Fabrício Saldanha de Aquino Luciana Macatrão Nogueira Tiago Moreira de Olinda RESUMO ABSTRACT. Revista Expressão Católica 2012 jan-jun; 01(1)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fabrício Saldanha de Aquino Luciana Macatrão Nogueira Tiago Moreira de Olinda RESUMO ABSTRACT. Revista Expressão Católica 2012 jan-jun; 01(1)"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR PACIENTES AMBULATORIAIS DO SETOR DE TRAUMATOLOGIA NO HOSPITAL MUNICIPAL DE QUIXADÁ (CE), DESPROVIDOS DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Fabrício Saldanha de Aquino Luciana Macatrão Nogueira Tiago Moreira de Olinda RESUMO A atenção farmacêutica surgiu da necessidade de orientação da população após o advento da indústria farmacêutica no último século. O presente estudo objetiva avaliar o uso de medicamentos prescritos em um setor de traumatologia a pacientes ambulatoriais desprovidos de atenção farmacêutica no setor de traumatologia do Hospital Dr. Eudásio Barroso, do município de Quixadá - Ceará. Para isto, foi aplicado um questionário baseado em duas abordagens a tais pacientes, uma logo após a consulta médica e outra no final do tratamento medicamentoso, para que pudéssemos estabelecer o perfil dos mesmos e os aspectos relacionados à terapia medicamentosa. Assim, verificamos que grande parte dos usuários do serviço de traumatologia ligado ao SUS é composta de adultos jovens (26,5%), fato associado às atividades desenvolvidas por este grupo. Verificamos ainda que muitos carecem de orientação profissional com relação ao uso de medicamentos (85%), uma vez que grande parte de nossa amostra demonstrou estar propensa a interações medicamentosas (70%), reações adversas e outros problemas relacionados a medicamentos (PRM s), já que grande parte é constituída de adeptos da polifarmácia e da automedicação. Neste trabalho, ainda foram analisados outras informações tais como número de medicamentos na prescrição, via de aquisição, adesão ao tratamento e fatores socioeconômicos. Concluímos que a atenção farmacêutica é essencial para o desenvolvimento de uma terapia medicamentosa efetiva e segura, contudo, políticas de saúde mais eficazes devem ser implementadas. Palavras-chave: Medicamentos; PRM; Atenção farmacêutica. ABSTRACT The pharmaceutical care came out from the necessity of guidance of the population after the rising of the pharmaceutical industry in the last century. The object of this study was to evaluate the prescriptions of drugs to patients that for whom were not offered pharmaceutical care in the field of traumatology at the hospital Dr. Barroso Eudásio at the city of Quixadá- Ceará. To reach so, a questionnaire was used as a tool in two different stages of clinical treatment: first the questionnaire was applied just after the medical examination, and the second just after the end of the medical treatment. These proceeds intended to establish the profile of the patients and evaluate other aspects of the therapy. It could be verified that the major part of the patients assisted at the traumatology service attached to the SUS was composed of young adults (26,5%), fact associated to their daily activities. It was also noted that many patients feel a lack of professional guidance in what concern the use of drugs (85%). A great part of the sample analyzed showed a tendency to pharmacological interactions (70%), side effects and other problems associated to the use of drugs once the majority of the patients normally use many medicines at the same time and also related the practice of self-medication. In this study were analyzed information such as quantity of prescribed drugs, acquisition pathways and socioeconomics features. As a conclusion we stressed the importance of pharmaceutical attention at the development of a safe drug therapy. To accomplish that effective healthy politics need to be carried out. Keywords: Drugs; PRD; Pharmaceutical Care.

2 1 INTRODUÇÃO Desde os tempos mais remotos, o ser humano tem se deparado com os mais variados tipos de problemas ligados a fatores sociais, psicológicos ou naturais. Dentre esses males, podemos destacar a reação do organismo frente a agressões e outras situações capazes de provocar debilidades, com a manifestação de sinais e sintomas, tal como a dor. Assim, a utilização de medicamentos é um processo social controlado por inúmeras forças, sendo o desejo de um melhor cuidado com a saúde apenas uma delas (VANCE; MILLINGTON, 1986). Neste sentido, ao longo dos tempos, o homem vem buscando meios e instrumentos das mais variadas origens (animal, vegetal, mineral ou místico-religiosa), para por fim a tais males, como nos indicam muitos dos antigos registros históricos da China, antigo Egito, Suméria e Grécia (SCHOSTACK, 2004). Na atualidade, os medicamentos representam grande importância nos sistemas de saúde de todo o mundo, seja prevenindo, protegendo, preservando ou recuperando a saúde. No entanto, inúmeros fatores, tais como os altos custos e a elevada incidência de morbimortalidade associada ao uso de substâncias representam um dos grandes desafios à saúde pública. Neste sentido, a Organização Mundial de Saúde recomenda a adoção de uma política nacional de medicamentos composta de diretrizes, entre as quais se destaca o papel da informação como meio essencial à prescrição e ao uso racional de medicamentos. Desde a década de 1940, com o advento da indústria farmacêutica e a introdução em larga escala e, de modo contínuo, de novos medicamentos, houve uma explosão de informações acompanhando o surgimento dos mesmos. Porém, nem sempre essas informações eram imparciais e de boa qualidade para orientar o consumo dos mesmos (VIDOTTI et al., 2003). Eraker (1984) afirma que a não adesão ao tratamento medicamentoso pode ser uma das razões pelas quais medicamentos reconhecidamente eficazes sob condições controladas resultam ineficazes quando utilizados na prática clínica habitual. Estudos realizados em diversos países indicam que 50% a 60% dos pacientes que recebem uma prescrição não cumprem o tratamento estabelecido pelo médico e muitos o interrompem quando se sentem melhores. É neste sentido que se percebe o importante papel da orientação no que diz respeito a obedecer à terapia prescrita, orientação esta muitas vezes ligada apenas a uma melhor conscientização da importância de se seguir corretamente a prescrição. Apesar da informação acerca dos medicamentos constituir condição básica para a adesão ao tratamento, não se tem prestado atenção suficiente ao seu fornecimento nas diversas situações de atendimento ao paciente, incluindo a consulta médica e a dispensação do medicamento em farmácias (SILVA et al., 2000). Assim, percebe-se que a falta de informação a respeito da doença e do tratamento, ou a não compreensão das informações recebidas dos profissionais de saúde, podem ser determinantes para a não adesão involuntária do paciente ao tratamento, conforme afirma Roizblatt et al. (1984). É neste contexto que se insere a atuação do profissional farmacêutico como orientador do uso de medicamentos, através do mais novo caminho para tal finalidade: a atenção farmacêutica. Em tal processo, o farmacêutico analisa as reais necessidades apresentadas pelo paciente relacionadas à terapia medicamentosa, detectando os problemas relacionados a medicamentos (PRM s). Para tanto, de acordo com Furtado (2001), o farmacêutico atende diretamente, avalia e orienta em relação à farmacoterapia prescrita pelo médico. Assim, observa-se que a atenção farmacêutica está baseada no tripé médico, farmacêutico e paciente (OLIVEIRA et al., 2002). Tais atitudes têm por objetivos básicos promover, sobremaneira, saúde, segurança e eficácia (PERETTA; CICCIA, 2000). Porém, há ainda muitos obstáculos a serem superados para o estabelecimento deste programa, tais como o despreparo do profissional farmacêutico na área clínica, o sistema de comissionamento nas farmácias comunitárias e a delegação de atividades burocráticas e gerenciais ao farmacêutico, acabando por distanciá-lo do paciente carente de orientação (OLIVEIRA et al., 2005). Logo, percebe-se que a atenção farmacêutica é essencial ao tratamento medicamentoso, mas, na realidade, ainda está longe de ser implementada de forma a demonstrar sua importância para a sociedade, tal como afirma Oliveira (2005) em uma pesquisa realizada no município de Curitiba, onde 92,1% dos farmacêuticos entrevistados assumiram não possuir nenhuma atividade relacionada ao tema. Baseados nos dados apontados e na realidade visualizada dentro das farmácias comunitárias, a situação não representa um caso isolado podendo-se esperar dados mais alarmantes em regiões desprovidas de qualidade nos serviços de saúde como o interior cearense, alvo de desenvolvimento do presente estudo. É neste contexto que o presente trabalho busca investigar os efeitos do uso de medicamentos entre pacientes ambulatoriais do setor de traumatologia de um hospital, uma vez que se admite ter o trauma atingido o primeiro lugar como etiologia de morbimortalidade na população de 0 a 39 anos de idade, sendo os custos decorrentes do mesmo superior a 400 bilhões de dólares. Vale ressaltar também alguns fatores como salários não recebidos, gastos com assistência médica, custos administrativos, destruição de propriedades, perdas por incêndio, encargos trabalhistas e perdas indiretas por acidentas de trabalho, compreendendo um grave problema de saúde pública, que necessita de medidas intervencionistas de caráter imediato (BRAGA-

3 JÚNIOR et al., 2005). Pode se considerar a orientação e o acompanhamento quanto ao uso de medicamentos, através da atenção farmacêutica, um dos instrumentos utilizados para diminuir custos relacionados à assistência médica, no que concerne às diversas modalidades de problemas relacionados a medicamentos (PRM s). Além disso, os estudos que correlacionam o uso de medicamentos entre pacientes vítimas de trauma músculo-esquelético são ainda bastante escassos. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo avaliar os efeitos decorrentes do uso de medicamentos prescritos por médicos em um município do Ceará desprovido dos serviços de atenção farmacêutica a pacientes ambulatoriais atendidos no setor de traumatologia do Hospital Dr. Eudásio Barroso de Quixadá (CE). 2 MATERIAL E MÉTODOS O presente trabalho baseou-se na coleta de dados, a partir do acesso à prescrição de medicamentos de pacientes ambulatoriais do setor de traumatologia do hospital municipal de Quixadá, município localizado no Sertão Central do Ceará, com prévio encaminhamento médico de outras unidades de saúde, e após os mesmos terem preenchido o termo de consentimento. Para tanto, foi solicitada a autorização por parte da direção do hospital e do médico plantonista. Os pacientes foram convidados a participar voluntariamente da pesquisa, mediante assinatura de termo de consentimento livre e esclarecido, elaborado segundo as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos do Conselho Nacional de Saúde (BRASIL, 1996). Os dados foram coletados em um questionário elaborado com base nos objetivos do presente trabalho e dividido em duas partes, constituído de perguntas diretas e subjetivas, relativas ao perfil dos pacientes e à farmacoterapia prescrita, fornecendo aos pacientes orientações relativas às questões abordadas. No total, foram 110 questionários. A primeira parte do questionário (abordagem hospitalar) era preenchida logo após a saída do paciente do consultório médico, apenas para os pacientes que traziam consigo uma ou mais prescrições, quando então eram colhidos os nomes e a posologia dos medicamentos prescritos e alguns dados pessoais relevantes frente ao projeto e que facilitariam o contato com o mesmo para o preenchimento da segunda parte do questionário (abordagem domiciliar), no final ou após o término do tratamento, com o objetivo de detectar relatos de reações adversas, interações medicamentosas, via de aquisição do medicamento e outros PRM s, bem como verificar se o usuário recebeu ou sentiu carência de alguma orientação profissional (tal como médico, farmacêutico ou outro profissional de saúde) relativo ao tratamento. Durante a abordagem domiciliar, foram fornecidas informações na tentativa de resolver possíveis dúvidas quanto ao tratamento apresentadas pelos participantes do presente trabalho. Vale ressaltar que, em virtude do hospital onde se realizou a primeira parte do trabalho atender toda a população municipal e distrital, inclusive a população de alguns dos municípios vizinhos, foi feita uma prévia seleção no intuito de que todos os participantes do estudo fossem residentes na própria cidade, a fim de facilitar o contato com os mesmos de modo pessoal em suas residências. Assim, todo o estudo foi desenvolvido no período de 03/02/2007 a 05/05/2007, sendo a primeira parte do questionário (abordagem hospitalar) realizada às quartas-feiras e aos sábados das 08 às 12 horas da manhã. A abordagem domiciliar, como já exposto, foi realizada no final ou término do tratamento. Todos os pacientes que participaram do estudo preencheram um termo de consentimento livre e esclarecido e todos os protocolos da pesquisa seguiram as diretrizes preconizadas na Resolução nº 196/96, do Conselho Nacional de Saúde, que aborda o tema de pesquisa com seres humanos. O projeto foi aprovado previamente pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade Católica Rainha do Sertão. 3 RESULTADOS Com relação aos dados que definem o perfil dos pacientes, verificamos que 10% dos participantes tinham entre 0-10 e anos cada, 6,5% tinham de anos, 26,5% entre anos, 20% estavam na faixa dos e anos cada. Entre anos eram 3,5%, valor este igual para os que tinham acima de 70 anos. Foi avaliado o grau de escolaridade dos pacientes e podemos constatar que 33,5% possuíam o ensino médio completo. Outros 33,5% não terminaram o fundamental; 26,5% possuíam o fundamental completo e 6,5% eram analfabetos. Verificamos que, de todos os participantes, 50% eram casados, 40% solteiros e 10% viúvas. De acordo com a Tabela 1, foi visto que 53,5% estavam empregados, sendo metade deste total constituída de trabalhadores informais. Os desempregados totalizaram 10%. Os aposentados eram 16,5%, enquanto 20% eram estudantes.

4 Tabela 1 - Distribuição dos pacientes (%) quanto à ocupação (n = 110) A grande maioria da amostra analisada foi representada por indivíduos do sexo feminino, 63,5%, enquanto 36,5% eram do sexo masculino. Em relação à prescrição, verificamos que a 63,5% dos pacientes foi prescrito um único medicamento e aos demais, no total de 36,5%, foi prescrito dois medicamentos (Figura 1). Do total de 110 prescrições analisadas, verificamos a prescrição de apenas 17 tipos diferentes de medicamentos, de acordo com o princípio ativo de cada formulação. Figura 1 - Prescrição Na abordagem domiciliar, obtivemos os seguintes resultados: 10% não haviam ainda começado o tratamento, sendo que, deste total, 66,5% achavam o tratamento desnecessário e 33,5 % não iniciaram o tratamento por motivos econômicos (Tabela 2). Tabela 2. Distribuição da frequência (%) das condutas adotadas pelos pacientes no início do tratamento medicamentoso prescrito (n = 110). Não iniciou o tratamento Iniciou o tratamento 10 % 90 % Achou desnecessário Motivos econômicos 66,5 % 33,5 % Com relação à via de aquisição, observamos que 7,5% adquiriram a medicação via SUS; 81,5% na farmácia comunitária e 11% por outros meios, tais como familiares e vizinhos que tinham o mesmo medicamento prescrito em sua casa, como pode ser observado na Figura 3. Figura 3 - Distribuição (%) da forma de aquisição aos medicamentos (n = 110). A Figura 2 mostra que 70,5% dos medicamentos foram prescritos utilizando o nome comercial e 29,5% pelo nome genérico. Figura 2 - Gráfico da frequência (%) em que as prescrições foram representadas (n = 110) A Tabela 3 demonstra que 23,5% assumiram não ter seguido o tratamento conforme a prescrição, sendo os principais motivos o esquecimento do horário de administração, representando 71,5% do total, seguidos de por perca do medicamento (10%) e por achar desnecessário (19,5%). Tabela 3. Distribuição quanto ao cumprimento da terapia conforme prescrição ou orientação médica pelos pacientes (n = 110).

5 Quanto ao surgimento de reações adversas, verificamos que 41% dos pacientes relataram o surgimento de uma ou mais reações, tais como sialorréia, náuseas, azia, tonturas, disritmias e diarréia (Figura 4). Outros 30% faziam uso concomitante com outros medicamentos em especial antiinflamatórios e antihipertensivos (Figura 5). Uma parcela de 18,5% dos participantes do presente trabalho relatou ter compartilhado o medicamento prescrito com outras pessoas (Figura 6). Figura 6 - Gráfico da frequência (%) quanto ao compartilhamento ou não do(s) medicamento(s) prescrito(s). (n = 110) Figura 4 - Gráfico da frequência (%) quanto ao relato de reação adversa (n= 110) Figura 5 - Gráfico da representação (%) do uso concomitante com outros medicamentos (n = 110) Com relação ao fornecimento de orientações relativa ao tratamento, 77% dos pacientes relataram ter recebido alguma informação, todas por parte de balconistas, sendo desconsiderados, visto que estes não podem ser considerados profissionais legalmente habilitados para tal finalidade de modo isolado. Todos os participantes afirmaram não ter recebido nenhuma orientação profissional além da fornecida pelo médico prescritor no ato da consulta. A grande maioria dos participantes, quando conscientizados de como seria a verdadeira orientação profissional, relataram ter sentido necessidade da mesma, totalizando 85% (Figura 7). Figura 7 - Gráfico da frequência (%) quanto ao sentimento de necessidade pelos pacientes, do atendimento profissional (n = 110) Tabela 4 - Lista de medicamentos prescritos Classe terapêutica Medicamento Antiinflamatórios/ Ibuprofeno, diclofenaco de analgésicos/ sódio, diclofenaco de imunossupressor potássio, nimesulida, paracetamol, dipirona, dexametasona, aceclofenaco, ácido acetilsalicílico, piroxicam Antibióticos Cefalexina, amoxicilina, ciprofloxacino Gastroprotetor/ Omeprazol antiulceroso 4 DISCUSSÃO Conforme se pôde observar, a maioria dos pacientes atendidos e que receberam pelo menos uma

6 prescrição contendo de um a dois medicamentos, eram adultos jovens, principalmente na faixa dos 31 aos 40 anos de idade, fato este também visualizado por Bertoldi (2005), ao analisar a prevalência e os determinantes individuais ligados a utilização de medicamentos em adultos. Porém, esse achado está em desacordo com o obtido por Braga-Júnior (2005), ao realizar estudo em uma emergência traumatológica de um dos principais hospitais de Fortaleza, onde a maioria dos pacientes atendidos, vítimas de trauma músculo-esquelético, eram adolescentes e jovens na faixa de 12 a 22 anos. No entanto, tal desacordo pode ser justificado pelo fato do presente estudo ter sido desenvolvido no setor de traumatologia de um hospital que realiza atenção à saúde em nível secundário, destinando os casos mais graves a um hospital de nível terciário. Dessa forma, o hospital restringiu-se a atender casos mais básicos de trauma músculo-esquelético, que são mais comuns em adultos jovens, visto as atividades desenvolvidas por essa parcela da população a predispõe a riscos mais elevados de trauma. Analisando o grau de escolaridade, verificamos que uma parcela expressiva de nossa amostra não concluiu o ensino fundamental, situação semelhante à encontrada por Bertoldi (2005), em que 66,6% dos indivíduos participantes de seu estudo possuíam apenas de um a quatro anos de estudo. Silva et al (2000), ao avaliarem o nível de informação a respeito de medicamentos prescritos, também evidenciaram um predomínio de pacientes com o primeiro grau incompleto. O seguinte fato, no entanto, já era de se esperar em nossa pesquisa, uma vez que o trabalho foi desenvolvido em um hospital público de uma das cidades do interior cearense composta por uma população vítima há décadas da exclusão e das desigualdades sociais. O exposto é bastante relevante em nosso estudo, uma vez que baixos níveis de escolaridade podem comprometer o sucesso do tratamento farmacoterápico. Assim, propomos a identificação destes pacientes e posterior desenvolvimento de ações educativas voltadas a tais grupos de pacientes, relacionadas à sua farmacoterapia. Metade dos participantes era casada, fato este também observado de modo semelhante por Bertoldi (2005), podendo ser correlacionado ao primeiro dado, no qual se observa a prevalência de adultos jovens. Observamos ainda que a maior parte dos pacientes do estudo eram trabalhadores, sendo metade constituída por trabalhadores que viviam na informalidade. Podemos correlacionar tal achado com os possíveis motivos para a consulta traumatológica. Muitas empresas na atualidade financiam consultas e outras ações de saúde para seus funcionários como forma de estímulo à produção e obtenção de bons resultados. Neste mesmo contexto, insere-se o grupo de desempregados desprovidos de recursos financeiros para uma consulta particular, sendo dessa forma o setor público a única forma de acesso a consultas. Com relação ao sexo, a grande maioria dos participantes eram mulheres, totalizando 63,5%. Tal achado é semelhante ao de Sans (2002), em que as mulheres apresentaram uma prevalência de 76,2%. Levando-se em consideração que as mulheres demonstram maiores cuidados com a saúde em relação aos homens, tal dado apenas justifica o exposto. No entanto, Braga-Júnior et al. (2005) identificaram um predomínio de 60,7% de homens entre os que foram atendidos na unidade de traumatologia do hospital onde se deu sua pesquisa, sendo justificado pelo fato de estes apresentarem comportamento de risco potencialmente causador de acidentes. Porém, o mesmo autor observa que há uma inversão com o aumento da idade, visto que após a menopausa começam a surgir casos como a osteoporose que acabam por levar as mulheres a compor a lista de pacientes no setor em questão. Verificamos ainda que em 63,5% dos casos foi prescrito apenas um único medicamento, tendo sido prescritos no máximo dois medicamentos em todos os casos. Estes dados estão de acordo com os estudos de Silva (2000), em que foi detectada a prescrição de uma média de 2,4 de medicamentos por pacientes com um desvio padrão de 1,4. Apesar de terem sido prescritos no máximo apenas dois medicamentos, pode-se afirmar que este número é suficiente para o surgimento de interações medicamentosas prejudiciais ao paciente, especialmente considerando-se a ocorrência da automedicação, conforme abordaremos mais adiante (SILVA; SCHENKEL; MENGUE, 2000). Conforme determina a Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) a prescrição médica e odontológica se fará pela Denominação Comum Brasileira (DCB) ou, na sua falta, pela Denominação Comum Internacional (DCI). Tal fato parece ainda não ser observado pelos profissionais prescritores, visto que de um total de 17 tipos de especialidades medicamentosas prescritas, 70,5% foram prescritas pelo nome comercial, o que demonstra a necessidade de conscientização dos profissionais que atuam no setor público no sentido de que os mesmos possam prover ou facilitar os meios para uma terapia de qualidade, eficiência, segurança e baixos custos. Notamos que parte dos pacientes não tinha iniciado o tratamento, tendo como principal motivo a própria ideia de que este seria desnecessário. A situação exposta nos desperta duas possibilidades: em primeiro lugar, podemos indagar se de fato haveria em todos estes casos a real necessidade de uma terapia medicamentosa ou se na realidade estaríamos lidando com vítimas de prescrições irracionais. E, em segundo lugar, podemos concluir a necessidade de esclarecimento por parte do prescritor a seus pacientes durante a consulta, quanto a real necessidade do tratamento, para que os mesmos

7 possam estar cientes dos malefícios advindos de não se seguir corretamente a prescrição. Analisando ainda entre os motivos do não início do tratamento, observamos que 33,5% afirmaram não ter recursos econômicos para a aquisição dos referidos medicamentos, situação esta também em desacordo com o direito a saúde conforme afirma o artigo 196, título VIII, da Constituição Federal Brasileira (BRASIL, 1988), ao afirmar que A saúde é um direito de todos e dever do estado. Assim, só nos resta propor uma maior intervenção do Estado na garantia do acesso da população a medicamentos, bem como uma maior conscientização da população quanto ao seu direito à saúde, situação esta visualizada pelo fato de apenas 7,5% dos pacientes ter adquirido seu medicamento pelo SUS. Observamos que entre os que adquiriram o medicamento prescrito, uma parcela de 23,5% assumiu não ter seguido o tratamento medicamentoso conforme o estabelecido, principalmente por terem se esquecido do horário de administração seguido por perca e por achar desnecessário. Tal situação apenas reforça a ideia do papel da informação prestada no ato da dispensação, tornando o paciente receoso e consciente da importância de se seguir corretamente seu tratamento. É neste sentido que Pepe e Castro (2000) afirmam que a informação prestada no ato da dispensação é tão ou mais importante que o medicamento por ele recebido, esperando-se assim bons resultados especialmente quando esta informação for repassada por um farmacêutico, visto que, de acordo com Marin (2003), os pacientes mostram-se amplamente receptivos ao aconselhamento farmacêutico. Quase metade dos participantes relatou alguma reação adversa, tais como sialorréia, azia, náuseas e diarréia. De acordo com Oberg (1999), as reações adversas afetam negativamente a qualidade de vida do paciente, influenciam na perca de confiança do paciente para com o médico, aumentam os custos e podem atrasar os tratamentos. Assim, fica evidente a necessidade de ações de farmacovigilância e farmacoepidemiologia, em especial entre os usuários de antimicrobianos e antiinflamatórios, visto que estes, de acordo com Bertoldi (2004), são frequentemente utilizados, especialmente de forma irregular por automedicação, situação esta também visualizada no presente estudo. Observamos ainda que 30% dos nossos entrevistados faziam uso do medicamento prescrito com outros medicamentos, especialmente outros antiinflamatórios e anti-hipertensivos, o que nos permite detectar a presença da polimedicação entre nossos participantes, situação esta que pode levar a até 45% de eventos adversos entre os seus adeptos, tal como afirma Medeiros (2005), ao analisar a frequência de problemas relacionados com medicamentos no serviço de urgência de um hospital regional. O uso de anti-hipertensivos nos desperta a existência de uma subpopulação de pacientes hipertensos entre os nossos participantes, fato que ressalta a necessidade do desenvolvimento do processo de atenção farmacêutica voltada a grupos especiais de pacientes, especialmente portadores de doenças crônicas. A hipertensão é a enfermidade que aparece como principal causa de óbitos no Brasil e tem na atenção farmacêutica um grande instrumento para seu controle (MALTA; ARAUJO, 2004). Verificamos também que 18,5% compartilharam pelo menos um dos medicamentos prescritos com outras pessoas, como vizinhos e familiares. Tal prática é observada de forma comum, principalmente entre desprovidos de um nível mínimo de informação, como ocorre em regiões vítimas do atraso social. No que tange ao fornecimento de orientação profissional pelo farmacêutico ou outro profissional gabaritado para o mesmo, todos os pacientes afirmaram não ter recebida nenhuma orientação que não a do médico, sendo que 85% disseram ter sentido falta de pelo menos uma orientação durante o tratamento. Tal situação é bastante relevante, visto que o próprio Código de Ética Farmacêutica (CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA, 2004), garante o direito à informação ao paciente. No entanto, como se pode observar, em nenhum dos casos houve o fornecimento de informações relativas ao tratamento medicamentoso por parte do farmacêutico responsável pelo estabelecimento dispensador dos medicamentos. Tal situação pode ser justificada pela própria ausência deste profissional nas farmácias no município de Quixadá, visto que no interior do Estado do Ceará ainda vigora a prática de apenas assinar a farmácia pela qual ele (farmacêutico) deveria dedicar-se em horário de seu funcionamento. Outra justificativa para a mesma situação, e que pode ser aplicada à situação vivenciada no referido município, é dada por Oliveira (2005), ao afirmar que, quando presente na farmácia, o farmacêutico é recoberto de responsabilidades burocráticas e gerenciais que acabam por anular qualquer possibilidade de desenvolver alguma atividade relacionada à atenção farmacêutica, mesmo quando apenas em grupos especiais, trazendo à tona a necessidade de se prover meios e incentivos para a realização da mesma. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A maior parte dos que utilizam o serviço público de traumatologia são adultos jovens, muitos dos quais têm baixo nível de escolaridade e, na sua maioria, são casados e do sexo feminino. A média de medicamentos prescritos neste setor é de um a dois medicamentos. Situação esta suficiente para o surgimento de interações medicamentosas e outros PRM s, especialmente levando-se em consideração que muito destes pacientes fazem uso de outros medicamentos por conta própria.

8 A prescrição pela DCB ou DCI, ainda não é totalmente observada no âmbito do SUS, conforme determina a Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de Tal situação demonstra de certa forma desrespeito para com os usuários do referido sistema, visto que a prescrição pela DCB ou DCI é de suma importância no favorecimento à política de medicamentos genéricos no Brasil. De fato, se observa com base na análise dos dados obtidos que há péssimas condições de conscientização por parte dos pacientes com relação ao uso de medicamentos, situação esta bastante relevante como justificativa para incentivo à implantação do processo de atenção farmacêutica em todos os âmbitos da dispensação de medicamentos. Outras justificativas para a mesma finalidade são expressas nos dados que indicam que muitos dos pacientes avaliados faziam uso concomitante com outros medicamentos e, principalmente, pelo fato de 85% destes afirmarem terem sentido necessidade, durante alguma fase de seu tratamento medicamentoso, de uma orientação profissional. Podemos concluir, então, que o farmacêutico é de extrema importância no desenvolvimento de uma terapia medicamentosa racional, segura, rápida e efetiva por ser o profissional gabaritado para identificar e orientar os pacientes sobre todos os aspectos relacionados aos medicamentos. Dessa forma, concluímos que, tanto os cursos de graduação, como as políticas de saúde pública, devem valorizar a atenção farmacêutica como forma de beneficiar boa parte da população evitando, consequentemente, PRM s e possíveis gastos desnecessários com a resolução destes. REFERÊNCIAS ARRAIS, S.P.D.; COELHO, H.L.L; BATISTA, M.C.D.S; CARVALHO, M.L.; RIGGHI, R.E.; ARNAU, J.M. Perfil da automedicação no Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 1, BRAGA-JÚNIOR, M. B; CHAGAS-NETO, F. A; AGUIAR PORTO, M; BARROSO, T. A; LIMA, A. C. M; MAGALHÃES SILVA, S; LOPES, M. W. B. Epidemiologia e grau de satisfação do paciente vítima de trauma músculoesquelético atendido em hospital de emergência da rede pública Brasileira. ACTA. São Paulo, v. 13, n BRASIL. DIÁRIO OFICIAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Rio de Janeiro: Constituição da República Federativa do Brasil, Ti. VIII, art. 196; BRASIL. DIÁRIO OFICIAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL: Lei 9.787, de 10 de fevereiro de 1999: Altera a Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS Sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, 10 de outubro de BERTOLDI, A. D.; BARROS, A. J. D.; HALLAL, P. C.; LIMA, R. C. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 2, p , ERAKER, S. A.; KIRSCHT, J. P; BECKER, M. H. Understanding and improving patient compliance. Annals of Internal Medicine, v. 100, p , FURTADO, G. R. Noções básicas sobre atenção farmacêutica. Curitiba: UFPR, JÚNIOR M. B. B.; CHAGAS NETO, F. A.; PORTO, M. A.; BARROSO, T. A.; LIMA, A. C. M.; SILVA, S. M.; LOPES, M. W. B. Epidemiologia e grau de satisfação do paciente vítima de trauma músculo-esquelético atendido em hospital de emergência da rede pública brasileira. Acta Orto Brás. 13. ed. V. 13, n. 3, São Paulo, MALTA JUNIOR, A.; ARAUJO, L. A. C. Considerações sobre hipertensão para a atenção farmacêutica. v. 16, n Brasília: Infarma, MARIN, N.; OSÓRIO-CASTRO, C. G. S.; MACHADO- SANTOS, S. M. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS OMS, p MEDEIROS NETTO, A. S.; MELO, F. B.; SILVA, W. B. Freqüência de problemas relacionados com medicamentos em pacientes que procuram o serviço de urgência de um hospital regional. Seguimento farmacoterapêutico, v. 3, n. 4, OBERG, K. C. Adverse drug reactions. American jornal of pharmacêutical education, v. 63, p , OLIVEIRA, A. B.; OLIVEIRA, A. O.; MIGUEL, M. D.; ZANIN, S. M. W.; KERBER, V. A. Visão Acadêmica, v. 3, n. 2, p , PEPE, V. L. E.; CASTRO, C. G. S. O. A interação entre prescritores, dispensadores e pacientes: Informação compartilhada como possível benefício terapêutico. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p , jul-set

9 PERETTA, M.; CICCIA, G. Reengenharia farmacêuticaguia para implantar atenção farmacêutica. Ethosfarma. Brasília, ROIZBLATT, A. S,; CUETO, G.; ALVES, P. Diagnóstico y tratamiento. Quem saben los pacientes? Boletin de la Oficina Sanitária Panamericana, v. 97, p , SANS, S. PALUZIE, G. PUL, T. BALAMMA, L. Prevalência del consumo de medicamentos em la poblacion adulta da cataluna. GAC SANIT. v. 16, p , SCHOSTACK, J. Atenção farmacêutica no uso seguro e racional do medicamento. Rio de janeiro: EPUD, 2004 SILVA, T.; SCHENKEL, E P.; MENGUE, S. S. Nível de informação a respeito de medicamentos prescritos a pacientes ambulatoriais de hospital universitário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, jun VANCE M.; MILLINGTON, W. Principles of irrational drug therapy. Int J Health Serv, v. 16, p , para o uso racional de medicamentos. In: GOMES MJVM, REIS AMN. Ciências farmacêuticas uma abordagem em farmácia hospitalar. 1. ed. São Paulo: Atheneu, SOBRE OS AUTORES Fabrício Saldanha de Aquino Graduado em Farmácia pela Faculdade Católica rainha do Sertão FCRS. Luciana Macatrão Nogueira Mestrado em Ciências Farmacêuticas - Área de Concentração - Farmácia Clínica. Docente da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Tiago Moreira de Olinda Doutorando em Farmacologia pelo Programa de Pós- Graduação em Farmacologia pela Faculdade de Medicina na Universidade Federal do Ceará - UFC. VIDOTTII, C. C. F.; SILVA, E. V.; HOEFLER, R. Centro de informações sobre medicamentos e sua importância

10 ANEXO I - QUESTIONÁRIO Utilização de medicamentos por pacientes ambulatoriais do setor de traumatologia no hospital municipal de Quixadá (CE), desprovidos de atenção farmacêutica. Abordagem hospitalar Data: / / Nome: Idade: Grau de escolaridade: Estado civil: Profissão: Telefone: Medicamento(s) prescrito(s): Posologia: Período de tratamento: Abordagem domiciliar Data: / / Iniciou o tratamento: ( ) sim ( ) não Se não, por qual motivo: Via de aquisição: ( ) SUS ( ) Farmácia comercial ( ) outros Se outros, quais: Seguio o tratamento conforme a prescrição e orientação médica: ( ) sim ( ) não Se não, por qual motivo: Quais os efeitos colaterais/ reações adversas percebidas durante o tratamento: Usou outra medicação além da prescrita: ( ) sim ( ) não Em caso afirmativo, quais: Alguém mais fez uso da medicação: ( ) sim ( ) não Quem: Durante a aquisição do(s) medicamento(s) foi fornecida alguma orientação profissional: ( ) sim ( ) não Durante o período de tratamento, sentiu falta de uma orientação profissional: ( ) sim ( )não

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR.

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. Janaína Pelosi Bezerra (PIBIC/UNIOESTE/PRPPG), Vanessa Cristine Beck, Éverson Andrade, Ligiane de Lourdes Silva, Poliana Vieira

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 A Monografia IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO NASF NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE EXTREMA-MG foi premiada com Menção

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação

Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação 3277 Conhecimento dos pacientes sobre os medicamentos prescritos após consulta médica e dispensação Patient awareness about drugs prescribed after medical appointment and prescription TEMAS LIVRES FREE

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA AOS USUÁRIOS DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS VI

ATENÇÃO FARMACÊUTICA AOS USUÁRIOS DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS VI ATENÇÃO FARMACÊUTICA AOS USUÁRIOS DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS VI RIVELILSON MENDES DE FREITAS 1 FLÁVIO DAMASCENO MAIA 2 ALDA MARIA FACUNDO IODES 3 1. Farmacêutico, Coordenador do Curso de Farmácia,

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO Msc. Tatyana Xavier A. M. Ferreira Dispensação [...] ato profissional

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

Quais as vantagens do Benefício Farmácia?

Quais as vantagens do Benefício Farmácia? MENSAGEM DA GSAM/AMS Cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho de 2007/2008, a Petrobras Distribuidora implantou o Benefício Farmácia, que prevê condições especiais na aquisição de medicamentos pelos beneficiários

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA EM FARMÁCIAS E DROGARIAS DA CIDADE DE ERECHIM/RS

AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA EM FARMÁCIAS E DROGARIAS DA CIDADE DE ERECHIM/RS AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA EM FARMÁCIAS E DROGARIAS DA CIDADE DE ERECHIM/RS AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA EM FARMÁCIAS E DROGARIAS DA CIDADE DE ERECHIM/RS Evaluation of the pharmaceutical care

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica

Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica Epidemiologia e Planejamento em Saúde como Ferramentas para a Assistência Farmacêutica Gabriela Bittencourt Gonzalez Mosegui Instituto de Saúde da Comunidade ISC/UFF Adaptado de Carlos Magno C.B.Fortaleza

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo

AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo RESUMO AUTOMEDICAÇÃO EM IDOSOS NA REGIÃO SUL DO PARANÁ Gisele Weissheimer, Luciane Erzinger de Camargo Com o passar dos anos, vem aumentando a população idosa (PIERIN, 2004). Sem dúvida, há uma grande

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM FARMÁCIA HOSPITALAR SBRAFH BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BORGES FILHO, WM; FERRACINI, FT. Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar. 2 ed, Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS JUSTIFICATIVA O uso de álcool e outras drogas é, atualmente, uma fonte te de preocupação mundial em todos os seguimentos da

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Seminário Nacional Sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Regional Sudeste USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Maria Beatriz Cardoso Ferreira Docente do Departamento de Farmacologia ICBS/UFRGS Pesquisadora

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos II Seminário Multiprofissional sobre o Uso Racional de Medicamentos Maceió - 2014 Medicamentos e Uso Racional 1975 28ª Assembleia

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários.

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AUTOMEDICAÇÃO NA CIDADE DE CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA

AVALIAÇÃO DA AUTOMEDICAÇÃO NA CIDADE DE CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA 4 SEMESTRE DE BIOMEDICINA ALINA CANINDÉ ANA PAULA ARAUJO CLÁUDIA KÁSSIA MARTINS FRANCIELE PIEDADE LUCIANA SILVA RAFAEL COUTINHO TAMILA MUNIZ VERÔNICA ARAUJO AVALIAÇÃO

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

O PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR E SUA EVOLUÇÃO DURANTE OS ANOS. Por.

O PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR E SUA EVOLUÇÃO DURANTE OS ANOS. Por. O PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR E SUA EVOLUÇÃO DURANTE OS ANOS. Por. Ana Paula Ferreira do Nascimento- Farmacêutica -Aluna do Curso de Especialização em Gestão em Saúde da UAB/UNIFESP. RESUMO O presente trabalho

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Fernando Honorato Nascimento 1,3 ; Leonardo Augusto Barbosa 2,3 ; Murilo

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica*

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Profa. Dra. Rosaly Correa de Araujo Diretora, Divisão International United States Pharmacopeia O aconselhamento

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais