UMA BUSCA DE INOVAÇÃO DE PROJETO DE PROCESSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA BUSCA DE INOVAÇÃO DE PROJETO DE PROCESSOS"

Transcrição

1 UMA BUSCA DE INOVAÇÃO DE PROJETO DE PROCESSOS Prof. Dr. MICHITOSHI OISHI UTP-Universidade Tuiuti do Paraná Rua Dr.Alexandre Gutierrez, 863 apt 91, CEP , Batel, Curitiba-PR Tel/Fax: (041) ; Resumo: À medida que se intensifica a competição no cenário de negócios, as empresas têm tentado buscar inovações como meio de revitalização ou sobrevivência, principalmente, quando surgem novas tecnologias, aparentemente, capazes de solucionar os problemas da empresa, de forma rápida, revolucionária e com alto grau de certeza, assegurado, por seus apresentadores- autores, o sucesso da empresa. É um comportamento observado com freqüência, sendo arrastado pela corrente da mídia, pelo comércio ou que poderia ser considerado, às vezes, até como modismo, sem que haja a compreensão do processo com devida profundidade para mudança. Neste contexto, o presente trabalho pretende apresentar um modelo de procedimento sistemático para projetos de processos estratégicos com a integração e adaptação às condições dinâmicas internas e externas, solução de problemas ou desenvolvimento construtivo da melhoria, de forma abrangente e radical, entretanto, sem perder a explicação clara e concreta visando a compreensão universal e abordagem prática, com base nos dados factuais.o modelo é chamado Tabela de Desenvolvimento de SIGMA. SIGMA representa Strategic Integration for Greater Markets Adaptability (Integração Estratégica para Adaptação ao Mercado). ABSTRACT: While the competition increases in the business scenery, the enterprises have tried to search innovation as the way for revitalization or survivorship, principally when appear new technologies, seemingly able to resolve problems of the enterprises by quick and revolutionary way with high grade conviction, asserted success of the enterprise by the presenting author. It is a behavior observed frequently influenced by the media current of the commerce or that may be considered sometimes like idiom without deep and sufficient comprehension for the transformation. Within the context above, we would present a procedure model for design of strategic systematic process with the integration and adaptation for dynamic internal e external conditions, problems solution or process constructive improvement development, by ample and radical procedure, however, not loosing the comprehensive and concrete explication in order to get the common and practical understanding, based upon the factual data. The model is called: SIGMA Development Table. SIGMA represents initial letters of Strategic Integration for Greater Markets Adaptability. Área Temática: Competências Técnicas 1

2 UMA BUSCA DE INOVAÇÃO DE PROJETO DE PROCESSOS Resumo: À medida que se intensifica a competição no cenário de negócios, as empresas têm tentado buscar inovações como meio de revitalização ou sobrevivência, principalmente, quando surgem novas tecnologias, aparentemente, capazes de solucionar os problemas da empresa, de forma rápida, revolucionária e com alto grau de certeza, assegurado, por seus apresentadores- autores, o sucesso da empresa. É um comportamento observado com freqüência, sendo arrastado pela corrente da mídia, pelo comércio ou que poderia ser considerado, às vezes, até como modismo, sem que haja a compreensão do processo com devida profundidade para mudança. Neste contexto, o presente trabalho pretende apresentar um modelo de procedimento sistemático para projetos de processos estratégicos com a integração e adaptação às condições dinâmicas internas e externas, solução de problemas ou desenvolvimento construtivo da melhoria, de forma abrangente e radical, entretanto, sem perder a explicação clara e concreta visando a compreensão universal e abordagem prática, com base nos dados factuais. O modelo é chamado Tabela de Desenvolvimento de SIGMA. SIGMA representa Strategic Integration for Greater Markets Adaptability (Integração Estratégica para Adaptação ao Mercado). 1-Introdução À medida que se intensifica a competição no cenário de negócios, as empresas têm tentado buscar inovações como meio de revitalização ou sobrevivência. Isso ocorre, mais acentuadamente, quando surgem novas tecnologias que seriam aplicados para estabelecer novas estratégias, aparentemente, capazes de solucionar os problemas da empresa de forma rápida, revolucionária e com alto grau de certeza. Podemos citar, como exemplo, CIM, SIS, Reengenharia, CALS, etc.. Observa-se, entretanto, que eles têm apresentado respectivos ciclos de acentuada atenção para o processo tentativo de aplicação cada vez menores, CIM, SIS, Reengenharia, respectivamente, cerca de 4, 2 e 1 ano, sem que cada um deles tenha alcançado o que é assegurado, por seus apresentadores-autores, o sucesso da empresa. O presente fato seria uma conseqüência de adoção de um novo conceito sem o devido domínio de princípios e a sistematização de metodologia antes da correta implantação do anterior ou sem a necessária conexão entre ambos. É um comportamento observado com freqüência, sendo arrastado pela corrente da mídia, pelo comércio ou que poderia ser, às vezes, considerado até modismo, se isto é realizado sem suficiente compreensão do sistema proposto. Se o objetivo da empresa for a melhoria do processo, é fundamental a sistematização de princípios, regras e metodologia aplicada no mesmo. Mas na implantação de novos conceitos, não é difícil encontrar empresas que não cheguem ao resultado esperado ou anunciado pela mídia. Dentro do contexto acima, o presente trabalho visa apresentar um procedimento técnico e sistemático para solução de problemas ou desenvolvimento construtivo da melhoria de processos, de forma abrangente e radical, entretanto, não perdendo a explicação clara e concreta evitando a simples afirmação sem apresentação do concreto caminho a seguir, como no caso citado anteriormente, com as seguintes considerações: a- Determinação da área e abrangência do processo de negócios mostrando, com clareza, 2

3 modelo a aplicar, e preparar os termos capazes de serem compreendidos universalmente para pesquisa e discussão. b- Aplicação sistemática de princípios, técnicas, regras e metodologias para melhorias. Isto implica em dar abordagem prática do conceito teórico no processo, e mostrar sua validade através da aplicação prática em estudo de casos. A seguir, apresentamos um exemplo da aplicação do procedimento, inicialmente descrevendo sobre a interpretação do processo, e em seguida, processo de construção e os componentes da Tabela de Desenvolvimento Sigma e procedimento da construção do Sistema de Produção com sua aplicação. 2.Interpretação do Processo/Sistema Inicialmente, interpretamos o processo como sendo um conjunto de funções com determinado objetivo. Por exemplo, o processo de produção poderá ser definido como um conjunto de funções em seqüências definidas com objetivo de agregar o valor, através de transformação de materiais, informações e/ou clientes por meio de sistema composto principalmente por homens e máquinas. E ainda, o processo de produção é concretizado por meio do sistema composto de homens, máquinas, dispositivos, etc.. Portanto, poderemos considerar que o processo de produção é o conjunto de funções e sua execução é feita pelo sistema de produção. Há um grande problema com relação à compreensão desigual sobre os termos utilizados tanto nos processos quanto nos sistemas de produção. Por exemplo, o termo Benchmarking poderá apresentar diferentes conceitos. Os termos compras, controles ou orientação técnicas de serviços terceirizados, tomada de decisão para fabricação interna ou externa, etc., por exemplo, deverão ser interpretados ou adequados às características específicas de cada empresa e não simples imitação. Estão listadas as empresas sucedidas como se elas tivessem aplicado os mesmos procedimentos em cada um desses seguimentos citados. Há empresas que firmam contratos de aquisição de materiais ou serviços com reduzido número de fornecedores, outras que adquirem dos que fornecem com preços menores, sem se limitar os fornecedores, por razões diversas. Imitar outra empresa no procedimento de treinamento ou orientação técnica de empresas de serviços terceirizados sem devida consideração e adequação da diferença seria uma maneira errônea que eqüivaleria a ver água como se fosse óleo, vinho, etc., simplesmente por elas serem substâncias líquidas. Portanto, a interpretação do processo e sistema de produção, seria fundamental o estudo e a análise de maior abrangência, inclusive para sua modelagem. 3.Procesos de Construção de Tabela de Desenvolvimento Sigma do Sistema de Produção Com o objetivo de tornar clara compreensão de melhoria, apresentamos abaixo um modelo construído e a descrição e sua aplicação num caso real experimental, para inovação do processo/sistema de produção. O referido modelo foi criado e desenvolvido por aproximadamente quarenta empresas membros de estudo de Sistema Integrado Estratégico da ASAK-Associação de Sistemas de Administração Kansai no Japão nos últimos oito anos em que o autor teve oportunidade de participação. O modelo é chamado de Tabela de Desenvolvimento de SIGMA. SIGMA representa Strategic Integration for Greater Markets Adaptability(Integração Estratégica para Adaptação ao Mercado). Através disso, pretende-se extrair as condições excelentes ou favoráveis para cada negócio, considerando-se estratégica, integração e adaptabilidade como características centrais que o processo/sistema de produção devem possuir. 3

4 A seguir, apresentamos o modelo - Tabela de Desenvolvimento de SIGMA, com suas características centrais: estratégica, integração e adaptabilidade, aplicada em confecção e venda de roupas masculinas de uma empresa membro de estudos de SIGMA que representaremos por M. 4.Componentes da Tabela de Desenvolvimento de SIGMA Abaixo apresentamos a Tabela de Desenvolvimento de SIGMA, modelo aplicado na empresa M de roupas masculinas em que se mostram três tipos de conceitos relativos a Processos: Satisfação das necessidades (dos Clientes), Produção e Desenvolvimento (do Sistema da Produção), em posição vertical. Na tabela, estão colocadas cinco matrizes com inter-relacionamentos entre si, da posição superior esquerda para a inferior direita, mostrando a identificação de valores para os consumidores, estrutura de mercadorias, tipo de processo de sua produção, estrutura sistema de produção que concretiza esse processo de desenvolvimento do sistema da produção. A seguir, apresentaremos a interpretação em detalhe da Tabela, para melhor compreensão sobre conceitos de Strategic(S)-Estratégica, Integration(I)-Integração e Adaptability(A)-Adaptabilidade das três letras contidas no SIGMA. 4.1 Estratégica A empresa M concretiza a estratégia do negócio, com a aplicação da técnica de integração harmoniosa do sistema de produção de roupas(ternos) masculinas. A estratégia, portanto, consiste em fornecer o produto exatamente desejado(*1) correspondendo ao valor esperado pelo consumidor, conforme visto na Tabela, sem a espera(*2), com especificações exigidas(*3) de modelo, cor, tamanho e prazo. Desta forma, a estratégia para o sistema de produção poderá ser compreendido como o estabelecimento de um processo para obtenção de produtos e serviços que satisfaçam a visão dos consumidores, sob seu critério próprio de valorização. Na Tabela de Desenvolvimento de SIGMA, o valor oferecido ao consumidor deve corresponder à satisfação dele próprio no processo da escolha, aquisição, utilização, manutenção e renovação do produto. O valor oferecido decorre além das funções básicas contidas na mercadoria, também dos cinco componentes descritos abaixo: Variedade: Fornecimento de modelo, cor e tamanho à preferência do consumidor Agradabilidade: Sensação agradável ou satisfação pelo conforto no vestir ou pela marca da mercadoria Legítimo ou menor custo: Custo total de vida útil, não somente pelo preço de aquisição, mas também considerando a durabilidade e a possibilidade de reparos. Obtenebilidade efetiva: Tempo de espera até o recebimento, custo de oportunidade, etc. Risco baixo: Possibilidade da fácil escolha do produto perfeito, Segurança em manutenção sem deformação. O conjunto de cinco componentes acima é apresentado por suas respectivas letras iniciais: VALOR(Veja na Tabela). 4

5 5

6 4.2 Integração Ao entrar na fábrica de roupas(ternos) masculinas da empresa M, encontramos linha de produção semelhante à da montagem de indústrias automobilísticas. Os ternos diferentes em modelo, cor e/ou tamanho, pendurados nos cabides e suspensos em correntes, movem várias estações de trabalho até a completa preparação, completando todo o processo em 2,5 dias(*8). Pudemos observar que esse sistema tem requerido minucioso e criterioso estudo para determinação do fluxo de materiais, máquinas, homens e controles, e estão interligados organicamente para construção da linha de produção. Diferentes funções ou elementos que se integram no sistema apresentam as seguintes características: Fluxo: Há balanceamento do tempo de processamento para diferentes combinações de modelo, tamanho e cor em atendimento às diferentes ordens, com devidas sincronizações de encontros de materiais no fluxo(*10). Máquinas: Estão colocados os dispositivos adequados para cada estação, para o equilíbrio do tempo de processamento e garantia de qualidade, por exemplo, máquinas de costura, ferros de passar próprios para ombros, mangas, etc.(*11). Homens: Os ternos em confecção em circulação são de diferentes modelos, exigindo que tanto os fios para costura quanto os ferros de passar devam ser trocados rapidamente, item por item. Isso requer as melhorias de operação e o desenvolvimento e treinamento de habilidades dos operários(*12). Sistema de Controle: A demanda de ternos costuma ser sazonal. Durante a estação de baixa demanda, visando o nivelamento da carga de trabalho, há programação de confeccionar as amostras de produtos da próxima estação para enviar às lojas de vendas(*13). Este procedimento é uma prática correta no sistema de produção, entretanto, a imitação desta na empresa concorrente não traria o resultado favorável, se não houver correspondência nas demais funções, tecnologia aplicada, vendas, etc.. Por meio da Tabela, é possível visualizar e relacionar, de forma sistêmica, o fluxo, máquinas, homens e o sistema de controle, considerando-se como um conjunto de diversas funções constituem um todo processo de produção. Vendas: Transmitir corretamente, aos departamentos técnicos e de produção, as especificações sobre o modelo, cor, tamanho, etc. relativas a cada solicitação pessoal(*6). Técnicas: Desenvolver o projeto de cortes de tecidos a partir das dimensões padrão, incorporando nelas, as informações fornecidas por cada pedido(*5). A empresa tem desenvolvido o próprio sistema CAD, aplicando a metodologia padrão criado. Compras: Sistema de reposição(compra) de tecido por produção unitária, com o estoque mínimo(*7). Produção: Vide a descrição dada acima(*8). Logística: Rápido despacho, entrega unitária(*9). Desta forma, o processo de negócio está constituído, integradas, solidariamente, Vendas, Técnicas, Produção, Logística, etc., desempenhando cada uma suas funções próprias. Se outras empresas fizerem as imitações vendo somente o fluxo visível da linha de produção sem a necessária análise ou a compreensão sobre o tão alto grau de integração, elas não alcançariam os resultados aí vistos. 6

7 4.3 Adaptabilidade O excelente e apreciável sistema de produção de roupas masculinas da empresa M não foi construído de forma repentina, mas veio sendo desenvolvido durante mais de 20 anos, com melhorias e inovações adequando-se às condições internas e externas. Para o desenvolvimento do sistema de produção, podemos citar dois fatores principais como propulsores: Capacidade de Aprendizagem(*14): Após a introdução da tecnologia de produção de pouca variedade de produtos com grandes volumes, com a orientação do consultor de engenharia industrial norte americano, a empresa continuou com o seu próprio desenvolvimento do sistema de produção de muitos produtos com pequenos lotes, adequando-se à demanda da diversidade de produtos no mercado, não se limitando na simples imitação do processo transferido. Desta forma, a empresa M tem excelente capacidade de aprendizagem que torna força motriz para auto inovação iniciativa da tecnologia introduzida, não procurando somente imitar o processo visível adotado por outra empresa. Essa capacidade não se limita à área de engenharia industrial, mas também se destaca em tecnologia de equipamentos e informações, efetuando o desenvolvimento interno de máquinas e equipamentos, sistema CAD, etc. necessários para produção de itens unitários. Visão Criativa e Ação Integrativa: A direção da empresa vem estruturando e inovando os sistemas de produção, desde a produção em massa(ou por lotes grandes), seguida da produção por item,e atualmente, por pedido, com a participação de todas as áreas com a visão inovadora e o mesmo objetivo comum estabelecido com a necessária liderança alcançando a integração(*15). 5. Procedimento da Construção do Sistema de Produção Através do macro relacionamento de negócio desde o valor dado pelo consumidor à mercadoria, concepção da mercadoria e produção, torna-se possível idealizar como deveria ser o procedimento de mapeamento para projeto do processo de negócios. A seguir, apresentamos, passos e elementos para a construção do sistema, com a conceituação anteriormente descrita: Temas Estratégicos: Como desenvolver a detecção das necessidades dos consumidores Qual é a metodologia de planejamento de mercadoria contendo o valor a propor Temas de Integração: Como definir e desenvolver o núcleo do processo de produção capaz de gerar continuamente os produtos e serviços distintos Como concretizar a coordenação estratégica, precisa e veloz das informações entre diferentes áreas(departamentos) Temas de Adaptabilidade: Como elevar a capacidade da aprendizagem de toda empresa Como conduzir a criação da visão e sua integração em toda empresa Esses seis temas abrangem diversificados conceitos, administração geral, industrial, tecnologia de informação, etc.. Nos estudos e desenvolvimento de processo ou metodologia costuma-se, tradicionalmente, dar ênfase em cada função(marketing, desenvolvimento de produtos, produção, logística, etc.), ou por objetivo(controle de qualidade, controle de prazos de entrega, controle de custos, etc.). Para o projeto de negócios, é fundamental, a 7

8 integração sistemática dos desenvolvimentos setoriais, analisando os inter-relacionamentos que devem ser mantidos. Tendo em base a importância desse processo integrativo, surgirão as novas fronteiras de estudos, pesquisas e desenvolvimento em cada área para o projeto de negócios. 5.1 Aplicação da Tabela do SIGMA Em vista do que foi visto acima, Tabela de SIGMA oferece ampla aplicabilidade, tanto na análise e estudo da situação atual quanto à melhoria ou construção do Processo/Sistema de Produção, cujo procedimento é facilmente compreensível, pois o processo é visto com abrangência necessária, permitindo a compreensão comum para toda a empresa. Dessa forma, a aplicabilidade poderá ser identificada conforme abaixo: (1) Como se observa, a Tabela de Desenvolvimento de SIGMA é um conjunto de técnicas, ou procedimento para analisar as funções desempenhadas por fatores vitais e próprias de cada área com relação às demais de toda empresa, com a visão da estratégia, integração e adequação, construída com base nos dados e fatos reais colhidos em sistemas de produção. Permitirá portanto, mais correto conhecimento sobre a situação existente. (2) Na aplicação da Tabela, ASAK recomenda que a análise fosse feita por alguns(de 2 a 3) grupos, cada um formado por 6 a 8 pessoas, visitando as áreas da empresa escolhida e ouvindo as explicações sobre o sistema visto. Após a visita, cada grupo preenche a Tabela SIGMA, estabelecendo as relações de funções acima mencionadas em folha de papel(a4), baseado em anotações feitas em cartão, por cada um dos membros, sobre os pontos percebidos relevantes. Plotando-se, desta forma, as informações relevantes colhidas, na Tabela torna-se claro o procedimento adotado para o desenvolvimento e melhoria estrutural por SIGMA. Através disso, é possível detectar as falhas e o que deverá ser feito para obtenção do melhor resultado operacional. (3) Conforme a síntese do conceito do modelo dado no (1) e prática no (2), nos permitirá analisar, de forma correta, as empresas que se desejam conhecer. Aplicado esse procedimento nas empresas com excelentes desempenhos, o resultado da pesquisa nos conduzirá ao correto Benchmarking. (4) Construção de Processo/Sistema de Produção para produtos novos ou inovação de negócios com a visão estratégica, integração e adequação às condições reais internas e externas, atuais e futuras 6. Conclusão As empresas em todo mundo, sem que possa excluir as brasileiras, são obrigadas a adaptarem-se às mudanças ambientais, tais como: Ambiente Econômico: Unificação com a supressão de restrições para intercâmbios, globalização, competição desenfreada sem limitações, etc. Ambiente Tecnológico: Acelerada inovação tecnológica, em comunicação, materiais, biotecnologia, etc. Ambiente Natural: Restrições sobre recursos naturais, energia e problemas ecológicos Ambiente Social: Elevação percentual da população idosa Dentro dessa mudança do ambiente, as empresas estão obrigadas, mais intensamente, a construir e manter inovado o processo de negócios com aplicação de conjunto de novos conhecimentos e tecnologias capazes de gerar mercadorias e serviços com maior valor agregado. No exemplo de modas masculinas(ternos), deve-se notar a mudança do comportamento dos consumidores de adquirir os mais baratos e substituí-los em menor 8

9 tempo como dois a três anos de uso, vestindo os que agradam mais por modelo, cor e melhores tecidos. Dentro desta concepção, a M aqui apresentada seria um dos exemplos de excelentes empresas pioneiras na aplicação do modelo. O estabelecimento de procedimento eficaz de projeto e construção de processo de negócios da empresa em excelência desta natureza seria o tema de supra relevância para o estudo e aperfeiçoamento na administração empresarial. Bibliografia: Akiba,M. Inovação de Mercadorias para satisfação dos consumidores; Associação Japonesa de Produtividade, Tokyo, 1993 Boxwell,R.J.: Benchmarking for Competitive Advantage, Mc Grall-Hill, 1994 Fujita,E. Sistema Integrado Estratégico de Produção, Revista Industrial Nikkan, Tokyo, 1993 Fuse, M.: Toward Research in Business Process Innovation for Production Systems, Revista da Japan Industrial Management Association, Tokyo, 1996 Hammer M., Champy J.: Reengenharia, Revolucionando a Empresa; Tradução de Ivo Korytowski: Editora Campus, Rio de Janeiro, 1994 Oishi,M: TIPS-Técnicas Integradas na Produção e Serviços, Editora Pioneira, São Paulo,

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

GESTÃO DA DIRETORIA DE MARKETING ATRAVÉS DE UMA DIVISÃO ESTRATÉGICA: OTIMIZANDO PROCESSOS E CAPACITANDO PESSOAS PRÁTICA INTERNA. Temática: Marketing

GESTÃO DA DIRETORIA DE MARKETING ATRAVÉS DE UMA DIVISÃO ESTRATÉGICA: OTIMIZANDO PROCESSOS E CAPACITANDO PESSOAS PRÁTICA INTERNA. Temática: Marketing GESTÃO DA DIRETORIA DE MARKETING ATRAVÉS DE UMA DIVISÃO ESTRATÉGICA: OTIMIZANDO PROCESSOS E CAPACITANDO PESSOAS PRÁTICA INTERNA Temática: Marketing Resumo: Identificada a sobrecarga de atividades na diretoria

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO E S C O L A D E A R T E S, C I Ê N C I A S E H U M A N I D A D E Trabalho proposto pela disciplina de Orientado por Professor Dr. Fernando Coelho Mário Januário Filho 5365372

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Renato Luiz Della Volpe

Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001. Examinador do PNQ em 1997,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SUPLEMENTO INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INFORME O CÓDIGO PAER IMPRESSO NA ETIQUETA _ _ _ _ _ _ _ ANO BASE-1998 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Programa de Expansão da Educação

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Resumo. Leonel Fonseca Ivo. 17 de novembro de 2009

Resumo. Leonel Fonseca Ivo. 17 de novembro de 2009 Resumo Leonel Fonseca Ivo 17 de novembro de 2009 1 Teoria de Sistemas A Teoria de Sistemas (TS) é um ramo específico da Teoria Geral de Sistemas (TGS), cujo objetivo é produzir teorias e formulações conceituais

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais