DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO"

Transcrição

1 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário (13º Salário) é o nome mais conhecido da gratificação de natal. É um salário extra, pago ao trabalhador urbano e rural, inclusive o doméstico e o avulso, tomando por base a remuneração devida em dezembro, de acordo com o tempo de serviço no ano em curso. Vejamos os procedimentos que o empregador deve adotar para apurar e efetuar o pagamento do 13º Salário. QUEM TEM DIREITO São beneficiários do 13º Salário todos os empregados regidos pela CLT Consolidação das Leis do Trabalho, os empregados domésticos, os trabalhadores rurais e os trabalhadores avulsos. Entretanto, os contribuintes individuais que são aqueles que prestam serviço sem vínculo empregatício, tais como os profissionais autônomos, os empresários, os sócios e titulares de empresas, os diretores, os diaristas, entre outros, não fazem jus ao 13º Salário. EMPREGADO Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Sendo assim, todos os trabalhadores contratados com base na CLT fazem jus ao 13º Salário. EMPREGADO DOMÉSTICO Desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, também faz jus ao 13º Salário, o empregado doméstico, que é aquele que presta serviços, de natureza contínua e de finalidade não lucrativa, à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas. TRABALHADOR RURAL A remuneração devida ao trabalhador rural a título de 13º Salário é calculada com observância nos mesmos procedimentos aplicáveis ao trabalhador urbano. TRABALHADOR AVULSO A gratificação de natal devida ao trabalhador avulso, assim considerado aquele que presta serviço, sem relação de emprego, a diversas empresas, agrupado ou não em sindicato, é calculada de forma diversa daquela devida aos empregados. Considera-se trabalhador avulso, dentre outros: a) o estivador, o trabalhador de estiva em carvão e minérios e o trabalhador em Alvarenga; b) o conferente de carga e descarga; c) o consertador de carga e descarga; d) o vigia portuário; e) o trabalhador avulso de capatazia; f) o trabalhador no comércio armazenador (arrumador);

2 g) o ensacador de café, de cacau, de sal e de similares; h) o classificador de frutas; i) o amarrador; j) os trabalhadores na indústria da extração de sal. Pagamento O pagamento da gratificação de natal do trabalhador avulso deve ser realizado, pelos respectivos sindicatos de cada categoria ou órgão gestor de mão de obra, na terceira semana dos meses de junho e/ou dezembro de cada ano. Para o pagamento da referida gratificação, o sindicato comunicará em tempo hábil, ao estabelecimento bancário, o valor devido a cada um dos trabalhadores avulsos. Segundo a legislação do trabalhador avulso, na véspera do dia do pagamento, será entregue, pelo sindicato, cheque nominal de valor correspondente à gratificação de cada um dos trabalhadores. VALOR DO 13º SALÁRIO A gratificação de natal corresponde a 1/12 da remuneração integral devida ao empregado em dezembro, por mês de serviço do ano correspondente, sendo a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho considerada como mês integral. O valor será pago de forma integral ou proporcional, conforme o número de meses trabalhados dentro do ano-calendário, ou seja, de janeiro a dezembro. ADICIONAIS Quando o empregado receber, além do salário-base estabelecido no contrato de trabalho, parcelas adicionais, estas devem ser incluídas na base de cálculo do 13º Salário pelo seu total ou pela média quando variáveis. Caracterizam-se como adicionais, dentre outras, as remunerações de horas extras, adicional noturno, insalubridade, periculosidade e repouso semanal remunerado. UTILIDADE Quando a remuneração do empregado for paga uma parte em dinheiro e outra em utilidades, tais como habitação, alimentação, o valor atribuído às utilidades deve ser computado para determinação da base de cálculo do 13º Salário. PARCELA VARIÁVEL Para os empregados que percebam remuneração variável, deve ser apurada a média dessas parcelas, para pagamento das 1ª, 2ª e 3ª parcelas. Nestes casos, a parte fixa do salário contratual do empregado, se houver, será acrescida ao resultado obtido pela média das parcelas variáveis. Em se tratando de horas extras, a média deve ser realizada pela quantidade de horas prestadas no ano, aplicando-se o valor do salário-hora da época do pagamento do 13º Salário.

3 INTEGRAÇÃO DO ADICIONAL OU DA PARCELA NO MOMENTO DO PAGAMENTO O adicional deve ser considerado na base de cálculo mesmo que, no momento do pagamento do 13º Salário, o empregado não o esteja percebendo. Isto porque, a integração do adicional deve levar em conta a habitualidade com que o mesmo foi pago durante o ano. No caso de o empregado que não esteja percebendo o adicional por ocasião do pagamento do 13º Salário, a empresa deve realizar a média para inclusão da parcela na base de cálculo, observando se existe algum critério mais vantajoso na norma coletiva da categoria. FALTAS AO SERVIÇO No cálculo do 13º Salário somente poderão ser deduzidas as faltas não justificadas. Já as faltas não descontadas da remuneração do empregado serão consideradas como justificadas. FALTAS LEGAIS Os períodos de ausência do empregado no trabalho que constituem faltas legais não devem ser deduzidos por ocasião do cálculo do 13º Salário. Os casos mais frequentes de ausências legais do empregado são os que ocorrem em virtude de doença, casamento, nascimento de filho (licença-maternidade e paternidade), falecimento de parente e comparecimento à Justiça. A relação das situações que são consideradas faltas legais pode ser encontrada na Orientação que trata sobre Interrupção e Suspensão do Contrato de Trabalho divulgada no Fascículo 36/2011, deste Colecionador. DESCONTO DE FALTAS Como já mencionamos anteriormente, a fração igual ou superior a 15 dias de serviço é considerada como mês integral para efeito de pagamento do 13º Salário. Assim, o empregado somente perde o direito ao avo daquele mês, quando o número de dias trabalhados, no respectivo mês, for inferior a 15. ACIDENTE DO TRABALHO E AUXÍLIO-DOENÇA A CLT estabelece que, em caso de acidente do trabalho ou auxílio-doença, o empregado é considerado em licença não remunerada durante o prazo do respectivo benefício. O TST Tribunal Superior do Trabalho, entretanto, através da Súmula 46, decidiu que as faltas ou ausências decorrentes de acidente do trabalho não são consideradas (descontadas) para os efeitos de cálculo da gratificação natalina. Assim, considerando a jurisprudência do TST, para o cálculo da gratificação natalina, no caso de afastamento por doença ou acidente do trabalho, devem ser observados os seguintes critérios: a) acidente do trabalho o empregador deve computar os meses e fração igual ou superior a 15 dias efetivamente trabalhados, bem como os primeiros 15 dias de atestado médico e todo o período relativo à percepção do benefício acidentário; b) auxílio-doença o empregador deve computar os meses e fração igual ou superior a 15 dias

4 efetivamente trabalhados, bem como os primeiros 15 dias de afastamento (atestado médico), cuja remuneração é de responsabilidade do empregador. Já o período referente ao benefício pago pela Previdência Social não é computado. SERVIÇO MILITAR O período em que o empregado permanece afastado do trabalho para prestação do serviço militar não é computado para efeito do 13º Salário. Assim, somente os períodos trabalhados antes e depois do afastamento serão considerados como tempo de serviço na determinação da gratificação de natal. PAGAMENTO DA PRIMEIRA PARCELA Entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, o empregador deve pagar de uma só vez, como adiantamento da gratificação de natal, metade do salário recebido pelo empregado no mês anterior. Ressaltamos que o empregador não está obrigado a pagar a 1ª parcela no mesmo mês a todos os seus empregados, podendo pagá-la em meses diversos, desde que até 30 de novembro de cada ano. APURAÇÃO DO VALOR O valor da 1ª parcela do 13º Salário corresponde à metade da remuneração percebida pelo empregado no mês anterior àquele em que se realizar o pagamento. Exemplificando, se o pagamento da 1ª parcela se der no mês de agosto, o valor desta corresponderá à metade da remuneração do mês de julho. Este critério também se aplica no caso de salário variável, quando a média será apurada até o mês anterior ao do pagamento. PAGAMENTO DA SEGUNDA PARCELA O pagamento da 2ª parcela do 13º Salário deve ser realizado até o dia 20 de dezembro de cada ano, sendo antecipado se este dia não for útil. APURAÇÃO DO VALOR O valor da 2ª parcela do 13º Salário é determinado pela apuração da diferença entre a importância correspondente à 1ª parcela, paga entre os meses de fevereiro e novembro, e a remuneração devida ao empregado no mês de dezembro, observado o tempo de serviço no respectivo ano. PAGAMENTO DA TERCEIRA PARCELA A 3ª parcela somente vai existir para os empregados que recebam parcelas variáveis (comissões, horas extras), pois neste caso a empresa não tem como apurar até o dia 20 de dezembro o valor exato da remuneração devida. Para estes empregados, o pagamento da 3ª parcela, que na verdade se constitui na diferença das variáveis apuradas a seu favor, quando for o caso, deverá ser efetuado até o dia 10 de janeiro do ano seguinte, sendo antecipado se este dia não for útil.

5 APURAÇÃO DO VALOR O valor da 3ª parcela é determinado pela apuração da diferença entre a importância apurada do 13º Salário, paga até 20 de dezembro, e a remuneração devida ao empregado no último dia do mês de dezembro, observado o tempo de serviço no respectivo ano. RESSARCIMENTO AO EMPREGADOR Após a apuração do valor devido do 13º Salário, pode ocorrer que no dia 20 de dezembro este tenha sido pago a maior ao empregado, possibilitando o ressarcimento por parte do empregador. Neste caso, o empregador efetuará a compensação, descontando o valor correspondente em folha de pagamento. PAGAMENTO EM PARCELA ÚNICA Há empresas que desejam efetuar o pagamento do 13º Salário de seus empregados em uma única parcela. Apesar de a legislação ser clara ao determinar que o pagamento seja feito em duas parcelas, o empregador que desejar pagar o 13º Salário de uma só vez, tem alguns inconvenientes. Caso adote este procedimento, ele poderá efetuar o pagamento em qualquer mês, desde que não ultrapasse o dia 30 de novembro, data-limite para pagamento da 1ª parcela, observando que o valor corresponde ao mesmo da remuneração de dezembro. CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES Suponhamos que o empregador quite todo o valor do 13º Salário em agosto e haja pagamento de parcelas variáveis nos meses de setembro, outubro, novembro ou dezembro. Neste caso, o empregador terá que recalcular o referido valor, efetuando o pagamento da diferença até o dia 20 de dezembro. Vale ressaltar, que a diferença de 13º Salário apurada é fato gerador dos recolhimentos de contribuição previdenciária e FGTS, bem como do imposto de renda, quando for o caso. Outro detalhe que deve ser observado, é que o pagamento em parcela única não poderá ocorrer no mês de dezembro, pois não estaria sendo respeitada a legislação que determina que o adiantamento de 50% deva ser efetuado entre os meses de fevereiro e novembro. Devemos considerar também a hipótese de ocorrer a rescisão do contrato de trabalho posteriormente à data do pagamento da parcela única do 13º Salário, pois, se as parcelas rescisórias não forem suficientes para compensar o valor adiantado, a empresa terá que arcar com o prejuízo da diferença não restituída. Por fim, resta destacar que alguns fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego não aceitam a possibilidade do pagamento do 13º Salário em parcela única, autuando o empregador por não atender o que determina expressamente a legislação. PAGAMENTO NAS FÉRIAS O pagamento da 1ª parcela do 13º Salário pode ser efetuado por ocasião das férias do empregado. Para isso, o empregado deve fazer a respectiva solicitação à empresa, durante o mês de

6 janeiro do ano correspondente. Nas férias gozadas no mês de janeiro, ainda que requerida pelo empregado, o empregador não está obrigado ao pagamento da 1ª parcela do 13º Salário. A obrigatoriedade do pagamento da 1ª parcela será em relação às férias concedidas a partir do mês de fevereiro, desde que requerida no prazo previsto. Relativamente às férias gozadas em fevereiro, alertamos que a antecipação da 1ª parcela do 13º Salário deve ser atendida mesmo que a remuneração das férias seja paga no mês de janeiro. EMPREGADO ADMITIDO NO CURSO DO ANO Quando o empregado tiver sido admitido no curso do ano ou não tiver permanecido à disposição do empregador durante todos os meses, o valor da 1ª ou 2ª parcela, corresponderá a 1/12 da remuneração, por mês efetivo de serviço ou fração igual ou superior a 15 dias, calculados separadamente sobre cada parcela. INCIDÊNCIA DO INSS A remuneração paga ou creditada a título de 13º Salário integra o salário de contribuição para fins de incidência da contribuição previdenciária. A incidência ocorrerá quando do pagamento ou crédito da última parcela ou por ocasião da rescisão de contrato de trabalho. BASE DE CÁLCULO A contribuição do empregado é calculada com base nas alíquotas de 8%; 9% ou 11%, aplicadas de forma não cumulativa de acordo com a faixa salarial em que esteja situado o valor bruto do 13º Salário, sem a compensação (sem o desconto) dos adiantamentos pagos, independentemente do salário do mês de dezembro ou daquele pago no mês da rescisão do contrato de trabalho, devendo ser observado o limite máximo previdenciário. Desta forma, a base de cálculo da contribuição previdenciária no mês de pagamento ou crédito da gratificação natalina será o valor bruto do 13º Salário, ou seja, na base de cálculo não será incluído o valor da remuneração do mês, pois sobre esta parcela a contribuição previdenciária será calculada separadamente. Assim, o cálculo do valor líquido da 2ª parcela do 13º Salário de uma empregada, com 1 dependente, cujo salário no mês de dezembro/2012 é de R$ 4.700,00, considerando que no mês de novembro/2012 o valor da 1ª parcela de seu 13º Salário foi de R$ 2.350,00, será feito conforme a seguir: a) 13º Salário integral (12/12): R$ 4.700,00 b) Desconto do INSS (11% de R$ 3.916,20 limite máximo previdenciário): R$ 430,78 c) IRRF Dedução da Contribuição Previdenciária = R$ 430,78 Dedução de 1 dependente = R$ 164,56 Base de Cálculo: R$ 4.700,00 R$ 430,78 R$ 164,56 = R$ 4.104,66

7 alíquota: 27,5 % parcela a deduzir do imposto: R$ 756,53 Cálculo do Imposto: R$ 4.104,66 x 27,5 = R$ 1.128,78 R$ 756,53 = R$ 372, d) 1ª parcela do 13º Salário: R$ 2.350,00 e) Valor Líquido a Receber: R$ 4.700,00 R$ 2.350,00 R$ 430,78 R$ 372,25 = R$ 1.546,97 PREENCHIMENTO DA GPS O recolhimento da contribuição deve ser efetuado através da GPS Guia da Previdência Social utilizada especificamente para esta finalidade. No preenchimento da GPS deve ser observado o seguinte: a) Campo 4 Competência: apor o nº 13 indicando o mês de competência referente ao 13º Salário e os 4 últimos dígitos do ano correspondente (Ex.:13/2012); b) Campo 6 Valor do INSS: lançar o resultado do somatório do valor da contribuição descontada do empregado e da devida pela empresa. c) Campo 9 Valor de Outras Entidades e Fundos: lançar o valor das contribuições das entidades e fundos (terceiros) a que estiver sujeita a empresa. Compensação na GPS Na GPS relativa ao pagamento das contribuições previdenciárias incidentes sobre o 13º Salário, poderão ser compensadas as importâncias que a empresa tenha recolhido indevidamente, sem que exista qualquer limite para compensação, sobre o valor total devido à Previdência Social nessa competência. Cessão ou Empreitada de Mão de Obra No caso de cessão ou empreitada de mão de obra, a compensação da retenção de 11% do valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços poderá ser efetuada com as contribuições devidas à Previdência Social incidentes sobre a remuneração do 13º Salário, desde que a retenção esteja: a) declarada em GFIP Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social na competência da emissão da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços, pelo estabelecimento responsável pela cessão de mão de obra ou pela execução da empreitada total; e b) destacada na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços ou que a contratante tenha efetuado o recolhimento desse valor. A compensação da retenção somente poderá ser efetuada com o valor das contribuições previdenciárias, não podendo absorver contribuições destinadas a outras entidades ou fundos, as quais deverão ser recolhidas integralmente pelo sujeito passivo. Reembolso na GPS A importância paga à empregada a título de 13º Salário proporcional ao período de licença-

8 maternidade gozada durante o ano será calculada sobre a gratificação natalina e reembolsada à empresa na GPS em que esta recolher as contribuições incidentes sobre o 13º Salário, exceto as contribuições destinadas a outras entidades ou fundos. Décimo Terceiro Salário Proporcional ao Período de Licença-Maternidade Para efeito da apuração da parcela do 13º Salário correspondente ao período da licençamaternidade, para fins de dedução na GPS, será considerado o período em que a empregada esteve em gozo de licença-gestante, contados dia a dia, dentro do exercício (ano). O montante a ser deduzido no campo 6 da GPS será apurado da seguinte forma: a) dividir o valor total do 13º Salário por 30; b) o resultado da operação anterior deverá ser dividido pelo número de meses considerados no cálculo do 13º Salário; c) multiplicar o resultado da operação descrita na letra b pelo número de dias de gozo da licença-maternidade no respectivo ano. Exemplo: Suponhamos uma empregada, admitida em , cujo afastamento para gozo de licençamaternidade terá duração de a , e que, no mês de dezembro/2012, o valor de seu 13º Salário será de R$ 1.200,00. O valor a ser reembolsado na GPS será de R$ 299,70, conforme abaixo: a) R$ 1.200,00 30 dias = R$ 40,00 b) R$ 40,00 12 meses = R$ 3,33 c) R$ 3,33 x 90 dias (de 3-10 a )= R$ 299,70 Os 30 dias referentes ao salário-maternidade do período de 1-1 a serão reembolsados à empresa na GPS em que esta recolher as contribuições previdenciárias referentes à gratificação natalina do exercício de Reembolso do Valor Pago Por ocasião do recolhimento das contribuições previdenciárias incidentes sobre o 13º Salário, considerando, por exemplo, que a folha de pagamento chegue ao total de R$ ,00 e que o valor a ser deduzido será o constante do subitem , a situação será a seguinte: a) contribuições devidas pela empresa, inclusive por acidente do trabalho (RAT), mais as descontadas dos empregados, subtraindo o valor do 13º Salário proporcional ao período de licença-maternidade: R$ 4.490,00 (R$ ,00 x 20%) + R$ 449,00 (R$ ,00 x 2%) + R$ 4.935,27 (desconto dos empregados) R$ 299,70 (reembolso do 13º Salário proporcional referente à licença-maternidade) = R$ 9.574,57 b) valor de outras entidades e fundos: R$ 1.302,10 (R$ ,00 x 5,8%) Neste caso, os campos respectivos da GPS serão preenchidos da seguinte forma: Campo 6 VALOR DO INSS = R$ 9.574,57

9 Campo 9 VALOR DE OUTRAS ENTIDADES = R$ 1.302,10 Campo 11 TOTAL = R$ 8.272,47 PRAZO PARA RECOLHIMENTO DO INSS A contribuição incidente sobre o 13º Salário deve ser recolhida até o dia 20 de dezembro, antecipando-se o prazo para dia útil imediatamente anterior se não houver expediente bancário neste dia. A partir desta data, as contribuições serão acrescidas de juros e multa. Na hipótese de haver ajuste no valor do 13º Salário (3ª parcela diferença de parcelas variáveis), a contribuição deverá ser recolhida junto com as contribuições relativas à competência dezembro/2012, na GPS normal da própria empresa, até o dia 18 de janeiro/2013. EMPREGADO DOMÉSTICO Conforme já citamos anteriormente, considerando que os empregados domésticos têm direito à percepção do 13º Salário, este também será calculado com base na remuneração de dezembro. Em face da falta de dispositivo legal específico para os empregados domésticos, deve ser aplicado para o pagamento da 1ª e 2ª parcelas do 13º Salário o que rege a legislação dos empregados celetistas, devendo ser observado o que consta deste Comentário. A contribuição previdenciária incidente sobre o 13º Salário deve ser recolhida pelos empregadores domésticos até o dia 20 de dezembro ou dia útil anterior. A partir desta data, a contribuição será acrescida de juros e multa. O preenchimento da GPS será normal, com exceção do Campo 4 Competência, em que devem ser apostos o nº 13 relativo ao mês e os quatro últimos algarismos do ano (Ex.:13/2012). Caso a empregada doméstica tenha gozado licença-maternidade, a contribuição previdenciária sobre o 13º Salário será calculada da seguinte forma: a) contribuição do empregador 12% sobre o valor bruto do 13º Salário, ou seja, o valor relativo ao período efetivamente trabalhado na residência e o período proporcional aos meses em que a empregada esteve afastada em licença-maternidade, cujo salário-maternidade foi pago pelo INSS; b) contribuição da empregada alíquota correspondente (8, 9 ou 11%) aplicada sobre o somatório do valor do 13º Salário relativo ao período efetivamente trabalhado para o empregador doméstico e da parcela do 13º Salário proporcional aos meses de saláriomaternidade pago pelo INSS. Cabe ressaltar que o valor do 13º Salário correspondente ao período de duração da licençamaternidade é pago juntamente com a última parcela do salário-maternidade devido. Caso o empregador doméstico tenha optado por recolher a contribuição para o FGTS incidente sobre a remuneração paga ao empregado doméstico, ele também terá de recolher a contribuição sobre o valor do 13º Salário (1ª e 2ª parcelas).

10 COMPETÊNCIA NOVEMBRO De acordo com a Lei /2006, os empregadores domésticos que não fizeram a opção pelo recolhimento trimestral poderão recolher a contribuição previdenciária relativa à competência novembro até o dia 20 de dezembro, juntamente com a contribuição referente ao 13º Salário, utilizando-se de um único documento de arrecadação, identificado com a competência onze e o ano a que se referir. (Ex.: no Campo 4 da GPS deve constar 11/2012) INCIDÊNCIA DO FGTS Sobre o valor do 13º Salário, seja na 1ª, 2ª ou 3ª parcela, incide o depósito de 8% para o FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Em se tratando de contrato de trabalho do aprendiz, o depósito do FGTS corresponde a 2% da remuneração. PRAZO PARA RECOLHIMENTO A GRF Guia de Recolhimento do FGTS deve ser quitada até o dia 7 de cada mês, em relação à remuneração do mês anterior. Se não houver expediente bancário no dia 7, o prazo para recolhimento sem acréscimos legais é o dia útil imediatamente anterior. A remuneração referente a cada parcela de 13º Salário pago, devido ou creditado ao trabalhador deve ser informada no mês de competência, para efeito de recolhimento exclusivo ao FGTS, obedecendo ao mesmo prazo da remuneração mensal. No caso de salário variável (3ª parcela), o ajuste relativo ao 13º Salário deve ser considerado na competência do mês e ano da complementação, ou seja, dezembro. O FGTS relativo à 3ª parcela deve ser recolhido até o dia 7 de janeiro. No caso de não haver pagamento da 3ª parcela, mas sim devolução por parte do empregado, a empresa deve recalcular o depósito para o FGTS apurado, quando do pagamento da 2ª parcela, de forma a não recolher valor maior que o devido. GFIP/SEFIP Desde o ano de 2005, devem ser apresentadas Gfip/Sefip distintas para os fatos geradores referentes ao mês de dezembro, competência 12; e para os fatos geradores referentes ao 13º Salário, competência 13. A Gfip/Sefip da competência 13 destina-se exclusivamente a prestar informações à Previdência Social, relativas a fatos geradores das contribuições relacionadas ao 13º Salário, com exceção quando este for pago na rescisão de contrato de trabalho. Isto porque, o 13º Salário pago na rescisão, inclusive a ocorrida no mês de dezembro, será informado na Gfip/Sefip da competência da rescisão. A declaração referente à competência 13 deverá ser apresentada até o dia 31 de janeiro do ano seguinte ao da referida competência, observando-se, quanto à forma de preenchimento, as normas contidas no Manual da Gfip/Sefip. EXEMPLO Considerando um empregado mensalista que tenha recebido, no mês de outubro/2012, a remuneração fixa de R$ 1.650,00, teremos:

11 Determinação do valor da 1ª parcela, pago em novembro/2012: R$ 1.650,00 2 = R$ 825,00 Determinação do valor bruto da 2ª parcela, supondo-se que a sua remuneração tenha sido reajustada, no mês de dezembro, para R$ 1.800,00. Valor bruto da 2ª parcela: R$ 1.800,00 R$ 825,00 = R$ 975,00 FGTS da 1ª parcela = R$ 66,00 (8% de R$ 825,00), a recolher em dezembro/2012; FGTS da 2ª parcela = R$ 78,00 (8% de R$ 975,00), a recolher em janeiro/2013. INCIDÊNCIA DO IR/FONTE O 13º Salário é tributado separadamente dos demais rendimentos recebidos no mês, aplicando-se as alíquotas e as parcelas a deduzir da Tabela Progressiva do Imposto de Renda vigente no mês da respectiva quitação, sendo devido o recolhimento de qualquer valor, mesmo que inferior a R$ 10,00. O fato gerador ocorre na data do pagamento da 2ª parcela do 13º Salário, não sendo devido por ocasião do adiantamento (1ª parcela). DEDUÇÃO PERMITIDA O IR/Fonte incide sobre o valor integral do 13º Salário diminuído das seguintes parcelas, conforme o caso: a) encargos de família: R$ 164,56 por dependente (valor de janeiro a dezembro/2012); b) contribuições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e que tenham incidido sobre o 13º Salário; c) alimentos ou pensões: valor efetivamente pago por força de acordo ou decisão judicial, inclusive a prestação de alimentos provisionais; d) previdência privada: contribuições para as entidades privadas domiciliadas no País e as contribuições para o Fapi, cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social. PRAZO PARA RECOLHIMENTO O IR/Fonte deve ser recolhido até o último dia útil do segundo decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. O recolhimento do IR/Fonte deve ser efetuado, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. COMPLEMENTAÇÃO DO 13º SALÁRIO No caso de pagamento de complementação do 13º Salário posteriormente ao mês fixado, o imposto deverá ser recalculado sobre o valor total dessa gratificação, utilizando a tabela vigente no mês de dezembro ou da rescisão do contrato. Do imposto apurado será deduzido o valor do imposto retido anteriormente. PENSÃO ALIMENTÍCIA A pensão alimentícia é prestada por uma pessoa, como encargo ou como obrigação para

12 alimentação de outra, tendo que ser cumprida de forma espontânea ou por imposição judicial, firmada em sentença proferida em ação competente. Apesar de a legislação trabalhista não prever o desconto de pensão alimentícia no salário, esta deve ser efetuada por ocasião do seu pagamento, pois se trata de cumprimento de decisão judicial. Sendo assim, o desconto da pensão alimentícia é devido sobre o valor do 13º Salário (1ª, 2ª e 3ª parcela, quando for o caso), pois tal verba está compreendida nas expressões vencimentos, salários ou proventos que consolidam a totalidade dos rendimentos recebidos pelo alimentante. O percentual de desconto será o previsto no termo judicial, determinado pelo juiz, em ofício endereçado à empresa. O desconto da pensão alimentícia não modifica a base de cálculo do salário para o desconto da contribuição previdenciária. Entretanto, quanto ao desconto do IR/Fonte, o valor da pensão alimentícia poderá ser abatido para apuração da base de cálculo. RECIBO DE PAGAMENTO A legislação trabalhista não determina modelo oficial de recibo para o pagamento do 13º Salário. Portanto, podem ser utilizados recibos próprios ou folhas de pagamento com espaço para quitação, adquiridos em papelarias especializadas, ou modelos criados pela própria empresa para esse fim. COMPROVANTE DE DEPÓSITO BANCÁRIO Tem força de recibo o comprovante de depósito em conta bancária, aberta para esse fim em nome de cada empregado, com o consentimento deste, em estabelecimento de crédito próximo ao local de trabalho. Assim, se o valor do 13º Salário for depositado em conta bancária, aberta em nome do empregado, a empresa estará dispensada de adotar o modelo impresso de recibo. Apesar de a empresa que deposita o 13º Salário em conta bancária estar dispensada de colher a assinatura do empregado em recibo impresso, a SIT Secretaria de Inspeção do Trabalho, através do Precedente Administrativo 86, estabeleceu que a empresa fica obrigada, apenas, a entregar ao trabalhador um contracheque ou demonstrativo de pagamento, em que se discriminem as parcelas salariais, bem como os valores descontados. Cabe ressaltar, ainda, que o contracheque é documento de comprovação de renda para o empregado. EXEMPLOS PRÁTICOS Apresentamos, a seguir, a título de exemplificação, as modalidades de cálculo das 1ª, 2ª e 3ª parcelas, quando for o caso, do 13º Salário, referente ao ano de 2012, considerando os pagamentos realizados nos meses de novembro e dezembro, respectivamente, observando, ainda, as diversas formas de pagamento das remunerações devidas.

13 Conforme examinamos anteriormente, devem ser observadas as incidências de FGTS, INSS e IR/Fonte. HORISTA, DIARISTA OU SEMANALISTA A determinação das 1ª e 2ª parcelas do 13º Salário, dos empregados que tenham a remuneração por hora, dia ou semana, é realizada através dos mesmos procedimentos relativos aos mensalistas ou quinzenalistas, uma vez que a base de cálculo é o valor da remuneração mensal que lhes é devida. a) DIARISTA ADMITIDO ANTES DO ANO DE ª PARCELA Suponhamos um empregado que tenha recebido, no mês de outubro/2012, o salário diário de R$ 47,00, a determinação do valor da 1ª parcela do seu 13º Salário será realizada da forma a seguir: R$ 47,00 x 31 dias = R$ 1.457,00 Valor da 1ª parcela: R$ 1.457,00 2 = R$ 728,50 FGTS da 1ª parcela R$ 58,28 (8% de R$ 728,50) 2ª PARCELA Considerando que a sua remuneração diária no mês de dezembro passe a ser de R$ 52,00, o valor bruto da 2ª parcela do 13º Salário a ele devido será determinado do modo a seguir: R$ 52,00 x 31 dias = R$ 1.612,00 Valor bruto da 2ª parcela: R$ 1.612,00 R$ 728,50 (1ª parcela) = R$ 883,50 Desconto de INSS (9% de R$ 1.612,00) ( ) R$ 145,08 Valor líquido a receber = R$ 738,42 FGTS da 2ª parcela R$ 70,68 (8% de R$ 883,50) b) HORISTA ADMITIDO ANTES DO ANO DE 2012 (JORNADA FIXA) 1ª PARCELA Suponhamos um empregado que tenha recebido, no mês de outubro/2012, o salário-hora de R$ 5,00, a determinação do valor da 1ª parcela do seu 13º Salário será realizada da forma a seguir: R$ 5,00 x 220 horas = R$ 1.100,00 Valor da 1ª parcela: R$ 1.100,00 2 = R$ 550,00 FGTS da 1ª parcela R$ 44,00 (8% de R$ 550,00) 2ª PARCELA Considerando que o seu salário-hora no mês de dezembro passe a ser de R$ 6,50, o valor bruto da 2ª parcela do 13º Salário a ele devido será determinado do modo a seguir:

14 R$ 6,50 x 220 horas = R$ 1.430,00 Valor bruto da 2ª parcela: R$ 1.430,00 R$ 550,00 (1ª parcela) = R$ 880,00 Desconto de INSS (9% de R$ 1.430,00) ( ) R$ 128,70 Valor líquido a receber = R$ 751,30 FGTS da 2ª parcela R$ 70,40 (8% de R$ 880,00) c) HORISTA ADMITIDO DURANTE O ANO DE 2012 (JORNADA VARIÁVEL) A determinação das 1ª e 2ª parcelas do 13º Salário, dos empregados que tenham a remuneração por hora deve ser apurada pela média do período, considerando os meses efetivamente trabalhados. Assim, um empregado que tenha sido admitido em e que seu salário-hora seja de R$ 7,00, a determinação do valor da 1ª parcela do seu 13º Salário, pago em , será realizada da forma a seguir: 1ª PARCELA Mês Média das horas de julho a outubro = 472 horas = 118 horas 4 meses Remuneração média: R$ 7,00 x 118 horas = R$ 826,00 Repouso Semanal Remunerado: 1/6 de R$ 826,00= R$ 137,67 Horas Trabalhadas Julho 80 Agosto 122 Setembro 130 Outubro 140 Total 472 Valor da 1ª parcela, considerando o período trabalhado de 5 meses (julho até novembro): 5/12 de R$ 963,67 (R$ 826,00+ R$ 137,67) R$ 963,67 12 x 5 = R$ 401,53 R$ 401,53 2 = R$ 200,77 FGTS da 1ª parcela R$ 16,06 (8% de R$ 200,77) 2ª PARCELA Considerando que o mesmo empregado tenha realizado, no mês de novembro, a quantidade de 153 horas, a 2ª parcela do seu 13º Salário, paga em , será determinada da seguinte forma:

15 Média das horas de julho a novembro = horas = 125 horas 5 meses Remuneração média: R$ 7,00 x 125 horas = R$ 875,00 Repouso Semanal Remunerado: 1/6 de R$ 875,00 = R$ 145,83 Valor da 2ª parcela, considerando o período trabalhado de 6 meses (julho até dezembro): 6/12 de R$ 1.020,83 (R$ 875,00 + R$ 145,83) Valor bruto do 13º Salário: R$ 1.020,83 12 x 6 = R$ 510,42 Valor bruto da 2ª parcela: R$ 510,42 R$ 200,77 (1ª parcela) = R$ 309,65 Desconto de INSS (8% de R$ 510,42) ( ) R$ 40,83 Valor líquido a receber = R$ 268,82 FGTS da 2ª parcela R$ 24,77 (8% de R$ 309,65) 3ª PARCELA Ao final do mês de dezembro, deve ser apurado o valor efetivo do 13º Salário integral devido, através do cômputo das horas trabalhadas naquele mês. Dessa apuração pode resultar diferença a favor do empregado ou da empresa, como exemplificamos a seguir: DIFERENÇA A FAVOR DO EMPREGADO Supondo-se que o empregado mencionado faça jus, no mês de dezembro, a 161 horas, o valor do seu 13º Salário integral corresponderá a: Média das horas de julho a dezembro = horas = 131 horas 6 meses Remuneração média: R$ 7,00 x 131 horas = R$ 917,00 Repouso Semanal Remunerado: 1/6 de R$ 917,00 = R$ 152,83 Valor da 2ª parcela, considerando o período trabalhado de 6 meses (julho até dezembro): 6/12 de R$ 1.069,83 (R$ 917,00 + R$ 152,83) Valor bruto do 13º Salário: R$ 1.069,83 12 x 6 = R$ 534,92 Diferença a favor do empregado: R$ 534,92 R$ 200,77 (1ª parcela) R$ 309,65 (2ª parcela) = R$ 24,50 Desconto de INSS (8% de R$ 534,92) = R$ 42,79 INSS sobre a 3ª parcela: R$ 42,79 R$ 40,83 ( ) R$ 1,96

16 Valor líquido a receber = R$ 22,54 FGTS da 3ª parcela R$ 1,96 (8% de R$ 24,50) O valor de R$ 22,54 corresponde à diferença do 13º Salário que deve ser paga até o dia 10 de janeiro do ano seguinte. DIFERENÇA A FAVOR DA EMPRESA Supondo-se que o mesmo empregado tivesse trabalhado 101 horas no mês de dezembro, caberia a empresa se ressarcir do valor pago a maior. Nesse caso, a empresa deve refazer os cálculos do modo demonstrado a seguir: Média das horas de julho a dezembro = horas = 121 horas 6 meses Remuneração média: R$ 7,00 x 121 horas = R$ 847,00 Repouso Semanal Remunerado: 1/6 de R$ 847,00 = R$ 141,17 Valor da 2ª parcela, considerando o período trabalhado de 6 meses (julho até dezembro): 6/12 de R$ 988,17 (R$ 847,00 + R$ 141,17) Valor bruto do 13º Salário: R$ 988,17 12 x 6 = R$ 494,09 Diferença a favor da empresa: R$ 494,09 R$ 200,77 (1ª parcela) R$ 309,65 (2ª parcela) = ( ) R$ 16,33 Desconto de INSS (8% de R$ 494,09) = R$ 39,53 INSS a ser restituído ao empregado: R$ 40,83 R$ 39,53 ( ) R$ 1,30 Valor líquido a ser devolvido pelo empregado: = R$ 15,03 Nesse caso, como já foi recolhido o FGTS relativo à 1ª parcela (8% de R$ 200,77), a empresa recolherá o FGTS sobre o valor da 2ª parcela, que corresponderá a 8% de R$ 293,32 (R$ 309,65 R$ 16,33). MENSALISTA OU QUINZENALISTA a) ADMITIDO ANTES DO ANO DE ª PARCELA Considerando um empregado que tenha recebido, no mês de outubro/2012, a remuneração fixa de R$ 1.500,00, teremos: Determinação do valor da 1ª parcela, pago em novembro: R$ 1.500,00 2 = R$ 750,00 FGTS da 1ª parcela R$ 60,00 (8% de R$ 750,00)

17 2ª PARCELA Determinação do valor bruto da 2ª parcela, supondo-se que a sua remuneração tenha sido reajustada, no mês de dezembro, para R$ 1.600,00. Valor bruto da 2ª parcela: R$ 1.600,00 R$ 750,00 (1ª parcela) = R$ 850,00 Desconto de INSS (9% de R$ 1.600,00) ( ) R$ 144,00 Valor líquido a receber = R$ 706,00 FGTS da 2ª parcela R$ 68,00 (8% de R$ 850,00) b) ADMITIDO DURANTE O ANO DE 2012 A 1ª parcela do 13º Salário devido ao empregado admitido no curso do ano corresponde à metade de 1/12 da sua remuneração por mês integral do serviço ou fração igual ou superior a 15 dias. 1ª PARCELA Considerando um empregado admitido em , com salário fixo mensal de R$ 900,00 em outubro, o valor da 1ª parcela do seu 13º Salário, paga em novembro, é determinado como examinado a seguir: Período de Trabalho de 5 meses (julho a novembro): 1/12 da remuneração de outubro: R$ 900,00 = R$ 75, º Salário proporcional (até novembro): R$ 75,00 x 5 meses = R$ 375,00 Valor da 1ª parcela: R$ 375,00 2 = R$ 187,50 FGTS da 1ª parcela R$ 15,00 (8% de R$ 187,50) 2ª PARCELA Considerando que a sua remuneração tenha sido reajustada no mês de dezembro para R$ 1.100,00, o valor bruto da 2ª parcela do 13º Salário a ele devido será determinado do modo a seguir: 1/12 da remuneração de dezembro: R$ 1.100,00 = R$ 91,67 12 Valor do 13º Salário: R$ 91,67 x 6 meses (julho a dezembro) = R$ 550,02 Valor bruto da 2ª parcela: R$ 550,02 R$ 187,50 (1ª parcela) = R$ 362,52 Desconto de INSS (8% de R$ 550,02) ( ) R$ 44,00

18 Valor líquido a receber = R$ 318,52 FGTS da 2ª parcela R$ 29,00 (8% de R$ 362,52) MENSALISTA COM HORAS EXTRAS a) ADMITIDO ANTES DO ANO DE 2012 Suponhamos um empregado que tenha, em novembro/2012, o salário fixo de R$ 1.300,00 e que tenha feito, de janeiro a outubro/2012, a quantidade de horas extras a seguir discriminadas: 1ª PARCELA Mês Quantidade de Horas Extras Janeiro 12 Fevereiro 2 Março 8 Abril 7 Maio 11 Junho 6 Julho 9 Agosto 12 Setembro 9 Outubro 14 Total 90 O valor da 1ª parcela do 13º Salário do empregado, a ser pago em novembro/2012, será determinado conforme a seguir, considerando que seu salário-hora mais o adicional de 50% vigente em outubro/2012 equivale a: R$ 8,86 (R$ 1.300, horas x 1,50) Média das horas de janeiro a outubro: 90 horas extras = 9 horas extras 10 meses Valor da média: R$ 8,86 x 9 horas extras = R$ 79,74 Repouso Semanal Remunerado s/o valor da média: 1/6 de R$ 79,74 = R$ 13,29 Valor da 1ª parcela do 13º Salário: R$ 1.300,00 + R$ 79,74 + R$ 13,29 = R$ 696,52 2 FGTS da 1ª parcela R$ 55,72 (8% de R$ 696,52)

19 2ª PARCELA Prosseguindo no cálculo, considerando que o empregado tenha feito, no mês de novembro/2012, mais 20 horas extras, a 2ª parcela do seu 13º Salário será apurada conforme a seguir, sendo que o seu salário-hora acrescido do adicional de 50% continua, em dezembro/2012, a ser de R$ 8,86. Média das horas de janeiro a novembro: horas extras = 10 horas extras 11 meses Valor da hora extra: R$ 8,86 Valor da média: R$ 8,86 x 10 horas extras = R$ 88,60 Repouso Semanal Remunerado s/o valor da média: 1/6 de R$ 88,60 = R$ 14,77 Valor bruto do 13º Salário: R$ 1.300,00 + R$ 88,60 + R$ 14,77 = R$ 1.403,37 Valor bruto da 2ª parcela: R$ 1.403,37 R$ 696,52 (1ª parcela) = R$ 706,85 Desconto de INSS (9% de R$ 1.403,37) ( ) R$ 126,30 Valor líquido a receber = R$ 580,55 FGTS da 2ª parcela R$ 56,55 (8% de R$ 706,85) 3ª PARCELA No término do mês de dezembro, deve ser apurado o valor efetivo do 13º Salário. Desta forma, da apuração pode resultar diferença a favor do empregado ou da empresa, conforme segue: DIFERENÇA A FAVOR DO EMPREGADO Considerando que o empregado tenha feito no mês de dezembro 22 horas extras, o valor integral de seu 13º Salário corresponde a: Média das horas de janeiro a dezembro: horas extras = 11 horas extras 12 meses Valor da hora extra: R$ 8,86 Valor da média: R$ 8,86 x 11 horas extras = R$ 97,46 Repouso Semanal Remunerado s/o valor da média: 1/6 de R$ 97,46 = R$ 16,24 Valor efetivo do 13º Salário: R$ 1.300,00 + R$ 97,46 + R$ 16,24 = R$ 1.413,70 Diferença a favor do empregado: R$ 1.413,70 (13º Salário integral) R$ 1.403,37

20 (1ª e 2ª parcelas) = R$ 10,33 Desconto de INSS (9% de R$ 1.413,70 = R$ 127,23) INSS sobre a 3ª parcela: R$ 127,23 R$ 126,30 = ( ) R$ 0,93 Valor líquido a receber = R$ 9,40 FGTS da 3ª parcela R$ 0,83 (8% de R$ 10,33) A diferença a ser paga até o dia 10 de janeiro do ano seguinte será de R$ 9,40. DIFERENÇA A FAVOR DA EMPRESA Supondo-se que o empregado não tivesse feito horas extras no mês de dezembro; neste caso, caberia à empresa ser ressarcida do valor pago a maior, conforme se segue: Média das horas de janeiro a dezembro: 110 horas extras = 9,17 horas extras 12 meses Valor da hora extra: R$ 8,86 Cálculo do Valor da média: R$ 8,86 x 9 horas extras = R$ 79,74 (R$ 0,15 (R$ 8,86 60 min) x 17 min) R$ 2,55 Total da Média: R$ 82,29 (R$ 79,74 + R$ 2,55) Repouso Semanal Remunerado s/o valor da média: 1/6 de R$ 82,29 = R$ 13,72 Valor efetivo do 13º Salário: R$ 1.300,00 + R$ 82,29 + R$ 13,72 = R$ 1.396,01 Valor do 13º Salário devido em dezembro: R$ 1.396,01 Diferença a favor da empresa: R$ 1.403,37 (1ª e 2ª parcelas) R$ 1.396,01 (13º Salário devido) = R$ 7,36 Desconto de INSS (9% de R$ 1.396,01) = R$ 125,64 INSS a ser restituído ao empregado: R$ 126,30 R$ 125,64 ( ) R$ 0,66 Valor líquido a ser devolvido pelo empregado: = R$ 6,70 Nesse caso, como já foi recolhido o FGTS relativo à 1ª parcela (8% de R$ 696,52), a empresa recolherá o FGTS sobre o valor da 2ª parcela, que corresponderá a 8% de R$ 699,49 (R$ 1.396,01 R$ 696,52). b) ADMITIDO DURANTE O ANO DE 2012 Para apurar o valor do 13º Salário dos empregados admitidos no curso do ano e que fizeram horas extras, no período compreendido entre o mês de admissão e o mês de dezembro, devem ser adotados os mesmos procedimentos ora abordados. Contudo, para fins de apuração da média das horas extraordinárias, deve-se considerar a quantidade de meses efetivamente trabalhados e/ou fração igual ou superior a 15 dias.

21 COMISSIONISTAS A base de cálculo da 1ª ou 2ª parcela do 13º Salário do empregado comissionista é constituída pela média das comissões percebidas, durante o ano, até o mês anterior ao pagamento. Para fins de apuração da média, a legislação não estabelece o procedimento que deve ser adotado pela empresa, no caso das comissões do mês em que o empregado esteve de férias. Assim sendo, a empresa poderá considerar o valor pago a título de férias, excluído o 1/3 constitucional, ou fazer a divisão final, sem considerar o mês das férias, observando o que for mais vantajoso para o empregado. O TST Tribunal Superior do Trabalho firmou entendimento, através da Súmula 340, que o empregado, sujeito a controle de horário, remunerado a base de comissões, tem direito ao adicional de, no mínimo, 50%, pelo trabalho em horas extras, calculado sobre o valor-hora das comissões recebidas no mês, considerando-se como divisor o número de horas efetivamente trabalhadas. a) ADMITIDO ANTES DO ANO DE 2012 Assim, um comissionista que tenha jornada de 220 horas, faça 20 horas extras mensais e tenha recebido, de janeiro a outubro/2012, os valores hipotéticos (Comissões + Repouso Semanal Remunerado + Adicional de Hora Extra s/comissões + RSR s/comissões) a seguir discriminados, terá o valor da 1ª parcela paga em novembro, calculado da seguinte forma: (II) (III) (IV) (V) (I) RSR s/comissões (I) Valor-Hora das Adicional de H.E. RSR s/h.e. Mês Comissões nº dias úteis x Comissões (I) 40 H s/comissões (III) x s/comissões (IV) domingos e feriados (220 H + 20 HE) 1,50 x 20 HE Janeiro R$ 950,00 R$ 182,69 R$ 3,96 R$ 118,75 R$ 19,79 Fevereiro R$ 830,00 R$ 216,52 R$ 3,46 R$ 103,75 R$ 17,29 Março R$ 920,00 R$ 136,30 R$ 3,83 R$ 115,00 R$ 19,17 Abril R$ 870,00 R$ 264,78 R$ 3,63 R$ 108,75 R$ 18,13 Maio R$ 850,00 R$ 163,46 R$ 3,54 R$ 106,25 R$ 17,71 Junho R$ 900,00 R$ 180,00 R$ 3,75 R$ 112,50 R$ 18,75 Julho R$ 810,00 R$ 155,77 R$ 3,38 R$ 101,25 R$ 16,88 Agosto R$ 980,00 R$ 145,19 R$ 4,08 R$ 122,50 R$ 20,42 Setembro R$ 950,00 R$ 237,50 R$ 3,96 R$ 118,75 R$ 19,79 Outubro R$ 930,00 R$ 178,85 R$ 3,88 R$ 116,25 R$ 19,38 6 Total R$ 8.990,00 R$ 1.861,06 R$ 37,46 R$ 1.123,75 R$ 187,29 Ressaltamos que há categorias profissionais que estabelecem nos Acordos ou Convenções Coletivas de Trabalho que, para se efetuar a média, as comissões devem ser atualizadas mês a mês e que o período de apuração seja inferior ao ano.

22 Assim, antes de efetuar os cálculos do 13º Salário dos empregados comissionistas, é necessário que o empregador se certifique se no Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho há cláusula neste sentido. 1ª PARCELA Base de cálculo (média das comissões de janeiro a outubro): R$ 8.990,00 + R$ 1.861,06 + R$ 1.123,75 + R$ 187,29 = R$ ,10 = R$ 1.216,21 10 meses Valor da 1ª parcela: R$ 1.216,21 2 = R$ 608,11 FGTS da 1ª parcela R$ 48,65 (8% de R$ 608,11) Considerando que o mesmo empregado tenha percebido, no mês de novembro, o valor de R$ 1.375,00 (R$ 1.100,00 + R$ 275,00) a título de comissões e RSR s/comissões, e R$ 160,42 (R$ 137,50 + R$ 22,92) a título de adicional de H.E. s/comissões e RSR s/h.e. s/comissões, a 2ª parcela do seu 13º Salário será determinada da forma a seguir: Base de cálculo (média das comissões + AHE + RSR de janeiro a novembro): R$ ,10 + R$ 1.375,00 + R$ 160,42 = R$ ,52 = R$ 1.245,23 11 meses 2ª PARCELA Valor da 2ª parcela: R$ 1.245,23 R$ 608,11 (1ª parcela) = R$ 637,12 Desconto de INSS (9% de R$ 1.245,23) ( ) R$ 112,07 Valor líquido a receber = R$ 525,05 FGTS da 2ª parcela R$ 50,97 (8% de R$ 637,12) 3ª PARCELA Ao final do mês de dezembro, deve ser apurado o valor efetivo do 13º Salário integral devido, através do cômputo das comissões recebidas naquele mês. Dessa apuração, pode resultar diferença a favor do empregado ou da empresa, como exemplificamos a seguir: DIFERENÇA A FAVOR DO EMPREGADO Supondo-se que o empregado mencionado faça jus, no mês de dezembro, a comissões de R$ 1.300,00 e repouso remunerado sobre as comissões no valor de R$ 312,00, totalizando uma remuneração de R$ 1.612,00, não tendo feito horas extras, o valor do seu 13º Salário integral corresponderá a: Base de cálculo (média das comissões de janeiro a dezembro): R$ ,52 + R$ 1.612,00 = R$ ,52 = R$ 1.275,79 12 meses

23 Valor da 3ª parcela: R$ 1.275,79 (13º Salário integral) R$ 1.245,23 (1ª e 2ª parcelas) = R$ 30,56 Desconto de INSS (9% de R$ 1.275,79) = R$ 114,82 INSS sobre a 3ª parcela: R$ 114,82 R$ 112,07 ( ) R$ 2,75 Valor líquido a receber = R$ 27,81 FGTS da 3ª parcela R$ 2,44 (8% de R$ 30,56) O valor de R$ 27,81 será a diferença do 13º Salário que deve ser paga até o dia 10 de janeiro do ano seguinte. DIFERENÇA A FAVOR DA EMPRESA Supondo-se que o empregado da letra a tivesse recebido, no mês de dezembro, somente comissões de R$ 920,00 e repouso remunerado sobre comissões de R$ 220,80, totalizando o valor de R$ 1.140,80, caberia à empresa se ressarcir do valor pago a maior. Nesse caso, a empresa deveria refazer os cálculos do modo demonstrado a seguir: Base de cálculo (média dos valores de janeiro a dezembro): R$ ,52 + R$ 1.140,80 = R$ ,32 = R$ 1.236,53 12 meses Valor do 13º Salário apurado em dezembro = R$ 1.236,53 Diferença a favor da empresa R$ 1.245,23 (1ª e 2ª parcelas) R$ 1.236,53 (13º Salário integral) = R$ 8,70 Desconto de INSS (9% de R$ 1.236,53) = R$ 111,29 INSS a ser restituído ao empregado: R$ 112,07 R$ 111,29 ( ) R$ 0,78 Valor líquido a ser devolvido pelo empregado: = R$ 7,92 Nesse caso, como já foi recolhido o FGTS relativo à 1ª parcela (8% de R$ 608,11), a empresa recolherá o FGTS sobre o valor da 2ª parcela, que corresponderá a 8% de R$ 628,42 (R$ 1.236,53 R$ 608,11). b) ADMITIDO DURANTE O ANO DE 2012 A 1ª parcela do 13º Salário devida ao empregado comissionista admitido no curso do ano corresponde à metade de 1/12 da média das comissões percebidas, durante o ano, até o mês anterior ao pagamento. Assim, um empregado admitido em , que tenha recebido, de junho a outubro/2012, os valores a seguir discriminados, terá o valor da 1ª parcela paga em novembro calculado da seguinte forma: Mês Comissões Repouso Remunerado Junho R$ 870,00 R$ 174,00

24 Julho R$ 610,00 R$ 117,31 Agosto R$ 960,00 R$ 142,22 Setembro R$ 830,00 R$ 207,50 Outubro R$ 990,00 R$ 190,38 1ª PARCELA Total R$ 4.260,00 R$ 831,41 Base de cálculo (média das comissões de junho a outubro): R$ 5.091,41 (R$ 4.260,00 + R$ 831,41) 5 = R$ 1.018,28 Valor bruto da 1ª parcela, considerando o período trabalhado de 6 meses (junho até novembro): 6/12 de R$ 1.018,28 R$ 1.018,28 12 x 6 = R$ 509,14 Valor da 1ª parcela do 13º Salário: R$ 509,14 2 = R$ 254,57 FGTS da 1ª parcela R$ 20,37 (8% de R$ 254,57) 2ª PARCELA Considerando que o mesmo empregado tenha percebido, no mês de novembro, o valor de R$ 1.200,00 a título de comissão e R$ 300,00 de repouso remunerado, a 2ª parcela do seu 13º Salário será determinada da seguinte forma: Base de cálculo (média das comissões de junho a novembro): R$ 5.091,41 + R$ 1.500,00 (R$ 1.200,00 + R$ 300,00) 6 = R$ 1.098,57 Valor bruto da 2ª parcela, considerando o período trabalhado de 7 meses (junho até dezembro): 7/12 de R$ 1.098,57 R$ 1.098,57 12 x 7 = R$ 640,83 Valor da 2ª parcela: R$ 640,83 R$ 254,57 (1ª parcela) = R$ 386,26 Desconto de INSS (8% de R$ 640,83) ( ) R$ 51,27 Valor líquido a receber = R$ 334,99 FGTS da 2ª parcela R$ 30,90 (8% de R$ 386,26) 3ª PARCELA Supondo-se que o empregado faça jus, no mês de dezembro, à comissão de R$ 1.350,00 e ao repouso remunerado de R$ 324,00, o valor total do seu 13º Salário corresponderá a: Base de cálculo (média das comissões de junho a dezembro): R$ 6.591,41 + R$ 1.674,00 (R$ 1.350,00 + R$ 324,00) 7 = R$ 1.180,77 Valor do 13º proporcional: 7/12 de R$ 1.180,77

25 R$ 1.180,77 12 x 7 = R$ 688,78 Valor da 3ª parcela: R$ 688,78 (13º Salário integral) R$ 640,83 (1ª e 2ª parcelas) = R$ 47,95 INSS (8% de R$ 688,78) = R$ 55,10 INSS sobre a 3ª parcela: R$ 55,10 R$ 51,27 ( ) R$ 3,83 Valor líquido a receber = R$ 44,12 FGTS da 3ª parcela R$ 3,84 (8% de R$ 47,95) O valor de R$ 44,12 corresponde à diferença do 13º Salário que deve ser pago até o dia 10 de janeiro do ano seguinte. SALÁRIO MISTO No caso de empregado que, além das comissões, perceba salário fixo, o seu 13º Salário será determinado pela soma da média das comissões, com a parte fixa calculada de acordo com o item 16.2 anterior. TAREFEIROS Embora o texto legal não faça distinção entre os comissionistas e os tarefeiros no que se refere à determinação da remuneração média para fins do 13º Salário, alguns doutrinadores entendem que, em vez de se proceder à média aritmética simples das remunerações percebidas pelos tarefeiros durante o ano, o mais justo seria a adoção do critério estabelecido pela CLT para apuração da remuneração de férias para os trabalhadores assim remunerados. Por esse critério, o empregador apuraria, inicialmente, a produção média do empregado de janeiro a dezembro ou no período trabalhado, conforme o caso, multiplicando, em seguida, o quantitativo médio de produção pelo valor remuneratório da tarefa vigente na época do pagamento da gratificação natalina. Entendemos ser esse critério mais justo, pois corrige eventual defasagem que possa existir em virtude de diferentes valores atribuídos às tarefas no decorrer do ano. a) ADMITIDOS ANTES DO ANO DE 2012 Nessa linha de entendimento, imaginemos um empregado que em outubro/2012 percebesse, por exemplo, o valor de R$ 19,00, já incluído o repouso remunerado por unidade produzida, e que, durante o ano de 2012, tenha apresentado a seguinte produção: 1ª PARCELA Produção de Janeiro a Outubro/2012 Quantidade Produzida Janeiro 75 Fevereiro 59 Março 81 Abril 62

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial MATÉRIAS Salário-Maternidade Sistemática de Compensação e Atualização do Sistema SEFIP Versão

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 003 SALÁRIO-MATERNIDADE

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Práticas trabalhistas

Práticas trabalhistas Resumo Neste capítulo, discorreremos sobre a prática da folha de pagamento da parte empregado, patrão e autônomos, algumas das principais leis trabalhistas brasileiras da parte do empregado e da parte

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013

ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013 ANO XXIV - 2013-2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2013 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA NOVEMBRO/2013... Pág.1199 ASSUNTOS TRABALHISTAS DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014 1 DESCONTO NO CONTRA CHEQUE Ao receber o contra cheque é muito comum ver as pessoas indignadas com a quantidade de descontos no salário. Entretanto não existe salário sem descontos, por isso há uma diferença

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

Manual Prático 13º Salário

Manual Prático 13º Salário Manual Prático 13º Salário 1/36 Índice 1. ROTINAS 13 SALÁRIO DOS SISTEMAS EBS... 4 1.1. Definições... 4 2. CONFIGURAÇÕES DE EVENTOS... 6 3. 1 PARCELA... 9 4. 2 PARCELA... 11 5. INFORMAÇÃO DE VALORES EXTRAS...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO Versão Obrigatória 2.10a Suporte Follha - Winner Página 1 27/10/08 COPYRIGHT As informações contidas neste documento, sobre produtos e/ou serviços são de propriedade

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Composição Salário Professor

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Composição Salário Professor Composição Salário Professor 10/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Este treinamento tem o objetivo de demonstrar as informações e funcionalidades da DIRF em relação às rotinas específicas do sistema JB Folha de Pagamento.

Leia mais

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa Versão: 1/2007 Nome: para recolhimento de tributos previdenciários e IR I Introdução: Devido às dúvidas originadas por várias unidades da Fiocruz no que se refere ao recolhimento de Tributos Previdenciários

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos ORIENTAÇÃO VALE-TRANSPORTE Normas Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos O benefício do Vale-Transporte foi instituído com a finalidade de amenizar os gastos

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário 21/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES

TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES TREINAMENTO: DEPARTAMENTO PESSOAL COMPLETO-ATENÇÃO AS RECENTES ALTERAÇÕES PROGRAMA Módulo I - Processo Admissional Providências da Empresa, Documentação Exigida, Exame Médico na Admissão, CAGED, Registro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Projeto Legalize sua doméstica e pague menos INSS = Informalidade ZERO CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Realização Jornal Diario de Pernambuco

Leia mais

APOSTILA DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

APOSTILA DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exemplo de rescisão por dispensa sem justa causa com mais de um ano de serviço com aviso prévio indenizado (salário fixo + apuração de médias de horas-extras) Quando as horas extras não são contínuas,

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 284 - Data 14 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS Membro de Conselho Tutelar

Leia mais

Manual da Rescisão Complementar

Manual da Rescisão Complementar Manual da Rescisão Complementar Atualizado em Abril/2009 Pág 1/16 Sumário Rescisão Complementar... 2 Reajuste salarial para funcionários demitidos... 3 Novos Campos cadastro de Sindicato... 4 Recálculo

Leia mais

ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS. ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)

ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS. ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) 1689/2015 - Sexta-feira, 20 de Março de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 ANEXO I CHECKLIST PARA O INÍCIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ITEM VERIFICADO SIM NÃO Anotações em Carteira de Trabalho

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Procedimentos - 13º Salário Logix

Procedimentos - 13º Salário Logix Procedimentos - 13º Salário Logix 1 ÍNDICE 1. Parâmetros... 3 1.1. RHU3330 - Empresas - Cálculo/Movimento Folha...3 1.2. RHU0050 Manutenção Eventos...5 1.3. RHU0030 - Categoria Salarial...6 1.4. RHU0150

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é

SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é SEFIP (Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social) é um aplicativo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário MANUAL DO SISTEMA Wfolha 13 Salário SulProg Sistemas 1 INTRODUÇÃO Este manual foi desenvolvido a fim de facilitar e esclarecer dúvidas sobre os procedimentos referente ao 13 salário. SulProg Sistemas 2

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento

Instruções Folha de Pagamento Instruções Folha de Pagamento Rotina 20 Instruções DIRF Informações Iniciais Entrega da Declaração (Instrução Normativa RFB. 1.216 15/12/2011) o A DIRF deverá ser entregue até as 23h59min59s (horário de

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento Rotina 21 Instruções RAIS

Instruções Folha de Pagamento Rotina 21 Instruções RAIS Instruções Folha de Pagamento Rotina 21 Instruções RAIS Informações Iniciais (Portaria Nº 7, de 3 Janeiro de 2012) o O prazo para a entrega da declaração da RAIS inicia-se no dia 17 de janeiro de 2012

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Gerenciamento de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007 2006 / 2007 O SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA SINDAG e o SINDICATO DOS TÉCNICOS AGRÍCOLAS DE NÍVEL MÉDIO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINTARGS, firmam a presente CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado: VALE S/A, inscrita no CNPJ (MF) sob o n.º 33.592.510/0001-54,

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

13º SALÁRIO 2015 NOVEMBRO/2015

13º SALÁRIO 2015 NOVEMBRO/2015 2015 NOVEMBRO/2015 Sumário 1. O que é, porque é pago, quando é pago, quem tem direito?... Erro! Indicador não definido. 1.1 Conceito 1.2 Base de Calculos 1.3 Pagamento das Parcela 2. Calculos no Protheus...

Leia mais

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Sumário 1. Introdução 2. Obrigações Mensais 2.1 - Salários 2.2 - CAGED 2.3 - INSS 2.4 - PIS - Cadastramento 2.5 - FGTS 2.6 - CIPA 2.7 - Exame Médico 2.8 - Acidente

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 27 26 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 35 - Data 3 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS Reclamatória - Justiça Estadual

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais