CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais"

Transcrição

1 Regulação da Concessão de Rodovias Federais

2 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II

3 Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre e Osório -Ponte Rio-Niterói Rodovias Federais com pedágio sob administração do DNER Programa de Concessões de Rodovias Federais - Objetivo Redução dos custos públicos e a diminuição do papel do Estado provedor - Criação do embasamento legal Leis n o 8.987/95, nº 9.074/95 e no 9.277/96

4 Histórico Programa de Concessões de Rodovias Federais - Grupo de Trabalho Analisados km km viáveis para concessão e km viáveis somente para a concessão dos serviços de manutenção; Concedidos à iniciativa privada quatro trechos de Rodovias Federais e a Ponte Rio-Niterói, totalizando 858,6 km; -Lei no de 2001 Criação da ANTT Pólo Rodoviário de Pelotas passa a ser concessão federal;

5 Histórico Programa de Concessões de Rodovias Federais ª Etapa - Fase I ª Etapa Fase II -Atualmente encontra-se em processo pré-leilão a 3ª Etapa Fase I e 3ª Etapa Fase II

6 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 1ª Etapa O modelo de concessão adotado foi o de Reabilitação-Operação- Transferência Volumes Diários Médios VDM elevados, acima de , em geral a concessionária riscos inerentes à concessão, risco de tráfego, risco dos valores dos quantitativos manutenção do equilíbrio econômico-financeiro do contrato planilha, apresentada pela Concessionária na sua Proposta, com os quantitativos de serviços estimados para as obras descritas no PER Previsão de vários investimentos por meio de verba, por exemplo obra da Serra das Araras NovaDutra.

7 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 2ª Etapa Fase I Tarifas baixas -moeda mais estável e com substancial redução dos juros e liquidez financeira -Menor risco regulatório -Utilização do IPCA para reajuste -flexibilização das condições de habilitação nos certames licitatórios Regulação por Parâmetros de Desempenho -investimentos são definidos a preços globais e as quantidades passam a ser risco da concessionária

8 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 2ª Etapa Regulação por Parâmetros de Desempenho -Obras obrigatórias datas de conclusão ou implantação devem ocorrer no ano determinado pela ANTT -As obras e serviços não obrigatórios relativos à recuperação, manutenção, conservação e operação do sistema rodoviário, devem respeitar os parâmetros mínimos de qualidade estabelecidos no PER. -Parâmetro de desempenho define as especificações e os indicadores de avaliação dos padrões requeridos

9 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 2ª Etapa Fase II Regulação por Parâmetros de Desempenho -obra condicionada ao volume de tráfego, para investimentos em ampliação de capacidade da rodovia. -desconto de reequilíbrio reequilibrar o contrato de concessão quando há o descumprimento dos parâmetros de desempenho, previstos para as obras nãoobrigatórias, além da multa prevista como nas demais etapas de concessão.

10 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Fluxo de Caixa Marginal Contratos da 2ª Etapa Fase II -inclusão de novos investimentos no contrato, entendidos como quaisquer obras ou serviços não constantes do PER -projetado em razão do evento que ensejou a recomposição, considerando os fluxos dos dispêndios marginais resultantes deste evento e os fluxos das receitas marginais necessárias para a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro

11 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Trabalhos Iniciais Contratos da 3ª Etapa -flexibilização do prazo estipulado para a realização dos Trabalhos Iniciais na rodovia concedida -12 meses com previsão de reequilíbrio econômicofinanceiro, caso seja atendido antes. -prazo para a transferência do sistema rodoviário e dos bens da concessão para a concessionária em até 30 dias a contar da publicação do extrato do contrato no D.O.U

12 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Fluxo de Caixa Marginal Contratos da 3ª Etapa - Metodologia do custo médio ponderado de capital WACC, com critérios específicos para determinação do custo de capital próprio e de terceiros Fator X -Mecanismo redutor do reajuste de tarifa que permite o compartilhamento dos ganhos de produtividade das concessionárias com os usuários.

13 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 3ª Etapa PER -mudança no que concerne a segurança viária -descritos as obras e serviços a serem realizados no sistema rodoviário durante o prazo da concessão em todos os PERs -obras e serviços emergenciais conjunto de operações de caráter eminentemente emergencial, a serem eventualmente realizadas cujos custos apenas poderão ser objeto de eventuais solicitações de reequilibrio econômico-financeiro do contrato mediante a ocorrência de casos fortuitos ou laudo técnico atestando que o ocorrido originou-se em vício oculto. -programa de redução de acidentes condição necessária para início da cobrança de pedágio

14 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 3ª Etapa Nível de Serviço e Obras Condicionadas ao Volume de Tráfego Veq/h A agregação de segmentos em trechos agrupa segmentos contíguos cujos momentos para ampliação são próximos A análise de capacidade e nível de serviço baseiase no Highway Capacity Manual (HCM) A rodovia é dividida em segmentos homogêneos com mesmas características geométricas, tipo de seção transversal e volume de tráfego Acompanhamento: os níveis de serviço são analisados por segmento e sua verificação se dá pelo VDM de gatilho A ampliação da capacidade é feita quando o trecho atingir o nível D em qualquer segmento

15 Evolução Regulatória dos Contratos de Concessão Contratos da 3ª Etapa Parâmetros Operacionais EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE PARÂMETROS DE SERVIÇO OPERAÇÃO Equipamentos para Serviços Médicos Ambulância Tipo C Tempo Máximo de Chegada: 15 min Ambulância Tipo D Tempo Máximo de Chegada: 70 min Equipamentos para Serviços de Guincho Tempo Máx de Chegada:20 min, pista Guincho Leve simples e dupla Tempo Máx de Chegada: 75 min para pista dupla e 150 min para pista Guincho Pesado simples Equipamentos para Sistema de Comunicação 90% dos fones deverão estar em Fone de Emergência (Call Box) plenas condições de operação Painel de Mensagem Fixo Tempo de interrupção de Painel de Mensagem Móvel funcionamento não poderá ser maior Equipamentos para Pesagem Conjunto Completo de Pesagem Fixa Problemas deverão ser reparados ou Conjunto Completo de Pesagem Móvel substituídos em 24 horas e

16 ASPECTOS A SEREM APRIMORADOS Investimentos pré-estabelecidos para a primeira etapa são insuficientes para manutenção de nível de serviço adequado (risco de valor e quantitativo do poder concedente em alguns contratos - DUTRA) Tarifas altas (primeira etapa) Reequilíbrio pela TIR da Proposta para novos investimentos (prática anterior)

17 AÇÕES REGULATÓRIAS PARA MELHORAR O MODELO ATUAL Adequação do nível de serviço Regulação por nível de serviço Revisão do PER para adequação do nível de serviço Implantação de Centro de Controle Operacional na ANTT Economia das Concessões Fluxo marginal para novos investimentos Reavaliação dos Contratos existentes

18 RESOLUÇÃO Nº 3651/2011 Aprova a metodologia de recomposição do equilíbrio econômicofinanceiro dos contratos de concessão de rodovias federais da 1ª Etapa, da 2ª Etapa Fase I e do Pólo Pelotas, em decorrência de novos investimentos e serviços A inserção de novas obras será feita com parâmetros que retratam a realidade econômica atual; Os valores da obra ou serviço a ser inserido se referencia a valores atuais; As receitas da concessionária são calculadas com o tráfego real.

19 METODOLOGIA Dispêndios da Proposta Receitas da Proposta TIR Pactuada Fluxo Original Nova Obra ou Serviço Tráfego Real TIR Calculada Fluxo Marginal

20 CONSIDERAÇÕES FLUXO DE CAIXA MARGINAL Investimento Tráfego Real TIR - Calculada Investimentos De interesse da União Sem previsão no Programa de Exploração da Rodovia Para fins de determinação dos fluxos dos dispêndios marginais, serão utilizados critérios de mercado para estimar o valor dos investimentos, custos e despesas resultantes do evento que deu causa ao reequilíbrio. Tráfego Tráfego real projetado com correção do volume de tráfego realizado no ano da revisão;

21 TAXA DE REMUNERAÇÃO FLUXO DE CAIXA A taxa de desconto do Fluxo de Caixa Marginal será calculada por meio do Custo Médio Ponderado de Capital WACC: onde : E Capital próprio D Capital de terceiros T Impostos sobre a renda RE Custo de capital próprio RD Custo de capital de terceiros

22 OBRIGADO A TODOS! Agência Nacional de Transportes Terrestres Superintendência de Exploração de Infraestrutura Rodoviária Mário Mondolfo

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos e as taxas de desconto dos fluxos de caixa marginais a serem adotados nos processos de Revisão Extraordinária nos Contratos de Concessão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.651/11, DE 7 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.651/11, DE 7 DE ABRIL DE 2011 Aprova a metodologia de recomposição do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão de rodovias federais da 1ª Etapa, da 2ª Etapa Fase I e do Pólo Pelotas, em decorrência de novos investimentos

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES

FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES Participante: ABCR - Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias Entidade: ABCR - Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias FORMULÁRIO-MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES Dispositivo,

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 162 1.1 O QUE SÃO AS REVISÕES E AS ADEQUAÇÕES CONTRATUAIS?... 162 1.2 O QUE É O REAJUSTE TARIFÁRIO? 162 1.3 O QUE É O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA (PER)?...

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL Como Uma Empresa se Organiza Para Desenvolver CONCESSÕES e PPPs Uma Abordagem Prática SUMÁRIO I. CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA ESTADUAL DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS PECR: SOLUÇÃO DE RETORNO AO CONTRATO

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA ESTADUAL DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS PECR: SOLUÇÃO DE RETORNO AO CONTRATO DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA ESTADUAL DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS PECR: SOLUÇÃO DE RETORNO AO CONTRATO SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO DA AGERGS INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta a experiência da AGERGS na revisão do

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS Avaliação de risco nas Agências Reguladoras Uma iniciativa para aprimorar o intercâmbio de informações Agência Nacional

Leia mais

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA Cesar de Barros Pinto NOVEMBRO/2012 CONTRATOS DE CONCESSÃO TRANSMISSÃO Celebrados em 2001 retroagindo a 1995 Primeira concessão de transmissão

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Transporte Terrestre

Transporte Terrestre Trem de Alta Velocidade (TAV) - campinas/rio de janeiro O Tribunal de Contas da União (TCU) analisou, entre dezembro/2009 a junho/2010, a viabilidade técnica e econômica do modelo escolhido para implementação

Leia mais

Revisão da Resolução 180/2011

Revisão da Resolução 180/2011 Revisão da Resolução 180/2011 Proposta de resolução que dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias, estabelece regras para arrecadação e recolhimento e revoga

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA SECRETARIA GERAL DO MUNJO ut. N l'/3 P.L. N / Publ.: LEI N2 6.112 DE 21 DE MARÇO DE 2013. V./03//; "Autoriza o Poder Executivo firmar convênio com a Concessionária Rodovias do Tietê SA, visando a conservação

Leia mais

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004.

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. Aos 28 (vinte e oito) dias do mês de abril de 2004, às 10h00 (dez horas), no auditório da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, situado

Leia mais

39250 - Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT

39250 - Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT 39250 - Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 45.916.202 92.148.428 108.719.604 107.499.604 Programa 0089

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

ODEBRECHT AMBIENTAL RIO CLARO S.A. DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE RIO CLARO DAAE

ODEBRECHT AMBIENTAL RIO CLARO S.A. DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE RIO CLARO DAAE PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 52/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 41/2015 - CRO ASSUNTO: INTERESSADOS: REVISÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONTRATO 013/07X - PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NO MUNICÍPIO DE RIO

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA 5ª REUNIÃO PLENÁRIA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES (28/10/2015) APRESENTAÇÃO DAS ANÁLISES E PROPOSTAS DO GT3 ESTRUTURA DO GRUPO DE TRABALHO 3 (GT3) OBJETIVO: Formular

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

CONTRATO Nº 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO Nº 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO Nº 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA I RELATÓRIO 1 Relatório de definição do referencial para condução do cálculo

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RODOVIA: BR-153 TO/GO TRECHO: Entre o entroncamento da BR-060 em Anápolis, no estado de Goiás, e o entroncamento com a TO-070 (Oeste)

Leia mais

Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva. Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina

Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva. Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina Fernando Cesar da Silva Vanina Macowski Durski Silva Arteris - Autopista Litoral Sul Universidade Federal de Santa Catarina Sistema de socorro mecânico em rodovia federal concedida: um estudo de caso na

Leia mais

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS Ângelo da Silva Agosto/2011 Conceitos 2 Lucro econômico (L) = Receitas Custos (deve embutir o custo de capital, diferindo do lucro contábil) Um projeto

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014 ANEXO V SISTEMA DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 17 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2: DOS

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA INSTITUTO BESC PAINEL 2015 LUIS HENRIQUE T. BALDEZ Presidente Executivo BRASÍLIA, 07/10/2015 A INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA ESQUEMA DE ANÁLISE RODOVIAS

Leia mais

Assunto: Requerimento objetivando o acompanhamento, pelo TCU, de todos os procedimentos relativos à concessão de exploração da Ponte Rio-Niterói.

Assunto: Requerimento objetivando o acompanhamento, pelo TCU, de todos os procedimentos relativos à concessão de exploração da Ponte Rio-Niterói. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 141/93 - Plenário - Ata 15/93 Processo nº TC 006.098/93-2 Responsável (eis): Entidade: Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER. Relator:

Leia mais

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução O presente estudo tem como objetivo apresentar as principais premissas e fontes de informação que subsidiaram

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

Teleconferência BR - 101 19 DE JANEIRO DE 2012

Teleconferência BR - 101 19 DE JANEIRO DE 2012 Teleconferência BR - 101 19 DE JANEIRO DE 2012 RESUMO DA CONCESSÃO Em 18 de janeiro de 2012, o Consórcio Rodovia da Vitória foi declarado vencedor da Concorrência Pública da rodovia BR 101 Composição do

Leia mais

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração Congresso Brasileiro sobre a Regulação da Mineração O caminho para a maturação regulatória Avaliação das propostas governamentais e consequências para a cadeia produtiva Aplicabilidade Jurídica da Legislação

Leia mais

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade EXPOSIÇÃO NA CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Luis Henrique Teixeira

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS REGULAÇÃO DO OPERADOR FERROVIÁRIO INDEPENDENTE (OFI) EXPOSIÇÃO NA CTLOG / MAPA BRASÍLIA, 07 DE MAIO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos aplicáveis ao cumprimento do disposto no "caput" do art. 5º do Regulamento Conjunto

Leia mais

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Serviço de Gás Canalizado Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Apresenta-se abaixo as considerações realizadas por esta Agência quanto ao Pleito Tarifário apresentado pela ALGÁS. ALGÁS: PLEITO TARIFÁRIO

Leia mais

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 012/2004, DE 31/03/2004.

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 012/2004, DE 31/03/2004. SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 012/2004, DE 31/03/2004. Aos 31 (trinta e um) dias do mês de março de 2004, às 9h00 (nove horas), no Auditório do Complexo Central de Tecnologia do Banco do Brasil STN 716,

Leia mais

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais BA DISTRITO FEDERAL GO MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO TRECHO NORTE BR-381 SP RJ Produto 3B

Leia mais

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário AP 0/0 Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário Contribuição para o Quarto Ciclo de Revisões Tarifárias ª Etapa 9 de janeiro de 05 Remuneração de OE e ATD A gestão de OE e ATD adicionam

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha)

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) Os questionamentos realizados pelos interessados foram agrupados e sintetizados em torno

Leia mais

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 13 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA LEONARDO LOPES GARCIA

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA LEONARDO LOPES GARCIA TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA LEONARDO LOPES GARCIA ALOCAÇÃO DE RISCOS, REAJUSTE E REVISÃO TARIFÁRIA NAS CONCESSÕES DE RODOVIAS FEDERAIS Brasília DF 2011 LEONARDO LOPES GARCIA

Leia mais

RESOLUÇÕES REGULATÓRIAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS E DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESOLUÇÕES REGULATÓRIAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS E DE PRODUTOS PERIGOSOS RESOLUÇÕES REGULATÓRIAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS E DE PRODUTOS PERIGOSOS Atualizado até 06 de janeiro de 2015 1 SUMÁRIO RESOLUÇÃO Nº 4.515... 13 (De 19/12/2014 - DOU de 22/12/2014)... 13 Aprova

Leia mais

I - Insuficiência de Informações

I - Insuficiência de Informações I - Insuficiência de Informações 2 Insuficiência de informações Primeira fase da Audiência Pública Preliminar: Não foram publicados o Plano de Negócios e o Laudo da Base de Ativos da SABESP Informações

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA 1.1. Sem prejuízo da observância das demais regras constantes do EDITAL, o LICITANTE deverá apresentar, no PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Soluções personalizadas em engenharia de transportes

Soluções personalizadas em engenharia de transportes SOBRE Soluções personalizadas em engenharia de transportes A Partner é uma empresa que presta consultoria em engenharia de planejamento de transportes. Aliando uma constante evolução tecnológica e aperfeiçoamento

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP)

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) 1 Origem do Programa Paraná Parcerias Atender os Objetivos de Governo do Novo Jeito de Governar: Por princípio: Aumentando a

Leia mais

Parcerias Público-Privadas

Parcerias Público-Privadas Parcerias Público-Privadas Equilíbrio econômico-financeiro e a metodologia de fluxo de caixa marginal Lucas Navarro Prado Belo Horizonte, maio de 2013. Sumário I. O pensamento jurídico tradicional sobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº /

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº / ANEXO V SISTEMA DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 15 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2: DOS

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa

FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa Para mais informações, acesse: www.logisticabrasil.gov.br investimentosbrasil@planejamento.gov.br 1 INVESTIMENTO TOTAL Investimentos projetados*

Leia mais

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT Código RT-BR0000364-000-0.000-0-0P3-Y05-400 Rev. 00 Emissão: 14/04/2015 Folha 1 / 62 Resp. Técnico / Projetista: Resp. Técnico / Concessionária: Lote: Edital de Chamamento Público Nº 4/2014 Rodovia: BR-364

Leia mais

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS

INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares de Assuncao Michelle Andrade INSTRUMENTO DE AUDITORIA DE SEGURANÇA VIÁRIA PARA PROJETOS RODOVIÁRIOS Lucinei Tavares

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

ANTT Panorama, desafios e projetos

ANTT Panorama, desafios e projetos ANTT Panorama, desafios e projetos Competências legais Em que atua a ANTT? Exploração da infraestrutura ferroviária Transporte ferroviário de cargas e passageiros Transporte rodoviário interestadual e

Leia mais

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 Morumbi vai ter cobertura 4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 O São Paulo assinará no próximo dia 17 o contrato com a Andrade e Gutierrez para viabilizar

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências

Localidade Data Ocorrência Providências 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 19/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual próximo ao

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial

Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Usuários que seguirem pelas rodovias do Grupo CCR no Natal e Ano Novo encontrarão operação especial Profissionais das sete concessionárias estarão de plantão para assegurar uma boa viagem a todos que pegarem

Leia mais

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A)

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A) 6. PLANO DE CONTAS É apresentada abaixo a estrutura do Plano de Contas elaborada para o Manual de Contabilidade do Serviço Público de Exploração da Infraestrutura Rodoviária Federal. Legenda: (A) Rubrica

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA EXECUÇÃO DE PROGRAMAS DE GOVERNO Nº 2 AÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DA CONCESSÃO DOS

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

ENG. FERNANDO MAC DOWELL, PROF., Dr ÍNDICE

ENG. FERNANDO MAC DOWELL, PROF., Dr ÍNDICE ÍNDICE OBJETIVO... 3 SINTESE DO PARECER TÉCNICO... 3 GRUPO : EQUILÍBRIO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DA CONCESSÃO. GRUPO : EQUILÍBRIO TÉCNICO DA CONCESSÃO... GRUPO 3: EQUILÍBRIO FINANCEIRO CONCESSÃO...

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PORTOS Gerência de Portos Públicos ntainers

SUPERINTENDÊNCIA DE PORTOS Gerência de Portos Públicos ntainers FILOSOFIA DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNCO-ECONÔMICO EVTE E EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DOS CONTRATOS DE ARRENDAMENTO DE ÁREAS E INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS r ntainers ASSUNTOS EM DISCUSSÃO NA ANTAQ 1.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 04 2. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO 05 3. ESTRUTURA ATUAL 05 4. MODELO DO NEGÓCIO 06 5. PREMISSAS ECONÔMICO FINANCEIRAS 08

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 04 2. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO 05 3. ESTRUTURA ATUAL 05 4. MODELO DO NEGÓCIO 06 5. PREMISSAS ECONÔMICO FINANCEIRAS 08 1 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 04 2. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO 05 3. ESTRUTURA ATUAL 05 4. MODELO DO NEGÓCIO 06 4.1. Matriz de Responsabilidades 06 4.2. Garantias 08 5. PREMISSAS ECONÔMICO FINANCEIRAS 08 5.1

Leia mais

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL

METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL METODOLOGIAS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO NAS INFRAESTRUTURAS DE ELETRICIDADE E DE GÁS NATURAL (ARTIGO 13(6) DO REGULAMENTO 347/2013 1 ) Setembro 2015 1 Regulamento (UE) N.º 347/2013

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL APOIO NA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP VISITA TÉCNICA 3 DE NOVEMBRO DE 2015 SÍNTESE DO PROJETO Fase Preliminar: Suporte Técnico e

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais

CONTRATO No. 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2012 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA I RELATÓRIO 3 Relatório dos métodos do fluxo de caixa marginal (FCM)

Leia mais

Índice. Orçamento 2016 APRESENTAÇÃO

Índice. Orçamento 2016 APRESENTAÇÃO Índice APRESENTAÇÃO Página 1 - Conceitos Importantes e Metodologia de Apuração dos Valores da Proposta Orçamentária Página 2 - Comentários sobre o QUADROS Club Athletico Paulistano 1 -Resumo do Resultado

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br ATIVIDADES PARA UM PROJETO PILOTO DE CONTRATO DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO EM UMA REDE PRELIMINARMENTE SELECIONADA Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br Atividade 1 : Avaliação do Estado Geral

Leia mais

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento A Empresa Engespro é uma empresa de engenharia consultiva criada há 30 anos, pelo Engenheiro Civil Jeronymo Pacheco Pereira que com grande força empreendedora vislumbrou oportunidades de mercado fundando

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICOFINANCEIRO DOS CONTRATOS DE ARRENDAMENTO

PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICOFINANCEIRO DOS CONTRATOS DE ARRENDAMENTO Resolução ANTAQ nº 3.320 / 2013: PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICOFINANCEIRO DOS CONTRATOS DE ARRENDAMENTO 1 Será sempre precedido da elaboração

Leia mais

O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT. São Paulo/Maio de 2015

O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT. São Paulo/Maio de 2015 O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT São Paulo/Maio de 2015 Tópicos Ambiente Institucional Quando da Edição da Lei de PPP Atual Situação Fiscal Governança dos Contratos de PPP Desafios

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais