Palavras chaves: Educação a Distância; Orientação Acadêmica; Brasil/Japão;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chaves: Educação a Distância; Orientação Acadêmica; Brasil/Japão;"

Transcrição

1 PARA ALÉM DAS FRONTEIRAS GEOGRÁFICAS: A FORMAÇÃO INICIAL EM NOVOS CONTEXTOS Valtrícia Lucelita Frozi UFMT Edenar Monteiro UFMT João Batista Franco Borges UFMT Lucinete Ornagui de Oliveira UFMT Marcia Matheus Tinoco UFMT Nailza da Costa Barbosa Gomes UFMT Resumo O objetivo desse texto é demonstrar alguns aspectos do cotidiano do curso de Licenciatura em Pedagogia acordo Brasil/Japão e de sua dinâmica no que se refere ao acompanhamento e avaliação sob a ótica da orientação acadêmica. Trata-se de uma pesquisa em andamento com abordagem qualitativa do tipo exploratório descritiva. Os instrumentos de coleta de dados se constituirão em questionários que serão respondidos pelos orientadores e pelos acadêmicos do curso. A análise dos dados permitirá obter informações acerca da orientação acadêmica e se o processo de acompanhamento contribui para o sucesso ou não do acadêmico no decorrer do curso. Tendo presente que o currículo do curso busca incorporar a compreensão de que ele próprio e o conhecimento devem ser vistos como construções e produtos de relações sociais particulares e históricas e, ainda, que deve ser orientado numa perspectiva crítica em que ação-reflexão-ação se coloquem como atitude que possibilite ultrapassar o conhecimento de senso comum, quatro conceitos foram escolhidos para servir não só de elo entre as diferentes áreas e os diferentes núcleos de conhecimento, bem como o fio condutor para base metodológica do curso: diversidade, historicidade, construção e interação. Dentre os possíveis caminhos traçados ao longo do processo milenar da humanidade na construção de seu conhecimento o curso optou pelo interacionismo, alternativa de superação da oposição e dualidade empirismo-inatismo, pois rejeita o absolutismo de ambos os pólos. Busca-se uma síntese de duas posições num processo de ir-e-vir, de reflexão-ação, de interação da experiência sensorial e da inter-relação sujeito e objeto. Palavras chaves: Educação a Distância; Orientação Acadêmica; Brasil/Japão; Livro 2 - p

2 Introdução Atualmente mais de brasileiros vivem no Japão, a maioria dekasseguis brasileiros de origem japonesa e seus cônjuges, que vão a trabalho, geralmente como operários na indústria. A comunidade brasileira nesse país é a terceira maior fora do Brasil e, por sua vez, é a terceira comunidade imigrante depois da coreana e chinesa respectivamente. A inversão do fluxo migratório de brasileiros descendentes ou cônjuges de japoneses ao Japão, buscando melhores oportunidades de renda, teve início na segunda metade da década de Nessa época, com a necessidade de atrair mão de obra para a rápida expansão econômica japonesa, o governo criou leis para facilitar a entrada de trabalhadores. Permitiu, assim, que descendentes de japoneses até a 3ª geração e seus cônjuges pudessem exercer qualquer atividade econômica por período relativamente longo. Por outro lado, a crise econômica no Brasil, nesta mesma época (alta inflação, crescente dívida externa, estagnação econômica, dentre os principais fatores) levou os nipo-brasileiros a procurar melhores alternativas de trabalho no Japão. Apesar desse contexto ter se modificado nos últimos anos ainda há uma comunidade de imigrantes brasileiros significativa naquele país, exigindo ações que possam melhor integrá-los à sociedade brasileira e/ou japonesa. O fato é que a implementação de leis para facilitar a imigração desconheceu que os descendentes de japoneses no Brasil não eram culturalmente japoneses. Apesar da descendência direta, imigrantes brasileiros no Japão são culturalmente brasileiros e são tratados pelos japoneses como qualquer outro estrangeiro. Os brasileiros no Japão formam a maior comunidade de falantes de português na Ásia, superando, segundo Lesser (2001) todas as ex-colônias portuguesas na região como Macau e Goa. Livro 2 - p

3 Da mesma maneira que outras comunidades de imigrantes no Japão, o idioma é uma das maiores barreiras para integração à sociedade japonesa. Diferentemente de outros países, principalmente os europeus onde crianças e jovens imigrantes são incorporados aos sistemas nacionais de ensino, no Japão é comum a existência de escolas de uma ou outra comunidade estrangeira. Esse é, portanto, o caso da comunidade brasileira. Estudos constatam (SUZUKI, 1992) que, no Brasil, muitos nipo-brasileiros se sentiam como japoneses. Todavia ao imigrarem para o Japão esses descendentes perceberam sua identidade brasileira, fazendo surgir forte sentimento de brasilidade nessa comunidade. Além disso, a integração das crianças e jovens brasileiros no sistema escolar japonês é dificultada, conforme foi constatado junto a Associação de Escolas Brasileiras no Japão AEBJ pelas condições de trabalho a que estão submetidos seus pais. Tem-se, então, que o acompanhamento dos estudos, a consolidação do idioma japonês como segunda língua, entre outros elementos, terminam por agudizar, ainda mais, a não integração dessa população à sistemática dos princípios das escolas japonesas. Frente a essas situações, criou-se um sistema de escolas brasileiras que atendem as crianças e jovens imigrantes no Japão. Segundo a ABEJ, a maior parte delas, aproximadamente 80%, atende a Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental em período integral e, das segundas-feiras aos sábados, para que os pais possam trabalhar. Aliado a isso, e depois da primeira fase de imigração, são várias as famílias que sentem dificuldades em retornar ao Brasil. Se não eram japoneses perderam, em parte, sua brasilidade. O MEC/SEED sensível ao problema da comunidade brasileira no Japão, bem como frente aos desafios da integração, propõe, então, ações que busquem no processo da formação dos que atuam nas escolas brasileiras nesse país, reconhecimento do trabalho educativo aí realizado e por meio de parcerias com instituições de ensino superior no Japão, como é o caso da Universidade Tokai e do Ministério de Educação do Japão, com apoio da Embaixada Brasileira em Tókio, promove processos que possam, ao longo do tempo, integrar comunidade imigrante brasileira à sociedade japonesa e que os japoneses possam também compreender nossa identidade. Nesse contexto, apesar dos desafios e diante da demanda pré-existente surge a oferta do curso de Licenciatura em Pedagogia acordo Brasil/Japão (Projeto do curso, disponível em: Segundo os dados fornecidos pela ABEJ a Livro 2 - p

4 maior parte das escolas brasileiras em território japonês dedica-se a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Assim, professores da Universidade de Tokai e professores da Universidade Federal de Mato Grosso estão juntos, desde a elaboração de material didático até o acompanhamento das atividades de pesquisa a serem desenvolvidas durante a formação. O lócus do trabalho de formação é a Universidade de Tokai, com a instalação de infraestrutura para atendimento aos alunos. Alem disso há seis Centros de Apoio aos acadêmicos no Japão: Ota-shi (Gunma), Hamamatsu-shi (Shizuoka), Nagoya-shi (Aichi), Kani-shi (Gifu), Hikone-shi (Shiga) e Chino-shi (Nagano), tendo em vista os municípios com maior concentração de brasileiros. Tais Centros estão vinculados às municipalidades. Nessa proposta através da interveniência do MEC/SEED, o Ministério da Educação do Japão, Embaixada Brasileira em Tókio, Universidade de Tokai, UFMT e os seis municípios japoneses, estabelecem um sistema de educação à distância que aproxima a comunidade brasileira às instituições japonesas. E por meio da Universidade de Tokai, ocorre a promoção do ensino da língua japonesa aos professores em formação, da mesma maneira, e por meio da pesquisa, discussões/produções sobre possibilidades de integração. O objetivo desse texto é demonstrar alguns aspectos do cotidiano desse curso e de sua dinâmica no que se refere ao acompanhamento e avaliação sob a ótica da orientação acadêmica do curso. Trata-se de uma pesquisa em andamento com abordagem qualitativa do tipo exploratório descritiva. Os instrumentos de coleta de dados se constituirão em questionários que serão respondidos pelos orientadores e pelos acadêmicos do curso. A análise dos dados permitirá obter informações acerca da orientação acadêmica e se o processo de acompanhamento contribui para o sucesso do acadêmico no decorrer do curso. O diferencial do curso de Licenciatura em Pedagogia acordo Brasil/Japão Essa experiência, pioneira no Brasil, ofertou trezentas vagas as quais foram preenchidas mediante aprovação em processo seletivo específico, realizado na Tokai, por intermédio da intranet. A existência desse curso está condicionada à necessidade de se reconhecer o trabalho das noventa e duas escolas brasileiras que funcionam, atualmente, em território japonês. Essa proposta de formação centra-se na intenção e operacionalização de capacitar futuros professores/gestores para que, com crianças, Livro 2 - p

5 possam efetivamente desempenhar papéis que contribuam para o crescimento e desenvolvimento infantil, tornando-os profissionais conscientes, exercendo atividades educativas de qualidade. A referência maior e que consolida por si a efetivação deste curso é o fato de pautar-se na experiência dos cursos de Pedagogia ofertados pela UFMT: Curso de Licenciatura em Pedagogia NEAD, bem como no curso de Pedagogia do Campus/Cuiabá. Salienta-se que as experiências anteriores e em desenvolvimento através desses cursos constituíram referenciais de grande valia à elaboração da proposta curricular do projeto do curso em questão. Destinado, preferencialmente, aos profissionais em exercício nas escolas brasileiras no Japão e residentes nos municípios das regiões que se constituiriam pólos participantes do projeto. Para acompanhar e avaliar o aluno no decorrer dos estudos, a UFMT conta com equipes de orientadores acadêmicos, pós-graduados e com formação específica em EaD, mediante capacitação em curso de pós-graduação lato senso. A equipe foi selecionada mediante processo seletivo através de edital específico para esse fim. Todos os orientadores acadêmicos residem em Cuiabá e encontram-se semanalmente para avaliação do processo junto à coordenação do curso e professores especialistas. Com relação aos recursos didáticos, o curso utiliza-se de diferentes mídias para veicular os conteúdos, de maneira a atender os cursistas provenientes de diferentes municípios japoneses. Portanto, além dos momentos presenciais com os professores especialistas os alunos dispõem de variados materiais didáticos, tanto impressos quanto multimídia em seus estudos a distância. O acompanhamento a distância ocorre mediante ambiente virtual de aprendizagem com a utilização da plataforma MOODLE. Segundo a Embaixada Brasileira em Tóquio bem e o MEC, as escolas brasileiras, no Japão, estão à margem do sistema educacional japonês. Da mesma maneira, ainda que o ensino seja pautado por padrões brasileiros, grande parte dos profissionais que aí atuam ou não têm formação superior, ou quando estão titulados, o estão em outras áreas que não licenciaturas. O objetivo do curso, portanto, é o de trabalhar a formação em nível superior dos professores e professoras das escolas brasileiras no Japão, de forma ser esse o primeiro passo rumo ao reconhecimento e integração dessas escolas aos sistemas educacionais brasileiro e japonês. Singularidades do Currículo Segundo Apple (1989), o currículo escolar não molda, inexoravelmente, o estudante. Possui, por igual, um poder calcado em suas próprias formas culturais. Por Livro 2 - p

6 esta razão, é possível pensar o currículo como um conjunto de significados que pode ser trabalhado na perspectiva de desafio às relações de dominação e exploração na sociedade. O currículo do Curso de Licenciatura em Pedagogia - modalidade a distância foi pensado no bojo das compreensões acima, delineados, na perspectiva da construção de um processo de formação de profissionais, cuja preocupação se move em direção a uma determinada formação política. Esta busca enseja aos acadêmicos o entendimento de como se produzem as subjetividades no contexto das relações sociais, intentando desvendar os meios pelos quais as relações de poder e as desigualdades sociais privilegiam e aniquilam o indivíduo, ou grupos sociais, no âmbito das configurações de classe, etnia e gênero. O que o torna singular são as parcerias com a Universidade de Tokai, a flexibilidade do currículo contendo japanologia e a pesquisa no contexto japonês. A proposta curricular do Curso de Licenciatura em Pedagogia - modalidade a distância organizou-se, por razões pedagógicas, em três núcleos de estudos, que são complementares e interdependentes, perfazendo um total de (três mil e trezentas horas). Princípios epistemológicos O conhecimento não é dado "a priori", nem pelo meio social. É uma "construção humana de significados que procura fazer sentido do seu mundo" (JONASSEN, 1996). Trata-se, portanto, de processo de construção que se dá na relação do sujeito (que conhece) com o entorno físico e social (que é conhecido), devendo ser significativo para o sujeito. Nessa perspectiva interacionista a aprendizagem não é um processo que ocorre "a distância", afastado da relação com o outro, sem a interação e a convivência e, portanto, solitária. Segundo Maraschin (2000), sem o encontro, sem a possibilidade da convivência não há aprendizagem, pois esta ocorre não quando há mudanças de comportamento, mas quando há mudança estrutural da convivência. Numa concepção dialética, é processo individual/coletivo, solitário/solidário, onde os contrários não se negam, mas, se completam se determinam. A dinâmica do acompanhamento Os princípios dinamizadores do currículo do curso de Licenciatura em Pedagogia - modalidade a distância acordo Brasil/Japão são decorrentes não só das abordagens epistemológica e metodológica do curso, mas também do fato de que os Livro 2 - p

7 alunos serão, em princípio, profissionais, ou vivenciarão situações concretas de exercício nas escolas. É assumido pelo projeto do curso que a formação do profissional deve estar intrinsecamente relacionada com o projeto político-pedagógico das instituições, sendo sua prática profissional tomada como uma dimensão curricular. Nesse sentido, são igualmente eixos metodológicos do curso o princípio educativo do trabalho, concebido na indissociável relação teoria-prática, e o princípio da construção histórica e interdisciplinar do conhecimento, desenvolvido por meio de atitudes investigativas e reflexivas da prática educacional, com vistas a dar à teoria sentido menos acadêmico e mais orgânico. Nesse sentido, a vivência de situações concretas de atendimento às crianças pelo acadêmico é um dos alicerces para o estudo teórico das disciplinas trazido na perspectiva de problematização do trabalho educativo em toda sua complexidade, de aprofundamento epistemológico, pedagógico e de concepção, com intencionalidade e projeção de atividades na tentativa de superar as práticas rotineiras com características de espontaneísmo, pragmatismo e imediatismo. Processo de avaliação da aprendizagem A avaliação é entendida como atividade política cuja função básica é subsidiar tomadas de decisão e que pressupõe análises e reflexões relativas a dimensões estruturais e organizacionais do curso, numa abordagem didático/pedagógica, como também a dimensões relativas aos aspectos políticos do processo de formação de educadores para a primeira etapa da Educação Básica Educação Infantil. Assim, o processo de avaliação de aprendizagem na Educação a Distância, embora possa, segundo Neder (1996), se sustentar se em princípios análogos aos da educação presencial, requer tratamento e considerações especiais em alguns aspectos. Primeiro, porque um dos objetivos fundamentais da Educação a Distância deve ser o de obter, dos alunos, não a capacidade de reproduzir idéias ou informações, mas sim de produzir e re-construir conhecimentos, de analisar e posicionar-se criticamente diante das situações concretas que se lhes apresentem. Segundo, porque no contexto da EAD o aluno não conta, comumente, com a presença física do professor. O que interessa, portanto, no processo de avaliação de aprendizagem é analisar a capacidade de reflexão crítica dos alunos diante de suas próprias experiências, a fim de que possam atuar, dentro de seus limites, sobre o que os impede de agir para transformar aquilo que julgam limitado em termos do projeto político-pedagógico da escola. Livro 2 - p

8 Para tanto, é estabelecida uma rotina de observação, descrição e análise contínuas da produção do aluno que, embora se expresse em diferentes níveis e momentos, não altera a condição processual da avaliação. Somente após a realização de três momentos indispensáveis de avaliação, é feita a valoração final do desempenho do aluno, traduzida em número por exigência de normas institucionais. O registro é feito de acordo com os sistemas de Meio I: acompanhamento do percurso de estudo do aluno, mediante seu desempenho de estudo dos fascículos; Meio II: produção de trabalhos escritos, que possibilitem sínteses dos conhecimentos trabalhados; Meio III: desenvolvimento e apresentação de resultados de pesquisas realizadas por áreas temáticas. Caso o aluno não tenha o desempenho desejado, deverá refazer alguns percursos de estudo, aprofundando mais suas leituras. Os requisitos para aprovação nas disciplinas e obtenção do diploma obedecerão às normas legais estabelecidas pelos conselhos de ensino, pesquisa e extensão das instituições ofertantes do curso, em conformidade com as diretrizes do MEC. A Orientação Acadêmica O orientador é concebido neste trabalho como um dos sujeitos da prática educativa, participante de todo processo de interação com os demais sujeitos (alunos, professores, técnicos). A orientação acadêmica é compreendida, aqui, como um dos elementos do processo educativo que possibilita a (re)significação da educação a distância, principalmente em termos de proporcionar, em razão de suas características, o rompimento da noção de tempo/espaço da escola tradicional: tempo como objeto, exterior ao homem, não experiencial. Se o tempo e o sujeito se constituem mutuamente, o tempo é o tempo do sujeito (NEDER, 1999). O processo dialógico que se estabelece entre aluno e orientador é único, porque no tempo/espaço de cada um dos alunos a interlocução é exclusiva. O orientador, paradoxalmente ao sentido atribuído ao termo distância, está permanentemente em contato com o aluno, mediante a manutenção do processo dialógico, em que o entorno, o percurso, expectativas, realizações, dúvidas, dificuldades dinamizam esse processo. O orientador envolve-se na discussão com os professores, responsáveis pelas áreas, a respeito dos conteúdos, do material didático a ser utilizado, da proposta metodológica, do processo de acompanhamento e de avaliação de aprendizagem, como Livro 2 - p

9 também dos Seminários Temáticos. Também se constitui parte de suas atribuições acompanhar, estimular, motivar e, sobretudo, contribuir para o desenvolvimento da capacidade de organização das atividades acadêmicas e de auto-aprendizagem. O atendimento presencial é realizado de forma individual ou em grupo quando do deslocamento dos professores especialistas da UFMT aos Pólos no Japão. Anterior ao momento presencial e paralelamente as demais atividades, o orientador e professores especialistas acompanham os acadêmicos no desenvolvimento de uma pesquisa, em equipe, na escola onde trabalham (Meio III). O objeto a ser investigado deve ser referente a um tema da área, em estudo, naquele momento do curso. O tema e o processo da pesquisa são discutidos pelo especialista com os orientadores acadêmicos, e estes com os acadêmicos. Ao final desse processo, realiza-se o Seminário Temático na cidade Pólo, momento em que os acadêmicos irão expor os resultados da sua pesquisa. Uma equipe de "observadores composta por professores das universidades parceiras e da comunidade escolar local acompanha o trabalho. Antes, porém dessa exposição os trabalhos apresentados passam por uma banca que os qualifica para tal. Essa banca é composta por professores, coordenadores do curso e orientadores acadêmicos distintos daqueles que orientaram o processo de construção do trabalho a ser apresentado. O orientador faz também o relatório e o registro acadêmico da caminhada de cada acadêmico para que, ao final de determinada área do conhecimento, possa concluir a avaliação, analisando o ponto de partida e de chegada de cada um. Relatando todo o percurso do acadêmico em "Fichas de acompanhamento", que são arquivadas no sistema de controle acadêmico instituído pelo NEAD. Para dar conta da complexidade de sua ação pedagógica que não se restringe à dimensão cognitiva, mas abarca a metacognitiva, a pedagógica, a social, a afetiva e a administrativa, o Orientador Acadêmico conta com o apoio da equipe pedagógica do NEAD: o coordenador de curso e os professores responsáveis por áreas de conhecimento (os especialistas ) e os técnicos da área tecnológica, comunicacional e administrativa. A função principal dos especialistas é a de assessorar os orientadores acadêmicos quanto ao estudo e à discussão dos conteúdos do material didático do curso, durante os encontros mensais e semanais que se realizam no Centro de Apoio para formação continuada dos orientadores. Estabelece-se, assim, uma "rede" de informações suficientes e úteis à avaliação processual do curso. Porém, serão prioritariamente enfatizadas e avaliadas as mudanças provocadas pelo curso nas práticas pedagógicas dos acadêmicos, e o impacto, Livro 2 - p

10 ou reflexos dessas, nas instituições de Educação. Sobretudo porque o objetivo principal do curso é provocar mudanças cognitivas e da práxis. Percepções possíveis Respeitar a complexidade da dinâmica humana na escola é procurar compreender e conviver com as mudanças que ocorrem na realidade. Conviver com a diversidade pressupõe um pensamento aberto e flexível. Uma educação que considere a complexidade, não se limita aos saberes compartimentados, mas religados, de forma a promover uma racionalidade aberta, que permita o reconhecimento do diverso, e que leve em conta essa diversidade como constituinte do jogo dinâmico da harmonização das divergências. Saberes religados de forma a considerar outras verdades que não só as científicas. Enfim, uma educação pautada na complexidade leva em conta que o ser humano é multidimensional e não pode ser reduzido à unidimensionalidade que restringe seu potencial e atrofia sua criação. Na educação a alteridade contribui para o educador perceber o diferencial de cada indivíduo tornando-se flexível, respeitando as variações do grupo. Através dela é possível aceitar o ser como ele é em suas ações pessoais sem demarcação do certo ou errado. Propicia também, ter a igualdade no olhar para com o outro e isso faz com que compreendamos os costumes e as crenças de um grupo social. Uma sociedade que recebe um estrangeiro, forasteiro ou gaidjin (termo japonês para denominar quem não é do Japão) pode recebê-lo e conviver pacificamente ou então entrar em atrito, pois esse estranho, a seus olhos, o ameaça ou então à cultura de seu país ou localidade, desrespeita, muitas vezes, as regras e costumes e torna-se inconveniente mesmo que de forma não proposital. Quanto ao olhar daquele que vem do exterior, tenta impor sua cultura e costume por vezes acreditando que esses sejam melhores. Tradicionalmente na Educação a Distância, a ideia de que o professor-tutor dirigia, orientava e apoiava a aprendizagem dos alunos, mas não se envolvia com os conteúdos era comum. Nessa mesma perspectiva, assumiu-se a postura de que os materiais utilizados na EaD seriam autoinstrutores, ou seja, ensinavam sozinhos, cabendo ao professor-tutor apenas acompanhar o processo. Nesse modelo, ensinar era o mesmo que transmitir informações, e caberia ao professor-tutor garantir o cumprimento dos objetivos, servindo de apoio ao programa (LITWIN, 2001). Livro 2 - p

11 Com o desenvolvimento da EaD, configuraram-se novos papéis aos atores que envolvem os processos de ensino e de aprendizagem na modalidade. Esse contexto vem ressignificar o papel do professor-tutor, entendido nesse texto como orientador acadêmico. O que caracteriza esse profissional é a sua função de mediador didáticopedagógico nos processos de aprendizagem. No caso do curso de Licenciatura em Pedagogia acordo Brasil/Japão a orientação acadêmica cumpre com seu papel na medida em que crie propostas de atividades para a reflexão, apoie sua resolução, sugira fontes de informação alternativas, ofereça explicações, facilite os processos de compreensão; ou seja, guie, oriente, apoie; é nisso que consiste o seu trabalho. A orientação acadêmica cumprirá com seu papel se for capaz de, ao longo do processo, orientar a realização das atividades oferecendo novas possibilidades de informação, interpretação, reflexão, compreensão e (re) construção do conhecimento. Nos pressupostos do curso, o papel de guiar, orientar, apoiar são responsabilidades tanto do professor como do orientador acadêmico na modalidade à distância. A importância do orientador acadêmico na EaD deve-se, entre outros fatores, ao fato de ele ser o contato imediato do aluno, isto é, aquele que acaba representando a instituição que oferta o curso, apontando-lhe os caminhos que o conduzem ao encontro das respostas que procura. Para Moran (2008), é fundamental o papel do orientador na criação de laços afetivos. Os cursos que obtêm sucesso, que têm menos evasão, dão muita ênfase ao atendimento do aluno e à criação de vínculos. Para tanto, o orientador precisa estar atento ao desenvolvimento desse vínculo, além das suas demais atribuições. A relação próxima entre o orientador e os professores especialistas é necessária para que o primeiro tenha familiaridade com o material disponibilizado para o aluno. No caso deste curso, antes de qualquer módulo iniciar os orientadores participam efetivamente de uma formação com os professores especialistas de cada área. Durante o processo, ocorrem reuniões semanais onde orientadores, professores especialistas e coordenadores se encontram para avaliar, redefinir metas e juntos reelaboram, se necessário for, as propostas para as próximas etapas. É importante ressaltar que antes de qualquer módulo iniciar, orientadores e professores especialistas, num dialogar constate, definem o guia didático que orienta as disciplinas, as atividades que serão propostas, o material que será explorado e os Livro 2 - p

12 critérios de avaliação. O trabalho do orientador não é solitário, ao contrário, é amparado o tempo todo pelo suporte dado pelos professores especialistas de cada disciplina ou módulo o que permite interferir no processo de aprendizagem e fazer o acompanhamento necessário. O orientador, ao avaliar o ensino-aprendizagem, coteja o grau de satisfação do cursista com o curso por meio de métodos estatísticos, fichas de avaliação e de observação e também pelo contato imediato realizado pelas ferramentas disponibilizadas pelo ambiente virtual. Com vistas nisso, busca-se, através dessa proposta de pesquisa entender melhor como esse processo está sendo sentido tanto pelos acadêmicos quanto pelos orientadores do curso de Licenciatura em Pedagogia acordo Brasil/Japão. O professor e a escola não têm o direito de homogeneizar os educandos, mas devem investir forças no desenvolvimento do ser humano a partir da diversidade, da interação e do respeito mútuo. E é nesse sentido, que o curso que ora descrito aqui muito tem a contribuir com a realidade escolar vivida no Japão pela comunidade brasileira. Referências APPLE, M. W. Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, Currículo e Poder. Educação e Realidade. Porto Alegre, ano 14, n.2, p , jul./dez., JONASSEN, D. O Uso das Novas Tecnologias na Educação a Distância e Aprendizagem Construtiva. Em Aberto. Brasília, ano 16, n. 70, p , abril/jun LESSER, Jeffrey. Negociando a identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etinicidade no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, MARASCHIN, C. A sociedade do conhecimento e a educação a distância. In: NEDER, M.L.C. Avaliação na Educação a Distância: significações para definição de percursos. In PRETI, O. (Org.). Educação a Distância: Início e indícios de um percurso. Cuiabá, MT: NEAD/UFMT, A Formação do Professor a Distância: Diversidade como base conceitual. UFMT/IE: Cuiabá, SUZUKI, T. Produção acadêmica sobre a imigração e a cultura japonesa no Brasil. São Paulo: Agência Estado, LITWIN, E. (Org.). Educação a distância: temas para debate de uma nova agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, MORAN, J. M. Os modelos educacionais na aprendizagem on-line. Disponível em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/modelos.htm>. Acesso em: 10 fev Livro 2 - p

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Dimensões da Sustentabilidade

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Resumo Autores: Bruno Antônio de Oliveira Yuri Cravo Fernandes Rodrigues de Oliveira O recente avanço das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Escolas Sustentáveis e Com-Vida. 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Escolas Sustentáveis e Com- Vida

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Escolas Sustentáveis e Com-Vida. 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Escolas Sustentáveis e Com- Vida Catálogo do Curso de Educação Ambiental Escolas Sustentáveis e Com-Vida 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Escolas Sustentáveis e Com- Vida 3. Nível

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade

O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade O PROJETO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO: aspectos definidores de sua identidade Katia Morosov Alonso* Maria Lúcia Cavalli Neder** O trabalho relativo ao desenvolvimento

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

2. Condições para inscrição Que o candidato tenha título de mestre reconhecido pela CAPES.

2. Condições para inscrição Que o candidato tenha título de mestre reconhecido pela CAPES. EDITAL PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A VAGAS DO CURSO DE DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO, PARA O ANO ACADÊMICO DE 2016. 1. Preâmbulo 1.1

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

A TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DE TUTORES À DISTÂNCIA

A TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DE TUTORES À DISTÂNCIA A TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DE TUTORES À DISTÂNCIA FURQUIM, Alexandra Silva dos Santos. 1 Especialização em Tecnologias da Informação e da Comunicação aplicadas à Educação/UFSM

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD

Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Instituto de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Química Área de Ensino de Química Especialização em Educação de Jovens e Adultos para a Juventude - EaD Equipe Prof. Ms. Marcel Thiago Damasceno

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

EDITAL Nº 27/2012 UAB/PREAE/UFMS CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DIVERSIDADE 2012-2013

EDITAL Nº 27/2012 UAB/PREAE/UFMS CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DIVERSIDADE 2012-2013 EDITAL Nº 27/2012 UAB/PREAE/UFMS CURSO DE EXTENSÃO PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA A DIVERSIDADE 2012-2013 O Pró-Reitor de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS TUTORES PRESENCIAIS DO POLO UAB DE FLORIANÓPOLIS: POSSIBILIDADES DE QUALIFICAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM.

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS TUTORES PRESENCIAIS DO POLO UAB DE FLORIANÓPOLIS: POSSIBILIDADES DE QUALIFICAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM. A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS TUTORES PRESENCIAIS DO POLO UAB DE FLORIANÓPOLIS: POSSIBILIDADES DE QUALIFICAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM. Resumo Fabiana Gonçalves¹ Prefeitura de Florianópolis Grupo de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL EDITAL N. 26/2011 Inscrição para tutoria presencial do Curso de Licenciatura

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação

EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação EIXO II Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação NILVA SCHROEDER ARARANGUÁ - JULHO 2009 Conferência Nacional de Educação Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: O Plano Nacional

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O POTENCIAL DO ENSINO A DISTÂNCIA NO CENÁRIO ATUAL DA EDUCAÇÃO

O POTENCIAL DO ENSINO A DISTÂNCIA NO CENÁRIO ATUAL DA EDUCAÇÃO O POTENCIAL DO ENSINO A DISTÂNCIA NO CENÁRIO ATUAL DA EDUCAÇÃO Elizandra Prates de Oliveira Especialista em Psicologia da Educação Instituto Toledo de Ensino de Araçatuba-ITE Fábia Prates de Oliveira bio_fabia@hotmail.com

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO O ENSINO DA SOCIOLOGIA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO Contribuindo para a formação continuada dos professores de Sociologia do ensino médio do Rio Grande do Sul. OBJETIVOS GERAIS

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA 1 O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA Rio Grande/RS, maio de 2009 Suzi Samá Pinto Universidade Federal de Rio Grande (FURG)

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 Cleonice Vieira 1 ; Débora Maian Serpa 2 ; Moema Helena de Albuquerque 3 RESUMO O Programa tem como objetivo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA RESUMO. Matemática, Educação a distância, Pós-Graduação Lato Sensu

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA RESUMO. Matemática, Educação a distância, Pós-Graduação Lato Sensu A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA João José Saraiva da Fonseca Faculdade Integrada da Grande Fortaleza joao@fgf.edu.br RESUMO O Curso de Pós Graduação Lato

Leia mais