IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues"

Transcrição

1 IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações que o estudo das interacções verbais do ponto de vista etnometodológico para a abordagem da linguagem e da comunicação. A principal descoberta que o estudo das interacções verbais nos proporciona é o facto de a linguagem não ser apenas um sistema formal nem uma mera utilização da língua por parte dos falantes, mas uma actividade que as pessoas realizam em conjunto quando se encontram. Mostra ainda que não se trata de uma actividade aleatória, mas perfeitamente regulada, faz-nos descobrir que os falantes aplicam regras e obedecem a normas que orientam os seus enunciados num determinado sentido, regras e normas específicas da própria interacção verbal, diferentes das regras gramaticais e, em grande medida, indispensáveis para a sua aquisição. O estudo das interacções verbais mostra-nos, de facto, que são estas regras específicas que habilitam os seres humanos a adoptar os comportamentos apropriados a cada uma das situações de interacção e que estas regras são interiorizadas antes mesmo de saberem utilizar as regras gramaticais específicas da sua língua materna. É por isso que o estudo das interacções verbais é hoje um instrumento indispensável para compreender a aprendizagem da língua materna, a maneira como as crianças aprendem a falar desde a sua mais tenra idade. Ainda mesmo antes de serem capazes de falar, os bebés já sabem interagir com as pessoas que as rodeiam através de comportamentos corporais e da emissão de sons, imitando os comportamentos que observam. É hoje cada vez mais claro que esta aprendizagem é indispensável para poderem aprender a falar a sua língua materna. A partir do estudo das interacções verbais descobrimos que o sentido daquilo que as pessoas dizem não decorre apenas da significação das palavras que utilizam, mas da sua relação com aquilo que está em jogo no momento em que as utilizam. Uma 1

2 mesma palavra pode adquirir uma grande multiplicidade de sentidos diferentes, e até sentidos opostos, em função da relação que estabelece como aquilo a que damos o nome de situação enunciativa. É por isso que preferimos dizer que um enunciado vai num determinado sentido, em vez de dizermos que tem um determinado sentido. Ir num determinado sentido quer dizer que um enunciado pode encadear-se com um determinado conjunto de enunciados e que não pode encadear-se com um conjunto de outros enunciados. Assim, por exemplo, em português «bom dia» pode encadear-se com «bom dia», «como estás», «olá», mas não pode encadear-se, por exemplo, com «muito obrigado». O que se passa com o sentido do enunciado de uma saudação é válido para o sentido de quaisquer outros enunciados. É por isso que dizemos que os enunciados, tal como a circulação rodoviária, têm sentidos obrigatórios, facultativos ou permitidos e sentidos proibidos. O que a AIV nos faz descobrir é que os princípios que regulam o encadeamento dos enunciados são determinantes para a averiguação do seu sentido. O enunciado «são oito horas» tem o sentido de uma resposta se for encadeado com a pergunta «que horas são?», mas adquire sentidos completamente diferentes se ocupar o lugar de uma primeira parte de um par adjacente, tais como o de uma informação, de um aviso, de uma ameaça, entre outros possíveis. Uma das actividades que os falantes realizam quando falam é a actividade de referência. Damos o nome de referência a actividade de designar ou de apontar para objectos, pessoas, estados de objectos e estados de pessoas. Com o estudo das interacções verbais descobrimos que as pessoas não se referem àquilo que lhes passa pela cabeça, mas àquilo que está em jogo ou que pensam que está em jogo no momento em que falam. É cada vez mais evidente que a decisão de se referirem a determinado objecto ou a determinada pessoa decorre de um trabalho permanente de negociação com os seus interlocutores, isto é, a determinação da referência dos enunciados depende em cada momento do ajustamento daquilo que os interlocutores se dizem uns aos outros, da descoberta que cada um faz daquilo que os outros querem dizer, daquilo que acham relevante, de interesse ou habilitados a referir, tendo em conta o seu envolvimento mais ou menos grande num determinado foco de atenção comum. Uma das questões actualmente mais discutidas no domínio das ciências da linguagem e da comunicação tema ver com as relações entre o análid das interacções 2

3 verbais (AIV) e a análise crítica do discurso (ACD). Sem pretender de modo algum esgotar aqui este debate, acho importante não esquecer os pontos de vista que aproximam e que distinguem estas duas abordagens. Antes de mais, é preciso entender o que se entende por crítica na expressão análise crítica do discurso. Os autores desta corrente entendem fazer um estudo crítico dos discursos que circulam, tentando criticar os discursos pelo facto de veicularem e de tornarem indiscutíveis, de maneira explícita ou implícita, as visões do mundo ou as ideologias das classes sociais que detêm o poder. Para tornar claro o sentido da expressão deveria talvez dizer-se crítica ideológica do discurso. Os promotores desta abordagem tentam mostrar que os discursos, sobretudo os discursos públicos em geral e dos media em particular, valorizam e promovem os valores do género masculino, da raça branca e do mundo financeiro em detrimento do género feminino, das outras raças e dos trabalhadores. Comecemos por distinguir o uso da expressão análise crítica pelos autores da ACD e pelos autores da AIV. A ACD considera crítico o olhar que o analista tem para com os discursos produzidos pelos falantes que pretende estudar. Não é este o sentido de análise crítica para os autores da análise das interacções verbais. Para a AIV, crítico é o olhar que o analista para com o seu próprio trabalho de análise e para com o seu próprio discurso de analista. É por isso que é constantemente levado a pôr entre parêntesis as suas visões do mundo, os seus valores e os seus preconceitos quando olha para os discursos que pretende estudar. A AIV é portanto uma fenomenologia da linguagem, uma disciplina que obriga o analista a um constante trabalho de ascese, a um jejum fenomenológico, levando-o inclusivamente a considerar que são os falantes observados os únicos analistas competentes dos seus próprios discursos. Daí que a AIV seja mais uma atitude disciplinadora dos sentidos, em particular do olhar e do ouvir, um constante exercício de abertura descomprometida à experiência da linguagem em situação. O que distingue, por conseguinte, a AIV da ACD é o ponto de vista etnometodológico. Mas isto não significa a recusa de dar conta dos mecanismos discursivos que criam e alimentam o poder, a dominação e a exploração nas nossas sociedades. Aquilo em a AIV está empenhada é em dar conta dos comportamentos verbais dos falantes quando interagem uns com os outros, de maneira a poder 3

4 inclusivamente dar conta da maneira como eles constroem localmente as suas visões do mundo e se apropriam delas apropriadamente, inclusivamente das que sustentam as relações de poder. Daí a opção microssociolócia e etnometodológica desta abordagem que contrasta com as visões macro que têm da actividade discursiva uma mera utilização dos mecanismos discursivos formais impostos pelas estruturas sociais. Entre a análise do discurso e o estudo das interacções verbais existe, no entanto, um ponto comum, o facto de tanto uma como a outra considerarem o acto de linguagem como unidade mínima, o átomo do discurso. Mas a análise do discurso recorta o discurso nas suas componentes textuais, ao passo que o estudo das interacções verbais é multimodal e toma, por isso, em consideração o conjunto das componentes interaccionais, como a prosódia e os comportamentos extra-verbais. Deste modo, a identificação dos actos de linguagem feita pela análise do discurso nem sempre coincide com a que é feita pelos estudiosos da interacção verbal. Existem sobretudos duas diferenças de monta. Por um lado, os estudiosos da interacção verbal são levados a identificar actos de linguagem em comportamentos extra-verbais, como, por exemplo, o toque da campainha do telefone, um aceno, a recusa em responder a uma pergunta ou a abertura da porta a alguém que bateu à porta, ao passo que a análise do discurso não possui instrumentos metodológicos que a habilitem a dar conta destes actos de linguagem. A segunda grande diferença tem a ver com o facto de um mesmo enunciado poder ser visto pela análise das interacções verbais como a realização de mais do que um acto de linguagem, como é o caso do «está» ao telefone que pode realizar ao mesmo tempo um acto de resposta ao apelo do toque da campainha e como um acto de identificação. Mas há ainda uma outra diferença entre estas duas abordagens, a de o valor ilocutório dos enunciados não decorrer, para a análise das interacções verbais, apenas da expressão verbal, mas da verificação do acto que desencadeia por parte dos interlocutores. Esta é uma consequência evidente daquilo que considerámos como o sentido dos enunciados. Foi esta maneira de ver que levou à descoberta dos pares adjacentes. Dedicámos algum tempo do nosso curso a esta problemática porque consideramos que os pares adjacentes constituem um dos recursos centrais da análise 4

5 das interacções verbais e a sua descoberta é sem dúvida um dos contributos mais valiosos desta abordagem, devido ao seu alto valor heurístico. Referências bibliográficas: Hutchby, I. & Wooffitt, R. (2008) Conversation Analysis, Cambridge, Polity Press. Sacks, H. (1992) Lectures in Conversation, Volumes 1 e 2, Oxford, Blackwell. Silverman, D. (1998) Harvey Sacks. Social Science & Conversation Analysis, New York, Oxford University Press. Wooffitt, R. (2005) Conversation Analysis and Discourse Analysis: a Comparative and Critical Introduction, London, Sage. 5

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

I Comunicação, Conflito e Poder

I Comunicação, Conflito e Poder Sessão Semi-Plenária Mundos Sociais: Saberes e Práticas I Comunicação, Conflito e Poder RODRIGUES, Adriano Duarte Resumo A temática desta mesa levanta uma das questões fundamentais com que se confrontam

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira

PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira Adail Sebastião Rodrigues Júnior Universidade Federal de Ouro Preto Nature

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: São Carlos-SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Programação de Jogos

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Índice. Prefácio...9. Palavras Prévias...13

Índice. Prefácio...9. Palavras Prévias...13 7 Índice Prefácio...9 Palavras Prévias...13 Procurando os braços perdidos da Vénus de Milo...17 1. Introdução...17 2. Definindo a questão...18 3. A relação filosofia pedagogia...20 3. 1. Dimensão filosófica

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

A Formação Pessoal. e Social. no Pré-Escolar

A Formação Pessoal. e Social. no Pré-Escolar A Formação Pessoal e Social no Pré-Escolar A Formação Pessoal e Social é considerada uma área transversal, dado que todas as componentes curriculares deverão contribuir para promover nas crianças atitudes

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas Campus IV. Programa de Pós-Graduação em Educação e Diversidade.

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas Campus IV. Programa de Pós-Graduação em Educação e Diversidade. Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Humanas Campus IV. Programa de Pós-Graduação em Educação e Diversidade. Disciplina - Pesquisa Aplicada à Educação I Aluno/a: Título do Projeto

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE DISCIPLINA: INGLÊS ANO LECTIVO: 2013/2014 PLANIFICAÇÃO MÓDULO 8 O MUNDO DO TRABALHO Nº DE AULAS COMPETÊNCIAS GERAIS DO TEMA Pretende-se que o aluno desenvolva

Leia mais

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO [ Pág 2 Capa 1 Objectivos 3 Introdução... 4 Como fazer uma negociação eficaz... 5 Preparar a Negociação. 6 Cuidar da Apresentação.. 7 Escolher o Método de Negociação. 8 Regra da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Motivar para Aprender O que fazer?

Motivar para Aprender O que fazer? A C T A S D O I E I E L P Motivar para Aprender O que fazer? Motivar para Aprender O que fazer? Helena Oliveira, Paula Costa Agrupamento de Escolas Finisterra - Febres Pós-graduada em Educação Especial,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Composição do Grupo Investigadores doutorados: 7 Colaboradores doutorados : 1 Colaboradores não doutorados: 1 Bolseiros de doutoramento: 2 Bolseiros

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília e-mail: freireri@unb.br web: www.musicaparacriancas.unb.br Sumário:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular Estruturas e Interacção Social Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estruturas

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA.

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. Considerações prévias Erika Fernandes de Souza, UEPB José Augusto Soares Lima, UEPB Vender...comprar...vedar os olhos jogar

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

A CONCEPÇÃO DO ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO NO DECORRER DO PROCESSO EDUCACIONAL.

A CONCEPÇÃO DO ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO NO DECORRER DO PROCESSO EDUCACIONAL. A CONCEPÇÃO DO ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E AS SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO NO DECORRER DO PROCESSO EDUCACIONAL. FIN, Alexsandra Soares de (UNIOESTE) MALACARNE, Vilmar

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

anos GUIA DE LEITURA Manuela Lapa Gosto deles porque sim Lara Xavier Ilustrações de Rute Reimão

anos GUIA DE LEITURA Manuela Lapa Gosto deles porque sim Lara Xavier Ilustrações de Rute Reimão GUIA DE LEITURA Manuela Lapa Gosto deles porque sim Lara Xavier Ilustrações de Rute Reimão +8 anos Apresentação da obra Uma criança fala-nos de companheiros de escola por quem sente particular admiração.

Leia mais

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback)

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto 185 Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto alexandrapinto@net.sapo.pt Faculdade de Letras

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Prepara! E. E. João XXIII Sala 9 Sessão 2

Prepara! E. E. João XXIII Sala 9 Sessão 2 Prepara! E. E. João XXIII Sala 9 Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Arlete Ajudarte Realização: Foco A eletiva PREPARA! visava trabalhar, de forma diferenciada, questões vestibulares das áreas de

Leia mais

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS Programa de L1-3ª Classe Família Compreender mensagens e textos orais; Distinguir a pronúncia padrão da não Respeitar as diferentes formas de expressão dos seus companheiros; Expressar-se de forma clara

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MELGAÇO [ CRECHE CONNOSCO ] [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] [LA R G O D A L O J A N O V A, 4 9 6 0-5 5 8 M E L G A Ç O ; 2 5

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre John Perry Um amnésico, de nome Rudolf Lingens, perde-se na biblioteca da [Universidade] de Stanford. Lê várias coisas na biblioteca, incluindo

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE ENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS

QUESTIONÁRIO DE ENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS QUESTIONÁRIO DE ENVOLVIMENTO DAS CRIANÇAS VERSÃO PARA PAIS Nome da Criança Idade Anos Meses Assinalar um: Rapaz Rapariga Nome da pessoa que preenche o questionário: Data de preenchimento / / Relação com

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques Jerome S. Bruner nasceu em 1915. Doutorou-se em Psicologia, em 1941, na Harvard University, após ter concluído, em 1937, a licenciatura na Duke University. Foi,

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DO DESIGN Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DO DESIGN Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular TEORIA DO DESIGN Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA DO DESIGN (L5017)

Leia mais

A ciência experimental no Jardim-de-Infância

A ciência experimental no Jardim-de-Infância A ciência experimental no Jardim-de-Infância Isabel Fialho Departamento de Pedagogia e Educação Universidade de Évora Introdução Na comunidade científica existe consenso na ideia de que o modo como os

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana Introdução

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA

GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA Coordenação: Prof. Doutora Rosa Sequeira Prof. Doutora Isabel Falé Universidade Aberta Departamento de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais