CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO"

Transcrição

1 CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO Msc. Tatyana Xavier A. M. Ferreira

2

3 Dispensação [...] ato profissional do farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma prescrição elaborada por um profissional autorizado. Neste ato o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. (POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS, 1998)

4 Dispensação É um serviço profissional do farmacêutico destinado a garantir, através de avaliação individual, que os pacientes recebam e usem os medicamentos de forma adequada às suas necessidades clínicas, em dosagens precisas de acordo com suas necessidades individuais, durante o período de tempo adequado, com as informações corretas sobre sua utilização e de acordo com as normas vigentes. (FORO DE ATENCIÓN FARMACÉUTICA, 2010)

5 Evidências Epidemiológicas 45% a 65% dos pacientes utilizam os medicamentos de maneira diferente da recomendada pelos profissionais de saúde; 20% de todas as hospitalizações são causadas pelo uso inadequado de medicamentos; 60% dos pacientes tratados com medicamentos não apresentariam problemas se o farmacêutico estivesse disponível apenas para o serviço de dispensação; 84% dos pacientes conseguiriam alcançar ótimos resultados terapêuticos se todas as farmácias proporcionassem o cuidado farmacêutico. (JOHNSON; BOOTMAN, Am J Health Syst Pharm, 54: , 1997; ERAKER Ann Intern Med, 1984 )

6 Dispensação Última oportunidade de identificar e corrigir problemas relacionados à farmacoterapia reduzir possíveis riscos associados à terapêutica medicamentosa O investimento e os custos associados a um processo de dispensação adequado não são elevados. (MARIN et al., 2003; GALATO, 2008)

7 Objetivo Demonstrar, por meio de um relato de caso, a capacidade do serviço de dispensação da Farmácia Universitária da UFG (FU/UFG) em identificar e resolver problemas relacionados à farmacoterapia.

8 Metodologia

9 Dispensação Garantir o uso racional do medicamento Foco no processo de uso Identificar PRM Prevenir RNM

10 Atendimento Avaliação Farmacêutica Avaliação da prescrição Orçamento Entrevista Farmacêutica Dispensação

11 Atendimento Avaliação Farmacêutica Avaliação da prescrição Orçamento Entrevista Farmacêutica Dispensação

12 Atendimento Avaliação Farmacêutica Avaliação da prescrição Orçamento Entrevista Farmacêutica Dispensação

13 Atendimento Avaliação Farmacêutica Dispensação

14 Intervenção Farmacêutica na Dispensação Resolver Problemas Relacionados aos medicamentos Prevenir o aparecimento de Resultados Negativos Associados ao medicamento evitáveis Diminuir a morbimortalidade associada aos medicamentos

15 Informações ao paciente Atendimento Sim Está iniciando tratamento? Não Avaliação Farmacêutica Dispensação Conhecimento do medicamento Conhecimento sobre evolução do tratamento Primeira dispensação Conhecimento do medicamento Percepção da evolução do tratamento (Efetividade e segurança) Dispensação repetida (DADÉR, 2008; GALATO, 2008; ANGONESI; RENNÓ, 2011; FORO DE ATENCIÓN FARMACÉUTICA, 2010)

16 Resultados

17 O caso apresentado é real, de paciente atendido na Farmácia Universitária/UFG. O paciente autorizou a utilização dos dados com finalidade didático-científica mediante assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

18 Caso Clínico 1 Paciente do sexo feminino Início do tratamento Prescrição: Itraconazol 100mg, uma cápsula no almoço por 30 dias. Entrevista farmacêutica Idade: 53 anos Alergias: não Patologias: Hipotiroidismo Medicamentos em uso: Levotiroxina; Carbonato de cálcio e vitamina D3 Tabagismo: não Consumo de bebidas alcoólicas: não Conhecimento sobre o medicamento: não conhece o modo de uso correto

19 O paciente possui uma condição clínica que justifique o uso do medicamento? Contra-indicações, alergias, interações, Micose nos forma farmacêutica pés O medicamento é necessário Sim O medicamento é adequado? Não Problema relacionado ao medicamento Manejo clínico: administrar o Carbonato de cálcio 1 hora antes ou 2 horas depois do Itraconazol. Se ingeridos no mesmo horário, o Carbonato de Cálcio pode inibir a absorção do Itraconazol, diminuindo sua eficácia. Interação Medicamentosa Itraconazol com carbonato de cálcio RESULTADO NEGATIVO ASSOCIADO AO MEDICAMENTO Ineficácia não quantitativa

20 O paciente possui uma condição clínica que justifique o uso do medicamento? Contra-indicações, alergias, interações, forma farmacêutica Dose, horário de administração, duração do tratamento Finalidade, modo de uso, interações, armazenamento O medicamento é necessário Sim O medicamento é adequado? A posologia é adequada? Sim O paciente tem condições de utilizar o medicamento? Não Não Intervenção Farmacêutica Alteração da pauta Intervenção Farmacêutica Orientação quanto ao uso correto do medicamento Receituário, Incompatibilidades, etc A farmácia tem condições de fornecer o medicamento? Sim Medicamento sem problemas

21 Pauta sugerida: 30 minutos antes do café da manhã: Levotiroxina No café da manhã: Itraconazol Almoço e jantar: carbonato de cálcio com vitamina D3 Paciente orientada sobre a pauta de administração e modo de uso do medicamento Orientação aceita Contato telefônico com a paciente após 20 dias

22 Conclusão O serviço farmacêutico de Dispensação é capaz de identificar e resolver problemas relacionados ao medicamento, prevenindo os resultados negativos associados ao medicamento. Contribui para aumento do sucesso da farmacoterapia e para qualidade de vida dos pacientes.

23 Ser Farmacêutico É mais do que possuir formação técnica de alto nível. É lidar com o ser humano que precisa de atenção, cuidado e orientação. É estar disposto a ouvi-lo e ouvindo-o, nada menosprezar. É respeitá-lo em suas queixas, clarear suas incertezas e perceber suas angustias. É colocar, na fórmula que prepara e no trabalho que realiza, o saber aprendido ou descoberto na experiência de cada dia. É estar a serviço da arte de curar os males do corpo. Se, além disso, usar sua percepção, sensibilidade e discernimento, terá sabedoria para aliviar as dores da alma. Autor desconhecido

24 Obrigada. (62) / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS UNIVERSITÁRIO MINISTRO PETRÔNIO PORTELLA CURSO DE FARMÁCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS UNIVERSITÁRIO MINISTRO PETRÔNIO PORTELLA CURSO DE FARMÁCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS UNIVERSITÁRIO MINISTRO PETRÔNIO PORTELLA CURSO DE FARMÁCIA UNIDADE DE CUIDADOS FARMACÊUTICOS: RESPONSÁVEL PELA ENTREVISTA: DADOS DO PACIENTE

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

Fenulife. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável

Fenulife. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável Material Técnico Fenulife Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio.

Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio. Sonrisal Classe terapêutica dos Antiacidos. Princípios Ativos Ácido Cítrico,Ácido Acetilsalicílico, Bicarbonato de Sódio e Carbonato de Sodio. Indicação Para quê serve Sonrisal? Sonrisal é indicado como

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO REFRESH álcool polivinílico 1,4% povidona 0,6% FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Via de administração tópica ocular Caixa com 32 flaconetes plásticos para aplicação

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1

INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1 INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS EM PACIENTE PORTADORA DE OSTEOARTROSE: ESTUDO DE CASO 1 FRIEDRICH, Jordana 2 ; ZANON, Jenifer 2 ; RIGÃO, Catieli 2 ; MATOS, Evelyn 2 ; BARCELLOS, Jiames 2 ; LIMBERGER, Jane 3

Leia mais

Curso Intensivo. Prescrição Farmacêutica e Dispensação Racional de Medicamentos

Curso Intensivo. Prescrição Farmacêutica e Dispensação Racional de Medicamentos Curso Intensivo Prescrição Farmacêutica e Dispensação Racional de Medicamentos O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Farmácia Clínica Marinei Ricieri 1 Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Disciplinas ofertadas (optativas e obrigatórias) nos cursos de graduação Programas de Residência Multiprofissional em hospitais

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia Análise e desenvolvimento do mercado, legislação e factores de crescimento do Mercado de Medicamentos Genéricos 2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia APOGEN

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Orientações para o uso do Poly-MVA

Orientações para o uso do Poly-MVA Orientações para o uso do Poly-MVA Poly-MVA é seguro. Testes extensos, tanto em laboratório quanto em clínicas ao longo dos últimos dez anos, tem provado isso. Não existe um nível conhecido do Poly-MVA,

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

Osteoporose Prevenção e Tratamento

Osteoporose Prevenção e Tratamento Osteoporose Prevenção e Tratamento ANDRÉA ASCENÇÃO MARQUES Abril 2013 amarques@reumahuc.org Osteoporose É uma doença onde existe baixa densidade óssea microarquitetura do osso. e deterioração da Osso com

Leia mais

PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL. Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva

PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL. Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva 2012 QUESTÃO NORTEADORA E OBJETIVOS Como a enfermagem prepara medicamentos por

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 TRABALHO: HUMANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS Thaissa Costa Cardoso; Tatyana Xavier Almeida Matteucci Ferreira, Luciana Prudente Resende, Nusia

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Viramune - nevirapina 18355 BI Viramune brochure POR_V2.indd 1 14-12-11 14:19 Introdução Viramune é um medicamento para o tratamento do HIV. Este prospecto contém informação

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA O IMPACTO DA GARANTIR QUALIDADE, SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES JUNTO AO CONSUMIDOR. OBJETIVO DA CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS AOS PRODUTOS COSMÉTICOS

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC LOGÍSTICA FARMACÊUTICA Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC Central de Abastecimento Farmacêutico Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Gino-Loprox ciclopirox olamina

Gino-Loprox ciclopirox olamina Modelo de Bula SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Gino-Loprox ciclopirox olamina Forma farmacêutica e apresentação

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura.

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura. Medicina Do latim ars medicina : arte da cura. Prescrição Médica Surge de reações instintivas para aliviar a dor ou evitar a morte. Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof.

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - extrato seco de folhas de Trifolium pratense L. - Embalagem contendo 30 comprimidos.

APRESENTAÇÃO Comprimido revestido - extrato seco de folhas de Trifolium pratense L. - Embalagem contendo 30 comprimidos. Promensil Trifolium pratense L. Nomenclatura botânica: Trifolium pratense L. Nomenclatura popular: red clover ou trevo vermelho Família: Leguminosae (Fabaceae) Parte utilizada: folhas APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE Cloridrato de sevelâmer Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR

FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR FARMÁCIA HOSPITALAR: CONCEITO, OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES EUGENIE DESIRÈE RABELO NÉRI FARMACÊUTICA HOSPITALAR CONSULTORA EM FARMÁCIA HOSPITALAR Na Presença a Do Amor, Milagres Acontecem. ROBERT SCHULLER PROGRAMA

Leia mais

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg TYLALGIN CAF Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica*

Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Aconselhamento ao paciente sobre medicamentos: ênfase nas populações geriátrica e pediátrica* Profa. Dra. Rosaly Correa de Araujo Diretora, Divisão International United States Pharmacopeia O aconselhamento

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

Clomifeno Citrato. Aplicações. Possibilidade do uso de diferentes dosagens de acordo com a necessidade do paciente. Indicações

Clomifeno Citrato. Aplicações. Possibilidade do uso de diferentes dosagens de acordo com a necessidade do paciente. Indicações Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 26 H 28 ClNO.C 6 H 8 O 7 Peso molecular: 598,08 DCB/ DCI: 02293 citrato de clomifeno CAS: 50-41-9 INCI: Não aplicável Sinonímia: Citrato de Clomifeno

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón 30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Uma actividade com 50 anos Centros de Informação de Medicamentos Resposta à necessidade de rápido acesso

Leia mais

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1 Peculiaridades da Logística Em Saúde Paulo Gadas JUNHO-14 1 Farmácias Satélites Vantagens e Desvantagens Paulo Gadas JUNHO-14 2 Paulo Gadas JUNHO-14 3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO UNITÁRIO MEDICAMENTOS SÃO

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos.

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. LABIRIN dicloridrato de betaistina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg dicloridrato

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações

Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações 2A SEMANA DA FARMACIA ANGOLANA HCTA-Luanda, 06-07 DE SET 2015 Farmacoeconomia: Introdução, conceitos basicos, métodos e aplicações Dr. Gaparayi Patrick Farmacêutico, Mestre em Economia de Saúde e Farmacoeconomia

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano).

Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano). Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano). A automedicação é a prática de ingerir medicamentos sem o aconselhamento e/ou acompanhamento

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares.

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Hábitos alimentares normalmente se referem a um amplo conceito de preferências, costumes e modos de comer, de um indivíduo ou população. Vários fatores

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA TEMA: HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO HOSPITALAR NO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DA CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA

REPÚBLICA DE ANGOLA TEMA: HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO HOSPITALAR NO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DA CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA REPÚBLICA DE ANGOLA Vª JORNADAS DE RADIOLOGIA DE CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA TEMA: HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO HOSPITALAR NO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DA CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA AUTORA:GRACIETTE CUNHA DA PIEDADE

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 12 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Paracilina SP 800 mg, pó para solução oral. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama contém: Substância

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

Lista de verificação para a prescrição de TOCTINO

Lista de verificação para a prescrição de TOCTINO TOCTINO pertence a uma classe de medicamentos que se sabe causarem malformações congénitas. Se TOCTINO for tomado durante a gravidez, mesmo por períodos curtos, os fetos ficam expostos a um risco muito

Leia mais

para que seus clientes continuem se tratando com os seus medicamentos.

para que seus clientes continuem se tratando com os seus medicamentos. Bruna De Vivo Gerente da Unidade de Negócios Farma A epharma CUIDA para que seus clientes continuem se tratando com os seus medicamentos. Mais do que completo, COMPLETAMENTE INDISPENSÁVEL. Prêmio Suppliers

Leia mais

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas.

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas. PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Anápolis, 4 de junho de 2009. OFÍCIO 127 / 2009 CEP Número de Protocolo: 0031/2009 Título do projeto: Incidência

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio?

Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Farmacêutico: Compromisso com a saúde ou com o comércio? Autores: MENDES, Amanda Brandão de Faria. OLIVEIRA, Graziane Silva. BORGES, Isaura MARTINS, Rafael de Souza. NEGREIROS Rômulo Hérlon Vidal Segundo

Leia mais

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN URO-VAXOM Lisado bacteriano de Escherichia coli APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas USO ORAL

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. Denominação do medicamento Enema Fleet 2. Composição qualitativa e quantitativa Fosfato monossódico di-hidratado Fosfato dissódico 8.0 % w/v 18.1 % w/v A dose

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 004/2008, DE 11 DE MARÇO DE 2008 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 004/2008, DE 11 DE MARÇO DE 2008 DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 714. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 RESOLUÇÃO Nº 004/2008, DE 11 DE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

MÉTODO CLÍNICO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA

MÉTODO CLÍNICO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA MÉTODO CLÍNICO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA Cassyano J Correr; Michel F Otuki O processo de atenção farmacêutica obedece a uma seqüência de passos conhecida como método clínico. O método clínico inclui a coleta

Leia mais

Prevenção do Erro e o Medicamento

Prevenção do Erro e o Medicamento Prevenção do Erro e o Medicamento Daniela Garcia 26 de março de 2015 Diretora dos Serviços Farmacêuticos Erro de medicação Qualquer evento evitável que pode causar dano ao doente ou dar lugar à utilização

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO Nota: O resumo das características do medicamento e o folheto informativo podem necessitar

Leia mais

Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde

Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde Seminário: Caminhos para o financiamento e acesso à saúde Painel: Como construir programas de acesso aos medicamentos Dirceu Barbano Diretor São Paulo, 07 de junho de 2010. Acesso a medicamentos: definição...relação

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

GESTÃO DE MEDICAMENTOS DO PROGRAMA DA TUBERCULOSE NO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO DE MEDICAMENTOS DO PROGRAMA DA TUBERCULOSE NO ESTADO DE MATO GROSSO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA GESTÃO DE MEDICAMENTOS DO PROGRAMA DA TUBERCULOSE NO ESTADO DE MATO GROSSO Tânia Cecília Trevisan

Leia mais