externas energia do Brasil, 41,5 Mtep em 2 (22% déficit), para 23,1 Mtep em 215 (7,7% déficit). As emissões CO 2, pelo uso energia, cresceram a 2,9% aa, mostrando taxa inferior à man energia. Assim, o indicador tco 2 /tep OIE recuou 1,1 em 2, para 1,5 em 215. As regiões Norte (N) e Norste (NE) apresentaram crescimento PP energia inferiores ao crescimento OIE, o que elevou a pendência externa. A região Centro Oeste (CO) mostrou a maior taxa expansão PP, 9,5% aa, e também a maior taxa OIE (5,% aa), tendo na indústria cana a principal razão. Rondônia mostrou o maior indicador PP energia (17,3% aa), em razão expansão geração hidráulica Jirau e Santo Antonio. Tocantins também teve taxa alta na PP, 15,% aa, mostrando fortes expansões na geração hidráulica e no setor sucroalcooleiro. O Rio Gran do Norte teve recuo 1,9% aa na PP energia, como consequência reduções na produção petróleo e gás natural. Sergipe (-1,9% aa) e Pernambuco (-,8% aa) também mostram taxas negativas, em razão redução geração hidráulica. Em energia per capita, enquanto a OIE do Brasil cresceu a 1,8% aa 2 a 215, o Consumo Final Energia (CFE) cresceu a apenas 1,3% aa. De fato, os usos na IE, que completam a OIE, cresceram 3,7% aa, correntes crescimentos nas ativis produção petróleo, gás e etanol, e aumentos sucessivos na geração termelétrica e respectivas pers térmicas. A região Sul (S) foi a única que apresentou taxa IE abaixo taxa do CFE, tendo como principal causa um baixo crescimento relativo na geração termelétrica, consequência forte aumento na geração hidráulica. A maior expansão no CFE per capita ocorreu em Tocantins (4,9% aa), como resultado um bom equilíbrio nas taxas,4% aa indústria, 5,% aa do transporte e 5,4% aa agropecuária. O pior sempenho do CFE per capita ocorreu em Alagoas, apenas,3% aa, tendo como principal causa a redução nas ativis do setor sucroalcooleiro. A maior taxa crescimento do consumo per capita energia elétrica (EE) - exclusive a IE-, ocorreu em Tocantins (5,4% aa), vindo em segui Rondônia (5,2% aa) e Mato Grosso (4,7% aa). No Maranhão houve créscimo 1,2% aa no indicador, como consequência que na produção alumínio. Minas Gerais teve o 2º pior indicador, apenas,7% aa positivo, em razão

7 baixa performance sirurgia, ai também incluído o alumínio. No Brasil, as emissões per capita dióxido carbono (CO 2 ) cresceram 1,% aa entre 2 e 215, taxa inferior à OIE, 1,8% aa. A região NE apresentou a maior taxa emissões, 4,1% aa, muito superior à taxa OIE (2,1% aa) aumento geração termelétrica por combustíveis fósseis foi a principal razão. A região Suste (SE) apresentou o menor indicador emissões per capita (,8% aa), para uma OIE com indicador 1,5% aa. O Maranhão ficou com o maior incremento per capita emissões (8,1% aa), e o Ceará com o 2ª maior (7,8% aa), ambos tendo na expansão termelétrica fóssil a razão principal. Roraima apresentou recuo 3,% aa no indicador, em função redução relativa geração termelétrica fóssil. O consumo gasolina equivalente veículos leves do ciclo Otto cresceu, no Brasil, a 3,4% aa em termos per capita, entre 2 e 215, e recuou,4% aa em termos energia por veículo, o que mostra maior acesso população baixa ren ao mercado automóveis. As regiões NE e N apresentaram as maiores taxas per capita, 5,4% aa e 4,9% aa, respectivamente. O que chama a atenção é que estas duas regiões foram as únicas que apresentaram crescimento no consumo por veículo,,2% aa e,1% aa, mostrando que a frota ain está muito concentra nas classes maior ren. Observe-se que em 215 o Maranhão consumiu 2,25 m³ gasolina equivalente por veículo do ciclo Otto (o maior), indicador mais do dobro do verificado no Rio Gran do Sul, 1, (o menor). Em 2, a relação entre o maior indicador e o menor era 1,7. Três usos energia estão diretamente vinculados à quali vi população, o consumo per capita EE resincial, o consumo per capita energia em serviços e o consumo per capita energia em veículos leves. Nos três indicadores, as regiões NE e N, as menos senvolvis, apresentaram as maiores taxas crescimento ao ano entre 2 e 215. Na EE resincial per capita, o NE ficou com 3,3% aa, e o N (2,7% aa), ficando o Suste (SE) com,% aa (a menor). Nos serviços, o N ficou com 3,1% aa, e o NE (3,% aa), ficando o SE com 1,5% aa (a menor). No consumo dos veículos leves do ciclo Otto, o NE ficou com 5,4% aa e o N (4,9% aa), ficando o SE com 2,7% aa (a menor). Ain no mesmo período, o N apresentou a maior taxa crescimento frota veículos leves (7,2% aa), segui do NE (,7% aa). O SE ficou com a menor taxa (5,% aa). Em termos estados, o maior aumento frota veículos leves ocorreu no Piauí (9,5% aa), seguido Tocantins (9,2%) e Maranhão (9,% aa). A menor expansão ocorreu no Rio Janeiro (4,7% aa). Piauí (8,9% aa), Maranhão (7,9% aa) e Tocantins (,9% aa) foram os estados com os maiores incrementos no consumo per capita energia do ciclo Otto. Maranhão (,% aa) e Piauí (,5% aa) apresentaram incrementos no consumo por veículo. Já Tocantins apresentou recuo,5% aa. A IE e seus respectivos usos energia (consumo próprio e pers) têm pouco significado na quali vi população, por serem cíclicos em algumas circunstâncias, intensivos em capital e baixa participação do trabalho no valor agregado. Em 215, por exemplo, 52% to a man energia do Amazonas se veram a pers e consumo próprio IE (expansão geração termelétrica). No Rio Janeiro, o indicador foi 43% (indústria petróleo), e no Brasil 22%. No Ceará, o indicador passou 12,3% em 2 para 2,% em 215 (expansão geração termelétrica), e no Mato Grosso do Sul, 15,8 a 33,8%, respectivamente (expansão produção etanol e geração termelétrica). 7

8 Brasil 2 (mil tep) Brasil. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) - Brasil Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 8

9 215 (mil tep) Brasil. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 37 Resinciaçoporttriagético Servi- Trans- Indús- Agro Ener- 5 Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ Cana O.Bio Solar Imp. EE 9 11 Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,1,93 1,122 1,4 1,83 2,38 2,282 3, , 1, 2, 3, 4,

10 Norte 2 (mil tep) Norte. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) -3-3 Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) Norte. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 1

11 215 (mil tep) Norte. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit -85 Eletrici -78 Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 19 Resinciaçoporttriagético Servi- Trans- Indús- Agro Ener- Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ. 1 1 Cana O.Bio Solar Imp. EE Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,11,18,7 1,298 1,118 1,5 1, ,714,,5 1, 1,5 2, 2,5 3, 11

12 Norste 2 (mil tep) Norste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) Norste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 12

13 215 (mil tep) Norste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit 215 Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 34 Resinciaçoporttriagético Servi- Trans- Indús- Agro Ener- Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ Cana O.Bio Solar Imp. EE Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,131,127,85,7,91 1,397 1,5 1, ,,5 1, 1,5 2, 2,5 13

14 Suste 2 (mil tep) Suste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) Suste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 14

15 215 (mil tep) Suste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 4 Resinciaçoporttriagético Servi- Trans- Indús- Agro Ener Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ Cana O.Bio Solar Imp. EE 32 Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,1,89 1,4 1,423 2,282 2,423 3,12 3, , 1, 2, 3, 4, 15

16 Sul 2 (mil tep) Sul. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) -4-4 Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias -1-1 Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) -7-7 Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) Sul. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias -5-5 Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 1

17 215 (mil tep) Sul. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 22 Resinciaçoporttriagético Servi- Trans- Indús- Agro Ener- Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ Cana O.Bio Solar Imp. EE 17 Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,93,93 2,399 3,32 2,57 2, , ,288 2, 1, 2, 3, 4,

18 Centro Oeste 2 (mil tep) Centro Oeste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias - - Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) Centro Oeste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 18

19 215 (mil tep) Centro Oeste. Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit 25 Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Indústria 14 Resinciaçoporttriagético 2 4 Servi- Trans- Indús- Agro Ener- 8 Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ Cana O.Bio Solar Imp. EE Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,94,,997 1,8 1,71 1,711 2,27 2, , 1, 2, 3, 4,

20 2 (mil tep) - Rondônia Rondônia Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias -9-9 Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) - Rondônia Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias -1-1 Destilarias -5 4 Transformações (f) 7-7 Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 2

21 215 (mil tep) - Rondônia Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias Destilarias -5 5 Transformações (f) 4-3 Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão Oferta Intena Energia - OIE (%) Óleo O.Ñ Cana O.Bio Imp. EE Comércio Externo Energia (% man ca fonte) superávit déficit -21 Eletrici Óleo Consumo Final Energia por Setor (%) Emissões CO 2 por Ativi (%) Outros Geração EE Resincial Serviços Indústrial Agro 3 2 Energético Indústria Oferta Interna Energia Elétrica - OIEE (%) - inclui pers Óleo O.Ñ. 41 Cana O.Bio Solar Imp. EE 21 Indicadores tep OIE/mil US$ MWh OIEE/hab tco2/hab tep OIE/hab,13,9,94 1,3 1,131 1,54 2,35 2, ,,5 1, 1,5 2, 2,5 3,

22 2 (mil tep) - Acre Acre Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE Carvoarias -3-3 Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes -1-1 Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos 9 9 Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 212 (mil tep) - Acre Eletrici Produção Comércio Externo (d) Variação Estoques Reinjeção (e) Oferta Interna Energia Indústria Energia Refinarias Plantas Coquerias Centrais Públicas EE Auprodutores EE -1-1 Carvoarias -4-4 Destilarias Transformações (f) Pers e Ajustes Consumo Próprio Consumo Final Energia Indústria Metalurgia Resincial Serviços Agropecuário Usos Energéticos 1 1 Geração Energia Elétrica - TWh Centrais Públicas Autoprodutores (g) 5 1 (a) Inclui bagaço, caldo e melaço b) Inclui gás alto forno, aciaria, enxofre e ci c) Inclui resíduos maira, lixívia, casca arroz, biodiesel, biogás, outros d) Se positivo= importação, e vice- versa (e) Inclui não aproveita (f) Inclui Ciclo do Combustível Nuclear e outros centros (g) não renováveis inclui gás alto forno, aciaria, coqueria, refinaria, enxofre, nafta e alcatrão 22

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA

POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA PLANO NACIONAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA Seminário do Setor Elétrico Painel 3: Novos Rumos do Setor Elétrico: Expansão da Geração, Desafios e Oportunidades

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Balanço Energético Nacional ano base 2004 : : sumário executivo

Balanço Energético Nacional ano base 2004 : : sumário executivo Balanço Energético Nacional 2005 ano base 2004 : : sumário executivo Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Silas Rondeau Cavalcante Silva Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2016

Balanço Energético Nacional 2016 Balanço Energético Nacional 2016 Relatório Síntese ano base 2015 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2016 BEN 2016 Destaques ano base 2015 Ministério de Minas e Energia MME

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2018

Balanço Energético Nacional 2018 Balanço Energético Nacional 2018 Relatório Síntese ano base 2017 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2018 Destaques ano base 2017 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2017

Balanço Energético Nacional 2017 Balanço Energético Nacional 2017 Relatório Síntese ano base 2016 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Junho de 2017 BEN 2017 Destaques ano base 2016 BEN 2016 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA AMCHAM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: PROJETOS, DETERMINAÇÕES E INVESTIMENTOS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA A EFICICIÊNCIA ENERGÉTICA A Matriz Energética,

Leia mais

Ranking de salário dos Tribunais de Justiça nos Estados e DF - Junho 2018 SS JUSTIÇA MG

Ranking de salário dos Tribunais de Justiça nos Estados e DF - Junho 2018 SS JUSTIÇA MG Ranking de salário dos Tribunais de Justiça nos Estados e DF - Junho 2018 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Junho 2018 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estaduais posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 609, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 609, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 609, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 Ementa: Aprova o Orçamento Programa do Exercício de 2015 dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia. O CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA, no uso das atribuições

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2010 I Resultados Preliminares I ano base 2009 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Brasil.

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão

Contabilizando para o Cidadão Gasto Médio por Deputado Estadual - Assembleias Legistativas Estaduais - Ano 2017 R$17,5 R$16,9 R$15,9 Gasto Médio Anual por Deputado Estadual (em Milhões de R$) Média Nacional - Gasto Anual por Deputado

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2009 I Resultados Preliminares I ano base 2008 Editoração I Graficci Programação Visual LTDA Impressão Flama Ramos Acabamento e Manuseio Gráfico LTDA Brasil. Empresa de Pesquisa

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

Balanço Energético Nacional

Balanço Energético Nacional 2008 Balanço Energético Nacional Sumário Executivo ano base 2007 Balanço Energético Nacional 2008 ano base 2007 : : sumário executivo Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Édison Lobão Secretário

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso

Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica. Carlos Marcelo Pedroso Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Carlos Marcelo Pedroso http://www.eletrica.ufpr.br/pedroso Introdução Ecologia, Ambiente e Engenharia Elétrica Programa detalhado Critérios de Avaliação Participação

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

DEFINIÇÃO DO NÚMERO DE ATERROS REGIONAIS BRASIL. Obras

DEFINIÇÃO DO NÚMERO DE ATERROS REGIONAIS BRASIL. Obras DEFINIÇÃO DO NÚMERO DE REGIONAIS BRASIL Aplicada a metodologia descrita nos itens. a. para todos os Estados dos Brasil e para o Distrito Federal, se obteve os números totais de aterros regionais para cada

Leia mais

Produto Interno Bruto

Produto Interno Bruto Produto Interno Bruto 2000 2001 2002 2003 * * Participação do RS no PIB do BR Participação (%) São Paulo 32,2 Rio de Janeiro 11,6 Minas Gerais 8,9 Rio Grande do Sul 6,2 Paraná 6,0 Santa Catarina 4,2 Bahia

Leia mais

O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 20 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2004, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED

Síntese de indicadores. nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores nº 1 setembro 2012 CAGED Síntese de indicadores CAGED Apresentação A partir deste mês, os Observatórios do Trabalho do DIEESE passam a divulgar a Síntese de Indicadores, com resultados

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 24 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2008, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

O 23 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2007, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 23 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2007, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA HORISTA % GRUPO A ACRE B1 Repouso Semanal Remunerado 18,06 0,00 18,06 0,00 B2 Feriados 4,77 0,00 4,77 0,00 B3 Auxílio - Enfermidade 0,91 0,69 0,91 0,69 B4 13º Salário 10,97 8,33 10,97 8,33 B7 Dias de Chuvas 1,68 0,00 1,68

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Observatório da Indústria Mato-Grossense

Observatório da Indústria Mato-Grossense CAGED 2018: Análise do fluxo de empregos em Mato Grosso O estoque de empregos do setor industrial de Mato Grosso (148.488 funcionários com carteira assinada) representou 22% do total do estado (683.772

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão

Contabilizando para o Cidadão 14,6% 14,5% 14,0% 14,0% 13,2% 13,1% 12,1% Contabilizando para o Cidadão Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Estado - Ano 2017 50,00% 48,6% Nº de Famílias Beneficiadas

Leia mais

O 22 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2006, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da

O 22 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 2006, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da O o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais BEEMG, ano base 00, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Agosto de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Agosto de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos - Março de Inadimplência com cheques atinge 2,32% em março, aponta Serasa Experian

Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos - Março de Inadimplência com cheques atinge 2,32% em março, aponta Serasa Experian Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos - Março de 2015 Inadimplência com cheques atinge 2,32% em março, aponta Serasa Experian É o 4º pior março de toda a série histórica, iniciada em 1991 São

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Setembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Setembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Setembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Setembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6.

Produção Brasileira de Melão por Estado 2007 Estados Área (ha) Volume (Ton) Valor (Mil R$) Rio Grande do Norte Ceará 6. Produção Brasileira de Abacaxi por Estado 2007 Pará 15.462 701.948 125.596 Paraíba 11.600 625.527 150.054 Minas Gerais 7.593 596.668 127.597 Bahia 6.430 282.634 63.185 São Paulo 3.620 271.380 76.161 Rio

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS ELÉTRICOS SBSE 2012 PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Políticas do MME e a Matriz Energética Nacional Altino Ventura

Leia mais

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa

Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa BIJ-0207 Bases Conceituais da Energia Aula 02 Fontes de energia primária, cadeia energética e hidrelétrica, eólica, nuclear e biomassa Prof. João Moreira CECS - Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 A Sustentabilidade Energética nas Empresas: Desafios e Oportunidades Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 21 de Setembro de 2017 Curitiba, PR 3 CONTEÚDO 1. CONCEITOS Sustentabilidade Governança

Leia mais

UTILIZAÇÃO INDUSTRIAL E COMERCIAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS

UTILIZAÇÃO INDUSTRIAL E COMERCIAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS UTILIZAÇÃO INDUSTRIAL E COMERCIAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS Renato Augusto Pontes Cunha Recife, 26 de Abril de 2017. O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE ESTRUTURA PRODUTIVA: 371 Indústrias PRODUTORES DE CANA DE - AÇÚCAR:

Leia mais

ção: Motivaçõ ções e Metas

ção: Motivaçõ ções e Metas Equidade e Eficiência Educaçã ção: Motivaçõ ções e Metas RANKINGS REGIONAIS MOTIVOS DE EVASÃO Ranking Motivo de Evasão: TRABALHO (Demanda1) TOTAL BRASIL 1,43 0 a 17 anos 1 Minas Gerais 2,27 2 Pernambuco

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Julho de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Julho de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 18 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2002, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2012

Contas Regionais do Brasil 2012 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2012 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio de Janeiro, 14/11/2014 Contas Regionais do Brasil Projeto

Leia mais

Econômico Contabilidade Nacional

Econômico Contabilidade Nacional Tabela 3.7.1 - Produto Interno Bruto a preço de mercado corrente (milhões de R$), do e Estados da região Norte - 2008-2011 Acre Roraima 3.032.205 3.239.404 3.770.085 4.143.013 154.251 163.207 201.511 230.011

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

Balança Comercial Mineral da Amazônia. IBRAM AMAZÔNIA Belém, janeiro de 2009.

Balança Comercial Mineral da Amazônia. IBRAM AMAZÔNIA Belém, janeiro de 2009. Balança Comercial Mineral da Amazônia 2008 IBRAM AMAZÔNIA Belém, janeiro de 2009. Balança Comercial da Indústria Extrativa e de Transformação Mineral Em US$ FOB - 2008 Brasil Amazônia Legal Exportação

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov Brasil. 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical

INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov Brasil. 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Jan-Nov 2014 - Brasil 19/12/2014 Subseção DIEESE - Força Sindical Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério

Leia mais

O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através

O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através O 19 o Balanço Energético do Estado de Minas Gerais - BEEMG - Ano Base 2003, foi elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas,

Leia mais

Análise do Emprego Industrial FEVEREIRO/2018 JAN-FEV 2018

Análise do Emprego Industrial FEVEREIRO/2018 JAN-FEV 2018 Análise do Emprego Industrial FEVEREIRO/2018 Santa Catarina encerra o mês de fevereiro com o maior saldo de empregos na Indústria de Transformação, 12.041 novas vagas de trabalho. No ano já são mais de

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Dezembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Dezembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Dezembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Dezembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Relatório da Frota Circulante 2017

Relatório da Frota Circulante 2017 I Frota circulante total O Relatório da Frota Circulante, elaborado pelo Sindipeças com dados até 2016, apontou aumento de 0,7% na frota de autoveículos brasileira, em comparação com 2015, registrando

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão

Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Atualização do custo total dos acidentes de trânsito no Brasil O presente documento tem por

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Fevereiro de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Fevereiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Plano Nacional de Energia 2030 Mauricio Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética EPE Brasília, 2007 Metodologia geral Módulo Macroeconômico Cenários

Leia mais

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 13,07 13,08 13,07 13,09 13,09 13,08 13,08 13,09 13,23 13,23 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 15,26 15,27 15,26 15,27 15,28 15,26

Leia mais

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16

jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 13,07 13,08 13,07 13,09 13,09 13,08 13,08 13,09 13,23 13,23 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 15,26 15,27 15,26 15,27 15,28 15,26

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Janeiro de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN. Janeiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Janeiro de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Janeiro de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Números do cooperativismo

Números do cooperativismo Números do cooperativismo Por ramo de atividade (Dez/) Ramo Cooperativas Associados Empregados Agropecuário 1.615 942.147 138.829 Consumo 128 2.304.830 9.702 Crédito 1.100 3.497.735 42.802 Educacional

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Maio de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Maio de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Maio de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Maio de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores antecedentes,

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Março/2013 (dados até Fevereiro) Sumário Executivo (entrevistas realizadas em fev/13) Este relatório resulta das entrevistas realizadas no mês

Leia mais

Autor: Nicholas Davies, prof. da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ

Autor: Nicholas Davies, prof. da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ REDE ESTADUAL DE ENSINO DO RJ É A QUE MAIS DIMINUIU NO BRASIL (-34,7%) NA EDUCAÇÃO BÁSICA ENTRE 2006 E 2012, COM PERDA DE 516.471 MATRÍCULAS, PORÉM A REDE PRIVADA DO RJ FOI A QUARTA QUE MAIS CRESCEU (193.73

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Fevereiro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Análise do Emprego Industrial JANEIRO/2019. Geração de empregos bate recorde no mês e aponta para um ano de maior crescimento da economia

Análise do Emprego Industrial JANEIRO/2019. Geração de empregos bate recorde no mês e aponta para um ano de maior crescimento da economia Análise do Emprego Industrial JANEIRO/2019 Geração de empregos bate recorde no mês e aponta para um ano de maior crescimento da economia O mercado de trabalho de Santa Catarina registrou a abertura de

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro) Sumário Executivo Os dados desse relatório são apresentados da ordem geral para específico, ou seja, apresenta

Leia mais

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH

FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH FÓRUM DA MATRIZ ENERGÉTICA Tendências Dificuldades Investimentos Política para Energias Alternativas: Biomassa, Solar, Eólica, Nuclear, Gás, PCH Amilcar Guerreiro Empresa de Pesquisa Energética, Diretor

Leia mais

O Comércio de Serviços do Brasil

O Comércio de Serviços do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços IV Seminário Estadual de Negócios Internacionais do Paraná O Comércio de Serviços do Brasil Curitiba, 17 de

Leia mais

Brasil Em Números. Maio 2014

Brasil Em Números. Maio 2014 Brasil Em Números Maio 2014 Dados gerais Nome oficial - República Federativa do Brasil Capital: Brasília, localizada no Distrito Federal, Centro-Oeste do país e inaugurada oficialmente em 1960 Idioma:

Leia mais

Resumo de vendas realizadas pelo Produtor por Safra, Origem e Destino

Resumo de vendas realizadas pelo Produtor por Safra, Origem e Destino Resumo de vendas realizadas pelo Produtor por Safra, Origem e Destino em toneladas Data* ORIGEM SAFRAS 6/26/2019 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2020/2021 2021/2022 2022/2023 TOTAL MERCADO INTERNO Bahia

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Coordenadoria de Defesa da Concorrência. jan/02 fev/02 mar/02 abr/02 mai/02 jun/02 jul/02 ago/02 (¹) ago/02 (²) set/02 out/02 nov/02 dez/02

Coordenadoria de Defesa da Concorrência. jan/02 fev/02 mar/02 abr/02 mai/02 jun/02 jul/02 ago/02 (¹) ago/02 (²) set/02 out/02 nov/02 dez/02 Brasil Preço de Realização do Produtor 8,08 8,10 8,09 7,72 7,73 8,44 8,91 8,97 8,24 8,27 8,51 10,53 11,31 CIDE (1,32) (1,33) (1,32) - - - - - - - - - - PIS/COFINS 1,32 1,33 1,32 1,51 1,51 1,65 1,74 1,76

Leia mais

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011

PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 PIB BAIANO TOTALIZOU R$ 159,9 BILHÕES EM 2011 INTRODUÇÃO A SEI divulga, em parceria com o IBGE e demais institutos de pesquisas e estatísticas do país, os dados relativos ao PIB do ano de 2011. Mais uma

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Jan-Jul Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 25/08/16

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Jan-Jul Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 25/08/16 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Jan-Jul 2016 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 25/08/16 Estoque de Empregos RAIS Brasil Estoque de emprego, setor de atividade - Brasil Setores

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17

jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos e Regulação dos preços Econômica de GLP - SDR (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 13,24 13,25 13,88 14,64 14,64 15,51

Leia mais

olução preço tijão de 13 kg) jan/18 Brasil Preço de Realização do Produtor 3,96 CIDE PIS/COFINS Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS ICMS

olução preço tijão de 13 kg) jan/18 Brasil Preço de Realização do Produtor 3,96 CIDE PIS/COFINS Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS ICMS Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos preços e Regulação de Econômica GLP (R$- SDR / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 23,96 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS

Leia mais

olução preço tijão de 13 kg) jan/18 fev/18 mar/18 Brasil Preço de Realização do Produtor 3,96 3,28 3,32 CIDE PIS/COFINS

olução preço tijão de 13 kg) jan/18 fev/18 mar/18 Brasil Preço de Realização do Produtor 3,96 3,28 3,32 CIDE   PIS/COFINS Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos preços e Regulação de Econômica GLP (R$- SDR / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 23,96 23,28 23,32 Preço do Produtor

Leia mais

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos preços e Regulação de Econômica GLP (R$- SDR / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 23,96 23,28 23,32 22,39 22,34 22,35

Leia mais

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 ago/18 set/18 out/18 nov/18

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 ago/18 set/18 out/18 nov/18 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos preços e Regulação de Econômica GLP (R$- SDR / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 23,96 23,28 23,32 22,39 22,34 22,35

Leia mais

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18

jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 Superintendência de Defesa da Concorrência, Evolução Estudos preços e Regulação de Econômica GLP (R$- SDR / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 23,96 23,28 23,32 22,39 22,34 22,35

Leia mais