Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto"

Transcrição

1 Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto

2 Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I da Unidade II veremos: Aspectos gerais da folha de pagamento Salário e remuneração Horas extras

3 Contabilidade financeira Modulo I Folha de Pagamento Trata-se de uma relação nominal dos funcionários de uma empresa,na qual estão registrados valores referentes à remuneração de cada um em um determinado período de trabalho, compreendendo vencimentos, salários, comissões, gratificações, deduções, abatimentos, descontos previdenciários e sociais, valores líquidos dos recebimentos.

4 Contabilidade financeira Modulo I Salário É a contraprestação devida ao trabalhador pela prestação de seus serviços ao empregador, em decorrência do contrato de trabalho entre as partes Remuneração É a soma do salário contratual devido com outras vantagens e /ou adicionais percebidos pelo trabalhador, seja em dinheiro ou em utilidades, em decorrência do exercício de suas atividades

5 Contabilidade financeira Modulo I Integram a remuneração Não integram a remuneração Gorjetas Comissões Gratificações Adicional de insalubridade Adicional de periculosidade Adicional noturno Gratificações pagas sem habitualidade Prêmios pagos sem habitualidade Complementação de aposentadoria Direitos autorais Participação nos lucros Prestações,in natura,,quando eventuais, onerosas, destinadas à execução do trabalho Ex refeição ou vale transportet Diárias de viagem,quando excederem 50% do salário Salário utilidade, desde que habitual

6 Contabilidade financeira Modulo I Horas extras e jornada de trabalho Jornada de trabalho é o período no qual o empregado fica à disposição do empregador. A Constituição Federal estipula para a jornada de trabalho máxima, 8 horas diárias e 44 horas semanais O legislador, contudo, não fixa a carga horária mensal, somente limita a diária ( 8 horas) e a semanal (44 horas). Assim a partir dessas limitações, a carga horária mensal é determinada da seguinte forma

7 Contabilidade financeira Modulo I Horas extras e jornada de trabalho Cálculo da carga horária mensal: 44 horas semanais / 6 dias = 7, , que equivale a 7 horas e 20 minutos no relógio 7, x 30 (dias do mês) = 219, , = 220 horas mensais

8 Contabilidade financeira Modulo I Horas extras e jornada de trabalho Exemplo: Um funcionário recebe um salário mensal de $ 2.500,00. Durante um determinado mês fez 5 horas extras. O cálculo das horas extras é feito da seguinte forma: R$ 2.500,00 / 220 horas = 12,00 12,00 x 50% = 6,00 12,00 + 6,00 = 18,00 18,00 x 5 = 90,00 Hora extra = R$ 90,00

9 Contabilidade financeira Modulo I Horas extras e jornada de trabalho Descanso Semanal Remunerado (DSR) De acordo com a lei 605/49 computam-se no cálculo do DSR as hora extras habitualmente prestadas: Sobre o valor de R$90,00 a receber de horas extras em um determinado mês, o funcionário receberá também o reflexo do DSR sobre essas horas:

10 Contabilidade financeira Modulo I Horas extras e jornada de trabalho Descanso Semanal Remunerado (DSR) Hora extra = R$ 90,00 DSR = 90,00 / 26 dias úteis = 3, , = 4 4 x 4 domingos = R$ 16,00 16, ,00 = R$ 106,00

11 Interatividade Tendo em vista as considerações feitas sobre a Folha de Pagamento temos que: a) Trata-se de uma relação nominal dos funcionários da empresa, na qual estão registrados os dados cadastrais dos funcionários, tais como, nome, endereço, CPF, telefones, contatos, conta bancária. b) Salário é o mesmo que remuneração, Salário é o que o funcionário recebe pelo contrato firmado,mais todos os adicionais c) Entre outros itens, integram à remuneração as gratificações, prêmios sem habitualidade, direitos autorais, participação nos lucros d) O legislador não fixa a carga horária mensal, somente limita a diário ( 8 horas) e a semanal (44 horas). A partir daí, é calculada a carga horária mensal e) As hora extras são calculadas em 70% sobre o salário mensal

12 Contabilidade financeira Modulo II No módulo II veremos: Adicional salubridade Adicional periculosidade Salário Família Salário maternidade Faltas no trabalho Cálculo de horas extras

13 Contabilidade financeira Modulo II Adicional Salubridade O trabalho realizado em atividade que atente contra a saúde humana, acima dos limites toleráveis, é remunerado com um adicional de 40%, 20% ou 10%, calculados sobre o salário mínimo, conforme a insalubridade seja classificada em grau máximo, médio ou mínimo Os limites de tolerância da atividade agressiva são estabelecidos por relação do Ministério do Trabalho através de perícia técnica.

14 Contabilidade financeira Modulo II Adicional Periculosidade São consideradas perigosas as atividades que implicam contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado (art 193 CLT), bem como no setor de energia elétrica O adicional é de 30% sobre o salário base, assim entendido aquele ainda não acrescido de outros adicionais No caso dos eletricitários o percentual é calculado sobre o salário efetivamente recebido

15 Contabilidade financeira Modulo II Salário família O salário família não é propriamente um salário, e sim uma prestação previdenciária que é adiantada pelo empregador ao empregado com o salário O salário família passou a ser devido apenas em razão dos dependentes do trabalhador de baixa renda, assim entendido aquele que recebe remuneração mensal até R$ 752,12 para auxiliar no sustento dos filhos até 14 anos ou inválidos de qualquer idade

16 Contabilidade financeira Modulo II Salário família De acordo com a Portaria Interministerial nº 48, o valor do salário família é de R$ 15,00 por filho até 14 anos de idade ou inválido de qualquer q idade,para quem ganha até R$ 500,41. Para o trabalhador que recebe de R$ até R$ 752,12, o valor do salário mínimo por filho até 14 anos de idade ou inválido de qualquer idade é de R$ 18,08 Tem direito ao salário família os trabalhadores empregados e avulsos. Os empregados domésticos, contribuintes individuais, segurados especiais e facultativos não recebem salário - família

17 Contabilidade financeira Modulo II Salário maternidade A licença para gestantes é de 120 dias, com direito à manutenção do emprego e ao salário maternidade. A empresa paga o salário maternidade, compensando-se depois nos recolhimentos ao INSS ( Deduções FPAS ) Cabe também licença maternidade no caso de adoção.

18 Contabilidade financeira Modulo II Faltas ao trabalho Havendo falta não justificada, o empregador está autorizado a descontar do salário os valores referentes ao dia da ausência e ao do descanso semanal remunerado daquela semana As causas de justificação são expressamente previstas no contrato de trabalho, na convenção coletiva, no regulamento da empresa e na lei São consideradas faltas justificadas:

19 Contabilidade financeira Modulo II Faltas ao trabalho São consideradas faltas justificadas: 1. Até dois dias consecutivos em caso de falecimento do cônjuge, ascendente ou descendente, irmão ou pessoa que declarada em sua CTPS viva sob sua dependência econômica (art 473 da CLT) 2. Até 3 dias consecutivos em virtude de casamento 3. No caso de nascimento de filho, por 5 dias, na primeira semana 4. Por 1 dia em cada 12 meses de trabalho em caso de doação voluntária de sangue

20 Contabilidade financeira Modulo II Faltas ao trabalho São consideradas faltas justificadas: 5. Até 2 dias para alistamento ou transferência eleitoral 6. Para cumprir as exigências i do Serviço Militar Obrigatório 7. Para realizar exame vestibular de ingresso em estabelecimento de ensino superior

21 Contabilidade financeira Modulo II 8. Pelo tempo que se fizer necessário quando tiver que comparecer a Juízo 9. Pelo tempo que se fizer necessário quando na qualidade de representante de entidade sindical, estiver participando p de reunião oficial de organismo internacional do qual o Brasil seja membro

22 Contabilidade financeira Modulo II Descanso Semanal Remunerado A cada semana trabalhada é assegurado ao empregado um descanso semanal remunerado de 24 horas consecutivas. O repouso semanal deverá coincidir com o domingo.para a aquisição do direito ao DSR é necessário que não haja falta injustificada durante a semana. Se houver, sobrevive o direito ao dia de descanso,mas haverá perda do direito à remuneração daquele dia

23 Contabilidade financeira Modulo II Férias Após cada 12 meses de trabalho, o empregado terá direito a um período de descanso que corresponde a 30, 24, 18 ou 12 dias, conforme o número de faltas não justificadas durante o período aquisitivo de férias A remuneração dos dias de férias será aquela correspondente aos dias de gozo, acrescida dos adicionais a que o empregado tenha direito. Sobre essa remuneração soma-se 1/3 determinado pela Constituição Federal

24 Contabilidade financeira Modulo II Férias Exemplo Remuneração R$ 2.385,00 Valor da INSS de 11% remuneração s/ 3.194,00 352,00 de férias 2.395,00 Acréscimo 1/3 799,00 IRRF 159,00 Total da Remuneração 3.194,00 Total de Descontos 511,00 Liquido a receber R$ 2.683,00

25 Interatividade Tendo em vista as considerações feitas sobre os adicionais temos que a) O trabalho realizado em atividade que atente contra a saúde humana,acima dos limites toleráveis é remunerado com um adicional de 40%, 20% ou 15% calculados sobre o salário mínimo conforme a insalubridade seja classificada cada em grau máximo, médio ou mínimo b) O salário família passou a ser devido apenas em razão dos dependentes de todos os trabalhadores, com remuneração igual ou superior a R$ 752,12 c) A cada mês trabalhado é assegurado um descanso semanal remunerado de 24 horas consecutivas. O DSR não deve coincidir com o domingo d) O DSR é assegurado ao trabalhador, independentemente às suas faltas durante a jornada de trabalho e) Os empregados domésticos, contribuintes individuais, segurados especiais recebem e facultativo, devem receber igualmente salário família

26 Contabilidade financeira Modulo III No Módulo III vamos ver: Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Encargos sociais do empregado Contribuição i sindical dos empregados

27 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado A responsabilidade da retenção e do recolhimento tanto dos encargos sociais quanto dos tributos oriundos das remunerações aos empregados será sempre do empregador. O empregador por sua vez atenderá a legislação em vigor quanto às alíquotas e bases de cálculos As tabelas de alíquotas fornecidas pelos órgãos competentes sofrem alterações anualmente.

28 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado O empregador calculará e descontará do funcionário o valor do INSS e do IRRF devido conforme as tabelas progressivas: INSS: Salário contribuição Alíquota Até R$ 965,67 8,00 % De 965,68 a 1.609,45 9,00 % De 1.609,46 até 3.218,90 11,00 %

29 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Calcular e contabilizar a folha de pagamento do mês de junho considerando as informações: Funcionários Salário dependentes Anésio 850,00 0 Edvaldo Genivaldo 1,544,00 0 José Cândido 1.268,00 2

30 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado INSS: Há um limite máximo para o desconto do INSS. Quando o empregado ganhar um valor superior ao limite máximo (teto) só se poderá descontar-lhe do salário o limite estabelecido. Conforme tabela anterior, o teto é de R$ 3.218,90, sendo o valor máximo de desconto de INSS igual a R$ 354,08

31 Contabilidade financeira Modulo IV Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado IRRF: Base de Cálculo Aliquta Parcela a deduzir Até 1.453,59 Xxx Isento De 1434,60 a 2.150,00 7,5% 107,59 De 2.150,01 a 2.866,70 15 % 268,84 De 2.866,71 a 3.582,00 22,5% 483,84 Acima de 3.582,00 27,5% 662,94

32 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado IRRF: Deduções R$ 144,20 por dependente Pensão alimentícia Contribuição ao INSS Aposentado com 65 anos ou mais tem direito a uma dedução extra de R$ 1.434,59, no benefício recebido da previdência pública privada O não recolhimento das respectivas guias dos tributos acima caracteriza apropriação indébita

33 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Encargos sociais por parte do empregador A folha de pagamento de uma empresa onera sua carga tributária em uma média de 36,8 %. São encargos sociais da empresa: FGTS: corresponde a 8 % da remuneração do empregado INSS: corresponde a 20% sobre a remuneração do empregado e os administradores que recebem Pro - Labore.

34 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Encargos sociais por parte do empregador SAT corresponde ao Seguro de Acidente do Trabalho Terceiros: contribuição devida,por lei, a terceiros, como SESI, SESC,SENAI O empregador deverá calcular e recolher em sua guia de INSS o valor correspondente, geralmente de 20 % ou 22 % de acordo com o enquadramento da atividade da empresa no Fundo de Previdência e Assistência Social (FPAS) sobre o rendimento bruto de seus empregados

35 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Encargos sociais por parte do empregador Vale transporte

36 Contabilidade financeira Modulo III O empregado ao ser admitido deverá assinar uma declaração informando se utilizará ou não o vale transporte. Ainda que o empregado não queira sr beneficiado com o vale transporte, deverá a empresa possuir tal declaração como meio de prova de que a opção foi do empregado e não que a empresa se negou a fornecer. O vale transporte constitui benefício que o empregador antecipará ao trabalhador para utilização efetiva em deslocamento residência - trabalho e vice - versa

37 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Encargos sociais por parte do empregador Vale transporte Exemplo: Salário R$ 600,00 4 conduções diárias valor da passagem: R$ 2,30 22 dias trabalhados Despesa com transporte = R$ 2,30 x 4 = R$ 9,20 R$ 9,20 x 22 dias = R$ 202,40

38 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Desconto do empregado R$ 600,00 (salário) x 6% = R$ 36,00 Parte do empregador: R$202,40 ( valor gasto em transporte nos dias trabalhados ) R$ 36,00 ( 6% do salário de 600,00) = R$ 166,40

39 Contabilidade financeira Modulo III Responsabilidade pelo recolhimento do INSS e IRRF do empregado Contribuição Sindical Os empregadores ficam obrigados a descontar, na folha de pagamento do mês de março de cada ano, a contribuição sindical de um dia de trabalho de todos os empregados O recolhimento da contribuição sindical referente aos empregados será efetuado no.mês de abril de cada ano aos seus respectivos sindicatos

40 Interatividade Tendo em vista as responsabilidades pelo recolhimento do INSS e do IRRF do empregado temos que a) A responsabilidade pelo recolhimento tanto de encargos sociais como de tributos sobre salários é sempre do empregado b) A partir de R$ 3.218,90 a alíquota do INSS é sempre de 11 % sobre o salário líquido c) Com relação ao IRRF a alíquota é de 27,5% para salários acima de R$ 3.582,00 d) A folha de pagamento de uma empresa onera sua carga tributária e uma média de 76,8 % e) Com relação ao vale transporte, sobre o salário liquido a receber, incide uma alíquota de 6 %

41 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Calcular e contabilizar a folha de pagamento do mês de junho considerando as informações: Funcionários Salário dependentes Anésio 850,00 0 Edvaldo Genivaldo 1,544,00 0 José Cândido 1.268,00 2

42 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Administradores Fernanda: 1.195,00 Lourdes: 2.497,00 SAT = de Médio risco Terceiros = 5,8 % INSS ; Salario contribuição Alíquota Até 1.040,22 8,00% De 1.040,22 a 1.733,70 9,00 % De a 3.467, %

43 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: IRRF Base de cálculo Alíquota dedução Até 1.499,15 Xxx Isento De 1,499,15 a 2,246,75 7,5% 112,43 De 2.246,75 a 2.995,70 15% 280,94 De 2.995,70 a 3,743,19 22,5% 505,62 Acima de 3.743,19 27,5% 692,78

44 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Deduções R$ 150,69 por dependente pensão alimentícia integral contribuição ao INSS Aposentado com 65 anos ou mais tem direito a uma dedução extra de R$ 1.499,59 no beneficio recebido da previdência pública ou privada

45 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Resolução Anésio Salário = 850,0000 INSS = 8% de 850,00 = 68,00 Liquido a receber = 850,00 68,00 = R$ 782,00 FGTS = 850,00 x 8% = 68,00 Edvaldo Salário = 900,00 ; INSS (8% de 900) = 72,00 Liquido a receber = 900,00 72,00 = 828,00 FGTS = 900,00 x 8% = 72,00

46 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Resolução Genivaldo Salário = 1.544,00 ; INSS = 1,544,00 x 9% = 138,00 Liquido a receber = 1.544,00 138,00 = R$ 1.405,04 FGTS = 1.544,00 x 8% = 123,52 José Salário = 1,268,00 ; INSS (9% de 1,268,00 = 114,00,12 Liquido a receber = 1,268,00 114,12 = 1.153,88 FGTS = 1,268,00 x 8% = 101,44

47 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Resolução Fernanda Pró labore = 1.195,00 ; INSS = 1,195,00 x 11% = 131,00 Liquido a receber = 1.195,00 131,00 = R$ 1.063,55 Loudes Pro labore = 2,497,00 ; INSS (11% de 2.497,00 = 274,67 IRFF = 2.497,00 274,67 = x 7,5% = 166,67 112,43 = IRFF de 54,24 Liquido a receber ,00 274,67 54,24 = R$.2.168,09

48 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Resolução Resumo: Salários = R$ 4.562,00 ; INSS= R$ 393,o9 Pró Labore = R$ 3.692,00 ; INSS = R$ 406,12 INSS s/segurados = 393, ,12 = R$ 799,20 INSS empresa , ,00 = 8.254, ,00 x 20% = R$ 1.650,80 SAT = 4.562,00 x 2 % = R$ 91,24 Terceiros = 4.562,00 x 5,8 % = R$ 264,60 INSS a recolher = R$ FGTS = 4.562,00 x 8% = R$ 364,96

49 Contabilidade financeira Modulo IV No módulo IV vamos trabalha um exercício para fixação dos conceitos: Contabilização D despesas de salário R$ 4.562,00 C - salários a pagar R$ 4.562,00 D- Salários a pagar R$ 393,08 C INSS a recolher R$ 393,08 D- INSS R$ 2.006,64 C- INSS a recolher R$ 2.006,64 D- Pro labore R$ 3.692,00 C- Pro labore a pagar R$ 3.692,00 D- Pro Labore a pagar R$ 406,12 C- INSS a recolher R$ D- FGTS R$ 364, 96 C- FGTS a recolher R$ 364,96

50 Interatividade Tendo em vista o exercício de fixação de conhecimentos, temos que: a) Salário de 850,00 ; INSS de 8 % ; liquido a receber = 828,00 ; FGTA = 72,00 b) Pro labore de 2.497,00 ; INSS = 11% ; IRRF 7,5 % ; liquido a receber = 2.168,09 c) Salário = 900,00 ; INSS 8% ; liquido a receber = 782,00 d) Pro-labore 1.195,00 ; INSS 11% ; liquido a receber = 1.011,00 00 e) Salário 1.544,00 ; INSS 9% liquido a receber = 1.205,04

51 ATÉ A PRÓXIMA!

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH 001/2010 Versão: 02 Aprovação em: 20/10/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SRH: Sistema Recursos

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Operações com Pessoal 1 Folha de Pagamento de Salários Conceito É o documento no qual são relacionados os nomes dos empregados com

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011

RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011 RESUMO DA PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÕES EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE VINHEDO E ITATIBA - NEGOCIAÇÃO COLETIVA 2010/2011 1 REAJUSTE SALARIAL: salários fixos ou parte fixa dos salários mistos reajustamento

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 CODESC Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA CODESC,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003231/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046809/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009204/2014-25 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO I - TABELAS O sistema de folha foi desenvolvido especialmente para simplificar a rotina do departamento de pessoal, dinamizando informações e otimizando rotinas. Esta apostila

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I

Treinamento Sistema Folha Union Módulo I FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO I - TABELAS O sistema de folha foi desenvolvido especialmente para simplificar a rotina do departamento de pessoal, dinamizando informações e otimizando rotinas. Esta apostila

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 39 ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios Dr. Oscar Azevedo (info@azevedoguedes.adv.br)

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001597/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024152/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.007124/2015-16 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA SINPRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA SINPRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA SINPRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR025988/2012 SINDICATO DOS PROFESSORES NO ESTADO DA BAHIA, CNPJ n. 14.713.945/0001-65, neste ato representado(a)

Leia mais

ANEXO II ANEXO III COMPROVANTES DE RESIDÊNCIA

ANEXO II ANEXO III COMPROVANTES DE RESIDÊNCIA ANEXO II DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do Prouni deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação:

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 CLÁUSULA 1ª - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Convenção Coletiva de Trabalho que entre si fazem, de um lado, o SINDICATO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS E PRODUTOS DERIVADOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS e, de outro lado, o

Leia mais

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE O nosso item do edital de hoje será: EMPREGADO DOMÉSTICO Algo que devemos atentar de início é ao fato de não aplicarmos a CLT ao empregado doméstico,

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO REVISÃO (OAB/FGV 2010.3) Relativamente à alteração do contrato de trabalho, é correto afirmar que (A) o empregador pode, sem a anuência do empregado

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000629/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016894/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.011014/2012-86 DATA

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000748/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023675/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.006375/2012-81 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069914/2013 SINDICATO DOS TECNICOS INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS, CNPJ n.

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000797/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024575/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.013979/2015-56 DATA

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000058/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/01/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR003190/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.000754/2010-34 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000537/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037469/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.006923/2011-19 DATA

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS 13º SALÁRIO

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS 13º SALÁRIO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001658/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005791/2013-01

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

Capacitação Básica Departamento Pessoal II

Capacitação Básica Departamento Pessoal II Centro Avançado de Especialização Profissional TCP-PRO-00211/ Capacitação Básica Departamento Pessoal Módulo II Capacitação Básica Departamento Pessoal II Alizete Alves 03/2009 Introdução Objetivo Compromisso

Leia mais

Práticas trabalhistas

Práticas trabalhistas Resumo Neste capítulo, discorreremos sobre a prática da folha de pagamento da parte empregado, patrão e autônomos, algumas das principais leis trabalhistas brasileiras da parte do empregado e da parte

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE CUIABÁ e VARZEA GRANDE, e do outro lado, representando os empregadores

Leia mais

Fundado em 23/06/1996. Acesse: www.sintramomar.com.br CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

Fundado em 23/06/1996. Acesse: www.sintramomar.com.br CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 SINDICATO DOS TRABALHADORES NA MOVIMENTACAO DE MERCADORIAS EM GERAL DE ARARAS E REGIÃO, CNPJ n. 03.276.742/0001-32, neste ato representado por seu Presidente, Sr.

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 43/2014 Serviços de Limpez za da Federação: ES Data de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000528/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/01/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024421/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46255.000080/2009-59 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013466/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065787/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.004239/2014-82 DATA DO

Leia mais

MINUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

MINUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 MINUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, de um lado, o SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO CEARÁ (SINDUSCON-CE), entidade sindical

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001498/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039452/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012508/2013-39 DATA DO PROTOCOLO: 01/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Outras normas referentes a salários, reajustes, pagamentos e critérios para cálculo

Outras normas referentes a salários, reajustes, pagamentos e critérios para cálculo NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000203/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR085273/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.001799/2015-21 DATA DO PROTOCOLO: 27/01/2015 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão:

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 01.07.2007 A 30.06.2009 (conforme decisão judicial em dissídio coletivo acórdão TRT 24ª Região no processo nº. 179/2007-000-24-00-9-DC.0 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO entre

Leia mais

07/06/2013. EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Antes da EFD Social. Obrigações acessórias trabalhistas/previdenciárias

07/06/2013. EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... Antes da EFD Social. Obrigações acessórias trabalhistas/previdenciárias EFD SOCIAL Sua folha de pagamento vai mudar!! Saiba como... 1 Antes da EFD Social Falta de padronização na folha de pagamento Multiplicidade de obrigações acessórias Redundância no envio dos dados índice

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2013 BOLSAS REMANESCENTES ORIENTAÇÕES GERAIS

PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2013 BOLSAS REMANESCENTES ORIENTAÇÕES GERAIS PROCESSO SELETIVO 2º SEMESTRE DE 2013 BOLSAS REMANESCENTES ORIENTAÇÕES GERAIS LOCAL DA AVALIAÇÃO E AFERIÇÃO DOS DOCUMENTOS: SHIS QI 07 CONJUNTO 10 BLOCO E LAGO SUL BRASÍLIA/DF FACIPLAC - CAMPUS I Estão

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001531/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061722/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.018555/2014-16 DATA DO

Leia mais

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Uma produção da Fundação Republicana Brasileira 2013 O Congresso Nacional promulgou, no dia 2 de abril, a Proposta de Emenda à Constituição

Leia mais

EMPREGADO E EMPREGADOR

EMPREGADO E EMPREGADOR EMPREGADO E EMPREGADOR Empregado É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual, a um empregador, sob sua dependência e mediante salário. São necessários cinco requisitos para se verificar

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP004794/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024392/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.001835/2014-19 DATA DO

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO CONTABIL

CONFIGURAÇÃO DA INTEGRAÇÃO CONTABIL 1 / 13 Lançamento...: Provisão da Folha dos Empregados 368 Salários e Ordenados 337 Provisão Folha ref. 25 ADICIONAL NOTURNO (INFOR) 201 Responsabilidade Profissional 11 HORAS AFAST.C/DIR.INTEGR

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 1 Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO COMÉRCIO E EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO,

Leia mais

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios TEXTO NA ÍNTEGRA Em face da publicação do Decreto nº 8.618/2015 - DOU de 30.12.2015, este procedimento foi atualizado.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP004375/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019011/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.001421/2011-39 DATA DO

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL COMPANHIA INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL COMPANHIA INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL COMPANHIA INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE DEMISSÃO E APOSENTADORIA PDA novembro

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000224/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016542/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000650/2013-11 DATA

Leia mais

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Matheus Florencio Rodrigues Assessor Jurídico do INAMARE www.inamare.org.br Fone: (44) 3026-4233 Juliana Patricia Sato Assessora Jurídico do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000799/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024376/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.008192/2014-19 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001368/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055767/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.016961/2013 63 DATA DO

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000802/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR009097/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46249.000422/2015-68

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado:

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Aviso Prévio Trabalhado: neste caso, o funcionário é avisado com 30 dias de antecedência

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS EMPRESAS PRIVADAS DE LIMPEZA URBANA E AFINS NO ESTADO DE SANTA CATARINA, SINTEPLU/SC, CNPJ n. 03.608.364/0001-47, neste ato representado

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais