Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.arvoredoleite.org"

Transcrição

1 wwwrvredleterg Est é um cóp dgtl um dcument que f preservd pr númers gerções ns prtelers d bbltec Ott Frensel d nsttut Ltcíns Cândd Tstes (LCT) d Empres Pesqus Agrpecuár Mns Gers (EPAMG) ntes ter sd cuddsmente dgtlzd pel Arvredleterg cm prte um prjet prcer entre Arvredleterg e Revst d nsttut Ltcíns Cândd Tstes pr trnrem seus exemplres nlne A Revst d LCT é um publcçã técnccentífc crd em 1946 rgnlmente cm nme FELCTANO Em setembr 1958 seu nme f lterd pr tul Este exemplr sbrevveu e é um ds nsss prts pr pssd que represent um rquez hstór cultur e cnhecment Mrcs e ntções n vlume rgnl precerã neste rquv um lembrete d lng jrnd st REVSTA s su publcçã permnecend pr um lng temp n bbltec e fnlmente chegnd té vcê Dretrzes us A Arvredleterg se rgulh d prcer cm Revst d nsttut Ltcíns Cândd Tstes d EPAMG pr dgtlzr estes mters e trnáls mplmente cessíves N entnt este trblh é dspends pr ss fm cntnur ferecer este recurs tmms medds pr evtr bus pr prtes cmercs Tmbém pedms que vcê Fç us nã cmercl ds rquvs Prjetms dgtlzçã pr us pr ndvídus e u nsttuções e slctms que vcê use estes rquvs pr fns prfssns e nã cmercs Mntenh trbuçã Arvredleterg cm mrc dágu e ntfcçã d LCT/EPAMG Est ttu é essencl pr nfrmr s pesss sbre este prjet e judáls encntrr mters dcns n ste Nã remvêls Mntenh legl Sej qul fr seu us lembrese que vcê é respnsável pr grntr que que vcê está fzend é legl O ft d dcument estr dspnível eletrncmente sem restrções nã sgnfc que p ser usd qulquer frm e/u em qulquer lugr Reterms que s penlds sbre vlçã prpred ntelectul pm ser bstnte grves Sbre Arvredleterg A mssã d Arvredleterg é rgnzr s nfrmções técncs e trnáls cessíves e útes Vcê p pesqusr utrs ssunts crrelts trvés d web em http//rvredleterg

2 dgtlzd pr rvredleterg

3 S22 \ " } MARÇO / RL Pg 2 MARÇO ABRL FELCTANO ====== P g 3 A Evluçã d ndústr Ncnl Lctcnsetrngers s qus n épc só erm cnsumds n pás cust um mpr tçã mrs e fcente Em fce um nfnd bstáculs surgds nte su " dé ptrótc e nbrets cm dfcul d mprtçã mterl flt dptçã d pessl e prmtvsm ds cnstruçõessmente em 1885 pô ser nu gurd n estçã Mntquer muncí p Brbcen prmer fábrc lctcns d Ps Pr levr vnte em preendment tl mnt Sá Frtes fez scrfícs enrmes e só mesm grçs à su rr energ curs mterl cnseguu êle cncretzál DESDE A MAS SMPLES GRANJA AO MS COMPLETO ESTABELECMENTO Bter cmbnd SLKEBOG Tp BU várs cpdds C m pre s s r môn e Fbrcd em t VLTER mnhs pr prduçã clrs pr hr FrneCEms tm bem cmpressres Fren Aprh plcs nxdáves e Mety ALFA LAVAL Psteurz e res f um d e dverss temperturs Acredtms querelmente ndústr lctcns n Brsl nsceu cm prec ment n sécul pssd um tp quej fbrcçã dméstc e usul en tre s fzenrs Mns Gers A se melhnç seu frmt cm um vre d quej fbrcd n Serr d Es trêl em Prtugl levns crer que su entre nós fbrcçã tenh sd ntrduzd pels prtuguêses Equpe su ndústr lt clls cm mrn mqu nr umentnd su pr duçã e collsequentemente su rend Oferecemslhe tud que é necessár à su quer se trte ( us d um grnj u um n tr cmplet ltcíns t Dstrbudres )/ \ ela fabo BSTOS COMCSO E nfelzmente nã!pssums" dds prec ss pr estudr épc em que se ncu ndustrlzçã d lete n Brsl PrcurreulOs entretnt n crrer d md ge nss trblh screver rl s fses d seu senvlvment fr lete em mbente fech ndústr Dr Sebstã Senn Ferrer Andr Dretr d Fábrc Escl Lctcns "Cândd Tstes" NOÚSTRA!sse tp quejhje nmnd "M ns" f prtnt segund ns prece prmer prdut resultnte d mnpul çã d lete n terrtór ncnl \ Máqun utmátc pr en cher e fechr grrf ALKA (m cápsuls lumml J RO DE JAN<lRO SÃO PAULO BELO HORZ JNTE Tupnmbás 364 PORTO ALEGRE Jul Clfllhl 30 Ru Thephll Olnl 81 Ru Flrenel d Abru 828 Ru Av Ru Hlfeld 399 JUZ DE FORA Dep; d prmer met d sécul ps sd Crls Perer Sá Frtes médc entã resnte em Bárbcen segund e prmrndo s trblhs seu p que em 1851 ntrduzu nquel regãó s pr mers reprdutres d rç hlns ps sbltu fxçã um rç gd le ter n regã d Mntquer E tã lg teve seu ntent rel!zdâelzu cns truçã um fábrc lctcíns pr prduçã mnteg e quejs tps Cm Hlnd n cásã lrsse s píses mr prgress n setr lctcns t Sá Frtes relzu um vgem té lá fm studr sstem prduçã e ndustrlzçã d lete nquele ps Lá permneceu bstnte temp e lá dquru tôd prelhgem necessár à ms mr n ndústr e cntrtóu técncs em lct cns pr drgr cnstruçã e s trb lhs fbrcçã em gerl su lz d fábrc n Mntquer númers frm s vcsstus pr que pssu estbelecment n su prmer fse trblhs té que cm bservções e experêncs se cnclussem s nrms técncs cbíves Smente nquebrntável vnt Sá Frtes ld à su perseve rnç tencd csã e esfôrç cn seguu grntr êxt d empreendment F tmbém êle que em 1891 cm slu çã vável pr trnsprte lete em grn escl pr R Jner r gnzu s mes cngelment pr ex prtçã grns dstâncs O sstem pr êle lzdprátc e smplesé té hje usd pels exprtdres lete Em nss mst trblh pms d vdr evluçã d ndústr lctcns em nss terr pr qutr fses dstnts A prmer fse d nscment d n dústr surgd cm fbrcçã dméstc ns fzends A segund fse ndustrlzçã pr mtv quel que se ncu em 1885 cm empreendment Sá Frtes pner d fbrcçã técnc e metdzd quej e mnteg ssm cm rgnzçã re gur d sstem benefcment le dgtlzd pr rvredleterg

4 Pg 4 MARÇO / ABRL tp em usns quds A fábrc Sá Frtes p ser cnsrd prmer Es cl lctcns em Mns Gers e pr tnt d Pís um vez que l srm experênc e s nstrutres pr s utrs fábrcs e usns!lue psterrmente frm rurnd A ndustrlzçã prmtv u sej se gund fse teve um lps que crreu d seu surgment té prxmdmente n 1920 qund se ncu ms mpl senvlvment d ndústr Nesse per d númer estbelecments cresceu bstnte ntdmente n Estd Mns e em utrs pnts d pís cm Sã) Pul Estd d R Snt Ctrn etcl N tercer fse ncd em 1920 e c rcterzd pel prgress técnc d fbrc çã mpuls f celerd pel entuss m crescente fzenrs cm ncre ment d crçã d gd leter vsndj prvetr s terrens mntnhss n ntes exstm velhs e já mprdutvs lvurs cfé A cnstruçã estrds rodgem ;t dçã veículs mtrzds pr trns pcrte d lete e prduts rvds ns tlçã usns elétrcs n nterr verm ncentvr cnstruçã nvs es tbelecments que já entã sentm ne cessd mqunár ms ctegrzd e mrn Os prblems frm send rds pels ftres termnntes e Gvêrn teve sus vsts vltds pr ndústr cres cente Pel cret n f crd Servç nspeçã Lctcns vsn d prncplmente cntrôle d fbrcçã mnteg e su fes cmercl Em 1921 pel cret n f rergnz d Servç ndústr Pstrl e crd Secçã Lete e Dervds Est Secçã tnh bjetv precípu estudr s pr blems técncs relcnds cm ndús tr lctcns ssm cm prssegur trblhs vsnd estbelecer n)ms ge rs seu funcnment rcnl Nel tnhm funções especlzds segund ns cnst Mnel Zenh Mesqut e Jrge Sá Erp ds utrs pners rel vlr que se cnsttuírm verdrs pl dns d prgress d ndústr lctê Est Secçã cnseguí1l relzr prgrm pre estbelecd rzã pr que tmbém muít lhe vems pels prncíps técncs fbrcçã e regulments essencs pr FELOTANO cnstruçã fábrcs su rgnzçã e hgene And n níc st tercer fse f crd em Sít ent muncp Brb cen prmer Escl Ofcl Lctcí ms Est Escl prestu grns e ncn tves servçs l snd blsds técn cs muts ds qus prestm nd hje seu vls cncurs várs centrs n ndústr se crcterz pel b pró du çã nfelzmente teve puc durçã re ferd Escl e gnrms qus s mtvs que termnrm prlzçã tã útl estbelecment A mprtânc d ndustrlzçã d lete querems crer teve su psçã rlevd um pst ms lt n cenár ncnl qund pel cret ferl n f crd Dretr Fsclzçã dós Pr duts Orgem AnnÍl ps S r Q A e tulmente D r P O A Cum pre slentr que Dretr Fsclz çã ds Prduts Orgem Anml f crd qund er Mnstr d Agrçultur senhr Jurez Tvr Flr n trâblh ntens e prdutv que ess reprtçã vem relznd s su nstlçã ser ssunt pr dverss p lestrs DeVems entretnt ressltr lut que seus bnegdos Dretres e func nárs tverm pr cnsecuçã ds seus elevds prpósts melhrment d n dústr lctcnst cujs prpretárs su punhm e muíts nd supõem estr f znd frente um mprfícu exgênc d Gvêrn Felzmente prém um grn nú mer ndústrs cmpreenu fnld d D r P O A e que em últm lse nã é utr senã grnt que fere ce cntr cncrrênc um sem númer ndvídus nescrupulss Tl grnt é cnsubstncd pels bjetvs d Dvsã que verfcm justmente rcnlzçã ds fábrcs em benefíc d ndustrl e hgene d prdut em benefíc d cn sumdr Árdu f trblh d funcnárs d D r P O A pr termnr emprê g d técnc e d hgene n ndústr láct c; espnhôss sã s trblhs ds tus servdrese ms ngentes serã esfrçs pr futur prque grn d evuçã d ndústr eter estr/á pr cert n pendênc ss reprtçã Pms frmr crr segurnç que mprtnte Órgã d Gvêrn Ferl vtment d seu pessl su cpcd técnc e dmn!trtv ç=o=/=abrl =====Pg F=E=L=C=====O================= pel nterêsse mnstrd pel resluçã ds prblems lctcnsts tem sd um ds mres ftres d prgress d ndús tr leter em td ps Tem sd plenmente cmpreendd pels hmens que drgem D P O A e pels que nel têm respnsbld técnc e dmnstrtv que trblh pr ser efcente e ms prdutv nã ve ser sld ms equípe e cperçã E pr ss mesm vêm prcurând entrsr s seus servçs cm s ms especlz ds exstentes n Ps bjtvnd dêste nd rcnlzçã d ndústr N pln estdul em 1935 cnsrnd grn mprtânc d lete e produts rvds Gverndr d Estd M ns Gers dr Benedt Vldres Rber tend cm Secretár d Agrcultur dr srel Pnher d Slv cru em Juz ClE Fr Escl Lctcns "Cândd Ts tes" cm bjetv pel prepr pes sl hbltd fmentr rentr e prestr ssstênc técnc à ndústr lctcns Pr estudr cnstruçã e nstlçã d Escl f cnsttuíd um cmssã cm pst ds drs Jrge Sá Erp Smp Fernns J J Crner Flh Zenh Mesqut e Teófl Ferrer pel Mnstér d Agrcultur e drs Jsé Sres Guvê Dvd Murã e Jsé Bwn Texer pel Secret d Agrcultur Mns Embr crd em 1935 sàmente em setembr 1940 estbelcement f nugurc! A Escl Lctcns "Cândd Tstes" vem cntrbund mst ms efetvmen te pr evluçã d nss ndústr mn tend s seguntes curss ) Técnc b) EspeClzçã e c) Avulss Até 1952 termnrm s dverss curss n Escl e estã em frnc tvd 122 n Curs Técnc 5 n Curs Especlzçã e 546 n Curs Avuls send que dêstes N Curs Técnc d 1 d 1 d 1 d 1 erm d Estd Mns Estd d R 2 d Mt Grss Prgu 1 d Prá Tt d Acre 2 d Espírt Snt PUl 2 d Dstrt Ferl Pernmbuc 2 d Estd d Bh 2 Sã Pul 5 N Curs Avuls 367 Mns Gers 1 d Suíç 3 d Príb 1 d Rúss 4 d Prá1 d Jpã 6 d Cerá 7 d Mrnhã 1 d Hlnd 7 d Espírt Snt 1 d Blv 7 d Mt Grss 1 d Alemnh 2 R Gr Nrte 2 d Espnh 9 Gás 2 d tál 11 d Bh 2 Prtugl 11 d Sergpe 5d Prgu 15 d Dstr Ferl 1 d Terrt d Acre 19 Pernmbuc 1 Snt Ctrn 9 d R Gr d Sul 23 d Estd d R 23 Sã Pul 2 d Puí 2 d Prná Em 1942 pr nctv d entã Dretr d D P OA Dr Belsár Fernn s Távr f nsttuíd n Escl Lctcns "Când Tstes; "Curs Avuls Aperfeçment d nspçeã S ntár e ndústr Lctcns" vsn d prunrr nível técnc Veter nárs e Prátcs Rurs dquel reprt çã!sse curs relzd em regme tem p ntegrl tnh rentál técncs nmed d D r P O A cm Dr Jsé Asss Rber Dr Rgér Mrnhã e Dr Hmer Crre Brbs uxlds els prfessôres d Escl crg quem fcvm s uls ssunts su espec ld Pr êsse curs que funcnu té 1949 nterrmpd pens em ps srm 23 veternárs e 21 prátcs rurs NO Estd Sã Pul n um grup tecllcs prfcentes vem se dcnd senvlvment d nss ndústr le ter vem funcnnd há já lguns ns u ece?te e bem rgnzd Servç d F!sclç e Orentçã Técnc d Prdu ç Leter e ndústr Lctcns n tm? se mnstr um curs prát lctlclllos lclzd n nstlçã d D P A n Prque d Agu Brnc Vrfcms pel expst que pesr ds q es e mledcêncs cntr servç PUbh Gvêrn n setr lctcnst tem exercd um ppel prepnrnte A qurt fse que porems nmnr d eã ndustrl e prmrment tecllc e que justmente ncms g r A ndústr ncnl Lctcíns c meç um eríd tvds em que ne cesst ms d que nunc; d rel ámpr dgtlzd pr rvredleterg

5 MARÇO / ABRT Pg 6 10 Prduçã rcnl d lete em bses ms ecnômcs ménr qu;tntd melhres vcs leters cm me < lhr trt e mr prduçã 2 Prduçã lete ms equlbrd ns dus estçôes sêcs e águs p r estbld ecnômc d ndús trt e d própr prduçã leter 3 Frmçã um cnscênc lct cnst entre s ndustrs que n felzmente em grn percentgem só entenm d ndústr sb pnt vst cmercl cm prpretá rs fábrcs 40 Frmçã retrers rnhdres emnentemente trvés curss prátcs e em mbente qud pr nã fugr às crcterstcs d me e svr vcções perns especlz ds em lctcns ns mesms bses d te nterr 5 Frmçã 6 Mr mpr e prestíg s técncs fcltndlhes ntes tud um prendzgem prátc e bjetv que tenh plcçã rel n nss me 70 Atulzçã ds nstlções ds fábrcs e usns prmtvs e estuds nrms màs rcns pr cns truçã ds nvs 8 Pdrnzçã td equpment pr lctcns fbrcçã nc nl fm que nsss fábrcs eqíllpments pssm prduzr em sé re ms côrd cm técnc mrn e pr preçs ms rzáves 9 Prgrms nstrutvs dfusão cnhecrlents sôbre prduçã le te e su ndustrlzçã pel rád cnem flhets e curss rápds pr fzenrs ndustrs perá FELCTANO rs ndústrs e fzends luns Escls Rurs etc d Gvêrn e melhr cmpreensã pr pr te ds próprs ndustrs Pssrems enumerr lguns pnts que pr serem báscs merecem ser estudds tentmente pr que fse "prmr mept técnc" se cumpr mner n tegrl 10 Prpgnd esclrecend s cnsu dres sôbre s qulds que vem ter um bm lete e prduts lct cns pr serem veícul sú e nã mrte pels cntmnções nsejáves Estcnms nesses z pnts prque pensms que cd um dêles cnsttu pr s só um vst prgrm ser senvl vd E urgente que se prmv mr unã entre s ndustrs lctcns prdut res lete e técrncs d Gvêrn pr; que fse tul pr que trvess n dústr ncnl e que qu nmnms qurt fse nã sfr sluçã cnt nud Grns nctvs surgem n mment; grns cpts sã nvertds em fábrc s lete em pó e utrs rgnzções lcuc nsts FEUCTANO MARÇO / ABRT cm um lmentçã sd pr nss pv; vem ps s cmercn tes nstlr se cnvenentemente e exgr bns produts ds fbrcntes Crescé necessd ge s nss s ndus trs equpments pr lctc ns p relhremse n sentd p rem fzer frnecment necessár à refr m ds ns tlções ds nsss fábrcs já exstentes e à mztgem nvs ndústr s se que pr lsso tenhms que rec rrer à mpr çã Fnlmente cresce necessd cm plet entémdlíent entre s órgã s fers estdus e muncps respb sáves pe rentçã e fsclzçã d prduçã lete r e ndústr lctcínís pr que êstes servçs sejm Unfcds em td terr tór ncnl Pr cnsegunte se td s s yv prblems re Cresce prtnt cd d que pss trblh e respnsbld ds órgãs d Gvêrn que ptrtcmente vêm trlb blhnd pr seu prgress Cresce necessd crrse umlj cnscênc lctcnst entre s ndustrs que vem pssr smples prpretárs fábrc entendres çl seu fíc quer fcltndlhes ClJss rápds exem p d Semn d Lctcnst que nul mente se reálz n Escól Lctcínfs" "Cândd Tstes" quer ncentvnds à" envr s f!hs seus prváves sucessres; frequentr curss lctcns Cresce necessd s PdUts lctcns COJlPreE!enem que seu cmérc tem dupl llljllu<ac drlhes lucr seu bem estr e cntbtq Pg l lcnds cm prduçã lete e ndús tr lctcns se ljvlumm pr qu pssms reslvêls é necessárb que nss tvd cresç n mesm prp rçã que se trn pssível trvés d unã tds s lctcnsts brslers produ tres lete ndustr lctcíns ndust rs e cmercntes equpments e cmer cn tes produts lctes \ Julgms que tud ss porems bter se D 1 P O A cm utrd técnc e dmnstrtv que se sd br pr td terrtór brsler cntnur mp plr sus tvds em benefíc d ndústr leter ncnl cm vem fzend m dnâmc e pers dm nstrçã d Dl Nl Grc Crner Uxl d pels nspetres regns e pd pels emnen" tes brslers Dl Jã Ferr er Brret Dretr d D N PA e dr Jã Clefs DD Mnstr d Agrcultur v; yv v v A prduçã lete e su ndustrlz çã já se frmrm cm um ds este d nss ecnm rurl Smente em Mns vlr st prduçãõ já lcnç prxmmente Cr$ pr n Mlhres brslers vvem st prduçã e têm nel empreg!jd sus tvds e sus ecn ms 4 AL ME LH O R C OA LHO DE F A B R C AÇÃO EM Pó DNA MAR QUÊSA A vend n ela FABO BAS TOS Cmérc e ndústr e em tds s css d rm sestos RO DE JANEffO Ru Teófl Otn 81 SAO PAULO Ru Flr ênc Abreu 828 BELO HORZONTE Ru TupnmásJ 361 PORTO"ALEGRE Ru Júl Cstlh 30 JUZ DE FORA Ru Hlf eld dgtlzd pr 1 1 rvredleterg

6 P g 8 MARÇO / ABRL = FELCTANO l Aspects d Prduçã Leter n Dstrt Fer Dr Lncln Grpp Mrs cm que me Surpreendd pel cnvte Veternár ZtÍtecnst prezd cleg dstnguu há pucs ds UDnD&1!DlBl18! d r Dret Prfessr Nl Grc Crner Orgem vds ns fzends mners e flumnenses Dvsã nspeçã Prduts pr há mut flt hgene e às vêzes mesm Anml pr prferr hje décm prgrmd bslut e crmns spres pel sú d mer plestr mensl d sére d Le cnsulndr A fru n dstrbuçã nd pel Servç nspeçã Sntár l meu Fer t Dstr d cmpe n frm generlzd d "btspsts Entre te ns tãc m" cm águ spet ds frequentes prqler ml)ulfu f 0 me esquvr prém m ults e prsões mpsts respectvmente hnrs ncumbênc Lembreme Lete d hver Sntár d pel Fsclzçã que n verdàe tnh em vj!tu D F ) (P tr ns Almen cnc Hgene ms te; Servç dul cupd p r e pel Delegc Ecnm Ppul chef d Servç Prduçã e ndustr Gerl prmer quse cmpletmente sprvd d; d Secretr lzçã d Lete lg cnduçã pr s seus técncs e fscs Agrcultur ndústr e Cmérc que certmente mpe exercer um e nteressnte pr revel e sbretud vglânc sntár stsftór cm tm pr esclrecer s brlhntes técncs que bém cntece ServçO Prduçã e fre luentm ests prvetss reunões n ndustrlzçã d Lete durnte s fses que cncerne à prduçã lete n zn d prduçã n chmd Sertã Crc rurl d Dstrt Ferl ssunt que tem spertd bstnte cursd e mut cn Relcnre segur s cuss d precá trvers ns últms temps Dí títul r stuçã d prduçã leter n Dstrt que esclh "Aspects d Prduçã Le Ferl pr ps reltrvs cm f ter n Dstrt Ferl" mesm estudd e cm f plnejd h mprevsts e cntrtemps últm es r me fzerm sstr d prpóst entdlj crever u mst prém bem dcum s e bem rnd cnferênc Os ssunt \ s serã ssm expsts um tnt sr déndmerte servndme rter êste pequen mp d Dstrt Ferl e êstes qudrs e fchs que grç à gentlez d lustre cleg Jsé Nrdí Fernns L sucessr n Chef d Servç m meu Prduçã e ndustrlzçã d Lete Meus senhres mé Já se trnu sedç frmçã lete dcs e veternárs lustres que nã é d! cnsulnd pel ppulçã crc ml ltrs" bô quld slv tlvez uns 30 rzds que sã dstrbuds ps psteu De ft em e engrrfds ns entrepsts s em vrtu ds cndções nthwênc d que é btd ns fzends e trnsprtd nterr só nã é pr prque n reld é cm sempre f rgrs fsclzçã que é submetd ns entrepsts" q lete prduzd n zn rurl d Ds é 1use td vendd ns trt Ferl prduçã u n su vz lcs OS própr nhnç medtmente u pucs hrs ps rnhd Apresent em cnfrn t cm prvenente d nterr svn tgem nã ser psteurzd As cnd ções d rnh em nd dferem ds bser sluçã ds prblems emergentes Em prmer lugr pel rm crnló gc e quçá pr su mprtânc v me referr à cmpnh extnçã ds estábu ls st Cptl crrd em cnsequénc ds Decrets n (Ferl) e n (Muncpl) Deve r ser um cmpnh útl e benemért sb tds s pnts vst A mner gr prém f extremmente vlent e sbretud mprevnte Os dns está buls frm sem exceçã pntdos m gàgcmente escárne d ppulçã e bndnds à própr srte Tôd vc que presentsse reçã pstv à tubercu ln er cm ve ser cmpulsàrmente scrfcd; ms seu prpretár se n d reclmsse cb um nnzçã que nã representv sequer z pr cent d vlr d nml mesm nquel épc ps er pens cem cruzers Qund s v quers trvés seu sndct em busc um nnzçã pel mens gul à és tbelecd em Sã Pul revelrm n dscutível rlcnsttucnld d mentçã p1uncpl em que se cmpnh pr estbelecer pr s mes ms nfrções pen1ds mut ms vers d que s prevsts n legslçã rl fes sntár nml e PE!çã prduts rgem nml JANERO / FEVERERO FElLCTANO surpreendds e rrtds te cm DecretLe n npelvemen que es tpulu que n referente à proflx berculse bvn em tds s pnts em que cldssem s regulmentções ferl (; muncpl ver prevlecer muncpl! dspst n Negrmse ssm vquer s mes cm que pusse rencr prvetsmente su tvd nutr lcl Além dss 3 elgêncs "regulmentres (Decret Ferl n ) pr nstlçã grnjs e estábuls leters n zn rurl erm ver drmente ncmptíves cm ecnm strçd ds produtres escrrçds d> zns urbn e suburbn O bjetv prn cpl entã vsd extncã ds es tábuls f lcnçd Tmb é f extn t tuberculse bvn mtv essencl presentd pr justfcr cmpnh A extnçã ds estábuls ds zns urbn e suburbn cnsttuu sem dúvd medd negável mprtânc pr hgene e estétc d cd Ms frm gulmente ex termnds s estábul d própr zn rurl nã tend sd executd prgrm dt trnsfrmáls em grnjs leters n ) Em cnsequênc lgums centens fmíls frm quse bruptmente fst ds su prfssã hbtul e pssrm vver pens vd ds sjustds scs em lut pel redptçã nem sempre ps sível Muts prém sem mes u pens cm s prcs recurss que lhes sbrrm d terrr fscl rrstrm cm s cnse quêncs d clnstnd e rum rm pm pnts dstntes ds zns ndustrl e ru rl n se estbelecerm qulquer fr m cm u sem cnsentment ns terre ns blds ds grns ltfúnds que p rdxlmente exstm cm nd exstem me hr d Centr d Cd Algun; utrs frm se lclzr cm nstlções rudmentres lng d Centrl d Br sl n prncíp cm tlerânc ds utrds cmpetentes e ps me dnte pgment luguel levv c m nd levm sus vcs pstre ns Cmps d Gercnó E lá nesses cmps u nqueles terrens blds multplcrm s nms que prventur lhes fcrm u bx preç que entã purm dqu rr scntrldmente à slt em vrtu ds nvs cndções crçã sem me nr ssstênc ds pres públcs Alguns nem mesm pdm dspr um smple telher n efetur rqenh u resgur dr s vcs e s bezerrs Pg 9 Hvm cnsegud frmr trvés cêns seleçã emprc ms certd e persevernte ns estábuls d Cd e ds Subúrbs um tp vc leter excepc nl cnsttud lguns mlhres exem plres que presentvm crctéres próprs e cpzes )ustfcr su clssfcçã cm verdr rç leter um rç genunmente ncnl que se nã fr mprevdênc ds executres d referd cmpnh estr hje em mnh pnã rvlznd cm própr rç Hlnz u tlvez supernd em nsss cnd ções Trtse d rç Turm prvenente segund lguns ztecnst d mesm trnc étnc ds Pses Bxs lzd pr Snsn Bs turus btvcus dó Qul se rgnrm s mres rçs lete rs Hlns Dnmrques e Flmeng 01 vquers lém d seleçã ds vcs bsed n "prv d bl" mesm dtd cm tnt êxt pels crdres nr temercns e hje cnselhd pels ztecnsts e vulgrzd tecncmente pels servçs "cntrôle leter" em pregvm mesm sempre que cnhecm trvés d prduçã ds flhs excepc nl ptdã leter um tur segund pment pessl lguns dêles té cnsngund ncestus pesr d rsc que julgvm crrer e ds cnselhs em cntrár ds rrs técncs que entã s ssstm À us prentese v nfrmr que tmbem dvm preferênc cm ndt cntece qu cm n nterr s turs que segnd credtvm "sàmente pr duzlm femes" A cncdênc fez mesm que lguns pucs reprdutres dqurssem fm entre s vquers d Dstrt Ferl pr tl rzã Alguns ztecnsts entre s qus prfessr Gulherme Hermsdrff lment rm em lvrs e rtgs perd rreprá vel dquele vls e prmssr ptrmôn nss pecuár leter rç Turn rece que huve n épc ntençã"l precncebd cbr cm que hv e d mped ressurgment d prduçã leter n Dstrt Ferl ps pesr ds pnrds ms veementes dvertêncs d quele técnc pel mprens e brlhnte mente secundds n trbun d ntg Cn selh Muncpl pel Veredr Jnsen Mül ler n O relzd entã pr su re rg ruzç mner rcnl Dí pllc1plmente crreu stuçã lmen tvel que nd perdur em plen zn dgtlzd pr rvredleterg

7 Pg 10 MARÇO / ABRL rurl d Cptl d Pís cntrstr cm prgress que se bserv ns cmps d;; Estds vznhs O rebnh leter crc já bem pu rd f ràpdmente substtud pr um gd nenhum ptdã leter em es td frnc vrçã srnd Cncrrentemente flt terr pró pr fz que mr ds crdres nã se nme cnstrur nstlções quds à prduçã ecnômc e em sejáves cnd ções hgene Pel mesm mtv nã pm frmr pstsnem mnter lmps s que terrens exstentes ns prventur prvetm Predmnv em certs zns; clns tnd e;n vlrtu d pvr à fsclz "çã muncpl Tve prtund ver fcr pesslmente ess crcunstânc em 1946 fzercm técnc d nsttut Blg Anml em Dedr um levnt ment d númer vquers d regã fm estudr pssbld d emprê g d nsemnçã rtfcl Erentã; re ccbd cm grn scnfnç e mesm cert vêzes cm cnts nmsdpr me julgrem funcnár muncpl Prcu rvm me ludr qunt númer n ms; s dns "vends" e utrs est belecments cmercs sldárs cm s vquers dzm scnhecer s prpretá rs ds numerss ltes que erm vsts l pstr dàrmente ns medções sus css Cnhec entã spects nteressntes d chmd pecuár leter d zn ndustrl (Z2) n prte servd pels Estrds Ferr R d Our e Auxlr té Pvune Centrl d Brsl Rcrd Albuquer que té Mglhães Bsts tend present d reltór chefe d Seçã Blg Anml Aplcd d nsttut Blg Anml dutr Jã F e r r e r Br ret hje Dretr Gerl d Deprtment Ncnl d Prduçã Anml tlstes pr exempl melhr pst mut gbd pels crdres ns prxmds d Au xlr er Lght" cnsttud quse exclusvmente cpm Clnã u Murumbú e lgum me bôm (crrpch) mntd ms u me ns lmp pel turm cnservçã Apre sentv cmente sent crrpts e bernes E nd custv pos pstre er d n terêsse d própr Lght Ms est mped Que crdr nêle fzesse qulquer cnstru çã Pr ss rrçment suplementr er fet céu bert cm s vcs slts FELCTANO FELCTANO ======= send empregds mr (met décms e qunts vnh) A rnh quse sempre er Cm nd cntece relzd n mesm lcl d dstrbuçã d lment cncentrd 6l me à lm u à pesegund s cnd ções d temp D um md gerl pst é que er cncentrd d lment subsdár cm nd ée cd vez msem quse td Dstrt Ferl em cnsequênc d prgressv crênc terr pr tl fm cntrár d que cntece nutr prte qulquer Os prncps lments ds vcs erm ) resídu úmíd d e cerve jr chmd "cevd" que nquel csãer btd quse que grtutmente snd cêrc 10 centvs pr qul (pràtcmente pens cust d trnspr te); b) fejã Sm senhres fejã! E nem sempre er bchd ms tmbém nv! Destnvsepensàs bs lete rs pr refrçr resídu cervejr; c) s resídus trg gulmente lr gá emprêg <r tôds s ctegrs nms d rebnh send dd cm té hje bslut preferênc remíd Al guns utlzávm frel lgdã Er bslut flt ssstênc gver nmentl Tend sd extnt em zem br 1945 mpst sôbre nms h v cessd mtv pel qul que pre ce erm s crdres prcurds n csã pels funcnárs muncps lnçmen t pr cbrnç dquele trbut Nem sequer er cnhecd em 1946 nú mer prxmd crdres e bvns exstentes n Dstrt Ferl As esttíst cs u slencvm respet u cnsgn mm dds evntemente mut quém d" reld A crçã d Secretr Gerl Agr cultur nd em 1946 ver brr nvs hrzntes pr s prdutres lete c lcs O ntg Deprtment Medcn Vetelnár trnsfrmd em Deprtmen t Veternál mplu cnfrme n dc est su nv nmnçã s sus trbuções E f crd Servç Pr7 duçã e ndustrlzçã d Lete que lás smente em 1948 pô ncr sus tvd s especfcs A Le Muncpl n cuj nteprjet f elbrd qund dretr d Deprtment Veternár Gulherme Hermsdrffsend Secretárl rl Agrcultur Prfessr Hetr vsv melhrr s cndcões d lete dd cnsum nést MARÇO / ABRL tmbém pssbltr prduçã n zn rurl um precável quntd le te ótm quld Nmed pr Chefâ d Servç Prduçã e ndustrlzçã d Lete n!> últms meses 947 meu prmer c dd f prcurr cnhecer cm pssível ext d& stuçã ns zns dstntes n mr extensã ds terrens dspnves e d exlt pr um explrçã leter rcnl u Verfquelg que nã ser pssível f zer cumprr ctd Le u; melhr re gulment l crrentecuj nteprjet estv entã send elbrd pr um c mssã d qul cm mut hnr fz pr te ld ds dutres Mrcs Mglevch Déc d Amrl Fntur e Mnel An drel se nã cns msts ds próprs crdres Fzse ndspensável cptrlhes smpt medn te tendment sus necessds ms prementes E f que empreenu Ser vç De ft temr d fsc muncpl" n d sb mpressã xd ns trás pel cmpnh extnçã ds estábuls fez que recebesse cm scnfnç s funcnárs d Servç cm já me cntecer em 1946 Hv prém n csã (1948) tn t qunt tulmente grn escssez frels trg Nã hv qulquer cn tlôle fcl sôbre dstrbuçã ds mes ms frtur cm nd cntece n "mercd negr" preçs exrbtntes Após uvr sus quexs entre em entendments d rets cm gerentes ds mnhs e psse lhes frnecer cmuncções ds qus cns tv númer nms clssfcds pr ctegns cnfrmd cm s sus exgênc lmentres (vcs em lctçã vcs secs bezerrs turs nvlhs bs tr ulln cm tôd fcld tã m bc d cncentrd Dev slentr que l;llcltlv f medtmente d "Lnhcet ds pels Trres mnhs send lg prvd pel Dretr d Deprtment Veternár e utrd superres Pg 11 cmumente tns númer nms pr btençã mr qut resídus frm fàclmente s cberts pel fsclzçã d Servç nã nls recebend s quts s fltss Em 1950 cntrôle d dstrbuçã resídus trg s P!dutres lete pssu ser fet pr utr órgã d Secretr Agr cultur Os crdres tmbém se que v vultss prejuzs em cnseqüênc d fts e d pneumentérte A Chef d Servç ssentu cm entã Dretr d 4nsttut BOlg AnmlPrf Argemr Ol ver um côrd táct pel qul f pssí vel t nr númer crescente pedds vcms que té entãerm ntermen t scnhecds n zn rurl cm exce ç qutr u cnc crdres dn tds O nsttut BOlg Anml mednte pessl pr fbrcçã d v e cn ntlfts frnec s dses necessá ns st e utrs vcns que erm pl cds grtultmente e receb pedc mente cmuncçã ds resultds btds u?ós verfcçã rgrs Os resultd dtsse teste frm em gérl excelentes cnfrme f ntcd n épc Durnte Vgênc d Acôrd entre Se (let r Agrcultur e Mrstér d Agncultur s trblhs vcnçã cn tr ts e utrs znses frm mut f)mpl ds Tôds s vcns e bem ssm l plcç erm mtermente grtuts e n bstnte f precs um trblh ver r ctequese pr que s vquers eeltssem tã mprtnte uxl pos n grn mr dêles lém temer um u r?xmçã mut estret cm s veter? nros (rece d fsclzçã sntár e sobretu(jo d renc d tuberculnzçã gd) nã credtv n su efcác And em 1948 grçs à nstlçã em Grn um pst d Servç <?m Cle!S lptlg d ReprOdUçã e nsem nç Artfcl d nsttut Ztecn mntd em cperçã cm Servç d d Prd ç? e ndustrlzçã d Lete que cntrlbulu cm técnc frm ncds s rblhs tmbém grtuts lísem Dç rtfcl cn utzçã mgní F ssm ncd um levntment d fcos repr utres d prmer ds ctds nd cursd psser pràt cr c em que cntgem ServçS Esses trblhs spet ds ser flt cm ms extdã d que b s r tnh r fnlddt exclusv e ncldps pr mgnífcs prduts ex Jllçtment d mpst pr que crdr Jnds em três expsções n Dstrt Fe tnh nterêsse em cultr ver r lnã têm td senvlvment que senúmer rezes Dus u três ten n esp rr em vrtu sbretud d em sentd cntrár umentr trz que mper n Sertã Crc Cert l dgtlzd pr rvredleterg

8 MARÇO / ABRL Pg 12 crdr que pleteu empréstm um tm d Prefetur clrume que rel mente estv stsfet cm s resultds d nsemnçã rtfcl em seu rebnh ms que tend tmbém tur em seu sít ss lhe dr ms "crtz" Tmbém em 1948 qund Servç Prduçã e ndustrlzçã d Lete dspu nh um únc veternár frm nc às s prvs tuberculnzçã e sôr glutnçã pr dgnóstc d brucelse Íd cm clbrçã d nsttut Blg Anml A fnld medt f Um ndce d gru nfecçã prvável sss dus dençs n rebnh verfcçã d crrênc d bru crc celse em tôd zn rurl justfcu pre estbelecer A J sentçã um nteprjet le referen te à proflx ss znse md em Psterrmente frm encmnhds nvs nteprjets à cnsrçã <t Cã 1948 mr rém ds Vel dres Nenhum dêle p té presente prv çã mereceu dt Tend s veternárs e fscs d Servç ps bstnte temp grnged tlblh pertnz cnfnç ds crdres f pssível relzr um estud ds tond ões d prduçã letcl n Dstrt F (le r! Os erü drcs fr&m prncíp pe ns relcnds Ms t""de; pssrm ser fchds recebend um crtã reg; to ps sub etds à nspeçã sú n Em 1949 ns servçs cmpetentes Chef d Servç sugeru às utrds d Secretr Sú e Assstênc que s crdres e seus empregds fssem tmbém submetds às prvs dgnóstc d bru celse pr csã ds exmes pr bten çã d crnet sntár Psterrmente verfque que n mesm n medd t nh sd dtd pel gvêrn muncpl Mscu (*) Cm crtã regstr que s ntfc s crdres se hblt vm à qusçã gus pr cmpr resídus trg s uxls prestdos pel Seéretr Agrcultur nclusve n nzçã 50% em dnher pr s s pess cm nstlções u remlções lstlções leters qund fets ácôr d cm s exgêncs regulmentres t máxm Cr$ ssm cm se hbltm "lcencment seus veículs ná fsclzçã Sntár d Lete pr d d prdut n v públc FELCl1ANO MARÇO / ABRL Em muts c s; Servç cnt s nmes ds nms em vrtu d rel zçã prvs dgnóstc ns prpre ds regstrds A ntfcçã tôds cnsttu medd que verá ser ncd Zn Prdutr regulmentr Servç qund dspuser mes pr tã grn empre ntds em fchs que servem pr ps terres nt ões cnfrme se verfc n ç exemplr que expnh à cursd ds s ssteítes Trtse um trblh mut d mperfet e nd ncmplet em vrtu é dfculds crrentes sbretud d crônc crênc cnduçã pr s vete rnárs d referd Servç ms nã bstnte stsftór tend em vst su fnld prncpl cnhecment d s tuçã rel cm bsé pr elbrçã d plnejment ds medds que pssràm ser ndcds e em muts css execu tds em prl d melhrment d prdu" çã leter n Dstrt Ferl And em 1949 Chef d Servç s tcu um VeternárZtecnst prf Newtn Gumrães Alves pr se tledcrá estud "nlc" ds cndções exstentes ds necessds medts serem bv ds e sbretud d plnejment pr pecuár leter estbelecment um dgn ds frs d muncíp d Cptl d Ps A publcçã d recensement em 1950 cusu surpres gerl ps cusv um efe tv bvn superr cbeçs pss que s estmtvs ds órgãs esttís tcs cmpetentes nã tngm mens à cs d mlhr O qudr nex revel ttl e dstrbuçã d rebnh bvn d Dstrt Ferl (nã nclund evdén temente s rezes stnds crte em scns ns currs e psts d Mtdur Snt Cruz) em nvembr 1952 se gund fchár d Servç Prduçãé ndustrlzçã d Lete (*) KAMNSKA A "Lexmen sérlgque étbles en ce qu cncerne l Res Bul Off nt í1pztes TOTAS nfrmções dãs (rdres Vcs Th d Gverndr Expnsã ndustrl E F Centrl d Brsl Jcrepguá Cmp Grn Snt Cruz s td Os dds e muts Pg 13 Pecuár leter d Dstrt Ferl (301152) s vcs nclusve cm ftgrfs cm fo relzd durnte cmpnh cntr estábuls E clr que um recensement perfet só ser pssível se relzd num mesm d tend em vst mesm nturez d ele ment receísed lém d nstbld d pecuár n Dstrt Ferl pennte s bretud d dspnbld ds lments cncentrds cm exceçã zn Snt Cruz n êles nã sã empregds u pe 1951 ns sã subsdárs d pstgem e 195 cm nnguém gnr f mut grvd crse resídus trg Tm bém "cevd" u resídu cervejr s vcs em quçá prncpl lment tôds s zns slv Snt Cruz se trnu mut escss durnte s meses frs pstgens sêcs extmente qund quel crse f ms gud que termnu um grn dmnuçã d rebnh prncpl mente ns zns ms sprvds re curss frrgers nturs Centrl d Br sl e zn expnsã ndustrl Em d Nvlhs Nvlhs Bezerrs Turs Bs Tts Trblh góc prduçã lete Ess verdr prátc que é dtd gerlmente pels crdres crcs que nã dspõem terr própr e pr ss mudm seus "currs" prncplmente cnstntemente verfcse pr csã ds crses cíclcs d bste cment crne A mtnç clnstn dfícl fsclzçã n "Sertã Crc" e ns vznhs muncíps flumnenses exer ce em ts csões prepnrnte ppel dsscdr d já tã nstável pecuár le ter d Dstrt Ferl prque cmpr rez e ven crne OS preçs ncntrlds "mercd negr" And nã fz um n f fet flgrnte um dêsses m tdurs l mesm pucs metrs d es tçã Bent Rber d gd leter; lém d precred Exmnndse qudr cm em cn frnt cm s dds d últm recensement ncnl ( rebnh bvn crc nã f cmputd) verfcse ft curs que prprcnlmente à superfíce terrt rl Dstrt Ferl é um ds unds d Ferçã mr nsd bv ns ps cup 5 lugr cm 176 cbeçs pr qulômetr qudrd cbend s qutr prmers lugres R Grn d Sul (296) Sã Pul (279) R Jner (263) e Mns Gers (198) d psse d terr em que cêrc se pr cent ds vquers mntêm seus segund puru estud fet Servç Prduçã e ndustrlz d Lete e lém d grvment d ds frels trg tmbém tem cn pr mesm resultd ft ter sd sempre preç d lete tàbel em funçã d d crne e vcevers; ten mesm crrd vez em qund u sucessvs d segund nã cmp ds necessárs lts prprcns d lete dí cntecend que verfcnd se ms lucrtv crne ven sus vcs pr té cheg/ dqurr nvlhs pr recnsttund rebnh leter tr qund vltr ser melhr ne Outr spect que recensement veu revelr é ntecnômc dstrbuçã d rebnh crc ps que áprxmdmen te gurd s mesms prprções exstentes ns rebnhs flumnense e mner " que sem dúvd cnsttu grve êrr tend em vst que cd vez ms elevd cust d terr n Dstrt Ferl e cnsequente escssez psts estã ndcr que sà mente p ser ecnômc em ts cnd ções explrçã leter e nã crçã gd leter u sej mnutençã bs vcs cm exclusã "nvlhs nvlhs e bezerrs; dmtndse pens reserv bezerrs e nvlhs qund f lhs ue ótms prdutrs) Serm vnt jsmente dqu1ds "n bl" bs v cs em prílíler e segund lctções" s Vêse ssm quã nstável é pecuár crc Além d nturl prcess vssl dr d urbnzçã d zn rurl tem nnd encrecment excessv d terr e su subdvsã extrem dfcultnd trnnd cd vez ms e ntecnômc dgtlzd pr ; rvredleterg

9 Pg 14 MARÇO / ABRL FELCTANO MARÇO / ABRL nhs) que dr um ttl d? ltrs puc ms u mens nest epc d n crênc psts e cncentrds Send lete td u!luse td ve?d à prt d currl u esábul lr9 e n ser pssível um vlç peretll d pr dutvd d rebnh ss n e psslvel nem mesm ns muncíps d mtenr n lete é encrnjnhd pr s usms e lctcíns em vrtu ds pçes cns ds ns pequens cds vls e rls cm ns própr!;ls fzendlls e sus clrns Frm relcnds tds s pssuldres bvns cnstnd d fchár té s que clrárm pssur pens um u dus v cs cm fnld prduzr lete pr Aprvet prtund pr esclrecr cnsum d fmíl ms cuj excess é ven que publcçã ntícs?nt qu S est dd s vznhs mv prduçã leter med dll d A dstrbuçã em zns cnstnte d Dstrt Ferl em 60 mq ltrs evnte qudr nã f rbtrár cm prá p mente exgerds qã crreu pr cnt d Chef dquele Servç" qul ft recer à prmer vst Cd um ds z em zembr 1949 em plen "estçã ns present crcterístcs?róprs qur sb pnt vst ds cnes nu ds águs" e prtnt pss verejn quer n que c;mcere às cnlçes rtfclls tes e frtur reltv resldus!lmen tres (resídus cervejr e tr=g) e u plítcs mxme respet d prblem d prpred d terr qund côrd cm s dds btds E relmente cusr surprês ã gr rebnh er prx cbeçs sen dversd mes num crrcunscl númer vcs p ms çã terrtrl tã pequen qunt DlS u mens vlu prdç? dln em trt Ferl levndsé em cn ue su e d1v fol que cerc l!l;rs gd zn superfíce ttl é pens ulmetrs <! nts fcs llste cálcul fol fet cns qudrds Fscmente sltuç su rndse em lctçã 60 pr cent ds v três serrs prncps (Crc Jcregu cs u sejm estmndse pru G Gurtb e Gercnó) prtege slgul çã cd um em 5 ltrs pens mul mente s respectvs vles cntr s vents embr endse em cnt lem ds ndl d Sul ms felzmente tôds nd estã ções fvráves cm crcunstncl cberts mts sempre vers e que lem que à mr bslut ds vquers d cnstturem mtv dmrçãà n esm pr Dstrt Ferl relz dus rnhs pr s nsss ptrícs ds terrs flen d A dmnuçã d rebnh m vrtu ds ses e mners sflrestds e empobrecds pr zens ns cultv rrcnl e cuss já pntds termmu preclvel Entretnt nquels mprevnte d cfé repr?entm tlvez 0\ qued n prduçã mesms bses (cálcul pr s meses mls prncpl ftr d mgrnflc dlstnbulç "nul ds chuvs em lguns pnts d Zfvráves) rebnh crc (6 638 vcs penntndlhes psts verd" em lctçã 5 ltrs) nd dn prox n Rurl durnte td n que nã cntec e mdmente ltrs prte lgum ds regões "serr Cm E precs que se tenh em cnt que ds estds vznhs méd nfm 5 ltrs pr vc em lct O Djstrt Ferl ft cm mjr çã crrespn à ltrs (u 1 j)25 prte d B;xd Flumnense se pr Ul pr n) se se cnsr ttlld ds rd nã dspõe um tempertur v " vcs (l 064) pr cálcul d sr pr?u l ável à crçã d gd leter pr l} çã dár ndvdul Embr t bx ld ferece n mr prte d su nd é um puc superr à encntrd útl ess utr c"ndçã lás pr s rebs ds estds próxms pssbld btençã Dd prém que nã cr;re n m s e verj (frrgem em qulquer épc Tvems prt;ul1tdde (le ment queles ftres fvrvels prece ns bstnte próxm d reld um es relçr tl ft n trblh que brçã cm lguns clegs d!vjjllj1;"cuv tmtv em 4 ltrs pr vc (çlus r fzenrs d Estád d R u e Mns cm sempre fzerm lguns vquerrs que ssm se lbertm d ônus represend? pel trblh e pels spess cm cnç ds mesms A dvulgçã em 1949 lgu?s result ds d estlld prcedd pel seç r duçã e ndustrlzçã d Lelte especl mente que zn rurl d DStnt Fe rl cntrbu cm ms ez pr cent d lete cnsumd nest Cplt! vltu spertr tençã d utnels su perres pr necess? se fmenr; prduç} leter cnc em s rco 11 s ecnômcs e sbretud hglerncs! Pg 15 publcms em 1945 pós 10n urbnzçã lém d crcunstânc ter e verfcções "nlc" num grn prte su áre éupd pr un ftzend Jcrepguá (*) Relmente ds d Mrnh e d Aernáutc é ev ness Fzend que hoje se trnsfnnu pe nte que nã nteress ser cnstlerd ns num hrs crçã d PurSngue cm futur zn leter nglês e que nquel csã er lém ds Dev prém; slentr que Mfustér d s um esplêndd cmp expermentl Aernáutc pssu l um grn grnj " clmçã dus rçs leters eltt mst (gd leter suns e ves hrtl e Jersey) mbs nturs cl çs e pequen lvgur) cuj rebnh bv frs em pens 8 10 hectres n é prxmdmente 150 cbeç s psts bem cudds (rds e cjubàds Dspõe bs nstlções nclusve br 3 em 3 ns) que servm pstre em gs smples e bem rejdos cm vem ser semnl fcnd gd cmp em nss clm; e seu excelente gd " 6 hrs e ms dàrmente erm td d rç Guernsey em grus vráves em cndções ótms 72 bvns e sngue d 314 pur pr cruz Sã dults e nvs Or ss sã er pssível prque frte d frr verdrmente nmdrs e surpreenn tes s nfnnções que l óbtve respet er verj cm mrmeld d prduçã méd ds vcs 9 ltrs O re (Mebm dsclr) Cpm Venezue gme é me estbulçã Os Psts ;US scprus) (p plnt nd nã cudds sã t cnsttuds l" lvul brbn ) e cn frrger le grm burr (Cyndn dctyln) e u e grmínes cultvds n pró trs grmínes ntvs Fzend e que dvm crtes pràtc ZONA DE EXPANSãO NDUSTRAL durnte n td grçs reg ds chuvs emprêg d excelente Cmpreen tôd regã trvessd pels estrds Ferr Lepldn R d rgânc preprd em estrumers Our e Auxlr Y;é lcnçr Centrl d Becr e prncplmente cprch Br sl nd té s lmtes cm Estd d crdr suds ndustrl Frn R cs E Zn ndustrl Z2 Já presente e zêl d dmnstrdr Sr Alfeu lguns ds seus spects nteressntes E se ter em vst que s seus re n níc st plestr O gd está U" =LU; nã cnsumm ms lments cn send dl expuls cm um rpz cele d! que hbtulmente recebem rd send pssível que ntr em cnc vcs ds ms crdres crcs ns e que seu rebnh que em nvembr d n prduçã méd ds mesms mut fnd se nd er superr cbeçs nã nrxmv d rendment méd lcnç l cnce sequer à terç prte dêsse ttl pís rgem pels dus rcs Pr em tl resultd está cntrbund lte Ayrshre e Jersey cnfrme ment grns áres em vrtu d cnst fet n trblh ctd d excelente rdv que é Aven ruçã d ds udtór que me cmpnhe Bnrs que crt dgnlmente tôd dgressã pel mp d Ds zn ssm cm nstlçã nest pssre slentr lgums grns fábrcs e ds cd um ds zns n resncs ds nsttutsmres cnjunts psentdr n qudr que rgnze cm s ele e pensões Nã há ms que dscu tr sôbre clhds n fchár d Servç seu futur COm produtr lete e ndustrlzçã d Lete espe CENTRAL DO BRASL u ms lneltte n que cncerne ppel própr que p n1ente Zn d Gercnó Om representr num prgrm fme preen tô n d regã crcu mvznh d rml Mn d prduçã leter n Dstrt Fe rl grtb d Centrl d Brsl Dedr té Sntíssm Cm n Zn DO GOVERNADOR Deps d Expn sã nclustrl há nd muts d pnte e tend em vst ds ntgs vquers clnstns que ps lljh""u ds brs centm SUólS d Cd Un vc s ns cmps d Gercnó mednt e ser se d Aerprt nte e um rn ftres ntensfcçã d su luguel mensl pg Mnstér d Guer r e que é tulmente Cr$ 2000 pr cbeç "A FAZENDA RO GRANDE Puc " s sã s crdres lclzds n l L G Alves N G Bertluc d pst d v férre rríssms c dspnd Rch Flh Bletm d Sc estáb ed ul> ms """" "u mens bem cudds AgrnOm Vl vm N 3 N! há nenhum nstlçã ns encsts dgtlzd pr rvredleterg

10 MARÇO / ABRL Pg 16 ds mrrs ds Afnss e d Serr d B rt A nstbld ness zn!!< é semelhnte d zn nterrmente scrt; verd r nmdsm pecuár ; lcl d rnh é mudd frequentemente r pnt entrd n Gercnó é um Cncel em R crd Albuquerque u Anchet r ps s ser ns Mglhães Bsts u utr estcã ; O crdr e seu gd nem sempre sã lclzds cm fcld O regme é ell;ens!v cm frte rr cment cncentrds (frels trg fejã e resídu cervejr) E zn mr nsd bvns E nd é mr prdutr lete ps 1;ms vcs prxmdmente vem prduzr dàrmente em méd n bse presentd cêrc z ml ltrs Há em Bngú um crdr cuj rebªnh tmbém pstred n Gercnó é superr 350 cbeçs ds qus 210 sã vcs Cheg prduzr ms 400 ltrs dàrmente Dez crdres pssuem rebnhs superres 100 rezes cm prduçã méd 200 ltrs prxmdmente Sã cm se verfc prduções equvlentes às muts grn s fzends flumneílll es u mners Pre dmnm prém s rebnhs cuj númer scl entre 20 e 50 cbeçs b A nsd d re ânh dd recente elevçã d luguel ds cmps d Gerc nó ten screscer nd ms O gd é l mntd mner ms prmtvn pssível em psts berts cletvs gres tes verdrs cpers cm lgums cl rers e mnchs cpm bllto cl nã e utrs grmnes send prém s tsftór dspnbld guds pr gd N csã ds exercícs tr gd é retrd d cmp lg que surgem s sns cnvencíns; pesr ds cudds e d hábt que própr gd já tem se retrr em ts mments verfcmse frequentes perds As vcs sã rnh ds em gerl d ld fr d Cmp em qunts ds css ds vquers u ts cs currs N própr Cmp é mpssí vel cnstruçã estábuls e brgs pr rnl) tend em vst su fnld fcl cmp mnbrs send ps dfícl bter l um lete b qul d Nã send ps cnselhável pr mpç sblld d melhrment ds cndções hgêncs e ztécncs d prduçã est mulr crçã nquel ále e estnd restnte d zn cupd pel Aernáutc FEjLCTANO FELCTANO s ferecds s cmprdres pels lte dres Jcrepguá cm td Q Ds trt Ferl sã tã grns que pr n crível que preç té veternárs d Mns tér d Agrcultur já cnsegurm dqu rr seus ltes! And exstem emjcrep guá grns ltfúnds ms nã pce dú vd que em breve estrã send retlh ds E ssm v ltfúnd send subst tud pr utr ml nã menr; mn fúnd que mpssblt qulquer nctv dc prvetment d terr pr emprêss grpecuárs Nã bstnte nd pr muts ns prá ser mntd grn nú mer pequens grnjs bem cudds ns dus subzns referds u nvdd pels ltements ms certd utrs é fmentr trnsferênc pr ms prprds u pr Estd d R ds crdres que sejm prduzr lete em ecnômcs e hgêncs cnve cndções nentes JACAREPAGUA Cmpreen tmb ém Serr d Tjuc (u Crc) em CUjs vles exste lgum gd lás bem cud dc As cndcões nest zn sã cmplet mente dvers;s ds já scrts Os puc> vquers que nã sã prpretárs d ter r dspõem ttuls rrendment sl v rríssms exceções Quse nã se pre sent em Jcrepguá trste espetácul d gd slt ns terrens blds e n v públc Apresentmse ness zn três subzns perfetmeíj!te fnds prmer cmpre ennd tôd regã st entre Lrg d Cmpnh e Ru ntennte Mglhães e Brr d Tjuc brngend tôd Freguez té às vertentes d Serr e tôdl vrgem té Tqur; segund repre sentd pel Vrgem d R Grn nclun d s vertentes d Pedr Brnc (Pnt cul mnnte d Serr que v Bngú (h/ rtb) e tercer cmpreennd ex tens regã que v d Lrg d Tqur Recre ds Bnrntes lmtd pel Serr Gurtb e pels lgs J crepguá e Cmrm em lnhs ers e recebend s nmnções Vrgem Grn Vrgem Pequen Cmrm Grt Fund etc Ns dus prmers zns predmn pequen prpred estnd nels se mul tplcnd s síts "fm semn" e mesm lgums glmerções resncs Estã í studs s melhres nstlções leters As terrs d segund subzn (Vrgem d R Grn) sã mut fértes cntrár d que cntece cm s d Fre guez Nesss dus subzns ltement elevu terr preçs ltíssms E fre quente encntrrms vstss núncs terrens pr " grnjs " cm áres 2 ml metrs qudrds tlsses ltes evntemen te nem mesm chegrã pr grnjs vcls em bses relmente nucs cujs prpretárs nã querm penr exclusvmente d frrgem nte d estrnger cm vem send vcultur crc e flumnense E ressnte ressltr tdv que precs exrbtntes êsses terremc)s mete vendds à cust um prpglll1! ltssnnte e fnncments prz relmente vntjss E s MARÇO / ABRL Pg 17 ms p r p r e d d e s presentm spect típc ds fzends mners A cntrál d que cntece em Jcrepguá e Snt Cruz n pst prncpl é cpm ele plnt qu predmnm gr dur e jrguá hvend tmbém bstn te cpm cnã Rríssms sã s está buls; ds qus pens uns três sã bem nstlds Tmbém nã há cudds n 01 nh Ns cmps d Mendnh cm pu cs exceções gd é td zebud Cum pre l?twr ness zn clzçã um ds ms mprtntes estbelecments crçã d gdo zebú Fzend n dn dcd à seleçã ds rçs Nelre e Guzerá prpred d Ztecnst Durvl Grc Menezes Aí se bserv especl cudd n frmçã cnservçã e prvetment ds psts que sã cn venentemente subdvdds pr pssbl" tr pstre em rtçã A tercer subzn é mut extens D Lrg d Tqur Recre ds Bn rntes dstânc é superr 30 qulôme t;s A várze em certs pnts tnge um lrgur cm 15 qulômetrs Su áre A spet d vnç ds ltements que é ssm superr à lguns muncíps já tngrm Gurtb e Mendnh julg flumnenses Tôd zn é prtegd pel C;l!e em Cmp Grn nd há pssbl luxurnte Serr Gurtb rc m ds pr rgnzçã muts grnjs ts e bnns n scem lguns pe leters quens rs Durnte zens e tlvez cen Ft cnsgnr ds currs Cmp tens ns várze f um pntnl Grn s precável quntd lete pluds em su mr extensã Em vr (cm 2 ml ltrs pr vêzes segundo tu ds trblhs prflx d mlá f rmd) pr um Usn Pteu r trnuse grculturável A terr é rzç d Estd d R n vlt ntável fertld E t que é ms curs Dstrt Ferl ;trvés ds Entrepsts A ms d que em qulquer utr prte d ts prdxs ecnômcs rs cnduz Dstrt Ferl verfcse sserçã S3 cnsegur frrgem ver durnte td flt usns benefcment d lete n zn rurl crc n O mlh e rrz sã l plntds e clhds em dverss épcs d n Os SANTA CRUZ Ness zn já se bser psts estã sempre vers v nfluênc benéfc ser prdutr prpretár d terr trvés d b prdu Há cm é ntór u m pequen númer çã ds seus síts Há lém dss um r grns prpretárs mlhões me zável dstrbuçj d terr prncplmente trs qudrdos que mntêm embr em l n regã ds núcles clns às mrgens tg permnente psse dquels rcs d Gundu cm s seus ltes z e vnte terrs que tem dfcultd senvlv hectres Cm um rentçã segur e per ment d lvur e d pecuár Nã fsse sstente é pssível frmr í melhr e )ss e ser Vrgem Grn ld mr núcle grnjs msts d Dstrt Snt çruz um regã prvlegd pr Ferl cm um prduçã lete nunc estbelecment um b centen le nferr 300 ltrs dárs (grnjs grnjs msts vn te hectres) lém vs frngs mel fmts e legumes Sb nss rentçã d Cmpreennd CAMPO GRANDE ret durnte ms um n um Mendnh R d Prt Cchmrr e sss prpreds f bem encmnhd n sen" Gurtb Em grn prte se prest pr td ts bjetvs Cm fnncment crçã d gd leter pesr pssur fácl cnsegur e lng prz grns extensões mut sêcs n efet e sss t nc técnc esss grnj s se multp d escssez chuvs n nvern se fz jen lc rm rpdmente um vez que fcsse tr severmente n estd ds psts Há l sse gurd prelmnrmente um preç guns grns crdres n Mendnh prn vntj s pr lete btd em melhres cplmente Muts crdres mntêm seus cndções d que tulmente prduzd rebnhs em psts bem cercds O Cnhec sstem crçã é extensv Algubem mgnífc receptvd ds prdut dgtlzd pr rvredleterg

11 (!f! 11 Pg 18 MARÇO / ABRL res Snt Cruz especlmente muts ds cngregds d su Càpertv Agr Pecuár Est prá sempenhr um p pel rn mprtânc n senvlv ment dé um pln melhrment d pr9duçã leter lcl Ns várzes Snt Cruz presencms mpér quse bslut d nglnh u cpm plnt (Pncum brbn) Se r pr ss nteressnte dfusã d pln t legumnss cm gund pr exem pl pr verj ssm cm grmínes cm mesm fnld especlmente cpm Guteml que vcej dmràvelmen te em sus fértes terrs Os psts d n glnh pstreds ém rtçã cm j á cntece em dus prpreds permnecem pràtcmente vers durnte td n llste ftc é trprtánc extrrdnárhl pr crçã gd leter Ps está ndcr snecessd spess cm fençã e enslgem Seus vrgeds têm mut semelhnç cm s plnurs d frn tér gúch Há necessd d prteçã d gdo pr smrement qud ds pts e frmçã quebrvents eu clpts Cm êsses cudds e mednte meestbulçã é pssível crçã v cs leters ds rçs Hlns Guernsey e Jersey cnfrme já está mnstrd cm ntável experênc que vem send relzd n "Escl Lvrdres e V quers Presnte Vrgs" d Fundçã Abrg d Crst Rentr n gdr mestç está send substtud s pucs 1ntjsmente pr grn númer v cs e nvlhs dquels rçs O rebnh dêsse estbelecment que cup um áre 607 lqueres gemétrcs tôd pln e cbert nglnh lém lvurs rrz mlh pm cn gund e cpm Guteml é cnsttud prxmd mente dus ml cbeçs send ms 400 cs e nvlhs Hlnss mlhds pret 130 exemplres d rç Jersey e cer c 100 d Guernsey O gru sngue dêsse gd td prcente d R Grn d Sul (Hlndês e Jersey) e dé Lepldn Mns (O Guernsey) vr d 112 sngue pur pr cruz cmprtment tem sd mut bm pesr ntrduzd n frte d verã Exste um grn estábul FELCTANO (100 cbeçs) dtd bxes pr turs mternd e creches sls prepr rções e utrs nstlções Tmbém já está em funcnment um usn bene fcment d lete e fbrc mnteg A 5 d crrente estvm em lctç 310 vcs send 80 estbulds durnte lgums hrs A prduçã nesse d f ltrs Td lete é pdrnzd 32 pr cent mtér grd N próxm n segund s plns d "Fundçã" verá ser qudruplcd ess prduçã Hverá entã mr trblh n Escl Lvr dres e Váquers " Presnte Vrgs" pr ms um centen brgdos retrds d perdçã ds rus pr se preprrem ns ls d cmp Além dss segund estu nfrmd é pensment d dgn Pr vedr d "Fundçã" sr Lev Mrnd r gnzr lgums zens grnjs lete rs às qus mesm "Fundçã " drá td seu pô ruclmente Chegms ssm à cnclusã que n Dstrt Ferl nd exstem extenss áres prvetáves pr pecuár leter ns dstrts Snt Cruz Cmp Grn e Jcrepguá Nã ns nteress ndgr se prduçã leter é u nã tvd vntjs n Dstrt Ferl ps mesm n hpótese ser ntecnômc nd dntr cnnál vez que nã é ps sível probr prpretár d terr u seus rrendtárs que prvetem cm lhes pruver O ft é que já exstem mu ts crdres cm um rebnh quntttv mente precável que prduz bstnte lete em más cndções crçã e sem s cu dds hgêncs ndspensáves durnte rnh E nã pens é pssvel cm tmbém é ver fzer que êles melh rem esss cndções em benefíc própr e n d cletvd A stuçã verfcd lg n nc ds estuds relzds pel Servç lmentá vel trz e sbretud gnrânc ds ms elementres precets hgene ztécnc fez que se sse precedênc s prblems rm sntár De ft fes sntár é bse fundmentl qulquer prgrm fmenr d prduçã nml especlmente d pecuár leter El é que ssegur prncpl cndçã pr que se verfque melhrment c pr que explrçã d nml dméstc sej lucrtv Defenr é prtnt tm bém fmentr Atcnd êsse prblem \erse gulmente cnsegur smpt d crçlr pr br d melhrment MARÇO / ABRL FE1LCTANO ztécnc é d benefcment d prdutu ser empreendd medtmente pós E nc que dz respet à fes sntár d Afts Pneum Rv enterte Pg rebnjv Servç cnseguu lg cm bem expressm s seguntes númers refe rentes à vcnçã d gd em 1952 Peste Psleure fts suln lse suín Crbuncul Crbuncul Sr nt hemátlc sntmàtc As vcnções suns referem sment" denc f trnsmtd pr mrcegs he s pertencentes s crdres gd le mtófgs que segund mstrrm lguns ter E cnvenente lertr tençã d crdres hbtvàm pnts ncessíves d ssstênc pr ft que númer mrr d Clembr n sm em nú mer tã grn que se ssemelhvm vcnções mut pequen qund cm nss nuvens Tmbém pel spect ds prd relzd pels veternárs d fezes encntrds pr lgums pesss ns Mnstér d Agrcultur crrespn nã fends dquêle mrr" é prvável trtrse bstnte em certs css ms 50 pr denç trnsmtd pes referds qu cent d rebnh ttl (cs d ftdse) u rópters Nã f prém pssível encntrr à ttld ds nms d regã tngd um só pr que s pesquss lbrtór pr termnd znse N d crbúncuutrzssem um frmtv respet A 10 hemátc trtse um crrênc em vcnçã f ntensv e medt tds / Sntà Cruz send tds s nms d pr s bvns equs cnns vns cprpred e ds rebnhds vznhs vcnds n mesm d e n d medt à su ve ns e suns d regã tend sd repetdl em brl e m 1952 rfcçã lém utrs prvdêncs Cm referênc à rv trtse um surt que O segunte qudr revel nã pens ecldu em Jcrepguá em zembr gru ncdênc d tuberculse e d bru 1951 tend sd cnsttd mrte 28 celse ms tmbém prgressv recept bvns s entã té mrç 1952 em vd ds crdres à relzçã ds prvs respectvs que tnt temm ntgmente três u qutr rebnhs Tud ndc que Srglutnçã (brucelse) Ans 1948 Pstvs 159 Negtvs Tts Tuberculnzçã Pstvs Negtvs TOTAS A ssstênc d Servç nã se lmtv pens à prflx e à rentçã ztécn c Bst pr mnstrál revelr qu frm tendds pr veternárs em 1952 nd mens 694 css clíncs lguns crurg send nteressnte cnhecer s fecções mr ncdênc fts 178 c ss; pneumenterte 103 ; brucelse (d gnóstc pstv) 55; mses 41; rv 24 (cnfrmds em lbrtór) ; retençã plcent 18; vermnses 12 ; ntxcçã l mentr 11; metrtes 10 ; mmtes 7; etc Nunc é ms ressltr que tds êsses áuxls sã ntermente grtuts E que Secretr Agrcultur cm nnguém scnhece trnuse lg ps crd em 1946 órgã dr dmnstrçã munc pl mr nfluênc sôbre chmd O Sertã Crc" grn celer elet res cujs tvs representntes n Câmr Muncpl estã em cnstnte prf pr lhes cnsegúr mres benefcs Os dm nstrdres pr su vez se esfrçm n mes m sentd Dí sequênc cncessões s crdres gd leter uxl 50 pr cent pr cnstruçã estábuls e utrs nstlções (cm cntece pr várs pclgs lvurs nstjçã mtres e bmbs pr águ máquns msturr frrgens etc qul vem d tem p d excelente dmnstrçã d dutr Hlbrnd Gs; grtud pr s sstênc veternár prestd pel Deprt ment Veternár nclusve clínc mé dc e crúrgc; qund Prefet Generl Mens Mrs Secretár Agrcultur dgtlzd pr rvredleterg

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s v k d s k d s Brekng Prdgms A Brekng Prdgms é um empres especzd n gestão de projetos cuturs, bem como n dmnstrção e cptção de nvestmentos socs corportvos. Rezmos produção dret ou em coprtcpção de projetos

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G«

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G« œ œ 1) Oh! egri (bertur) est d mr Mis de Priir ucristi ( "Liturgi I" Puus) Letr e Músic: Ir. Miri T. King (x) ======================== & 2 º 4.. œ œ. œ œ. œ _.. = m ======================== &.... = gri

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA DEPARTAMENTO BÁSICO PROF OSWALDO LUIZ COBRA GUIMARÃES

FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA DEPARTAMENTO BÁSICO PROF OSWALDO LUIZ COBRA GUIMARÃES FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA DEPARTAMENTO BÁSICO PROF OSWALDO LUIZ COBRA GUIMARÃES MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES TRANSCENDENTES ROTEIRO PARA AULA. Intrduçã. Defnçã ds etps

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Módulo III. Processadores de texto

Módulo III. Processadores de texto Módul F d O Pd d x Flh d Clul F d duvdd @2006 Módul v 1 Pd d x Uldd í djv Wwd d d x Ed u du Sl x Tblh u du Fç d g Fçõ gé Fçõ d x A lz l lu ú @2006 Módul v 2 Pd d x F d dh Tbl M uç Plzç d l dl Cç d lzd

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação I Mdliddes Pós-grduçã strictu sens (mestrd e dutrd) Pós-dutrd de Cpcitçã Definiçã de Necessiddes de Cpcitçã de Pós-Grduçã O Ipe definirá sus necessiddes de cpcitçã em pós-grduçã nulmente, levnd em cnt:

Leia mais

Escrito por Sônia Oliveira Qua, 19 de Janeiro de :03 - Última atualização Dom, 25 de Dezembro de :18

Escrito por Sônia Oliveira Qua, 19 de Janeiro de :03 - Última atualização Dom, 25 de Dezembro de :18 Brilid O fntástic reveilln Cpcbn Escrit pr Sôni Oliveir Qu, 19 Jneir 2011 22:03 - Últim tulizçã Dm, 25 Dezembr 2011 08:18 Ess mensgem reveilln me fi envid pr pess só vi vez e já vi fzer is ns, jur se encntrr

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Lrg de Sã Frncic Jrdim d Tíli Jrdim d Tíli V ve c D r. er c M h Pin t t e r rte N u S rm Pin ré Má L rg u F R. d iç d e P v Tr li v T. Ã ND FU te N r N D n m G L er ín nh Cu d RN J il d G de RU en nt

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA ia VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV s GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO ADVOGADO EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA i VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITALJOICV -4 ' c ri r O -4 ' -4 t-3 PROCESSO N 1003345-80.2002.8.26.0100

Leia mais

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P "sab d?de

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P sab d?de 7Nú &zsb 93 GDTR Lããâ R 5 ^ z Pb bb 8Ê ü%% à 93? É?ê / 333 S bõ ) b F3P b? N59 J bã àlê @ z S5 Nã 5 ] ããããà b y3338% 359 7 b? Cã NP > â â ã & â ê Nú 8 5 BZZF G 85) B! bz 5 ó b ã > z z ó R à! P? z J Sb!

Leia mais

Preciso De Ti (Diante do Trono)

Preciso De Ti (Diante do Trono) Pres e (inte d Trn) rrnj r MRCLO MINL úvids, sugestões, cntt: mrcelminl@yh.cm.br Srn ndnte /F# /F# lt Tenr Bss rárárá rá rárá 6 1.Pre 4/6 s Pre s d Teu 2.Nã ss_esque cer que i zes Teu 1.Pre s Pre s d 2.Nã

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM

Messinki PUSERRUSLIITIN EM 10 MM PUSERRUSLIITIN EM 12 MM PUSERRUSLIITIN EM 15 MM PUSERRUSLIITIN EM 18 MM PUSERRUSLIITIN EM 22 MM Messinki Tuote LVI-numero Pikakoodi PUSERRUSLIITIN EM 1551002 XV87 PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM PUSERRUSLIITIN EM 35 MM 10X

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módul MOTORES E BUSCA NA NTERNET duç Pqu d ç d gé Pqu d ç B d d Ulzç d d -l F d duç -l @2007 v 1 O qu é? A é d udl d d d ud qu uç l qulqu ud d ud, d lh u C u? Avé d u ju d l (g d uç TCP/P) qu ê gd vg d

Leia mais

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo Flh d Clul O qu é: U Flh d Clul é, dç, u ju d élul qu u glh u bl qu d l- vé d xõ lóg /u O qu : Ogzç ç d bl l d vl; F, í,, qu jud xu lul lx; Auzç d, vé d gç u d ódg d lul u d uld; Rç g d ç; d bl ulzd çõ

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Conversações Imediatas Para I Preparação da Conferência

Conversações Imediatas Para I Preparação da Conferência vã d frç ére Cu em Mceó Vtmnd Ds fc//s PRPÕE URSS. EM NT S EU.. NGLTERR E FRNÇ: ^VMSÍVMVMVVWVVWS^VMWWWVVV^^VMMV^íV-l Cnversções medts Pr Preprçã d Cnferênc Tmbu prelh n fund dus resdên8 Crbnzds s crps

Leia mais

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}.

Exemplo: y 3, já que sen 2 e log A matriz nula m n, indicada por O m n é tal que a ij 0, i {1, 2, 3,..., m} e j {1, 2, 3,..., n}. Mrzes Mrz rel Defnção Sem m e n dos números neros Um mrz rel de ordem m n é um conuno de mn números res, dsrbuídos em m lnhs e n coluns, formndo um bel que se ndc em gerl por 9 Eemplo: A mrz A é um mrz

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

ba l h e m. sab e r se h a. foy, ti m Soa. s re. e m. h oss. e a. a d. tra

ba l h e m. sab e r se h a. foy, ti m Soa. s re. e m. h oss. e a. a d. tra 96 R: VS A ( ) () b C O M b q fy q S y q P v C ç z q ff q q 24 V C ç B z q q q q q í q ã f O q M ã b ::; q z R q ã q y b q fz q P R v f F N S P z (P b M 30 q G Sz çõ Pá v v Ab qq ff ã v Cô q f z z A B

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

Hymnarium. Cura de Estrelas 1 & 2. Padrinho Sebastião. Partituren

Hymnarium. Cura de Estrelas 1 & 2. Padrinho Sebastião. Partituren Hymnrium ur de strels & 2 Pdrinho Sebstião Prtituren RINH O MR - 2009 Prodution: Mrco rcie Imperil Prtituren: isele rcie Imperil irigentin: isele rcie Imperil www.ceflupedrmr.org ur Prte www.ceflupedrmr.org

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais Shw C TÓPICOS Vã Gl Mé cv Mé cv O Mc Vã Ngóc Alg ú Pcp fc Rl N vç Pc Q fz Vã Gl A ESTRUTURA ECOLÓGICA CONSTRUTORA, g c l é c cçã à v pcpçã q lz écc clógc. Sb p v é pf pívl v, p g cl c fã. N çã ppc c, c

Leia mais

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também

a sua nova pedida, e a dos seus clientes também TOP! su nv pedid, e ds seus clientes tmbém A mrc Riz d Bem trduz cncepçã de liments sudáveis, nde prticmente td cdei limentíci prte d gricultur. Um nme simples, diret e frte em um lingugem de fácil entendiment

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

66 FLAP INTERNACIONAL 67 FLAP INTERNACIONAL

66 FLAP INTERNACIONAL 67 FLAP INTERNACIONAL l c r e m l C e p ã ç t v v A l d A Br n c n ú n Cntnund cm n trblh de pequ preentm n letre qunt prte d mtér que bjetv preervr memór d vçã cmercl brler trvé d núnc d décd de tent, m um vez cntm cm clbrçã

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À

PARLA, PARLAMENTO PARLAMENTO. s:4 ÇÁ-À . ARLAMENT ARLAMENT ARLA s:4 ÇÁÀ waet Ê 5khsl t C m * M _ " dtw. lê 74 EME.4; t DCNÁR DE HSTÓRA DA REÚBLCA E D REUBLCANSM VLUME : NZ 794 SERVÇS NDUSTRAS FCAS de te e quelg d Estd u muncs cm exceçã ds mu

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Atum grelhado com cogumelos e legumes

Atum grelhado com cogumelos e legumes Atm ghdo om ogmos gms Qm dss dt s s ht? Ess smn nts do nv sov mn m oo Ms nm o sso om m! Ontm no jnt mos m doso tm, om ogmos s stdos, svdos om nos snf ogânos! É s sms! E fo m dí! Ingdnts: Atm fso ( 2 osts

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

*V. ^^*H sks ^)&l3íbs.j^ ^r^^^ A^^iflBOJ SJSMUSBSSngMIMMSjS^^ **-""* - *-* **»

*V. ^^*H sks ^)&l3íbs.j^ ^r^^^ A^^iflBOJ SJSMUSBSSngMIMMSjS^^ **-* - *-* **» PONTA GROSSA ABALADA COM BÁRBARO LATROCÍNIO:.(LEIA À 4. PAGINA). E ENFORCA ONSTRO p^\ /^Jr\ mm kmsè tílf ';:; :; :--*.r;x^r;->>y?-^ 'mm Wnffl SS^K»?Sá$w v AMmÁmmW BKSMsBMl^^sBsS^BHsSÉsB»^ AW ^^ÍBB.^Wm».:

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado.

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado. CP PENS PR INDICÇÃ Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CDE ao lado. LINH FRM LINH ELETR LINH SUPER LINH MTEC LINH DPTS C T Á L G D E P R D U T S LINH EXP LINH EXPSIÇÃ SEGUR nossa história

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-043 APROVADA EM AGO/03 N o 00 0/09 SUMÁRIO Objetvo 2 Cmo Alcção 3 Resosbld

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2010

Canguru Matemático sem Fronteiras 2010 Cnguru Mtemático sem Fronteirs 2010 Durção: 1h30min Destintários: lunos do 9 Ano de Escolridde Nome: Turm: Não podes usr clculdor. Há pens um respost correct em cd questão. As questões estão grupds em

Leia mais

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 2013 ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 PS. 75 PS. 74 PS. 76 ES. 78 ES. 79 ES. 40 ES. 41 ES. 44 ES. 42 ES. 43

Leia mais

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ )

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ ) RECPITULNDO: Soluções dluíds de polímeros Vsosdde tríse do polímero: 5 N V 5 (4 / 3) R 3 v h π h N v [ η ] v 5 Pode ser obtd prtr de: [ η ] lm η 0 sp / V Equção de rk-houwk-skurd: [η] K ode K e são osttes

Leia mais

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos.

Mackenzie Voluntario. Caro apoiador, Redes sociais: 8668 de 30/11/1981), que atua em solo brasileiro há 141 anos. C, O Mkz Vlá é m j sl Mkz, sm fs lvs (D º 8668 3/11/1981), q m sl bsl há 141 s. Iml m 24, m m l fl ssblz, mblz g s s ss gs, gss, lbs, fsss, ls, gs ls, fs, s, mgs fmls m mvm xmçã s ms q bgm s ss m, lém

Leia mais

Aula 7-2. Ampère Gauss. Leis de. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça. Capítulo 7

Aula 7-2. Ampère Gauss. Leis de. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça. Capítulo 7 Aul 7-2 Leis e Ampère Guss Físi Gerl e Experimentl Prf. Cláui Grç Cpítul 7 Lei e Ampère B l int A integrl lei e Ampère é um integrl e linh feh (Amperin). O element e linh rrente inluí nesse perurs feh.

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

o chefe do Governo Provisório estará amanhã

o chefe do Governo Provisório estará amanhã . chefe d Gvern Prvsór estrá mnhã hbltd mrcr dt d cnvcçã d cnsttunte /.^^^^w v^- v^ *_»*N/v>»*%í^rfN^-*v^-^ ls^ ^-_vs/vv>/v^^l^/^^ Wmòefttíquêxsmsm^ p w. lóímbmósúnmhcmwó Sdnffínn-MdrcMdúdlhães _W>

Leia mais

ˆ «======================== ˆ ˆ ˆ«

ˆ «======================== ˆ ˆ ˆ« œ œ 1) chei teu cminh (bertur) Segur minhs mãs! Miss n Interncin d rinç Letr e músic: dith Serr & c m j _ œ. j 1 chei teu c mi nh, te_en cntrei, Se nhr. u vim de v g & _ j ri nh, ms che guei, Se nhr. Se

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM GRAÇA ARANHA-MA

PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM GRAÇA ARANHA-MA "Abre os meus olhos para que eu contemple as maravilhas da tua Lei". Sl.119.18 PLANO DE LEITURA BÍBLICA ANUAL - JANEIRO 01 Gn 1-3 Sl 1 02 Gn 4-7 Sl 2 03 Gn 8-10 Sl 3 04 Gn 11-13 Sl 4 05 Gn 14-17 Sl 5 06

Leia mais

Para os passageiros, isso representou um salto substancial em conforto e modernidade. Matéria compilada por Carlos André Spagat 77 FLAP INTERNACIONAL

Para os passageiros, isso representou um salto substancial em conforto e modernidade. Matéria compilada por Carlos André Spagat 77 FLAP INTERNACIONAL l c r s e m l c e p ã ç t s v v s l d A Brs n s c n ú n Após sucess d mtér A vçã cmercl n Brsl vst pels núncs ds ns 40, estms publcnd lguns ds prncps núncs ds ns 50, qund vçã cmercl brsler cmeçu utlzr

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

UFPR - DELT Medidas Elétricas Prof. Marlio Bonfim

UFPR - DELT Medidas Elétricas Prof. Marlio Bonfim UFPR - DELT Medds Elétrcs Prof. Mrlo Bonfm Oscloscópo Instrumento que permte vsulzção e/ou medd do vlor nstntâneo de um tensão em função do tempo. A letur do snl é fet num tel sob form de um gráfco tensão

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS I

ANÁLISE DE ESTRUTURAS I IST - DECvl Deprtmento de Engenhr Cvl NÁISE DE ESTRUTURS I Tels de nálse de Estruturs Grupo de nálse de Estruturs IST, 0 Formuláro de es IST - DECvl Rotções: w w θ θ θ θ n θ n n Relção curvtur-deslocmento:

Leia mais

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos Caítul 4 s undaments da ísca Exercícs rsts Undade E Caítul 4 Lentes esércas delgadas Lentes esércas delgadas esluções ds exercícs rsts P.33 trajet esquematzad basea-se n at de ar ser mens rerngente que

Leia mais