Dislexia. Intervenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dislexia. Intervenção"

Transcrição

1 Dislexia - Avaliação e Intervenção Dislexia É actualmente aceite que o conceito designa uma dificuldade de distinção e memorização de letras ou grupos de letras e problemas de ordenação, ritmo e de estruturação das frases, afectando tanto leitura como escrita. Para a generalidade das crianças as a leitura e escrita surgem de forma normal, mas não para estas. As crianças as apresentam um nível n de desenvolvimento normal nas outras áreas. 1

2 Dislexia Inicialmente associava-se se o termo somente a perturbação neurológica provocada por traumatismo que afectava estruturas do cérebro c (Dislexia Adquirida). Quando a perturbação não está relacionada com traumatismos, nível n intelectual, nível n socio-econ económico, ou métodos pedagógicos gicos errados (Dislexia de Desenvolvimento). Dislexia Dislexia de Desenvolvimento pode ser designada como: Uma perturbação que se manifesta na dificuldade em aprender a ler, apesar do ensino ser convencional, a inteligência adequada e as oportunidades socioculturais suficientes.. Deve-se a uma incapacidade cognitiva fundamental, de origem constitucional. As crianças as disléxicas não têm falta de capacidade, necessitam sim de uma maior flexibilidade e estimulação. 2

3 Definição Geral: Dislexia A dislexia é uma desordem a nível n de desenvolvimento da linguagem cuja principal característica consiste numa dificuldade permanente em processar informação de ordem fonológica. Esta dificuldade envolve codificar, recuperar e usar de memória códigos c fonológicos e implica défices d de consciência fonológica e de produção de discurso. Esta desordem está presente desde a nascença a e persiste ao longo da vida, reflectindo-se quer na leitura quer na escrita. Dislexia Aspectos chave na Definição: Define a desordem de acordo com as características específicas (codificação, recuperação e consciência fonológica) em vez de afirmar que se trata de uma deficiência ao nível n da leitura; Ao especificar a natureza do processamento fonológico a definição exclui os indivíduos duos cujos problemas de leitura se devem a outros factores (perda de audição, problemas visuais ou intelectuais); A definição não se estende a outros domínios de funcionamento cognitivo,, como a compreensão ou o raciocínio. 3

4 Dislexia Os erros mais comuns nos processos de leitura e escrita são: Confusão entre letras com formas idênticas. Assim podem aparecer erros nos seguintes conjuntos: p-q; d-b; p-d; q-b; m- w; n-u. Inversão de letras em palavras (escrita em espelho); Substituição de umas letras por outras (para além m das enumeradas no nº1); n Omissão de letras, pode afectar outras consoantes e até vogais; Dislexia Omissão de palavras em ditados e cópias; c Uniões e separações indevidas de palavras (ex. guar-dachuva dachuva); Vacilações (o leitor demora mais tempo que o habitual a ler); Adição de letra no final da palavra (ex. colhere) 4

5 O Processo de Leitura envolve: - Percepção Visual, com identificação de grafemas (representação gráficas dos sons); - Análise desses grafemas através s do reconhecimento de símbolos; - Descodificação de grafemas em fonemas (sons que constituem as palavras); - Consciência Fonológica; - Transformação em algo com sentido do que é lido. Consciência Fonológica Habilidade de tomada de consciência das características formais da linguagem. Esta habilidade compreende dois níveis: n 1. A consciência de que a língua l falada pode ser segmentada em unidades distintas, ou seja, a frase/ palavras/ fonemas/ sílabas/ letras. 2. A consciência de que essas mesmas unidades repetem-se em diferentes palavras faladas. 5

6 Consciência Fonológica - Tem sido identificado como a função mais afectada na dislexia, e pode ser identificada desde cedo em crianças as que: - Não conseguem identificar rimas; - Não conseguem identificar o som inicial das palavras; - Não conseguem identificar o som final das palavras; - Juntar ou retirar sons a palavras; Descodificação de Símbolos S envolve: A leitura é uma forma altamente complexa de descodificação de símbolos, é um processo que envolve: - Atenção; - Memória; (Memória de Trabalho) - Imagem mental (imaginar o que está a ser lido) 6

7 Rotas de Aquisição da Leitura Rota Fonológica - anteriormente designada de Ortográfica Consiste em discriminar os sons correspondentes de cada um dos grafemas. Assim podemos ler palavras pouco frequentes, desconhecidas e pseudopalavras; Esta é assim a rota que nos abre a perspectiva de lermos tudo o que se apresente escrito nos nossos caracteres. Rotas de Aquisição da Leitura Rota Léxical - visual É caracterizada por nos fazer chegar as palavras no seu todo, sem a necessária decomposição nas suas partes constituintes; Faz uso de conhecimentos específicos da pronuncia das palavras e permite ler correctamente palavras de excepção (exemplo e muito); É uma via mais rápida r que a anterior, é uma base de dados que possuímos e à qual recorremos para acelerar o processo de leitura. Enquanto leitores hábeis h utilizamos as duas rotas de forma automática tica mantendo o sentido do que estamos a ler. 7

8 Problemas no Acesso às s Rotas Rota Fonológica É necessário trabalhar as habilidades de correspondência grafema- fonema; É considerado um desvio relativo ao normal desenvolvimento da leitura. Rota Léxical Poder-se se-á trabalhar com cartões imagens na qual a palavra é apresentada como um todo e a partir daí fazer derivações desse exercício. cio. Considerado um desenvolvimento lento da leitura. Modelo da Dupla Via Dislexia Fonológia Dificuldade na Transformação de Sons em Letras Pseudo-palavras Palavras Irregulares Palavras Regulares 8

9 Modelo da Dupla Via Dislexia Superfície Dificuldade na memorização de palavras Pseudo-palavras Palavras Irregulares Palavras Regulares Dislexia- origem Atrasos na Maturação Neurológica - Desenvolvimento do hemisfério esquerdo de forma irregular, originados por anomalias neuroanatómicas micas,, como malformações do tecido neuronal, nomeadamente deslocamento de células c designado de ectopia; Atrasos na Maturação Psicológica - Atrasos no desenvolvimento perceptivo - visual; - Atrasos na aquisição do esquema corporal; - Atrasos no desenvolvimento da coordenação. 9

10 Evidências Factores Neurológicos Os disléxicos apresentam tal como os não disléxicos uma dominância do hemisfério esquerdo para o processamento linguístico. No entanto o grupo dos disléxicos evidência uma taxa de processamento de informação inferior - têm uma organização lexical menos eficaz. 1- Défices Perceptivos Principais Défices D Cognitivos Problemas perceptivos quando existem estímulos verbais. Ex. No desenho de memória de figuras que lhes eram apresentadas visualmente os sujeitos com dificuldade na leitura apresentavam problemas quando estavam associados itens verbais aos estímulos a recordar. 2- Défice de Memória Não conseguem memorizar com tanta facilidade e consequentemente recorrer à informação guardada quando se trata de novas palavras. 10

11 3- Défices Fonológico Principais Défices D Cognitivos Compreensão de leitura deficiente, quando lêem recordam- se essencialmente as cadeias de palavras letra-a-letra não conseguindo lembrar-se dos termos exactos nem dos seus significados; Vocabulário reduzido, menor fluidez nas descrições verbais e uma elaboração sintáctica (formação de frases) menos complexa. Os disléxicos não têm dificuldades no processamento verbal geral, uma vez que são capazes de utilizar e compreender a linguagem. O seu problema reside na codificação fonológica dado que fracassam em tarefas de soletração, leitura e escrita. O problema emerge pois no momento em que têm de transformar letras ou palavras num código. c 11

12 2- Escolares Disciplinas onde surgem problemas específicos: História ria- Problemas em captar as sequências cronológicas; Línguas; Geografia- Dificuldade no estabelecimento de coordenadas; Características da Leitura: Lenta, sem ritmo; Leitura parcial de palavras; Perda de linha que está a ser lida; Confusão quanto à ordem das letras (ex. Sacar em vez de Sacra); Mistura de sons. Problemas no Quotidiano As crianças as podem apresentar dificuldade: Diferenciarem esquerda de direita; Problemas de orientação (decorrentes do acima mencionado); Estas dificuldades são decorrentes de disfunções neurológicas leves de que são exemplo problemas ligeiros de coordenação e de maturação que se manifestam: Atrasos da marcha; Atrasos de linguagem; Percepção visual; Percepção auditiva; Memória. 12

13 Detecção Precoce Aspectos de detecção precoce a nível n fala ou linguagem e psicomotricidade, para a faixa etária dos 4 aos 6 anos: Fala e Linguagem: Problemas articulatórios: rios: confusão entre fonemas, inversões; Vocabulário Pobre; Falta de Expressão; Compreensão Verbal Deficiente. Detecção Precoce Psicomotricidade: Atraso na estruturação e no conhecimento do esquema corporal; Confusão entre cores, forma tamanhos e posições; Dificuldades motoras na execução de exercícios cios manuais e grafismos; Tendência para a escrita em espelho: (p em vez de q, b em vez de d) a partir da escolarização ão. 13

14 Despiste da Dislexia por Idade Crianças as Pré-Escolar (pré dislexia) História familiar de problemas de dislexia; Atraso na aprendizagem da fala com clareza (ex. inversão de fonemas); Confusão entre a pronunciação de palavras semelhantes foneticamente; Dificuldade em recordar nome de coisas (ex. cores, formas); Confusão em aspectos corporais que têm que ver com orientação espacial; Maior habilidade manual que linguística; Dificuldade em identificar palavras que rimam ou cantilenas com rimas; Dificuldade em sequenciar acções. Despiste da dislexia por idade Crianças as dos 6 até aos 9 anos Particular dificuldade para aprender a ler e a escrever; Confusão em letras/ palavras que se assemelham na sua forma escrita e na forma falada; Falta de ritmo na leitura; Falta de sincronia entre respiração e leitura; Tendência para a escrita em espelho / orientação inadequada; Tendência para omissão, inversão, repetição na escrita e leitura; Mistura de letras maiúscula e minúsculas; Dificuldade para distinguir esquerda de direita; Dificuldade na aprendizagem do alfabeto, palavras novas; Dificuldade para reter sequências (meses do ano, dias da semana, nome dos dedos da mão); Dificuldade na concentração; Frustração nas tarefas escolares; 14

15 Despiste da dislexia por idade Criança a entre os 9 e os 12 anos Erros contínuos nuos na leitura; Incorrecção na utilização dos tempos verbais; Leitura mecânica e com pouco nível n de compreensão; Forma estranha de escrever (omissões de letras ou inversão de ordem); Dificuldade em seriar alfabeto; Dificuldade na utilização do dicionário; Dificuldade em realizar cópias; c Demoram muito tempo a escrever; Dificuldade em seguir instruções orais; Baixa tolerância à frustração; Problemas na compreensão da linguagem oral e escrita; Problemas de conduta: impulsividade, falta de atenção, imaturidade. Despiste da dislexia por idade Dos 12 anos em diante Inconsistências gramaticais e erros ortográficos; Dificuldade para planificar e redigir composições; Tendência para confundir números n de telefone e instruções verbais; Baixa auto-estima; Baixa compreensão leitora; Aversão à leitura e escrita. 15

16 Guia Geral de Sinais de Dislexia Haverá Sempre: Dificuldades com a interpretação da linguagem escrita; Dificuldades em escrever; Problemas sérios s com a ortografia; Lentidão na aprendizagem da leitura. Haverá Muitas Vezes: Dificuldades com a matemática, tica, sobretudo na assimilação de símbolos e padrões como a tabuada; Problemas com a memória a curto prazo e organização; Dificuldade em seguir indicações de trajectos espaciais e em executar sequências de tarefas complexas; Guia Geral de Sinais de Dislexia Haverá por Vezes: Dificuldades com a linguagem falada; Problemas na apreciação das distâncias e com a percepção do espaço; Confusão entre esquerda e direita. 16

17 Disgrafia É uma desordem na escrita que é independente do nível n de leitura ou e não se relaciona com qualquer défice d intelectual do sujeito. Definida como: Desordem da expressão escrita, que manifestamente está abaixo do que a pessoa poderia produzir para a idade, nível n intelectual e de escolaridade. Disgrafia Sujeitos com esta condição conseguem produzir trabalho escrito até certo ponto de entendimento e podem não ter uma dominância estabelecida de qual a mão com que escrevem. Usualmente têm dificuldade em tarefas motoras fina tais como apertar os atacadores. Os sintomas que apresentam podem ser similares aos da dislexia com confusão em determinadas letras e com dificuldade de soletração e elevado número n de erros. 17

18 Disgrafia Escrita onde se evidencia uma enorme desproporção entre o tamanho das letras, espaçamento, amento, e dificuldade na correcção dessas dificuldades, mesmo quando orientadas por um adulto. Um indicador fundamental para a identificação desta desordem é a inexistência de quaisquer outros problemas nas aprendizagens. Esta desordem pode ainda coexistir em pessoas com Asperger, Hiperactividade e Défice D de Atenção. Etiologia Apesar de ser pouco estudada consegue-se encontrar um padrão genético que propicia a disgrafia quando manifestada na infância. Na idade adulta normalmente é o resultado de traumatismos cerebrais ou doenças degenerativas. 18

19 Tipos de Disgrafia Disgrafia disléxica Trabalho realizado de forma espontânea é normalmente ilegível, se bem que se for resultado de uma cópia c será bastante melhor. Apesar do nome, o sujeito pode não ser disléxico. Em prova de despiste de lesão cerebral como Bater com o dedo na mesa em diferentes ritmos está no nível n normal. Tipos de Disgrafia Disgrafia Motora É devido a uma falta de competências motoras finas, baixa dextricidade,, baixo tónus muscular e uma generalizada falta de capacidade motora. O trabalho escrito é na generalidade muito imperfeito, mesmo na cópia, c sendo que trabalho escrito que seja legível é realizado com extrema dificuldade e com elevado esforço o físico, f exigindo um longo período de tempo. A realização de exercícios cios de soletração não está afectada, contudo a colocação do lápis l na mão é incorrecta e o resultado na prova de Bater com o dedo na mesa em diferentes ritmos está abaixo do nível n normal. 19

20 Tipos de Disgrafia Disgrafia Especial Resulta de uma dificuldade na colocação espacial dos símbolos escritos, assim sendo o trabalho escrito espontâneo e copiado é na generalidade ilegível, mas apresentam níveis n normais de soletração e na prova de bater com o dedo de forma ritmada. Sintomas de Disgrafia Formas de letras irregulares; Mistura irregular de letras maiúsculas e minúsculas; Letras incompletas; Elevado nível n de erros; Estranha forma de prensão manual; Dificuldade em utilizar a escrita como forma de expressão; Dor ao escrever (que se espalha do antebraço o para o resto do corpo); Velocidade de escrita irregular (ou muito rápido r ou muito lento); Colocação do braço o de forma peculiar (ex. na forma de um L); Ansiedade / Stress associado à tarefa de escrita; Relutância em escrever. 20

21 Estratégias para Professores Uso de lápis l pequenos, e preferencialmente em forma triangular, de forma propiciar uma pega mais ergonómica; Assegurar que o desenho de letras pelo aluno é feito de forma correcta e estandardizada; Instruir os alunos em como utilizar folhas de rascunho para elaborarem ideias; Utilizar cadernos de instrução (para a escrita) para os alunos praticarem a escrita dentro de limites bem definidos; Possibilitar tempo extra aos alunos de forma que eles possam escrever mais pausadamente e não estar sobre pressão; Estratégias para Professores Permitir aos alunos a apresentação de trabalho escrito em computador; Permitir o uso de gravadores na sala de aula para quando o aluno necessite de tirar notas e não consiga acompanhar o ritmo do resto da turma; Proporcionar ao aluno a oportunidade de após s a aula poder esclarecer com o professor elementos que ficaram incompletos. 21

22 Discalculia É uma desordem específica de aprendizagem de origem inata que afecta a compreensão da matemática tica envolvendo os símbolos, s memorização de tabuada, dificuldade em realizar operações mentais. Visão Geral Desordem de origem hereditária ria que afecta a capacidade da pessoa entender, lembrar ou manipular números n ou operações numéricas (ex. tabuada). Pode ainda se traduzir numa inabilidade geral para lidar de forma abstracta com quantidades, distâncias, dimensões. O nível n intelectual dos sujeitos é normal, e em casos mais específicos pode implicar dificuldades com as noções de tempo e raciocino espacial. Discalculia Confusão nos sinais aritméticos: ticos: +; -;; x; Dificuldade com tarefas rotineiras como verificar troco e ver horas em relógios de ponteiros; Dificuldade na compreensão de planeamento financeiro ou elaboração de um orçamento (ex. calcular o valor de uma refeição com base na ementa); Dificuldade com noções básicas b como ligar o nº n 5 com os 5 dedos da mão; Podem atingir elevado nível n de sucesso em ciências ou geometria desde que apenas envolvam lógica, l mas quando lidam com cálculos c o desempenho ressente-se; se; 22

23 Discalculia Dificuldade em estimar o tempo (ex. podem chegar sempre atrasados); Dificuldade em colocar um mapa na posição correcta e na sua análise em geral; Dificuldade na estimativa da distância de um objecto; Dificuldade em manter a noção de um resultado quando envolve muitos pontos (ex. jogo de basquetebol); Elevada ansiedade em disciplinas que envolvam noções matemáticas. ticas. Como Detectar a Dislexia Para uma avaliação completa deve-se ter em conta aspectos relativos: Neuropsicologia (Lateralidade, percepção visuoauditiva,, psicomotricidade) que se considera estarem relacionados com os problemas na leitura e escrita; Psicolinguística stica (fonologia, sintaxe e semântica) que se considera estarem implicados na leitura e escrita. 23

24 Intervenção no Processamento Visual A descodificação dos símbolos s visuais é mais fácil f que a descodificação auditiva a criança a aprende melhor quando associa representação gráfica à palavra. A intervenção deve-se situar ao nível n de: 1 - Discriminação de SímbolosS Diferenciação e explicitação de histórias ilustradas em livros infantis; Identificação de formas, números n e letras; Discriminação de diferenças iniciais e finais de palavras (gato / fato /mato); Realização de um Diagnóstico Determinação do Nível N Funcional de Leitura; Determinação da Capacidade e Potencial de Leitura; Determinação da Extensão da Inaptidão para Leitura; Determinar deficiências específicas na habilidade de leitura; Determinar disfunção neuropsicológica; Determinar Factores Associados; 24

25 Determinação do Nível N Funcional de Leitura Compreensão do material que a pessoa está a ler, quer na leitura silenciosa, quer oral; A crianças as está a ter o desempenho esperado quando é capaz de ler um texto para a sua idade com 100 palavras demonstrando pelo menos 70% de compreensão e menos de 20 erros sejam eles fonéticos, omissões ou derivações; Pode ser realizado com qualquer livro do seu ano de escolaridade ou com textos padronizados; Determinação da Capacidade e Potencial de Leitura Normalmente crianças as que tenham um nível n aceitável de entendimento da mensagem, mesmo evidenciando um velocidade de leitura lenta têm bom potencial de leitura; Esta componente pode ser avaliada por testes específicos: Peabody Picture Vocabulary Test; ; WISC. 25

26 Determinação da Extensão da Inaptidão para Leitura É um julgamento significativo da discrepância entre o nível n de leitura funcional da criança a e o seu potencial ou a sua capacidade de leitura; Durante 5 minutos a criança a lê um texto para a sua idade, no final somam-se se as palavras lidas e divide-se por 5, obtendo quantas palavras leu por minuto. Através s do cálculo c da Idade Cronológica e do tipo de texto lido chegamos a uma ideia de qual o nível n em que o sujeito se situa; Se houver um desfasamento de mais de 2 anos, esse dado alerta para problemas a serem alvo de intervenção. 5 Competências a Desenvolver na Análise de Palavras Reconhecimento de Letras; Consciência Fonológica; Reconhecimento de sílabas; s Uso de pistas contextuais; Palavras que não são familiares. 26

27 Reconhecimento de Letras Consiste na identificação e reconhecimento de letras do alfabeto. Objectivo é ser capaz de aprender a ler, escrever e comunicar através s da representação grafémica mica. Deve-se fazer um levantamento do que o aluno sabe e está em falta, nomeadamente na identificação e escrita das diferentes letras, na soletração do abecedário. Havendo necessidade de consolidar estes conhecimentos os professores devem utilizar estratégias (canções, rimas) e materiais apelativos: livros coloridos, letras de diferentes cores, tamanhos e texturas, escrita em diferentes materiais (ex. areia, quadros interactivos). Consciência Fonológica Capacidade de fazer correspondência grafema- fonema com o objectivo de ler e soletrar palavras. Actividade designada de Caixas Elkonianas onde é utilizada uma estratégia multissensorial, onde depois de ser lida uma história na aula, o professor realiza o seguinte usando palavras da Narrativa: a: Entregue à criança a a imagem de um objecto familiar e simples (um gato, um barco ou um autocarro) que tenha surgido na história; Pronuncie a palavra lentamente para a criança, a, articulando-a a de forma deliberada. A criança a deve observar os lábios l do professor; Peça à criança a que pronuncie a palavra em voz alta e que a diga lentamente. 27

28 Consciência Fonológica Capacidade de fazer correspondência grafema- fonema com o objectivo de ler e soletrar palavras. Actividade designada de Caixas Elkonianas,, onde depois de ser lida uma história na aula, realiza o seguinte: Entregue à criança a a imagem de um objecto familiar e simples (um gato, um barco ou um autocarro) que tenha surgido na história; Pronuncie a palavra lentamente para a criança, a, articulando-a a de forma deliberada. A criança a deve observar os lábios l do professor; Peça à criança a para identificar os sons, letras ou sílabas. Reconhecimento de SílabasS Utilizando o recurso a rimas podemos fomentar e trabalhar este aspecto essencial da análise de palavras. Ao trabalhar com rimas devemos pedir à criança a que identifique as palavras que rimam e se identificam uma certa musicalidade no texto. 28

29 Pistas Contextuais São indicadores que existem numa história e que revelam o significado das palavras. O objectivo das pistas é a identificação e compreensão durante a leitura. Pode-se realizar a seguinte actividade: Selecciona-se um livro para ler à turma, este deve ser apelativo e acessível; Professor lê o livro em voz alta e depois dád aos alunos para ler em leitura silenciosa; Professor transcreve o texto deixando espaços em totalmente em branco, ou sós com a primeira letra acessível; O aluno lê o texto e preenche os espaços em branco com palavras que façam am sentido. Palavras que não são Familiares Estratégias a utilizar para a leitura de palavras pouco familiares: Lê a frase onde se encontra a palavra e usa as pistas do texto, as imagens ou outras palavras da frase para descobrires o significado da palavra que não conheces; Repara nas sílabas s que te são familiares e tenta pronunciá-las; Divide a palavra em sílabas, s usando um dedo. Tenta pronunciar cada sílaba s separadamente e relê a frase com a palavra em causa. Quando se trata de palavras longas, procura dentro delas palavras mais pequenas que te sejam familiares. Por exemplo dentro de inteligente existe a palavra gente. Salta a palavra, continua a ler e tenta descobrir o seu significado com a ajuda do texto; Verifica a importância da palavra para o sentido do texto. 29

30 Consciência Fonológica Apresente um cartão com divisões cujo número n de quadrados seja igual ao número n de sons da palavra. (Ex. na palavra Gato utilizar 4 quadrados um para cada som). Articule a palavra lentamente e coloque uma ficha ou botão e cada um dos quadrados do cartão som a som. Peça à criança a que repita a palavra lentamente, que a pronuncie e coloque cada som num quadrado à medida que cada som é pronunciado. Peça a ao aluno que leia a frase da história onde se encontra a palavra e pratique o mesmo procedimento. Seleccione outra palavra da mesma história, entregando outra imagem ao aluno e repetindo o mesmo procedimento. Determinação do Nível N Funcional de Leitura TIL e Teste DR. Simon 30

31 Determinação de Deficiências Específicas em Habilidade de Leitura Devem ser detectadas tanto na análise de tarefas quanto de testes; O professor verá problemas: Nas habilidades de desmembramento de palavras (sílabas, letras); Análise contextual; Atenção; Compreensão. 31

32 Determinação de Disfunções Neuropsicol Ex. de tarefas: ões Neuropsicológicas Movimento rápido r das mãos virando-as as para cima e para baixo com velocidade crescente; Toque em partes do corpo com os olhos fechados; Caminhar com pép encostado atrás s do outro; Estereognosia,, dizer o que está na mão, com o sujeito de costas; Estudo da lateralidade (mão, olho, pé, p, perna); Preferência de ouvido através s do sussurro e repetição Determinação de Factores Associados Averiguar os principais factores associados que produzem desordens primárias rias de leitura como sejam: Falta de motivação; Desinteresse pela escola; Desincentivo da leitura; Baixas expectativas; Pouco reconhecimento pelo seu esforço; o; Ansiedade. 32

33 Avaliação Psicolinguística stica Esta avaliação baseia-se na elaboração de uma série s de tarefas: Vocalizações; Decisão Lexical; Decisão Semântica; Processamento Visual; 1- Tarefas de Vocalização O sujeito deverá ler em voz alta as palavras apresentadas: - Palavras curtas (3 grafemas)- vez, ter, ser, cor. - Palavras mais longas (até 8 grafemas)- pássaro, gato, corredor. - Misturar palavras de alta frequência (sim, não, talvez) com palavras de baixa frequência (embaixador, inovar, legislar). - Esta categoria deve incluir termos concretos, abstractos, verbos, adjectivos. - Deve-se acrescentar termos inexistentes na nossa língua. l 2- Tarefas de Decisão Lexical Seleccionar um número n idêntico de palavras de alta e baixa frequência assim como pseudopalavras; Estas serão apresentadas visual e auditivamente ao sujeito; Identificar se essas expressões são ou não palavras. 33

34 3- Tarefas de Decisão Semântica Os estímulos que compõem estas tarefas dividem-se igualmente em palavras de alta e baixa frequência; Cada grupo integra diversas categorias (ex. Nomes de Animais, Pessoas e Marcas); A apresentação é visual e auditiva devendo o sujeito decidir a qual categoria semântica pertence cada palavra. 4- Tarefas de Processamento Visual Escolher termos de alta e baixa frequência que são apresentados na forma Horizontal, Vertical e Ziguezague; Proceder à leitura dos termos apresentados nas três posições espaciais. Intervenção Para intervir na dislexia devemos tomar em consideração: As perturbações que a criança apresenta; Conhecer as suas potencialidades, apoiando-nos nos nelas e fomentando-as as ao máximo. 34

35 Intervenção no Processamento Visual 1- Localização de SímbolosS As habilidades necessárias no rastreamento visual que são essenciais para a leitura são: Determinar sequências de histórias ilustradas; Encontrar letras numa sequência simbólica; Seguir frases; Passar os olhos e localizar palavras, frases e parágrafos. 35

36 Intervenção no Processamento Visual 2- Organização Visual As habilidades necessárias na organização visual que são essenciais para a leitura são: Completar letras e palavras incompletas; Emparelhar letras em maiúsculas e minúsculas; Apagar letras ou símbolos; s Relacionar símbolos s de palavras com outros símbolos s de palavras semelhantes. Estas actividades devem preferencialmente ser realizadas com material com significado e que façam am apelo a capacidade Multissensoriais. 36

37 Intervenção no Processamento Visual 3- Memória Visual A retenção de símbolos s visuais aprendidos tais como letras, palavras e sinais de pontuação é um aspecto importante no processo de leitura. Quatro habilidades no desenvolvimento da memória visual: - Lembrar sequências de estórias ilustradas; - Lembrar o desenho e padrões de palavras sem sentido; - Lembrar sequências de dígitos d e letras; - Lembrar sílabas, s palavras e frases. 37

38 Intervenção no Processamento Auditivo Abordaremos aqui 4 componentes fundamentais desta dimensão: Recepção Auditiva; Descodificação Auditiva; Memória Auditiva; Síntese auditivo-vocal vocal. Recepção Auditiva Basicamente compreende a capacidade de receber estímulos auditivos; Num nível n mais acessível compreende exercícios cios de reconhecimento de palavras que rimam; 38

39 Descodificação Auditiva A descodificação auditiva pode ser definida como discriminação de sons finos e sua associação de modo a que façam am sentido; Sequência possível de treino nesta área: Repetição de frases curtas de forma exacta; Ouvir e obedecer a ordens; Marchar e dançar ar ao ritmo; Seguir sequência de instruções; Misturar sons. 39

40 Memória Auditiva A capacidade para reter e organizar sons é essencial na leitura; A padronização e organização sequencial de sons é uma habilidade difícil de ser adquirida por crianças as disléxicas; A memória de trabalho (curto prazo) tende se mostrar mais deficitária, palavras aprendidas recentemente podem não ser evocadas pelo sujeito com facilidade. 40

41 Síntese Auditivo- Vocal É a capacidade mais complexa de ser aprendida por uma criança disléxica; É justamente a habilidade mais importante no processo de leitura; Compreende a integração de símbolos s visuais de letras (grafemas) com os seus correspondentes sons (fonemas) numa sequência vocal com significado. Alguns tipos de exercícios: cios: Predizer e formular palavras quando faltam sílabas; s Identificar número n de sílabas s em palavras de comprimentos diferentes; 41

42 Métodos Multisensoriais de Leitura 4 Grandes Categorias - Associação Simultânea; - Impressão Psiconeurológica gica; - Impressão Quinestética tica; - Impressão Perceptivo- Motora. 42

43 Associação Simultânea O método m correctivo compreende uma sequência de actividades que fazem apelo a uma série s de estímulos, visuais, tácteis t e auditivos desenvolve-se da seguinte forma: Associação Simultânea Mostra-se se ao aluno a letra impressa e ele repete o seu nome após s o professor; O professor diz o som da letra e o aluno repete; O estudante observa o professor escrever a letra e em seguida decalca o modelo; O estudante copia o modelo do professor; O estudante escreve a letra ou palavra de memória; O estudante escreve o símbolo s no ar com os olhos fechados; O estudante escreve o símbolo s em tamanho natural em papel comum; O professor diz o nome da letra e o estudante responde com o som da letra. 43

44 Método de Impressão Psiconeurológica O procedimento é de 15 minutos diários de instrução especial e contempla: Escolha um livro de leitura de aproximadamente um ano abaixo do seu nível n actual; O instrutor senta-se ao lado do aluno e começa a a ler em voz alta frases, sublinhando cada palavra com um dedo à medida que esta é pronunciada; De seguida o instrutor relê o material à medida que o aluno segue com o dedo o que está a ser lido; Palavras, frases, parágrafos são então repetidos até que seja possível estabelecer um padrão normal e fluido de leitura. Método de Impressão Psiconeurológica Este método m enfatiza sobretudo a fluidez e padronização da leitura, nenhuma tentativa é feita para ensinar sons de letras ou palavras nem para corrigir o aluno; À medida que o aluno começa a a desenvolver confiança, a, outros materiais de leitura são colocados à disposição, num nível n crescente de complexidade mas preferencialmente abordando matérias do quotidiano (jornais) ou que despertem interesse no aluno; Esta abordagem é sobretudo uma ajuda para crianças as com inaptidão para a leitura; 44

45 Métodos Quinestéticos ticos Algumas crianças as aprendem melhor quando tocam, sentem e experimentam quinestéticamente ticamente os sons ou as palavras; Estudos demonstram que se for possível às s crianças as disléxicas traçar ar letras, mover os lábios l ou envolverem-se em respostas motoras utilizando os dois lados do corpo, isto facilita as aprendizagens; Métodos Quinestéticos ticos Através s destes métodos m crianças as com inaptidão para a leitura foram capazes de conseguir ganhos altamente significativos. Numa folha de papel escreve-se se a palavra a ser aprendida com letras de 5 cm; O instrutor diz a palavra ao aluno e pronuncia cada sílaba; s O estudante traça a com o dedo a palavra, vocalizando-a a ao mesmo tempo; O estudante copia a palavra e pronuncia-a; a; O estudante escreve a palavra de memória e pronuncia-a. a. 45

46 Métodos Quinestéticos ticos Não é permitido apagar pois o método m baseia-se na aprendizagem das palavras como um todo; Posteriormente a criança a monta um arquivo de palavras e cria histórias. Podemos realizar adaptações com caixas de areia onde a criança desenha palavras; Dactilografar palavras de modo a que o aluno se centre na identificação das letras e da palavra; Métodos Perceptivo- Motores Um programa perceptivo-motor inclui: Letras em papel lixa; Quadros magnéticos; Cartões coloridos de letras; Listas de palavras básicas; b Leitura de materiais de interesse do sujeito; Escrita de estórias rias. 46

47 Técnicas Multissensoriais Converse com a criança a sobre os seus interesses e experiências, faça a uma lista de palavras que elas gostariam de aprender; Escreva cada palavra numa grande folha de papel 20 por 30 cm; Mostre a palavra escrita para a criança a e pronuncie-a a enquanto a traça a com o dedo; Peça à criança a para a pronunciar a palavra enquanto a desenha; Peça à criança a para utilizar a palavra em frases curtas eu gosto de jogar futebol ; Técnicas Multissensoriais Faça a com que a criança a represente a palavra com movimentos do seu corpo; Faça a com que a criança a desenhe a palavra com lápis l de cor; Peça à criança a para no verso de um cartão onde desenhou a palavra, cole uma imagem relacionada com a palavra; Peça à criança a para contar uma breve estória acerca da palavra; Ajude a criança a a arquivar o cartão num ficheiro por ordem alfabética; Peça à criança a para escrever a palavra de memória 3 vezes; Durante a escrita peça-lhe para ela dividir em sílabas s a palavra; 47

48 Técnicas Multissensoriais Faça a com que a criança a escolha uma das seguintes formas multissensoriais de escrever palavras, quadro negro, pintura a dedo, bandeja de areia, lápis l de cor e após s isso ela deve: Dizer a palavra e escrevê-la: futebol; Dizer as sílabas s e escrever a palavra: fu-te te-bol; Dizer o nome das letras e escrever a palavra: f-u-t-e-b-o-l; Voltar a dizer e a escrever a palavra. Após s terem alguns cartões ilustrados peça à criança a para que os combine e conte uma estória ria,, que pode ser escrita por outra pessoa; Forneça à criança a letras em cartão, madeira para auxiliar as tarefas de construção de palavras; Esquema Aprendizagem Secundário (mapas visuais) 48

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Dificuldades de aprendizagem

Dificuldades de aprendizagem Dificuldades de aprendizagem Dificuldades versus distúrbios Dificuldades escolares ou de aprendizagem Origem externa: no ambiente e no outro. Distúrbios/transtornos Origem interna: disfunção do Sistema

Leia mais

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito Dislexia O que é? A dislexia é um distúrbio na leitura afetando a escrita, normalmente detectado a partir da alfabetização, período em que a criança inicia o processo de leitura de textos. Seu problema

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

Transtornos de Aprendizagem

Transtornos de Aprendizagem Transtornos de Aprendizagem Web conferencista: Fga Maristella Abdala O ato de aprender ocorre no SNC - Complexa rede de funções: sensitivo-sensorial, motora-práxica, afetiva, cognitiva e coordenação -

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender?

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Quando nos envolvemos na realização de diferentes tarefas, é importante avaliar os procedimentos e os meios de aprendizagem que adoptamos s face a essas tarefas:

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio / Conteúdos

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos antos Critérios de Avaliação 4. º Ano Língua Portuguesa 2011/12 Capacidade de compreensão Interpreta Responde Reconta Questiona Revela dificuldades na interpretação.

Leia mais

Instrumento de Intervenção

Instrumento de Intervenção UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ANEXO Instrumento de Intervenção Ana Isabel Mendes Codeço 2010 Planeamento da Sessão nº. 1 Data: 04/03/2010 Objectivo Geral: Desenvolver a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Dificuldade de Aprendizagem: a psicomotricidade em foco Ms. Leandra Vaz Fernandes C. Ferraz Dificuldade de Aprendizagem Para Correia (s.d), Cruz (1999a) e Fonseca (2004) a característica mais genérica

Leia mais

Dislexia Atenção aos Sinais

Dislexia Atenção aos Sinais Dislexia Atenção aos Sinais Aurea M. Stavale Gonçalves Psicopedagoga clínica e neuropsicóloga Credenciada pelo Centro de Avaliação e Encaminhamento da Associação Brasileira de Dislexia ABD O percurso até

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

DISLEXIA. Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10

DISLEXIA. Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10 DISLEXIA Por: Ainzara Rossi Salles Fonoaudióloga 08/04/10 A Dislexia é uma palavra utilizada para definir um tipo de distúrbio de leitura e escrita que ocorre em crianças consideradas normais. Os disléxicos

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O DOM DA DISLEXIA Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O QUE É REALMENTE A DISLEXIA Um talento latente Transtorno de aprendizagem Efeitos de desorientação Problemas com a leitura Problemas com a

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras

Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras Desenvolvimento cognitivo e motor na infância: necessidades de jogos e brincadeiras XVIII Semana de Estudos Pedagógicos, FAFICA Prof. Marcelo Velloso Heeren Catanduva, 2012 Sistema Nervoso Neurônio Neurônio

Leia mais

Escola de Educação Básica São Judas Tadeu. APAE Jaguariaíva/PR Modalidade de Educação Especial. Professora: Héber Fabiana Vieira de Souza Mello.

Escola de Educação Básica São Judas Tadeu. APAE Jaguariaíva/PR Modalidade de Educação Especial. Professora: Héber Fabiana Vieira de Souza Mello. Escola de Educação Básica São Judas Tadeu. APAE Jaguariaíva/PR Modalidade de Educação Especial. Professora: Héber Fabiana Vieira de Souza Mello. Relatório de Prática Pedagógica Ensino Fundamental Fase

Leia mais

Atividade Motora Adaptada

Atividade Motora Adaptada Distúrbio de aprendizagem (DA) Atividade Motora Adaptada DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Discrepância entre o potencial e o aproveitamento escolar, que não se deve a retardo mental, distúrbio emocional nem

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José

Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José Apresentadoras: Ana Paula Corrêa Julia Tognozzi Orientação: Profa. Dra. Mariza R. Feniman Co-orientação: Maria Renata José "Você já pensou o porquê das crianças irem mal na escola, mesmo sendo inteligentes

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas

Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas Estratégias na alfabetização de crianças disléxicas Elisa Prado 1 e Olavo Egídio Alioto 2 1 Professor do curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Método de São Paulo. 2 Aluna do quarto semestre

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto

PSICOMOTRICIDADE. Professora Tatiana Comiotto PSICOMOTRICIDADE Professora Tatiana Comiotto Significado PSICO: Intelectual, cognitivo emocional, afetivo, mental e neurológico. MOTRICIDADE: Movimento, ato, ação, gesto. PSICOMOTRICIDADE é a realização

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir Lisboa 2012 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir O conceito de Dificuldades de Aprendizagem tem sofrido nos últimos anos grandes

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia

CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia CRDA - Centro de Referência em Distúrbios de Aprendizagem Módulo: Distúrbios de Aprendizagem Tema: Dislexia WORLD SOCIETY OF NEUROLOGY Professor Jobair Ubiratan Distúrbio caracterizado por dificuldade

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

1) O que é a consciência fonológica?

1) O que é a consciência fonológica? 1) O que é a consciência fonológica? É a consciência de que a linguagem oral (frases, palavras ) é composta por sequências de sons com significado. Ter consciência fonológica proporciona a capacidade de

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Junho de 2010 Dificuldades de Aprendizagem (CORREIA;MARTINS, 2010, p.06) Desordens neurológicas que interferem na recepção, integração ou expressão de informação,

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial DISLEXIA

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial DISLEXIA Sub-departamento de Educação Especial DISLEXIA A Dislexia é uma dificuldade específica de aprendizagem. É descrita como uma disfunção neurológica (parietal-temporal ou parietal-occipital) que requer uma

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores;

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores; Leitura na diagonal É um tipo de leitura rápida, em que o objectivo é procurar uma informação específica ou identificar as ideias principais de um texto, que te vai permitir organizar melhor o teu estudo.

Leia mais

INTERVENÇÃO NA DISLEXIA

INTERVENÇÃO NA DISLEXIA INTERVENÇÃO NA DISLEXIA OFICINA DE FORMAÇÃO Formar Crianças Leitoras Ana Rita Peres DINÂMICA DE GRUPO Individualmente cada formando desenha num papel 3 caraterísticas da sua personalidade Um colega pega

Leia mais

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos As atividades exemplificativas foram elaboradas para mostrar alguns tipos de atividades que podem ser feitas usando os ambientes do Comunicar com Símbolos.

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental O Uso do Computador por Pessoas com Deficiência Sensorial (Surdez Congênita), Distúrbios Motores (Paralisia Cerebral, Esclerose Múltipla e Lateral Amiotrófica, Tetraplegia), e Distúrbios de Processamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) Dispões sobre o reconhecimento e definição da dislexia e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Artigo 1º - Esta lei reconhece a dislexia

Leia mais

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz Coordenação Motora Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz É compreendida como resultado da relação entre o indivíduo que realiza o movimento, o ambiente e a tarefa realizada por este,

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA*

PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA* PARA UM DIAGNÓSTICO INFORMAL DA DISLEXIA* Vicente Martins Professor de Linguística e Educação Especial UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA), de Sobral, Estado do Ceará. vicente.martins@uol.com.br

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

ENTREVISTA Alfabetização na inclusão

ENTREVISTA Alfabetização na inclusão ENTREVISTA Alfabetização na inclusão Entrevistadora:Amarílis Hernandes Santos Formação: Aluna da graduação de Pedagogia USP Formada em Ciências Biológicas Mackenzie Contato: amarilishernandes@yahoo.com.br

Leia mais

Programa para promover as competências numéricas

Programa para promover as competências numéricas Programa para promover as competências numéricas Luísa Cotrim, Teresa Condeço ACTIVIDADES PARA PROMOVER A LINGUAGEM E O AMBIENTE MATEMÁTICO EM IDADE PRECOCE A experiência do numérico nas actividades quotidianas

Leia mais

I can do everything! Start! Actividades para Inglês - 1.º Ciclo. Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska

I can do everything! Start! Actividades para Inglês - 1.º Ciclo. Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska B The Can Game! I can do everything! 22 21 20 16 17 18 19 15 14 13 12 8 9 10 11 7 6 5 4 Start! 1 2 3 Actividades para Inglês - 1.º Ciclo Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska

Leia mais

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Janeiro de 2013 Este documento tem como objectivo ajudar as pessoas mais próximas do GB a complementar o trabalho executado ao longo das sessões de Reabilitação

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Área Enriquecimento Curricular INFORMÁTICA

Área Enriquecimento Curricular INFORMÁTICA Área Enriquecimento Curricular INFORMÁTICA A escolha das actividades aqui sugeridas foi feita ten em consideração o material disponibiliza pela Espalha Ideias para cada grupo turma. Contu, poderão existir

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 4.º ANO Ano Letivo 2014/2015 Aulas Previstas/Ano de Escolaridade Plano de Estudo e de Desenvolvimento

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

Deficiência e Agressividade

Deficiência e Agressividade Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 2º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/ RECURSOS ORALIDADE

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Questão 21 ANULADA PADRÃO DE CORREÇÃO LINGUA PORTUGUESA

Questão 21 ANULADA PADRÃO DE CORREÇÃO LINGUA PORTUGUESA Questão 21 ANULADA PADRÃO DE CORREÇÃO LINGUA PORTUGUESA QUESTÃO 01 HABILIDADE: Escrever texto, com correspondência sonora; Escrever texto, a partir do tema proposto. 1. Escreve textos, sem erros ortográficos,

Leia mais

AVALIAÇÃO. Introdução à Neuropsicologia. Introdução à Neuropsicologia LINGUAGEM: AVALIAÇÃO 25/3/2015 AULA 2

AVALIAÇÃO. Introdução à Neuropsicologia. Introdução à Neuropsicologia LINGUAGEM: AVALIAÇÃO 25/3/2015 AULA 2 AULA 2 LINGUAGEM: AVALIAÇÃO Professor Ms. Gleidis Roberta Guerra - Fonoaudióloga, Pedagoga e Psicopedagoga - Especialista em Distúrbios do Desenvolvimento - Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana pela

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

1 o Período Educação Infantil

1 o Período Educação Infantil 1 o Período Educação Infantil Eixo temático: O tema Imaginação visa a estimular as distintas áreas de desenvolvimento integral das crianças, bem como favorecer o crescimento de suas habilidades e competências.

Leia mais

ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita RESUMO

ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita RESUMO ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita Mara E. Pacheco Magalhães Solange Araújo Dias Lopes Terezinha de Jesus Verli de Matos Aglae Castro da Silva Schlorke RESUMO Ler e escrever, portanto, são conhecimentos que

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais