Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Discussion Paper 35 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural: Lições de Quatro Estudos de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Discussion Paper 35 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural: Lições de Quatro Estudos de Caso"

Transcrição

1 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Discussion Paper 35 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural: Lições de Quatro Estudos de Caso Ajai Nair e Renate Kloeppinger-Todd

2 2007 The International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank 1818 H Street, NW Washington, DC Telephone Internet All rights reserved. The findings, interpretations, and conclusions expressed herein are those of the author(s) and do not necessarily reflect the views of the Board of Executive Directors of the World Bank or the governments they represent. The World Bank does not guarantee the accuracy of the data included in this work. The boundaries, colors, denominations, and other information shown on any map in this work do not imply any judgment on the part of the World Bank concerning the legal status of any territory or the endorsement or acceptance of such boundaries. Rights and Permissions The material in this work is copyrighted. Copying and/or transmitting portions or all of this work without permission may be a violation of applicable law. The World Bank encourages dissemination of its work and will normally grant permission promptly. For permission to photocopy or reprint any part of this work, please send a request with complete information to the Copyright Clearance Center, Inc., 222 Rosewood Drive, Danvers, MA 01923, USA, telephone , fax , All other queries on rights and licenses, including subsidiary rights, should be addressed to the Office of the Publisher, World Bank, 1818 H Street NW, Washington, DC 20433, USA, fax , Authors Ajai Nair is a consultant working on rural finance and microfinance, and can be contacted at and Renate Kloeppinger-Todd is the rural finance adviser at the Agriculture and Rural Development Department, World Bank, and can be contacted at Isto é um documento traduzido. As citações devem referir ao original documento em inglês.

3 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Sumário Agradecimentos...vi Siglas e abreviaturas...vii Resumo...ix 1. Introdução...1 Serviços Financeiros e Desenvolvimento Rural...2 Cooperativas Visão Geral...2 Cooperativas Financeiras Um Caso Especial...3 Países Estudados Visão Geral...5 Desenvolvimento Humano e Econômico...5 Desenvolvimento do Setor Financeiro...5 Acesso ao Financiamento Rural SICREDI, Brasil...9 Desempenho...10 Ambiente Institucional...11 Jurídico e Regulamentar...11 Supervisão...12 Modelo Empresarial...12 Governança e Quadro de Funcionários...13 Sistemas e Processos Operacionais...15 Serviços e Produtos SANASA, Sri Lanca...19 Desempenho...19 Ambiente Institucional...21 Jurídico e Regulamentar...21 Supervisão...21 Modelo Empresarial...22 Governança e Quadro de Funcionários...23 Sistemas e Processos Operacionais...24 Produtos e Serviços Caisse Populaire, Burkina Faso...27 Desempenho...27 Ambiente Institucional...29 Modelo Empresarial...29 Governança e Quadro de Funcionários...32 Sistemas e Processos Operacionais...32 Produtos e Serviços...34 iii

4 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola 5. KERUSSU, Quênia...35 Desempenho...36 Ambiente Institucional...37 Jurídico e Regulamentar...37 Modelo Empresarial...38 Governança e Quadro de Funcionários...39 Sistemas e Processos Operacionais...40 Produtos e Serviços Lições e Conclusões...43 Os Casos Resumo Comparativo...44 Lições...46 Alcance Rural e Desempenho Financeiro...47 Ambiente Institucional e Desempenho Institucional...47 Modelo Empresarial e Desempenho Institucional...48 Anexo 1. Análise Swot de Uma Rede Cooperativa de Financiamento SICREDI, Brasil...50 Anexo 2. Fatores de Sucesso e Intervenções Apropriadas de Doadores RCPB, Burkina Faso...56 Anexo 3. Demonstração Financeira Consolidada Para Cooperativas SICREDI, Brasil...64 Anexo 4. Demonstração Financeira Consolidada Para Caisses RCPB, Burkina Faso...66 Notas de Fim...69 BIBLIOGRAFIA...72 Lista de Caixas de Texto Caixa 2.1. SICREDI: Visão, Missão e Valores...9 Caixa 2.2. Modelo Empresarial do SICREDI: Elementos-Chave...13 Caixa 2.3. Sistema Salarial do SICREDI...15 Caixa 3.1. SANASA: Líder em Alcance em um Mercado de Micro-Financiamento Saturado...20 Caixa 4.1. RCPB: Missão e Clientela...27 Caixa 4.2. Aproveitando Economias de Escala: Duas Instituições Auxiliares...31 Lista de Tabelas Tabela 1.1. Países Estudados Indicadores Selecionados de Desenvolvimento Econômico...6 Tabela 1.2. Indicadores Selecionados de Desenvolvimento do Setor Econômico...7 Tabela 2.1. SICREDI: Desempenho Consolidado das Cooperativas...10 Tabela 3.1. SANASA: Poupança e Empréstimos...20 Tabela 4.1. RCPB: Indicadores Selecionados de Desempenho...28 Tabela 6.1. Os Casos: Indicadores-Chave...45 Tabela A1-1. SICREDI: Análise Swot...50 iv

5 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Lista de Figuras Figura 2.1. Estrutura do SICREDI...14 Figura 3.1. Estrutura do SANASA...22 Figura 4.1. Estrutura do RCPB...30 Figura 5.1. Estrutura das OCCIS e Suas Instituições Secundárias No Quênia...38 v

6 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Agradecimentos Este trabalho baseia-se em quatro estudos de caso de cooperativas financeiras, elaborados por três consultores. Os três consultores Bonnie Brudsky, consultor independente; Chet Aeschliman, executivo de marketing e finaciamento rural da Food and Agricultural Organization; e Graham Owen, G.R. Owen Consulting Inc. fizeram a gentileza de esclarecer diversas dúvidas, coletar informações adicionais para algumas das indagações e examinar o esboço inicial do trabalho de síntese. Comentários valiosos foram feitos por três revisores Anne Gaboury, diretora-presidente da Développement International Desjardins, do Canadá; Aarón Silva, ex-vice-presidente de avaliação e planejamento estratégico do BANSEFI, Banco de Desenvolvimento do Setor de Crédito e Poupança, do México; e Eustacius N. Betubiza, principal especialista em desenvolvimento rural do Banco Mundial. Lisa Lau coordenou o processo de publicação. Esta publicação recebeu apoio financeiro do Governo da Holanda através do Programa de Parceria Banco-Holanda (Bank-Netherlands Partnership Program). Os autores gostariam de expressar seu profundo agradecimento a todos pelo auxílio. vi

7 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Siglas e Abreviaturas AGA ATs CA BCEAO SAO CFE IFC CIF DESUC DID DI DGRV AD CF FCPB SAC PIB KERUSSU KUSCCO MAPFRE IMF SGI ONG CER Assembléia Geral Anual Antennes Techniques (Antenas Técnicas) caixa automático Banque des États de l Afrique de l Ouest Serviços de Atividades Operacionais (Back Office Service Activities) Centre Financier aux Entreprises Instituição Financeira Cooperativa Centre d Innovation Financière Departamento de Supervisão de Cooperativas e Instituições não Bancárias e de Atendimento de Demandas e Reclamações Développement International Desjardins Diretoria de Inspeção Deutscher Genossenschafts-und Raiffeisenverband e.v. (Confederação Alemã de Cooperativas de Crédito) Associação Distrital cooperativa financeira Fédération des Caisses Populaires du Burkina Serviços de Atividades Comerciais (Front Office Service Activities) produto interno bruto Kenya Rural Savings and Credit Cooperative Society Union (Associação de Cooperativas de Crédito Imobiliário Rural do Quênia) The Kenya Union of Savings and Credit Cooperatives (União de Cooperativas de Crédito Imobiliário do Quênia) Mutualidad de la Agrupación de Propietarios de Fincas Rústicas de España (empresa de seguros sediada na Espanha) instituição de micro-financiamento sistema de gestão das informações organização não-governamental carteira em risco (saldos de empréstimo inadimplentes há 90 dias ou mais) vii

8 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola PARMEC PdA PPA PRONAF SCPCI RCPB RIS OCCI SANEEPA SEDCO SESCOOP SDBL SICOOB SICREDI PMEs SWOT CTC PNUD AR WAMU WOCCU Moedas Programme d Appui à la Réglementation des Mutuelles d épargne et de Crédit de la BCEAO (projeto de desenvolvimento de uma estrutura jurídica e normativa com apoio técnico do DID e financeiro do CIDA) ponto de atendimento (ou seja, uma filial) de uma caisse populaire paridade do poder aquisitivo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familial Sociedades Cooperativas Primárias de Crédito Imobiliário (Primary Thrift and Credit Cooperative Societies) Réseau des Caisses Populaires du Burkina (rede cooperativa de financiamento Caisse Populaire de Burkina Faso) Regimento Interno do Sistema Organização das Cooperativas de Crédito Imobiliário SANASA Producer Consumer Alliance (Aliança de Produtores e Consumidores SANASA) Empresa de Engenharia e Desenvolvimento do SANASA Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SANASA Development Bank LTD (Banco de Desenvolvimento SANASA Ltda.) Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil Sistema de Crédito Cooperativo Pequenas e Médias Empresas Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats (Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças) Comitê Técnico Consultivo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Associação Regional West African Monetary Union (União Monetária da África Ocidental) The World Council of Credit Unions (Conselho Mundial de Uniões de Crédito) CFAF Franco de Burkina Faso K Sh Xelim do Quênia R$ Real brasileiro SL Re Rúpia do Sri Lanca US$ Dólar Norte-Americano viii

9 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Resumo Este trabalho apresenta quatro casos de redes de cooperativas financeiras que possuem um alcance rural significativo, e procura tirar algumas conclusões a partir do desempenho destas, bem como dos ambientes normativos, operacionais e de supervisão nos quais atuam, além de seus modelos empresariais. As redes operam em países que apresentam grande variação em seus contextos culturais e históricos, níveis de desenvolvimento econômico e humano, ambientes jurídicos e regulamentares, e de concorrência existente. As lições-chave obtidas por este trabalho são as seguintes: (1) as cooperativas financeiras são capazes de fornecer serviços financeiros em áreas rurais de países em desenvolvimento e ainda obter lucro; (2) uma estrutura regulamentar que inclua normas cautelares e um sistema de controle com capacidade de supervisão financeira está correlacionada a um desempenho melhor; e (3) cooperativas financeiras altamente integradas proporcionam uma maior variedade de serviços financeiros, possuem sistemas operacionais mais avançados e parecem ter maior grau de sustentabilidade financeira do que aquelas pouco integradas. ix

10

11 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural 1. Introdução As cooperativas financeiras (CFs) fornecem serviços financeiros em áreas rurais de países em desenvolvimento? Elas têm capacidade para prestar serviços em áreas rurais e ainda obter lucros? As CFs atendem clientes de baixa renda? Como o ambiente regulamentar afeta o desempenho das CFs? Como o modelo empresarial das redes de CFs afeta o desempenho das CFs? O presente trabalho procura responder estas questões através da abordagem de estudo de casos. Este trabalho apresenta quatro casos de redes de cooperativas financeiras, de países em desenvolvimento, que possuem um alcance rural significativo. Os quatro casos são o SICREDI (Sistema de Crédito Cooperativo) do Brasil, a SANASA do Sri Lanca, a RCPB (Réseau des Caisses Populaires du Burkina) de Burkina Faso, e a KERUSSU (Kenya Rural Savings and Credit Cooperative Society Union) do Quênia. Os quatro casos foram intencionalmente selecionados por representarem exemplos de redes de cooperativas financeiras com alcance significativo em áreas rurais. Os países apresentam grande variação em seus contextos culturais e históricos, níveis de desenvolvimento econômico e humano, ambientes jurídicos e regulamentares dentro dos quais as cooperativas financeiras atuam, e de concorrência existente. Em si, os casos colocam três perguntas. Como atuam as CFs em termos de alcance, serviços prestados e lucratividade? 1 Qual é o ambiente jurídico e regulamentar segundo o qual as CFs funcionam? Qual é o modelo empresarial (estrutura organizacional, governança, quadro de funcionários, sistemas e processos institucionais, e natureza dos produtos e serviços)? A primeira pergunta é relevante no contexto de um crescente consenso de que os clientes com freqüência necessitam de uma ampla gama de serviços financeiros (além de apenas crédito, como geralmente se pensava) e de que a lucratividade é importante para o fornecimento de serviços sustentáveis. A segunda pergunta é feita considerando-se que um ambiente jurídico e regulamentar facilitador é um elemento-chave de sistemas financeiros bem-sucedidos. A terceira pergunta procura entender as semelhanças e diferenças entre os modelos empresariais, e identificar qualquer correlação com o desempenho. O presente trabalho e os estudos de caso no qual se baseia foram elaborados como material de apoio para o Relatório Econômico e Setorial do Banco Mundial, Acesso a Serviços Financeiros em Áreas Rurais: Alcance Rural e Cooperativas Financeiras. O relatório e os estudos de caso serão publicados separadamente. Este trabalho foi organizado da seguinte maneira: as seções restantes deste capítulo discutem a relevância dos serviços financeiros para o desenvolvimento rural e a redução da pobreza, fornecem uma visão geral da história e evolução de cooperativas financeiras e de alguns desafios por estas enfrentados, e apresentam uma visão geral dos quatro países estudados; os 1

12 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola capítulos dois a cinco apresentam os quatro casos, e o capítulo seis apresenta as lições obtidas a partir da comparação dos estudos de caso e aponta algumas conclusões. Serviços Financeiros e Desenvolvimento Rural O acesso a serviços financeiros contribui tanto para o desenvolvimento rural como para a redução da pobreza de várias formas. A capacidade de poupar e tomar empréstimos auxilia o consumo ao permitir um melhor gerenciamento de fluxos de caixa e ao promover investimentos que aumentem a renda e reduzam a vulnerabilidade. O acesso a instrumentos de gerenciamento de riscos, como seguros, reduz a vulnerabilidade, e o acesso a serviços de pagamento permite que os domicílios possuam fluxos periódicos de renda mesmo quando o principal provedor da família está trabalhando em um local geograficamente distante, muitas vezes em um país diferente. Contudo, o acesso a serviços financeiros permanece limitado na maioria das áreas rurais de países em desenvolvimento. Diversos fatores que aumentam os custos e o risco das transações restringem o acesso a serviços financeiros em áreas rurais. Os fatores que aumentam os custos das transações incluem a distância e a falta de infra-estrutura, e a menor procura por serviços financeiros devido aos níveis mais baixos de renda e atividade econômica. Os riscos incluem riscos co-variantes tais como o clima e riscos relativos a preços que afetam a agricultura, o principal determinante da renda rural. Em muitos países, o potencial de intervenções políticas nos mercados financeiros na forma de baixas de dívidas e limites máximos para taxas de juros dissuade instituições financeiras privadas de prestar serviços em áreas rurais (Banco Mundial, 2005). Em muitos países, a existência de programas de crédito subvencionados pelo governo também dissuade prestadores privados de entrar em mercados financeiros rurais. Cooperativas Visão Geral 2 A Aliança Cooperativa Internacional define cooperativa da seguinte maneira: Uma associação autônoma de pessoas unidas voluntariamente para a satisfação de suas necessidades e aspirações econômicas, sociais e culturais em comum através de uma empresa de propriedade conjunta, administrada democraticamente... (Birchall 2004). As cooperativas diferem de sociedades por ações basicamente pela sua governança o direito de voto se baseia na qualidade de associado e não na dimensão da participação acionária. As cooperativas diferem de fundações filantrópicas uma vez que são estabelecidas para atender às necessidades de seus associados ao invés das necessidades de terceiros. Há vários tipos de cooperativas a maioria se dedica a um setor econômico específico, porém outras se concentram na natureza da associação. Os tipos principais incluem cooperativas agrícolas, cooperativas financeiras, cooperativas habitacionais, cooperativas de saúde e serviço social, cooperativas de consumidores e cooperativas de trabalhadores. A forma cooperativa de organização existe há muito tempo, embora a forma moderna das cooperativas tenha surgido no século dezenove. As cooperativas agrícolas 2

13 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural destinadas a lidar com a comercialização e o processamento foram inventadas nos Estados Unidos na década de As cooperativas financeiras destinadas a reduzir o custo do acesso ao crédito foram inventadas na Alemanha mais ou menos na década de O setor cooperativo é uma força econômica considerável em muitos países, sendo as cooperativas agrícolas as mais dominantes. Nos Estados Unidos, as cooperativas agrícolas relatam uma produção superior a US$89 bilhões 3 e incluem nomes de marca tais como Land O Lakes e Sunkist. No Canadá, as cooperativas agrícolas controlam 40% dos recibos de caixa das propriedades rurais. No Japão, as cooperativas agrícolas informaram uma produção superior a US$90 bilhões. O banco associado às cooperativas japonesas é um dos maiores bancos do país, e a empresa de seguros associada é a maior do Japão. As cooperativas dominam o mercado de laticínios em muitos países da Europa, na Austrália e na Índia. Embora não tão disseminadas quanto as cooperativas agrícolas, outras cooperativas também possuem uma movimentação considerável e fatias significativas do mercado de muitos países. As cooperativas financeiras (incluindo os bancos cooperativos) detêm grandes fatias de mercado em muitos países. Na Europa Ocidental, aproximadamente bancos cooperativos possuem mais de pontos de atendimento e mais de 33 milhões de associados. Sua fatia do mercado de poupança da Europa Ocidental fica perto de 17%. Na Alemanha, os bancos cooperativos detêm uma fatia de mercado de 28%, e na Holanda, o Rabobank possui uma fatia de mercado de 25%. O Rabobank Netherlands possui mais de 1,7 milhões de associados, e ativos superiores a US$500 bilhões. Nos Estados Unidos, as associações de crédito possuem 70 milhões de associados, mais de US$300 bilhões em ativos, 8% da poupança dos consumidores, e 13% do mercado de crédito ao consumidor. A canadense Desjardins é a sexta maior instituição financeira do Canadá, com 5,7 milhões de associados e ativos superiores a US$75 bilhões. Cooperativas Financeiras Um Caso Especial A maioria das CFs de países em desenvolvimento oferecem serviços de crédito e poupança. Diversas CFs também oferecem serviços financeiros mais sofisticados, tais como leasing, pagamentos e serviços de seguros, muitas vezes em colaboração com parceiros. Por exemplo, as associações de crédito do Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, Jamaica, Nicarágua e México recebem remessas de associações de crédito dos Estados Unidos através da Rede de Remessas Internacionais estabelecida pelo Conselho Mundial das Associações de Crédito. Na maioria dos países, as CFs possuem um alcance rural maior do que as instituições de micro-financiamento (IMFs). Embora dedicadas não apenas ao atendimento de clientes de baixa renda, em muitos casos as CFs atendem um número maior de clientes de baixa renda do que a maioria das IMFs. E o que é mais importante, já que não se dedicam exclusivamente a clientes de baixa renda, elas têm a capacidade de atender seus clientes sem depender de auxílio de doadores. As CFs são um caso especial de cooperativas em função da natureza da mercadoria com a qual lidam. Os mercados financeiros possuem certas 3

14 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola características singulares que os tornam diferentes de outros mercados e justificam uma participação governamental mais ativa do que aquela requerida por outros setores. As CFs enfrentam um conjunto específico de questões derivadas da sua forma de propriedade (cooperativa) e de sua dimensão geralmente reduzida. As CFs de países em desenvolvimento geralmente são restringidas pela falta de autonomia em relação à interferência governamental, estruturas jurídicas anacrônicas, ausência de uma estrutura normativa apropriada, e baixa capacidade de supervisão por parte da entidade responsável pela supervisão das CFs. As estruturas jurídicas muitas vezes impedem a adoção de práticas melhores de governança corporativa; obstruem as fusões, aquisições ou divisões necessárias para uma atuação competitiva no mercado; e inibem uma diversificação maior. As estruturas normativas com freqüência carecem das normas cautelares essenciais para o controle de instituições financeiras, e faltam às agências de supervisão a habilidade e os recursos para supervisionar as CFs com eficácia. Cuevas e Fisher (2006) identificam um conjunto de questões-chave que requerem um acordo, pois a ausência deste restringiu o desenvolvimento de Instituições Financeiras Cooperativas (IFCs) e as impediu de alcançar todo o seu potencial de atendimento a clientes de baixa renda. 4 Estas questões incluem os pontos fortes e fracos das IFCs, os benefícios das redes e o papel das estruturas jurídicas no estímulo a este potencial; se a estrutura legal deveria ser uniforme para todas as IFCs ou se deveria ser graduada; e os efeitos dos diferentes arranjos de supervisão sobre o desempenho das IFCs. Os autores desenvolveram as seguintes proposições com relação a este trabalho: 5 a. As IFCs apresentam vantagens sobre os intermediários financeiros pertencentes a investidores na prestação de serviços financeiros porque abrandam a carência de mercado que leva ao racionamento do crédito, contribuindo assim para um sistema financeiro funcional. b. Como extensão da proposição acima, um sistema financeiro que apresente uma estrutura institucional diversificada, incluindo tipos institucionais, entre as outras IFCs será mais eficiente na promoção do crescimento econômico e na redução da pobreza. c. As alianças inter-ifcs (federações, ligas, e assim por diante) são organizações híbridas que permitem às IFCs explorar economias de escala e gerenciar com eficiência as incertezas da obtenção de insumos de intermediação. 6 Assim, a estrutura jurídica deve facilitar a formação de tais alianças e fornecer apoio legal aos contratos inter-cooperativos resultantes. d. As alianças inter-ifcs que incluem mecanismos privados de ordenamento e estratégias distintas daquele processo operacional de tomada de decisões existente entre as unidades de base e o ápice contribuem para o controle da preferência de despesas, aumentando, assim, a resistência do sistema a falhas e crises. 7 e. Intermediários financeiros mútuos requerem um ambiente normativo especializado que suporte a natureza especial dos contratos embutidos nas instituições. 4

15 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Países estudados Visão Geral O Sri Lanca é um país-ilha do Oceano Índico, próximo à extremidade sul da Índia. Possui uma área de quilômetros quadrados e uma população de aproximadamente 19 milhões de habitantes. O Burkina Faso é um país sem litoral da África Ocidental com área de quilômetros quadrados e população superior a 13 milhões de habitantes. O Quênia é um país do leste africano com área de quilômetros quadrados e população superior a 34 milhões. O Brasil é o maior país da América do Sul, tanto em extensão territorial como em número de habitantes. Cobre uma área de 8,5 milhões de quilômetros quadrados e abriga uma população estimada, em 2005, em mais de 186 milhões. Entre os países estudados, apenas o Brasil é altamente urbanizado; nos outros três países estudados, mais de três-quartos da população é rural. Esta distinção se reflete na pequena participação da agricultura no produto interno bruto (PIB) brasileiro. Desenvolvimento Humano e Econômico Os países estudados se posicionam ao longo do espectro de desenvolvimento humano e econômico. A Tabela 1.1 apresenta as estatísticas principais; os Estados Unidos e a República da Coréia foram incluídos como base de comparação. O Brasil é o país mais rico do grupo, e o Burkina Faso, o mais pobre. O Banco Mundial classifica o Brasil como um país de renda média, enquanto os outros três são considerados países de renda baixa. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) classifica o Sri Lanca e o Brasil como países com desenvolvimento humano médio, e o Quênia e o Burkina Faso como países de baixo desenvolvimento humano. O Sri Lanca e o Brasil possuem níveis mais próximos de desenvolvimento humano, embora a renda per capita do Sri Lanca seja praticamente a metade da brasileira. O Sri Lanca possui maior expectativa de vida e menor prevalência de pobreza que o Brasil. O Brasil está entre os países com maior desigualdade de renda; segundo o índice Gini de disparidade de renda (no qual 0 indica total igualdade de renda e 1 significa total desigualdade de renda), o Brasil fica com 0,57, um dos maiores índices do mundo. O Burkina Faso é classificado entre os últimos dos 177 países no Índice de Desenvolvimento Humano do PNUD, possuindo a maior prevalência de pobreza entre os quatro países estudados. Desenvolvimento do Setor Financeiro O desenvolvimento do setor financeiro, embora relacionado ao desenvolvimento econômico geral, também está significativamente relacionado ao desenvolvimento da infra-estrutura financeira. Por sua vez, o desenvolvimento da infra-estrutura financeira varia significativamente conforme as políticas normativas adotadas por um país. A Tabela 1.2 fornece indicadores selecionados do desenvolvimento relativo dos setores financeiros nos países estudados e uma comparação com a Coréia e os Estados Unidos. A participação de cooperativas financeiras no volume de depósitos e crédito em todos os países estudados tende a ser pequena. Por exemplo, no Brasil, que comprovadamente possui o setor cooperativo mais desenvolvido, as cooperativas representaram apenas 2,3% de todas as operações de crédito e 5

16 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Tabela 1.1 Países Estudados Indicadores Selecionados de Desenvolvimento Econômico País População Classificação e Expectativa PIB per Razão de População Valor Estimada Índice no Índice de Vida ao Capita Pobreza por rural (2005) Agregado da (2005) de Desenvolvimento Nascer (2004) (2005) Número de Agricultura Humano (2004) Habitantes (2005) (2004) milhões entre 177 países total de anos PPA/US$ percentual percentual percentual abaixo de do PIB US$1/PPA Brasil 186,40 69 (0,79) Sri Lanca 19,58 93 (0,76) Quênia 34, (0,49) * Burkina Faso 13, (0,34) Coréia, Rep. da 48,29 26 (0,91) n.d Estados Unidos 296,50 8 (0,95) n.d Fonte: Banco Mundial 2006, PNUD Obs.: PIB = produto interno bruto; PPA = paridade do poder aquisitivo; n.d. = não disponível. * para

17 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural Tabela 1.2 Indicadores Selecionados de Desenvolvimento do Setor Financeiro País Filiais Crédito Prêmio de Prêmio de Bancárias Interno para o Seguro de Vida/ Outros Seguros/ (2004) Setor Privado PIB (2004) PIB (2004) (2004) por percentual percentual percentual pessoas do PIB Brasil 15 33,89 1,35 1,62 Sri Lanca 7 28,48 0,6 0,76 Quênia 1 25,33 0,76 1,85 Burkina Faso 0,6 13,33 n.d. n.d. Coréia, Rep. da ,43 7,16 2,93 Estados Unidos ,89 4,23 5,14 Fonte: Aeschliman Obs.: PIB = produto interno bruto; n.d. = não disponível. 1,4% dos depósitos. Em Burkina Faso, em 2004, as cooperativas financeiras tiveram uma participação de 14,4% no mercado de poupança privada e participação de 5,4% no mercado interno de crédito. Acesso ao Financiamento Rural No Brasil, os principais agentes de financiamento rural são o banco federal Banco do Brasil, o banco privado Bradesco, uma série de instituições financeiras de desenvolvimento regional e as CFs. O Banco do Brasil está presente em no mínimo 87% dos municípios em todo o país. As CFs desempenham um papel pequeno nos empréstimos rurais em termos de volume, respondendo por apenas 6,2% do financiamento total, porém são relativamente importantes em termos de alcance. O crédito rural no Brasil tem sido concedido basicamente através de instituições financeiras públicas, seja diretamente ou via acordos de repasse de empréstimos com entidades privadas. O crédito é financiado com vários impostos não incluídos no orçamento federal normal e com fundos constitucionais reservados, bem como com uma exigência de empréstimo obrigatório de 25% sobre todos os depósitos em conta corrente nãoremunerados. Aproximadamente US$17 bilhões (cerca de 8% da carteira total do sistema bancário) foram emprestados para áreas rurais durante a temporada da safra de 2004/2005, um aumento de 48% com relação a 2003/2004. Ao contrário, em Burkina Faso, os bancos estão localizados em menos da metade das 45 províncias do país (há 10 bancos com 75 filiais entre eles) e desempenham um papel pequeno no financiamento rural. Os maiores agentes de micro-financiamento e financiamento rural de Burkina Faso são as cooperativas financeiras e mútuas, que possuem três-quartos ou mais dos clientes de micro-financiamento, poupança, empréstimos e ativos. A RCPB, um dos casos apresentados neste trabalho, é a maior rede de CFs em Burkina Faso. 7

18 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola Entre os países estudados, o Sri Lanca provavelmente possui o maior nível de alcance de financiamento rural. Um estudo recente (CGAP 2006) estimou que um ponto de atendimento definido como uma filial bancária ou cooperativa está disponível para cada habitantes (comparado com um ponto de atendimento para cada habitantes no México). Os maiores agentes de financiamento rural são as sociedades Samurdhi Bank (mais de 1.000), de propriedade do governo, Bancos Cooperativos Rurais (mais de 1.500), Sociedades Cooperativas com Propósitos Múltiplos e cooperativas financeiras da rede SANASA. 8 Além destes, diversas IMFs também atuam em áreas rurais. No Quênia, os maiores fornecedores de financiamento rural são organizações de produtos primários, Organizações de Cooperativas de Crédito Imobiliário (OCCIs), alguns bancos promovidos por IMFs, como o Equity Bank e o Kenya Rural Enterprise Program Bank, o Cooperative Bank, e algumas IMFs como o Faulu Kenya e o Women Financial Trust. Algumas OCCIs e bancos, como o Equity Bank, possuem unidades bancárias móveis para o atendimento de áreas rurais. 8

19 Cooperativas Financeiras e Alcance Rural 2. SICREDI, Brasil O Sistema de Crédito Cooperativo (SICREDI, é a segunda maior rede de CFs do Brasil. Em dezembro de 2005, o SICREDI possuía 130 cooperativas afiliadas e uma associação consolidada de membros nestas cooperativas. 9 A origem do SICREDI data de 1902, quando o padre Jesuíta Theodor Amstad fundou a primeira cooperativa de crédito brasileira no estado do Rio Grande do Sul. O movimento cooperativo, incluindo as CFs, teve crescimento significativo ao longo do século vinte, passando por uma fase de declínio durante a ditadura militar nas décadas de 1960 e 1970, e então por uma revitalização na década de 1980 após o banco estatal, Banco do Brasil, ter reduzido suas operações de crédito. As CFs integrantes do SICREDI se organizaram em uma rede pela primeira vez na década de 1980, quando as Cooperativas Centrais foram fundadas em diversos estados. Um segundo marco ocorreu em 1992 quando todas as CFs do Rio Grande do Sul adotaram o nome e a logomarca do SICREDI. O terceiro marco ocorreu em 1995 quando a rede obteve autorização para fundar seu próprio banco cooperativo. O SICREDI cresceu consideravelmente desde 1996, em função de uma estrutura normativa cada vez mais favorável, e tornou-se uma instituição capaz de oferecer serviços bancários completos. O SICREDI se dedica a todos os agentes econômicos: indivíduos e empresas, na cidade e no campo. A imensa maioria dos associados são pessoas físicas (97%), com as empresas representando apenas 3% dos membros. A maioria dos Caixa 2.1 SICREDI: Visão, Missão e Valores A visão do SICREDI é Ser reconhecido pela sociedade como uma instituição financeira cooperativa, com excelência operacional e administrativa, e foco no desenvolvimento econômico e social. A missão do SICREDI é Trabalhar como um sistema cooperativo para valorizar as relações, oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida de nossos membros e da sociedade. O SICREDI define seus valores da seguinte forma: Preservação irrestrita da natureza cooperativa do SICREDI Respeito à individualidade do associado Compromisso com a valorização e o desenvolvimento das pessoas Preservação da instituição como sistema Respeito às normas oficiais e internas Eficácia e transparência na gestão Fonte: Brusky

20 Agricultura e Desenvolvimento Agrícola clientes pessoas físicas são homens (68%) e uma combinação de agricultores de baixa renda (porém não os mais pobres), renda média e renda alta. 10 Desempenho O número de associados cresceu rapidamente nos últimos cinco anos, dobrando de aproximadamente meio milhão de membros em 2001 para quase 1 milhão até o final de Até recentemente, a base de associados do SICREDI era composta basicamente por agricultores de renda média. Isto mudou em 2003, quando cooperativas urbanas de livre admissão foram autorizadas pelo Banco Central do Brasil e o SICREDI começou a entrar em áreas metropolitanas. Ao final de 2005, as cooperativas do SICREDI haviam administrado US$1,47 bilhões de depósitos e US$1,38 bilhões em empréstimos, alcançando um lucro consolidado de US$64,1 milhões. Os depósitos e empréstimos tiveram um aumento constante entre 2001 e A qualidade da carteira é excelente, com uma carteira em risco de 0,1% (carteira inadimplente por mais de 15 dias). Os custos operacionais giram em torno de 11% dos ativos totais, e o SICREDI tem obtido lucros constantes com o retorno sobre os ativos representando uma média em torno de 3%. Os lucros são distribuídos ao longo do sistema: 50% integrados às quotas dos associados, 45% para reservas, e 5% para a Assistência Técnica e o Fundo Educacional. O Anexo 3 inclui a demonstração financeira consolidada de três anos (resumida) para as CFs do SICREDI. Uma estimativa do alcance rural é fornecida pelas informações consolidadas relatadas pelas 49 cooperativas localizadas em áreas rurais. Em outubro de 2006, estas cooperativas informaram perto de membros, US$743 milhões em depósitos e US$574 milhões em empréstimos. Estes números representam 41% dos associados, 40% dos depósitos e 39% dos empréstimos. Tabela 2.1 SICREDI: Desempenho Consolidado das Cooperativas Detalhes Associados Depósitos 1.564, , , , ,9 Empréstimos 1.131,1 n.d , , Lucros 61,2 82,1 110,6 129,5 149,4 CER (15) n.d. n.d. n.d. 1,0 0,1 RSA (%) 3,09 2,96 3,07 2,93 2,76 Despesas operacionais/ n.d. n.d. 11,00 11,00 11,20 ativos totais (%) Fonte: Brusky Obs.: Valores em milhões de reais brasileiros (R$); CER = carteira em risco; RSA = retorno sobre ativos; n.d. = não disponível. 10

Desempenho Hospitalar no Brasil

Desempenho Hospitalar no Brasil Desempenho Hospitalar no Brasil Em Busca da Excelência Gerard M. La Forgia Bernard F. Couttolenc Editora Singular 2008 The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank 1818 H

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS Painel: Crédito Cooperativo e Desenvolvimento COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO TEMAS A SEREM ABORDADOS: Características

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand

Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Empresa: Sicredi Funcionários: +12.000 EMPRESA

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Instruções para o Questionário Online

Instruções para o Questionário Online Instruções para o Questionário Online Este é um pequeno guia para o preenchimento do questionário de Monitor de Cooperativas Mundial. O questionário está disponível em www.euricse.eu/en/worldcooperativemonitor

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Ano 2011 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Crédito... 4 2. Estrutura Organizacional e suas Competências... 4 2.1 Diretoria...

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Network Afiliados, Associados, Membros GNBI e AFMIN fornecem serviços financeiros

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Aperfeiçoando o Acesso aos Serviços Financeiros na América Latina

Aperfeiçoando o Acesso aos Serviços Financeiros na América Latina Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Declaração No. 15 Setembro 12, 2006 Washington DC, USA

Leia mais

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil RODRIGO PEREIRA BRAZ Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 06 de junho de 2013 Agenda Estrutura

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Guia de Solicitação da APC 2015

Guia de Solicitação da APC 2015 Governo do Japão PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA A PROJECTOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA HUMANA (APC) Guia de Solicitação da APC 2015 1. OBJECTIVOS 2. ORGANIZAÇÕES QUALIFICADAS 3. ÁREAS DE COBERTURA DO PROGRAMA

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Pontos a Destacar. Indicadores de Prestação de Serviços. Disponibilidade de Recursos. Desempenho e Assiduidade dos Alunos. Esforço do Professor

Pontos a Destacar. Indicadores de Prestação de Serviços. Disponibilidade de Recursos. Desempenho e Assiduidade dos Alunos. Esforço do Professor Public Disclosure Authorized Moçambique Indicadores de Prestação de Serviços Educação Março 2015 Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Moçambique está pronta

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO Neste pequeno glossário, a ABBC apresenta alguns conceitos fundamentais de economia e de finanças para auxiliar o dia a dia dos profissionais de jornalismo

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

Título de Capitalização

Título de Capitalização Título de Capitalização O QUE VOCÊ PRECISA SABER Agosto de 2015 Livreto.indd 1 31/08/2015 15:08:39 Livreto.indd 2 31/08/2015 15:08:39 Sumário Título de Capitalização 4 Um pouco de história 5 A Capitalização

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Sicoob Central Cecresp. Institucional

Sicoob Central Cecresp. Institucional Sicoob Central Cecresp Institucional Gestão DIRETOR PRESIDENTE Carlos Augusto de Macedo Chiaraba Sicoob Nossacred DIRETOR VICE PRESIDENTE Francisco Rao - Sicoob Crediconsumo CONSELHEIROS Antonio João Batista

Leia mais

Banco do Nordeste. Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem

Banco do Nordeste. Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem Banco do Nordeste Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem BRASILIA DF 07 Maio 2013 Quem somos Criado em 1952, Banco Múltiplo com 60 anos de atuação para o desenvolvimento da região

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

Descrição de Posição

Descrição de Posição Descrição de Posição NOME DA POSIÇÃO: Economista Rural Coordenador de Projeto NOME DA FUNÇÃO: CONSERVATION INFORMATION MANAGER V GRUPO DA FUNÇÃO: Conservação NÚMERO DA FUNÇÃO: 200059 GRADE SALARIAL: 7

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Entrevista com Marla Bobowick - BoardSource* A Revista IntegrAção realizou em primeira mão uma entrevista com Marla Bobowick,

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG GSI I Profa. Msc. Rosa Hoffmann 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG O SIG é um sistema integrado de apoio à tomada de decisões, proposto como uma ferramenta essencial para implementar a modernização

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Seminário Banco Central do Brasil sobre Governança Cooperativa - Norte Belém, 18 de maio de 2009 Risco da Informação Conflitos de Interesse

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO

COOPERATIVA DE CRÉDITO 3 COOPERATIVISMO Baseia-se na união de pessoas onde cada membro deve contribuir com uma parcela ou quota parte, colaborando para a melhoria das condições econômicas e sociais de todos que fazem parte dessa

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais