Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária"

Transcrição

1 Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1

2 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS (Intelligent Transportation System), com soluções que vão desde os medidores de velocidade aos sistemas integrados de gestão de trânsito. Em seus 8 anos de existência a VELSIS é referência na aplicação de alta tecnologia, agregando valor aos seus parceiros e clientes. 2

3 Projeto DNIT PNCT Objetivo: Coleta de dados de fluxo, peso, velocidade, e classificação de veículos na malha rodoviária federal. Escopo VELSIS: Instalação, operação e manutenção dos 252 pontos de coleta localizados nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste. 3

4 Milestones Vistoria Relatório de Vistoria Aprovação do Relatório Instalação Certificação Relatório de Certificação Aceite Operação 4

5 Vistorias Reconhecimento de cada ponto, identificando as condições da via e levantamento das informações necessárias à operação. - Condições do pavimento - Energia - Relevo - Comunicação - Segurança 5

6 Relatório de Vistoria DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA ESTRUTURA E TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTO Relátorio para instalação de equipamento Contador Volumétrico Visita para coleta de dados local Estado Minas Gerais Município Prata BR 497 Localização KM 76,1 Ponto de Referência CONFORME COORDENADAS Código SNV 10 Trecho / Sentido De Uberlandia a Prata. Crecente Coordenada (UTM) Zona: Rural Latitude: 19 17'29.38S Tipo de Equipamento Contador Volumétrico Longitude: 48 53'47.97"W Data Levantamento 14/03/2014 Contrato PP-00676/ Lote 2 Fase 2 6

7 Instalação Ocupação de via Sensores no pavimento Poste + gabinete + PFV Ligação elétrica e eletrônica Comunicação Ativação do equipamento 7

8 8 Certificação

9 9 Relatório de Certificação

10 10 Relatório de Certificação

11 Operação Aquisição e Transmissão dos Dados Monitoramento de Ocorrências Relatórios Gerenciais Modelo de Gestão - Atendimento Help Desk - Atendimento pessoal - Transparência no processo JANEIRO 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO GERENCIAL CONTRATO: PP 00676/ VELSIS SISTEMAS E TECNOLOGIA VIÁRIA LOTE-02 SERVIÇOS DE ANÁLISE E CONTAGEM DE TRÁFEGO EM PONTOS ESPECÍFICOS DA MALHA RODOVIÁRIA FEDERAL 11

12 Riscos e Dificuldades Processo de aprovação para instalação Grandes distâncias geográficas entre as regiões Relação com as Concessionárias Aprovação do local de instalação Obras na via Vandalismos Investigação das ocorrências Intempéries 12

13 Ocorrências Ocorrência é toda situação de interrupção na coleta dos dados previstos no projeto. Esta interrupção pode ser de curta ou longa duração. As interrupções podem acontecer por motivos Técnicos e Não Técnicos. 13

14 14 Ocorrências (Vandalismo)

15 15 Ocorrências (Vandalismo)

16 16 Ocorrências (Vandalismo)

17 17 Ocorrências

18 Resultados Parciais Região Sul LOTE 1 - Fase 1 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 1 4% Pontos Repavimentar 5 21% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 9 38% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 3 13% Em Certificação - VELSIS 0 0% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 0 0% PONTOS EM OPERAÇÃO 10 42% LOTE 1 - Fase 2 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 0 0% Pontos Repavimentar 3 5% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 37 61% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 23 38% Em Certificação - VELSIS 0 0% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 0 0% PONTOS EM OPERAÇÃO 0 0% 18

19 Resultados Parciais Região Sudeste LOTE 2 - Fase 1 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 0 0% Pontos Repavimentar 1 3% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 0 0% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 1 3% Em Certificação - VELSIS 4 10% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 1 3% PONTOS EM OPERAÇÃO 32 80% LOTE 2 - Fase 2 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 1 2% Pontos Repavimentar 2 4% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 20 35% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 19 33% Em Certificação - VELSIS 7 12% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 2 4% PONTOS EM OPERAÇÃO 6 11% 19

20 Resultados Parciais Região Nordeste LOTE 4 - Fase 1 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 0 0% Pontos Repavimentar 11 24% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 11 24% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 8 18% Em Certificação - VELSIS 2 4% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 0 0% PONTOS EM OPERAÇÃO 21 47% LOTE 4 - Fase 2 Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 0 0% Pontos Repavimentar 1 3% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT 31 89% Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 4 11% Em Certificação - VELSIS 0 0% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 0 0% PONTOS EM OPERAÇÃO 0 0% 20

21 Resumo (Sul, Sudeste, Nordeste) TOTAL GERAL Pontos EDITAL % Faixas EDITAL % LEVANTAMENTO Pontos Vistoriados % Faixas % Pontos sem Sinal 3G 2 1% Pontos Repavimentar 23 9% Status - Responsável Relatório em confecção - VELSIS 0 0% Aguardando Nota Instalação - DNIT % Aguardando Liberação Via - DNIT SR 0 0% Em Instalação - VELSIS 58 23% Em Certificação - VELSIS 13 5% Aguardando Termo de Aceite - DNIT 3 1% PONTOS EM OPERAÇÃO 69 27% 21

22 Agradecimentos DNIT / CGPLAN Tracevia Vetec Engenharia Demais empresas envolvidas 22

23 23

24 24 FIM

COLETAS DE COBERTURA COLETAS DE COBERTURA

COLETAS DE COBERTURA COLETAS DE COBERTURA COLETAS DE COBERTURA Rodovias Federais Brasileiras 66.410 km (malha pavimentada) 12.795 km (malha não pavimentada) 40.731 km (planejada + estadual coincidente) Total: 119.936 km 6.738 SNV Fonte: SNV 2014

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

Quem utiliza nossas tecnologias

Quem utiliza nossas tecnologias Empresa A VELSIS foi criada com o objetivo de oferecer soluções de alta tecnologia para a área de ITS (Intelligent Transportation System), fornecendo uma completa linha de produtos para soluções de mobilidade.

Leia mais

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento A Empresa Engespro é uma empresa de engenharia consultiva criada há 30 anos, pelo Engenheiro Civil Jeronymo Pacheco Pereira que com grande força empreendedora vislumbrou oportunidades de mercado fundando

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s

Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Que competências, dados e informações são necessárias para estruturar e fazer funcionar um departamento de obtenção de AET`s Competências Dimensionamento do veículo É o ato de deminar a melhor combinação

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1 OBJETO O objeto da presente licitação é a Seleção de empresa especializada para Execução de Serviços Técnicos de Vídeo Registro da Rede Rodoviária Federal Pavimentada com

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3 1. Critérios Eliminatórios E1 E2 E3 E4 E E6 Critérios Eliminatórios Projeto não foi selecionado por meio do Edital INCRA/DD/DDA Nº 01/2013 para compor a carteira de projetos do INCRA Entidade está enquadrada

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB

Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB NOTA TÉCNICA Nº /2011/Telebrás Assunto: Avaliação da documentação de Habilitação Técnica enviada pela empresa GIMP Engenharia participante do Pregão 02/2011 TB Elaboração: Gerência de Projetos Diretoria

Leia mais

O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes

O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes Adailton Cardoso Dias Diretor de Pesquisa e Planejamento Brasília 06 de Outubro de 2015 Infraestrutura Federal Rodovias* % km Pavimentadas 53,8

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS

NT 239 2015. Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS NT 239 2015 Redes ópticas passivas para a rede de comunicação de equipamentos de ITS Introdução Sun Hsien Ming Com o advento de ITS (Intelligent Transportation System), a necessidade de redes de comunicação

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4525/2005-6 Ano Orçamento: 2005 UF: PR Nome do PT: Recuperação de Trechos Rodoviários - Divisa

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

Atividade 1 - Análise

Atividade 1 - Análise PARTE 1 Introdução A continuidade do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, em uma nova versão, está sendo discutida pelos diversos atores envolvidos, especialmente os técnicos do DNIT

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL

APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL 1 - CENÁRIO DE SETEMBRO DE 2011. 105 CONTRATOS DE PROJETOS DE ENGENHARIA PARA MANUTENÇÃO ESTRUTURADA COM GESTÃO DEFICIENTE. TODOS INCOMPLETOS E NENHUM SE TRANSFORMOU

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE OBRAS

GERENCIAMENTO DE OBRAS GERENCIAMENTO DE OBRAS APRESENTAÇÃO A CGRADIN é uma empresa de consultoria em engenharia especializada em gerenciamento e planejamento de obras, sediada em Salvador e com atuação em todo território nacional.

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Centro de Operações para governos mais inteligentes

Centro de Operações para governos mais inteligentes Centro de Operações para governos mais inteligentes Ricardo C. Mansano IBM Brazil - Smarter Cities Sales Manager Maio- 2014 Os problemas enfrentado pelos governantes não são atuais. Centro São Paulo década

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

ÍNDICE. 1. Apresentação... 3. 2. O Acordo de Empréstimo E-7383-BR... 4

ÍNDICE. 1. Apresentação... 3. 2. O Acordo de Empréstimo E-7383-BR... 4 Referência: Janeiro 2013 1 ÍNDICE 1. Apresentação... 3 2. O Acordo de Empréstimo E-7383-BR... 4 2.1. Dados do Acordo... 4 2.2. Categorias Descritas no Acordo de Empréstimo... 4 3. A Assistência Técnica

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Apresentação Free Track

Apresentação Free Track Apresentação Free Track A Free Track é um resultado da união de um grupo de empresários que atua no segmento de rastreamento automotivo, sede própria com laboratório de desenvolvimento localizado na maior

Leia mais

EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE SEGURANÇA

EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE SEGURANÇA Itatiba, 12 de Outubro de 2013 COTAÇÃO I - TERRAS DE SAN MARCO - 2013 Solicitação de Proposta Solicitação N 1 - TERRAS DE SAN MARCO EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE SEGURANÇA Seleção de fornecedor para fornecimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONDUTORES

AVALIAÇÃO DE CONDUTORES AVALIAÇÃO DE CONDUTORES Autores FÁBIO MARIO DE OLIVEIRA FÁBIO ROBERTO RAMALHO PEREIRA JOÃO PEDRO CANTARIO DE OLIVEIRA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇO SA RESUMO O projeto Avaliação de Condutores surgiu diante

Leia mais

PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e

PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e PRODAM - Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Mun. SP DIT- Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia CPI - Comissão de Planejamento e Implantação 1. Objetivo Esta cartilha tem o objetivo

Leia mais

Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160) Trecho: Romelândia / Anchieta

Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160) Trecho: Romelândia / Anchieta SECRETARIA DE ESTADO DA INFRAESTRUTURA DEINFRA Departamento Estadual de Infraestrutura Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160)

Leia mais

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 1 - AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS 2 - PROCEDIMENTOS 3 - EQUIPAMENTO 4 - VANTAGENS 5 - VÍDEO Palestrantes: Eng. Joel

Leia mais

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS Roberta Thees* Artur Furtado A MRS LOGÍSTICA A MRS atua no transporte ferroviário de cargas desde 1996, operando e monitorando a malha sudeste da Rede Ferroviária Federal.

Leia mais

META CENTRAL DE SERVIÇOS

META CENTRAL DE SERVIÇOS META CENTRAL DE SERVIÇOS A META CENTRAL DE SERVIÇOS é uma empresa capixaba com sólida experiência de mercado. O foco de seu negócio é a gestão administrativa de grandes obras industriais, a fim de garantir

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

quem somos Fundada em agosto de 1996, a RMS Engenharia atua com extenso e significativo histórico de obras realizadas e clientes satisfeitos.

quem somos Fundada em agosto de 1996, a RMS Engenharia atua com extenso e significativo histórico de obras realizadas e clientes satisfeitos. FERROVIA Fundada em agosto de 1996, a RMS Engenharia atua com extenso e significativo histórico de obras realizadas e clientes satisfeitos. Com uma equipe de profissionais especializada, com perícia em

Leia mais

SME de São Paulo melhora serviços às escolas com soluções da CA Technologies

SME de São Paulo melhora serviços às escolas com soluções da CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY SME de São Paulo melhora serviços às escolas com soluções da CA Technologies PERFIL DO CLIENTE Indústria: Educação Pública Companhia: Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

0750 APOIO ADMINISTRATIVO 6482736 DISTRITO FEDERAL UNIDADE : 39252 - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT

0750 APOIO ADMINISTRATIVO 6482736 DISTRITO FEDERAL UNIDADE : 39252 - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT ORGAO : 32000 - MINISTERIO DE MINAS E ENERGIA UNIDADE : 32101 - MINISTERIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 F D D E 0750 APOIO ADMINISTRATIVO 6482736

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

AGENDA. Conceitos. Por que o Laserway? Estudo de casos. Normas e Associações. Conclusões

AGENDA. Conceitos. Por que o Laserway? Estudo de casos. Normas e Associações. Conclusões CASES LASERWAY AGENDA Conceitos Por que o Laserway? Estudo de casos Normas e Associações Conclusões CONCEITOS A solução LASERWAY Furukawa é 100% óptica e integra cabling, equipamentos e acessórios para

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO 1 PMCMV 0 a 3 SM Poder Público - Construtoras ENTENDA O PROGRAMA O Programa consiste na aquisição de Terreno onde são construídas unidades habitacionais,

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Cópia válida somente na INTRANET

Cópia válida somente na INTRANET Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece

Leia mais

OPORTUNIDADE DE TRABALHO - TOSHIBA EM SUAPE

OPORTUNIDADE DE TRABALHO - TOSHIBA EM SUAPE OPORTUNIDADE DE TRABALHO - TOSHIBA EM SUAPE Se você, ou alguém que conheça, deseja trabalhar na Toshiba está na hora. Empresa Multinacional no ramo de Transmissão e Distribuição de Energia está selecionando

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Eliana Carreira Eliana Carreira Direcção de Engenharia Agenda Ascendi Problemas e Metas Evolução do SIG Ascendi Arquitectura Software SIG Ascendi Principais

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da egurança Rodoviária Abril 2006 O grupo Aenor istemas de Telemática Rodoviária disponíveis Centro de Controlo de Tráfego Funcionamento Esquemático

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem 2005 Introdução O DER/SP cresceu vertiginosamente e, em pleno século 21, já se vê à frente de um novo cenário

Leia mais

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009

Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Avaliação da Lucratividade da Rede de Unidades Lotéricas - 2009 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Caixa Econômica Federal Novembro/2010 Objetivos da avaliação de lucratividade das Unidades

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Fundada em 2005, a JB Transportes & Logística tem um único objetivo: a eficiência no transporte. Para

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV Análise Financeira de Sistemas Fotovoltaicos em Regiões Remotas no Âmbito da Universalização 14 de

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Transportes e Logística Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias NEA Núcleo

Leia mais

Diretoria de Planejamento e Pesquisa

Diretoria de Planejamento e Pesquisa Veículo de Diagnóstico de Rodovias Maior eficiência e economia para o Sistema de Gerenciamento de Pavimento da malha rodoviária federal Coordenação Geral de Planejamento e Programação de Investimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

TRANSDATA SMART SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE GESTÃO INTEGRADA

TRANSDATA SMART SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE GESTÃO INTEGRADA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1

IT SERVICES PORTFOLIO. SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 IT SERVICES PORTFOLIO SPEKTRUM IT Services Portfolio 1 Ser a única no Brasil a ser certificada pela SAP, mostra como estamos à frente no que tange à transparência em todos os nossos processos e, especialmente,

Leia mais

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria.

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria. A EMPRESA Desde nossa fundação em 1987, nos especializamos em Sistemas de Segurança. Ao longo destes anos de atuação no mercado, acumulamos experiência também em várias áreas como: Monitoramento, Logística,

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE

TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE TECNOLOGIA INOVADORA DA GCTBIO APOIADA PELA FINEP EMPREGA SISTEMA SUPERVISÓRIO DA ELIPSE Este case apresenta a utilização do E3 para controlar o processo de tratamento de efluentes provenientes das estações

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO JANEIRO/2014 i ii ÍNDICE 1 INDRODUÇÃO... 4 2 MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO... 4 3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Marcos Contratuais - Obras Civis

Marcos Contratuais - Obras Civis ANEXO 5 MARCOS CONTRATUAIS PARA OS DESEMBOLSOS DOS APORTES PÚBLICOS A liberação dos Aportes públicos deverá seguir o cronograma dos quadros abaixo, correspondente aos marcos contratuais identificados para

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

www.neogeogis.com.br

www.neogeogis.com.br www.neogeogis.com.br Quem somos Geoinformação simplificada A Neogeo agrega pessoal técnico com experiência em projetos e soluções tecnológicas de engenharia, desenvolvendo e integrando sistemas com uso

Leia mais

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Apóio: Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Ausência de uma visão estratégica da importância das redes Semafóricas e os impactos (positivos ou negativos) nas vidas das pessoas e das empresas; Serviços

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

ADENDO AO PREGÃO PRESENCIAL 05/2014. Complemento ao Item 2.1.1.2.13 do Termo de Referência - Sistema de Gerenciamento (Anexo IV)

ADENDO AO PREGÃO PRESENCIAL 05/2014. Complemento ao Item 2.1.1.2.13 do Termo de Referência - Sistema de Gerenciamento (Anexo IV) ADENDO AO PREGÃO PRESENCIAL 05/2014 Complemento ao Item 2.1.1.2.13 do Termo de Referência - Sistema de Gerenciamento (Anexo IV) DETALHAMENTO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE FROTA E CONTROLE DE TRÁFEGO Os

Leia mais