mesmo empregador recebendo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mesmo empregador recebendo"

Transcrição

1 AULA 6: Salário e Remuneração: a partir do art. 457, CLT Equiparação Salarial empregado que almeja ganhar um salário maior, deseja o salário de outro, que é o chamado paradigma ou modelo idêntica função mesmas atribuições / tarefas (não tem haver com o nome que deram para o trabalho, mas sim com o trabalho efetuado) Requisitos para equiparação art. 461, CLT trabalho de igual valor mesmo empregador igual produtividade mesma perfeição técnica mesma localidade (Município) mesmo empregador, com estabelecimentos em municípios pode ter diferença salarial entre os empregados equiparação salarial preencher todos os requisitos art. 461, CLT sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, na mesma localidade, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade. 1 trabalho de igual valor, para os fins deste capítulo, será o que for feito com igual produtividade e com a mesma perfeição técnica, entre pessoas cuja diferença de tempo de serviço não for superior a 2 anos. quem é + antigo na função há + de 2 anos pode ganhar + (antiguidade no posto e não no serviço). Súmula 6, II, TST Para efeito de equiparação de salários em caso de trabalho igual, conta-se o tempo de serviço na função e não no emprego. Exemplos: está na função desde recebendo empregado R$ empregado R$ 800 empregado R$ empregado R$ 800 Cabe equiparação (o empregado 1, apesar de ser + antigo, não tem + de 2anos de diferença, por isso não pode ganhar +) Cabe equiparação (o empregado + antigo está ganhando menos) empregado R$ Não cabe equiparação 1/7

2 empregado R$ os dispositivos deste artigo não prevalecerão quando o empregado tiver pessoal organizado em quadro de carreira, hipótese em que as promoções deverão obedecer aos critérios de antigüidade e merecimento. caso a empresa tenha um PCS (plano de cargos e salários) ou um PCCS (plano de cargos, carreiras e salários) em que há previsão dos empregados serem promovidos por critérios alternados de antigüidade e merecimento não há que se falar em equiparação. Caso haja diferença, o empregado pode pedir o enquadramento (não há uma comparação entre as pessoas e sim entre o empregado e o quadro de promoção) 3 no caso do anterior, as promoções deverão ser feitas alternadamente por merecimento e por antigüidade, dentro de cada categoria profissional. 4 o trabalhador readaptado em nova função, por motivo de deficiência física ou mental atestada pelo órgão competente da Previdência Social, não servirá de paradigma para fins de equiparação salarial. exemplo de readaptado, não por deficiência física ou mental, mas por um quadro que a própria CLT na proteção da mulher faz a mulher em caso de gravidez, se for necessário em virtude da saúde do bebê ou da mãe, pode ser readaptada na função (art. 392, parágrafo 4º, I, CLT). Férias art. 7º, XVII da CRFB c/c arts. 129 a 153 da CLT ART. 7º DA CRFB - São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: igual para domésticos, urbanos e rurais XVII gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional 30 DIAS consecutivos período aquisitivo = 12 MESES período concessivo o empregador tem 12 MESES para conceder as férias depois de adquirido o direito (no mês que melhor convier a ele) o mês em que está de férias é contado como tempo / trabalho efetivo para fins de contagem de um novo período aquisitivo de férias interrupção = o contrato está interrompido quando o empregado não trabalha, mas recebe o salário conta incluindo o mês de descanso. Caso o empregador conceda as férias depois do período concessivo paga as férias em dobro (não é descansar 60dias) 2/7

3 FÉRIAS EM DOBRO = SALÁRIO + ⅓ 2X quando recebe por mês prazo para receber o salário = até o 5 dia útil do mês subseqüente (dias úteis = dia de expediente bancário) Atenção!! Não recebe salário no mês de junho (após as férias) porque iria receber o salário de maio até o 5 dia útil de junho, mas ele foi antecipado. Pagamento do salário 5 dia 5 dia 5 dia março abril maio junho julho FÉRIAS pode dizer que irá receber o mês de maio (férias) antes mesmo de receber o pagamento do mês de abril, porque este pode ser pagar até o 5 dia útil do mês de maio recebe o valor das férias (salário do mês de maio + ⅓) até 2d antes do início das férias. Redação da lei = 2dias antes, mas num raciocínio lógico teriam que ser 2dias úteis (expediente bancário para pagar) art. 459, CLT o pagamento do salário, qualquer que seja a modalidade do trabalho, não deve ser estipulado por período superior a 1 mês, salvo o que concerne a comissões, percentagens e gratificações. Parágrafo único quando o pagamento houver sido estipulado por mês, deverá ser efetuado, o mais tardar, até o 5 dia útil do mês subseqüente ao vencido. art. 145, CLT o pagamento da remuneração das férias e, se for o caso, o do abono referido no artigo 143, serão efetuados até 2dias antes do início do respectivo período. Parágrafo único o empregado dará quitação do pagamento com indicação do início e do termo das férias. REGRA: não pode parcelar férias são concedidas em UM SÓ PERÍODO casos excepcionais pode o empregador dividir em 2 períodos, desde que um dos períodos tenha pelo menos 10dias (com férias de 12dias pode tirar 10d + 2d) Cuidado!! Pode o empregador dividir as férias do empregado em 2 períodos? Não Pode o empregador dividir as férias em 2 períodos em casos excepcionais? Sim art. 134, CLT as férias serão concedidas por ato do empregador, em 1 só período, nos 12 meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito. 3/7

4 1 somente em casos excepcionais serão as férias concedidas em 2 períodos, um dos quais não poderá ser inferior a 10dias corridos. 2 aos menores de 18 anos e aos maiores de 50 anos de idade, as férias serão SEMPRE concedidas de uma só vez. não pode dividir em nenhuma hipótese (nem em casos excepcionais) art. 136, CLT a época da concessão das férias será a que melhor consulte os interesses do empregador. 1 os membros de uma família, que trabalharem no mesmo estabelecimento ou empresa, terão direito a gozar férias no mesmo período, se assim o desejarem e se disto não resulte prejuízo para o serviço. 2 o empregado estudante, menor de 18 anos, terá direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares. membros de uma mesma família, trabalhando na mesma empresa podem requerer ao trabalhador gozar férias no mesmo período (o patrão não é obrigado a dar) elas precisam querer não pode ser prejudicial ao serviço empregado estudante, menor de 18a (não é qualquer estudante) tem direito a fazer suas férias coincidirem com as escolares art. 136, 2 CLT (sempre com a conveniência do empregador caput art. 136 CLT). art. 130 CLT após cada período de 12 meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias, na seguinte proporção: à medida que falta, e não justifica, vai perdendo dias de férias 1 é vedado descontar, do período de férias, as faltas do empregado ao serviço. o que há é uma redução do período e não uma punição pecuniária pelas faltas. 2 o período de férias será computado, para todos os efeitos, como tempo de serviço. 4/7

5 faltas injustificadas é descontado o dia da falta no momento em que é cometida desconto pecuniário (se não descontar, perdoou) e também o dia do repouso falta justificada = tem o dia abonado (empregador quis considerar que ele estava trabalhando) não altera em nada o período de férias. no período aquisitivo (12m) É uma proporção vai ter que descansar a quantidade de dias necessários para repor as energias é um critério de justiça com quem trabalha quase sem faltar dias de férias n de faltas injustificadas 30d até 5 faltas 24d de 6 a 14 faltas 6d 18d de 15 a 23 faltas + 8d 12d de 24 a 32 faltas recebe ⅓ dos dias que está descansando (⅓ de 24d, ⅓ de 18d e ⅓ de 12d) e nos demais dias recebe salário normal 12d férias + 32 faltas o empregado passa a não ter direito a férias 12d salário + ⅓ recebe o valor 2d antes (recebe antecipado) 18d salário normal recebe até o 5 dia útil do mês subseqüente Pegadinhas de prova!!! falta justificada não muda as férias o empregado faltou 3 dias no período aquisitivo e 3 dias fora do período aquisitivo muda as férias, porque teve menos de 5 faltas no período aquisitivo não 5/7

6 O empregado cometeu uma falta existem várias formas de punir o trabalhador falta leve advertência falta média suspensão falta grave justa causa a suspensão é sem remuneração (é punição) o período máximo que o empregador pode suspender o empregado é 30 dias consecutivos (pode ser + de 30d se a suspensão for intercalada ex: suspende por 20d e, depois de algum tempo, por + 20d) se suspender por + de 30d consecutivos é como se estivesse demitindo o funcionário sem justa causa a suspensão influencia nas férias não trabalhou, não está cansado (ex: empregado suspenso por 20 dias as férias serão de 18 dias) = falta injustificada art. 143, CLT é facultado ao empregado converter ⅓ do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes. 1 o abono de férias deverá ser requerido 15 dias antes do término do período aquisitivo. 2 tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se refere este artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono. 3 o disposto neste artigo não se aplica aos empregados sob regime de tempo parcial. 6/7

7 abono de férias o empregado pode vender ⅓ das férias e o empregado é obrigado a comprar (requerer até 15 dias antes do término do período aquisitivo). Ganha como se de férias estivesse por estar trabalhando, o salário dos dias trabalhados. Atenção!! pegadinha de prova: pode o empregado vender 10 dias de férias? errado. 10 dias é ⅓ de 30 dias, só serve para aquele que tem 30 dias de férias, para quem tem menos dias, não. férias salário + ⅓ R$ R$ 200 = R$ 800 recebe até 2d antes abono pecuniário 10d salário + ⅓ salário R$ R$ 67 = R$ 267 recebe até 2d antes salário = R$ 200 recebe até o 5 dia útil do mês subseqüente 20d de férias = salário + ⅓ não trabalha R$ R$ 133 = R$ 533 recebe até 2 dias antes total = R$ 1000 R$ 800 recebe até 2 dias antes R$ 200 recebe até o 5 dia útil do mês subseqüente (estava trabalhando) 7/7

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual Lição 6. Férias Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual 6.1. FÉRIAS INDIVIDUAIS: arts. 129 a 138 da CLT. As férias correspondem

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Cálculo das férias proporcionais e faltas

Cálculo das férias proporcionais e faltas Informativo 0 Página 0 Ano 2013 Cálculo das férias proporcionais e faltas FÉRIAS Após cada 12 meses de vigência do contrato de trabalho (período aquisitivo), o empregado tem direito ao gozo de um período

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias 31/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3

Leia mais

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003.

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. Dispõe sobre a concessão das férias dos servidores públicos do Município de Pinhais. O PREFEITO MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, D E C R E T A Art 1º Fica

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional SEGURO-DESEMPREGO E ABONO SALARIAL NOVAS

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio.

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio. Aviso Prévio 1. Conceito 2. Cabimento 3. Prazo 4. Início da contagem do prazo 5. Ausência do aviso prévio 6. Anotação na CTPS da data do encerramento do contrato de trabalho 7. Renúncia do período de aviso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao Empregado Doméstico. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT,

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE:

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos termos da ABNT. Obs.: tema livre; obrigatória

Leia mais

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada.

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada. 1 PERÍODOS DE DESCANSO Os períodos de descanso são necessidades biológicas, fisiológicas do corpo humano para que possa recompor suas energias e continuar trabalhando com eficiência. Além de o lazer ser

Leia mais

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional NOVAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO E

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR

ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR ADVERTÊNCIA E SUSPENSÃO DISCIPLINAR A CLT ao estabelecer em seu artigo 2º a definição de empregador, concede a este o poder e o risco da direção da atividade, controlando e disciplinando o trabalho, aplicando,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 27/2012 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

TRT/SP: prova de Direito do Trabalho comentada

TRT/SP: prova de Direito do Trabalho comentada Olá pessoal! Na aula de hoje comentarei a prova de Direito do Trabalho para o cargo de Técnico Judiciário do TRT/SP e na próxima aula comentarei a prova de Processo do Trabalho, ambas elaboradas pela Fundação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Férias Coletivas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Férias Coletivas Segmentos Concessão de Férias Coletivas 28/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Referencia...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais FÉRIAS INDIVIDUAIS Introdução Todo empregado tem direito a um período anual de férias, sem prejuízo de sua remuneração. (Art. 129,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão:

Módulo de Rescisão. Passaremos a explicar abaixo os campos da tela do cálculo da rescisão: Módulo de Rescisão Para calcular a rescisão, é necessário informar para quem se deseja calcular (Código, Divisão, Tomador), depois informar tipo de dispensa, data de aviso prévio, data de pagamento, dias

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Secretaria de Recursos Humanos

Secretaria de Recursos Humanos FÉRIAS CONCESSÃO/PAGAMENTO/INTERRUPÇÃO 1 - A cada exercício correspondente ao ano civil, os servidores fazem jus a trinta dias de férias? Resposta: sim, ressalvados os seguintes casos: I - o servidor que

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA)

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) Resolução-CSDP nº 062, de 10 de setembro de 2010 Dispõe sobre a concessão de férias aos Defensores Públicos do Estado do Tocantins e dá outras providências. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 A SCAP, no uso das atribuições conferidas pelo art. 36 do Decreto nº 46.557, de 11 de julho de 2014, e considerando o disposto nos arts. 152 a 155 e 211, da Lei

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

TRABALHADORES DOMÉSTICOS

TRABALHADORES DOMÉSTICOS Trabalho realizado pela advogada dra. Marília Nascimento Minicucci, do escritório do conselheiro prof. Cássio de Mesquita Barros Júnior TRABALHADORES DOMÉSTICOS Foi publicado, no Diário Oficial da União

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS

COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Senhor Responsável, Tupã, 06 de outubro de 2014. Encaminhamos em anexo, instruções para o preenchimento da Escala de Férias para o Exercício de 2015, dos servidores

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho

Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho Resumo Aula-tema 05: Repouso, férias, remuneração e salário. FGTS. Meio ambiente do trabalho O fundamento da fixação da jornada de trabalho é de ordem tríplice, senão vejamos: de ordem social, no sentido

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

Tolerância: art. 58, 1º da CLT.

Tolerância: art. 58, 1º da CLT. AULA 11: Tolerância: art. 58, 1º da CLT. Art. 58 da CLT 1º - Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos,

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CORREGEDORIA-REGIONAL JUSTIÇA FEDERAL NA 2ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 62, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009

CORREGEDORIA-REGIONAL JUSTIÇA FEDERAL NA 2ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 62, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 CORREGEDORIA-REGIONAL JUSTIÇA FEDERAL NA 2ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 62, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 Regulamenta a designação e a fruição de férias pelos Magistrados da 2ª Região da Justiça Federal, revogando

Leia mais

PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO. CONCEITO DE PRESCRIÇÃO: Duas correntes:

PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO. CONCEITO DE PRESCRIÇÃO: Duas correntes: 1 PROCESSO DO TRABALHO PONTO 1: Prescrição e Decadência 1. PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA 1.1 PRESCRIÇÃO A prescrição foi inserida na legislação brasileira no código comercial de 1950. Hoje não há mais distinção

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT DO DIREITO E DA CONCESSÃO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2003 DG/DNIT O GESTOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 7 - C e 19 da Estrutura Regimental

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração 18/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

SUGESTÃO N o 80, DE 2013

SUGESTÃO N o 80, DE 2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 80, DE 2013 Sugere Projeto de Lei que visa alterar dispositivo do Capítulo IV do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, para garantir ao

Leia mais

DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE

DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE DECRETO Nº 15.555, DE 12 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a concessão de férias a servidor público efetivo, a servidor comissionado e a militar do Estado. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO I. O DOMINGO COMO DESCANSO II. FERIADOS III. A REMUNERAÇÃO DO REPOUSO IV. MULTA ADMINISTRATIVA V. OS TRIBUNAIS E O REPOUSO I - O DOMINGO COMO DESCANSO 1) FUNDAMENTO LEGAL

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305 Empresa Brasileira de Comunicação S. A. MANUAL DE PESSOAL COD. 300 ASSUNTO: NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA COD: NOR- 305 APROVAÇÃO: Res. Nº 108/12, de 12/07/95 Res. Nº 013/00, de 01/08/00 Res. Nº 005/04,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais