Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka"

Transcrição

1 Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de dados muito volumosas. Os primeiros softwares para mineração de dados começaram a ser desenvolvidos em meados da década de 90, ainda em ambiente acadêmico. Hoje em dia já existem algumas dezenas de ferramentas comerciais para data mining, desenvolvidas por empresas como SAS (Enterprise Miner), IBM (Intelligent Miner) e SPSS (Clementine). Além disso, diversos recursos para mineração de dados encontram-se disponibilizados nas versões mais recentes dos SGBD s Oracle e SQL Server. Este artigo pretende apresentar ao leitor uma das ferramentas de data mining mais simples e largamente utilizadas: a ferramenta Weka. O sistema Weka é um software livre (de código aberto) para mineração de dados, desenvolvido em Java, dentro das especificações da GNU (General Public License). As suas características, bem como as técnicas nele implementadas são descritas de forma detalhada em [Witten e Frank 2005], cujos autores são os responsáveis pela implementação da ferramenta. O software está disponível para Windows, Linux e outras plataformas. 2 Árvores de Decisão A ferramenta Weka possui como ponto forte a extração de classificadores em bases de dados. Um classificador (ou modelo de classificação) é utilizado para identificar a classe à qual pertence uma determinada observação de uma base de dados, a partir de suas características (seus atributos). A mineração de modelos de classificação em bases de dados é um processo composto por duas fases: aprendizado e teste. Na fase de aprendizado, um algoritmo classificador é aplicado sobre um conjunto de dados de treinamento. Como resultado, obtem-se a construção do classificador propriamente dito. Tipicamente, o conjunto de treinamento corresponde a um subconjunto de observações selecionadas de maneira aleatória a partir da base de dados que se deseja analisar. Cada observação do conjunto de treinamento é caracterizada por dois tipos de atributo: o atributo classe, que indica a classe a qual a observação pertence; e os atributos preditivos, cujos valores serão analisados para que seja descoberto o modo como eles se relacionam com o atributo classe. Para exemplificar estes conceitos, considere o conjunto de dados de treinamento apresentado na Tabela 1. Neste exemplo, o conjunto de dados é composto por observações selecionadas a partir de uma base hipotética de informações censitárias. Cada observação contém os dados de uma pessoa entrevistada. Observe que o atributo Rico - utilizado para indicar se uma pessoa possui renda anual igual ou superior a R$ ,00 - representa o atributo classe, enquanto os atributos escolaridade e idade são preditivos. Tabela 1 Base de Dados Censitários NOME ESCOLARIDADE IDADE RICO (atributo classe) Alva Mestrado >30 Sim Amanda Doutorado <=30 Sim Ana Mestrado <=30 Não Eduardo Doutorado >30 Sim Inês Graduação <=30 Não Joaquim Graduação >30 Não Maria Mestrado >30 Sim Raphael Mestrado <=30 Não Após o classificador ser construído, inicia-se a etapa de teste, que visa avaliar a sua acurácia através do emprego de um conjunto de dados de teste. O conjunto de teste contém observações que também são selecionadas aleatoriamente a partir da base de dados. No entanto, estas observações devem ser diferentes das que foram selecionadas para compor o conjunto de treinamento. A acurácia do classificador representa a porcentagem de observações do conjunto de teste que são corretamente classificadas por ele. Caso a acurácia seja alta, o modelo de classificação é considerado eficiente e pode ser utilizado para classificar novos casos.

2 Diversas técnicas podem ser utilizadas para a construção de classificadores, tais como redes neurais, métodos Bayesianos e árvores de decisão, entre outros. As árvores de decisão (Figura 1) têm sido muito utilizadas pelos softwares de mineração de dados. Isto é justificado pelo fato delas possuírem uma representação intuitiva, que torna o modelo de classificação fácil de ser interpretado. Figura 1 Árvore de decisão construída a partir do conjunto de dados da Tabela 1. A árvore de decisão apresentada na Figura 1 indica se uma pessoa é rica ou não com base nos seus outros atributos, os atributos preditivos. A estrutura possui as seguintes características: - cada nó interno é um teste em um atributo preditivo; - uma ramificação partindo de um nó interno representa um resultado para o teste (por exemplo, Escolaridade = Doutorado ); - uma folha da árvore representa um rótulo de classe (por exemplo, Rico = Sim ou Rico = Não ); - em cada nó da árvore, um atributo deve ser escolhido para dividir as observações do conjunto de treinamento em classes, na medida do possível. - uma nova observação é classificada seguindo um caminho na árvore, da raiz até a folha. É importante observar que uma árvore de decisão pode ser utilizada com duas finalidades: previsão (exemplo: descobrir se um cliente será um bom pagador em função de suas características) e descrição (fornecer informações interessantes a respeito das relações entre os atributos preditivos e o atributo classe numa base de dados). Uma árvore de decisão é formada por um conjunto de regras de classificação. Cada caminho da raiz até uma folha representa uma destas regras. A árvore de decisão deve ser definida de forma que, para cada observação da base de dados, haja um e apenas um caminho da raiz até a folha. As quatro regras de classificação a seguir, compõem a árvore de decisão da Figura (Escolaridade = Graduação ) (Rico = Não ) 2. (Escolaridade = Doutorado ) (Rico = Sim ) 3. (Escolaridade = Mestrado ) & (Idade = >30 ) (Rico = Sim ) 4. (Escolaridade = Mestrado ) & (Idade = <=30 ) (Rico = Não ) Uma regra de classificação é uma expressão da forma A B, onde A é denominado antecedente e B é denominado conseqüente. O antecedente deve ser formado por um ou mais atributos preditivos, enquanto o atributo classe aparece no lado do conseqüente. Uma regra do tipo A B indica que a classe B pode ser determinada pelos atributos preditivos indicados no antecedente. Medidas como a probabilidade condicional podem ser utilizadas para avaliar a qualidade de uma regra de classificação. Existem diversos algoritmos na literatura utilizados para a construção de árvores de decisão, tais como ID3, C4.5 e CHAID. Detalhes sobre as características e a implementação destes algoritmos podem ser obtidos em [Berry e Linoff

3 2004] e [Han e Kamber 2006]. De forma resumida pode-se dizer que os algoritmos para classificação são recursivos e que eles constroem a árvore utilizando uma abordagem top-down. Os algoritmos classificadores possuem como meta a construção de árvores que possuam o menor tamanho e a maior acurácia possíveis. Uma questão chave para a construção de uma árvore de decisão consiste na estratégia para a escolha dos atributos que estarão mais próximos da raiz da árvore (ou seja, os atributos que são inicialmente avaliados para determinar a classe a qual uma observação pertence). Observe que na Figura 1, o atributo Escolaridade encontra-se na raiz da árvore, pois foi considerado pelo algoritmo classificador como o atributo mais importante para determinar se uma pessoa é rica ou não. Geralmente são utilizadas medidas baseadas na entropia para tratar este problema. 3. Construção de uma Árvore de Decisão Utilizando a Ferramenta Weka A ferramenta Weka trabalha com arquivos de entrada no formato ARFF, que corresponde a um arquivo texto contendo um conjunto de observações, precedido por um pequeno cabeçalho. O cabeçalho é utilizado para fornecer informações a respeito dos campos que compõem o conjunto de observações. Dessa forma, antes da mineração de dados, a ferramenta pode verificar alguma inconsistência na base de dados e sinalizá-la. A Figura 2 ilustra um exemplo de arquivo ARFF, contendo um cabeçalho e um conjunto de 8 registros que representam a base de dados apresentada na Tabela 1. Observe que o cabeçalho contém a declaração da relação que o arquivo representa uma lista de atributos e a relação de valores que os mesmos podem assumir. O conjunto de observações é precedido por um Cada observação é representada por uma linha. Os valores dos campos dentro de uma observação devem ser separados utilizando a vírgula. Figura 2 Arquivo ARFF. O instalador da ferramenta Weka pode ser obtido de maneira gratuita (juntamente com seu código fonte) no site Uma vez instalado, o sistema Weka pode ser utilizado para minerar árvores de decisão através da execução dos seguintes passos: PASSO 1: Executar o programa. A partir do menu Iniciar / Programas, selecione WEKA e clique em Weka 3-4 (versão atual do sistema). O menu principal Weka GUI Chooser será exibido na tela. Clique no botão Explorer (Figura 3).

4 Figura 3 Weka GUI Chooser PASSO 2: Importar o arquivo ARFF. Após iniciar o Weka Explorer, a opção Open File deve ser utilizada para abrir o arquivo ARFF que será minerado. PASSO 3: Selecionar os Atributos. Em seguida, o Weka abrirá uma tela que permite com que o usuário possa definir qual o atributo da base que será utilizado como classe e quais os atributos que serão utilizados como preditivos (Figura 4). No momento da importação, por default, o Weka irá considerar o último atributo especificado no cabeçalho do arquivo ARFF, como o atributo classe, enquanto os demais atributos serão tratados como atributos preditivos. Observe que, nesta tela (aba Preprocess), também é possível consultar gráficos de barra que indicam os cruzamentos de freqüência envolvendo todos os atributos preditivos e o atributo classe. Figura 4 Seleção da Classe e dos Atributos Preditivos PASSO 4: Selecionar o Algoritmo de Mineração. Clique na aba Classify. A partir desta tela é possível escolher e executar um algoritmo de classificação sobre a base de dados importada. Os resultados da mineração também poderão ser consultados neste mesmo local. Clique no botão "Choose". Será aberta uma janela que permitirá a

5 escolha do algoritmo de mineração de dados. Clique na pasta "trees" (algoritmos de árvore de decisão) e selecione a opção "Id3" (Figura 5). Figura 5 Seleção do Algoritmo de Mineração de Dados PASSO 5: Executar o Algoritmo de Mineração. No painel Test options selecione a opção Use training set. Esta seleção indica ao Weka que toda a base de dados será utilizada como base de treinamento durante o processo de mineração. A seguir clique no botão "Start". A árvore de decisão gerada pelo algoritmo ID3 é apresentada no canto direito da tela do Weka, conforme ilustra a área destacada no círculo vermelho da Figura 6. Na mesma tela são apresentadas algumas medidas de interesse que indicam a qualidade da árvore minerada. Figura 6 Árvore de Decisão Minerada pelo Weka 4. Conclusões

6 Este artigo demonstrou os passos necessários para a extração de árvores de decisão a partir de bases de dados através da utilização da ferramenta de data mining Weka. O trabalho também apresentou conceitos introdutórios sobre a mineração de classificadores e sobre árvores de decisão. Como trabalho futuro pretende-se apresentar outros conceitos associados à mineração de árvores de decisão como, por exemplo, as medidas de interesse para avaliar a qualidade destas árvores. Além disso pretende-se descrever outras capacidades do sistema Weka, como a mineração de regras de associação e clusters de dados e a obtenção de modelos de classificação através de outros algoritmos diferentes do ID3. Referências BERRY, M. L. A. e LINOFF, G. (2004), Data Mining Techniques: for Marketing, Sales and Customer Relationship Management, John Wiley Consumer, 2 nd edition. HAN, J. e KAMBER, M. (2006), Data Mining: Concepts and Techniques, Morgan Kaufmann Publishers, 2 nd edition. WITTEN, I. H. e FRANK, E. (2005), Data Mining: Practical Machine Learning Tools and Techniques, Morgan Kaufmann Publishers, 2 nd edition.

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br Apresentação Luiz Merschmann Engenheiro

Leia mais

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA

UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA UTILIZANDO O SOFTWARE WEKA O que é 2 Weka: software livre para mineração de dados Desenvolvido por um grupo de pesquisadores Universidade de Waikato, Nova Zelândia Também é um pássaro típico da Nova Zelândia

Leia mais

INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA

INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA Marcelo DAMASCENO(1) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte/Campus Macau, Rua das Margaridas, 300, COHAB, Macau-RN,

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

Data Mining com a Ferramenta Weka

Data Mining com a Ferramenta Weka Data Mining com a Ferramenta Weka Eduardo Corrêa Gonçalves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (IBGE/ENCE) Rua André Cavalcanti, 106, Centro 20.231-050 Rio de Janeiro RJ eduardo.correa@ibge.gov.br

Leia mais

APLICAÇÃO DE DATA MINING NA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES EM CRIANÇAS RESPIRADORAS BUCAIS E NASAIS 1.

APLICAÇÃO DE DATA MINING NA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES EM CRIANÇAS RESPIRADORAS BUCAIS E NASAIS 1. APLICAÇÃO DE DATA MINING NA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES EM CRIANÇAS RESPIRADORAS BUCAIS E NASAIS 1. SQUIZANI, Cleonice Schell 2 ; MORALES, Yuri 2 ; VIEIRA, Sylvio André Garcia 2 1 Trabalho de pesquisa - UNIFRA

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA E DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA Equipe Nova GIA Janeiro/2008 1 O Funcionamento do sistema operacional Windows Vista apresenta algumas diferenças com

Leia mais

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS Tácio Dias Palhão Mendes Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG taciomendes@yahoo.com.br Prof.

Leia mais

Manual de Instalação. Aplicativo PAAnet:

Manual de Instalação. Aplicativo PAAnet: Versão 2.0 05/2009 : CPR-ESTOQUE CPR-DOAÇÃO Índice 1. Breve Descrição 2 2. Configurações Mímimas de Software 2 3. Instalação de Arquivos JAVA 2 4. Instalação do PAAnet CPR-Estoque 5 5. Instalação do PAAnet

Leia mais

Data Mining II Modelos Preditivos

Data Mining II Modelos Preditivos Data Mining II Modelos Preditivos Prof. Doutor Victor Lobo Mestre André Melo Mestrado em Estatística e Gestão de Informação Objectivo desta disciplina Fazer previsões a partir de dados. Conhecer os principais

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP 1 Data de entrega dos originais à redação em 15/03/2013 e recebido

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Rafaela Giroto, 10º módulo de Ciência da Computação,

Leia mais

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP

Apêndice A. Manual do Usuário JSARP Apêndice A Manual do Usuário JSARP A.1. Introdução JSARP é um simulador e analisador de Redes de Petri. É um aplicativo que permite desenhar uma rede, fazer análises, verificar propriedades e simular sua

Leia mais

MODELO INTEGRADO PARA ANÁLISE DO DESLIGAMENTO DE EMPREGADOS: UM ESTUDO DE CASO

MODELO INTEGRADO PARA ANÁLISE DO DESLIGAMENTO DE EMPREGADOS: UM ESTUDO DE CASO MODELO INTEGRADO PARA ANÁLISE DO DESLIGAMENTO DE EMPREGADOS: UM ESTUDO DE CASO Felipe de Moraes Oliveira Thiago de Melo Rezende PETROBRAS Av. República do Chile 65, Rio de Janeiro RJ. CEP 20031-912 felipe.moraes@petrobras.com.br

Leia mais

Considerações sobre Conhecimento Incerto e Redes Bayesianas

Considerações sobre Conhecimento Incerto e Redes Bayesianas Considerações sobre Conhecimento Incerto e Redes Bayesianas Felipe S. Gurgel 1, Maiquel de Brito 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Automação e Sistemas - DAS UFSC/CTC/DAS

Leia mais

Ambiente Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis

Ambiente Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Departamento de Computação - DC Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação - PPGCC Ambiente Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis Classificação

Leia mais

Data, Text and Web Mining

Data, Text and Web Mining Data, Text and Web Mining Fabrício J. Barth TerraForum Consultores Junho de 2010 Objetivo Apresentar a importância do tema, os conceitos relacionados e alguns exemplos de aplicações. Data, Text and Web

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4. Entrando em contato com a ez... 4 1.5. Direitos autorais e marcas

Leia mais

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento

Data Mining. Origem do Data Mining 24/05/2012. Data Mining. Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Prof Luiz Antonio do Nascimento Data Mining Ferramenta utilizada para análise de dados para gerar, automaticamente, uma hipótese sobre padrões e anomalias identificadas para poder prever um

Leia mais

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI Fernando Luiz de Oliveira 1 Thereza Patrícia. P. Padilha 1 Conceição A. Previero 2 Leandro Maciel Almeida 1 RESUMO O processo

Leia mais

Aplicação de Data Mining para Sugestão de Investimentos na Bolsa de Valores

Aplicação de Data Mining para Sugestão de Investimentos na Bolsa de Valores Aplicação de Data Mining para Sugestão de Investimentos na Bolsa de Valores Lucas M. Braz 1, Rafael Ferreira 1, Diego Dermeval 1, Douglas Véras 1, Henrique Pacca 1 1 Instituto de Computação Universidade

Leia mais

Guia de instalação do Sugar CRM versão open source no Microsoft Windows XP

Guia de instalação do Sugar CRM versão open source no Microsoft Windows XP Guia de instalação do Sugar CRM versão open source no Microsoft Windows XP Noilson Caio Teixeira de Araújo Sugar CRM é um software de código fonte aberto (open source) que permite uma organização para

Leia mais

Relatório do GPES SATI

Relatório do GPES SATI Relatório do GPES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Relatório referente à manutenção do sistema para controle de entrada e saída da X edição da SATI (Semana de Atualização em Tecnologia da Informação).

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações Amarildo Aparecido Ferreira Junior¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹, Jaime Willian Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES

Leia mais

Indução de Árvores de Decisão para a Inferência de Redes Gênicas

Indução de Árvores de Decisão para a Inferência de Redes Gênicas PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Relatório Final de Atividades Indução de Árvores

Leia mais

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012 Data Mining Software Weka Prof. Luiz Antonio do Nascimento Software Weka Ferramenta para mineração de dados. Weka é um Software livre desenvolvido em Java. Weka é um É um pássaro típico da Nova Zelândia.

Leia mais

Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados

Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados Resumo Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados Autoria: Elizabeth de Oliveira Carpenter, Gerson Lachtermacher O

Leia mais

Mineração de dados em triagem de risco de saúde

Mineração de dados em triagem de risco de saúde Mineração de dados em triagem de risco de saúde Thales Vaz Maciel 1 ; Vinicius Rosa Seus 2 ; Karina dos Santos Machado 3 ; Eduardo Nunes Borges 4 1234 Centro de Ciências Computacionais, Fundação Universidade

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.5 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Instalação do SisAlu 1. Apostila de Instalação do SisAlu

Instalação do SisAlu 1. Apostila de Instalação do SisAlu Instalação do SisAlu 1 Apostila de Instalação do SisAlu 2 Instalação do SisAlu Instalação do SisAlu 3 Índice 1. Objetivo... 4 2. Instalação... 5 2.1. Kit de Instalação... 5 2.2. Requisitos do sistema...

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DANIEL DA SILVA DISNER MINERAÇÃO DE DADOS PARA OBTENÇÃO DE CONHECIMENTO

Leia mais

Técnicas de Aprendizado de Máquina Aplicadas na Previsão de Evasão Acadêmica

Técnicas de Aprendizado de Máquina Aplicadas na Previsão de Evasão Acadêmica Técnicas de Aprendizado de Máquina Aplicadas na Previsão de Evasão Acadêmica Maurício J.V.Amorim 1, Dante Barone 2, André Uebe Mansur 1 1 Instituto de Informática Centro Federal de Educação Tecnológica

Leia mais

Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados

Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados Resumo. Nas últimas décadas, tem aumentado à necessidade de um processo automatizado para a descoberta de informações

Leia mais

Considerações sobre o Disaster Recovery

Considerações sobre o Disaster Recovery Considerações sobre o Disaster Recovery I M P O R T A N T E O backup completo para Disaster Recovery não dispensa o uso de outros tipos de trabalhos de backup para garantir a integridadedo sistema. No

Leia mais

SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL DO PARTE 1 - USO RÁPIDO

SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL DO PARTE 1 - USO RÁPIDO SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL MANUAL DO IHMCCmapTools PARTE 1 - USO RÁPIDO Simão Pedro P. Marinho IHCM CMAP TOOLS MANUAL DE USO RÁPIDO Manual criado para uso dos alunos das disciplinas Informática no

Leia mais

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos)

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300 WinRAR: Conheça este excelente compactador de arquivos Introdução: É fato que a Internet está mais rápida com a popularização da banda larga, mas os compactadores de arquivos ainda apresentam muita utilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS Hugo Marques Casarini Faculdade de Engenharia de Computação

Leia mais

Manual de Instalação. Utilização

Manual de Instalação. Utilização Manual de Instalação e Utilização http://www.pdfsam.org INSTALAÇÃO O PDFSam é um utilitário gratuito que possibilita dividir um arquivo existente PDF por tamanho, páginas pares ou ímpares, quantidade de

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão

Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Apoio à Decisão Data Mining & Optimização Victor Lobo Objectivos gerais Abrir horizontes em temas actuais Aprender técnicas usadas em Sistemas de apoio à decisão ou Business Intelligence Métodos

Leia mais

Android Como configurar Rede sem fio Univates-Professores

Android Como configurar Rede sem fio Univates-Professores 1/7 Android Como configurar Rede sem fio Univates-Professores Instruções: Este procedimento deverá ser executado em seu Tablet ou Smartphone pessoal que utiliza a rede wireless Univates-Professores. Como

Leia mais

Para participar de um mapa colaborativo usando o Cmap Tools

Para participar de um mapa colaborativo usando o Cmap Tools Antes de trabalhar num mapa colaborativo, você deve instalar o software no seu computador. Pegue a sua cópia, gratuita, em http://cmap.ihmc.us/download/. Veja a versão compatível com o seu computador.

Leia mais

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Gisele Faffe Pellegrini & Katia Collazos Grupo de Pesquisa em Eng. Biomédica Universidade Federal de Santa Catarina Jorge Muniz Barreto Prof.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico MANUAL DE INSTALAÇÃO LSoft Ponto Eletrônico SUPORTE TÉCNICO AO USUÁRIO: Atendimento On-line: www.lsoft.com.br E-Mail: suporte@lsoft.com.br (37) 3237-8900 Versão 1.0-2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

Manual Signext Card Explorer

Manual Signext Card Explorer Índice 1. Gerenciador... 1 2. Editar... 4 3. Token... 7 4. Key Pair... 8 5. Certificado... 9 6. Sobre... 10 O Card Explorer é um software desenvolvido para que o usuário possa: gerar par de chaves, inserir/excluir

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA Primeiramente é importante observar a importância do desenvolvimento de softwares específicos para agilizar o trabalho do Engenheiro Cartógrafo.

Leia mais

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação Sphinx : software para coleta e análise de dados acadêmicos e gerenciais. Tecnologia e informação para a decisão! Copyright Sphinx Todos direitos reservados Guia Sphinx: instalação, reposição e renovação

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DE NOVA VERSÃO DO JAVA

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DE NOVA VERSÃO DO JAVA 1 PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DE NOVA VERSÃO DO JAVA A partir da atualização da versão do programa JAVA ( 7 Update 51) que ocorreu nas máquinas dos usuários em Janeiro/2014, algumas alterações de segurança

Leia mais

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013 Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5 Guia de gerenciamento de ativos Julho de 2013 2004-2013 Dell, Inc. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reprodução deste material

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Tecnológico

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Tecnológico Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Tecnológico Técnicas de clustering Relatório Discentes: Ricardo Seromenho, N.º 23842 Docente: Prof.º Doutor Patrício

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO. POSTGRESQL Versão 8.3

GUIA DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO. POSTGRESQL Versão 8.3 GUIA DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO POSTGRESQL Versão 8.3 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do PostgreSQL... 3 4. Instalação PgOleDB... 10 5. Criação do Banco de Dados... 13

Leia mais

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS AP_ Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS Manual de Instalação Tempro Software StavTISS Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3. INSTALAÇÃO... 4 4.

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Backup do Banco de Dados Oracle

Backup do Banco de Dados Oracle Banco de Dados Oracle: Backup do Banco de Dados Oracle Oracle é um sistema de banco de dados que surgiu no final dos anos 70, quando Larry Ellison vislumbrou uma oportunidade que outras companhias não

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka

Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka Andreia Smiderle, Alessandra Marchiori de Oliveira Depto de Sistemas de Informação, Faculdade MATER DEI, 85501-030,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE CRM PROFESSIONAL ANEXO III ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO - CRM PROFESSIONAL

GUIA DE ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE CRM PROFESSIONAL ANEXO III ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO - CRM PROFESSIONAL ANEXO III ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO - CRM PROFESSIONAL GUIA DE ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE CRM PROFESSIONAL ANEXO III ROTEIRO DE CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DO CRM PROFESSIONAL SUMÁRIO

Leia mais

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Índice C Comentários 3 I Instalação 4 R Reconstrução tomográfica pelo método FBP 5 Reconstrução tomográfica pelo método

Leia mais

Aprendizado de classificadores das ementas da Jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região - SP

Aprendizado de classificadores das ementas da Jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região - SP Aprendizado de classificadores das ementas da Jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região - SP Thiago Ferauche, Maurício Amaral de Almeida Laboratório de Pesquisa em Ciência de Serviços

Leia mais

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda Scilab Scilab é uma linguagem de programação associada a uma rica coleção de algoritmos numéricos cobrindo muitos aspectos dos problemas de computação científica. Do ponto de vista do software, Scilab

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN O programa TabWin pode ser utilizado para calcular indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose bem como para análise da qualidade da base de dados do Sinan. O usuário deve ter a versão atualizada

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

Ementa: Sigilo bancário. Transmissor Bancário SIMBA. Manual do Usuário.

Ementa: Sigilo bancário. Transmissor Bancário SIMBA. Manual do Usuário. Ementa: Sigilo bancário. Transmissor Bancário SIMBA. Manual do Usuário. Página 1 de 13 Transmissor Bancário SIMBA Manual do Usuário Página 2 de 13 Índice 1 Apresentação do Programa...4 2 Instalação...4

Leia mais

Instalação do Componente TcomPort

Instalação do Componente TcomPort Instalação do Componente TcomPort O componente para porta serial TcomPort, pode ser baixado na página www.jclima.tk. Estando na página principal, selecione o link para a página downloads. Selecione então

Leia mais

Avaliando o que foi Aprendido

Avaliando o que foi Aprendido Avaliando o que foi Aprendido Treinamento, teste, validação Predição da performance: Limites de confiança Holdout, cross-validation, bootstrap Comparando algoritmos: o teste-t Predecindo probabilidades:função

Leia mais

Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS

Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS Tarefas e Técnicas de Mineração de Dados TAREFAS E TÉCNICAS DE MINERAÇÃO DE DADOS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 3 2. Tarefas desempenhadas por Técnicas de 4 Mineração de Dados...

Leia mais

Mineração de Dados. Prof. Júlio Cesar Nievola Especialização em Inteligência Computacional PPGIA - PUCPR

Mineração de Dados. Prof. Júlio Cesar Nievola Especialização em Inteligência Computacional PPGIA - PUCPR Mineração de Dados PPGIA - PUCPR Agenda 1. Histórico 2. Definições e Características 3. Processo e Tarefas de DM 4. Pré-Processamento 5. Representação do Conhecimento 6. Principais Tarefas 7. Procedimentos

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Manual de Download e Instalação da IDE Intellij e ferramentas necessárias para programação android:

Manual de Download e Instalação da IDE Intellij e ferramentas necessárias para programação android: Manual de Download e Instalação da IDE Intellij e ferramentas necessárias para programação android: Instalação do INTELLIJ: Vá até a página oficial do INTELLIJ: https://www.jetbrains.com/idea/download/,

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

Predição do Valor Econômico de uma Oportunidade Exploratória de Petróleo

Predição do Valor Econômico de uma Oportunidade Exploratória de Petróleo Predição do Valor Econômico de uma Oportunidade Exploratória de Petróleo Trabalho de Mestrado Marcos A. Affonso 1 (Aluno), Leila Andrade 2 (Orientador), Kate Revoredo 3 (Coorientador) Programa de pós-graduação

Leia mais

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB Guia de Instalação do TOTVS ESB Copyright 2011 TOTVS S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida, traduzida ou transmitida por qualquer meio eletrônico

Leia mais

SQL SERVER EXPRESS 2008

SQL SERVER EXPRESS 2008 SQL SERVER EXPRESS 2008 GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SQL SERVER EXPRESS 2008 O instalador do banco de dados SQL Server 2008 pode ser obtido diretamente do site da Microsoft através deste

Leia mais

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer.

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. CONFIGURANDO O SISTEMA OFFLINE DR.MICRO IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. 1- Ao acessar a plataforma online a opção Minha Escola

Leia mais

AULA 10- Plugins Tema Shapefile e Tema Externo

AULA 10- Plugins Tema Shapefile e Tema Externo 10.1 AULA 10- Plugins Tema Shapefile e Tema Externo Nessa aula serão apresentados dois plugins do TerraView que permitem acesso a fontes de dados externos ao banco de dados ao qual se está conectado, como

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00

MQSeries Everyplace. Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 MQSeries Everyplace Leia-me primeiro G517-7010-00 Primeira Edição (Junho de 2000) Esta edição se aplica ao MQSeries Everyplace Versão 1.0 e a todos os

Leia mais

AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web

AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web Maringá - Paraná Outubro / 2014 AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS

Leia mais