SITUAÇÃO ATUAL DAS PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SITUAÇÃO ATUAL DAS PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO"

Transcrição

1 unesp 16a. Reunião Técnica PROTEF Nov/2010 SITUAÇÃO ATUAL DAS PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu

2 Percevejo bronzeado do eucalipto 2008 Detecção no Brasil (SP e RS) 2009 Rápida dispersão (Regiões Sul, Sudeste e MS 2010 Dispersão para BA e intensificação dos danos (bronzeamento e desfolha) Pior situação em MG, SP e RS

3 T. peregrinus: infestação de adultos em folhas de eucalipto

4 T. peregrinus: posturas.

5 Monitoramento do percevejo bronzeado Detecção em novas áreas em MG e BA (Sul e Norte)

6 DANOS Prateamento (semelhante a dano de tripes) Clorose Bronzeamento de folhas Secamento de folhas Desfolhamento Aparentemente há preferência por folhas maduras (terço inferior e médio da copa)

7 Prateamento e início de bronzeamento de folhas - urograndis

8 Bronzeamento causado pelo percevejo bronzeado em E. viminalis. Rosário do Sul, RS, 2009.

9 Dano: Desfolhamento em clone GRA x CAM em comparação com Urograndis. Pompéu, MG. agosto / 2009.

10 Dano: Desfolhamento em clone urograndis. Gov. Valadares, MG. outubro / 2009.

11 Dano: Desfolhamento em clone urograndis. Gov. Valadares, MG. outubro / 2009.

12 Dano: Desfolhamento em clone urograndis. Gov. Valadares, MG. outubro / 2009.

13 Folhas secas sobre o solo

14 Distribuição geográfica em 2010

15 Dinâmica populacional Picos Populacionais do Percevejo Bronzeado Valores Percevejo bronzeado - (macho + fêmea) 0 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez meses Fig. Flutuação populacional de T. peregrinus em Gov. Valadares, MG. 2010

16 Flutuação Populacional do P. bronzeado região de Mogi Guaçu (macho e fêmea) Nº de Indivíduos Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Flutuação Populacional do P. bronzeado região de Antinopólis (macho e fêmea) Nº de Indivíduos Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Fig. Flutuação populacional de T. peregrinus em Mogi-Guaçu e Altinópolis, SP. 2010

17 Controle: Desconhecido Possibilidades: Importação de inimigos naturais Candidato: Cleruchoides noackae (Hymenoptera: Mymaridae) parasitóide de ovos. Controle curativo com aplicação de inseticidas sistêmicos e/ou com fungos entomopatogênicos. Seleção de material resistente (a longo prazo)

18 Parasitóide de ovos Cleruchoides noackae (Hym.: Mymaridae): a) adulto; b) fêmeas parasitando ovos do percevejo bronzeado

19 Atividades desenvolvidas no PCMPEE: - Determinação da altura de vôo do percevejo bronzeado - Determinação de sistema de amostragem para a praga - Distribuição espacial intra-planta - Dinâmica populacional de T. peregrinus em plantios clonais de eucalipto - Ibaté, SP (Conpacel) - Correlação de 2 métodos de amostragem - Correlação com temperatura e precipitação pluviométrica

20 Experimento de altura de vôo do percevejo bronzeado, Ibaté, SP, 2010

21 Atividades desenvolvidas no PCMPEE: - Avaliação da eficiência de inseticidas químicos e biológicos no controle do percevejo bronzeado - Sistêmicos (Thiamethoxam (Actara e Engeo pleno) - Biológicos (B. bassiana, M. anisopliae, L. longisporum) - Produtos naturais (óleo de casca de laranja Orobor)

22 Atividades a serem desenvolvidas no PCMPEE: - Importação do inimigo natural: - Reunião conjunta para estratégia da importação em 2009 (África do Sul, Argentina, Brasil, Chile e Uruguai) - Custos da importação de AU$ ,00 para zero - Solicitação aprovada pelo MAPA em Viagem à Austrália para importação do parasitóide em junho de 2010

23 Árvores de E. scoparia e E. argophloia atacadas pelo percevejo bronzeado, Sydney e Nananga, Austrália, junho de 2010

24 Coleta de amostras de ovos do percevejo bronzeado em árvore de E. camaldulensis e E. scoparia. Sydney, Austrália, junho de 2010

25 Leptocybe invasa (vespa de galha)

26 O inseto L. invasa Fêmea ovipositando na nervura central

27 Distribuição de L. invasa Leptocybe invasa

28 Distribuição no Brasil Detecção no Norte da BA Fevereiro de 2010 Dispersão no MA, TO Agosto de 2010 Detecção em Paulínia, SP Distribuição na América do Sul Maio de 2010 Detecção na Argentina (província de Buenos Aires

29 Danos Ramos com alta infestação

30 Danos E. camaldulensis em Israel

31 Danos E. camaldulensis no Maranhão

32 Danos E. camaldulensis no Maranhão

33 Monitoramento Uso de armadilhas adesivas amarelas para capturar os adultos Vistoria no campo para observar presença de galhas em material provavelmente suscetível

34 Monitoramento de adultos com cartão amarelo E. burwelli

35 Controle: Recomendado: Corte e queima de todo material vegetal com indícios de presença da praga ERRADICAÇÃO Possibilidades: Controle curativo com aplicação de inseticidas sistêmicos: acefato (Orthene), Imidacloprid (Confidor) e Acetamiprid (Mospilan) nas mudas antes da expedição Seleção de material resistente (a longo prazo) Importação de inimigos naturais

36 16 a. Reunião Técnica PROTEF Ocorrência de Pragas e Doenças em : -Levantamento feito com as empresas florestais através de questionário -Total de empresas: 19 (Brasil e Uruguai)

37 20000 Levantamento de Doenças do Eucalipto - PROTEF 18877, , Área infestada por doenças florestais (ha) Área Controlada (ha) Área infestada por doenças florestais (ha) 0 Área Controlada (ha) Área infestada por doenças florestais (ha) 3237, , Área Controlada (ha) 14o RT PROTEF - Nov/ o RT PROTEF - Abr/ o RT PROTEF - Nov/2010 Total Ferrugem Cylindrocladium Bacteriose Ceratocystis

38 Levantamento de Pragas do Eucalipto - PROTEF Área infestada por pragas florestais (ha) Área Controlada (ha) Área infestada por pragas florestais (ha) Área Controlada (ha) Área infestada por pragas florestais (ha) Área Controlada (ha) 14o RT PROTEF - Nov/ o RT PROTEF - Abr/ o RT PROTEF - Nov/2010 Total Percevejo bronzeado Largarta desfolhadora Psilídeo-de-Concha Costalimaita ferruginea Vespa-da-galha

39 19 empresas 14 RT 18 empresas 15 rt 19 empresas 16 RT Pesquisa (Abril a outubro de 2010) Campo 5024 ha de psilídeo de ponteiro 700 ha de doenças não identificadas 2000 ha de cancro 200 ha de Murcha Bacteriana (Ralstonia) 3000 ha Problemas com mateiral genético Viveiro Bacteriose - 15, 8 % dos viveiros

40 Agradecimentos - Empresas florestais - Estudantes de Graduação e Pós-Graduação - UNESP PROTEF LCBPF UNESP - Botucatu

SITUAÇÃO ATUAL DO PROJETO COOPERATIVO DE MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO

SITUAÇÃO ATUAL DO PROJETO COOPERATIVO DE MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO unesp 15a. Reunião Técnica PROTEF Abr/2010 SITUAÇÃO ATUAL DO PROJETO COOPERATIVO DE MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu Percevejo bronzeado do eucalipto Praga

Leia mais

unesp DIA DE CAMPO SOBRE PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu

unesp DIA DE CAMPO SOBRE PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu unesp DIA DE CAMPO SOBRE PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1. INTRODUÇÃO O percevejo bronzeado tem avançado com rapidez em SP e RS. Desde outubro de 2008 foi encontrado

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA MANEJO DO PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO

PERSPECTIVAS PARA MANEJO DO PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO unesp 14a. Reunião Técnica PROTEF Nov/2009 PERSPECTIVAS PARA MANEJO DO PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO Carlos F. Wilcken; Everton P. Soliman; Alexandre C. V. Lima; Mário H.F.A. Dal Pogetto; Thaise K.R.

Leia mais

Danos do percevejo bronzeado no Brasil. Eng. Ftal Luís Renato Junqueira Coord. Técnico Programa Cooperativo de Proteção Florestal

Danos do percevejo bronzeado no Brasil. Eng. Ftal Luís Renato Junqueira Coord. Técnico Programa Cooperativo de Proteção Florestal Danos do percevejo bronzeado no Brasil Eng. Ftal Luís Renato Junqueira Coord. Técnico Programa Cooperativo de Proteção Florestal Breve histórico - PROTEF Primeiro programa nacional relacionado com pragas

Leia mais

Workshop FAPESP: Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura do Estado de São Paulo Controle Biológico em Florestas Plantadas

Workshop FAPESP: Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura do Estado de São Paulo Controle Biológico em Florestas Plantadas Workshop FAPESP: Desafios da Pesquisa em Controle Biológico na Agricultura do Estado de São Paulo Controle Biológico em Florestas Plantadas Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP Botucatu Luiz Alexandre N. de Sá

Leia mais

10/06/2015. Setor de árvores plantadas no Brasil. Registro histórico de pragas exóticas em plantios de eucalipto

10/06/2015. Setor de árvores plantadas no Brasil. Registro histórico de pragas exóticas em plantios de eucalipto PRAGAS EXÓTICAS EM EUCALIPTO NO BRASIL Leonardo Rodrigues Barbosa Embrapa Florestas Setor de árvores plantadas no Brasil 7,6 milhões de hectares plantados (Eucalipto, pinus, etc.) 72% com Eucalyptus 57%

Leia mais

Priorização de Registro de Produtos Fitossanitários para Florestas Plantadas

Priorização de Registro de Produtos Fitossanitários para Florestas Plantadas Priorização de Registro de Produtos Fitossanitários para Florestas Plantadas Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores

Leia mais

16ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF MANEJO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS REGIÃO SUBTROPICAL

16ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF MANEJO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS REGIÃO SUBTROPICAL 16ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF MANEJO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS REGIÃO SUBTROPICAL DINÂMICA POPULACIONAL DO PSILÍDEO-DE-CONCHA E DE SEU PARASITÓIDE EM FLORESTA DE Eucalyptuscamaldulensis Prof. Dr. PEDRO

Leia mais

Controle Biológico do Psilídeo-de-Concha: Resultados

Controle Biológico do Psilídeo-de-Concha: Resultados Controle Biológico do Psilídeo-de-Concha: Resultados - 2007 Carlos F. Wilcken, Eduardo B. do Couto, Pedro J. Ferreira Filho, Daniela C. Firmino FCA/UNESP - Botucatu Luiz Alexandre N. de Sá EMBRAPA Meio

Leia mais

INTRODUÇÃO DE Glycaspis brimblecombei E Leptocybe invasa EM EUCALIPTO NO BRASIL

INTRODUÇÃO DE Glycaspis brimblecombei E Leptocybe invasa EM EUCALIPTO NO BRASIL unesp Seminário Internacional sobre Pragas Quarentenárias Florestais INTRODUÇÃO DE Glycaspis brimblecombei E Leptocybe invasa EM EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1.

Leia mais

Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar

Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar ISimpósio Sobre Pragas da Cultura do Eucalipto Diretoria Técnica Departamento de Pesquisa & Desenvolvimento Florestal Proteção Florestal Manejo do Percevejo Bronzeado nas Áreas da Plantar Maio 2014 ISimpósio

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FLORESTAS

MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FLORESTAS MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FLORESTAS DE EUCALIPTO RESUMO As pragas exóticas do eucalipto o psilídeo-de-concha Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Psyllidae), o percevejo bronzeado Thaumastocoris peregrinus

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF VESPA-DA-GALHA DO EUCALIPTO (Leptocybe invasa) (HYMENOPTERA: EULOPHIDAE): NOVA PRAGA DE FLORESTAS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Carlos

Leia mais

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Leonardo R. Barbosa Laboratório de Entomologia Florestal Embrapa Florestas SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRAGAS QUERENTERNARIAS

Leia mais

13a. Reunião Técnica PROTEF UESB Abr/2009

13a. Reunião Técnica PROTEF UESB Abr/2009 unesp 13a. Reunião Técnica PROTEF UESB Abr/2009 SITUAÇÃO ATUAL DAS NOVAS PRAGAS EXÓTICAS DO EUCALIPTO NO BRASIL Carlos F. Wilcken, Pedro J. Ferreira Filho, Mário H.F.A. Dal Pogetto; Thaise K. Ribeiro Dias;

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FlORESTAS DE EUCALlPTO

MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FlORESTAS DE EUCALlPTO MANEJO DE PRAGAS EXÓTICAS EM FlORESTAS DE EUCALlPTO Carlos F. Wilcken' Leonardo Rodrigues Barbosa' Luiz Alexandre N. de Sá' Everton P. Soliman' Alexandre Coutinho V. Lima' Mario Henrique F.A. Dai Pogetto'

Leia mais

unesp FCA / UNESP Curso de Engenharia Florestal Pragas Florestais e Métodos de Controle

unesp FCA / UNESP Curso de Engenharia Florestal Pragas Florestais e Métodos de Controle unesp FCA / UNESP Curso de Engenharia Florestal Pragas Florestais e Métodos de Controle Aula: Principais Pragas do Eucalipto Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu Besouros desfolhadores Costalimaita ferruginea

Leia mais

CAROLINA A. SERAFIM¹; LUIZ A. N. SÁ²; MARIA C. P. Y. PESSOA³; CARLOS F. WILCKEN 4 N 11402

CAROLINA A. SERAFIM¹; LUIZ A. N. SÁ²; MARIA C. P. Y. PESSOA³; CARLOS F. WILCKEN 4 N 11402 MONITORAMENTO EM TRÊS HORTOS FLORESTAIS DE EUCALIPTO NO ESTADO DE SÃO PAULO DA PRAGA EXÓTICA PERCEVEJO BRONZEADO Thaumastocoris Peregrinus (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE) CAROLINA A. SERAFIM¹; LUIZ A. N.

Leia mais

13/08/2012. Pedro Takao Yamamoto Departamento de Entomologia e Acarologia ESALQ/USP O Vetor O Patógeno. A Doença. até metade dos anos 60

13/08/2012. Pedro Takao Yamamoto Departamento de Entomologia e Acarologia ESALQ/USP O Vetor O Patógeno. A Doença. até metade dos anos 60 Patossistema Pedro Takao Yamamoto Departamento de Entomologia e Acarologia ESALQ/USP O Vetor O Patógeno A Doença 1. Eliminação de plantas doentes Manejo do Greening % de Talhões Contaminados 60,0 50,0

Leia mais

MONITORAMENTO E CONTROLE DO BICUDO DA CANA-DE-AÇÚCAR, Sphenophorus levis.

MONITORAMENTO E CONTROLE DO BICUDO DA CANA-DE-AÇÚCAR, Sphenophorus levis. MONITORAMENTO E CONTROLE DO BICUDO DA CANA-DE-AÇÚCAR, Sphenophorus levis. Eng.Agrº. Luiz Carlos de Almeida Eng.Agrº. Luís Gustavo de Almeida almeida.entomologia@hotmail.com Especialista em Tecnologia Agroindustrial

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Leonardo R. Barbosa leonardo@cnpf.embrapa.br 10 Novembro 2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF - Manejo de Pragas e Doenças Florestais - Região Subtropical

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Diaphorina citri. Os ovos são colocados em brotações novas Apresentam forma alongada e afilada na extremidade e coloração amarelo-alaranjado.

Diaphorina citri. Os ovos são colocados em brotações novas Apresentam forma alongada e afilada na extremidade e coloração amarelo-alaranjado. Diaphorina citri O psilídeo Diaphorina citri é o inseto vetor das bactérias que causam o grenning (Huanglongbing/HLB), a principal doença que afeta a citricultura do estado de São Paulo. Ele vive em plantas

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

9º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 12 de agosto de 2015 Campinas, São Paulo

9º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 12 de agosto de 2015 Campinas, São Paulo AVALIAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE PRAGAS EXÓTICAS DE Eucalyptus sp, Glycaspis brimblecombei E Thaumastocoris peregrinus, E DO BIOAGENTE EXÓTICO Psyllaephagus bliteus EM TRÊS REGIÕES DE SÃO PAULO NO ANO DE 2013

Leia mais

AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA. Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia

AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA. Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia INSETICIDAS CONTROLE BIOLÓGICO FEROMÔNIOS MANIPULAÇÃO GENÉTICA DE PRAGAS VARIEDADES RESISTENTES A INSETOS (plantas modificadas geneticamente)

Leia mais

Informações de HLB Cinturão Citrícola

Informações de HLB Cinturão Citrícola Informações de HLB Cinturão Citrícola 3 Incidência de HLB/Regiões 5-10% 21-40% 0,5-2% Fonte: Fundecitrus Ações para o manejo do HLB 5 Ações para manejo do HLB Antes de Plantar: Buscar Regiões com menor

Leia mais

Monitoramento de voos de Diaphorina citri

Monitoramento de voos de Diaphorina citri Monitoramento de voos de Diaphorina citri João R. S. Lopes (Dept. Entomologia e Acarologia, ESALQ/USP) Equipe: Mayerli Tatiana Borbon Cortes (ESALQ/USP), Arthur F. Tomaseto e Marcelo P. Miranda (Fundecitrus)

Leia mais

O Inseto de corpo achatado e mede 3 mm de comprimento.

O Inseto de corpo achatado e mede 3 mm de comprimento. Percevejo Bronzeado Espécie: Thaumastocoris peregrinus O Inseto de corpo achatado e mede 3 mm de comprimento. Ciclo de vida aproximadamente 35 dias (ovo adulto) Potencial reprodutivo: 60 0v0s/fêmea Alta

Leia mais

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE

DELEGACIA REGIONAL TRIBUTÁRIA DE Fatores válidos para recolhimento em 01/08/2016 JANEIRO 3,3714 3,2396 3,0166 2,8566 2,6932 2,5122 2,3076 2,1551 1,9790 1,8411 1,7203 1,5947 FEVEREIRO 3,3614 3,2158 3,0021 2,8464 2,6807 2,4939 2,2968 2,1429

Leia mais

39ª Semana da Citricultura

39ª Semana da Citricultura 39ª Semana da Citricultura A utilização de Murraya koenigii como planta isca visando o manejo do psilídeo Diaphorina citri Junho 2017 Vitor Hugo Beloti Doutorando Entomologia ESALQ/USP Roteiro Introdução;

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-46/12 JANEIRO 2,7899 2,6581 2,4351 2,2751 2,1117 1,9307 1,7261 1,5736 1,3975 1,2596 1,1388 1,0132 FEVEREIRO 2,7799 2,6343 2,4206 2,2649 2,0992 1,9124 1,7153 1,5614 1,3860 1,2496 1,1288 1,0032 MARÇO 2,7699 2,6010

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU AMOSTRAGEM E DINÂMICA POPULACIONAL DO PERCEVEJO BRONZEADO Thaumastocoris peregrinus (HEMIPTERA:

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS unesp MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS Prof. Dr. Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1. INTRODUÇÃO As plantações florestais brasileiras ocupam área de 5,7 milhões de ha, representando

Leia mais

Manejo integrado de Stenoma catenifer Walsingham (Lepidoptera: Elachistidae) Thaís Carolina Silva Cirino (1) ; Aloísio Costa Sampaio (2)

Manejo integrado de Stenoma catenifer Walsingham (Lepidoptera: Elachistidae) Thaís Carolina Silva Cirino (1) ; Aloísio Costa Sampaio (2) Manejo integrado de Stenoma catenifer Walsingham (Lepidoptera: Elachistidae) Thaís Carolina Silva Cirino (1) ; Aloísio Costa Sampaio (2) (1) Bióloga, Mestre em Horticultura pela FCA-Unesp/Botucatu e doutoranda

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Aprimoramento do controle do psilídeo com base nos estudos de brotação. Juan Camilo Cifuentes-Arenas, Hermes Oliveira, Silvio Lopes

Aprimoramento do controle do psilídeo com base nos estudos de brotação. Juan Camilo Cifuentes-Arenas, Hermes Oliveira, Silvio Lopes Aprimoramento do controle do psilídeo com base nos estudos de brotação Juan Camilo Cifuentes-Arenas, Hermes Oliveira, Silvio Lopes O que sabíamos sobre os brotos? Folha madura Versus Mais atrativos ao

Leia mais

Eng. Agr. Victor Silveira

Eng. Agr. Victor Silveira Eng. Agr. Victor Silveira Desenvolvimento 1 Técnico de Mercado Cigarrinha das raízes Com Inseticida Mahanarva fimbriolata Perdas de 15% a 80% TCH Perdas de 30% na POL Sem Inseticida Foto: severo ataque

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Broca da cana: Situação Atual e Medidas de Controle. Wilson R. T. Novaretti

Broca da cana: Situação Atual e Medidas de Controle. Wilson R. T. Novaretti Broca da cana: Situação Atual e Medidas de Controle Wilson R. T. Novaretti novarett@terra.com.br anna.lab@terra.com.br Porcentagem Intensidade de Infestação da broca da cana PAMPA CTC 4 3,5 3,7 3,6 3 2,5

Leia mais

Reconheça o psilídeo

Reconheça o psilídeo Diaphorina citri O psilídeo Diaphorina citri é o inseto que transmite as bactérias associadas ao grenning (Huanglongbing/HLB), uma das principais doenças que afetam a citricultura. De origem asiática,

Leia mais

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Edson Tadeu Iede Susete R.C. Penteado Wilson Reis Filho Riscos de introdução de pragas florestais no Brasil Mercado globalizado Aumento do

Leia mais

Manejo de Sphenophorus e Cigarrinha como estratégia única 12 INSECTSHOW

Manejo de Sphenophorus e Cigarrinha como estratégia única 12 INSECTSHOW Manejo de Sphenophorus e Cigarrinha como estratégia única 12 INSECTSHOW Eng Agr José C. Rufato Desenvolvimento Técnico de Mercado Soluções integradas: por uma cana plena Controle de Cigarrinha das Raízes

Leia mais

Sá, L. A. N. de 1 ; Pessoa, M. C. P. Y. 1 ; Wilcken, C. F. 2 ; Medeiros, A. G. de B. 3 ; Teixeira, J. T. 4

Sá, L. A. N. de 1 ; Pessoa, M. C. P. Y. 1 ; Wilcken, C. F. 2 ; Medeiros, A. G. de B. 3 ; Teixeira, J. T. 4 MONITORAMENTO DA PRAGA EXÓTICA PSILÍDEO-DE-CONCHA Glycaspis brimblecombei E DE SEU PARASITÓIDE EXÓTICO Psyllaephagus bliteus NO CONTROLE BIOLÓGICO DESTA PRAGA EM FLORESTAS DE EUCALIPTO NOS ESTADOS DE SP

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS. Leila L. Dinardo-Miranda

MANEJO DE PRAGAS. Leila L. Dinardo-Miranda MANEJO DE PRAGAS Leila L. Dinardo-Miranda Manejo integrado de pragas Kogan (1998) Sistema de decisão para uso de táticas de controle, isoladas ou associadas harmoniosamente, numa estratégia de manejo baseada

Leia mais

PLANO DE CONTROLO. Gorgulho-doeucalipto. Gonipterus platensis. Seminário Penela, 22 abril. José Manuel Rodrigues. Dina Ribeiro

PLANO DE CONTROLO. Gorgulho-doeucalipto. Gonipterus platensis. Seminário Penela, 22 abril. José Manuel Rodrigues. Dina Ribeiro PLANO DE CONTROLO Gorgulho-doeucalipto Gonipterus platensis José Manuel Rodrigues Dina Ribeiro Seminário Penela, 22 abril Enquadramento 1 2 3 O Problema Definição Bases Intervenção Implementação Plano

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Murcha e cancro de Ceratocystis. Prof. Edson Luiz Furtado Patologia Florestal PROTEF

Murcha e cancro de Ceratocystis. Prof. Edson Luiz Furtado Patologia Florestal PROTEF Murcha e cancro de Ceratocystis Prof. Edson Luiz Furtado Patologia Florestal PROTEF Antecedentes 1940 Murcha ou seca da mangueira - SP 1969 Seca da figueira Valinhos-SP 1986 Cancro em Gmelina arborea Monte

Leia mais

A complexidade e as alternativas num sistema intensificado para o manejo dos percevejos e da mosca-branca

A complexidade e as alternativas num sistema intensificado para o manejo dos percevejos e da mosca-branca XXVII Congresso Brasileiro de Entomologia 03/07/2018 A complexidade e as alternativas num sistema intensificado para o manejo dos percevejos e da mosca-branca Edson Hirose Embrapa Soja Roteiro Agroecossistema

Leia mais

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor BROCA GIGANTE Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) Como controlar esta praga? José de Souza Santos Consultor IMPORTÂNCIA ECONÔMICA CONSIDERADA UMA DAS MAIS IMPORTANTES PRAGAS DA CANA NO NORDESTE

Leia mais

A Ferrugem do Eucalyptus na Duratex

A Ferrugem do Eucalyptus na Duratex A Ferrugem do Eucalyptus na Duratex José Eduardo Petrilli Mendes Proteção Florestal 15 a Reunião do PROTEF Campinas 22/04/2010 A Duratex é uma Empresa do Grupo ITAÚSA, fundada em 1954. A DIVISÃO MADEIRA

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO (Thaumastocoris peregrinus) (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE): AMEAÇA ÀS FLORESTAS DE EUCALIPTO BRASILEIRAS Prof.

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

Novas informações sobre controle químico do psilídeo em pomares cítricos

Novas informações sobre controle químico do psilídeo em pomares cítricos Novas informações sobre controle químico do psilídeo em pomares cítricos Marcelo Pedreira de Miranda Pesquisador Científico / Coordenador Entomologia Fundecitrus Manejo do psilídeo em São Paulo Medidas

Leia mais

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO Localização V. Jequitinhonha 430 km Vitória TURMALINA VEREDINHA MINAS NOVAS CAPELINHA ITAMARANDIBA ÁREA TOTAL DRENAGEM TOTAL

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE UM PROGRAMA DE SANIDADE FLORESTAL

ESTRATÉGIAS DE UM PROGRAMA DE SANIDADE FLORESTAL ESTRATÉGIAS DE UM PROGRAMA DE SANIDADE FLORESTAL UFG; Goiânia, GO - 11.06.15 Edival Zauza e Everton P. Soliman Sanidade & Melhoramento Florestal edivalzauza@suzano.com.br Roteiro Institucional (7) PSF

Leia mais

Principais problemas sanitários, atuais e emergentes, do eucaliptal em Portugal

Principais problemas sanitários, atuais e emergentes, do eucaliptal em Portugal Principais problemas sanitários, atuais e emergentes, do eucaliptal em Portugal Luís Filipe Bonifácio, E.M. Sousa, M.H. Machado & M.H. Bragança Instituto Nacional Investigação Agrária e Veterinária Quinta

Leia mais

Ítalo Ramos CEGATTA 2, 4 ; Cristian VILLEGAS 3

Ítalo Ramos CEGATTA 2, 4 ; Cristian VILLEGAS 3 EFICIÊNCIA DE DOIS INSETICIDAS SISTÊMICOS NO CONTROLE DE Leptocybe invasa EM MUDAS DE Eucalyptus camaldulensis 1 EFFICIENCY OF TWO SYSTEMIC INSECTICIDES TO CONTROL BLUE GUM CHALCID WASP IN SEEDLINGS OF

Leia mais

241 ISSN Março, 2014 Belém, PA

241 ISSN Março, 2014 Belém, PA Comunicado Técnico 241 ISSN 1983-0505 Março, 2014 Belém, PA Foto: Alexandre Mehl Lunz Registro da vespa-da-galha- -do-eucalipto, Leptocybe invasa Fisher & La Salle (Hymenoptera: Eulophidae), no Pará: descrição

Leia mais

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS unesp 15a. Reunião Técnica PROTEF Abr/2010 MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu O que é manejo integrado de pragas (MIP)? A filosofia e metodologia

Leia mais

Situação e perspetivas

Situação e perspetivas Albino Bento & José Alberto Pereira Instituto Politécnico de Bragança Cinipídeo, Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu Situação e perspetivas Introdução: A praga Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu Hymenoptera:

Leia mais

HLB βiomαth Rede Sentinela do HLB em Áreas Indenes

HLB βiomαth Rede Sentinela do HLB em Áreas Indenes HLB βiomαth Rede Sentinela do HLB em Áreas Indenes Francisco F. Laranjeira Eduardo Chumbinho de Andrade Embrapa Mandioca e Fruticultura 2008/ 09: Discussões para a estruturação de uma rede; Embrapa (UDs),

Leia mais

PESQUISA EM ANDAMENTO

PESQUISA EM ANDAMENTO ISSN 0101-6075 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre CPAF-Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho),

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

MANEJO BIOLÓGICO DE PRAGAS DE SOLO

MANEJO BIOLÓGICO DE PRAGAS DE SOLO 4º TECNOBIO PRAGAS MANEJO BIOLÓGICO DE PRAGAS DE SOLO Enrico De Beni Arrigoni ENRICO ARRIGONI SOLUÇÕES EM MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS LTDA. (019) 97128-6262 17 DE AGOSTO DE 2016 Importância econômica das

Leia mais

BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 410.212,09 455.952,50 656.360,91 374.803,98 492.235,91 540.100,50

Leia mais

REUNIÃO DE FORNECEDORES. UNIDADE Ipê 2012

REUNIÃO DE FORNECEDORES. UNIDADE Ipê 2012 REUNIÃO DE FORNECEDORES UNIDADE Ipê 2012 VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR Fatores de Produtividade MANEJO AGRÍCOLA VARIEDADE PRODUTIVIDADE SOLO (Amb. Prod.) CLIMA TIPO DE PLANTIO TIPO DE COLHEITA MATURAÇÃO

Leia mais

Cigarrinha das raízes Mahanarva fimbriolata Monitoramento e manejo

Cigarrinha das raízes Mahanarva fimbriolata Monitoramento e manejo Cigarrinha das raízes Mahanarva fimbriolata Monitoramento e manejo Rafael Divino Alves da Silva Entomologia/Biotecnologia/Melhoramento Genético Entomotestes materiais Bt / Manejo de pragas CTC Email: rafael.silva@ctc.com.br

Leia mais

AVALIAÇÕES PRELIMINARES DA DINÂMICA POPULACIONAL DO PERCEVEJO BRONZEADO EM

AVALIAÇÕES PRELIMINARES DA DINÂMICA POPULACIONAL DO PERCEVEJO BRONZEADO EM AVALIAÇÕES PRELIMINARES DA DINÂMICA POPULACIONAL DO PERCEVEJO BRONZEADO EM Eucalyptus camaldulensis EM CONDIÇÕES DE CRIAÇÃO LABORATORIAL ESTUDO POR SIMULAÇÃO NUMÉRICA DÉBORA F. LAZARIN 1 ; MARIA C. P.

Leia mais

ARTRÓPODES-PRAGA ASSOCIADOS À CULTURA DA MANDIOCA EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BA

ARTRÓPODES-PRAGA ASSOCIADOS À CULTURA DA MANDIOCA EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BA ARTRÓPODES-PRAGA ASSOCIADOS À CULTURA DA MANDIOCA EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BA Alba Rejane Nunes Farias¹; Pedro Luiz Pires de Mattos² ; José Raimundo Ferreira Filho³ ¹Pesquisadora da Embrapa Mandioca

Leia mais

CONTROLE DE PRAGAS DE SOLO EM CANA: CUPINS, SPHENOPHORUS E MIGDOLUS.

CONTROLE DE PRAGAS DE SOLO EM CANA: CUPINS, SPHENOPHORUS E MIGDOLUS. CONTROLE DE PRAGAS DE SOLO EM CANA: CUPINS, SPHENOPHORUS E MIGDOLUS. Eng.Agrº. Luiz Carlos de Almeida Eng.Agrº. Luís Gustavo de Almeida almeida.entomologia@hotmail.com Especialista em Tecnologia Agroindustrial

Leia mais

ESCOLHA DE MATERIAIS GENÉTICOS DE EUCALIPTO EM FUNÇÃO DO USO E DAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS

ESCOLHA DE MATERIAIS GENÉTICOS DE EUCALIPTO EM FUNÇÃO DO USO E DAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS ESCOLHA DE MATERIAIS GENÉTICOS DE EUCALIPTO EM FUNÇÃO DO USO E DAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS Prof. José Leonardo de M. Gonçalves ESALQ / Depto de Ciências Florestais VIII Simpósio sobre Técnicas de Plantio

Leia mais

Criação massal do percevejo bronzeado, Thaumastocoris peregrinus

Criação massal do percevejo bronzeado, Thaumastocoris peregrinus Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Criação massal do percevejo bronzeado, Thaumastocoris peregrinus Carpintero & Dellapé,

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS DO EUCALIPTO

PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS DO EUCALIPTO PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS DO EUCALIPTO 8 SIMPÓSIO TÉCNICAS DE PLANTIO E MANEJO DE EUCALIPTO PARA USOS MÚLTIPLOS Enga. Ftal. Karina Goulart Tumura DOENÇA: O QUE É ISSO??? Doença: desvio do estado

Leia mais

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL James Stahl Klabin: Uma empresa líder 110 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17 unidades fabris em nove

Leia mais

Edital 064/2008 CNPq. Coordenador - Ronald Zanetti Bonetti Filho - UFLA

Edital 064/2008 CNPq. Coordenador - Ronald Zanetti Bonetti Filho - UFLA Edital 064/2008 CNPq Coordenador - Ronald Zanetti Bonetti Filho - UFLA Ronald Zanetti Bonetti Filho - UFLA Proteção Florestal, Entomologia florestal e Bioindicadores. Dalva Luiz de Queiroz Embrapa Florestas

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS FEVEREIRO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS FEVEREIRO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS 1. DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS Taxa de Ocupação dos hotéis de Bonito-MS Ano 219 1% 8% 75% 6% 4% 45% 2% % 215 216 217 218 219 Ano 215 81% 51% 4% 51% 34% 32% 6% 42% 57% 64% 57% 58% 52% 216 84% 53%

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2018)

PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2018) PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2018) Edmundo Manuel R. de Sousa edmundo.sousa@iniav.pt INIAV Introdução O Platypus cylindrus é um insecto da família dos Coleópteros que mede entre 5 a 8 mm de comprimento.

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS MARÇO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS. Taxa de Ocupação dos hotéis Bonito-MS 2019

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS MARÇO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS. Taxa de Ocupação dos hotéis Bonito-MS 2019 1. DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS Taxa de Ocupação dos hotéis Bonito-MS 219 1% 8% 75% 6% 4% 2% 45% 51% % 215 216 217 218 219 Ano 215 81% 51% 4% 51% 34% 32% 6% 42% 57% 64% 57% 58% 52% 216 84% 53%

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2019) Vespa do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus) Edmundo Manuel R. de Sousa

PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2019) Vespa do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus) Edmundo Manuel R. de Sousa PROGRAMA NACIONAL DE MONITORIZAÇÃO (2019) Edmundo Manuel R. de Sousa edmundo.sousa@iniav.pt INIAV É um inseto (ordem Hymenoptera, família Cynipidae, sub-família Cynipinae, tribo Cynipini). O adulto tem

Leia mais

Importância da Pesquisa no Setor Florestal. Shinitiro Oda

Importância da Pesquisa no Setor Florestal. Shinitiro Oda Importância da Pesquisa no Setor Florestal Shinitiro Oda IPEF 16/17/09/2008 Histórico Pragas e Doenças Cultivo MínimoM Melhoramento Biotecnologia Importância da Pesquisa Situação Florestal de Alguns Países

Leia mais

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Princípios do manejo integrado de pragas e doenças Viroses Bacterioses Doenças causadas por fungos Nematóides Pragas de maior importância Outras pragas

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Sanidade Florestal e a busca pela sustentabilidade da produção. Pesq. Everton P. Soliman Sanidade Florestal - Tecnologia Edival VIII Simpósio Sobre Técncias de Plantio

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: mandarová, Erinnyis ello, monitoramento do mandarová, controle do mandarová, baculovirus, Baculovirus erinnyis.

PALAVRAS CHAVE: mandarová, Erinnyis ello, monitoramento do mandarová, controle do mandarová, baculovirus, Baculovirus erinnyis. METODOLOGIA DE MONITORAMENTO DO MANDAROVÁ (Erinnyis ello L.), PARA O CONTROLE COM BACULOVIRUS (Baculovirus erinnyis) Eduardo Barreto Aguiar 1 ; Silvio José Bicudo 2 1- Aluno do Curso de Doutorado em Agricultura

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS MAIO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS. Taxa de Ocupação dos hotéis de Bonito-MS Ano 2019

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS MAIO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS. Taxa de Ocupação dos hotéis de Bonito-MS Ano 2019 1. DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS Taxa de Ocupação dos hotéis de Bonito-MS Ano 219 1% 8% 75% 6% 4% 45% 51% 46% 39% 2% % 215 216 217 218 219 Ano 215 81% 51% 4% 51% 34% 32% 6% 42% 57% 64% 57% 58% 52%

Leia mais

Engenheiro-agrônomo, Doutor, Agrometereologista do Instituto Agronômico do Paraná, 4

Engenheiro-agrônomo, Doutor, Agrometereologista do Instituto Agronômico do Paraná, 4 Comunicado Técnico Dezembro, 337 ISSN 1980-3982 Colombo, PR 2014 Monitoramento e distribuição de ocorrência de Thaumastocoris peregrinus no Estado do Paraná Leonardo Rodrigues Barbosa 1 Marcos Silveira

Leia mais

LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL

LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNA:

Leia mais

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA (SILVICULTURA & INTEGRAÇÃO FLORESTA-INDÚSTRIA) Eng. Ftal. M.Sc. Roosevelt Almado Rio de Janeiro- RJ 11/04/2011 1 31/10/2014 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL O que é clonagem? Os clones são formados através de melhoramento genético e diversos testes realizado a campo ao longo de anos. O que é Mini Jardim Clonal? Anos

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS DEZEMBRO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS

OBSERVATÓRIO DO TURISMO E EVENTOS DE BONITO-MS DEZEMBRO DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS 1. DESEMPENHO DA HOTELARIA DE BONITO-MS 1% Taxa de Ocupação dos hotéis de Bonito-MS Ano 218 8% 6% 4% 2% 7% 47% 45% 42% 36% 23% 65% 27% 51% 45% 55% 57% % 215 216 217 218 Ano Média Ano 215 81% 51% 4% 51%

Leia mais

Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM

Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM CICLAGEM DE NUTRIENTES EM ECOSSISTEMAS FLORESTAIS Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM schumacher@pq.cnpq.br 1 A BACIA

Leia mais

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS

- Valor - Fob ( Us$/Mil ) - Preço Médio ( Us$/Ton ) OUTROS BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2018 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 618.931,34 618.931,34 Valor Fob ( Us$/Mil ) 115.218,56 115.218,56 Preço

Leia mais

O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA

O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA O CICLO DA AGRICULTURA PARA A VIDA DR. ANTONIO CESAR S. DOS SANTOS Profissão: Gerente de Projetos Inseticidas, Tratamento de Sementes e Biotecnologia Formação Acadêmica Engenheiro Agrônomo UNESP Jaboticabal

Leia mais

A Cultura do Algodoeiro

A Cultura do Algodoeiro A Cultura do Algodoeiro Saul Carvalho Complexo significativo de pragas Raízes, folhas, caule, botões florais, flores, maçãs e capulhos Principais pragas bicudo, lagarta-das-maçãs, curuquerê, pulgão, lagarta

Leia mais