Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário"

Transcrição

1 Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas jurídicas podem figurar como associadas nas cooperativas de crédito, observadas as regras de admissão específicas para cada tipo de cooperativa (previstas no estatuto social), com relação à origem e atividade econômica. Há ainda, de acordo com a Resolução 3.442/2007, art. 12, VI, a previsão de constituição de cooperativas de livre admissão de associados. Lei 5.764/71 Art. 6º As sociedades cooperativas são consideradas: I - singulares, as constituídas pelo número mínimo de 20 (vinte) pessoas físicas, sendo excepcionalmente permitida a admissão de pessoas jurídicas que tenham por objeto as mesmas ou correlatas atividades econômicas das pessoas físicas ou, ainda, aquelas sem fins lucrativos; Resolução 3.442/2007 Art. 13. A cooperativa singular de crédito pode fazer constar de seus estatutos previsão de associação de: VI - pessoas jurídicas, observadas as disposições da legislação em vigor. Minuta da nova Resolução (substituirá a Res /07) Art. 12-2º - Admissão de pessoas jurídicas 2º As condições de admissão de pessoas jurídicas devem restringir-se, exceto nas cooperativas de livre admissão de associados, àquelas sem fins lucrativos, às que tenham por objeto as mesmas ou correlatas atividades econômicas dos associados pessoas físicas e às controladas por esses associados. LC 130/09 - Art. 4º Art. 4o O quadro social das cooperativas de crédito, composto de pessoas físicas e jurídicas, é definido pela assembleia geral, com previsão no estatuto social. Parágrafo único. Não serão admitidas no quadro social da sociedade cooperativa de crédito pessoas jurídicas que possam exercer concorrência com a própria sociedade cooperativa, nem a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios bem como suas respectivas autarquias, fundações e empresas estatais dependentes.

2 Tipos de cooperativas: Res /07 - Art incisos I a VI Cooperativas de pequenos empresários, microempresários ou microempreendedores Res art. 12 IV - pequenos empresários, microempresários ou microempreendedores responsáveis por negócios de natureza industrial, comercial ou de prestação de serviços, incluídas as atividades da área rural objeto do inciso III, cuja receita bruta anual, por ocasião da associação, seja igual ou inferior ao limite máximo estabelecido pelo art. 3º da Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006, e alterações posteriores; Tipo de Cooperativas Filiadas % Crédito Mútuo ,2% Créd. Rural ,6% Livre admissão ,3% Crédito Mútuo - Empresários - Vínculo Patronal 44 3,2% Créd. Mútuo - Empreendedores Micro e peq. Empresas 30 2,1% Créd. Mútuo - Ativ. Profissional 22 1,6% Crédito Mútuo - Empregados 15 1,1% Luzzatti 9 0,6% Créd. Mútuo - Mista 3 0,2% Crédito Mútuo - Origens Diversas 14 1,0% TOTAL ,0% Data-base: dezembro/ Limites de Capital Integralizado e Patrimônio de Referência ART. 27 DA RESOLUÇÃO 3.442/07 ART. 31 DA NOVA MINUTA DE RESOLUÇÃO Cooperativa Central Cooperativa Central e Confederação Coop. Sing. filiada a Central 60 mil 3 mil 300 mil após 5 60 mil após 5 60 mil 3 mil 300 mil após 1 ano da 60 mil após 5

3 Coop. Sing. de pequenos empresários microempresários microempreendedore s e coop. sing. de empresários Coop. Sing. de livre admissão conforme art.14 inc.i Coop. Sing. de livre admissão conforme art.14 inc.ii Coop. Sing. não filiada a central Constituição de nova cooperativa Transformação de cooperativa existente Área de atuação população > 300 mil e < 750 mil Área de atuação população > 750 mil e < 2 milhões Área de atuação > 2 milhões ART. 27 DA RESOLUÇÃO 3.442/07 10 mil 20 mil 4 mil e mil após mil após 4 10 mil 20 mil 120 mil após mil após mil 250 mil 3 milhões 3 milhões 6 milhões 6 milhões 86 mil após 4 ART. 31 DA NOVA MINUTA DE RESOLUÇÃO 25 milhões 3- Vantagens Os associados podem receber o retorno de sobras apuradas no fim do ano Ao final do exercício social, as sobras líquidas da cooperativa retornam aos cooperados, na proporção das operações por eles realizadas. (Ao contrário dos bancos, onde as sobras/excedente são tratadas como lucro, ficando exclusivamente com os acionistas) Operam sem objetivo de lucro e promovem o desenvolvimento da região As operações feitas pelo associado (empréstimos, aplicações, depósitos) são revertidas em seu benefício. Os recursos aplicados na cooperativa ficam na própria comunidade, contribuindo para o desenvolvimento da região onde está inserida. Gestão autônoma e democrática Ao contrário dos bancos, onde o controle é exercido a partir da participação do capital, as cooperativas têm controle e planejamento democrático. Cada associado participa das deliberações e tem direito a votar e ser votado. Integração profissional e regional A união em sociedade proporciona maior integração entre os empregados de uma mesma empresa, profissionais de uma mesma categoria e entre micro e pequenos empresários, desenvolvendo espírito de grupo, solidariedade e ajuda mútua.

4 Democratização do acesso ao crédito Facilita crédito, poupança e outros serviços financeiros a pequenos empreendedores. Operações financeiras de pequeno porte podem ser definidas como objeto das cooperativas. Oferta de serviços financeiros a custos mais baixos As tarifas cobradas pelas cooperativas são inferiores às do sistema bancário, inclusive dos bancos públicos. Tabela 1 Tarifas de serviços financeiros (Bancos comerciais e cooperativas de crédito) Operação Bancos Bancos Coop. Privados Públicos Cadastro para início de relacionamento 271,87 24,14 16,58 2º via de cartão com função débito 6,54 8,28 4,68 2ª via de cartão para conta de poupança 5,44 8,03 3,35 Exclusão CCF 29,25 33,72 26,11 Contra-ordem e oposição ao pagamento de cheque 10,83 11,08 10,98 Fornecimento de folhas de cheque 2,95 1,21 1,19 Cheque administrativo 41,24 29,50 11,77 Cheque de transferência bancária (TB e TBG) 3,03 1,31 1,90 Cheque visado 71,28 20,00 6,00 Saque de conta de dep. à vista e de poupança pessoal 2,34 2,35 1,04 Saque de conta de dep. à vista e de poup. Terminal 2,19 1,58 1,19 Saque de conta de dep. à vista e de poup. corresp. 2,01 1,46 1,31 Depósito Identificado 1,61 2,49 1,07 Extrato de um per. conta dep. à vista e poup. P 3,40 3,25 1,22 Ext. de um per. conta dep. à vista e poup. T 1,95 1,76 0,89 Ext. de um per. conta dep. à vista e poup. C. 4,00 1,51 0,98 Ext. de conta de dep. à vista e poup. p/um per. P 3,47 3,37 1,42 Ext. de conta de dep. à vista e poupança p/um per. T 1,62 2,41 0,97 Ext. de conta de dep. à vista e poupança p/um per. C 3,98 1,82 1,05 Forn. de cópia de microfilme, microficha ou ass. 8,49 6,55 5,94 Transferência por meio de DOC/TED pessoal 13,63 15,05 9,76 Transferência por meio de DOC/TED eletrônico 9,84 8,31 7,74 Transferência de recursos via DOC/TED Internet 10,26 8,05 7,46 Transferência agendada via DOC/TED pessoal 12,95 10,71 9,18 Transferência agendada via DOC/TED terminal 9,48 7,29 7,44 Transferência agendada via DOC/TED Internet 10,31 7,14 7,04 Transferência entre contas na própria IF pessoal 2,03 1,69 1,12 Transf. entre contas na própria IF eletrônico/internet 2,04 1,15 1,03 Ordem de Pagamento 18,42 25,43 7,82 Concessão de adiantamento a depositante 56,65 30,07 26,91 Pacote padronizado Pessoa Física 29,52 12,37 10,37 As taxas de juros são menores do que a média cobrada pelos bancos, pois o dinheiro emprestado vem dos próprios associados a um custo baixo. Da mesma forma, há a possibilidade de maiores rendimentos nas aplicações financeiras.

5 Taxa média de juros das cooperativas: 4,92% am Taxa média de juros outras inst. financeiras: 8,02% am Diferencial médio das taxas: 3,01% am (Produtos: Cheque Especial, Crédito Pessoal e Cartão de Crédito) Comparativo de taxas em % a.m. Desconto recebíveis Capital de giro PJ Cartão de crédito Cheque especial Empréstimo pessoal 2,15 1,83 2,11 1,92 1,41 2,27 3,98 4,03 4,56 3,33 6 5,6 6,5 7,91 10,56 Bancos Cooperativas Diferença Fonte: Banco Central/OCB Data-base: Dez/2008

6 4- Desvantagens - Necessidade de preencher condições de admissão e integralização de capital mínimo - Em caso de resultado negativo da instituição, as perdas serão rateadas entre os associados, caso os recursos dos fundos não sejam suficientes para cobri-las. - Há modalidades e serviços financeiros pouco explorados pelo cooperativismo no Brasil. Os produtos financeiros oferecidos são menos diversificados e sofisticados do que aqueles disponíveis no sistema bancário. - A transferência de quotas-partes do capital social a terceiros é vedada nas cooperativas, enquanto que nos Bancos a transferência do capital pode ser feita livremente. - O associado poderá solicitar o seu desligamento da cooperativa. Porém, para resgatar suas cotas de capital, é necessário aguardar a realização da AGO e quitar suas obrigações com a instituição. Nota: Documento elaborado pelo Departamento de Supervisão de Cooperativas de Instituições Não Bancárias do Banco Central do Brasil

CANAL DE ENTREGA SIGLA DO EXTRATO VALOR. Isento Cartão de Débito 2.1.1 Fornecimento de

CANAL DE ENTREGA SIGLA DO EXTRATO VALOR. Isento Cartão de Débito 2.1.1 Fornecimento de RESOLUÇÃO SICOOB CGCRED 039 Institui as taxas e tarifas praticadas para os produtos e serviços. O Conselho de Administração da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empresários de Campina Grande

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - SICOOBCOCRED

COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - SICOOBCOCRED Tarifas por instituição - PESSOA FÍSICA - SERVIÇOS PRIORITÁRIOS - POSIÇÃO EM 01/04/2010 Produtos e serviços mais usuais 11. CADASTRO Unidade máximo Periodicidade 11.1 - Confecção de cadastro para início

Leia mais

Conta corrente de depósitos à vista. Conta de depósitos de poupança. Lista de Serviços Tarifa *

Conta corrente de depósitos à vista. Conta de depósitos de poupança. Lista de Serviços Tarifa * Serviços Prestados pela Instituição - s aplicáveis a partir de 01/08/2013 Lista de Serviços * I II Conta corrente de depósitos à vista a) Fornecimento de cartão com função débito b) Fornecimento de dez

Leia mais

Tarifas Bancárias - Pessoa Física Tabela editada e divulgada em 31 de março de 2008

Tarifas Bancárias - Pessoa Física Tabela editada e divulgada em 31 de março de 2008 Tarifas Bancárias - Pessoa Física Tabela editada e divulgada em 31 de março de 2008 Serviços Essenciais (Gratuitos) I - Conta corrente de depósitos à vista: Fornecimento de cartão com função débito Fornecimento

Leia mais

TABELA DE TARIFAS PESSOA FÍSICA SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PRODUTOS E SERVIÇOS CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR FATOR GERADOR DA COBRANÇA

TABELA DE TARIFAS PESSOA FÍSICA SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PRODUTOS E SERVIÇOS CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR FATOR GERADOR DA COBRANÇA TABELA DE TARIFAS PESSOA FÍSICA SERVIÇOS PRIORITÁRIOS PRODUTOS E SERVIÇOS CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR FATOR GERADOR DA COBRANÇA CADASTRO Confecção de cadastro para início de relacionamento

Leia mais

1.6.5 Extrato Movimento (E) 1,00. Não disponível Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob

1.6.5 Extrato Movimento (E) 1,00. Não disponível Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob Conforme Tabela Bancoob Página 2 de 11 RDE nº2013/005 SERVIÇOS PRESTADOS E TARIFAS - Pessoa Física Vigente a partir de 01/11/2013 Item Modalidade/Nomenclatura Fato Gerador R$ 1 CONTA DE DEPÓSITOS 1.1 Cadastro 1.1.1 Cadastro 1.1.2

Leia mais

TABELA DE TARIFAS DE SERVIÇOS TARIFAS DEFINIDAS PELA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DOS PLANTADORES DE CANA DA REGIÃO DE CAPIVARI - SICOOB CREDICAP

TABELA DE TARIFAS DE SERVIÇOS TARIFAS DEFINIDAS PELA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DOS PLANTADORES DE CANA DA REGIÃO DE CAPIVARI - SICOOB CREDICAP TABELA DE TARIFAS DE SERVIÇOS TARIFAS DEFINIDAS PELA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DOS PLANTADORES DE CANA DA REGIÃO DE CAPIVARI - SICOOB CREDICAP SERVIÇOS ESSENCIAIS PESSOA FÍSICA CONTA DE DEPÓSITOS À

Leia mais

Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias

Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias SAC Credicana: (18) 3321-1700 Ouvidoria Credicana: 0800 940 9360 Banco Central: 0800 979 2345 Estes telefones destinam-se ao atendimento de denúncias ou reclamações Valores vigentes a partir de 02/01/2014.

Leia mais

TABELA DE TARIFAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

TABELA DE TARIFAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TABELA DE TARIFAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pessoa Física PF RELAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS Confecção de cadastro para início de relacionamento Fornecimento de 2ª via de cartão com função de débito com

Leia mais

DIVULGADA EM: 04/03/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 03/04/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 04/03/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 03/04/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.466. Documento normativo revogado pela Circular 3.512, de 25/11/2010.

CIRCULAR Nº 3.466. Documento normativo revogado pela Circular 3.512, de 25/11/2010. CIRCULAR Nº 3.466 Documento normativo revogado pela Circular 3.512, de 25/11/2010. Veda a cobrança da tarifa de "Renovação de cadastro" de que tratam as Tabelas I e II anexas à Circular nº 3.371, de 2007,

Leia mais

DIVULGADA EM: 18/03/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 17/04/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 18/03/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 17/04/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 08/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 08/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

SERVIÇOS PRESTADOS E TARIFAS - Pessoas Físicas Vigente a partir de 01/08/2015

SERVIÇOS PRESTADOS E TARIFAS - Pessoas Físicas Vigente a partir de 01/08/2015 SERVIÇOS PRESTADOS E TARIFAS - Pessoas Físicas Vigente a partir de 01/08/2015 Item MODALIDADE/NOMENCLATURA FATO GERADOR DA TARIFA VALOR R$ 1. CONTA DE DEPÓSITOS 1.1 Cadastro 1.2 Cartão 1.1.1. Cadastro

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Tarifas Bancárias. Política de cobrança de tarifa praticada pelo BNY Mellon Banco S.A.

Tarifas Bancárias. Política de cobrança de tarifa praticada pelo BNY Mellon Banco S.A. Tarifas Bancárias O Conselho Monetário Nacional e o Banco Central do Brasil, através da Resolução 3.919 de 25/11/10, consolid as normas para cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das

Leia mais

DIVULGADA EM: 06/04/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/05/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 06/04/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/05/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 06/04/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/05/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 06/04/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/05/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 25/05/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 24/06/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 25/05/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 24/06/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 08/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 08/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 06/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 29/09/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/11/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 29/09/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/11/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro de 2010.

Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro de 2010. Circular da Sicoob Autocred nº. 006 Regula as Taxas e Tarifas praticadas com os associados Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro

Leia mais

DIVULGADA EM: 29/09/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/11/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 29/09/2014 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/11/2014 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 15/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 13/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 15/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 13/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 23/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 21/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS SERVIÇOS PRIORITÁRIOS

DIVULGADA EM: 23/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 21/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS SERVIÇOS PRIORITÁRIOS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição formulados

Leia mais

DIVULGADA EM: 14/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS

DIVULGADA EM: 14/07/2015 VALORES VIGENTES A PARTIR DE: 12/08/2015 SERVIÇOS ESSENCIAIS ESSENCIAIS CARTÃO DÉBITO SAQUE TRANSFERÊNCIAS EXTRATO CONSULTAS CHEQUES Fornecimento de cartão com função débito. Fornecimento de segunda via do cartão, exceto nos casos de pedidos de reposição decorrentes

Leia mais

Tabela de Tarifas Pessoa Natural

Tabela de Tarifas Pessoa Natural Divulgada em: 02/03/205 Vigência a partir de: 20/04/205 PADRONIZAÇÃO DOS S PRIORITÁRIOS 2 LISTA DE S CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR DA TARIFA CADASTRO. CADASTRO R$ 25,00 CONTA DE DEPÓSITOS 2.

Leia mais

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil Departamento de Normas do Sistema Financeiro Agenda Evolução normativa resumo Lei Complementar nº 130, de 2009 Resolução nº 3.859, de 2010 Aprimoramentos

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB-SC/BLUCREDI Divulgada em: 01/04/2010. Valores vigentes a partir de: 01/05/2010.

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB-SC/BLUCREDI Divulgada em: 01/04/2010. Valores vigentes a partir de: 01/05/2010. TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB-SC/BLUCREDI Divulgada em: 01/04/2010. Valores vigentes a partir de: 01/05/2010. SERVIÇOS ESSENCIAIS Pessoa Física CONTA CORRENTE DE DEPÓSITO À VISTA SERVIÇO FRANQUIA/MÊS CANAL

Leia mais

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC Valores vigentes a partir de: 01/08/2014. Cartão de débito Saque Transferências Extrato Consultas (Saldo e extrato) Compensação de cheques Talão de cheque SERVIÇOS

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados.

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados. COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DE CERÂMICA CoopASPACER Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Jurídica. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Jurídica. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabela de Tarifas Pessoa Jurídica Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013 Relação dos serviços tarifados e respectivos valores vigentes. Os valores máximos foram estabelecidos pela Cooperativa,

Leia mais

TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*)

TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*) TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*) PRODUTOS E SERVIÇOS SIGLA NO EXTRATO COBRANÇA POR Conta Salário Cartões e Pagamentos Emissão de Cartão Salário

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução:

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução: RESOLUÇÃO N 3518 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O BANCO CENTRAL

Leia mais

Seja sócio dessa ideia. Filiada a

Seja sócio dessa ideia. Filiada a Seja sócio dessa ideia. Filiada a COMPARE... E VEJA A DIFERENÇA BANCO Você é um Cliente Precisa de resultado Os lucros vão para o banqueiro ou acionistas Antes do ajudar, vem a questão do retorno Taxas

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO

COOPERATIVA DE CRÉDITO 3 COOPERATIVISMO Baseia-se na união de pessoas onde cada membro deve contribuir com uma parcela ou quota parte, colaborando para a melhoria das condições econômicas e sociais de todos que fazem parte dessa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

Resolução SICOOB Cooperplan nº 11, de 2015

Resolução SICOOB Cooperplan nº 11, de 2015 Resolução SICOOB Cooperplan nº 11, de 2015 Define condições para os pacotes de serviços diferenciados. O Conselho de Administração da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores dos Ministérios

Leia mais

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS Florianópolis, 11 de maio de 2009. Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS A/C Cláudio Risson - Presidente Orientação: Lei Complementar n. 130, de 17 de Abril

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

poupança meios eletrônicos, bem como internet Correspondente Bancário EXTRATO MÊS (C) ( ND )

poupança meios eletrônicos, bem como internet Correspondente Bancário EXTRATO MÊS (C) ( ND ) Serviços prestados pela instituição - Tarifas aplicáveis a partir de 01/06/2012 Pessoas Físicas - Tabela I LISTA DE SERVIÇOS CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR DA TARIFA 1 CADASTRO 1 1.1 Confecção

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

SERVIÇOS ESSENCIAIS - Pessoa FÍSICA

SERVIÇOS ESSENCIAIS - Pessoa FÍSICA TABELA GERAL DE TARIFAS E TAXAS DE SERVIÇOS FINANCEIROS DO SICOOB COOPERCREDI-SP Valores vigentes a partir de: 03/09/2012 SERVIÇOS ESSENCIAIS - Pessoa FÍSICA Pessoas naturais, detentoras de contas de depósito

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS DO CONSUMIDOR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS DO CONSUMIDOR RELATÓRIO DA PESQUISA DE PREÇOS DE TARIFAS BANCÁRIAS EM GOIÃNIA Foram pesquisados pelos técnicos do Procon-GO, nos dias 20 a 30 de outubro de 2009, preços de 20 (vinte) tipos de serviços prioritários oferecidos

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO

COOPERATIVA DE CRÉDITO COOPERATIVISMO Baseia-se na união de pessoas onde cada membro deve contribuir com uma parcela ou quota parte, colaborando para a melhoria das condições econômicas e sociais de todos que fazem parte dessa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal;

RESOLUÇÃO Nº 2828. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução: I - Unidades da Federação são os Estados e o Distrito Federal; RESOLUÇÃO Nº 2828 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de agências de fomento. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR, doravante designado simplesmente CLUBE, formado exclusivamente

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3859 CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, DA AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO E DA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA

RESOLUÇÃO Nº 3859 CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, DA AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO E DA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA RESOLUÇÃO Nº 3859 Altera e consolida as normas relativas à constituição e ao funcionamento de cooperativas de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA

CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA CONHEÇA NOSSA ESTRUTURA COOPERSERV A nossa cooperativa A COOPERSERV é a cooperativa dos Funcionários Públicos Municipais. Um dos objetivos da instituição é despertar no associado o hábito de poupar. Ela

Leia mais

RESOLUCAO N. 003442/2007

RESOLUCAO N. 003442/2007 RESOLUCAO N. 003442/2007 RESOLUCAO 3.442 --------------- Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de cooperativas de crédito. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de 31 de

Leia mais

Central de Relacionamento Sebrae 0800 570 0800

Central de Relacionamento Sebrae 0800 570 0800 Copyright 2010, Sebrae Bahia - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Bahia Rua Horácio César, 64 Dois de Julho Salvador Bahia CEP 40060-350 www.ba.sebrae.com.br Central de Relacionamento Sebrae

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento GRUPOINVEST, doravante designado simplesmente Clube constituído por número limitado de

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA POUPANÇA Popular: Rural ou Habitacional Juros Menor Saldo Período Rentabilidade: Mensal PF e PJ (sem fins lucrativos) Trimestral PJ (demais) Dias 29, 30, 31 Aniversário 1 Possui Cobertura do FGC CEF: Garantido

Leia mais

PLANO FÁCIL. R$ 6.000,00 a R$ 12.000,00 16,65 18,75 R$ 12.000,01 a R$ 18.000,00 11,10 12,50 Acima de R$ 18.000,00 Isento Isento. Transações Excedentes

PLANO FÁCIL. R$ 6.000,00 a R$ 12.000,00 16,65 18,75 R$ 12.000,01 a R$ 18.000,00 11,10 12,50 Acima de R$ 18.000,00 Isento Isento. Transações Excedentes (1) PLANO FÁCIL Serviços Quantidade Mensal de Transações Fácil 1 Fácil 2 (2) (3) (4) Cheques Cheque Depositado 300 300 Cheque Emitido (exceto Transferência Bancária TB/TBG) Disponível 20 Extrato de Últimos

Leia mais

EDITAL DE CONSULTA PÚBLICA 46/2014, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014

EDITAL DE CONSULTA PÚBLICA 46/2014, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014 EDITAL DE CONSULTA PÚBLICA 46/2014, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014 Divulga minuta de resolução que dispõe sobre as cooperativas de crédito que tenham como objeto social principal a prestação de garantias em

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

PLANO FÁCIL. Valor da Mensalidade (R$) 22,20 24,00

PLANO FÁCIL. Valor da Mensalidade (R$) 22,20 24,00 (1) PLANO FÁCIL Serviços Quantidade Mensal de Transações Fácil 1 Fácil 2 (2) (3) (4) Cheques Cópia de Imagem 5 5 Cheque Depositado 300 300 Cheque Emitido (exceto Transferência Bancária TB/TBG) Disponível

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

Tabela de Tarifas - Pessoa Física

Tabela de Tarifas - Pessoa Física Tabela de Tarifas - Pessoa Física VIGÊNCIA A PARTIR DE 22/05/2014 SERVIÇOS PRIORITÁRIOS SERVIÇOS CANAIS E FORMAS DE ENTREGA TARIFA - R$ 1. CADASTRO 1.1. Confecção de cadastro para início de relacionamento

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PACOTES DE SERVIÇOS BANCÁRIOS PESSOA FÍSICA

LEVANTAMENTO DOS PACOTES DE SERVIÇOS BANCÁRIOS PESSOA FÍSICA LEVANTAMENTO DOS PACOTES DE SERVIÇOS BANCÁRIOS PESSOA FÍSICA Para melhor compreender e identificar as transformações no segmento bancário foi necessário efetuar um levantamento mais detalhado dos pacotes/cestas

Leia mais

Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias. Tarifas Avulsas. CONTA CORRENTE Tipo FORMA DE DÉBITO

Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias. Tarifas Avulsas. CONTA CORRENTE Tipo FORMA DE DÉBITO Tabela de Tarifas e Comissões Bancárias Tarifas Avulsas CONTA CORRENTE Tipo FORMA Confecção de Ficha Cadastral P. Abertura da Conta Sistema R$ 50,00 Confecção de Ficha Cadastral P. Física Abertura da Conta

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos

Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos Gestão Financeira: Planejamento, Mercado e Investimentos Finanças Podemos definir finanças como a arte e a ciência de administrar fundos (recursos). Praticamente todos os indivíduos e organizações obtém

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.021, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.021, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.021, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços vinculados a operações de câmbio manual para compra ou venda de moeda estrangeira relacionada a

Leia mais

Sr (ª). Prefeito (a),

Sr (ª). Prefeito (a), Sr (ª). Prefeito (a), O Banco do Brasil é um dos principais parceiros dos Governos Federal, Estaduais e Municipais na implantação de políticas públicas, projetos e programas impulsionadores do desenvolvimento.

Leia mais

Tabela de Tarifas Pessoa Natural

Tabela de Tarifas Pessoa Natural Divulgada em: 02/03/205 Vigência a partir de: 20/04/205 PADRONIZAÇÃO DOS S PRIORITÁRIOS 2 LISTA DE S CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR DA TARIFA CADASTRO. CADASTRO R$ 25,00 CONTA DE DEPÓSITOS 2.

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

SIGLA EXTRATO. 1 COBRANÇA 1.1 Cobrança Simples PJ PF. Tar. Emissão Bloqueto Pré Impresso. Tarifa Cobrança. título

SIGLA EXTRATO. 1 COBRANÇA 1.1 Cobrança Simples PJ PF. Tar. Emissão Bloqueto Pré Impresso. Tarifa Cobrança. título TABELA DE TARIFAS E TAXAS DE - PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA Sicoob Lagoacred Gerais - Agência Lagoa da Prata e Santo Antonio do Monte Início de vigência: 01/08/2014 Aprovado pela Diretoria em: 31/07/2014

Leia mais

TABELA DE TARIFAS (*) Vigência a partir de 02 de maio de 2007 SERVIÇOS R$

TABELA DE TARIFAS (*) Vigência a partir de 02 de maio de 2007 SERVIÇOS R$ Adesão à Tarifa Inteligente - Pacotes de Tarifas - cobrança mensal (a) CONTAS TABELA DE TARIFAS (*) Vigência a partir de 02 de maio de 2007 SERVIÇOS R$ Pacote Verde 7,00 Pacote Vermelho 9,50 Pacote Azul

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.371. Institui tabela padronizada de serviços prioritários e pacote básico padronizado, na forma prevista na Resolução nº 3.518, de 2007.

CIRCULAR Nº 3.371. Institui tabela padronizada de serviços prioritários e pacote básico padronizado, na forma prevista na Resolução nº 3.518, de 2007. CIRCULAR Nº 3.371 Institui tabela padronizada de serviços prioritários e pacote básico padronizado, na forma prevista na Resolução nº 3.518, de 2007. A Diretoria Colegiada do BANCO CENTRAL DO BRASIL, em

Leia mais