SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008"

Transcrição

1 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008

2 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO FEDERAL E NO ESTADO DE GOIÁS - CONTRATO TT-107/07-00

3 ANTECEDENTES DO SAU O DNER editou um Manual de Resgate de Acidentados para normatizar os serviços de atendimento a usuários e servir de orientação A partir da concessão de rodovias se tornou obrigação das concessionárias O DNIT deve proporcionar garantia da fluidez e a segurança do tráfego O DNIT, precedendo o lançamento de um PROGRAMA NACIONAL, concebeu um Projeto Piloto a ser aplicado em trechos rodoviários com CARACTERÍSTICAS DIVERSAS O Projeto Piloto, como experiência inicial abrangeria a modelagem da operação e a estruturação de parcerias, viabilizando a implantação em ESCALA NACIONAL

4 COMPONENTES DO PROJETO PILOTO Experiência inicial a ser avaliada para posterior extensão a toda malha da Rede Rodoviária federal, contendo: Serviços de atendimento a usuários Apoio ao gerenciamento da segurança da operação em rodovias federais Elaboração de uma base de dados Base de dados com os vários parâmetros da operação viária para modelagem do Programa Nacional, contendo: Indicadores Operacionais para os padrões de desempenho: Tempo de ciclo da inspeção Tempo médio de espera de atendimento Equipamentos e Equipes para os diferentes níveis de tráfego (relação do padrão de atendimento e custo do serviço) Definição do menor nível de tráfego médio que justifique a operação Formas de parcerias para a redução dos investimentos (recursos oriundos de publicidade controlada, uso da faixa de domínio por terceiros, etc.)

5 CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DAS RODOVIAS Confiabilidade dos dados coletados obtida com a operação de trechos de diferentes características (pista dupla, pista simples com tráfego local ou de longa distância predominante, próximos e afastados de grandes centros urbanos) Monitoramento e avaliação contínua Proximidade da base de organização do Projeto Piloto VMD superior a veículos por dia Selecionadas as rodovias BR-040/DF-GO, BR-060/DF-GO e BR- 153/GO

6 ÁREA DE ABRANGÊNCIA TOTAL 421,2 Critério: VMD>4.000

7 QUAIS OS OBJETIVOS Serviços de Campo para formação do Banco de Dados Apoio ao DNIT na operação das rodovias Dar segurança operacional ao usuário Proporcionar fluidez ao tráfego Prestar apoio ao usuário da rodovia Implantação dos Sistemas de Suporte Estruturação do Banco de Dados Modelagem do Programa Nacional

8 QUAL O ESCOPO DOS SERVIÇOS Montagem da estrutura operacional Disponibilização das viaturas para execução e coordenação de ações de inspeção rodoviária, atendimento a usuários e remoção de veículos Montagem e operação do CCO Montagem e operação do sistema de informações Serviços de inspeção rodoviária Serviços de remoção de veículos enguiçados ou danificados (cuidados quanto à sinalização, fluidez e segurança do tráfego Coordenação das ações para o atendimento de vítimas Estudos e proposições de soluções relativas à segurança de tráfego

9 Monitoramento das ações de resgate e estruturação da base de dados de registros estatísticos Elaboração de relatórios mensais apresentando resultados estatísticos e análises e observações da operação nos trechos Relatórios de avaliação a cada 6 meses com análise de custos e benefícios Elaboração da modelagem para do Programa Nacional, com: Manual de especificações das tarefas e encargos Padrões e parâmetros operacionais Critérios para viabilização dos serviços e proposição de medidas e procedimentos para uso de fontes de receita alternativas Configuração do Programa a nível nacional Apoio à realização de Seminários para apresentação e debate sobre a modelagem e os instrumentos técnicos desenvolvidos Relatório Final do Projeto Piloto com os resultados obtidos e consolidando todos os elementos técnicos decorrentes

10 PRODUTOS POR FASE DE EXECUÇÃO FASE I Estruturação e Operação Inicial de Serviços para Especificação de Parâmetros FASE II Desenvolvimento de Operação Monitorada com Parâmetros de Desempenho FASE III Elaboração da modelagem para o Projeto Básico do Programa Nacional

11 FASE I - Estruturação e Operação Inicial de Serviços para Especificação de Parâmetros Montagem da Estrutura de Operação Projeto do Sistema de Comunicações Módulo Interno para monitoramento de veículos em serviço Módulo Externo para comunicações com DNIT e outros órgãos Módulo de acionamento por usuários Projeto do Sistema de Informações Estruturação do banco de dados Subsistema de apoio ao monitoramento dos serviços Cadastro de infra-estrutura de retaguarda para acidentados Subsistema de avaliação técnica e estatística Subsistema de coordenação de ações de resgate Subsistema de informações georeferenciadas para usuários

12 Estudos e diagnóstico sobre segurança nos trechos do Programa Relatório de avaliação semestral Apoio à realização de seminário interno ao DNIT Relatório conclusivo da 1ª Fase

13 FASE II Desenvolvimento de Operação Monitorada com Parâmetros de Desempenho Proposições de soluções de engenharia e/ou operacionais Projeto de boletins de operação Análise do potencial de geração de recursos Avaliação dos problemas de operação nas travessias urbanas Estudo de regulamentação do uso da publicidade Apoio à realização de seminário interno ao DNIT Relatório conclusivo da 2ª Fase

14 FASE III Elaboração da Modelagem para o Projeto Básico do Programa Nacional Levantamento e caracterização de fontes de recursos Receitas Alternativas Receitas Complementares Receitas Acessórias Receitas de Projetos Associados Definição de padrões e parâmetros operacionais Manual de especificações das tarefas e encargos Critérios para viabilização dos serviços Apoio à realização de seminário interno ao DNIT Apoio à realização de seminário externo Relatório final do trabalho

15 EXECUÇÃO DO PROJETO PILOTO ESTRUTURAÇÃO OPERACIONAL DO CONSÓRCIO

16 Implantação do CCO no Edifício do Shopping Pátio Brasil Elaboração do projeto de comunicação visual para a solidificação do produto SAU Aquisição do número Contratação e Alocação de Pessoal (57 colaboradores) Montagem da infra-estrutura no CCO Servidor e computadores DELL Laptop HP Veículos Equipamentos de monitoramento e rastreamento Serviços de Engenharia de Campo Levantamento da cobertura de comunicação Cadastramento de hospitais Cadastramento de pontos referenciais ao longo de rodovia Discussão e análise com DNIT, UNIT e PRF do modus-operandi Determinação dos pontos base Desenvolvimento e Implantação dos Softwares dos Sistemas SAU e de Monitoramento e Rastreamento

17 CENTRO DE CONTROLE DE OPERAÇÕES (CCO)

18 FUNÇÃO DO CCO Manter-se inteirado de qualquer evento na rodovia, buscando programar as vistorias e providências, de modo a minimizar quaisquer problemas de tráfego

19 ESTRUTURAÇÃO DO CCO Veículos de Inspeção e de Remoção DNIT Corpo de Bombeiros e Defesa Civil Centro de Controle de Operações CCO Usuários da Rodovia Hospitais de Retaguarda DPRF

20 RESPONSABILIDADE DO CCO Coordenação e controle das operações normais ou emergenciais, executadas no sistema rodoviário para garantir sua fluidez do tráfego e a segurança do usuário, compreendendo: Recepção e a análise das informações Transmissão de instruções Acionamento de recursos e providências necessárias Cadastramento das informações Aciona a PRF, Hospitais Públicos, DNIT, SAMU, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, etc Prestação de atendimento telefônico aos usuários das rodovias e demais interessados

21 SISTEMA DE GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÕES

22 COMPONENTES Sistema de Monitoramento e Rastreamento Sistema de Gerenciamento Equipamentos de Monitoramento e Rastreamento em cada veículo via GSM/GPRS e GPS Telefones celulares PMVs

23 MONITORAMENTO E RASTREAMENTO

24 MONITORAMENTO E RASTREAMENTO

25 SISTEMA DE GERENCIAMENTO CADASTRAMENTO DO EVENTO

26 SISTEMA DE GERENCIAMENTO MONITORAMENTO DO EVENTO

27 SISTEMA DE GERENCIAMENTO CADASTRAMENTO DE VEÍCULOS E REFERÊNCIAS COM IMAGEM

28 EQUIPAMENTO EMBARCADO Rastreamento 24 x 7 de todos os veículos via satélite

29 SERVIÇOS DE INSPEÇÃO PERMANENTE DA RODOVIA

30 EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO E APOIO AO USUÁRIO Utilitários (5) Veículos de apoio (2) Veículos para supervisão (2) Guinchos leves (5) Guincho pesado (1)

31 O QUE FAZ O SERVIÇO DE INSPEÇÃO E OPERAÇÕES DE TRÁFEGO? Proporciona ao usuário da rodovia, segurança, conforto e fluidez do tráfego

32 O QUE POSSUI O UTILITÁRIO? Monitoramento e Rastreamento via satélite e Comunicação Sinalizador Baú c/ ferramentas Cambão

33 O QUE FAZ O SERVIÇO DE INSPEÇÃO E OPERAÇÕES DE TRÁFEGO? Presta apoio aos usuários nas estradas Inspeciona a faixa de domínio e a não edificável Verifica ocorrências, solucionando-as se possível, sinalizando o local e prestando apoio aos demais serviços envolvidos Informa sobre a situação de sinalização de obras na rodovia Informa ao DNIT das excepcionalidades encontradas na faixa Acompanha e monitora o transporte de cargas e/ou veículos especiais Sinaliza a pista, em situações de emergência e/ou sempre que necessário Remove das pistas pequenos objetos e entulhos visando a fluidez e segurança no tráfego

34 O QUE FAZ O SERVIÇO DE INSPEÇÃO E OPERAÇÕES DE TRÁFEGO? Presta apoio às equipes de conservação, auxiliando na sinalização e nos desvios de tráfego Inspeciona as áreas dos serviços do sistema Inspeciona e detecta sinistros e imprevistos (queda de barreiras, incêndios, etc.)

35 O QUE FAZ O FISCAL DE PISTA? Realiza inspeções visuais nas estradas, identificando as condições de pavimentação, objetos estranhos, limpeza e conservação das cercas, sinalização, etc. Providencia a remoção de objetos estranhos na pista Toma providências emergenciais em sinistros para garantir o imediato restabelecimento da fluidez a segurança no tráfego Orienta e apóia os usuários para o adequado estacionamento em acostamentos e locais próximos à rodovia Solicita os serviços de remoção dos veículos e de obstruções Presta informações aos usuários, sempre que solicitado Remove veículos avariados e fora de sua condição de socorro e providencia junto ao CCO o guincho Comunica ao CCO quaisquer atitudes suspeitas junto à pista

36 ATUAÇÃO DO FISCAL DE PISTA Verificação das Condições Operacionais da Via Exemplo: Operação Retorno na Baixada Santista

37 ATUAÇÃO DO FISCAL DE PISTA

38 ATUAÇÃO DO FISCAL DE PISTA Remoção, sempre que possível das pixações

39 EQUIPE DO SAU Equipe Técnica Principal 1 Coordenador 1 Engenheiro Rodoviário Sr 1 Analista de Sistemas 1 Engenheiro Jr Equipe Técnica Auxiliar 2 Supervisores de Campo 4 Operadores de Sistema 1 Auxiliar Técnico Equipe de Campo 20 Fiscais de Pista 24 Motoristas

40 VEÍCULOS DO SAU 5 Utilitários 2 Veículos de apoio 2 Veículos para supervisão 5 Guinchos leves 1 Guincho pesado

41 ANÁLISE DE SERVIÇOS

42 SERVIÇOS EM RODOVIAS CONCEDIDAS x SAU x DER/UBA CONTRATOS BIT SAU / DER/SP DNIT (UBA) Centro de Controle Operacional SIM SIM NÃO Sistema de Monitoramento de Veículos - Via GPRS SIM SIM NÃO Sistema de Rastreamento de Veículos - Via GPRS SIM SIM NÃO Sistema de Gerenciamento/Controle Operacional SIM SIM NÃO Sistema de Informações e Banco de Dados SIM SIM NÃO Sistema de Cadastramento da Infra-estrutura SIM SIM NÃO Sistema de Avaliação Técnica/Estatística SIM SIM NÃO Sistema de Coordenação de Resgate SIM SIM NÃO Sistema de Informações Geo-referenciadas SIM SIM NÃO Estudos e Diagnósticos de Segurança Viária SIM SIM NÃO Seminários Internos de Avaliação SIM SIM NÃO Soluções de Engenharia e/ou Operacionais SIM SIM NÃO Análise do Potencial de Geração de Recursos. SIM SIM NÃO Serviços de Engenharia PRODUTO RODOVIA CONCEDIDA Avaliação dos Problemas de Operação. SIM SIM NÃO Estudo de Regulamentação do Uso da Publicidade. NÃO SIM NÃO Levantamento e Caracterização de Fontes de Recursos SIM SIM NÃO Definição de Padrões e Parâmetros Operacionais. SIM SIM NÃO Manual de Especificações das Tarefas e Encargos. SIM SIM NÃO Critérios para a Viabilização dos Serviços. SIM SIM NÃO Relatório Final do Trabalho. NÃO SIM NÃO Atendimento horas SIM SIM NÃO Sistema de Comunicação - Via Celular SIM SIM SIM Veículos de Apoio SIM SIM SIM Guincho Leve SIM SIM SIM Guincho Pesado SIM SIM SIM Ambulância SIM NÃO NÃO Veículos de Resgate SIM NÃO NÃO Sistema interligado por câmeras de TV SIM NÃO NÃO Controladores de Tráfego SIM NÃO NÃO Estações Meteorológicas SIM NÃO NÃO Telefones de Emergência SIM NÃO NÃO

43 CONSÓRCIO MODELO SAU SCS - QUADRA 07 - BLOCO A Nº 100 SALA 1306 CEP DF TEL. *

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS À SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS O QUE É O SAU? CONTRATO TT 107/07 00. PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS NO DISTRITO FEDERAL E NO ESTADO DE GOIÁS BR 040 BR 060 BR 153

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1 OBJETO O objeto da presente licitação é a Seleção de empresa especializada para Execução de Serviços Técnicos de Vídeo Registro da Rede Rodoviária Federal Pavimentada com

Leia mais

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais BA DISTRITO FEDERAL GO MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO TRECHO NORTE BR-381 SP RJ Produto 3B

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO Abril/14 Julho/14 Agosto/14 Outubro/14 Dezembro/14 Abril/15 Via 040 assume a BR-040 Início dos trabalhos de conservação e manutenção, realizados de forma contínua desde então.

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento A Empresa Engespro é uma empresa de engenharia consultiva criada há 30 anos, pelo Engenheiro Civil Jeronymo Pacheco Pereira que com grande força empreendedora vislumbrou oportunidades de mercado fundando

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here)

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here) Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA Volúmen IV - Avaliação Econômica Março 2006 (Consultant logo here) TOMO 05 Serviços aos Usuários Índice Página Seção 01 Análise das Políticas

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Otávio Vieira da Cunha Filho, Presidente Executivo da NTU Fórum Mobilidade Volvo, Curitiba PR 20 de maio de 2015 Estrutura 1. Visão;

Leia mais

Nº 170908. www.ipt.br

Nº 170908. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 170908 MITS: módulo ITS; trabalho IPT/ARTESP; módulo de informações do ITS, sistema de apoio à fiscalização Maria Rosilene Ferreira Trabalho apresentado no Seminário Sistemas Inteligentes

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

PROJETO BR-040 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal

PROJETO BR-040 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO BR-040 SP RJ

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE 1 MISSÃO Promover e garantir a prestação de serviços de transportes de excelência, seguro e sustentável, compatível com as

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Competências Dimensionamento do veículo É o ato de deminar a melhor combinação

Leia mais

Apresentação Free Track

Apresentação Free Track Apresentação Free Track A Free Track é um resultado da união de um grupo de empresários que atua no segmento de rastreamento automotivo, sede própria com laboratório de desenvolvimento localizado na maior

Leia mais

Aquisição de Equipamentos Necessários para o Patrulhamento das Rodovias e Estradas Federais

Aquisição de Equipamentos Necessários para o Patrulhamento das Rodovias e Estradas Federais Secretaria de Orçamento Programa 0663 SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Objetivo Reduzir a incidência de acidentes de trânsito nas rodovias federais. Público Alvo Usuários das rodovias federais Ações Orçamentárias

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

TRANSDATA SMART SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE GESTÃO INTEGRADA

TRANSDATA SMART SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE GESTÃO INTEGRADA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008)

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO POR GPS DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Transportes e Logística Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias NEA Núcleo

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL.

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Renan Durval Aparecido da Silva¹ 1 Gerente de estudos de acidentes

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Investir em segurança é sempre o melhor caminho

Investir em segurança é sempre o melhor caminho Ano 01 nº02 ABRIL de 2010 Investir em segurança é sempre o melhor caminho Atendimento da ViaRondon é bem avaliado pelos usuários pág.03 Redução de impactos ambientais... pág.06 Feriados prolongados: cuidados

Leia mais

A solução do Transporte Rural Escolar do seu município.

A solução do Transporte Rural Escolar do seu município. A solução do Transporte Rural Escolar do seu município. CADA TELA DO NOSSO SISTEMA TEM OS RELATÓRIOS GERAIS COM OS MAIS DIVERSOS FILTROS... - Alunos - Condutores -Contratos - Transportadores -Trechos -Veículos

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Barreiras de segurança pré-moldadas padrão Europeu

Barreiras de segurança pré-moldadas padrão Europeu Barreiras de segurança pré-moldadas padrão Europeu 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Barreira de Segurança New Jersey pré moldada CE A estrada sempre refletiu o avanço tecnológico das civilizações. A par de todo

Leia mais

Diretoria de Planejamento e Pesquisa

Diretoria de Planejamento e Pesquisa Veículo de Diagnóstico de Rodovias Maior eficiência e economia para o Sistema de Gerenciamento de Pavimento da malha rodoviária federal Coordenação Geral de Planejamento e Programação de Investimentos

Leia mais

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação José Miguel Santos, Miguel Serrano Ana Maria Nunes Missão Promover o processo de inovação, transformando o conhecimento em vantagens

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES,

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC INTRODUÇÃO O Projeto foi assinado em novembro de 2010, é fruto de um

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOP TORRE FORTE CONSTRUÇÕES LTDA.

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOP TORRE FORTE CONSTRUÇÕES LTDA. 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOP TORRE FORTE CONSTRUÇÕES LTDA. EDILBERTO SILVA 1, ADRIANO MARRA (1012295) 2, BRUNO OLIVEIRA (1012415) 2, BRUNO MOTTA (1012509) 2, JANAÍNA LIMA

Leia mais

GUIA DE APOIO AO USUARIO

GUIA DE APOIO AO USUARIO GUIA DE APOIO AO USUARIO CONTEÚDO DE OLHO EM SEU PATRIMÔNIO... 3 1 - APRESENTAÇÃO... 4 2 - COMO PROCEDER DIANTE DA OCORRÊNCIA... 4 3 - INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 5 4 - FIQUE ATENTO... 6 5 - DUVIDAS FREQUENTES...

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br ATIVIDADES PARA UM PROJETO PILOTO DE CONTRATO DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO EM UMA REDE PRELIMINARMENTE SELECIONADA Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br Atividade 1 : Avaliação do Estado Geral

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução SP 01/07/92 NT 149/92 Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO Introdução Em 1991, a CET através das Gerências de Engenharia de Tráfego operou 400 Km

Leia mais

Mercia Maria Teixeira Bezerra

Mercia Maria Teixeira Bezerra Mercia Maria Teixeira Bezerra Rua Anísio de Abreu, n 1549, Brasileira Marquês - Teresina PI CEP: 64.002-485 Casada Tel.: (86) 9982-5103/3221-1455/8813-1394 Nascimento: 20/12/1955 Email: merciatb@gmail.com

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974.

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. VISÃO DA ABTI SOBRE ASPECTOS LEGAIS DA PROFISSÃO DE MOTORISTA E FORMA

Leia mais

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974.

ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. ABTI - Entidade que congrega as empresas brasileiras habilitadas ao Transporte Rodoviário Internacional de Cargas Fundada em 1974. VISÃO DA ABTI SOBRE ASPECTOS LEGAIS DA PROFISSÃO DE MOTORISTA E FORMA

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Profissionais das sete concessionárias estarão de plantão para assegurar uma boa viagem a todos que pegarem

Leia mais

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar.

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Vídeo Monitoramento através do celular, smartphone agora é sinônimo de câmera IP. Plataforma de Vídeo Monitoramento Avançado

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo.

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Autores: Celso Bersi; Economista - Diretor de Transporte Urbano 1) Empresa de Desenvolvimento Urbano e Social de Sorocaba - URBES Rua Pedro de

Leia mais

LEVANTAMENTO DE GERENCIAMENTO POR DRONE EM OBRAS RODOVIÁRIAS

LEVANTAMENTO DE GERENCIAMENTO POR DRONE EM OBRAS RODOVIÁRIAS LEVANTAMENTO DE GERENCIAMENTO POR DRONE EM OBRAS RODOVIÁRIAS Profa. Rita Moura Fortes ERI Engineering And Research Institute Pesquisas Ltda Prof. João Virgilio Merighi Latersolo Serviços de Engenharia

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

Avaliação e Treinamento para Motoristas

Avaliação e Treinamento para Motoristas Avaliação e Treinamento para Motoristas Atualmente, resulta cada vez mais necessário treinar o pessoal que dirige veículos automotores, ainda quando dirigir não for sua tarefa principal. A falta de uma

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Ver e ser visto no trânsito

Ver e ser visto no trânsito matéria de capa Ver e ser visto no trânsito CESVI realizou estudo para apontar as condições em que pedestres, motos e carros são mais bem visualizados à noite Por José Antonio Oka Segurança Viária Ver

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Sumário. 1. Referências. 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência. 3. OporquêdoProjetoPiloto. 4. Vantagens/ Benefícios. 6. Cronograma de atividades

Sumário. 1. Referências. 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência. 3. OporquêdoProjetoPiloto. 4. Vantagens/ Benefícios. 6. Cronograma de atividades 1/ 15 Sumário 1. Referências 2. AGEFROT, Opção pela PPP, Abrangência 3. OporquêdoProjetoPiloto 4. Vantagens/ Benefícios 5. Procedimento de Manifestação de Interesse(PMI) 6. Cronograma de atividades 2/

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares de Assuncao Michelle Andrade INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais