IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas"

Transcrição

1 IARC Oferta de Infra-estruturas aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Versã de Julh de 2015

2 Índice 1. Intrduçã 3 2. Objet e Âmbit 3 3. Obrigações e respnsabilidades ds Clientes 3 4. Pedid de Infrmaçã de Infra-estruturas 4 5. Pedids de Análise de Viabilidade 4 6. Acess e Instalaçã 6 7. Pedids de Remçã de Cabs e/u Equipaments Passivs 7 8. Pedids de Intervençã ns Cabs e/u Equipaments Passivs 7 9. Desvi de Traçads e Alteraçã da Ocupaçã Preçs Cndições de Faturaçã e Pagament Respnsabilidade Incumpriment u utilizaçã indevida de infraestruturas Cmunicações Pressupsts Cntratuais Dispsições Legais Históric de Versões 15 Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 2 / 15

3 1. Intrduçã Ns terms d artig 17º d Decret-Lei nº 123/2009, de 21 de mai, cm a redaçã que lhe fi dada pel Decret-Lei nº 258/2009, de 25 de Setembr, a CABOVISÃO TELEVISÃO POR CABO, S.A. (dravante designada pr CABOVISÃO), apresenta a ferta de Infraestruturas aptas a Aljament de Redes de Cmunicações eletrónicas (adiante designada pr IARC-CBV) a qual regula a dispnibilizaçã d acess e utilizaçã da infraestrutura cuja prpriedade u gestã incumba à CABOVISÃO, para efeits de instalaçã de cabs das redes de cmunicações eletrónicas das empresas de cmunicações eletrónicas clientes (dravante designadas clientes), mediante frmalizaçã de pedid express pr parte destas. 2. Objet e Âmbit 2.1 O presente dcument visa definir e enquadrar as cndições gerais de prestaçã, pela Cabvisã, a títul temprári e remunerad, d serviç de acess a infra-estruturas civis da Cabvisã, para instalaçã e desenvlviment da rede de cmunicações electrónicas ds Clientes. 2.2 O serviç bject inclui, para além de cupaçã de espaç em pstes e/u cndutas, s serviçs cnexs que se revelem necessáris adequads u instrumentais à viabilizaçã d serviç de acess a infra-estruturas civis da Cabvisã. 2.3 Os Clientes aceitam que as infra-estruturas utilizadas a abrig deste serviç sã prpriedade u estã sb a gestã da Cabvisã, nã passand a integrar em cas algum, patrimóni ds mesms, nem criand na sua esfera jurídica, qualquer direit relativamente às mesmas. 2.4 Os Clientes nã pdem, pr qualquer mei, ceder, ttal u parcialmente, a terceirs, espaç dispnibilizad em infra-estruturas civis da Cabvisã. 3. Obrigações e respnsabilidades ds Clientes 3.1 Os Clientes só pderam instalar nas infra-estruturas civis da Cabvisã s cabs e s equipaments passivs de sua prpriedade que satisfaçam s requisits técnics específics de utilizaçã em pstes e/u cndutas e tenham btid viabilidade técnica pela Cabvisã. 3.2 Os Clientes deveram indicar as características ds cabs e equipaments passivs assciadas em cada pedid. 3.3 O acess físic às infra-estruturas civis da Cabvisã para instalaçã, remçã e intervençã ns cabs e ns equipaments passivs, prpriedade ds Clientes, é efectuad pr clabradres ds Clientes, cm acmpanhament de representantes da Cabvisã, sempre que esta entenda pr necessári, e pels preçs definids neste dcument. 3.4 Os Clientes sã respnsáveis pela supervisã ds seus cabs e equipaments passivs, instalads a abrig d presente dcument. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 3 / 15

4 4. Pedid de Infrmaçã de Infra-estruturas 4.1 Sempre que necessite de bter infrmaçã acerca de infra-estruturas civis da Cabvisã para pder clcar um pedid de análise de viabilidade, Os Clientes enviaram à Cabvisã um Pedid de Infrmaçã de Infra-estruturas. 4.2 O pedid de infrmaçã supra referid, deve ser dirigid à Cabvisã via crrei electrónic para endereç ns terms d pnt designad pr Cmunicações. 4.3 O pedid de infrmaçã supra referid, deve incluir: Lcalizaçã d traçad Cncelh Endereç d Lcal Crdenada gegráfica n sistema WGS84 (sistema cmum as GPS s cmerciais e Ggle Earth) em graus decimais cm númer mínim 5 casas de cada pste e/u CVP requerida Ficheir de extensã KML riginári d sftware Ggle Earth cm traçad requerid pnt a pnt. 4.4 Em respsta a pedid de infrmaçã clcad, a Cabvisã deverá ter em cnta, entre utrs aspects, a gelcalizaçã entre s pnts pedids pels Clientes e as infraestruturas da Cabvisã ist é, de frma a verificar se a Cabvisã detém infraestruturas ns pnts pedids u n traçad pedid. 4.5 A Cabvisã pderá dar duas respstas pssíveis a um pedid de infrmaçã sbre pstes e/u cndutas: Infra-estrutura da Cabvisã Infra-estrutura de terceirs u inexistente 4.6 Cada pedid de infrmaçã deverá ser cnstituíd até um máxim de 50 pstes, pr trçs de cabs aéres, e de 20 CVP s, pr trçs de cndutas, pr traçad cntínu. 4.7 A Cabvisã envidará s melhres esfrçs para dar respsta as Pedids de Infrmaçã num praz de 10 (dez) dias úteis. 5. Pedids de Análise de Viabilidade 5.1 Sempre que pretenda instalar cabs e equipaments passivs em infra-estruturas civis da Cabvisã, s Clientes enviaram para a Cabvisã um Pedid de Análise de Viabilidade para instalaçã de cabs e equipaments passivs em pstes u cndutas, frnecend para efeit tda a infrmaçã que permita à Cabvisã efectuar a análise d pedid e frnecer a respectiva respsta. 5.2 Cada pedid de viabilidade deverá ser cnstituíd até um máxim de 50 pstes, pr trçs de cabs aéres, e de 20 CVP s, pr trçs de cndutas, pr traçad cntínu. 5.3 O Pedid de Análise de Viabilidade, devidamente instruíd cm a infrmaçã necessária, ns terms infra referids, deve ser dirigid à Cabvisã via crrei electrónic para endereç ns terms d pnt designad pr Cmunicações. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 4 / 15

5 5.4 O Pedid de Análise de Viabilidade deve incluir: N cas d pedid de pstes: Lcalizaçã d traçad Cncelh Endereç d Lcal Marcaçã d traçad requerid na Planta (devidamente actualizada cm s traçads existentes de pstes da Cabvisã); Marcaçã ds Pstes e respectiva numeraçã na planta; Identificaçã ds Pstes requerids, através de crdenada gegráfica, n sistema WGS84 (sistema cmum as GPS s cmerciais e Ggle Earth) em graus decimais cm n mínim 5 casas; Identificaçã ds Pnts de Entrada e respectiva indicaçã das direcções ds cabs; Caracterizaçã das Flgas e Equipaments Passivs a instalar: Tip; Dimensã física; Pes; Caracterizaçã ds Cabs a instalar, e respectivas características: Tip de Cab; Capacidade; Diâmetr exterir; Pes; N cas d pedid de Cndutas: Lcalizaçã d traçad Cncelh Endereç d Lcal Marcaçã d traçad requerid na Planta (devidamente actualizada cm s traçads existentes de pstes da Cabvisã); Marcaçã das CVPS e respectiva numeraçã na planta; Identificaçã das CVPS requeridas, através de crdenada gegráfica, n sistema WGS84 (sistema cmum as GPS s cmerciais e Ggle Earth) em graus decimais cm n mínim 5 casas; Identificaçã ds Pnts de Entrada e númer e tip de tubs a instalar; Caracterizaçã das Flgas e Equipaments Passivs a instalar: Tip; Dimensã física; Pes; Caracterizaçã ds Cabs a instalar, e respectivas características: Tip de Cab; Capacidade; Diâmetr exterir; Pes; 5.5 Na análise d Pedid de Análise de Viabilidade clcad, a Cabvisã deve levar em linha de cnta, entre utrs aspects, a existência de espaç para cabs e equipaments passivs ds Clientes, tend em cnsideraçã desenvlviment da rede da Cabvisã e a eventual necessidade de espaç assciad a pedids efectuads pr utrs peradres. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 5 / 15

6 5.6 A Cabvisã envidará s melhres esfrçs para, n praz de 20 (vinte) dias úteis após a data da efectiva recepçã de um Pedid de Análise de Viabilidade devidamente instruíd, respnder a dit Pedid de Análise de Viabilidade de utilizaçã de pstes e/u cndutas para instalaçã de cabs e equipaments passivs, pdend frnecer uma das seguintes respstas: Pedid viável; Pedid inviável cm fundamentaçã assciada, ns terms da legislaçã aplicável; Pedid inviável uma vez que a instalaçã de cabs e equipaments passivs em pstes e/u cndutas da Cabvisã pde clcar em causa a segurança de pessas u bens. 6. Acess e Instalaçã 6.1 Após a recepçã de uma respsta psitiva a um Pedid de Análise de Viabilidade, s Clientes deveram enviar à Cabvisã, via crrei electrónic para endereç um Pedid de Acess e Instalaçã para acess à infra-estrutura e/u para a instalaçã de cabs e equipaments passivs. Este pedid deverá estar em ttal cnfrmidade cm inicialmente viabilizad pela Cabvisã. A data slicitada nã pderá ser inferir a 8 (it) dias úteis a cntar d envi d Pedid de Data Objectiv pels Clientes. 6.2 N Pedid de Acess e Instalaçã deverá cnstar a seguinte infrmaçã: Data bjectiv para acess e/u instalaçã; Nme e cntact d respnsável pr parte da Beneficiária que acmpanha a realizaçã ds trabalhs. 6.3 A Cabvisã respnderá à data prpsta, aceitand u sugerind nva data e indicand nme e cntact d técnic que fará acmpanhament. 6.4 Os Clientes deveram clcar Pedid de Data Objectiv para acess e/u instalaçã n praz de 60 (sessenta) dias após a recepçã de uma respsta psitiva a um Pedid de Análise de Viabilidade. Find este períd terá que efectuar nv pedid. 6.5 O acess a pstes e/u cndutas e infra-estrutura assciada da Cabvisã pde ser realizad pr parte de clabradres ds Clientes (u clabradres de empresas subcntratadas, desde que devidamente identificads e cumprind as regras de segurança adequadas às respectivas tarefas), s quais pderã ser acmpanhads pr representantes da Cabvisã sempre que esta entenda necessári. Para efeit, s Clientes devem acrdar cm a Cabvisã períd de acess e instalaçã. 6.6 Os Clientes têm um praz máxim de 30 (trinta) dias após acess e instalaçã para enviar cadastr para a Cabvisã. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 6 / 15

7 7. Pedids de Remçã de Cabs e/u Equipaments Passivs 7.1 Mediante pedid específic ds Clientes, s mesms prcederam à remçã ds cabs e/u equipaments passivs instalads ns pstes e/u cndutas e infra-estrutura assciada da Cabvisã, cm acmpanhament a realizar pr esta, se assim entender necessári. 7.2 Para tal, s Clientes agendaram cm a Cabvisã a data e lcal da remçã ds seus meis dentr d praz de 8 (it) dias úteis. 7.3 Quand existam cabs, equipaments u quaisquer elements de rede que nã estejam a ser efectivamente utilizads e cuja utilizaçã nã esteja prevista n períd de um an seguinte, e sempre que as infra-estruturas em causa sejam necessárias para satisfazer as necessidades da Cabvisã u para aljar elements de rede de utras empresas de cmunicações electrónicas que niss tenham demnstrad interesse, s Clientes devem prceder à remçã ds mesms, suprtand s respectivs custs. 8. Pedids de Intervençã ns Cabs e/u Equipaments Passivs Sempre que seja necessári efectuar uma intervençã ns cabs e/u equipaments passivs da Beneficiária que estejam instalads em infra-estruturas civis da Cabvisã, nmeadamente para substituiçã de segments de cab, caberá à Beneficiária requerer e executar a dita intervençã. Para esse efeit, a Beneficiária deve cntactar, pr via telefónica, a Supervisã de Rede da Cabvisã através d númer de telefne , facultand tds s elements e meis necessáris à intervençã requerida. Para efeits de pedids de intervençã, deverá a Beneficiária dispnibilizar à Cabvisã tda e qualquer infrmaçã necessária para a avaliaçã da mesma. Dependend d carácter da intervençã, esta pde ser classificada de acrd cm seguinte critéri: a) Intervençã prgramada A Cabvisã terá que iniciar a realizaçã d acmpanhament da intervençã num praz máxim de 48 hras cnsecutivas. A respsta à slicitaçã de Beneficiária deverá ser dada num praz máxim de 12 hras. b) Intervençã nã prgramada (exclusivamente a situações de intervenções de emergência devidamente justificad). A Cabvisã terá que iniciar a realizaçã d acmpanhament da intervençã num praz máxim de 24 hras cnsecutivas. A respsta à slicitaçã da Beneficiária deverá ser dada num praz máxim de 8 hras. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 7 / 15

8 9. Desvi de Traçads e Alteraçã da Ocupaçã 9.1 A Cabvisã reserva-se direit de, em cass de frça mair, pr impsiçã de terceirs u pr necessidade de desenvlviment e/u explraçã da sua rede, alterar percurs e/u tip das infra-estruturas de Cmunicações dispnibilizadas para instalaçã da rede da Beneficiária, sem prejuíz da aplicaçã das regras gerais ds cntrats. 9.2 Sempre que a Cabvisã pretenda prceder a alterações n âmbit d presente capitul, deverá: Infrmar a Beneficiária, cm uma antecedência mínima de 30 (trinta) dias úteis, sbre as alterações que pretende efectuar e respectivas cnsequências, salv em cass de frça mair u de impsiçã pr terceirs que impeçam cumpriment de tal praz de pré-avis; Prceder à alteraçã das infra-estruturas e prestar tda a clabraçã à Beneficiária, desenvlvend s seus melhres esfrçs n sentid de frnecer sluções alternativas, de natureza transitória u nã, cm bjectiv de minimizar s temps de interrupçã d serviç. 10. Preçs A tds s preçs n âmbit da Oferta IARC CABOVISÃO, acresce IVA à taxa legal em vigr Pedids de Infrmaçã de Infra-estruturas: Preç pr pedid de traçad de infraestrutura assciada 105,0 Esta variante de acess à infrmaçã será descntinuada após a entrada em peraçã d SIC Pedids de Pstes: a) Análise d Pedid de Viabilidade Preç base (pr pedid) 140,0 Preç pr Pste 33,55 b) Acess e Instalaçã Validaçã d pedid de Acess e Instalaçã (pr pedid) 35,0 Serviç de Acmpanhament e Supervisã ds trabalhs Ver pnt 10.4 Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 8 / 15

9 c) Ocupaçã em pste e Infra-estrutura assciada Preç mensal de cupaçã de espaç de uma fixaçã pr um cab em Pste 2,05 Preç mensal de cupaçã de espaç em tub de subida, pr cab da Beneficiária 0,60 Preç mensal de cupaçã de espaç em Pste, pr tub de subida da Beneficiária 1, Pedids de Cndutas: a) Análise d Pedid de Viabilidade Preç base (pr pedid) 140,0 Preç pr CVP 49,50 b) Acess e Instalaçã Validaçã d pedid de Acess e Instalaçã (pr pedid) 35,0 Serviç de Acmpanhament e Supervisã ds trabalhs Ver pnt 10.4 c) Ocupaçã em cnduta e Infra-estrutura assciada Preç mensal de cupaçã de espaç em cnduta, pr km e pr cm 2 (km/cm 2 ) 9,00 Preç mensal de cupaçã de espaç pr PE 2,16 Preç mensal de cupaçã de espaç pr PL 4,68 Preç mensal de cupaçã de espaç pr Flga de Cab 3,24 Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 9 / 15

10 10.4 Acmpanhament e Supervisã A Cabvisã pderá prestar serviçs de acmpanhament e supervisã para as seguintes actividades realizadas pels Clientes: a) Instalaçã de cabs e equipaments passivs ns pstes e/u cndutas e infra-estrutura assciada; b) Intervençã ns cabs e/u equipaments passivs instalads ns pstes e/u cndutas; c) Remçã de cabs e equipaments passivs instalads ns pstes e/u cndutas; d) Acess e/u execuçã as pnts de entrada. Os preçs definids para acmpanhament sã s seguintes: Hrári Nrmal Acmpanhament e Supervisã ds Trabalhs (Dias úteis das 9 às 18H. Estã excluíds Sábads, Dmings, Feriads Nacinais e Cncelhis) Restantes Períds 27,50 Hra/Hmem + 1,15 /Km* 55,00 Hra/Hmem + 1,15 /Km* (*) Tend em cnsideraçã uma distância máxima de deslcaçã de 100Km s Desbstruçã em cnduta N cas de um Pedid de Análise de Viabilidade ter sid respndid cm viável e na instalaçã frem detectadas cndutas bstruídas, reserva-se a Cabvisã direit de desbstruir essas cndutas mediante a aprvaçã de rçament pels Clientes, sem prejuíz da desbstruçã nã ser pssível pr mtivs alheis à Cabvisã Adequaçã u refrç de Pstes N cas de um Pedid de Análise de Viabilidade ter sid respndid cm viável e na instalaçã frem detectadas necessidades de adequaçã u refrç d traçad de pstes u de parte dele, reserva-se a Cabvisã direit de fazer essa adequaçã e/u refrç mediante a aprvaçã de rçament pela Beneficiária, sem prejuíz da adequaçã e/u refrç nã ser pssível pr mtivs alheis à Cabvisã Remçã N cas de serem detectadas necessidades de remçã de cabs e/u equipaments passivs da Beneficiária, e esta nã prceder à remçã ns terms mencinads n pnt 7.3 d presente dcument, pde a Cabvisã n praz de 30 dias úteis a cntar da data d pedid de descupaçã dirigid à Beneficiária, efectuar essa remçã, cm psterir apresentaçã ds custs à Beneficiária. 11. Cndições de Faturaçã e Pagament As encmendas de serviçs prestads a abrig da ferta IARC-CBV sã vinculativas. Os clientes a efetuarem uma encmenda de serviçs n âmbit da presente ferta, cnstituem-se na brigaçã de efetuar pagament da ttalidade d serviç slicitad e prestad. Para determinads serviçs, que sã bjet de rçament própri, pr envlverem trabalhs específics pr parte da CABOVISÃO, a mesma pderá faturar 50% d valr d trabalh, n mment da encmenda d serviç. Send que valr remanescente, apenas será faturad cm frneciment d serviç. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 10 / 15

11 As faturas emitidas pela CABOVISÃO deverã ser pagas n praz de 30 dias. A remçã de meis d cliente será faturada aquand da cnclusã d trabalh. Serã aplicads jurs de mra à taxa legal em vigr, sbre s valres em dívida. A tds s preçs acresce IVA à taxa legal em vigr. 12. Respnsabilidade 12.1 A Cabvisã nã é respnsável pr quaisquer prejuízs u dans ds Clientes assciads a avarias ns cabs u utrs elements de rede desta empresa instalads nas suas infraestruturas civis, que nã lhe sejam directamente imputáveis a títul de dl, negligência u culpa grave Os Clientes sã respnsáveis perante a Cabvisã, ns terms gerais de Direit, pels dans que esta última venha a sfrer pr interrupçã, suspensã u qualquer falha na prestaçã ds serviçs as seus clientes, desde que tal interrupçã, suspensã u utra falha tenha sid prvcada u agravada pels meis ds Clientes instalads nas Infraestruturas da Cabvisã, u pr intervenções realizadas pels Clientes. 13. Incumpriment u utilizaçã indevida de infraestruturas 13.1 A Cabvisã pderá fazer cessar a prestaçã de serviçs bject d presente dcument, a qualquer mment, mediante ntificaçã à Beneficiária cm uma antecedência mínima de 30 (trinta) dias, cas esta: Utilize as infra-estruturas dispnibilizadas para um fim diferente daquele que fi previst n pedid de viabilizaçã inicialmente viabilizad; Nã efectue pagament da sua cntraprestaçã n praz de 15 (quinze) dias após a data fixada cm limite de pagament; Falte a cumpriment de qualquer utra das brigações previstas na presente Oferta de frma grave u reiterada; Cesse u ameace cessar a sua actividade; 14. Cmunicações Quaisquer cmunicações, pedids u ntificações entre a Beneficiária e a Cabvisã a abrig da presente Oferta devem ser efectuads pr escrit, mediante crrei electrónic, para s endereçs e pnts de cntact indicads: CABOVISÃO TELEVISÃO POR CABO, S.A. Lugar de Pçs Palmela Crrei electrónic: Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 11 / 15

12 15. Pressupsts Cntratuais A frmalizaçã da cntrataçã ds serviçs bjet da presente ferta, crre cm a receçã pela CABOVISÃO d pedid de encmenda enviad pel cliente, ficand este vinculad a cumpriment das cndições previstas na ferta da IARC CABOVISÃO. 16. Dispsições Legais 16.1 Infrmaçã e Cnfidencialidade A CABOVISÃO e cliente brigam-se a partilhar tda a infrmaçã necessária, n âmbit da ferta IARC CBV. A parte que recebe a infrmaçã é brigada a tratament e cnfidencialidade da mesma, send que a prpriedade permanece incndicinalmente de quem a transmite. As partes brigam-se a nã divulgar u cmunicar a terceirs, durante a vigência d presente Cntrat e pr um períd de [três (3)] ans após a sua cessaçã, a infrmaçã revelada em dcument escrit u através de qualquer utra frma material, pr uma das partes à utra, antes u durante períd de vigência d presente Cntrat, sem prévi cnsentiment escrit da utra parte, desde que tal infrmaçã deva ser tida cm cnfidencial, u seja acmpanhada de uma declaraçã expressa indicand a sua cnfidencialidade (a Infrmaçã Cnfidencial ). A parte a quem fr revelada Infrmaçã Cnfidencial cmprmete-se a adtar tdas as medidas necessárias para impedir a divulgaçã da Infrmaçã Cnfidencial pels seus cnsultres, membrs ds crps sciais e trabalhadres. As brigações de cnfidencialidade estabelecidas na presente cláusula, nã serã aplicáveis a quaisquer infrmações em relaçã às quais a parte recetra puder prvar: a) ter tid cnheciment antes da respetiva receçã através da parte que a revelu; b) ter sid legalmente revelada, em mment subsequente, pr um terceir que nã a tenha btid (direta u indiretamente) da parte que a revelu; u c) ser pública à data da sua receçã u que se tenha psterirmente trnad pública, sem que tal tenha resultad da vilaçã d dispst na presente cláusula, u de qualquer brigaçã de cnfidencialidade da parte a quem fr revelada a Infrmaçã Cnfidencial u de qualquer terceir subcntratad. A CABOVISÃO e cliente pderã revelar infrmações tidas pr cnfidenciais ns terms desta Oferta, se tal lhe fr impst pr lei u pr decisã judicial u administrativa, brigand-se a infrmar imediatamente utr de tal fact, bem cm a limitar a infrmaçã a que lhe fr impst, cm indicaçã expressa de que a infrmaçã revelada fi classificada cm cnfidencial. A CABOVISÃO e cliente ficam desde já autrizads a divulgar infrmaçã cnfidencial: A ICP-ANACOM; Em situações de litígi entre a CABOVISÃO e cliente, cas em que a infrmaçã relevante pderá ser apresentada perante as autridades judiciais; e Quand a infrmaçã em causa seja slicitada pr uma autridade pública, cm pderes para efeit. Nenhuma das partes emitirá cmunicads à imprensa u trnará pública qualquer infrmaçã relativa às transações cntempladas n presente Cntrat, sem prévi cnsentiment da utra parte. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 12 / 15

13 A vilaçã da brigaçã de cnfidencialidade prevista n presente pnt, cnstitui incumpriment da ferta IARC CABOVISÃO, devend a parte que incrreu em incumpriment, indemnizar a utra de tds s prejuízs decrrentes dessa vilaçã Direit de Prpriedade Intelectual Qualquer direit de prpriedade e de prpriedade intelectual da CABOVISÃO u d cliente, sb matérias desenvlvidas n âmbit da presente Oferta, permanecem prpriedade de quem s cncebeu, nã cnstituind a ferta IARC, títul de transmissã de qualquer desses direit para uma terceira entidade Resluçã de Litígis Sem prejuíz d recurs as tribunais, judiciais u arbitrais, ns terms da lei geral, cliente pderá cmunicar à CABOVISÃO facts que cnsidere viladres d presente Cntrat, n praz de 30 (trinta) dias após seu cnheciment. A CABOVISÃO deverá analisar as reclamações apresentadas pel cliente, infrmand- das suas cnclusões n praz máxim de 30 (trinta) dias, após recebida a cmunicaçã a que se refere númer anterir. Cas nã seja pssível às partes chegarem a um acrd pela via extrajudicial, as partes esclhem cm cmpetente para a resluçã de qualquer litígi relativ a presente Cntrat, Fr da Cmarca de Lisba, cm expressa renúncia a qualquer utr Interrupçã, Suspensã e Cessaçã d Serviç A CABOVISÃO pderá interrmper a prestaçã de Serviçs incluíds nesta ferta para prceder à cnservaçã, manutençã, reparaçã e/u desenvlviment da rede, cmprmetend-se a ntificar Cliente, cm a antecedência mínima de 10 dias, salv em situações imprevistas u urgentes. A CABOVISÃO pderá ainda interrmper u suspender, ttal u parcialmente, a prestaçã ds serviçs incluíds nesta Oferta, em cas de incumpriment pel cliente, de alguma das cndições dela cnstantes u de vilaçã da legislaçã em vigr, sem prejuíz das indemnizações a que tenha direit. Cnstituem, designadamente, causas de interrupçã u suspensã ds serviçs: a) A falta de segurança da rede da CABOVISÃO, que pssa afetar seu nrmal funcinament, u cnstituir uma ameaça à integridade física de qualquer pessa; b) A vilaçã da integridade da rede da CABOVISÃO; c) Falta u atras reiterad n pagament ds serviçs prestads n âmbit da presente Oferta; d) Uma situaçã de emergência u de frça mair. A CABOVISÃO pderá cessar a prestaçã ds serviçs bjet da presente Oferta, a qualquer mment, mediante ntificaçã a cliente enviada cm uma antecedência mínima de 30 (trinta) dias, cas este: a) utilizar s Serviçs e meis dispnibilizads pela CABOVISÃO cm um fim diferente daquele que fi previst aquand da sua cntrataçã, de tal frma que pssa clcar em risc a prestaçã de Serviçs a utrs clientes; b) faltar a cumpriment de qualquer das suas brigações cntratuais que estiverem em vigr em cada mment; c) nã efetuar pagament da sua cntraprestaçã n praz de 15 (quinze) dias após a data fixada cm data limite para pagament; Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 13 / 15

14 d) entrar em liquidaçã (cm exceçã das situações de fusã n âmbit das quais a sciedade incrprante u a nva sciedade se vincule u assuma as brigações emergentes d Cntrat para tal parte); e) cessar u ameaçar cessar a sua atividade. Em cas de mra d cliente, a CABOVISÃO reserva direit de recusar qualquer pedid de Nvas encmendas Segurança e Prteçã A CABOVISÃO e cliente sã respnsáveis pela prteçã das suas redes, devend salvaguardar que a sua rede e equipaments, para efeit: a) Nã exista risc de perig de saúde ds clabradres, utilizadres u subcntratads d utr b) Nã exista risc de deteriraçã na peraçã da rede e ds equipaments d utr; c) Nã exista risc de afetar a qualidade ds serviçs prestads Frça Mair Cas, durante a vigência da presente ferta, crra uma situaçã de frça mair que impeça a prestaçã pntual ds serviçs, nas datas e prazs acrdads, praz para cumpriment será alargad pr um períd idêntic a atras verificad, sem, prejuíz das partes desenvlverem s melhres esfrçs n sentid de minimizar impact da situaçã crrida. Pr frça mair, entende-se qualquer situaçã u acnteciment imprevisível u excecinal independentemente da vntade das partes e nã imputável a err u negligência de qualquer uma das mesmas que impeça qualquer das partes de cumprir as brigações cntratuais a que está brigada e que nã pssa ser superad apesar de tdas as diligências efetuadas nesse sentid Alterações da IARC CBV Qualquer alteraçã à IARC CBV terá efeits imediats nas relações cm s clientes Legislaçã Aplicável Em tud que nã estiver regulad na presente Oferta bservar-se-ã as dispsições relevantes da Lei n.º 5/2004, de 10 de fevereir, Decret-Lei nº 123/2009, de 21 mai, na redaçã que lhe fi dada pel Decret-Lei nº 258/2009, de 25 de setembr, bem cm as Deliberações d ICP-ANACOM, emitidas a abrig da mesma e demais legislaçã aplicável. Em cas de divergência entre as cndições gerais desta Oferta e qualquer ds seus Anexs, prevalecem as primeiras. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 14 / 15

15 17. Históric de Versões Versã Data Cmentáris Versã Inicial Alteraçã n endereç d crrei electrónic. Crreçã n pnt 10.3 alínea c) nde dizia pste passu a cnduta. Cabvisã - Televisã pr Cab, SA Tds s direits reservads. Nenhum cnteúd deste dcument pde ser reprduzid, ftcpiad u transmitid através de meis eletrónics, sem aprvaçã da Cabvisã, pr escrit. Pág. 15 / 15

IARC. - Anexo 3 - Procedimentos de Gestão de Pedidos. Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 3 - Procedimentos de Gestão de Pedidos. Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 3 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Prcediments de Gestã de Pedids Índice 1. Intrduçã 3 2. Prcediments 3 2.1 Pedids de Infrmaçã de cndutas

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE Term de Adesã a Prgrama de Afiliads DATTE CONSIDERANDO que este Term de Afiliads cntém as regras que se aplicam à participaçã de Pessas Físicas e Jurídicas n Prgrama de Afiliads DATTE, dravante chamad

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD Índice Identificaçã e Utilizaçã Infrmações Úteis Segurs Assciads Serviçs Assciads Telefnes úteis Cuidads a ter cm seu cartã Identificaçã

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Pnt 5) Prf. Jã Glicéri de Oliveira Filh I. Nções gerais - Máquina de trabalh d empresári - França - Fund de cmérci - Itália - Azienda - Navarrini - "Cmplex de frças ecnômicas

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

Cronograma Geral da Contabilização. PdC Versão 2 PdC Versão 3

Cronograma Geral da Contabilização. PdC Versão 2 PdC Versão 3 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Crngrama Geral da Cntabilizaçã PdC Versã 2 PdC METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã. Text tachad refere-se

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015

CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 CIRCULAR N/ REFª: 62/15 DATA: 13/07/2015 Assunt: Fund de Cmpensaçã d Trabalh e Fund de Garantia de Cmpensaçã d Trabalh Nva Platafrma de serviçs ds Funds de Cmpensaçã Exms. Senhres, Na sequência de anterires

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.1 16 de julh de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE... 6 Serviç

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES 2.7. Destacament de Trabalhadres Frma e cnteúd de cntrat cm trabalhadr estrangeir u apátrida N art.º 5 d CT (Capítul II - Lei 7/2009 de 12/02) cntrat

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro.

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro. REGULAMENTO CORRIDA SOLIDÁRIA BOSCH 2015 1. DENOMINAÇÃO A Bsch em Prtugal, representada pela Bsch Termtecnlgia, S.A, em Aveir, em parceria cm as Câmaras Municipais de Aveir e Ílhav, a Assciaçã Industrial

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Brasília/DF neste ato legalmente representado por sua Ordenadora de Despesas, Senhora SÔNIA

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Brasília/DF neste ato legalmente representado por sua Ordenadora de Despesas, Senhora SÔNIA TERMO DE CONTRATO CNMP N. 003 / 2010 PutlIced tle 30 CI II d OS. / 0 21/4900 J,(108,Lt.tt_ CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO E A PESSOA JURÍDICA

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.0 21 de mai de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE...

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

CONDIÇÕES DE COMPRA. ****Atenção**** Notas fiscais e pagamentos:

CONDIÇÕES DE COMPRA. ****Atenção**** Notas fiscais e pagamentos: CONDIÇÕES DE COMPRA ****Atençã**** Ntas fiscais e pagaments: A Siemens reserva-se direit de recusar recebiment de qualquer remessa desacmpanhada da dcumentaçã legal cnfrme a legislaçã vigente; Os pagaments

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias ("CCR")

CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) CÓDIGO DE CONDUTA Divulgaçã e Us de Infrmações e Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias ("CCR") Intrduçã O presente Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações

Leia mais

MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS 2007 1 MISSÃO A missã d Quer Um Bich é a preservaçã da vida e ds direits básics de subsistência, independentemente da espécie. Cabe as mais afrtunads,

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CONCURSO PÚBLICO N.º 13/14/GJ/DGE/WEBSITE PGETIC CADERNO DE ENCARGOS

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CONCURSO PÚBLICO N.º 13/14/GJ/DGE/WEBSITE PGETIC CADERNO DE ENCARGOS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CONCURSO PÚBLICO N.º 13/14/GJ/DGE/WEBSITE/PGETIC CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE WEBSITE PARA COMUNICAR O PGETIC 1 DE 33 CLÁUSULAS

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Política de Identificação de Clientes

Política de Identificação de Clientes Plítica de Identificaçã de Clientes Índice 1. ENQUADRAMENTO... 2 2. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. VERIFICAÇÃO DA IDENTIDADE... 3 3.1. Princípis básics... 3 3.2. Elements a bter... 3 4. ENTIDADES...

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - RFQ Ref.: 0084/24 (Favr referir-se a este númer em tdas as crrespndências) Esta empresa está cnvidada a apresentar prpsta à UNESCO de Elabraçã de Prgrama Editrial para Institut

Leia mais

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI)

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI) Desafis e Oprtunidades. Os Plans de Gestã de Riscs de Inundações (PGRI) Cláudia Brandã e Jsé Salvad Divisã d Estad das Dispnibilidades Hídricas 5/02/2015 O QUE SE COMENTA SOBRE AS CHEIAS OU INUNDAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais