A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013"

Transcrição

1 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

2 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional é de fundamental importância para a autonomia dos indivíduos, para a construção de idenadade, para o reconhecimento social, para o acesso a bens de consumo, entre outras dimensões, tanto materiais quanto simbólicas, cada vez mais importantes nas sociedades do século XXI (Pinheiro, 2008). Nos ambientes de trabalho os processos de discriminação e desigualdade se tornam ainda mais evidentes.

3 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? Nas úlamas décadas, presenciamos a ampliação da par,cipação feminina na população economicamente a,va. Par0cipação&da&População&Economicamente&A0va,&segundo&sexo&no&Brasil&E& 2001&a&2012& 58,1%& 57,6%& 57,3%& 56,9%& 56,6%& 56,3%& 56,5%& 56,5%& 56,1%& 56,7%& 56,6%& 41,9%& 42,4%& 42,7%& 43,1%& 43,4%& 43,7%& 43,5%& 43,5%& 43,9%& 43,3%& 43,4%& 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Fonte: PNAD/IBGE Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compa\veis com a série analisada. Homem$ Mulher$

4 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? Nos úlamos 11 anos, o número de mulheres ocupadas no mercado de trabalho brasileiro cresceu 29,5%,enquanto a ocupação masculina ampliou 21%. Par1cipação'da'População'Ocupada,'segundo'sexo'no'Brasil'B'2001'a'2012' 59,31%' 58,69%' 58,56%' 58,23%' 57,94%' 57,59%' 57,73%' 57,62%' 57,44%' 57,84%' 57,65%' 40,69%' 41,31%' 41,44%' 41,77%' 42,06%' 42,41%' 42,27%' 42,38%' 42,56%' 42,16%' 42,35%' 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Fonte: PNAD/IBGE Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compa\veis com a série analisada. Homem$ Mulher$

5 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? Mesmo com o aumento na ocupação das mulheres no mercado de trabalho, a taxa de desocupação feminina é de 8,2% enquanto dos homens é de 4,6% (2012) ParAcipação Comportamento'da'taxa'de'desocupação,'segundo'sexo'no'Brasil'B'2001'a' população desocupada, segundo sexo no mercado de 2012.'' trabalho - Brasil 2001 a ,21%' 29,48%' 29,87%' 25,69%' 25,42%' 25,41%' 29,16%' 28,69%' 29,27%' 26,80%' 27,17%' 26,59%' 26,37%' 27,44%' 22,40%' 21,74%' 21,86%' 19,48%' 19,02%' 19,04%' 18,47%' 20,24%' Fonte: PNAD/IBGE 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são Homem$ Mulher$ compa\veis com a série analisada.

6 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? A feminização do mercado de trabalho é uma realidade no Brasil, contudo as diferenças salariais entre homens e mulheres permanece. Em 2012, uma mulher recebia o equivalente a 70,2% do salário do homem. Remuneração média, por sexo no Brasil a R$1.417 R$1.589 R$618 R$660 R$390 R$419 R$721 R$761 R$455 R$483 R$828 R$534 R$916 R$601 R$993 R$657 R$1.092 R$726 R$1.164 R$785 R$997 R$ ,1% 63,5% 63,1% 63,5% 64,5% 65,6% 66,2% 66,5% 67,4% 70,4% 70,2% Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compa\veis com a série analisada. Homem Mulher

7 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? Outras questões relevantes: 1. A escolaridade feminina é mais elevada do que a masculina: a. 50% das mulheres tem mais 8 anos de estudos. No caso dos homens esse percentual equivale a 33%. 2. As mulheres trabalham menos horas no mercado formal de trabalho, mas fazem o dobro da jornada dos homens nos afazeres domésqcos. a. Os homens trabalharam em média 42,1 horas por semana, enquanto a jornada das mulheres ficou em 36,1 horas. b. Para os afazeres domésqcos, no entanto, as mulheres dedicam 20,8 horas enquanto os homens trabalham A porta de entrada da mulher no mercado de trabalho permanece sendo o setor de serviços e o comércio: a. 70% das mulheres estão ocupadas em aqvidades inseridas no setor de comércio e serviços. No caso dos homens esse percentual é de 43,6% Fonte: PNAD/IBGE (2012)

8 Por que olhar o mercado de trabalho sob óaca de gênero? Questão Relevante: Mesmo em setores nos quais as mulheres são maioria - saúde, educação e serviços sociais -, evidencia- se uma desigualdade maior entre homens e mulheres. Fote: PNAD/IBGE (2012)

9 Um olhar de gênero sobre os docentes que atuam no setor privado de ensino no Brasil Objeto da Pesquisa Hipótese Universo pesquisado Variáveis analisadas Fonte de Dados IdenQficar o perfil das mulheres que atuam no setor privado de ensino a parqr do seu vínculo. Em um setor tradicionalmente feminino, como o da educação, há diferenciação entre homens e mulheres em relação ao seus vínculo ocupacional? Docentes qua atuam na educação básica e ensino superior privado no Brasil. Perfil: número de docentes, idade e escolaridade. CaracterisQcas do vínculo: jornada de trabalho, tempo de emprego,remuneração, nível de ensino, Qpo e tamanho de insqtuição. Relação Anual de Informações Sociais divulgadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego RAIS/MTE.

10 Um olhar de gênero sobre os Docentes que atuam no setor privado de ensino no Brasil Estrutura da Pesquisa 1ª Parte:. Perfil do Docente no ensino privado no Brasil 2ª Parte:. Vínculo trabalhista do docente no Brasil segundo gênero. 3ª Parte:. Considerações

11 1ª Parte:. Perfil do Docente no ensino privado no Brasil tribuição+dos+docentes,+segundo+sexo,+no+ensino+privado+6+ Distribuição dos docentes Brasil por sexo no ensino privado - Brasil/ Distribuição dos Docentes por sexo segundo nível de ensino na educação privada Brasil %$ 24%$ Nível1de1Ensino1 Educação1Infantil1e1Ensino1 Fundamental 1Docentes1 Masculino Feminino 27,0% 73,0% Ensino1Médio 39,6% 60,4% Educação1Superior 53,5% 46,5% Masculino$ Feminino$ As diferenças entre os sexos são transferidas para as profissões, o que confere à docência significados femininos, pela associação direta à maternidade e ao ato de cuidar das crianças. A medida em que os níveis de ensino avançam a parqcipação masculina amplia- se, mas não supera a inserção feminina.

12 1ª Parte: Perfil do Docente - Distribuição por Faixa Etária. ParQcipação dos docentes segundo faixa etária e sexo, por nível de ensino na educação privada - Brasil/ Nível#de#ensino/Sexo## Faixa#Etária 18#a#24## 25#a#29# 30#a#39# 40#a#49 50#a#64 65#ou#mais Total EDUCAÇÃO#INFANTIL#E#ENSINO#FUNDAMENTAL Masculino 5,61% 17,06% 39,59% 24,01% 12,53% 1,21% 100,00% Feminino 6,74% 17,86% 40,31% 24,08% 10,44% 0,58% 100,00% ENSINO#MÉDIO Masculino 3,35% 13,76% 38,81% 27,82% 14,87% 1,39% 100,00% Feminino 3,72% 13,79% 38,50% 28,59% 14,39% 1,01% 100,00% EDUCAÇÃO#SUPERIOR Masculino 0,47% 6,96% 34,35% 29,29% 24,03% 4,90% 100,00% Feminino 0,62% 8,88% 38,49% 28,88% 20,53% 2,59% 100,00% No ensino médio e na educação superior as mulheres concentram- se na faixa etária entre 30 e 39 anos, com paracipação de 38,50% e 38,49% dos vínculos. Na educação infanal e no ensino superior, a paracipação feminina nessa faixa etária amplia- se para 40,31%. A menor porcentagem de docentes após os 50 anos está na educação básica, jusaficada pela regime de aposentadoria especial, direito garanado em lei aos docentes.

13 1ª Parte: Perfil do Docente - Distribuição por Escolaridade. Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e escolaridade na educação privada - Brasil/ Escolaridade%após%2005 Sexo%Trabalhador Superior% Completo Mestrado Doutorado Total EDUCAÇÃO%INFANTIL%E%ENSINO%FUNDAMENTAL Masculino 94,10% 5,12% 0,78% 100,00% Feminino 97,37% 2,24% 0,39% 100,00% ENSINO%MÉDIO Masculino 87,28% 8,98% 3,74% 100,00% Feminino 91,93% 5,77% 2,30% 100,00% EDUCAÇÃO%SUPERIOR Masculino 59,17% 28,93% 11,90% 100,00% Feminino 56,60% 31,19% 12,20% 100,00% Não é surpresa o elevado grau de qualificação do docente, dada a exigência da profissão. Na educação infanal e ensino fundamental, as mulheres são mais qualificadas que os homens em relação ao superior completo. Quando observa- se apenas aqueles que possuem \tulos de Mestre e doutor a situação se inverte: os homens possuem um grau de escolaridade mais elevado, contrariando os dados divulgados pelo IBGE.

14 2ª Parte: Vínculo do Docente - Jornada de Trabalho ParQcipação dos docentes segundo sexo e jornada de trabalho por nível de ensino na educação privada - Brasil/ Faixa-Hora-Contratada-(semanais) Ocupação/Sexo- Até-12-horas 13-a a a a a-44- horas horas horas horas horas Total EDUCAÇÃO-INFANTIL-E-ENSINO-FUNDAMENTAL Masculino 39,06% 4,88% 10,76% 10,78% 4,80% 29,72% 100,00% Feminino 31,63% 5,79% 12,15% 16,62% 5,57% 28,25% 100,00% Total 33,64% 5,54% 11,77% 15,04% 5,36% 28,65% 100,00% ENSINO-MÉDIO Masculino 45,28% 6,24% 9,02% 10,56% 4,08% 24,82% 100,00% Feminino 37,44% 5,59% 12,35% 14,09% 5,16% 25,37% 100,00% Total 40,55% 5,85% 11,03% 12,69% 4,73% 25,15% 100,00% EDUCAÇÃO-SUPERIOR Masculino 49,68% 5,47% 11,71% 8,85% 14,15% 10,14% 100,00% Feminino 46,80% 5,26% 12,47% 10,07% 15,22% 10,18% 100,00% Total 48,34% 5,37% 12,07% 9,41% 14,65% 10,16% 100,00% É importante ressaltar que embora a lei limite a jornada de trabalho em 42 horas, é possível a realização de aavidades extraclasse ou um mesmo professor ter mais de dois vínculos trabalhistas. A docência para mulheres torna- se a porta de entrada para o mercado de trabalho, pois permite conciliar a vida profissional com as responsabilidades familiares. A jornada parcial de trabalho, (compreende entre 12 e 30 horas semanais) é praacada por 66% das mulheres na educação infanal e ensino fundamental e por 65% dos homens. Na medida em que a as horas trabalhadas aumentam a paracipação masculina cresce e a feminina diminui. No ensino superior cerca de 35% das mulheres apresentam jornadas de trabalho superior a 31 horas, isso pode ser jusaficado pela possibilidade do docente em exercer sua aavidade em tempo integral na mesma insatuição incorporando as aavidades de pesquisa e docência.

15 2ª Parte: Vínculo do Docente - Jornada de Trabalho Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e faixa de emprego na educação privada - Brasil/ Faixa&Tempo&Emprego&(Em&meses) Nível&de&Ensino/Sexo&& Ate&2,9&& 3,0&a&5,9& 6,0&a&11,9&& 12,0&a&23,9& 24,0&a&35,9& 36,0&a&59,9&& 60,0&a&119,9&& 120,0&&&ou& mais Total EDUCAÇÃO&INFANTIL&E&ENSINO&FUNDAMENTAL Masculino 2,60% 8,80% 22,02% 17,44% 13,20% 15,05% 13,55% 7,35% 100,00% Feminino 2,23% 7,70% 20,84% 18,03% 12,78% 14,10% 15,24% 9,06% 100,00% Total 2,33% 8,00% 21,16% 17,87% 12,90% 14,36% 14,78% 8,60% 100,00% ENSINO&MÉDIO Masculino 2,31% 8,36% 18,81% 17,03% 12,33% 14,87% 14,76% 11,52% 100,00% Feminino 2,50% 7,08% 17,78% 15,68% 11,86% 14,24% 15,84% 15,00% 100,00% Total 2,43% 7,59% 18,19% 16,22% 12,05% 14,49% 15,41% 13,62% 100,00% EDUCAÇÃO&SUPERIOR Masculino 2,07% 8,19% 12,09% 14,06% 10,49% 14,57% 18,57% 19,96% 100,00% Feminino 2,44% 8,02% 12,57% 14,79% 11,06% 15,17% 18,31% 17,63% 100,00% Total 2,24% 8,11% 12,31% 14,40% 10,75% 14,85% 18,45% 18,88% 100,00% O tempo de permanência do docente no setor privado de ensino é elevado indicando a baixa rotaavidade existente entre esses profissionais. No ensino médio e superior mais de 35% das docentes possuem mais de 5 anos de trabalho no mesmo vínculo. A educação infanal e o ensino fundamental destacam por apresentar a maior rotaavidade entre homens e mulheres e por indicar a inserção mais ampliada de homens na aavidade de professor. Do total de homens que se encontram nesse nível de ensino,22% tem até um ano de emprego.

16 2ª Parte: Vínculo do Docente - Natureza Jurídica das InsQtuições Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e natureza jurídica das insqtuições de ensino na educação privada - Brasil/ Nível&de& Ensino/Sexo& Natureza&Jurídica&Especial Entidade& Empresa& Privada Entidades&sem& Fins&Lucrativos Total EDUCAÇÃO&INFANTIL&E&ENSINO&FUNDAMENTAL Masculino 78,51% 21,49% 100,00% Feminino 82,29% 17,71% 100,00% ENSINO&MÉDIO Masculino 60,12% 39,88% 100,00% Feminino 52,90% 47,10% 100,00% EDUCAÇÃO&SUPERIOR Masculino 38,55% 61,45% 100% Feminino 40,80% 59,20% 100% No ensino superior a paracipação de ambos os sexos aumentam em virtude do maior de número insatuições sem fins lucraavos atuando no mercado. Nas insatuições Total de caráter essencialmente 40% 60% privado, as 100% mulheres representam 51,74% dos trabalhadores enquanto os homens totalizam cerca de 49% da mão de obra. Essa situação se inverte ao analisarmos as insatuições sem fins lucraavos, nas quais a paracipação masculina é de 53,4% e a feminina 46,6%.

17 2ª Parte: Vínculo do Docente - Porte de Empresa Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e tamanho do estabelecimento de ensino na educação privada - Brasil/ Ocupação/Sexo Micro EDUCAÇÃO7INFANTIL7E7ENSINO7FUNDAMENTAL Masculino 10,27% 65,67% Feminino 15,39% 68,79% Total 14,01% 67,95% ENSINO7MÉDIO Masculino 8,63% Feminino 8,27% Total 8,41% EDUCAÇÃO7SUPERIOR Masculino 0,68% Feminino 0,75% Total 0,72% Tamanho7Estabelecimento Pequeno 54,87% 54,46% 54,63% 11,69% 10,85% 11,30% Médio 20,01% 14,51% 16,00% 36,49% 37,26% 36,96% 47,92% 47,11% 47,55% Grande7 4,05% 1,30% 2,04% 0,00% 0,00% 0,00% 39,71% 41,28% 40,44% Total 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% As insatuições de pequeno porte são as grandes geradoras de postos de trabalho para os docentes na educação básica. No ensino superior, as insatuições de médio e grande concentram 88% das docentes que atuam nesse nível de ensino.

18 2ª Parte: Vínculo do Docente - Remuneração/ Educação Básica Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo na educação infanal e ensino fundamental no setor privado de ensino no Brasil 2013!1.300!!!1.099!! Masculino! Feminino!!1.691!!!1.584!!!1.808!!!1.715!!!2.230!!!2.237!!!3.549!!!2.647!! Até!12!horas! 13!a!15!horas! 16!a!20!horas! 21!a!30!horas! 31!a!40!horas! Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo no ensino médio no setor privado de ensino no Brasil % 1.314% Masculino$ 1.299% 1.858% Feminino$ 1.847% 2.223% 2.240% 2.575% 2.715% 3.268% Até$12$horas$ 13$a$15$horas$ 16$a$20$horas$ 21$a$30$horas$ 31$a$40$horas$

19 2ª Parte: Vínculo do Docente - Remuneração/ Ensino Superior Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo no ensino superior privado no Brasil & 8.349& 2.508& Masculino$ 2.475& Feminino$ 3.635& 3.630& 4.589& 4.277& 5.911& 5.467& Até$12$horas$ 13$a$15$horas$ 16$a$20$horas$ 21$a$30$horas$ 31$a$40$horas$ Considerando uma mesma jornada de trabalho, os homens recebem remuneração superior a de mulheres. A pequena diferença de remuneração entre os sexos pode estar relacionada ao grau de instrução mais elevado dos homens e ao tempo de serviço dos mesmos.

20 3ª Parte: Considerações A necessidade de compaabilizar as responsabilidades familiares com as atuação profissionais definem a forma de inserção no mercado de trabalho e, principalmente, o Apo de vínculo emprega\cio. O trabalho das mulheres não depende tão somente da demanda do mercado e das suas qualificações para atendê- la, mas decorre também de uma araculação complexa de caracterísacas pessoais e familiares. O setor de ensino é tradicionalmente uma das portas de entrada na mulher no mercado de trabalho pois permite conciliar a dupla jornada. Ao idenaficar o Apo de vínculo que os docentes possuem no setor de ensino privado no Brasil podemos inferir sobre as diferença de gênero em um setor no qual 76% da força de trabalho é feminina. Isso significa que a realidade das mulheres que atuam nesse setor é diferente daquelas que atuam em setores tradicionalmente masculino? A resposta da pesquisa indica : I. Conforme avançamos nos níveis de ensino a paracipação masculina amplia- se e as diferenças entre o vínculo de trabalho feminino e masculino ficam mais acentuadas.

21 3ª Parte: Considerações II. A mulheres possuem escolaridade superior a dos homens no ensino infanal e fundamental, contudo no níveis médio e superior os homens apresentam mais anos de estudo. III. Não há uma diferença significaava no número de horas trabalhadas entre homens e mulheres no setor privado de ensino. Mais de 50% dos docentes possuem jornadas de trabalho de até 20 horas, independente do sexo. Deve- se considerar que os professores normalmente trabalham em mais de uma insatuição o que acaba por jusaficar a jornada parcial. IV. A paracipação das mulheres nas insatuições de caráter essencialmente privado é maior que a masculina. Dado o caráter mercanal dessas insatuições, esse aspecto pode indicar vínculos de trabalho mais frágeis do que aqueles existentes nas insatuições sem fins lucraavos. Além disso, deve- se considerar que o maior segmento de insatuições da educação básica encontram- se no segmento empresarial, o que jusafica a maior inserção dos docentes nessas insatuições. V. Quanto ao tamanho do estabelecimento, a maior concentração de docentes encontra nas escolas de pequeno porte que possuem entre 20 e 99 vínculos trabalhista. Já no ensino superior, a atuação das professoras ocorrem em insatuições de médio porte.

22 3ª Parte: Considerações VI. A rotaavidade do setor de ensino privado é baixa, dada a própria caracterísaca da ocupação. Ao mesmo tempo, observa- se uma renovação do corpo de professores em todos os níveis de ensino registrando uma paracipação elevada tanto de homens como de mulheres que possuem até um ano de tempo de permanência no emprego. VII. Não há grandes diferenças nos vínculos trabalhistas entre homens e mulheres em variáveis como: jornada de trabalho, tempo de permanência, escolaridade e Apo de empresa. Contudo ainda constata- se diferenças de remuneração entre homens e mulheres no setor de ensino. VIII. Considerando a mesma carga horária para homens e mulheres em todos os níveis de ensino, as mulheres recebem uma remuneração inferior a masculina. Em média, as mulheres recebem cerca de 95% da remuneração dos homens, muito acima dos dados da PNAD (IBGE) que inclui todos os setores econômicos. As possíveis explicação para esse resultado pode estar relacionada a adoção dos chamados planos de carreira que remuneram o professor não somente pelo tempo de serviços e qualificação, mas também por sua produção acadêmica. IX. Quanto a pergunta, se há desigualdade de gênero no setor de ensino, a reposta é NÃO! Mas há um conjunto de pontos em que pode- se avançar.

23 Elaborado por :

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2 A mulher no mercado de trabalho e na organização sindical Expediente: Produzido pelo Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos. Praça Padre Manuel da Nóbrega, 16-4º andar. Sé - São Paulo SP.

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * COSTA, Marcia de Souza 1, PAES, Maria Helena Rodrigues 2 ; Palavras-chave: Pré-vestibular

Leia mais

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Apoio: Fórum Nacional de Professores de Jornalismo FNPJ Associação Brasileira

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas.

Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas. Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas. CARTA ESPECIAL MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO A Carta Especial Mulheres no Mercado de Trabalho é produzida pelo Observatório Unilasalle:

Leia mais

A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra.

A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra. A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra São Paulo 10 de janeiro de 2014 O contexto e a motivação Resumo da

Leia mais

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL TÁBUA IBGE 2010 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL O IBGE divulgou nesta quinta feira a Tábua IBGE-2010 que será utilizada pela Previdência Social, a partir de hoje até 30/11/2012, para

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Biomedicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Biomedicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Biomedicina O curso de Biomedicina teve seu início na década de 50, como pós-graduação para formação de profissionais para

Leia mais

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO

ESTUDO TEMÁTICO SOBRE O PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA CAPACITAÇÃO OCUPACIONAL NO MUNICÍPIO DE OSASCO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE

A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE A TRAJETÓRIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE Ministro da Saúde José Saraiva Felipe Ministro da Educação Fernando Haddad Objetivo apresentar a Trajetória dos Cursos de Graduação na Área da Saúde;

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória 4 Conclusões Neste capítulo iremos apresentar as conclusões acerca da pesquisa realizada, ressaltando os principais resultados obtidos e o que de mais valioso encontramos, em termos das informações que

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil?

Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil? Seminário Os caminhos da qualificação técnica e profissional no Brasil Existe escassez de mão de obra qualificada no Brasil? Paulo A. Meyer M. Nascimento Técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea paulo.nascimento@ipea.gov.br

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A PROPOSTA DE INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO

COMENTÁRIOS SOBRE A PROPOSTA DE INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÃO Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 23 de Fevereiro de 2011 COMENTÁRIOS

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Maria Rosa Lombardi: Em geral, essa discriminação não é explícita, o que torna mais difícil

Leia mais

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre SIPS: Trata-se de uma pesquisa de opinião sobre diversas temáticas, que se referem ao debate atual sobre políticas públicas e desenvolvimento.

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS A importância dos cuidados com as crianças na primeira infância tem sido cada vez mais destacada

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

6 Análise de necessidades

6 Análise de necessidades 55 6 Análise de necessidades Este capítulo apresenta os dados obtidos através do questionário mencionado no capítulo 5. Discuto o propósito de utilizá-lo para identificar as necessidades dos alunos. Em

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB.

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MÉDICA: UM ESTUDO Introdução NA CIDADE DE JOÃO PESSOA/PB. MsC. Elídio Vanzella Professor da Estácio e Ensine Faculdades Email: evanzella@yahoo.com.br O crescimento da população

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

ANEXO X - Indicadores para monitoramento e avaliação da evolução das metas do PME

ANEXO X - Indicadores para monitoramento e avaliação da evolução das metas do PME ANEXO X - Indicadores para monitoramento e avaliação da evolução das metas do PME Observação: no presente documento, são listados os indicadores básicos que poderão ser utilizados para monitoramento e

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 Nara dos Santos Ferreira 1, Maria

Leia mais

DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA. RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br

DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA. RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br DATA POPULAR SAÚDE NA NOVA CLASSE MÉDIA BRASILEIRA RENATO MEIRELLES renato@datapopular.com.br NOS ÚLTIMOS ANOS O BRASIL PASSOU POR UMA DAS MAIS PROFUNDAS MUDANÇAS DE SUA HISTÓRIA AB DE % Essa é a classe

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais