Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart de Freitas Machado 1, Simone Borim da Silva 1 e Luiz Guilherme Ferreira Guilhon 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart de Freitas Machado 1, Simone Borim da Silva 1 e Luiz Guilherme Ferreira Guilhon 1"

Transcrição

1 Aplicação das técnicas de Mineração de Dados como complemento às previsões estocásticas univariadas de vazão natural: estudo de caso para a bacia do rio Iguaçu Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart de Freitas Machado 1, Simone Borim da Silva 1 e Luiz Guilherme Ferreira Guilhon 1 1 Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) 2 Planning Engenharia e Consultoria 1

2 Objetivo PMO curto -> horizonte prazo de até 6 semanas discretizadas semanalmente. Objetivo deste estudo-> alterar o critério de escolha do sistema Previvaz para a 1ª semana da previsão do PMO e de suas revisões Q Q S S D S T Q Q S... S0 S1 S2 ÚLTIMA SEMANA DO PMO 2

3 Proposta A proposta de novo critério de escolha do melhor modelo do sistema PREVIVAZ é baseada : Na extração do conhecimento extraído da base de dados através da aplicação de técnicas de mineração de dados ( Data Mining ); Na construção de um modelo de previsão de classes de vazão utilizando Redes Neurais com treinamento Bayesiano; Foram utilizadas as informações de precipitação observada e prevista, além das vazões naturais verificadas nos aproveitamentos e em postos fluviométricos nas semanas que antecederam a previsão; Resultados esperados: proporcionar melhores insumos para o processo de planejamento e programação eletroenergética e, conseqüentemente, para o despacho e operação das usinas hidrelétricas e termelétricas do SIN, com reflexos na otimização e na segurança do suprimento de energia elétrica. 3

4 KNOWLEDGE DISCOVERY FROM DATABASES (KDD): O processo de extração de conhecimento a partir dos dados registrados numa base de dados, extração esta não trivial de conhecimento implícito, previamente desconhecido e potencialmente útil, feita a partir dos dados registrados [Conferência de Montreal realizada em 1995]; Etapas: Mineração de Dados (Data Mining) 1. identificação das variáveis relevantes para o problema, suas defasagens temporais e detecção de possíveis outliers ; 2. Testes estatísticos com essas variáveis em diversas configurações, envolvendo a criação de curvas de permanência, matrizes de correlação, dendogramas (agrupamento) e a Análise de Componentes Principais (ACP); 3. Criação de um modelo de previsão de classes de vazões, utilizando o maior número possível de tecnologias. As etapas 1 e 2 foram realizadas com o software comercial SIRIUS e a etapa 3 com o software de domínio público WEKA. 4

5 Período: Dados Utilizados Todas as semanas entre 1994 e 2003 para as UHEs Foz do Areia e Salto Santiago na bacia do rio Iguaçu (520 semanas); Dados: Vazões naturais médias semanais; Precipitações totais observadas e previstas acumuladas em 7 dias e agrupadas em conjuntos de 4 e 3 dias: Precipitação média diária calculada pelo método de Kriking Postos pluviométricos da rede da COPEL:São Bento, Porto Amazonas, São Mateus do Sul, Madeireira Gavazzoni, Rio Negro, Fragosos, Fluviópolis, Santa Cruz do Timbó, Foz do Cachoeira, União da Vitória, Jangada do Sul, Porto Vitória, Fazenda Maracanã e Usina Foz do Areia, Santa Clara, Guarapuava, Laranjais do Sul e Solais Novo. Dados faltantes: completados pela média dos demais postos vizinhos. 5

6 Descrição e Justificativa dos Dados Topografia da Bacia do rio Iguaçu SS JO FA UV Centro da grade do modelo ETA Postos pluviométricos Aproveitamentos hidroelétricos 6

7 Foz do Areia 7

8 Mineração de Dados Foz do Areia Hidrografia e Postos da Bacia do rio Iguaçu com os centros de grade do modelo ETA para Foz do Areia SS Laranjeiras do Sul Guarapuava JO Santa Clara Porto Amazonas FA Madeireira Gavazzoni São Mateus do Sul São Bento Solais Novo Foz do Areia Fazenda Maracanã Fluviópolis Rio Negro Fragosos União da Vitória Santa Cruz do Timbo Foz do Cachoeira Centro da grade do modelo ETA Postos pluviométricos 8

9 Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Significados das siglas das variáveis apresentadas Sigla Q_1 Q QUV QPUV Significado Vazão natural média observada em Foz do Areia na semana anterior à semana da previsão (m 3 /s) Vazão natural média observada em Foz do Areia na semana da previsão (m 3 /s) Vazão natural média observada no posto de União da Vitória na semana da previsão (m 3 /s) Vazão natural média prevista para o posto de União da Vitória na semana seguinte à semana da previsão semana prevista (m 3 /s) Q_PREV Vazão natural média prevista em Foz do Areia para a semana seguinte à semana P** PdM4* PdM3* da previsão semana prevista (m 3 /s) Precipitação diária acumulada em 7 dias observada na semana da previsão (mm). Previsão de Precipitação acumulada para os próximos 4 dias a partir da data da previsão (mm) Mineração de Dados Foz do Areia Previsão de Precipitação acumulada do 4º ao 7º dia a partir da data da previsão (mm) *Nos testes realizados considerando a previsão perfeita de precipitação essas variáveis foram compostas pelos valores de precipitação observada na semana a ser prevista. ** Nos testes que utilizaram a previsão de precipitação do modelo ETA, os últimos 3 dias dessa variável foram compostos com a previsão de precipitação, visando completar a semana operativa. 9

10 Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Curva de Permanência Vazão Semanal (m³/s) Permanência (%) 10

11 Mineração de Dados Foz do Areia Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Faixas de vazões e precipitação utilizadas pelo Data Mining para a UHE Foz do Areia Q (m³/s) QUV (m³/s) QPUV (m³/s) Q_1 (m³/s) Q = 230 QUV = 160 QPUV = 160 Q_1 = < Q = < QUV = < QPUV = < Q_1 = < Q = < QUV = < QPUV = < Q_1 = < Q = < QUV = < QPUV = < Q_1 = < Q = < QUV = < QPUV = < Q_1 = < Q = < QUV = < QPUV = < Q_1 = 1700 Q > 1700 QUV > 1220 QPUV > 1220 Q_1 > 1700 P (mm) PdM4 (mm) PdM3 (mm) QPREV (m³/s) P = 5 PdM4 = 5 PdM3 = 5 QPREV = < P = 20 5 < PdM4 = 20 5 < PdM3 = < QPREV = < P = < PdM4 = < PdM3 = < QPREV = < P = < PdM4 = < PdM3 = < QPREV = 920 P > 60 PdM4 > 60 PdM3 > < QPREV = < QPREV = 1700 QPREV >

12 Mineração de Dados Foz do Areia Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Matriz de Correlação das Variáveis utilizadas para a UHE Foz do Areia 12

13 Mineração de Dados Foz do Areia Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Dendograma representativo para o trecho da bacia do rio Iguaçu a montante da UHE Foz do Areia 13

14 Mineração de Dados Foz do Areia Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Análise de Componentes Principais para o trecho da bacia do rio Iguaçu a montante da UHE Foz do Areia Comp. 1: 87.3% Comp. 2: 10.3% Comp. 3: 2% 14

15 Mineração de Dados Foz do Areia Etapa 1 - Descrição e Segmentação: Distribuição das Componentes Principais ao longo de toda a série histórica de Foz do Areia Comp. 1: 87.3% Comp. 2: 10.3% Comp. 3: 2% 15

16 Técnicas de classificação Classificação: As classificações foram feitas utilizando-se o software de domínio público WEKA da Universidade de Waikato. Foram avaliadas: Tecnologias baseadas em RN e IA, como árvores de decisão ID3 e J48, RN do tipo Multi Layer Perceptron, Lazy, baseadas em Regras de Associação e com treinamento Bayesiano, utilizando o algorítimo de automatização de procura baseado na técnica Hill-Climbing (subida da encosta ou gradiente) As RN com treinamento Bayesiano foram as que apresentaram os melhores resultados em todos os casos estudados. 16

17 Técnicas de classificação Rede Neural com treinamento Bayesiano do Software WEKA A Teoria Bayesiana é baseada no cálculo da probabilidade de um evento ocorrer, dada a ocorrência de um outro evento dentro de um espaço de hipóteses possíveis. Em outras palavras, é baseada na expressão P(h D), que é denominada probabilidade condicionada de ocorrência de um evento h, dado que o evento D tenha ocorrido. Uma rede Neural com treinamento bayesiano pretende determinar qual a melhor hipótese à posteriori (probabilidade condicional) de ocorrência de um determinando evento (no nosso caso uma determinada classe de vazões), levandose em consideração a ocorrência de um ou mais eventos dentro do conjunto de dados observados D (que inclui as vazões e precipitações observadas e a previsão de precipitação). Esse aprendizado é feito durante o treinamento da RN que tem como função objetivo encontrar a hipótese com melhor valor de probabilidade à posteriori, ou seja: h MAP = arg max P( h D) 17

18 Técnicas de classificação Classificador Bayesiano - Exemplo para Foz do Areia 18

19 Técnicas de classificação Classificador Bayesiano - Exemplo para Salto Santiago 19

20 Treinamento: Conjunto de dados utilizado para o aprendizado das relações probabilísticas de causa e efeito contidas na base de dados. Nessa etapa as vazões previstas são conhecidas pelo modelo (1994 a 2001). Teste: Etapa que visa verificar a aderência dos parâmetros da RN obtidos no treinamento a um conjunto de dados externo a ele, ou seja, sem que a RN tenha conhecimento das vazões previstas; Cross Validation : realização de testes dentro do conjunto de treinamento, dividindo uma parcela (1 ano) desse conjunto de dados para ser testada, sem o conhecimento das vazões previstas, e outra maior para realizar o treinamento (7 anos); Nestas etapas os parâmetros da RN ainda podem ser alterados. Validação: Etapas da construção do modelo de RN Aplicação da RN com os parâmetros escolhidos a partir da análise de desempenho das etapas anteriores a um conjunto de dados totalmente novo. Nessa etapa os parâmetros da RN não podem mais ser modificados. 20

21 Modelos TPAR(1)-G4 TPAR(1)-RO TPARMA(1;1)-R TPARMA(2;1)-R TPARMA(3;1)-R TPARMA(1;1)-RO TPARMA(2;1)-RO TPARMA(3;1)-RO TPAR(1)-G2 TPAR(1)-G3 TPAR(1)-G1 TAR(1) TAR(2) TARMA(1;1) TARMA(3;1) TAR(4) TAR(3) TARMA(2;1) TPAR(2)-G2 TPAR(2)-G1 Previsões Aplicação do modelo Previsão do Previvaz dentro da faixa do DM Faixa Prevista DM: 620_950 Valor mais próximo: Própria previsão do Previvaz A previsão permanece a mesma 21

22 Modelos TPAR(1)-G4 TPARMA(1;1)-R TPARMA(2;1)-R TPARMA(3;1)-R TPAR(1)-G3 TPAR(4)-RO TPAR(3)-RO TPAR(1)-RO TARMA(3;1) TPARMA(1;1)-G4 TPAR(4)-G3 TAR(4) TPARMA(2;1)-G4 TPAR(1)-G2 TPARMA(1;1)-G3 TAR(3) TAR(1) TPAR(2)-G4 TARMA(2;1) TPAR(1)-G1 TPARMA(3;1)-G3 Previsões Aplicação do modelo Previsão do Previvaz fora da faixa do DM Fora da Faixa Prevista DM: 950_1270 Valor melhor rankeado dentro da faixa: Modificação da previsão 22

23 Aplicação do modelo Nenhuma Previsão do Previvaz dentro da faixa do DM 1 Fora da Faixa Prevista DM: 620_ TPAR(1)-RO TPARMA(1;1)-G4 TPARMA(2;1)-G4 TPARMA(1;1)-R TPARMA(2;1)-R TPARMA(3;1)-R TPAR(1)-G4 TPAR(3)-G2 TPARMA(3;1)-G2 TPAR(4)-G2 TPARMA(3;1)-G1 TPAR(3)-G1 TPAR(4)-G1 TPAR(4)-G4 TPAR(4)-G3 TPAR(4)-RO TPAR(3)-RO TPARMA(1;1)-RO TPARMA(2;1)-RO TPARMA(3;1)-RO TSAZONAL TCONSTANTE Valor mais próximo: Modificação da previsão 23

24 Resultados Resumo dos erros médios quadráticos das previsões de vazão natural média semanal relativos aos anos de 2002 e 2003 no período de validação. UHE Foz do Areia Salto Santiago Ano Previsão de Precipitação Previvaz (%) Previvaz com Data Mining (%) Perfeita 22,8 28,5 Real 26,2 Perfeita 35,4 50,0 Real 36,9 Perfeita 24,5 33,7 Real 28,1 Perfeita 27, ,1 Real 29,4 24

25 Resultados Resumo dos erros médios quadráticos das previsões de vazão natural média semanal, relativos somente às semanas em que a aplicação da metodologia interferiu no resultado durante o período de validação. UHE Foz do Areia Salto Santiago Ano Previsão de Precipitação Previvaz (%) Previvaz com Data Mining (%) Perfeita 34,7 26,6 Real 35,7 31,1 Perfeita 57,3 29,2 Real 63,3 38,1 Perfeita 43,0 26,5 Real 40,1 30,5 Perfeita 39,4 25,0 Real 37,0 24,1 25

26 Modelo Operacional Estatísticas do histórico, desde 04/02/2006 Erro médio de todas Erro médio das semanas Semanas de atuação Melhor modelo: as semanas do histórico: que o Previvaz+DM atuou: Erro da última semana: do Previvaz+DM Previvaz+DM 26 vezes (70%) Previvaz+DM 42% 173 m3/s Previvaz+DM 37% 130 m3/s Previvaz+DM -18% -47 m3/s 37 vezes (45%) Previvaz 11 vezes (30%) Previvaz 51% 216 m3/s Previvaz 58% 226 m3/s Previvaz 12% 33 m3/s Foz do Areia Verificado Previvaz + DM Previvaz Vazão (m³/s) Semanas 26

27 Modelo Operacional Estatísticas do histórico, desde 04/02/2006 Erro médio de todas Erro médio das semanas Semanas de atuação Melhor modelo: as semanas do histórico: que o Previvaz+DM atuou: Erro da última semana: do Previvaz+DM Previvaz+DM 26 vezes (68%) Previvaz+DM 33% 243 m3/s Previvaz+DM 31% 316 m3/s Previvaz+DM 6% 24 m3/s 38 vezes (46%) Previvaz 12 vezes (32%) Previvaz 36% 265 m3/s Previvaz 37% 364 m3/s Previvaz 8% 30 m3/s Salto Santiago Verificado Previvaz + DM Previvaz Vazão (m³/s) Semanas 27

28 Conclusões Este estudo demonstra que a aplicação das técnicas de Data Mining pode se apresentar como uma importante ferramenta para análise de variáveis de interações não lineares, como aquelas que compõem a estrutura dos fenômenos hidrológicos. Dentre as técnicas estudadas, os classificadores bayesianos foram os que apresentaram melhor destreza na predição das classes de vazões naturais, para a maioria dos casos analisados. Nos anos escolhidos para a validação da metodologia, os resultados obtidos com a interferência do classificador bayesiano melhoraram o índice de acerto das previsões do modelo PREVIVAZ em todas as situações, inclusive naquelas onde foi utilizada a previsão de precipitação do modelo ETA. Em relação à utilização operacional do MPCV, também foram observados melhores resultados nas previsões de vazão para as UHEs Foz do Areia e Salto Santiago. 28

29 Conclusões A modelagem estocástica univariada contida no modelo PREVIVAZ, por muitas vezes, dificulta a previsão de mudanças no comportamento das vazões entre uma semana e outra, o que ocasiona um efeito que é conhecido como efeito sombra. A inserção das variáveis de precipitação como complementação às previsões do PREVIVAZ, se mostra como uma alternativa relativamente eficiente na minimização deste tipo de erro sistemático. Entretanto em muitos casos essa correção não poder ser realizada de forma mais efetiva, devido ao fato de que em algumas semanas, nenhuma das previsões realizadas pelos modelos do sistema PREVIVAZ estar dentro da faixa prevista pelo MPCV. Por outro lado, nos casos onde a incerteza da previsão de precipitação induz a previsão do MPCV à faixas de vazões muito distintas dos valores verificados, os resultados do PREVIVAZ, cuja tendência é se aproximar da média de longo termo, devido a sua natureza estocástica, fazem com que, especificamente nesses casos, os erros não aumentassem de forma significativa, minimizando o erro associado à inclusão de previsões de precipitação equivocadas no processo de previsão de vazões. Para dar continuidade a este trabalho esta metodologia, sua aplicação está sendo ampliada para a bacia do rio Uruguai. 29

Resumo. 2. Apresentação do Problema. 1. Histórico

Resumo. 2. Apresentação do Problema. 1. Histórico Aplicação das técnicas Mineração Das como complemento às previsões estocásticas univariadas vazão natural: estu caso para a bacia rio Iguaçu. Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart

Leia mais

RBRH Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 12 n.3 Jul/Set 2007, 83-92

RBRH Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 12 n.3 Jul/Set 2007, 83-92 RBRH Revista Brasileira Recursos Hídricos Volume 12 n.3 Jul/Set 2007, 83-92 Aplicação das Técnicas Mineração Das como Complemento às Previsões Estocásticas Univariadas Vazão Natural: Estu Caso para a Bacia

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012

APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012 APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL Fevereiro de 212 ONS 153/12 Rev. Data Descrição da revisão Elaborado por Verificado por Autorizado

Leia mais

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5 MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5.1 MODELOS HIDROLÓGICOS PREVISÃO DE VAZÕES E GERAÇÃO DE CENÁRIOS NO ONS A previsão de vazões semanais e a geração de cenários hidrológicos

Leia mais

Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu

Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu Alexandre G. Evsukoff 1, Nelson F. F. Ebecken 1, Fabio T. de Souza 1, Marcello

Leia mais

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU Operador Nacional do Sistema Elétrico Presidência Rua da Quitanda 196/22º andar, Centro 20091-005 Rio

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é?

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é? KDD Conceitos o que é? Fases limpeza etc Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS TAREFAS PRIMÁRIAS Classificação Regressão Clusterização OBJETIVOS PRIMÁRIOS NA PRÁTICA SÃO DESCRIÇÃO E PREDIÇÃO Descrição Wizrule

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA Dispositivo: Bueiro simples tubular concreto (BSTC) Aterro: sim I - INTRODUÇÃO 1. Parâmetros de dimensionamento do BSTC Segundo o Manual de Drenagem

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Aluno: Gabriel Leite Mariante Orientador: Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco Introdução e

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE

METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE Rogerio Saturnino Braga 1, Marcio Cataldi 2 & Hadassiana Creton de Oliveira 3 RESUMO - Este trabalho relata a metodologia desenvolvida pelo Operador

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe

Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Enerpeixe 1 SUMÁRIO PROJETOS ESTRATÉGICOS... 3 Linha de Pesquisa 1... 5 Linha de Pesquisa 2... 6 Linha de Pesquisa 3... 7 Linha de Pesquisa 4... 8 PROJETOS PRÓPRIOS...

Leia mais

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014 Utilizando o gvsig para Transformação de Chuva em Vazão na Sub- Bacia do Rio Pariquera-Açu, Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, Brasil/São Paulo. O Sig-Rb vem continuamente agregando novas informações

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi Estado da Arte da Modelagem Climática no Brasil COPPE/UFRJ- RJ Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros Marcio Cataldi Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Universidade Federal

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

3 Energia Hidrelétrica

3 Energia Hidrelétrica 3 Energia Hidrelétrica A energia hidrelétrica é a obtenção de energia elétrica através do aproveitamento do potencial hidráulico de um rio. O seu potencial está relacionado com a força da gravidade, que

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013- Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho Luana F. Gomes de Paiva ; Giovanni C. L. Acioli RESUMO Este trabalho

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

Aplicação de BI na redução das perdas comerciais

Aplicação de BI na redução das perdas comerciais Aplicação de BI na redução das perdas comerciais Carlos Augusto Couto, gerente de perdas, Celpa, Belém, Brasil Agenda Institucional; Problema que a Empresa enfrentava; Solução Encontrada; Projeto e-revenue

Leia mais

Previsão de Vazões da Duke Energy

Previsão de Vazões da Duke Energy Previsão de Vazões da Duke Energy Duke Energy International, Geração Paranapanema Carlos Antônio Severino Costa MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES: SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure) -Modelo determinístico

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Carina Pirolli COPEL - Companhia Paranaense de Energia, Curitiba, Brasil, carina.pirolli@copel.com

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3.

17/10/2012. dados? Processo. Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello. Doutorado EP - 2. Doutorado EP - 3. Definição de Data Mining (DM) Mineração de Dados (Data Mining) Doutorado em Engenharia de Produção Michel J. Anzanello Processo de explorar grandes quantidades de dados à procura de padrões consistentes

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining Gestão da Informação AULA 3 Data Mining Prof. Edilberto M. Silva Gestão da Informação Agenda Unidade I - DM (Data Mining) Definição Objetivos Exemplos de Uso Técnicas Tarefas Unidade II DM Prático Exemplo

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS. Miriam Rita Moro Mine. Carlos Eduardo Morelli Tucci

PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS. Miriam Rita Moro Mine. Carlos Eduardo Morelli Tucci PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS Miriam Rita Moro Mine Universidade Federal do Paraná UFPR Centro de Hidráulica e Hidrologia Professor Parigot de Souza

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS Tácio Dias Palhão Mendes Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG taciomendes@yahoo.com.br Prof.

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA O que é 2 Weka: software livre para mineração de dados Desenvolvido por um grupo de pesquisadores Universidade de Waikato, Nova Zelândia Também é um pássaro típico da Nova Zelândia

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua Júlio

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI Fernando Luiz de Oliveira 1 Thereza Patrícia. P. Padilha 1 Conceição A. Previero 2 Leandro Maciel Almeida 1 RESUMO O processo

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial 5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial Define-se potencial fluvial como a vazão natural anual média de um rio ou aqüífero, medida ou gerada, em sua foz ou embocadura,

Leia mais

Mario Veiga F. Pereira Rafael Kelman PSR CONSULTORIA

Mario Veiga F. Pereira Rafael Kelman PSR CONSULTORIA GOP/9 2 a 26 de Outubro de 2 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DE SISTEMAS HIDROTÉRMICOS EM AMBIENTE DE MERCA- DO Priscila R. Lino

Leia mais

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP Mesa Redonda 1: Modelo de Planejamento Energético PL Dual Estocástico e a definição de Preços de Mercado num Sistema Elétrico cuja Matriz Energética Nacional caminha fortemente para a diversificação Moderador:

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da

Leia mais

Classificação dos candidatos ao vestibular da FECILCAM via técnicas estatísticas multivariadas

Classificação dos candidatos ao vestibular da FECILCAM via técnicas estatísticas multivariadas Anais do CNMAC v. ISSN 1984-80X Classificação dos candidatos ao vestibular da FECILCAM via técnicas estatísticas multivariadas Tatiane C. da Silva Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão

Leia mais

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica

MetrixND. especificações. MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica MetrixND especificações MetrixND - Ferramenta de previsão de energia elétrica Visão geral O MetrixND da Itron é uma ferramenta de modelagem flexível, bastante usada pelos principais serviços de previsão

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1 ISSN 1413-6244 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rua XV de Novembro,

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay

XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este - Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL - AIDIS DETERMINAÇÃO

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS 2.1. Introdução O objetivo deste capítulo é descrever todas as informações relacionadas às usinas hidrelétricas e que devem ser levadas em consideração nos estudos de

Leia mais

Previsão de Vazões Naturais Diárias Afluentes ao Reservatório da UHE Tucuruí Utilizando a Técnica de Redes Neurais Artificiais

Previsão de Vazões Naturais Diárias Afluentes ao Reservatório da UHE Tucuruí Utilizando a Técnica de Redes Neurais Artificiais UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA ELÉTRICA, MECÂNICA E DE COMPUTAÇÃO CARLOS DA COSTA FERREIRA Previsão de Vazões Naturais Diárias Afluentes ao Reservatório da UHE Tucuruí Utilizando a

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão. XXX.YY a 5 Novembro de 9 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP COMPATIBILIDADE

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos 1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos Uma seguradora ou companhia de seguros, segundo o Dicionário de Seguros, define-se como uma instituição que tem como objetivo indenizar prejuízos involuntários.

Leia mais

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1

Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 1 Avaliação de Desempenho Energético em Tempo Real Presented by Petrobras Objetivo Construir uma ferramenta capaz de monitorar a eficiência energética das unidades termoelétricas em tempo real e inferir

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java com em Java Luiz D Amore e Mauro Schneider JustJava 2009 17 de Setembro de 2009 Palestrantes Luiz Angelo D Amore luiz.damore@metodista.br Mauro Ulisses Schneider mauro.schneider@metodista.br http://blog.mauros.org

Leia mais

REPENSAR AS TARIFAS DE ENERGIA

REPENSAR AS TARIFAS DE ENERGIA REPENSAR AS TARIFAS DE ENERGIA MAIO 21 Visa registrar o conteúdo desenvolvido no subprojeto Repensar as Tarifas de Energia no âmbito do Projeto Estratégico de P&D para Estabelecimento de Metodologia de

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV Jorge M.Damazio 1, Fernanda da S. Costa 1, Fernando P. das Neves 1 Resumo - Este trabalho descreve as principais características do software SINV 3.1

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados agosto de 2013 - ano VII - Número 21. Catálogo de Treinamentos 2013

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados agosto de 2013 - ano VII - Número 21. Catálogo de Treinamentos 2013 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados agosto de 2013 - ano VII - Número 21 Nesta edição Lean Office - Dez dicas para economizar tempo no trabalho Estatística Seis Sigma - Estatística não

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Institucional. CS Treina www.cstreina.com.br

Institucional. CS Treina www.cstreina.com.br Institucional Agenda Por que a CS Treina? Como nós atuamos? O que nós entregamos? A CS Treina Oferecemos serviços de Treinamentos para equipes de TI. Criamos e adaptamos treinamentos especiais para atender

Leia mais