A questão ambiental no Brasil do futuro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A questão ambiental no Brasil do futuro"

Transcrição

1 A questão ambiental no Brasil do futuro Por Eduardo Reimann, associado do Instituto de Estudos Empresariais Impossível folhear qualquer periódico brasileiro e não se deparar repetidas vezes com palavras e expressões ligadas diretamente à questão ambiental. Em uma razão geométrica, nos são infundidas ideias como sustentabilidade, responsabilidade ambiental, produtos e serviços verdes ou carbono neutro, que, repetidas como mantras, se tornam inquestionáveis e unânimes, se impondo como imperativos categóricos à vida das pessoas. Soma-se a essas ideias o conhecido afã legislativo brasileiro que, ansioso para capitalizar politicamente o ideário em voga, faz brotar códigos, regulamentos, leis e órgãos que tornam ainda mais densa e espinhosa a caatinga burocrática em que o empreendedor é obrigado a se embrenhar. A mesma coisa acontece, proporcionalmente, com o cidadão, mesmo que pretenda apenas proceder a uma poda em seu próprio quintal. Para a cultura ocidental, talvez com exceções pontuais, o ideário verde é absoluto, impermeável e intransigente, incidindo com força e de forma inclemente sobre os desviantes. Porém, cabe questionarmos sua validade e razoabilidade e pesarmos o que oferecemos em contrapartida. Impõe-se a necessidade de reflexão e de um estudo desapaixonado e objetivo, sob pena de seguirmos como uma manada por um caminho que pode não ser aquele que gostaríamos de trilhar. O momento para empreendermos tal esforço se apresenta. Com esse intuito, semeiam-se pelos parágrafos seguintes algumas ideias e conceitos que podem contribuir para alterar a abordagem dada à questão ambiental e servir para a construção do Brasil em que queremos viver. 1

2 Compreendendo o status quo Fundamental para construirmos ideias novas que venham a alterar a maneira como se lida com o tema atualmente é conhecermos a base sobre a qual foi erigido o edifício que hoje se dá como estabelecido. E no seu âmago, a corrente abordagem entende que é negativo o impacto que o homem vem causando ao planeta, trazendo, dentre outros problemas, a diminuição da biodiversidade, o aquecimento global, a destruição da camada de ozônio e a produção e o descarte excessivos e danosos de resíduos. Portanto, o tratamento dispensado à questão ambiental é firme, dando-se principalmente por meio da criação estatal de parques e reservas nacionais, da limitação e regulação do uso de biomas e recursos naturais, além do estabelecimento de leis e padrões que limitem a geração de resíduos poluentes. O método de cercar, multar e taxar é naturalmente limitado pela capacidade restrita dos agentes de fiscalizar o bom cumprimento das medidas, bem como pela sempre crescente inventividade dos indivíduos, que buscam satisfazer seus objetivos econômicos. Mesmo com o apelo incessante à consciência das pessoas para que tomem jeito e respeitem a natureza, e com a pressão constante para a expansão e o aparelhamento estatal dirigidos ao combate do dito problema, a sensação é de fracasso. Havendo esse sentimento persistente de derrota e de que caminhamos em marcha acelerada e prestes a cruzar um ponto sem volta, o movimento verde toma contornos ainda mais dramáticos, ganhando mais apelo e espaço na sociedade. Alguns conservacionistas apelam para medidas radicais e desesperadas, como ecoterrorismo e sabotagem, enquanto grupos mais pragmáticos buscam criar arranjos locais com comunidades de poucos recursos que explorariam sustentavelmente o objeto que se deseja preservar. Os meios citados objetivam alcançar um equilíbrio ambiental impreciso, difuso, na maioria das vezes por meio da arena política, trazendo as decisões sobre a conservação de recursos ambientais para serem tomadas pela via do voto, transformadas em legislação, ou por ações pontuais ou organizadas de grupos de bons samaritanos que esperam que seu comportamento se propague feito um vírus. 2

3 Pesa notar que virtualmente nenhum grupo que tenha como objetivo a preservação ambiental se utilize de uma abordagem de mercado para atingir seu fim. Valor subjetivo É importante que nós consideremos a questão do valor intrínseco de preservar o meio ambiente ou de ser ecologicamente correto, por exemplo. Como podemos afirmar que atitudes nesse sentido sejam boas em si mesmas? Como julgar esse valor? Seria possível apurá-lo objetivamente, para que seja possível tomar uma decisão política e racional, por assim dizer? No caso, provável, de ser impossível essa quantificação e ponderação objetiva do que é mais valioso e de qual ação deva ser tomada, como se pode tomar uma decisão política a respeito do assunto? A forma como a questão ambiental é tratada impossibilita raciocínios sobre o seu mérito. Não se pensa na forma se quero atingir tal resultado, devo utilizar tal meio, que são condicionais, colocando em subordinação o meio utilizado ao fim almejado. A argumentação se dá de forma categórica e inapelável: é preciso salvar o planeta porque é preciso. Não se subordinando a nenhum fim, tem valor em si mesmo. Porém, o julgamento moral sobre algo ser bom ou ruim é coisa humana e individual. A manutenção de um equilíbrio ambiental que possa suportar vida humana neste planeta só pode ter valor para um indivíduo ou um grupo de indivíduos. Uma pessoa que, em vez de pensar que preservar o planeta é preciso, pense querer preservar o planeta por achar um objetivo nobre e importante, assume que isso é algo da sua liberalidade, podendo não ser o mesmo caso para outra pessoa. Indivíduos diferentes têm escalas de preferências e valores diferentes. Parece claro que uma pessoa mais imediatista valorizará menos a questão verde do que uma pessoa bem estabelecida na vida, com necessidades básicas satisfeitas e com uma família a caminho. Somente havendo liberdade de escolha e um mercado onde negociar esses valores é que se chega a um resultado que poderia ser considerado justo ou natural. 3

4 Hierarquia das necessidades Mesmo que as pessoas valorizem cada uma das escolhas da vida de forma diferente, individual, é possível organizar essas vontades em grandes grupos que, de forma recorrente, seguem padrões e nos permitem fazer algumas reflexões acerca da forma como as pessoas aplicam suas energias. Theory of Human Motivation é o título do estudo divulgado no ano de 1943 pelo psicólogo americano Abraham Maslow, em que ele busca empreender a tarefa de descrever as etapas do crescimento humano e suas motivações. A forma clássica em que o resultado desse trabalho é apresentado é uma pirâmide com as maiores e mais fundamentais necessidades na parte de baixo da figura. São as necessidades fisiológicas como respiração, alimentação, sono, homeostase e excreção. São literalmente requisitos para a sobrevivência. A segunda camada da pirâmide é formada pelas necessidades de segurança, como segurança do próprio corpo, do emprego e da situação financeira, segurança da família e da propriedade. Estando as necessidades da segunda camada da pirâmide satisfeitas, são as necessidades sociais no terceiro nível da figura que entram em pauta. São relações como amizades, relações familiares e de intimidade. São as necessidades de pertencer e ser aceito, seja em grandes grupos, como no trabalho, em grupos de amigos, em clubes, seja em pequenas conexões sociais. As duas camadas no topo da pirâmide são, em ordem ascendente, estima e realização pessoal. São necessidades que envolvem autoestima e respeito, o desejo de ser aceito e valorizado pelos outros, o reconhecimento e a sensação de que contribui para algo, que deixa algo para a posteridade. No topo, é a vontade de realizar plenamente seu potencial. É possível, e mesmo provável, que a hierarquia das necessidades das pessoas tenha formatos diferentes, como as pirâmides etárias dos diversos países, sendo algumas necessidades mais ou menos importantes para alguns do que para a média das pessoas. Mas é possível tomar como base que o indivíduo médio deve organizar suas vontades de forma razoavelmente parecida como a proposta pelo estudo do psicólogo americano. Imaginemos também que, na maioria dos casos, as pessoas somente passem a se preocupar com as necessidades de um nível superior da escala, no caso de ter os níveis inferiores suficientemente atendidos. Também é de se presumir que unidades marginais de níveis já suficientemente 4

5 atendidos sejam praticamente negligenciadas. Dessa forma, então, façamos o esforço de tentar analisar as escolhas feitas por determinados grupos hipotéticos: a massa de trabalhadores chineses que negligencia condições laborais e cuidados ambientais em troca de ganhos materiais, e os alemães eleitores do partido verde que pedem o fechamento de usinas nucleares e a adoção de fontes de energia limpa. O primeiro grupo estaria recém satisfazendo as necessidades da segunda camada da pirâmide, e, ainda de forma precária, se preocupando com sua estabilidade no emprego e a segurança financeira no médio prazo o que os torna praticamente cegos a qualquer coisa mais alta na hierarquia das necessidades. Os indivíduos do segundo grupo, tendo atendidas satisfatoriamente suas necessidades até o quarto degrau da pirâmide, agora se sentem tentados a empreender seus esforços e dirigir seus recursos para causas nobres e altruístas, sentir que fazem algo certo e que contribuem para algum objetivo mais elevado. O tratamento que o segundo grupo daria ao problema comumente seria culpar a ignorância do primeiro grupo, pelo fato de ele não ver algo certo e bom como eles julgam ser o objetivo do seu grupo. O fato de os dois grupos estarem em estágios diferentes dessa escada do crescimento humano e de motivação faz com que eles valorizem de formas diferentes as escolhas que se apresentam. Quando fazemos uma ligação entre a hierarquia das necessidades e o indivíduo racional que pensa na margem, na unidade incremental de um bem, temos que, para o segundo grupo, a unidade incremental de bem-estar material que o primeiro grupo busca vale perto de nada, por ele já ter essa necessidade satisfeita. A unidade incremental de bem-estar ambiental, por assim dizer, que o segundo grupo busca pode ter um alto valor para esse grupo e ter um valor irrelevante para o outro. Se, nesse caso, houvesse uma decisão política em que o direcionamento de recursos fosse decidido para todos os dois grupos, impossibilitando uma escolha individual, haveria muito certamente uma transferência de bem-estar de um dos grupos para o outro uma injustiça. 5

6 Nada é de graça O pensamento do grande público no tocante à preservação ambiental falha ao não levar em conta que, para toda escolha feita por um indivíduo, existem custos de oportunidade. Para uma dada decisão, existe sempre um preço expresso em termos de outras opções possíveis que deixam de acontecer. Como diz o ditado, não se pode ter o bolo e comer o bolo. É o fundamento que norteia o estudo de economia, em que os recursos produtivos são limitados, e as vontades humanas, virtualmente intermináveis o princípio da escassez. Não podemos ter tudo o que queremos na quantidade que gostaríamos; portanto, somos obrigados a fazer escolhas dentre as alternativas disponíveis. Racionalmente, direcionamos nossos esforços e recursos para os fins que mais valorizamos. Se refletirmos, por exemplo, sobre a questão da reserva legal a ser preservada por lei no Brasil, vemos como é interessante a avaliação sob o ponto de vista da escassez. Segundo o Código Florestal, os proprietários são obrigados a reservar uma parte de seu domínio para que a vegetação natural siga intocada, podendo essa fração variar, de acordo com o bioma em questão, entre 20% e 80% da área de terra (não incluídas aí outras áreas também de preservação obrigatória). Como hipótese para o nosso estudo, vamos imaginar que, por vontade do povo, sejam aumentados os percentuais anteriormente citados para entre 40% e 100% de área de preservação, dependendo do bioma. Se, para todos os efeitos, imaginarmos que a hipotética nova lei fosse cumprida à risca, o que poderíamos deduzir que ocorreria como efeito dessa medida? Que aumentariam as áreas preservadas, melhorando os biomas, a fauna e a flora, a qualidade do ar e outros elementos ambientais, evidentemente. E a maioria das pessoas pararia sua análise por aí e não teria dificuldade de julgar como positiva a medida tomada. Porém, se imaginarmos do que abrimos mão, esse julgamento não seria tão fácil. Pensemos nos diversos usos que eram dados a essas frações e que agora não mais ocorrerão, ou terão de ser realocados. No caso dessas atividades não mais poderem ser exercidas, não havendo outras áreas adequadas, diminui-se a oferta e há aumento de preço, por consequência. Podendo essas atividades ser deslocadas para outras regiões, certamente sua produtividade será inferior ou seus custos serão mais elevados, razão pela qual estavam instaladas na área de onde seriam removidas 6

7 pela nova medida. Ainda temos de considerar a questão do custo imposto ao proprietário, visto que ele deve adquirir 100% de uma área para desenvolver sua atividade em no máximo 60% da propriedade. Portanto, o custo das benesses anteriormente listadas é, muito certamente, vegetais menos frescos e mais caros, madeira em menor quantidade, pior qualidade e preço mais alto, carne menos farta e mais cara. Esse tipo de raciocínio se aplica de maneira irrestrita a qualquer de nossas escolhas, das mais simples às mais graves, e foi extraordinariamente tratado pelo brilhante economista e membro da assembleia francesa Frédéric Bastiat em seu ensaio Ce qu on voit et ce qu on ne voit pas, de Nele o autor demonstra como custos de oportunidade e consequências não antecipadas afetam a atividade econômica de maneiras não percebidas, ignoradas. Especialmente interessante é a breve passagem que ficou conhecida como A Parábola da Janela Quebrada, na qual é imaginado um cenário onde uma criança brincando quebra o vidro de uma loja. O responsável pela criança fica zangado com o prejuízo que terá, no que é consolado pelos passantes que assistem a cena e dizem que são acidentes como aquele que fazem a economia girar. Perguntam retoricamente: o que seria do vidraceiro se ninguém quebrasse janela alguma? Segue com a visita do profissional que conserta a janela a um custo de seis francos, dinheiro esse que será empregado na compra de recursos e ferramentas que movimentarão outros setores da economia, seguindo uma cadeia interminável. Concluir-se-ia que quebrar janelas é positivo, pois incentiva a circulação de dinheiro e a economia como um todo. Bastiat então aponta que o fato que não se vê nesse caso é como o responsável pela criança que quebrou a janela utilizaria seus seis francos se ele não incorresse nessa despesa inesperada. Ele talvez comprasse novos sapatos ou livros. Ele colocaria seus recursos para outros usos, mas movimentaria da mesma forma a economia. O autor calcula então que o resultado para a indústria é de empate nos dois cenários em que seis francos movimentam a indústria do vidro ou de outro bem. Já do ponto de vista da pessoa que dispende os seis francos, em um cenário ele desfrutaria de um calçado novo, além de uma janela; no outro, tendo ele que substituir a janela quebrada, só teria esse bem. Depreende-se que haveria um prejuízo com a destruição indesejada. 7

8 Pense na situação em que uma fábrica é obrigada a adotar um sistema de redução das suas emissões de gases. Os recursos investidos por essa empresa para esse fim necessariamente são recursos que não estarão disponíveis para outras aplicações, como pesquisa e desenvolvimento de produtos ou investimento em uma nova máquina. É necessário apurar o resultado econômico levando em conta as oportunidades de que se abre mão ao tomar uma dada decisão. Existe uma curva de possibilidades de produção com infinitas formas de alocação dos recursos disponíveis, mas sempre que nos movimentamos sobre essa fronteira recebemos algo em detrimento de outras coisas. Mesmo quando não fazemos nada, o que é defendido por alguns grupos que dizem que se deve consumir menos e viver de forma mais simples, abrimos mão do que poderíamos estar fazendo. A importância de incentivar adequadamente Outra questão a considerar é como a decisão é tomada. Se conseguíssemos ver, mesmo que muito imprecisamente, os benefícios e os custos que dada medida traz, poderíamos tomar uma decisão sobre se é do nosso interesse seguir esse caminho. Mas veja como os custos da aplicação da medida que discutimos no parágrafo anterior se distribuem de forma muito díspar. Por um lado, o proprietário que teve seu direito diminuído e perderá a possibilidade de empreender como anteriormente fazia arcará com custos maiores. Ele terá mais capital imobilizado na forma de terras proporcionalmente à sua produção e terá sua produtividade diminuída por ter de usar recursos menos produtivos, como terras menos férteis e mais distantes. Além disso, ele também terá de arcar com os preços mais altos dos produtos, que terão oferta menor e custo de produção mais alto. Por outro lado, o não proprietário arcará somente com os últimos custos mencionados. Fica claro então que a avaliação que cada grupo fará sobre a medida diferirá grandemente. Essa diferença tão marcante entre o grupo que paga a conta e o grupo que se beneficia do resultado cria incentivos poderosos que trabalham de forma contraproducente e que se realimentam. Assim, aumenta-se a disparidade, e o resultado econômico alcançado afasta-se, de forma sempre crescente, daquilo que seria normalmente demandado pelos indivíduos se arcassem cada um com o custo 8

9 de suas decisões. O grupo de proprietários que perdem com a implementação da medida tenderá a dirigir mais recursos para a arena política, de modo a diminuir seus prejuízos ou prevenir que eles sejam aumentados; tenderá ainda a buscar outra atividade em que estejam ausentes as inseguranças e a baixa margem econômica, tudo isso levando, portanto, a uma diminuição da oferta que antes havia. Como consequência de não arcar com os custos da medida, o grupo não proprietário tende a demandar demasiadamente esse bem, justamente pelo fato de perceber os benefícios que auferirá sem contrapartida. Chegar-se-ia então a uma quantidade demandada muito acima do que ocorreria naturalmente se a decisão fosse tomada individualmente, ao invés de coletivamente. É justamente nesse ponto que fazemos nossa crítica: se a questão ambiental não é intrinsicamente positiva, mas sim uma avaliação individual, esses incentivos distorcidos fazem com que as pessoas não situem corretamente o problema dentro de sua escala de valores. Se a pessoa decide algo sem custo, sem abrir mão de outra possibilidade de escolha, isso não reflete sua ordem de preferências. Se pudéssemos levar a vida dessa forma, é claro que todos escolheriam tudo. O que impede, nesse cenário, que se atinja esse extremo é o fato de haver um grupo que paga pelas escolhas do outro e que já está com as costas na parede. Não há mérito em fazer algo que se considera bom ou moral sem abrir mão de nada. Exemplo interessante a ser analisado sobre a questão da importância dos incentivos é o problema da eficiência no uso de recursos. O que vemos normalmente sendo advogado na mídia é que a utilização mais eficiente de um recurso seria um atributo verde, por assim dizer, que colaboraria com o objetivo de diminuição do consumo. Isso é particularmente claro no caso de automóveis e eletroeletrônicos, que são avaliados pelos consumidores nesse quesito e devem seguir normas de desempenho próprias. Entretanto, um postulado econômico formulado inicialmente por William Stanley Jevons em seu livro The Coal Question, de 1865, estabelece que ganhos de eficiência, dependendo da elasticidade da demanda, tendem a resultar em aumento no uso do recurso. Naquela época, muitos na Inglaterra se preocupavam com a diminuição rápida dos estoques de carvão e argumentavam que melhorias de eficiência no uso do recurso ajudariam a diminuir esse ritmo. Jevons observou que, ao introduzir tecnologias que incorporavam esse 9

10 aspecto, o contrário acontecia. A despeito de ser necessário menos carvão para ser feita a mesma quantidade de trabalho, essa quantidade aumentava mais do que proporcionalmente, fazendo com que não se atingisse o objetivo do ganho de eficiência. Para entendermos essa ideia contraintuitiva, devemos olhar como os ganhos obtidos pela nova tecnologia incentivam os agentes a utilizar seus recursos. Imaginemos, por exemplo, uma tecelagem que usa mão de obra para desenvolver uma determinada atividade em que o custo do trabalho por unidade de produto é de cinco centavos. Nesse cenário, pensemos que o custo do mesmo trabalho feito à máquina movida a carvão fosse de seis centavos por unidade de produto, e diminuísse para quatro centavos com a introdução da nova tecnologia. Cria-se um incentivo econômico para que o empreendedor aja no sentido de substituir seus trabalhadores por máquinas nessa atividade, reduzindo assim em 20% o seu custo nessa rubrica. Existiriam também os casos em que já se utilizavam máquinas, mas nos quais, com o ganho de eficiência, os produtos seriam barateados, aumentando a demanda, por tabela, e fazendo a oferta correr para acompanhar esse movimento. De toda a forma, o que se percebeu com o paradoxo de Jevons é que, independentemente do intentado com a introdução da tecnologia, o resultado é influenciado de forma decisiva pelos incentivos econômicos que fazem os indivíduos agir. A forma inteligente de trabalhar, nesse caso, é verificar como é possível criarmos incentivos que guiem as pessoas a agirem no mercado de maneira a buscarem seus resultados colaborando para um desfecho positivo, mesmo que involuntariamente. Um modo muito eficiente de se alcançar esse objetivo é criarmos um sistema de atribuição e manutenção dos direitos de propriedade que ofereça segurança e responsabilidade aos agentes. Em um capítulo bastante curto de seu livro The Machinery of Freedom, David Friedmann toca com bastante clareza nesse ponto. O autor afirma que o problema da poluição existe justamente por certas coisas não serem propriedade de ninguém, e que, por isso, as pessoas se sentem livres para disporem indevidamente delas. Diz ele que, quando a poluição ocorre em algo sobre o qual há direitos de propriedade atribuídos a alguma parte, esta não permitiria sua ocorrência, a não ser que houvesse compensação mais do que satisfatória. Se o próprio poluidor fosse o detentor da propriedade, ele somente 10

11 exerceria seu direito de poluir se o custo de evitar a poluição fosse maior do que o dano que ela causa. O autor explica que a ideia se aplica da mesma forma ao modo como as pessoas em geral tratam o descarte de seu lixo, pagando para descartá-lo em outro local ao invés de fazê-lo em seus quintais. Nesse sentido, vemos que, havendo direitos de propriedade claramente atribuídos e assegurados, a poluição e o descarte só ocorreriam quando o custo de evitar sua ocorrência fosse mais alto do que o dano causado e quando existirem incentivos para que as pessoas procurem a maneira menos prejudicial de fazê-lo, assim incorrendo no menor custo. Outro autor que segue na mesma linha é Walter Block, em seu livro Defending the Undefendable. Em determinado capítulo, ele distingue o lixo descartado em ambientes privados do lixo depositado em lugares públicos. Afirma que, no mercado, a decisão sobre se e quando o lixo é produzido e descartado se baseia principalmente na necessidade dos consumidores, sendo um sistema flexível, que desenvolve políticas específicas para cada situação. Exemplos seriam estádios e cinemas, onde o descarte de lixo dentro do ambiente é aceito pelos proprietários porque entendem que essa é uma necessidade de seu cliente; oferece-se a facilidade de descarte para limpeza posterior como parte do serviço. Exemplos no outro lado do espectro das políticas para com o lixo seriam hospitais e cozinhas de restaurantes, onde a rigidez com a limpeza é tida como atributo essencial e é assim tratada pelos proprietários, sob pena de perda de clientes e das consequências decorrentes. Essa dinâmica só não tem lugar no domínio público, no qual, não havendo fins lucrativos, as demandas das pessoas são tratadas com restrições, ameaças de sanções e banimento. Quando pensamos na produção de resíduos residenciais no País, vemos que os incentivos trabalham no sentido contrário ao que gostaríamos quando pensamos em bem-estar ambiental. Sendo o público atendido necessariamente por empresas, por via de regra públicas, que detêm o monopólio de exploração dos serviços em determinada região, o consumidor paga o mesmo preço independentemente do tipo de resíduo gerado variando em poucos casos o valor em função da quantidade gerada. Assim, o cliente que faz a triagem do seu lixo, que se policia para produzir menos resíduos e que se preocupa com o descarte adequado recebe o mesmo tratamento e normalmente incorre na mesma despesa com a coleta e o descarte que 11

12 aqueles clientes que não agem da mesma forma. É, claramente, um grande desincentivo ao comportamento que se gostaria de ver nessas situações. Uma situação com a qual podemos traçar um paralelo é a forma como a construção civil trata seus descartes. Em um primeiro momento, vemos que a busca por resultados econômicos leva à entrada de diversos agentes no mercado; a concorrência que daí resulta leva à busca por tecnologias que usem mais eficientemente os recursos e gerem menos resíduos. Estes últimos são despesas do processo de construção, pois, além de não serem mais úteis no processo em que seriam empregados, devem ser descartados, e as empresas pagam tanto pelo transporte quanto pelo destino final dos materiais. Quem recebe esses resíduos tem espaço limitado, uma vizinhança a respeitar; quantifica também a utilidade do espaço para outros usos, quando não for mais possível acondicionar resíduos na área. Todos esses componentes fazem parte do custo que o recebedor cobra do descartador. Dessa forma, os incentivos são para que o primeiro receba o lixo menos danoso e mais fácil de acondicionar ou recondicionar, e para que o segundo produza menor quantidade e resíduos menos danosos, bem triados e reaproveitáveis. É fácil perceber, então, que, na medida em que aumentamos a esfera na qual funcionam os direitos de propriedade privada bem atribuídos e respeitados, e na qual se permite que as trocas voluntárias ocorram livremente, a sociedade sai ganhando. Mão invisível e conclusão Adam Smith, em seu livro An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations, de 1776, afirma, em uma passagem célebre, que cada indivíduo está continuamente procurando a maneira mais vantajosa de empregar o capital de que dispõe. Mais vantajosa para si, isto é. Porém, para tanto, ele é levado a empregar seu capital necessariamente no uso mais valorizado e vantajoso para toda a sociedade. Ele busca sua própria satisfação, mas, como que conduzido por uma mão invisível, ele promove um fim que não era diretamente sua intenção. Ao estudar o que o autor escreveu, vemos que a busca por lucro, o incentivo criado às pessoas para buscar a satisfação individual, faz com que os objetivos mais valorizados pela sociedade sejam perseguidos. Nesse sentido, em um mundo no qual as 12

13 necessidades mais básicas estão cada vez mais plenamente satisfeitas e as pessoas passam a almejar fins mais nobres e altruístas, como um mundo melhor, sustentável e verde, cria-se o cenário perfeito para que indivíduos egoístas na sua busca privada por satisfação ofereçam soluções para essas vontades. A busca por lucro é o motor mais poderoso que dirige a atividade humana para as atividades mais valiosas para a sociedade. É o incentivo mais eficaz para comandar os esforços dos indivíduos para as necessidades mais bem ranqueadas na escala de preferência das pessoas. É fundamental, então, que nós permitamos que essas relações se desenvolvam o mais plenamente possível, sem amarras e entraves, e com os menores custos de transação e informação. Isso se dá por meio do capitalismo em sua acepção mais pura: um sistema de trocas voluntárias e propriedade privada. Devemos limitar a participação do Estado e a tomada de decisões políticas a questões muito pontuais e sempre da forma mais descentralizada possível, de modo a evitar alocações ineficientes de recursos e transferências injustas de bem-estar. O Brasil é um país de enormes potencialidades e grandiosos recursos naturais, no qual o apelo verde também é superlativo. Mas é preciso compreender que pessoas valorizam as possibilidades de modos diferentes, que esse julgamento é individual e que essa escolha deve ser feita voluntariamente. Quem deseja se beneficiar de algo deve pagar por isso. Utilizando uma expressão estrangeira talvez mal traduzida, deve-se colocar seu dinheiro onde está seu discurso (1). 13

14 (1) Expressão em inglês: To put your money where your mouth is. Referências BASTIAT, F. Selected Essays on Political Economy. 6. ed. Estados Unidos: Foundation for Economic Education, BLOCK, W. Defendendo o Indefensável. 2. ed. São Paul: Instituto Ludwig von Mises Brasil, FRIEDMAN, D. The Machinery of Freedom: Guide to a Radical Capitalism. 2. ed. Estados Unidos: Open Court Publishing Company, FRIEDMAN, M. Free to Choose: A personal statement. Estados Unidos: Harcourt, PAUL, R. Liberty Defined: 50 essential issues that affect our freedom. Estados Unidos: Grand Central Publishing,

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos A característica que define uma empresa

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE!

PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE! PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE! ENFOQUE De acordo com o dia mundial sem compras, 27 de novembro de 2012, criamos o PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE!. Trata-se de uma Campanha que tem

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE A contabilidade é uma ciência de caráter essencialmente prático. Ao longo dos anos, diversos critérios foram desenvolvidos, diversas opções foram efetuadas, numa tentativa de

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance. Pedro Pita Barros

Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance. Pedro Pita Barros Modelos de gestão: eficiência, acessibilidade e clinical governance Pedro Pita Barros Agenda Introdução Desafios à gestão hospitalar Um aspecto concreto: acordos de partilha de risco com a indústria farmacêutica

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano:

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano: Plano de Negocio 1 Um plano de negócios bem estruturado é fundamental para o sucesso do novo empreendimento. Muitos empreendedores fracassam por não terem feito com a devida atenção a lição de casa. O

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

www.verriveritatis.com.br

www.verriveritatis.com.br INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL EM PROJETOS Por quê? Esta é uma pergunta com um infinito número de respostas, dependendo do contexto. Quando um membro da Equipe pergunta por que um determinado desafio corporativo

Leia mais

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Departamento de Produção

Departamento de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Produção Administração e Finanças para Engenharia Alunos: Adão Gonzaga de Castro Danilo Braz da Silva Wemerson Dias Júnior Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público RIO DE JANEIRO 2015 Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público APL DE DADOS Resumo Esta é uma contribuição do ITS ao debate público sobre o anteprojeto

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1

Saúde Suplementar. Adriana Costa dos Santos 1 Saúde Suplementar 13 Adriana Costa dos Santos 1 As leis sempre retratam ou pelo menos, buscam retratar a realidade da sociedade. Assistimos a muitas alterações legislativas, ao longo dos anos, buscando,

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Questionário Linha de Base: Educadores Estado: Cidade: Nome Pesquisador: Sala N : Professor N : [Estes dados devem ser preenchidos pelo pesquisador] Boas vindas Caro(a) Educador(a): O objetivo deste questionário

Leia mais

MEGAINVEST. Código de Ética

MEGAINVEST. Código de Ética Código de Ética Sumário - Do Código de Ética - Filosofia Corporativa - Valores - Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas Relacionadas - Exceções ao Código, Sanções e Punições Acreditamos que, no

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais