PROCESSO FORMATIVO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE NO PIBID: UMA CONTRIBUIÇÃO À FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO FORMATIVO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE NO PIBID: UMA CONTRIBUIÇÃO À FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL"

Transcrição

1 PROCESSO FORMATIVO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE NO PIBID: UMA CONTRIBUIÇÃO À FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Roniel Santos Figueiredo; Marcos Lopes de Souza; Jonathan Barros Silva; Beatriz Pires Silva Resumo: A escola atual está inserida em um contexto no qual a sexualidade e gênero são constantemente postos em xeque e, em resposta a isso, o ambiente escolar, mesmo que de maneira pontual e com relutância, tenta lidar com a temática que aflora dos meios sociais. Diante destas questões torna-se imprescindível que nos espaços de formação docente sejam abordadas questões relacionadas à sexualidade. Neste ínterim desenvolveu-se uma parceria entre o Núcleo de Estudos sobre Diversidade de Gênero e Sexual da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB com o Subprojeto Biologia do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID, no campus de Jequié-BA, com o objetivo de instruir os discentes de licenciatura bolsistas do Subprojeto para que sejam difusores de uma educação pluralista e acolhedora das diversidades de gêneros e sexuais. Nos encontros formativos foram trabalhados temas como intersexualidade, gênero, feminilidades e masculinidades, universo trans, diversidade sexual, relacionamentos afetivos e sexuais e saúde sexual: riscos e vulnerabilidades. Para a abordagem destas questões foram utilizadas metodologias diversificadas: discussões de textos, análises de curtas e longas metragens, aulas expositivas dialogadas e dinâmicas. Os momentos de discussões e reflexões problematizaram situações cotidianas em que se explicitam atitudes preconceituosas, nas quais indivíduos vivenciam a marginalização imposta por uma sociedade altamente normatizadora. Além disso, tem possibilitado à re-significação do papel do professor como profissional importante na formação escolar, incluindo aspectos sociais e culturais. Após o processo formativo é possível concluir que é necessário a contemplação da temática abordada pelos cursos de graduação para que os futuros professores possam abordar com maior segurança e de forma a incluir a diversidade sexual na escola. Após o curso os participantes se reconhecem mais aptos a trabalharem com a temática de uma forma que não seja estritamente biológica, acolhendo as diversas possibilidades de vivência da sexualidade. Palavras-chaves: Formação de professores, gênero e sexualidades. INTRODUÇÃO A escola é um lugar de evidente separação de sujeitos, usando de diversos critérios e hierarquizações para tal por meio da delimitação de espaços claros e afirmando de forma explícita o que cada pessoa pode ou não fazer. Apesar dessa evidente separação, se faz necessário um olhar atento para perceber as pequenas e

2 2 grandes segregações que ocorrem nesse lugar de construção de saberes e modelos, pois estamos tão envolvidos nesse processo que pouco conseguimos visualizar a sua amplitude, pois em nós foram construídas identidades escolarizadas, modeladas em todo nosso processo de aprendizagem estudantil (LOURO, 1998). As sexualidades também são ensinadas nos espaços educativos, os quais criam padrões e perfis hegemônicos. A nossa cultura e, por conseguinte, a escola define a heterossexualidade como norma, com suas manifestações também padronizadas; para o masculino tem-se o rapaz viril, exalando testosterona em suas atitudes másculas e para o feminino a menina meiga, dócil e submissa ao masculino. Quem não se enquadra nesse modelo é excluído, sofrendo processos discriminatórios contínuos. Gesser e col. (2012) percebem a escola como o local em que também se manifestam violência e exclusão às pessoas que não pertencem à sexualidade hegemônica. Diante das inúmeras questões presentes no espaço escolar no que tange às sexualidades, é relevante um processo formativo de professores que contemple essa temática. No entanto, Costa e col.(2008) apontam que os professores, em maioria, não estão preparados para trabalhar a sexualidade numa perspectiva mais aberta e dialógica, buscando formas de fuga para não serem confrontados com a temática, pondo em xeque a própria sexualidade docente, pois ao abordar o tema com uma visão mais ampla e acolhedora das minorias, é questionado se esse/essa professor/professora não está na defesa por também fazer parte do grupo abordado (LOURO, 1998). Reconhecendo a importância da abordagem da sexualidade na formação de professores, este artigo se debruçou em apresentar e analisar um processo formativo envolvendo a temática diversidade de gênero e sexual com um grupo de licenciandos, duas docentes da educação básica e uma docente universitária participantes do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), subprojeto Biologia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, campus de Jequié-BA. O Pibid foi instituído a partir da Portaria Normativa nº 38, de 12 de dezembro de 2007 por meio da ação conjunta do Ministério da Educação (MEC), da Secretaria de Educação Superior (SES), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e com o propósito de fomentar a iniciação à docência de estudantes em nível superior, em cursos de licenciatura presencial plena, para atuar na educação básica pública por meio de um processo formativo contínuo, desenvolvendo atividades didático-pedagógicas

3 3 inseridas no contexto das escolas públicas desde o início da formação acadêmica, sob orientação de um docente da universidade e outro da escola de educação básica (BRASIL, 2007; CAPES, 2014). A ação formativa aqui em análise foi coordenada pelo segundo autor deste artigo e também coordenador do Núcleo de Estudos em Diversidade de Gênero e Sexual da UESB, com o intuito de instruir os docentes em formação para que sejam difusores de uma educação pluralista e acolhedora das diferenças, em especial aquelas envoltas com as questões de gênero e sexualidade. BREVE REVISÃO TEÓRICA A sexualidade e gênero são construções contínuas que se formam ao longo da vida do indivíduo, para tanto há influências de diversos meios formativos, desde os espaços de convivências socioculturais até a disseminação midiática, que ditam a forma pela qual as sexualidades e gêneros são expressos e entendidos. Dessa maneira, a percepção de corpo perpassa por uma soma de fatores sociais e culturais que idealiza o perfeito aquele tido como padrão - deslegitimando todas as outras formas de vivências sexuais e de gênero, que são tidas como secundárias e não naturais, abrindo espaço para as diversas discriminações (LOURO, 1998; ANDRADE, 2012). A escola não é um ambiente alheio à realidade social contemporânea, apresentando situações vivenciadas cotidianamente nos espaços socioculturais. Dessa forma, há vários fatores interferindo no trabalho pedagógico, dentre eles, os valores e atitudes dos docentes. Portanto, geralmente, os educadores optam por não problematizar determinados conhecimentos por não perceberem como necessários e legítimos, muitas vezes, os percebendo como pecaminosos. Esse é o contexto no qual a sexualidade é ensinada para meninos e meninas na educação básica. Havendo, desse modo, uma abordagem estritamente biológica, reprodutiva e preventiva, que não discute todas as possibilidades existentes e que fogem ao padrão do livro didático. Alvarenga e Dal igna (2012) elucidam sobre esse papel do professor na formação de vida dos discentes: Nós, professores, estamos comprometidos diretamente com a (de) formação dos corpos dos estudantes. Portanto não somos meros observadores. As suas identidades não estão prontas, nem nunca estarão. Participamos desse processo de (des)construção das identidades, como o que falamos, ensinamos (com nossa presença) e também com o que silenciamos (por nossa ausência) (ALVARENGA; DAL IGNA, 2012, p. 560).

4 4 Apesar desse papel importante que o professor tem na formação dos alunos, o educador ainda é visto e se faz como um ser assexuado, não cabendo nenhuma forma de manifestação sexual em seu labor, apesar de que o [...] debate sobre as identidades e as práticas sexuais tem se tornado, nas últimas décadas, muito mais aberto e acalorado. como percebe Louro (2012, p. 93). Entretanto, ainda não se tem esta abertura para discussão nas escolas e universidades. Estudos apontam que a formação inicial docente não é eficaz no que se refere às discussões de gênero e sexualidade, se restringindo apenas a estudos anatômicos e fisiológicos na maioria das vezes, não havendo um estudo que contemple as diversas vertentes sociais e culturais que existem (ALVARENGA; DAL IGNA, 2012). Há uma reiteração da heterossexualidade como norma, além do enquadramento das feminilidades e masculinidades. Os indivíduos que escapam dos modelos são vistos como anormais, ocupando o espaço de abjetos, o lugar da margem. O abjeto designa aqui precisamente aquelas zonas inóspitas e inábitáveis da vida social, que são, não obstante, densamente povoadas por aqueles que não gozam do status de sujeito, mas cujo habitar sob o signo do inabitável é necessário para que o domínio do sujeito seja circunscrito (BUTLER, 2000, p. 153). Esse contexto reafirma posições de ódio e fobia com diferentes formas de violência e violações, situações que poderiam ser minimizadas por uma educação acolhedora das diversidades. Apesar dos desafios a escola ainda é um lugar importante na discussão sobre as questões de corpo, gênero e sexualidade, afinal, é um espaço de construção de saberes e difusão dos mesmos (RIBEIRO; SOUZA, 2013). Havendo, portanto, a necessidade de um processo formativo inicial e continuado na busca de romper os estigmas docentes, para formar profissionais capacitados a difundir a educação para a sexualidade respaldada, inclusive, pelos documentos oficiais. METODOLOGIA

5 5 Este estudo se baseia em uma abordagem qualitativa, visto que se detêm sobre as ideias, sensações, dúvidas e questionamentos dos participantes, ou seja, com as subjetividades evidenciadas no trabalho (MINAYO, 1995). Como já relatado, o campo de estudo foi o Pibid Subprojeto de Biologia da UESB, campus de Jequié-BA. Os participantes foram os doze licenciandos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da UESB, campus de Jequié; uma professora formadora e coordenadora do subprojeto e duas professoras de duas escolas estaduais distintas da referida cidade. Os trabalhos foram coordenados pelo segundo autor deste trabalho e pesquisador nas temáticas de diversidade de gênero e sexual. Os encontros formativos para o desenvolvimento da proposta de diálogo sobre diversidade de gênero e sexual ocorreram no período de maio a agosto de 2015, às sextas-feiras com carga horária de, aproximadamente, três horas por encontro. Foram realizados, ao total, oito encontros. Nesses momentos foram discutidos temas como: intersexualidade, gênero, feminilidades e masculinidades, universo trans, diversidade sexual, relacionamentos afetivos e sexuais, práticas sexuais, saúde sexual: riscos e vulnerabilidades. Para a abordagem destas questões foram utilizadas metodologias diversificadas: leituras e discussões de textos, análises de curtas e longas metragens e de reportagens, aulas expositivas dialogadas e dinâmicas. Os momentos de exposição foram breves, sendo utilizados, mormente, para a introdução de conceitos pertinentes, possibilitando maior espaço para discussões que de modo gradativo possibilitassem o revisitar de conceitos e opiniões e o reconhecimento de valores culturais que interferem nas compreensões sobre gênero e sexualidades. Apesar de ser uma temática considerada desestabilizadora, pela falta de discussão aberta nos meios sociais, os debates ocorreram de maneira dialógica sem coações e constrangimentos, em que as metodologias juntamente com a forma peculiar que o mediador teve em abordar a temática fomentaram momentos ricos de construção do conhecimento, sem imposições. O espaço também favoreceu o reconhecimento de situações pessoais em que a falta de informação possibilita manifestações preconceituosas contra aqueles que não estão nos padrões socioculturais. Durante o trabalho também se apontou a importância de se discutir sexualidade e gênero na formação docente, tendo em vista que os currículos das universidades, em sua maioria, não contemplam este tema como disciplina obrigatória, tornando-se, na

6 6 maioria das vezes, uma disciplina optativa que não difunde de forma mais ampla a discussão para a comunidade acadêmica. Para a construção e análise dos dados foram utilizados os escritos dos participantes desenvolvidos ao longo das intervenções e as anotações em diários feitas pelos dois primeiros autores deste referido texto, tendo como aporte teórico o trabalho de Silverman (2009). Para a apresentação dos resultados serão utilizadas as seguintes siglas: B (Bolsista); P (Professora Supervisora) e C (Coordenadora). DIALOGANDO COM PROFESSORES E LICENCIANDOS SOBRE SEXUALIDADE No início das ações, o grupo reconheceu os bloqueios em trabalhar com sexualidade em suas ações pedagógicas, pois, entre outras coisas, durante sua formação, não houve momentos de debates sobre a temática. A coordenadora do subprojeto disse que já havia tentado trabalhar com a temática, contudo, os bolsistas perceberam grande dificuldade em como é mostrado nas seguintes falas apresentadas no primeiro encontro: Lúcia - B: É algo complicado de ser abordado... Como eu não tinha muitos conhecimentos deixei com as meninas... abordei a questão biológica. Carla B: Os professores não estão preparados, eu mesmo nunca tive contato, nem na escola, nem na universidade. Por falta dessa formação adequada, os professores, muitas vezes, podem reafirmar preconceitos e situações discriminatórias o que favorece a disseminação de um ensino cada vez mais normatizador. Por isso a necessidade de espaços formativos outros, porquanto, [...] a formação e capacitação continuada dos professores pode ser um dos elementos que assegurem a mobilidade que a educação representa na vida dos sujeitos (CASSAL; ZUCCO, 2010, p. 22). No primeiro encontro foi exibido o curta-metragem Vestido Novo e, posteriormente, foram discutidas questões de gênero e as marcas que os objetos de uso cotidiano carregam e como são tratadas as pessoas que assumem identificações de gênero que escapam das normatizações. Percebeu-se por intermédios de relatos de experiências pessoais o quanto isso afeta a vida social daquele que não está no padrão

7 7 hegemônico, como uma bolsista que relatou usar, na adolescência, as roupas do pai e que foi discriminada e subjugada pelas pessoas mais próximas: Fernanda B [...] Colegas se afastaram de mim pelo modo que eu me vestia. Ainda neste encontro era perceptível os contrastes de gerações em relação ao tratamento da temática. A coordenadora e as professoras supervisoras relataram o quanto sua educação familiar foi um processo altamente conservador, em que não havia liberdade para expressão da sexualidade, inclusive pelo fato de serem mulheres, além do que o prazer considerado pecado, atrelando ao ato sexual apenas um valor reprodutivo. (COSTA, 1997) No encontro seguinte foi trabalhado o texto de Guacira Lopes Louro: Currículo, gênero e sexualidade o normal, o diferente e o excêntrico (LOURO, 2013), embasando a discussão sobre as posições sociais dos sujeitos e o papel que a sexualidade ocupava nesse contexto de espaços tão bem definidos e fechados. Conforme a discussão se intensificava, inclusive em termos de ampliação dos conhecimentos específicos sobre sexualidade, os participantes iam reconhecendo o quanto a escola ainda é um ambiente altamente normalizador apesar de trabalhar com a diversidade de pessoas que carregam histórias e marcas individuais, além de ser evidenciado o quanto os conceitos ainda eram confusos e as opiniões ainda passavam pela possibilidade das identificações sexuais como opção ou essência intrínseca. Amanda - P: Eu percebo que o professor tem que dar conta de uma sala extremamente heterogênea e ele tem que estar preparado para isso. João B: Eu tinha um amigo que todo mundo dizia que ele era gay, mas ele até namorou com uma amiga minha, mas depois de um tempo... não sei se virou... Ele se tornou homossexual. O novo assusta. A gente precisa se aceitar. Bruno B: Acho que isso devia ser trabalhado desde a infância, mas não somente a parte biológica, aí hoje seria algo que poderia ser falado de forma natural. Buscando apresentar outras possibilidades de sexualidade foi apresentado, em outro dia, o longa-metragem XXY e, em seguida da discussão do vídeo, foi problematizado o papel da Biologia nessa forma de expressão sexual.

8 8 Júlio - B: Queremos conhecer a causa para evitar que outros nasçam intersex. Amanda P: Seria uma forma de explicar. Essas ideias contribuem para acentuar uma visão extremamente médica e corretiva, pois a intersexualidade é vista como aberração, erro, antinatural. Ou seja, a intersexualidade é invisibilizada, vista como abjeta e estigmatizada, já que questiona a diferença e dicotomia sexual. Como relatado por Pino (2007, p. 153), os intersex: [...] são corpos que deslizam nas representações do que se considera como verdadeiramente humano, situando-se nos interstícios entre o que é normal e o que é patológico. No quarto encontro foi trabalhado a transexualidade e travestilidade por meio da leitura do capítulo do livro de João Nery Tentando ser mulher (NERY, 2011) e foi apresentada a entrevista dele no Programa do Jô na Rede Globo. Após debates notou-se que o conceito do masculino e feminino estava sendo desvinculado essencialmente dos órgãos genitais e foi reconhecido também o quanto havia pessoas que rompiam o padrão sendo corajosas, pois, na maioria das vezes, são histórias marcadas por rejeições, repressões e dores. Alguns questionamentos também foram levantados sobre as certezas em ser transexual e foi percebido que a sexualidade não é estática e não cabendo dessa forma certezas, ou pensamentos fixos, mas que se produz de maneira fluída repleta de relações de saber e poder. Diana C: Percebo uma coragem imensa na atitude dele. João B: Como uma pessoa tem certeza que quer ser trans? Luiza B: Não é o pênis que faz o homem, e não é a vagina que faz a mulher. Em outro encontro foi assistido o curta-metragem Hoje eu não quero voltar sozinho em que foram discutidas as possibilidades de sexualidade de pessoas com deficiências. Geralmente essas pessoas são tidas como sem sexualidade como se não pudessem sentir desejos ou concretizá-los pelas suas deficiências físicas ou mentais. Amanda- P: Seria uma história comum do dia-a-dia, mais normal, mas Léo (personagem do curta) sendo cego é algo mais perturbador. No sexto encontro foram trabalhadas as múltiplas possibilidades de relacionamentos, atrelando ao conceito social de virgindade e sua relação com os

9 9 gêneros, mostrando que apesar do público atendido pelo processo formativo ser jovem, em sua maioria, tem conceitos e posições, em alguns momentos, normativas. Lúcio B: Mulher classifica o homem de ficar e o homem de namorar. Sérgio B: O homem pode pegar quem ele quiser. As bolsistas ressaltaram, especialmente, que ainda há um controle do desejo e da vivência sexual das mulheres, diferente dos homens. Entretanto, as garotas também separam os homens para um relacionamento estável e para ficar. Apesar de algumas ideias tradicionais, alguns bolsistas apresentavam ideias diferentes sobre as formas de vivências das relações, percebendo a monogamia como algo imposto culturalmente e que poderia ser driblado desde que fosse da vontade de todos os envolvidos. Lúcia B: Eu não vejo nenhum problema no casamento aberto, não vejo mal nenhum, quando é consensual. No sétimo encontro foi trabalhado o tema Gravidez na Adolescência e neste, o mediador pediu que fossem escritas três palavras que viessem à mente quando se pensa nessa temática. As duas palavras mais citadas (quatro citações) foram imaturidade e responsabilidade. Percebe-se que a gravidez na adolescência é vista como negativa, entendida como antecipação de algo que deve ocorrer em outro momento, sendo tida também como irresponsabilidade, que gera diversas consequências indesejadas. (HEILBORN, 2004). Com o intuito de problematizar tal situação foi discutido o texto de Gravidez na adolescência: interfaces entre gênero, sexualidade e reprodução de Maria Luiza Heilborn, no qual são apresentadas diversas situações nas quais adolescentes engravidam por desejo individual e que não percebem isso como um problema em sua formação humana. Ao final desse encontro mais uma vez foi citada pelos bolsistas a necessidade de ter uma disciplina específica em sua formação. João B: A gente não tem uma disciplina ou algo que nos mostre como discutir isso na escola. O último encontro teve como tema Práticas sexuais e saúde para a prevenção de DST s - AIDS. Desenvolveu-se uma atividade, na qual foram distribuídas algumas

10 10 placas com diversas práticas sexuais para que os participantes classificassem como nenhum, alto, médio ou baixo risco. Em linhas gerais, o grupo apresentava conhecimento sobre a transmissão do vírus HIV, contudo houve alguns problemas, por exemplo, achar que o beijo na boca pode transmitir a AIDS. Dessa forma, foram discutidas com pode-se vivenciar as práticas sexuais com menores riscos para a saúde sexual. Por fim, o processo formativo foi avaliado de forma positiva pelos participantes, que verbalizaram de forma enfática as contribuições dos encontros para suas jornadas pessoais e profissionais. Como exposto nos seguintes depoimentos: Diana - C: A gente consegue ter mais segurança para tratar a temática,[...] sem ser perverso. Amanda P: Gostei bastante, minha visão mudou bastante, até a forma de tratar o assunto no convívio, numa roda de amigos. João B: A gente já tem uma melhor segurança. Até porque, às vezes, a gente tem alguns preconceitos e se desfizeram. Hoje a gente já sabe diferenciar. Lúcia B: As temáticas foram conduzidas de forma positiva. Não há contradições, mas problematizações. Quando a gente for para o chão da escola, principalmente, para nos dar um norte, para implementarmos. Carlos B: Os temas foram provocativos. A gente começa a repensar e a refletir sobre certas coisas. Gostei bastante também. Luiza B: Leva a gente ter mais empatia, tinha coisas que eu pensava de uma forma e penso de outra. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com os resultados obtidos é possível concluir que existe a necessidade da contemplação da temática abordada pelos cursos de graduação para que os futuros professores possam abordar com maior segurança e de forma a incluir a diversidade sexual na escola, rompendo o ensino normatizador que marca a escola desde a sua concepção. Após o curso, os participantes se reconhecem mais aptos a trabalharem com a temática de uma forma que não seja estritamente biológica, acolhendo as possibilidades que existem e que podem ser experimentadas, sem um ensino punitivo. Alguns deles relataram que estavam modificando suas atitudes cotidianas, apesar do curso ter sido de

11 11 pequena duração quando se pensa nos inúmeros assuntos que podem ser discutidos e problematizados por via da temática sexualidade. REFERÊNCIAS ALVARENGA, L.F.C.; DAL IGNA, M.C. Corpo e sexualidade na escola: as possibilidades estão esgotadas? In: MEYER, D. E.E. et al. Saúde, sexualidade e gênero na educação de jovens. Porto Alegre: Mediação, 2012, p ANDRADE, S.S. Mídia, corpo e educação: a ditadura do corpo perfeito. In: MEYER, D. E.E. et al. Saúde, sexualidade e gênero na educação de jovens. Porto Alegre: Mediação, p BRASIL. Portaria Normativa nº 38, de 12 de dezembro de Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID. Diário Oficial da União, n. 239, seção 1, p. 39, BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo; In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p CAPES. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid> Acesso em: 20/07/2014. CASSAL, L.C.B.; ZUCCO, L.P. Diversidade sexual e gênero na escola: uma experiência de extensão no Rio de Janeiro. Revista Extensão em Foco, Curitiba, n.5, p , jan./jun., COSTA, A. P; MARÇAL, P. R. Sexualidade e relações de gênero: a formação docente em questão In: Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder, 2008, Florianópolis. COSTA, M. Sexualidade na adolescência: Dilemas e crescimentos. 9. Ed. L&PM, GESSER, M; OLTRAMARI, L.C; CORD, D.; NUERNBERG, A,H. Psicologia Escolar e formação continuada de professores em gênero e sexualidade. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP, v. 16, nº 2, p , jul./dez., de HEILBORN, M. L. Gravidez na adolescência: interfaces entre gênero, sexualidade e reprodução. In: UZIEL, A. P.; RIOS, L. F.; PARKER, R. (orgs.). Construções da

12 12 sexualidade: gênero, identidade e comportamento em tempos de AIDS. Rio de Janeiro: Pallas: Programa em Gênero e Sexualidade IMS/UERJ e ABIA, 2004, p LOURO, G.L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós- estruturalista. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, LOURO,G.L.Sexualidade: lições da escola. In: MEYER, D. E.E. et al. Saúde, sexualidade e gênero na educação de jovens. Porto Alegre:Mediação, 2012, p LOURO, G. L. Currículo, gênero e sexualidade o normal, o diferente e o excêntrico. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013, p MINAYO, M. C. S. (org). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 4 ed. Petrópolis: Vozes, NERY, J. W. Viagem solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo: Leya, PINO, Nádia Perez. A teoria queer e os intersex: experiências invisíveis de corpos des-feitos. Cadernos Paguv. 28, p , jan./jun., RIBEIRO, L. A; SOUZA, M. L. Diálogos sobre corpo, gênero e sexualidade com discentes do Ensino Fundamental In: DUARTE, A. C. S; CHAPANI, D. T; SOUZA, M. L. Aprendendo e Ensinando Ciências: práticas vivenciadas em um projeto de difusão científica. São Paulo: Escrituras Editora, 2013, p SILVERMAN, D. Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Artmed, 2009.

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

SUPERANDO TRAUMAS EM MATEMÁTICA

SUPERANDO TRAUMAS EM MATEMÁTICA SUPERANDO TRAUMAS EM MATEMÁTICA Luciene da Costa Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) luciene283@hotmail.com Joelma Patez de Almeida Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID é um programa de incentivo e valorização do magistério e de aprimoramento do processo de formação de docentes para a educação básica, vinculado

Leia mais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Felipe Hepp; URI-FW; felipehepp@hotmail.com Rosane Fontana Garlet;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA José Carlos da Silva Souza (1), Kélvia Vieira dos Santos (2), Maria

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO Luciana do Carmo Ferreira UFMS lu_dcf@hotmail.com Drª. Inara Barbosa Leão UFMS inarableao@hotmail.com Lívia

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu Por: Ana Keli Lourenço da Rocha Tomé Sob a supervisão do

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA.

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO:

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO Cícero Félix da Silva; Izailma Nunes de Lima; Ricardo Bandeira de Souza; Manoela

Leia mais

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Jackson Rodrigues Cordeiro 1, Cíntia Silva de Oliveira 2, Silas Queiroz de Souza 3, Marcelo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal

EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal EDUCAÇÃO SEXUAL Vejam o quanto isso é legal Sidney Gilberto Gonçalves CREF 011017-G/PR Profº Especialista em Educação Física Escolar Email: sidneygon@pop.com.br Contatos: (41) 9630-5650 e (41) 3042-1559

Leia mais

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução 1 O DESAFIO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NA MICRORREDE ENSINO-APRENDIZAGEM-FORMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID / UESB Manoela Matos Pereira - UESB

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Edenilse Batista Lima i (SEED/SE) João Rogério de Menezes ii RESUMO Uma medida promissora para a promoção da saúde do

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

AS EXPERIÊNCIAS DO PIBID-FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, CAMPUS BENTO GONÇALVES (IFRS)

AS EXPERIÊNCIAS DO PIBID-FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, CAMPUS BENTO GONÇALVES (IFRS) AS EXPERIÊNCIAS DO PIBID-FÍSICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL, CAMPUS BENTO GONÇALVES (IFRS) Camila Paese [camilapaese@gmail.com] Fernanda Endrizzi [fernandaendrizzi@hotmail.com]

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL Sara Regina de Oliveira Lima (PIBID - UESPI) saralima.r@hotmail.com Sislanne Felsan Cunha (MONITORIA UFPI) sisfelsan@hotmail.com

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Palavras-chave: sala de recursos multifuncionais, formação inicial de professores, ensino de ciências

Palavras-chave: sala de recursos multifuncionais, formação inicial de professores, ensino de ciências SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO PARA LICENCIANDOS DE QUÍMICA E BIOLOGIA Josimar Ferreira de Jesus 1* ; Mariane Rocha Costa 1 ; Ivete Maria dos Santos 1 ; Thereza Angélica Santos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO).

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO). APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO). Débora Bandelero dos Santos 1, Juliane Maia Ribeiro 1, Nathália

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO Rothchild Sousa de Morais Carvalho Filho 1 Naiana Machado Pontes 2 Laiane Viana de Andrade 2 Antonio

Leia mais

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania

Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania 1 Aprendendo o Braille: um exercício de cidadania Outubro/2006 Solange Cristina da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina/UDESC- psolangesil@yahoo.com.br GT3 Elaboração de Material Didático Palavras-Chave:

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR ISSN 2316-7785 CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR Gabriela Dutra Rodrigues Conrado Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA gabrielapof@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Kátya Danielle de Freitas¹ Mayron Henrique de Morais¹ Taize Cristina Fonseca¹ Catarina Teixeira² ¹ Alunos do curso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PO 10: Um passeio pelas origens da geometria

PO 10: Um passeio pelas origens da geometria PO 10: Um passeio pelas origens da geometria Eloisa Myrela de Araújo Nunes UFRN eloisa.jesusteama@hotmail.com RESUMO Esse trabalho relata uma ação realizada pelos bolsistas do Programa Institucional de

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES Fernanda Bartalini Mognon¹, Cynthia Borges de Moura² Curso de Enfermagem 1 (fernanda.mognon89@gmail.com);

Leia mais

Gênero no processo. construindo cidadania

Gênero no processo. construindo cidadania Gênero no processo de educação: construindo cidadania Kátia Souto Jornalista e Executiva Nacional da União Brasileira de Mulheres A educação tem caráter permanente. Não há seres educados e não educados.

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

GT 15 - Psicologia e Educação

GT 15 - Psicologia e Educação GT 15 - Psicologia e Educação O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE MASCULINA E FEMININA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TERESINA-PI: CONDUTAS E POSTURAS DA ESCOLA DIANTE DAS QUESTÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR

OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR OFICINA DE APRENDIZAGEM SOBRE EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Laysla da Silva Lemos Universidade Estadual da Paraíba (UEPB/PIBID/CAPES) anallemosk@gmail.com Profa. Ms.

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais