APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL. Fevereiro de 2012"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL Fevereiro de 212 ONS 153/12 Rev. Data Descrição da revisão Elaborado por Verificado por Autorizado por CE Rev. Data Elaborado por Verificado por Autorizado por CREA CE PC JCM MCX 34.4-D AP CE - Códigos de emissão EP Estudo preliminar CO Para comentários AP Para aprovação EF Emissão final

2 Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 2/164

3 APLICAÇÃO DE MODELOS DE PREVISÃO DE VAZÕES A CURTO PRAZO NA SUB-BACIA DO ALTO RIO PARANAÍBA RELATÓRIO FINAL ONS 153/12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo 1.2. Considerações Gerais 1.3. Configuração Proposta para Modelagem 1.4. Metodologia Atual de Previsão de Vazões Semanais no ONS 2. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 2.1. Dados Operativos e Fluviométricos 2.2. Dados Pluviométricos 3. ANÁLISE DE CONSISTÊNCIA DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS 3.1. Metodologia de Consistência de Dados 3.2. Seleção das Estações Pluviométricas Utilizadas nos Estudos 3.3. Análise de Consistência e Preenchimento de Falhas 3.4. Análise das Estações Telemétricas para a Etapa de Testes 3.5. Cálculo da Chuva Média (no Espaço) por Sub-Bacia 4. PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO 4.1. Análise da Previsão de Precipitação 4.2. Remoção de Viés da Chuva Prevista 5. MODELO SMAP 5.1. Descrição do Modelo SMAP 5.2. Calibração dos Parâmetros 6. TESTES DE DESEMPENHO DO MODELO SMAP 6.1. Características dos Testes Realizados Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 3/164

4 6.2. Métodos de Reinicialização do Modelo 7. RESULTADOS DA CALIBRAÇÃO DO MODELO SMAP 7.1. Calibração do Modelo SMAP nas Sub-Bacias do Alto Rio Paranaíba 7.2. Parâmetros Calibrados 7.3. Resultados da Calibração para Cada Sub-Bacia 7.4. Avaliação dos Modelos Calibrados 8. RESULTADOS DOS TESTES DE DESEMPENHO 8.1. Métricas de Avaliação de Desempenho do Modelo 8.2. Previsão da Vazão Média Diária para o Horizonte de 1 Dias a Frente 8.3. Previsão da Vazão Média para a Próxima Semana Operativa 8.4. Avaliação das Previsões Semanais através das Métricas de Desvio 8.5. Comparação com o Desempenho da Metodologia Atual 9. CONCLUSÕES 1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS: ANEXO I Disponibilidade de Dados Pluviométricos ANEXO II Lista de Estações Pluviométricas Selecionadas para a Etapa de Calibração Por Sub-Bacia ANEXO III Lista de Estações Pluviométricas Selecionadas para a Etapa de Testes Por Sub-Bacia ANEXO IV Hidrogramas de Vazões Observadas e Calculadas na Etapa de Calibração Modelo Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 4/164

5 LISTA DE QUADROS: QUADRO 1 Aproveitamentos na Região da Bacia do Alto Rio Paranaíba QUADRO 2 Proposta para Configuração de Modelagem QUADRO 3 Disponibilidade de Informações e Divisão dos Dados para as Etapas da Modelagem QUADRO 4 Estações Pluviométricas Pré-Selecionadas por Entidade Responsável QUADRO 5 Resumo dos Resultados da Análise de Consistência Pluviométrica QUADRO 6 Eventos de Grande Intensidade Avaliados e Analisados QUADRO 7 Características das Estações Telemétricas Disponíveis para a Etapa de Testes e Operacionalização dos Modelos de Previsão QUADRO 8 Número Final de Estações (Convencionais e Telemétricas) e Pontos de Grade do Modelo ETA Considerado em Cada Sub-Bacia Modelada. QUADRO 9 Precipitação Média Anual Prevista e Observada em Cada Sub-bacia (1996 a 21) QUADRO 1 Constantes a e b e Limites de Aplicação das Equações Obtidas para Remoção do Viés da Previsão de Precipitação QUADRO 11 Faixas de Variação dos Parâmetros do Modelo QUADRO 12 Parâmetros Finais do Modelo Obtidos na Etapa de Calibração QUADRO 13 Valores Finais para os Coeficientes de Representação Espacial da Chuva Obtidos ao Final da Etapa de Calibração QUADRO 14 Parâmetros Finais do Modelo Obtidos na Etapa de Calibração QUADRO 15 Resultados das Métricas de Avaliação das Previsões de Vazões da Próxima Semana Operativa (4 ao 1 dia) para os Anos de Testes das Sub-bacias: Corumbá IV, Increm. Corumbá I e Serra do Facão QUADRO 16 Resultados das Métricas de Avaliação das Previsões de Vazões da Próxima Semana Operativa (4 ao 1 dia) para os Anos de Testes das Sub-bacias: Icrem. Emborcação, Nova Ponte e Increm. Itumbiara QUADRO 17 Resultados das Métricas de Avaliação das Previsões de Vazões da Próxima Semana Operativa (4 ao 1 dia) para os 4 Anos de Testes (Com Chuva Prevista Após Retirada de Viés) QUADRO 18 Resultados das Métricas de Avaliação das Previsões de Vazões da Próxima Semana Operativa (4 ao 1 dia) para os 4 Anos de Testes (Com Chuva Futura Observada) QUADRO 19 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4º ao 1º Dia da Previsão) Média dos Anos 22, 23, 26 e 27 QUADRO 2 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Corumbá IV QUADRO 21 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Incremental Corumbá I QUADRO 22 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 5/164

6 Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Serra do Facão QUADRO 23 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Incremental Emborcação QUADRO 24 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Nova Ponte QUADRO 25 Comparação dos Índices de Desempenho Calculados sobre as Previsões de Vazões Obtidas Com as Metodologias Proposta e Atual Referentes à Próxima Semana Operativa (do 4 ao 1 Dia da Previsão) para a Sub-bacia Incremental Itumbiara Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 6/164

7 LISTA DE FIGURAS: FIGURA 1 Localização das Usinas de Interesse na Bacia do Rio Paranaíba FIGURA 2 Fluxograma das Principais Atividades FIGURA 3 Mapa Topográfico com Delimitação das Sub-Bacias Selecionadas para o Presente Estudo FIGURA 4 Esquema Ilustrativo do Processo de Previsão de Vazões no ONS FIGURA 5 Série de Vazões Médias Diárias nos Postos Campo Alegre de Goiás e Fazenda São Domingos FIGURA 6 Série de Vazões Médias Diárias nos Postos Abadia dos Dourados e Porto dos Pereiras FIGURA 7 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Totais na UHE Corumbá IV FIGURA 8 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Totais na UHE Serra do Facão FIGURA 9 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Totais na UHE Nova Ponte FIGURA 1 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Incrementais na UHE Emborcação (até UHE Serra do Facão) FIGURA 11 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Incrementais na UHE Corumbá I (até Corumbá IV) FIGURA 12 Série de Vazões Naturais Médias Diárias Incrementais na e UHE Itumbiara (entre Corumbá I, Serra do Facão e Nova Ponte) FIGURA 13 Médias Mensais Anuais para Alguns Locais de Interesse FIGURA 14 Médias Anuais para Alguns Locais de Interesse FIGURA 15 Localização das 125 Estações Pluviométricas Com Uso Potencial FIGURA 16 Número de Estações Pluviométricas com Registros Diários ao Longo do Horizonte de Tempo dos Estudos FIGURA 17 Representação Esquemática da Disponibilidade de Dados FIGURA 18 Série de Chuva Média na Área de Estudo (Média de até 125 Postos) FIGURA 19 Série de Chuva Diária Máxima na Área de Estudo (Máximo de até 125 Postos) FIGURA 2 Número de Postos Com Chuva Acumulada em 24 Horas Maior Do Que 12 mm FIGURA 21 Fluxograma das Atividades de Consistência dos Dados Pluviométricos Diários FIGURA 22 Método para Preenchimento de Dados Faltantes e Inconsistentes considerando a Ponderação pelo Inverso do Quadrado da Distância FIGURA 23 Localização das Estações Pluviométricas Convencionais Pré- Selecionadas e Consideradas na Etapa de Consistência de Dados (76 postos) FIGURA 24 Localização das 76 Estações Pluviométricas Pré-Selecionadas e Analisadas FIGURA 25 Precipitação Média Anual para o Período de Calibração a 21 FIGURA 26 Precipitação Média Anual para o Período de Testes - 22 a 27 FIGURA 27 Gráficos de Dupla Massa para as Estações Pluviométricas Descartadas de ETA Cabeça de Veado e Brazlândia FIGURA 28 Gráficos de Dupla Massa Antes (Esquerda) e Depois (Direita) da Consistência dos Dados da Estação Pluviométrica PONTE SÃO BARTOLOMEU (16471) FIGURA 29 Gráficos de Dupla Massa Antes (Esquerda) e Depois (Direita) da Consistência dos Dados da Estação Pluviométrica CASCALHO RICO (18477) Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 7/164

8 FIGURA 3 Gráficos de Dupla Massa Antes (Esquerda) e Depois (Direita) da Consistência dos Dados da Estação Pluviométrica COROMANDEL (18478) FIGURA 31 Localização das Estações Pluviométricas Selecionadas e Utilizadas na Calibração da Modelagem (58 Postos) FIGURA 32 Localização das Estações Pluviométricas Telemétricas Descartadas e Disponíveis para a Etapa de Testes da Modelagem FIGURA 33 Localização das Estações Pluviométricas Convencionais (58) e Telemétricas (4) Selecionadas para Continuação dos Estudos de Modelagem FIGURA 34 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia UHE Corumbá IV FIGURA 35 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia UHE Corumbá I FIGURA 36 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia UHE Serra do Facão FIGURA 37 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia Incremental na UHE Emborcação (entre Emborcação-Serra do Facão) FIGURA 38 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia UHE Nova Ponte FIGURA 39 Séries Diárias de Vazões e Chuvas para a Sub-Bacia Incremental no UHE Itumbiara (entre Itumbiara-Corumbá I-Emborcação-Nova Ponte) FIGURA 4 Sub-bacias Modeladas e os Respectivos Pontos de Grade do Modelo ETA Considerados para Cálculo da Chuva Prevista Média FIGURA 41 Coeficiente de Correlação (R2) entre a Precipitação Observada e Prevista para Cada Sub-bacia Modelada para o Período de 1996 a 21 Incluindo Análise da Precipitação do N-ésimo Dia e Acumulada até o N-ésimo Dia do Horizonte de Previsão FIGURA 42 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 43 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Incremental Corumbá I FIGURA 44 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Serra do Facão FIGURA 45 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Incremental Emborcação FIGURA 46 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Nova Ponte FIGURA 47 Precipitação Observada e Prevista Acumulada no Horizonte de 1 dias de Previsão e Média para o Período 1996 a 21 na Sub-bacia Incremental Itumbiara FIGURA 48 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda) e Dez-Jan (direita) para a Sub-bacia Corumbá IV. FIGURA 49 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda) e Dez-Jan (direita) para a Sub-bacia Incremental Corumbá I. FIGURA 5 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda) e Dez-Jan (direita) para a Sub-bacia Serra do Facão. FIGURA 51 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda), Dez-Jan (direita) e Fev-Mar (abaixo) para a Sub-bacia Incremental Emborcação. FIGURA 52 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda) e Dez-Jan (direita) para a Sub-bacia Nova Ponte. FIGURA 53 Relação entre Precipitação Total Observada e Prevista para os Períodos de Set-Nov (esquerda) e Dez-Jan (direita) para a Sub-bacia Incremental Itumbiara Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 8/164

9 FIGURA 54 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 55 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Increm. Corumbá I FIGURA 56 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Serra do Facão FIGURA 57 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Increm. Emborcação FIGURA 58 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Nova Ponte FIGURA 59 Curvas de Permanência de Precipitação Acumulada em 1 Dias Referente aos Valores Observados, Previstos e Corrigidos Período Sub-bacia Increm. Itumbiara FIGURA 6 Esquema do Modelo SMAP Original com 3 Reservatórios FIGURA 61 Esquema do Modelo SMAP Modificado com 4 Reservatórios (Presente Estudo) FIGURA 62 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 63 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a dez/21 para a Sub-bacia: Corumbá IV FIGURA 64 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Ago/1995 a Dez/21 para a Sub-bacia Incremental Corumbá I FIGURA 65 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia: Incremental Corumbá I FIGURA 66 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia Serra do Facão FIGURA 67 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia: Serra do Facão FIGURA 68 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia Incremental Emborcação FIGURA 69 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia: Increm. Emborcação FIGURA 7 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia Nova Ponte FIGURA 71 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia: Nova Ponte FIGURA 72 Etapa de Calibração dos Parâmetros do Modelo Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia Incremental Itumbiara Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 9/164

10 FIGURA 73 Correlação entre Vazões Observadas e Simuladas na Etapa de Calibração do Modelo Previsor Compreendendo o Período de Jan/1996 a Dez/21 para a Sub-bacia: Incremental Itumbiara FIGURA 74 Simulação Realizada para o Dia de Previsão em 2/1/2 Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 75 - Simulação Realizada para o Dia de Previsão em 4/12/2 Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 76 - Simulação Realizada para o Dia de Previsão em 18/1/6 Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 77 - Simulação Realizada para o Dia de Previsão em 9/5/7 Sub-bacia Corumbá IV FIGURA 78 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Corumbá IV (Ano 22) FIGURA 79 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Corumbá IV (Ano 23) FIGURA 8 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Corumbá IV (Ano 26) FIGURA 81 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Corumbá IV (Ano 27) FIGURA 82 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Corumbá IV. FIGURA 83 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Corumbá IV FIGURA 84 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Incremental Corumbá I (Ano 22) FIGURA 85 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Incremental Corumbá I (Ano 23) FIGURA 86 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Incremental Corumbá I (Ano 26) FIGURA 87 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Incremental Corumbá I (Ano 27) FIGURA 88 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Incremental Corumbá I FIGURA 89 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Incremental Corumbá I FIGURA 9 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Serra do Facão (Ano 22) FIGURA 91 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Serra do Facão (Ano 23) FIGURA 92 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Serra do Facão (Ano 26) FIGURA 93 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Serra do Facão (Ano 27) FIGURA 94 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Serra do Facão Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 1/164

11 FIGURA 95 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Serra do Facão FIGURA 96 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Emborcação (Ano 22) FIGURA 97 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Emborcação (Ano 23) FIGURA 98 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Emborcação (Ano 26) FIGURA 99 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Emborcação (Ano 27) FIGURA 1 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Inc. Emborcação FIGURA 11 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Inc. Emborcação FIGURA 12 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Nova Ponte (Ano 22) FIGURA 13 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Nova Ponte (Ano 23) FIGURA 14 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Nova Ponte (Ano 26) FIGURA 15 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Nova Ponte (Ano 27) FIGURA 16 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Nova Ponte FIGURA 17 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Nova Ponte FIGURA 18 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Itumbiara (Ano 22) FIGURA 19 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Itumbiara (Ano 23) FIGURA 11 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Itumbiara (Ano 26) FIGURA 111 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Inc. Itumbiara (Ano 27) FIGURA 112 Correlação entre Valores Previstos e Observados referente à Vazão Média da Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Inc. Itumbiara FIGURA 113 Correlação entre Desvios das Chuvas e Vazões referente à Próxima Semana Operativa para os 4 Anos de Teste Sub-Bacia Inc. Itumbiara FIGURA 114 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Corumbá IV (Ano 22) FIGURA 115 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Corumbá IV (Ano 23) FIGURA 116 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Corumbá IV (Ano 26) FIGURA 117 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Corumbá IV (Ano 27) Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 11/164

12 FIGURA 118 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Corumbá I (Ano 22) FIGURA 119 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Corumbá I (Ano 23) FIGURA 12 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Corumbá I (Ano 26) FIGURA 121 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Corumbá I (Ano 27) FIGURA 122 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Serra do Facão (Ano 22) FIGURA 123 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Serra do Facão (Ano 23) FIGURA 124 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Serra do Facão (Ano 26) FIGURA 125 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Serra do Facão (Ano 27) FIGURA 126 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Emborcação (Ano 22) FIGURA 127 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Emborcação (Ano 23) FIGURA 128 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Emborcação (Ano 26) FIGURA 129 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Emborcação (Ano 27) FIGURA 13 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Nova Ponte (Ano 22) FIGURA 131 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Nova Ponte (Ano 23) FIGURA 132 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Nova Ponte (Ano 26) FIGURA 133 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Total Nova Ponte (Ano 27) FIGURA 134 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Itumbiara (Ano 22) FIGURA 135 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Itumbiara (Ano 23) FIGURA 136 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Itumbiara (Ano 26) FIGURA 137 Previsão de Vazões da Próxima Semana Operativa Comparando as Metodologias Proposta (SMAP) e Atual (PREVIVAZ) Incr. Itumbiara (Ano 27) FIGURA Histórico de Vazões Médias Semanais para os Meses de Abril e Maio (m³/s) Considerado no Modelo Previvaz para a Sub-bacia Incremental Corumbá I FIGURA Histórico de Vazões Médias Semanais para os Meses de Agosto e Setembro (m³/s) Considerado no Modelo Previvaz para a Sub-bacia Incremental Itumbiara Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 12/164

13 Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 13/164

14 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo Esta nota técnica apresenta uma proposta de aperfeiçoamento da metodologia da previsão de vazão uma semana à frente na bacia do Alto rio Paranaíba (até a UHE Itumbiara), envolvendo a utilização do modelo conceitual concentrado SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure). As informações consideradas como insumo para o modelo previsor SMAP incluem os dados observados oriundo das estações pluviométricas e fluviométricas e as informações de previsão de precipitação na bacia, tendo como produto a previsão direta das vazões incrementais entre aproveitamentos Considerações Gerais Este documento foi elaborado como parte do estudo para Aplicação de Modelos de Previsão de Vazões a Curto Prazo na Sub-Bacia do Alto Rio Paranaíba, incluindo o desenvolvimento do sistema previsor para diversos pontos de interesse, correspondentes à áreas de drenagem, incremental ou total, de usinas hidrelétricas (UHE) e de postos fluviométricos. Os modelos de previsão foram construídos com base em modelagem conceitual concentrada, através da utilização do modelo SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure). A região a ser estudada refere-se à bacia do Alto rio Paranaíba, mais especificamente o trecho até a UHE Itumbiara, correspondente a uma área de drenagem total de aproximadamente km 2. A elaboração do modelo começa pela análise de consistência dos dados básicos (precipitação nos postos e vazões naturais incrementais nas sub-bacias), com preenchimento de falhas de precipitação e sistematização dos dados em planilhas para modelagem. Em seguida, vem a fase de calibração dos modelos previsores com base em dados observados nos últimos anos, sempre seguindo procedimentos semelhantes aos utilizados em trabalhos anteriores desenvolvidos pelo ONS na aplicação do modelo SMAP para previsão de vazões em outras bacias, como nas bacias do rio Paranapanema e Grande. Embora os modelos, em sua fase operacional, devam realizar previsões com base em previsões de precipitação média sobre as bacias, as calibrações serão feitas empregando dados observados de precipitação média sobre a bacia e de vazões observadas. O objetivo é construir o melhor modelo de previsão de vazões a partir de uma previsão correta de chuvas. Esta abordagem garante que o modelo, assim implementado, continuará válido, tornando-se ainda melhor com o aprimoramento dos atuais processos de previsão de chuva, pois, nesse caso, com a chuva prevista se aproximando da ocorrida, a vazão prevista também deverá se aproximar. O QUADRO 1 apresenta a relação das usinas hidrelétricas existentes na região do Alto Paranaíba que deverão ser contempladas no presente estudo, para a construção e a aplicação dos modelos de previsão de vazões afluentes. Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 14/164

15 QUADRO 1 Aproveitamentos na Região da Bacia do Alto Rio Paranaíba LOCAL RIO TIPO Operadora ÁREA TOTAL (km²) ÁREA INCREM. (km²) PONTOS DE MONTANTE Batalha São Marcos UHE (53,6 MW) FURNAS Total Serra do Facão São Marcos UHE (212,6 MW) FURNAS UHE Batalha Emborcação Paranaíba UHE (1192 MW) CEMIG UHE Serra do Facão Nova Ponte Araguari UHE (51 MW) CEMIG Total Miranda Araguari UHE (48 MW) CEMIG Nova Ponte Capim Branco I Araguari UHE (24 MW) CEMIG Miranda Capim Branco II Araguari UHE (21 MW) CEMIG Capim Branco I Corumbá IV Corumbá UHE (127 MW) FURNAS Total Corumbá III Corumbá UHE (93,6 MW) Energética Corumbá III S.A. Corumbá I Corumbá UHE (375 MW) FURNAS Itumbiara Paranaíba UHE (28 MW) FURNAS UHE Corumbá IV UHE Corumbá IV - Corumbá III Embor - C.Branco II - Corumbá I A FIGURA 1 apresenta um mapa da bacia do rio Paranaíba compreendendo todos os principais aproveitamentos hidrelétricos, com destaque para os do presente estudo. Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 15/164

16 FIGURA 1 Localização das Usinas de Interesse na Bacia do Rio Paranaíba Para alcançar os objetivos do projeto, o plano de trabalho prevê a realização de diversas atividades conforme listadas abaixo. Análise dos dados e da documentação fornecida pelo ONS. Consistência dos dados pluviométricos. Calibração e validação dos parâmetros do modelo. Cálculo da precipitação média prevista. Identificação e remoção de eventual viés das previsões de precipitação. Cálculo das previsões de vazões com uso da metodologia atual. Elaboração dos testes de desempenho do modelo. Elaboração de relatório final. Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 16/164

17 A FIGURA 2 apresenta um fluxograma das principais atividades a serem realizadas visando a complementação do projeto, com o desenvolvimento dos modelos previsores. Análise da Documentação e Planilhas Disponibilizadas Análise Espacial das Informações Disponíveis Análise Preliminar dos Dados Recebidos Proposta de Configuração do Sistema Previsor para Cada Bacia Definição dos Anos Considerados para Cada Etapa (Calibração e Testes) Consistência dos Dados Pluviométricos Cálculo das Previsões de Precipitação do Modelo ETA Calibração e Validação dos Parâmetros do(s) Modelo(s) SMAP Correção das Previsões de Precipitação Simulação das Previsões de Vazão para o Período de Teste Cálculo das Previsões de Vazões com Uso da Metodologia Atual Elaboração dos Testes de Desempenho do Modelo Relatório Final FIGURA 2 Fluxograma das Principais Atividades 1.3. Configuração Proposta para Modelagem A primeira fase dos estudos identificou 6 (seis) sub-bacias de interesse para construção dos modelos de previsão. O QUADRO 2 apresenta essas 6 sub-bacias e suas principais características. A FIGURA 3 apresenta o mapa topográfico da região com a delimitação da delimitação das áreas de drenagem referentes as sub-bacias propostas para modelagem. QUADRO 2 Proposta para Configuração de Modelagem LOCAL RIO TIPO Operadora ÁREA TOTAL (km²) ÁREA INCREMENT. (km²) PONTOS DE MONTANTE Serra do Facão São Marcos UHE FURNAS Total Incremental Emborcação Paranaíba UHE CEMIG UHE Serra do Facão Nova Ponte Paranaíba UHE CEMIG Total Corumbá IV Corumbá UHE FURNAS Total Incremental Corumbá I Incremental Itumbiara Corumbá UHE FURNAS Paranaíba UHE FURNAS UHE Corumbá IV Embor., N. Ponte e Cor. I Modelo de Previsão de Vazões do Alto Rio Paranaíba - Relatório Final ONS 153/12 17/164

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho Luana F. Gomes de Paiva ; Giovanni C. L. Acioli RESUMO Este trabalho

Leia mais

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU

NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU NOVO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES COM INFORMAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO PARA O TRECHO INCREMENTAL DE ITAIPU Operador Nacional do Sistema Elétrico Presidência Rua da Quitanda 196/22º andar, Centro 20091-005 Rio

Leia mais

Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart de Freitas Machado 1, Simone Borim da Silva 1 e Luiz Guilherme Ferreira Guilhon 1

Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão 2, Bruno Goulart de Freitas Machado 1, Simone Borim da Silva 1 e Luiz Guilherme Ferreira Guilhon 1 Aplicação das técnicas de Mineração de Dados como complemento às previsões estocásticas univariadas de vazão natural: estudo de caso para a bacia do rio Iguaçu Marcio Cataldi 1, Carla da C. Lopes Achão

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5 MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5.1 MODELOS HIDROLÓGICOS PREVISÃO DE VAZÕES E GERAÇÃO DE CENÁRIOS NO ONS A previsão de vazões semanais e a geração de cenários hidrológicos

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Previsão de Vazões da Duke Energy

Previsão de Vazões da Duke Energy Previsão de Vazões da Duke Energy Duke Energy International, Geração Paranapanema Carlos Antônio Severino Costa MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES: SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure) -Modelo determinístico

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Aluno: Gabriel Leite Mariante Orientador: Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco Introdução e

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013- Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP Manuel Enrique Gamero Guandique 1 ; Telma de Assis Silveira 2 ; Douglas dos Santos Silva 3 RESUMO Estudos sobre a

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS 2.1. Introdução O objetivo deste capítulo é descrever todas as informações relacionadas às usinas hidrelétricas e que devem ser levadas em consideração nos estudos de

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua Júlio

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu

Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu Uma Abordagem de Mineração de Dados para a Previsão de Vazões com Incorporação de Previsão de Precipitação da Bacia do Rio Iguaçu Alexandre G. Evsukoff 1, Nelson F. F. Ebecken 1, Fabio T. de Souza 1, Marcello

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV Jorge M.Damazio 1, Fernanda da S. Costa 1, Fernando P. das Neves 1 Resumo - Este trabalho descreve as principais características do software SINV 3.1

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA Dispositivo: Bueiro simples tubular concreto (BSTC) Aterro: sim I - INTRODUÇÃO 1. Parâmetros de dimensionamento do BSTC Segundo o Manual de Drenagem

Leia mais

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi Estado da Arte da Modelagem Climática no Brasil COPPE/UFRJ- RJ Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros Marcio Cataldi Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Universidade Federal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Modelos de Previsão de Vazões para a Bacia Incremental à UHE Itaipu

Modelos de Previsão de Vazões para a Bacia Incremental à UHE Itaipu Modelos de Previsão de Vazões para a Bacia Incremental à UHE Itaipu Francisco Martins Fadiga Jr, João Eduardo Gonçalves Lopes, José Rodolfo Scarati Martins, Mario Thadeu Leme de Barros e Raquel Chinaglia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Sumário Em março de 2015, a Itaú Asset Management publicou um white paper em que traçava o panorama da situação hídrica brasileira e da dependência

Leia mais

3 Energia Hidrelétrica

3 Energia Hidrelétrica 3 Energia Hidrelétrica A energia hidrelétrica é a obtenção de energia elétrica através do aproveitamento do potencial hidráulico de um rio. O seu potencial está relacionado com a força da gravidade, que

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL (CICLO 2011-2012) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da

Leia mais

¾Calibração e validação de modelo hidrológico com observações in situ e altimetria espacial

¾Calibração e validação de modelo hidrológico com observações in situ e altimetria espacial ¾Terceira reunião científica do Observatório de Pesquisa do Meio Ambiente (ORE) HYBAM nos grandes rios Amazônicos ¾20-23 Out 2009, Tabatinga-Brasil, Leticia-Colômbia ¾Calibração e validação de modelo hidrológico

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 11 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO

Leia mais

Programa Energia Transparente

Programa Energia Transparente Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 9ª Edição Dezembro de 2013 Conclusões Principais 9ª Edição do Programa Energia Transparente Esta

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI ABRIL/2006 CONVÊNIO 09.02.06.00.100.925/2000 CASAN Companhia Catarinense de Águas e Saneamento

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

O Hidrograma Unitário

O Hidrograma Unitário Capítulo 11 O Hidrograma Unitário U ma bacia pode ser imaginada como um sistema que transforma chuva em vazão. A transformação envolve modificações no volume total da água, já que parte da chuva infiltra

Leia mais

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte: Acessado em 01/02/2009.

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte:<http://siscom.ibama.gov.br/msfran/uploads/images/fig1_1.jpg> Acessado em 01/02/2009. Variabilidade Temporal da Vazão e Precipitação no Alto e Baixo São Francisco Karine Mirieli dos Santos Costa Maria Elisa Siqueira Silva Elaine Rosângela da Silva Departamento de Geografia - Universidade

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE

METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE METODOLOGIA PARA PREVISÃO DE VAZÕES NA BACIA DO RIO GRANDE Rogerio Saturnino Braga 1, Marcio Cataldi 2 & Hadassiana Creton de Oliveira 3 RESUMO - Este trabalho relata a metodologia desenvolvida pelo Operador

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO REGIME FLUVIAL DO RIO PIRAÍ CONDICIONADO PELA TRANSPOSIÇÃO DE VAZÕES

AVALIAÇÃO DO REGIME FLUVIAL DO RIO PIRAÍ CONDICIONADO PELA TRANSPOSIÇÃO DE VAZÕES AVALIAÇÃO DO REGIME FLUVIAL DO RIO PIRAÍ CONDICIONADO PELA TRANSPOSIÇÃO DE VAZÕES Ligia Maria N. de Araújo 1, Ernani Cleiton Cavalcante Filho 2, Magaly Vieira Costa dos Santos 3, Mauro Medeiros de Carvalho

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

ANÁLISE DAS CORRELAÇÕES EXISTENTES ENTRE PRECIPITAÇÃO E VAZÃO EM USINAS HIDRELÉTRICAS BRASILEIRAS

ANÁLISE DAS CORRELAÇÕES EXISTENTES ENTRE PRECIPITAÇÃO E VAZÃO EM USINAS HIDRELÉTRICAS BRASILEIRAS ANÁLISE DAS CORRELAÇÕES EXISTENTES ENTRE PRECIPITAÇÃO E VAZÃO EM USINAS HIDRELÉTRICAS BRASILEIRAS Felipe Treistman Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Ambiental da Escola Politécnica,

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC MANUAL DO USUÁRIO SISPREC Concorrência nº 005/ANA/2009 - Sistema de previsão de enchentes na bacia do Rio Paraíba do Sul 1 de 44 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Apresentação do Sistema... 4 Figura 1.1 Tela

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Dennyele Alves Gama¹; Marília Silva Dantas¹; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega¹ & Carlos de Oliveira Galvão¹ RESUMO Os

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 13 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GOP SISTEMA PARA A

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU Eloy L. Mello 1 ; Fernanda A. Oliveira 2 ; Fernando F. Pruski 3 ; Juliana C. Figueiredo 4 RESUMO: O aumento

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0

AHE SALTO PILÃO. Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98. Revisão 0 AHE SALTO PILÃO Estações Hidrológicas Implantadas em Atendimento à Resolução 396/98 Revisão 0 Serviços contratados junto a FUNDAGRO Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado de Santa

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS Luiz Henrique Nobre Bof ; Heber Tormentino de Sousa & Fernando Falco Pruski 3 RESUMO Tendo em vista a carência de modelos computacionais que auxiliem os

Leia mais

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO Elaboração de Material Didático e a Realização de Cursos de Capacitação

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES MÉDIAS DIÁRIAS AFLUENTES AO RESERVATÓRIO DE SOBRADINHO MODELO DE PREVISÃO PLANEUROUSBAT

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES MÉDIAS DIÁRIAS AFLUENTES AO RESERVATÓRIO DE SOBRADINHO MODELO DE PREVISÃO PLANEUROUSBAT AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES MÉDIAS DIÁRIAS AFLUENTES AO RESERVATÓRIO DE SOBRADINHO MODELO DE PREVISÃO PLANEUROUSBAT Meuser Jorge Silva Valença 1,2 ; Josiane Holz² & Herlen Lira

Leia mais

INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe.

INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe. Logo INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe.br O passado... Logo Logo Logo O presente... Logo Logo Marengo

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais