Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final"

Transcrição

1 NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro

2 Sumário 1 OBJETIVO MECANISMOS EXISTENTES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO E RECUPERAÇÃO DO SALDO DA CONTA GRÁFICA E PREÇOS DO GÁS E DO TRANSPORTE Visão Geral (Conceituação) Metodologia EXEMPLO DE APLICAÇÃO Dados Básicos Avaliação Mensal CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 1 OBJETIVO Esta Nota Técnica tem por objetivo estabelecer os mecanismos de recuperação dos saldos da Conta Gráfica a ser introduzida pela ARSESP, em razão de variações do preço do gás e do transporte para as distribuidoras de gás do estado de São Paulo, a saber: Companhia de Gás de São Paulo - Comgás, Gás Brasiliano Distribuidora S.A. e Gás Natural São Paulo Sul S.A. Para tanto, é apresentado o estado atual do mecanismo de Conta Gráfica utilizado, a fundamentação legal para o tema, uma visão geral da nova metodologia de acompanhamento e compensação, com posterior detalhamento, e um exemplo de aplicação para ampliar o entendimento sobre a conceituação teórica. Esta Versão Final incorpora as contribuições recebidas na Consulta Pública ARSESP 04/ MECANISMOS EXISTENTES A exploração dos serviços locais de gás canalizado, conforme definido no parágrafo segundo do artigo 25º da carta constitucional de 1988, é de responsabilidade dos Estados da Federação, que poderão realizá-la diretamente ou por meio de concessão. No Estado de São Paulo, os serviços de distribuição do gás canalizado são realizados em regime de concessão, outorgados por meio dos contratos firmados entre as empresas distribuidoras e o Poder Concedente. Os contratos de concessão consagram a neutralidade dos preços de aquisição do gás e transporte, na medida em que decompõem as tarifas aplicadas aos faturamentos dos usuários em Preço do Gás (Pg), Preço do Transporte (Pt) e Margem de Distribuição (Md) 1, e estabelecem a contabilização das diferenças entre os valores pagos pela concessionária na aquisição e transporte do gás, e os valores correspondentes ao Pg e ao Pt autorizados nas tarifas, com atualização dos montantes verificados por meio de taxa básica de juros fixada pelo Banco Central, para posterior compensação. A contabilização das referidas diferenças é realizada por meio de uma Conta Gráfica. A Conta Gráfica é um instrumento usual de compensação essencial para o processo de regulação dos serviços de distribuição de gás canalizado e outros serviços concedidos pelo Poder Público. Cite-se o exemplo do setor de energia elétrica, cuja Conta Gráfica (Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A CVA) registra as variações ocorridas nos custos não-gerenciáveis da empresa (encargos setoriais, encargos de transmissão e compra de energia para revenda). Este instrumento resguarda não apenas o 1 De acordo com a Sexta Subcláusula da Cláusula Décima Primeira dos contratos. 3

4 equilíbrio econômico-financeiro da concessão, mas também a estabilidade tarifária. É conveniente mencionar que após a celebração dos contratos de concessão sobrevieram alterações na legislação tributária e nas condições de suprimento das redes de distribuição de gás canalizado cujos custos não devem compor a Margem de Distribuição (Md) das concessionárias em razão de sua natureza ou limite de prazo. Dentre os vários itens atualmente acompanhados por meio de Conta Gráfica, o mais relevante é o da variação dos preços do gás e do transporte em razão das alterações ao longo do ano regulatório. Assim, no cumprimento de suas atribuições e visando garantir a neutralidade das componentes da Conta Gráfica sobre a remuneração regulatória das concessionárias de distribuição de gás canalizado do Estado de São Paulo, a ARSESP propõe o estabelecimento do Índice Mensal da Conta Gráfica (IMCG) para expressar valores absolutos em reais da Conta Gráfica existente, definindo também uma nova metodologia de acompanhamento e compensação. 4

5 3 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O acompanhamento e compensação das diferenças verificadas entre os valores pagos pela concessionária para aquisição e transporte do gás distribuído em sua rede e os valores referentes aos mesmos contidos nas tarifas aplicadas aos faturamentos dos usuários estão previstos nos contratos de concessão das empresas prestadoras do serviço de distribuição do gás canalizado do Estado de São Paulo. A Cláusula Décima Primeira, que discorre sobre as condições das tarifas aplicáveis na prestação dos serviços, estabelece a aplicação de tarifas teto fixadas pela agência reguladora aos usuários do serviço de distribuição pela concessionária, conforme transcrito abaixo: CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA CONDIÇÕES DAS TARIFAS APLICÁVEIS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS Pela prestação dos serviços que lhe são concedidos por este Contrato, a CONCESSIONÁRIA cobrará as tarifas teto fixadas pela CSPE (atualmente ARSESP). A vinculação dos preços do gás comprado pelas concessionárias junto às supridoras aos preços internacionais do petróleo e à variação cambial entre Real e Dólar, além de impactos decorrentes de sua oferta, resultam em defasagens entre o valor de aquisição e o valor contido nas tarifas das concessionárias. Desta forma, os contratos prevêem um mecanismo para compensação das diferenças, que determina que esta seja realizada a partir dos valores verificados ao longo do ano regulatório, corrigidos por uma taxa de juros fixada pelo Banco Central, neste caso a SELIC, além de estabelecer critérios de acompanhamento, de acordo com as subcláusulas Décima Primeira e Décima Segunda apresentadas a seguir: Décima Primeira Subcláusula - Em ocorrendo variações no preço do Gás (Pg) ou do Transporte (Pt), no período compreendido entre a Data de Referência Anterior e a da ocorrência do reajuste subseqüente, os valores correspondentes às diferenças, a maior ou a menor, obtidos e que tenham sido aprovados pela CSPE, serão contabilizados em separado e atualizados através de uma das taxas básicas de juros fixadas pelo Banco Central, a ser elegida pela CSPE, considerando, no reajuste, os valores apurados. A metodologia apresentada nesta Nota Técnica estabelece o mecanismo de acompanhamento e recuperação das diferenças de valores relativas aos preços de aquisição de gás e de transporte pela concessionária junto às supridoras e o valor contido e autorizado pela ARSESP nas tarifas aplicadas aos faturamentos dos usuários. A Conta Gráfica vem complementar a legislação apresentando critérios objetivos sobre a compensação e recuperação do saldo da mesma. 5

6 4 METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO E RECUPERAÇÃO DO SALDO DA CONTA GRÁFICA E PREÇOS DO GÁS E DO TRANSPORTE 4.1 Visão Geral (Conceituação) A compensação de valores resultantes de variações no preço do gás e do transporte, determinada nos contratos de concessão é atualmente assegurada pelo acompanhamento e recuperação do saldo da Conta Gráfica das concessionárias de distribuição. As diferenças entre os preços faturados pelo supridor à concessionária, pelo gás e transporte, e aqueles contidos nas tarifas de fornecimento aplicadas aos faturamentos mensais dos usuários, pela prestação do serviço de distribuição, formarão a Conta Gráfica, sobre a qual serão realizados os lançamentos. A apuração é feita mensalmente, por segmento da estrutura tarifária da concessionária, a partir dos preços de aquisição de gás e transporte, volumes de gás adquiridos, volumes faturados aos usuários, variação cambial, taxa de juros (SELIC), além dos valores referentes às atualizações (compensações) realizadas anteriormente. A recuperação do saldo da Conta Gráfica de cada concessionária é realizada anualmente juntamente com o processo de reajuste tarifário ou de revisão quinquenal. No entanto, a vinculação do preço de aquisição do gás aos preços praticados no mercado internacional de uma cesta de óleos combustíveis está suscetível às variações decorrentes de instabilidades internacionais e à cotação do dólar em relação ao Real torna a Conta Gráfica oscilante. Além disso, o advento dos leilões de venda de gás, atualmente sem padronização em relação à data de realização, período de fornecimento e volumes comercializados, impacta de maneira significativa o saldo desta conta, visto que os volumes contratados têm sido elevados e os preços praticados abaixo dos valores do MIX de gás contratado pelas concessionárias. Neste contexto, motivada pela objetividade e transparência na atuação do poder público, a ARSESP estabelece nova metodologia de compensação do saldo da Conta Gráfica, de maneira a flexibilizar as datas de aplicação da recuperação e da atualização dos preços do gás e transporte e, principalmente, amenizar o impacto da acumulação de montantes excessivos para as concessionárias ou para os usuários dos serviços de distribuição do gás canalizado no Estado de São Paulo. 6

7 4.2 Metodologia De acordo com esta proposta de metodologia, a aplicação da parcela de recuperação correspondente ao repasse do saldo da Conta Gráfica (CG) e do preço de gás e transporte entre os reajustes tarifários fica condicionada à superação de limites máximo ou mínimo do índice mensal do saldo daquela conta, além da necessidade e conveniência de acordo com a conjuntura da concessão. O estudo teve por base a evolução histórica do saldo da Conta Gráfica (CG) em relação à Receita Líquida de Venda de Gás publicada nas Demonstrações do Resultado (RLVG) das concessionárias referente ao ano anterior ao ano regulatório em análise. Para cada concessionária foram considerados os valores mensais do saldo da Conta Gráfica apurados após a primeira revisão tarifária, ou seja, do segundo ciclo tarifário até Julho de Os índices mensais foram calculados da seguinte forma: IMCG = (CG / RLVG) * 100, onde: IMCG: Índice Mensal da Conta Gráfica (em %); CG: Saldo Mensal da Conta Gráfica 2 (em R$); RLVG: Receita Líquida de Venda de Gás do ano anterior ao ano regulatório em análise (em R$). Conforme Nota Técnica, de setembro/2011, submetida à consulta Pública ARSESP 04/ O saldo da Conta Gráfica é obtido por cálculo mensal efetuado pela ARSESP. Resumidamente, o cálculo compreende o seguinte processo: a) Obtêm-se os preços de gás e transporte estabelecidos em Deliberação da ARSESP e vigentes no período de apuração, para os respectivos segmentos de mercado. b) Obtêm-se os volumes faturados em cada segmento por meio do portal de coleta de dados do Sistema de Mercado e Faturamento (SMF), que armazena os dados informados pelas concessionárias á ARSESP. c) Obtêm-se os preços e volumes de gás e transporte adquiridos pela concessionária do supridor por meio dos dados de faturas de venda emitidas pelo supridor no final do mês, calculando-se o preço médio ponderado de suprimento realizado no período de apuração. Para o gás importado, o supridor calcula o preço em Reais, utilizando a taxa de câmbio do último dia do mês. d) Obtêm-se a diferença entre o preço de gás e de transporte faturado aos usuários (a), por segmento de mercado, e o de suprimento (c). e) Obtêm-se o montante mensal multiplicando-se os volumes faturados (b) pela diferença entre o preço de gás e transporte faturado e o preço de gás e transporte adquirido (d). f) Obtêm-se o montante referente ao repasse de parcela de recuperação realizado (faturado), caso exista tal parcela na tabela tarifária vigente no mês de apuração, pela multiplicação do volume faturado no segmento e o valor da parcela. Esse montante é descontado do saldo a ser ressarcido do respectivo segmento. g) Para o gás importado, a diferença cambial relativa à diferença entre o preço do final do mês e a data de vencimento da fatura é considerada no mês do vencimento da nova fatura emitida pelo supridor (mês seguinte). Soma-se o montante obtido em (e) e (g) com o saldo do mês anterior (já descontado o montante calculado em (f)), atualizado monetariamente pela SELIC. 7

8 (Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte), para definição dos limites do IMCG foi aplicado um tratamento estatístico às séries históricas dos índices mensais apurados de cada concessionária com o objetivo de identificar uma faixa de variação que pudesse ser considerada como normal ou aceitável para o saldo da Conta Gráfica. Com base nesse estudo a ARSESP propôs os limites de +5% (superior) e -5% (inferior) para o IMCG. Sobre este tema foram recebidas várias contribuições acompanhadas das respectivas justificativas, que foram analisadas pela ARSESP e incluem: alteração da base de cálculo; repasse imediato do saldo da conta gráfica; alteração do percentual para 3,5%; alteração do percentual para 3%; exclusão da base de dados do período referente ao congelamento de preços; dentre outras. A ARSESP, considerando as contribuições da consulta pública, a capacidade de investimento e os custos de endividamento a serem assumidos pelas concessionárias, e visando preservar a estabilidade e modicidade das tarifas cobradas dos usuários, propõe como LIMITE SUPERIOR 3,5% (três e meio por cento) da Receita Líquida de Venda de Gás (verificada no ano anterior ao ano regulatório) da concessionária e como LIMITE INFERIOR -3,5% (três e meio por cento negativos) da mesma Receita. Valores positivos do índice significam que o saldo da CG é positivo e o valor correspondente deverá ser ressarcido às concessionárias na forma de acréscimo na tarifa em R$/m³. Quando o valor do índice é negativo significa que o saldo da CG é negativo e o valor correspondente deverá ser ressarcido ao consumidor na forma de desconto na tarifa em R$/m³. O limite superior corresponde ao valor máximo positivo que a CG poderá acumular de diferenças a serem cobradas dos usuários. O limite inferior corresponde ao valor máximo negativo que a CG poderá acumular de diferenças a serem ressarcidas aos usuários. Qualquer valor entre estes dois limites não gerará parcela de recuperação fora do período de reajuste ou revisão tarifária. A aplicação da parcela de recuperação à tarifa a partir do montante acumulado na Conta Gráfica até a data de verificação e dos preços do gás e do transporte nas tarifas se dará quando o Índice Mensal do Saldo da Conta Gráfica ultrapassar os limites Superior ou Inferior. A aplicação da recuperação fica condicionada a um intervalo mínimo de 90 (noventa) dias da última alteração tarifária realizada por reajuste anual, revisão quinquenal ou extraordinária, ou aplicação de parcela de recuperação nas tarifas e ao mesmo período para o próximo reajuste tarifário anual ou revisão tarifária quinquenal ou extraordinária. 8

9 O valor da parcela de recuperação definida pela ARSESP sobre as tarifas de distribuição de gás canalizado deve ser estabelecido com base no saldo atualizado da CG, nos volumes de venda mensais projetados3 e em período de aplicação da parcela de recuperação entre 6 (seis) e 12 (doze) meses. Nos reajustes tarifários anuais ou revisões tarifárias quinquenais ou extraordinárias a aplicação da Parcela de Recuperação levará em consideração a projeção de volume para os próximos doze meses. Adicionalmente, os preços de gás e de transporte contidos nas tarifas devem ser ajustados aos preços de aquisição de modo a evitar novos montantes acumulados na Conta Gráfica. A ARSESP utilizará o(s) último(s) preço(s) informado(s) pelo(s) supridor(es) nesta atualização. No caso de a tarifa vigente à época do estudo conter parcela de recuperação da CG, aplicada em período anterior, esta deverá ser substituída na tabela tarifária pelo novo valor conforme acima mencionado. A ARSESP irá disponibilizar mensalmente em seu site (www.arsesp.sp.gov.br) o IMCG, o Saldo da Conta Gráfica e o valor de Receita Líquida de Venda de Gás publicada nas Demonstrações do Resultado referente ao ano anterior ao ano regulatório em análise de cada concessionária de distribuição de gás canalizado, para que os usuários possam prever atualizações tarifárias positivas ou negativas das variações dos preços de gás e transporte, bem como aprimorar a transparência e informação aos usuários do serviço de distribuição de gás canalizado do Estado de São Paulo. Quando houver a aplicação da Parcela de Recuperação, deverão ser divulgados o Valor da Parcela de Recuperação, o Período de aplicação utilizado, a Projeção de volumes e a Taxa de Câmbio utilizada e o Novo Preço Médio de Gás contido nas tarifas por Segmento de Usuário. 3 A projeção de volume é atribuição da ARSESP, que poderá levar em consideração projeções realizadas na revisão tarifária, informações fornecidas pela concessionária, volumes efetivamente realizados nos últimos meses, entre outras informações disponíveis. 9

10 5 EXEMPLO DE APLICAÇÃO A fim de ampliar o entendimento sobre a disciplina exposta nesta Nota Técnica, esta seção apresenta um exemplo de aplicação baseado em dados fictícios da atuação de uma concessionária distribuidora ao longo de um ano de prestação de serviço. O exemplo pretende contemplar o maior número de situações possíveis, de maneira a esclarecer eventuais dúvidas a respeito dos procedimentos detalhados nas seções anteriores deste documento. A partir de uma curva de evolução do saldo da Conta Gráfica, já determinada para todo o ano em estudo, o exemplo tem o objetivo de apresentar uma análise das possibilidades de aplicação da parcela a ser recuperada para cada mês do referido ano, baseando as decisões na metodologia de acompanhamento definida anteriormente. Conveniente ressaltar que por envolver situações nas quais teoricamente a decisão seria discricionária por parte da ARSESP, as decisões apresentadas no exemplo não refletem a posição desta agência, sendo apenas utilizadas com fins didáticos para explicar a metodologia a ser seguida. 5.1 Dados Básicos Para as necessidades deste exemplo didático, as informações necessárias são: RECEITA LIQUIDA DA VENDA DE GÁS DO ANO ANTERIOR (RLVG): R$ 1.000,00 LIMITE SUPERIOR = 3,5% RLVG = R$35,00 LIMITE INFERIOR = -3,5% RLVG = - R$35,00 A Figura a seguir apresenta as áreas de atuação da ARSESP de acordo com os limites estabelecidos a partir dos dados do exemplo exposto. 10

11 5.2 Avaliação Mensal Nesta seção, cada mês de um ano regulatório fictício será avaliado à luz da metodologia de acompanhamento e recuperação apresentada nesta Nota Técnica, com intuito de facilitar o seu entendimento a partir da simulação do comportamento do regulador sobre a evolução do saldo da CG. Cabe, mais uma vez, alertar sobre o caráter didático do exemplo, não refletindo a posição da ARSESP sobre as situações levantadas. A Tabela 5.2 apresenta numericamente o saldo da Conta Gráfica do exemplo. Tabela Saldo CG A figura abaixo apresenta a curva do saldo da Conta Gráfica ao longo dos meses em análise sobreposta ao modelo. Figura Saldo CG e Áreas de Atuação 11

12 Mês 1: O IMCG encontra-se dentro da faixa de aplicação da parcela de recuperação, com valor de 8%. Neste momento, porém, não atenderia ao segundo critério que limita o intervalo de repasse de 90 dias decorridos da última recuperação ou reajuste, no caso, na data de reajuste contratual. Mês 2: Não satisfaz o segundo critério, assim não ocorre recuperação. Mês 3: Idem o anterior para o mês. Mês 4: O IMCG continua acima do Limite Superior (3,5%) com o valor de 8% e a ocorrência da última atualização (reajuste) foi há mais de 90 dias. Ocorrendo as duas condicionantes a aplicação da parcela de recuperação deve ser automática. Portanto, o valor da recuperação é ajustado de maneira a ter o saldo da CG nulo ao final do período entre 6 e 12 meses a critério da ARSESP. Os preços de gás e transporte são ajustados aos preços de aquisição de maneira a evitar novos montantes acumulados na Conta Gráfica. Mês 5: Os impactos da recuperação realizada no mês anterior ainda não foram totalmente incorporados ao saldo da CG e ainda há influência da tendência de alta verificada no mês anterior. O IMCG encontra-se com o valor de 9%, o que corresponde à faixa de aplicação automática de recuperação, porém, a condição de 90 dias sem atualização não é satisfeita, assim não haverá aplicação de parcela de recuperação. Mês 6: Neste mês o IMCG continua acima do Limite Superior, 7%, porém, ainda não se passaram 90 dias desde a última recuperação. Mês 7: O Índice Mensal da Conta Gráfica encontra-se acima do Limite Superior, com o valor de 5,5%, porém, ainda não se passaram 90 dias meses desde a última recuperação. Mês 8: O IMCG está entre o Limite Superior e ocorrerá recuperação. Limite Inferior, -1%, portanto não Mês 9: Neste mês o índice da conta é -8%, portanto abaixo do Limite Inferior de -3,5%. Foi atendida a primeira condição e também a segunda, tendo a última recuperação ocorrida há mais de 90 dias. Entretanto neste momento mais uma condição deverá ser observada, ou seja, se ainda há 90 dias para ocorrer o reajuste anual. Satisfeita as três condições então uma nova parcela de recuperação será aplicada. Mês 10, Mês 11 e Mês 12: Mesmo os valores estando com o saldo abaixo do Limite Inferior não deverá ocorrer mais nenhuma recuperação devido, a última, ter ocorrido a menos de 90 dias e o reajuste anual também ocorrer em prazo inferior a 90 dias. 12

13 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta Nota Técnica apresentou a disciplina de acompanhamento e compensação do saldo da Conta Gráfica, decorrente das variações dos preços de gás e transporte. A Conta Gráfica é um mecanismo de compensação essencial para o processo de regulação dos serviços de distribuição de gás canalizado. A partir dela, os impactos resultantes de mudanças inesperadas no cenário da concessão, no que diz respeito aos preços de aquisição de gás e transporte, podem ser diluídos por todos os usuários, cessando sua aplicação quando as compensações tenham sido realizadas. Os procedimentos apresentados neste documento pretendem tornar as decisões referentes à Conta Gráfica objetivas e transparentes, contribuindo para a garantia da neutralidade das referidas componentes nas tarifas aplicadas aos consumidores dos serviços de distribuição de gás canalizado do Estado de São Paulo e resguardando não apenas o equilíbrio econômico-financeiro da concessão, mas também a estabilidade e modicidade tarifária. As regras foram desenvolvidas de maneira a flexibilizar as datas de aplicação das parcelas de recuperação a partir da variação dos preços do gás e transporte, evitando assim, elevada instabilidade tarifária dos valores e prazos de atualizações, mas garantindo intervenções suficientes para amenizar adequadamente o impacto da acumulação de montantes excessivos para as concessionárias e para os usuários dos serviços de distribuição do gás canalizado no Estado de São Paulo. Os índices que determinam os limites superior e inferior poderão ser alterados durante os processos de revisões tarifárias das concessionárias em virtude de uma melhor representatividade da base de dados adequada às novas regras. 13

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006

Serviço de Gás Canalizado. Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Serviço de Gás Canalizado Nota Técnica da Revisão Tarifária 2006 Apresenta-se abaixo as considerações realizadas por esta Agência quanto ao Pleito Tarifário apresentado pela ALGÁS. ALGÁS: PLEITO TARIFÁRIO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014

TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 2014 TARIFA MÉDIA DE CONCESSÃO 2014 POTIGÁS DIRETORIA EXECUTIVA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO Este relatório apresenta a metodologia de cálculo da Tarifa Média da POTIGÁS para o ano de 2014, com base no Contrato

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

Tabela 1: Consumo e clientes da LIGHT

Tabela 1: Consumo e clientes da LIGHT Nota Técnica nº. 341/2010-SRE/ANEEL Em 28 de outubro de 2010. Processo: 48500.003119/2010-18 Assunto: Homologação das tarifas de fornecimento de energia elétrica, das Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA Estabelece a metodologia para o cálculo de reajuste tarifário dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário sujeitos à regulação pela Agência

Leia mais

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem :

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : ESCLARECIMENTOS Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99 Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : 1) Da Habilitação: Entendemos que as empresas participantes

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos e as taxas de desconto dos fluxos de caixa marginais a serem adotados nos processos de Revisão Extraordinária nos Contratos de Concessão

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica

O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica 56 Capítulo IV O desempenho financeiro das distribuidoras de energia elétrica e o processo de revisão tarifária periódica Por Nivalde J. de Castro, Roberto Brandão e Luiz Ozório* O processo de revisão

Leia mais

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC 26 de setembro de 2014 Audiência Pública Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR) Sumário Temas e Análise das Alternativas

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 Dia: 01 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor

Leia mais

Revisão da Resolução 180/2011

Revisão da Resolução 180/2011 Revisão da Resolução 180/2011 Proposta de resolução que dispõe sobre o modelo de regulação tarifária, reajusta os tetos das tarifas aeroportuárias, estabelece regras para arrecadação e recolhimento e revoga

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Primeira Revisão Tarifária Periódica Companhia Sul Sergipana de Eletricidade SULGIPE Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Manifestação da SULGIPE relativa a Proposta de Revisão Tarifária Periódica

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos(*) Roberto Calazans(*) O objetivo deste trabalho é apresentar novas propostas para renegociação do Acordo

Leia mais

Fabiana Lucas de Almeida Finholdt Tarcísio José de Souza Mario Lucio Braga Valquíria Mendes de Figueiredo

Fabiana Lucas de Almeida Finholdt Tarcísio José de Souza Mario Lucio Braga Valquíria Mendes de Figueiredo Fabiana Lucas de Almeida Finholdt Tarcísio José de Souza Mario Lucio Braga Valquíria Mendes de Figueiredo CVA Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da Parcela A Ferramenta para manutenção

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

NOTA TÉCNICA CRFEF/GRT 02/2015

NOTA TÉCNICA CRFEF/GRT 02/2015 NOTA TÉCNICA CRFEF/GRT 02/2015 Detalhamento do cálculo do reajuste tarifário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais Copasa de 2015 Gerência de Regulação Tarifária Coordenadoria Técnica de Regulação

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização Agência Nacional de Telecomunicações Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização José Alexandre Bicalho Superintendente de Planejamento e Regulamentação 02/09/2014

Leia mais

Tabela 1: Consumo e clientes da CELESC

Tabela 1: Consumo e clientes da CELESC Nota Técnica nº. 230/2010-SRE/ANEEL Em 28 de julho de 2010. Processo: 48500.001597/2010-85 Assunto: Homologação das tarifas de fornecimento de energia elétrica e das Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

ODEBRECHT AMBIENTAL RIO CLARO S.A. DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE RIO CLARO DAAE

ODEBRECHT AMBIENTAL RIO CLARO S.A. DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE RIO CLARO DAAE PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 52/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 41/2015 - CRO ASSUNTO: INTERESSADOS: REVISÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONTRATO 013/07X - PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NO MUNICÍPIO DE RIO

Leia mais

São Paulo SP 21/07/2011. Antonio Ganim

São Paulo SP 21/07/2011. Antonio Ganim São Paulo SP 21/07/2011 Antonio Ganim 1. A Conta de Compensação de Variação de Valores dos Itens da Parcela A CVA ; 2. Do tratamento contábil regulatório e societário da CVA até 31.12.2008; 3. Do tratamento

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004.

SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. SÚMULA DA ATA AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2004, DE 28/04/2004. Aos 28 (vinte e oito) dias do mês de abril de 2004, às 10h00 (dez horas), no auditório da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, situado

Leia mais

2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009

2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009 2ª REVISÃO QUINQUENAL DO CONTRATO DE CONCESSÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE JUTURNAÍBA S/A. Audiência Pública 11/12/2009 ESCOPO Análise do equilíbrio/desequilíbrio econômicofinanceiro do contrato Análise

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Darío Calderón AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2014 ARSESP SÃO PAULO 4 DE NOVEMBRO 2014 1 2 Aplicação de Fator X para uma empresa Greenfield A NT Nº1 de 2003 da CESP menciona

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

A Resolução Normativa nº 414 estabelece um cronograma a ser cumprido pelas distribuidoras, cujos prazos já estão sendo vencidos.

A Resolução Normativa nº 414 estabelece um cronograma a ser cumprido pelas distribuidoras, cujos prazos já estão sendo vencidos. Informação nº. 0046/2011/JURÍDICO/CNM Interessados: Municípios Brasileiros Assunto: Resolução Normativa nº. 414/2010 - ANEEL Sabe-se que a Resolução Normativa nº. 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

1. Critério de alocação

1. Critério de alocação 1. Critério de alocação 1.1. A Equatorial Energia apresenta abaixo sua análise sobre a proposta dessa D.ANEEL descrita na Nota Técnica nº 375/2014-SRE/ANEEL em relação ao critério transitório a ser utilizado

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

São Paulo, 17 de julho de 2003

São Paulo, 17 de julho de 2003 São Paulo, 17 de julho de 2003 CT/026/2003 Excelentíssima Senhora Dra. Dilma Rousseff Ministério de Minas e Energia Brasília DF Senhora Ministra, O Governo tem trabalhado no aprimoramento do Modelo do

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE EXTRAORDINÁRIO DAS TARIFAS DE ÁGUA E DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ DAE S/A ÁGUA E I. DO OBJETIVO

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2014 Altera a Resolução Normativa nº 334, de 21 de outubro de 2008, em relação aos controles prévio e a posteriori dos atos

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos no cálculo c do fator Xe Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Universalização/Programa Luz para Todos Lei nº 10.438/2002:

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME Vigência a partir de Fevereiro/2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. O Programa de Fidelidade Bradesco Prime, a seguir simplesmente designado Programa de

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO

Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO 1 CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL SC PLANO DE OUTORGA Anexo VI VALOR INICIAL DO CONTRATO Janeiro/2013 2 ANEXO V Valor Inicial do Contrato

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos aplicáveis ao cumprimento do disposto no "caput" do art. 5º do Regulamento Conjunto

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF 2007 Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO I DAS CONTRIBUIÇÕES SEÇÃO II DO CARREGAMENTO SEÇÃO IV DOS RESULTADOS FINANCEIROS SEÇÃO V DO RESGATE SEÇÃO VI DA PORTABILIDADE

ÍNDICE SEÇÃO I DAS CONTRIBUIÇÕES SEÇÃO II DO CARREGAMENTO SEÇÃO IV DOS RESULTADOS FINANCEIROS SEÇÃO V DO RESGATE SEÇÃO VI DA PORTABILIDADE PLANO COM REMUNERAÇÃO GARANTIDA E PERFORMANCE PRGP MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES ÍNDICE TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 ANÁLISE DO RESULTADO CONSOLIDADO NO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2005 EM COMPARAÇÃO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS

CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS CIRCULAR DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011-2012 CONCESSIONÁRIAS E DISTRIBUIDORAS DE VEÍCULOS A Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo (FECOMERCIÁRIOS-SP) e o SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS

Leia mais

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines

BHTRANS. Place image here with reference to guidelines BHTRANS Relatório Técnico Final de Apuração do Resultado Econômico-Financeiro dos Contratos de Concessão da Rede de Transporte e Serviços por Ônibus de Belo Horizonte Place image here with reference to

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS Avaliação de risco nas Agências Reguladoras Uma iniciativa para aprimorar o intercâmbio de informações Agência Nacional

Leia mais