Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 1"

Transcrição

1 Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 1 Daniele Andreazza 2, Gisele S. Boos 2, Fabiana M. Boabaid 2, Angelica T.B. Wouters 3 *, Flademir Wouters 3, Suyene O. Souza 2, Mariana B. Menegat 2 e David Driemeier 2 ABSTRACT.- Andreazza D., Boos G.S., Boabaid F.M., Wouters A.T.B., Wouters F., Souza S.O., Menegat M.B. & Driemeier D [Histological and immunohistochemical characterization of tuberculosis lesions in cattle and of granulomatous lymphadenitis in swine.] Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2): Setor de Patologia Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS , Brazil. Mycobacterium sp. induces granulomatous inflammation in different animal species. Mycobacterium bovis and the Mycobacterium avium complex are important cattle and swine pathogens that can also infect humans, especially those immunosuppressed. Losses in production, commercial barriers and carcasses condemnations in slaughtering are related to this infection, which implies in large economic losses. It was carried out a study on bovine tuberculosis lesions and granulomatous lymphadenitis in pigs, diagnosed by the Setor de Patologia Veterinária from the Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV-UFRGS), Brazil, between January 2007 and December Data concerning breed, sex, age and clinical history were retrieved from the files and analyzed. Histological features of the lesions in lymph nodes and lungs were evaluated in Hematoxylin-Eosin staining. Multinucleated giant cells were predominant in bovine tuberculosis lesions and epithelioid macrophages were abundant in swine. Ziehl-Neelsen and Masson s trichrome techniques were used respectively to demonstrate the alcohol-acid resistant bacillus and fibrous connective tissue in the lesions. The immunohistochemistry technique was performed to characterize the lymphocytic infiltrate. Anti-CD3 antibodies were utilized to immunolabeling lymphocytes T; and anti-cd79αcy to lymphocytes B. Lymphocytes T were predominant in both species lesions; confirmed statistically by paired t test, which showed significantly differ means of T and B lymphocytes, with t=5,501 (p<0.001) for the bovines tuberculosis lesions, and t=5.826 (p<0.001), for the cases of pigs lymphadenitis. In addition, macrophages were immunolabeled by antibody anti-cd68 to bovine, and lysozyme to swine; and polyclonal anti-mycobacterium tuberculosis antibody were used successfully to detect Mycobacterium sp. in bovine and swine lesions, apart from in the swine samples there was also anti-mycobacterium avium immunolabelling. INDEX TERMS: Mycobacterium spp., infectious diseases, cattle, swine, immunohistochemistry. 1 Recebido em 24 de julho de Aceito para publicação em 13 de fevereiro de Setor de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS , Brasil. 3 Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Cx. Postal 3037, Lavras, MG , Brasil. *Autor para correspondência: RESUMO.- Mycobacterium sp. induz inflamação granulomatosa em diferentes espécies animais. Mycobacterium bovis e o complexo Mycobacterium avium são importantes patógenos de bovinos e suínos e podem causar infecção em humanos, principalmente imunossuprimidos. Perdas na produção, barreiras comerciais e prejuízos por condenação de carcaças em abatedouro/frigorífico estão atrelados à ocorrência dessas infecções, com prejuízos econômicos signifi- 129

2 130 Daniele Andreazza et al. cativos. Foi realizado um estudo de casos diagnosticados como tuberculose em bovinos e linfadenite granulomatosa em suínos no Setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV-UFRGS) no período de janeiro de 2007 a dezembro de Dados referentes à raça, ao sexo, à idade e ao histórico clínico foram compilados dos livros de registro e analisados. As características histológicas das lesões em linfonodos e pulmões foram avaliadas em Hematoxilina-Eosina, com predomínio de células gigantes nas lesões de tuberculose bovina e de macrófagos epitelioides em suínos. As técnicas histoquímicas de Ziehl- -Neelsen e Tricrômico de Masson foram utilizadas para evidenciar, respectivamente, bacilos álcool-ácido resistentes e tecido conjuntivo fibroso nas lesões. A técnica de imuno- -histoquímica foi utilizada em aproximadamente 30% dos casos estudados de cada espécie, selecionados aleatoriamente, para a caracterização do infiltrado linfocítico. Foram utilizados os anticorpos anti-cd3 para a marcação de linfócitos T e anti-cd79αcy para a marcação de linfócitos B. Linfócitos T predominaram nas lesões em ambas as espécies, com diferença estatisticamente significativa entre as médias dos linfócitos T e linfócitos B. Foi usado o teste t pareado, com t=5,501 (p<0,001) nas lesões dos bovinos e t=5,826 (p<0,001) para as lesões de linfadenite dos suínos. Adicionalmente foram marcados macrófagos com o uso do anticorpo anti-cd68 para bovinos e anti-lisozima para suínos. Além desses, o anticorpo policlonal anti-mycobacterium tuberculosis foi utilizado para a detecção de bactérias do gênero Mycobacterium, com imunomarcação positiva em todos os casos e, nos casos dos suínos, houve marcação anti-mycobacterium avium. TERMOS DE INDEXAÇÃO: Mycobacterium spp., doenças infecciosas, bovinos, suínos, imuno-histoquímica. INTRODUÇÃO A tuberculose é uma doença infectocontagiosa, crônica, causada por bactérias álcool-ácido-resistentes (BAAR) do gênero Mycobacterium (Cousins et al. 2004). Ocorre mundialmente e provoca grande impacto na produção animal, principalmente em bovinos leiteiros (Radostits et al. 2007). Em suínos podem não ocorrer perdas econômicas relacionadas a doença clínica, porém vísceras com lesões tuberculoides são descartadas e carcaças inteiras podem ser condenadas ou requerer tratamento térmico antes de liberadas para o consumo humano (Morés et al. 2007, Hibiya et al. 2008). Mycobacterium bovis é o agente da tuberculose em bovinos, mas pode afetar também outras espécies de animais vertebrados, domésticos e silvestres, bem como humanos (Cousins et al. 2004, McAdam & Sharpe 2010). A tuberculose é uma zoonose importante, principalmente para pessoas imunologicamente debilitadas e, especialmente, em países em desenvolvimento (McAdam & Sharpe 2010, Thakur et al. 2011). Mycobacterium bovis é apontado como responsável por 5 a 10% dos casos de tuberculose humana (Radostits et al. 2007, Schiller et al. 2011). A infecção dos bovinos ocorre principalmente por via aerógena (Nugent 2011) com instalação do agente em vias aéreas, em macrófagos alveolares e de linfonodos relacionados (Caswell & Williams 2007, Beytut 2011, Velázquez, Cortés & Pabello 2011). A tuberculose bovina é caracterizada pela formação de granulomas, conhecidos como tubérculos (Cousins et al. 2004), caracterizados por lesões circunscritas, muitas vezes encapsuladas, de 0,1 a 4,0 cm de diâmetro, amarelo-pálidas ou brancacentas e frequente aspecto caseoso e/ou mineralizado, embora lesões extensas possam conter exsudato pastoso ou liquefeito. As lesões podem ocorrer nos pulmões e são frequentes nos linfonodos relacionados ao sistema respiratório, principalmente retrofaríngeos, bronquiais e mediastínicos. Em algumas circunstâncias, ocorrem inúmeros focos disseminados a partir da liberação de BAAR na circulação sanguínea, caracterizando tuberculose miliar (Caswell & Williams 2007). A infecção também pode ocorrer por ingestão do agente em pastagens e uso de bebedouros e cochos coletivos contaminados por animais infectados. Nesses casos as lesões ocorrem mais comumente em intestino e linfonodos relacionados, principalmente mesentéricos. Os sinais clínicos da doença e a distribuição das lesões dependem do modo de transmissão (Caswell & Williams 2007, Radostits et al. 2007). As micobacterioses, diferentes da tuberculose, são associadas a micobactérias não tuberculosas ou atípicas, pertencentes ao Complexo Mycobacterium avium (MAC) (Cousins et al. 2004). O MAC é composto por patógenos oportunistas (Hibiya et al. 2010), presentes em elevado número de espécies animais e em humanos (Ingen et al. 2010). Nestes, a infecção por essas bactérias atípicas ocorre principalmente em indivíduos imunodeprimidos; M. avium subsp. avium é causa de infecção especialmente em pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) (McAdam & Sharpe 2010). Devido à característica zoonótica, as micobacterioses têm sido consideradas como problema veterinário e sócio-econômico (Stepanova et al. 2011). Nos animais domésticos, as micobacterioses têm maior importância em suínos, nos quais são mundialmente relacionadas ao MAC. Trabalhos mostram frequência elevada de isolamento de M. avium em tecidos de suínos abatidos (Hibiya et al. 2010, Ingen et al. 2010). No Brasil o MAC é considerado o mais importante grupo de bactérias envolvido em infecções desse tipo em suínos. Num estudo para verificação dos agentes encontrados em linfonodos suínos, M. avium foi o mais frequente (Lara et al. 2011). Em outro estudo foram isoladas micobactérias do MAC em 28,42% das amostras colhidas de 394 suínos abatidos com lesões granulomatosas (Morés et al. 2007). O trato gastrintestinal é a rota preferencial para a infecção por MAC em suínos (Hibiya et al. 2008). Após a ingestão, o microrganismo invade a mucosa do sistema digestório e atinge linfonodos regionais, principalmente cefálicos e mesentéricos. Nos linfonodos os bacilos são fagocitados por macrófagos e induzem lesões (Sobestiansky & Barcellos 2007). Morés et al. (2007) encontraram lesões em linfonodos da cadeia alimentar em 95,2% das carcaças analisadas. Essas lesões se caracterizam como granulomas em linfonodos aumentados de volume, com nódulos pequenos até lesões de dimensões variáveis, branco-amareladas, caseosas, às vezes mineralizadas (Matlova et al. 2005, Thoen 2006).

3 Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 131 No entanto, pode ocorrer infecção sistêmica, com lesões em órgãos como fígado, pulmões e baço (Iwakiri et al. 2001, Matlova et al. 2005, Hibiya et al. 2008, Ingen et al. 2010). A resposta à infecção por micobactérias varia muito entre espécies animais, com variação menor entre indivíduos de uma mesma espécie (Cousins et al. 2004). O objetivo deste trabalho é diferenciar histologicamente as lesões causadas por micobactérias em bovinos e suínos e caracterizar seu infiltrado inflamatório, com auxílio de técnicas histoquímicas e da imuno-histoquímica (IHQ). MATERIAL E MÉTODOS Foram avaliados casos diagnosticados como tuberculose em bovinos e como linfadenite granulomatosa em suínos da rotina de diagnóstico (necropsias e histopatologia) do Setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV- -UFRGS), no período de janeiro de 2007 a dezembro de Dados referentes a raça, sexo, idade, histórico clínico e achados macroscópicos foram compilados dos livros de registro. Os cortes de linfonodo e pulmão corados com Hematoxilina-Eosina (HE) foram avaliados e realizadas as técnicas histoquímicas de Ziehl-Neelsen (ZN) para a identificação de BAAR nas lesões em linfonodos e/ou pulmões e de Tricrômico de Masson (TM) para evidenciação de tecido conjuntivo fibroso (TCF). A técnica de IHQ foi utilizada em 15/60 (25%) casos dos bovinos e em 15/57 (26,31%) dos casos de suínos, selecionados aleatoriamente, para a caracterização do infiltrado inflamatório linfocítico nas lesões. Para a marcação de linfócitos T foi utilizado o anticorpo anti-cd3 e, para a marcação de linfócitos B, o anticorpo anti-cd79αcy. Para a marcação de macrófagos foi usado o anticorpo anti-cd68 nos casos de bovinos e anti-lisozima para os suínos. Para a marcação de bactérias do gênero Mycobacterium foram empregados os anticorpos anti-mycobacterium tuberculosis e anti- -Mycobacterium avium. As especificações dos anticorpos primários usados, a recuperação antigênica, a diluição e a origem dos anticorpos são detalhadas no Quadro 1. Utilizaram-se o método estreptavidina ligada à peroxidase e o cromógeno DAB (Dako, code K3468) para os anticorpos anti-cd68, anti-lisozima e anti-mycobacterium tuberculosis; o mesmo método foi utilizado para o anticorpo anti- -Mycobacterium avium, empregando-se, no entanto, o cromógeno AEC (Dako, code K3464); e foi usado o método da estreptavidina ligada à fosfatase alcalina e o cromógeno Permanent Red (Dako, code K0695) para os anticorpos anti-cd3 e anti-cd79αcy. O infiltrado linfocítico foi classificado de acordo com a marcação para linfócitos T ou B. Foram avaliados subjetivamente cinco campos microscópicos em cada técnica e em cada caso, em objetiva de 40x e atribuídos valores de 1 a 4 conforme a quantidade de células com marcação positiva, sendo considerados os valores 1 (até 25% da população linfocítica com imunomarcação positiva); 2 (25 a 50%); 3 (50 a 75%) e 4 (75 a 100%) e calculada a média dos cinco campos para cada caso. Esses valores foram submetidos à análise estatística pelo Teste t pareado. RESULTADOS Sessenta casos de tuberculose em bovinos e 57 casos de linfadenite granulomatosa em suínos diagnosticados no período janeiro de 2007 a dezembro de 2011 foram avaliados. Quanto ao sexo dos bovinos, 45/60 eram fêmeas, 12 machos e, em três casos, o sexo não foi informado. A raça, informada em 41/60 casos, variou entre Holandesa (35), zebuína (2), Jersey (1) e mista (3). Com relação à origem das amostras, 32/60 casos provinham de propriedades rurais particulares e 27 casos de abatedouro/frigorífico e, em um caso, a origem não foi identificada. A idade dos bovinos variou de três a 20 anos. Dos órgãos acometidos, 40/60 animais apresentaram lesão apenas em linfonodo, oito apenas em pulmão e 12 em ambos. Os achados histológicos nas amostras de bovinos se caracterizaram por lesões multifocais a coalescentes até extensas áreas de necrose caseosa, compostas por material eosinofílico homogêneo, núcleos e restos nucleares (cariorrexia) escassos, com graus variados de mineralização multifocal, ausente em alguns casos. Adjacente à necrose havia inflamação granulomatosa com macrófagos epitelioides abundantes, células gigantes multinucleadas do tipo Langhans e linfócitos escassos a abundantes (Fig.1A). Havia proliferação discreta a acentuada de tecido conjuntivo fibroso, evidenciado pela coloração de TM, circundando o infiltrado inflamatório ou, em alguns casos, entremeado nele (Fig.2A). Bacilos álcool-ácido resistentes foram de- Quadro 1. Recuperação antigênica, especificações, diluições e origem dos anticorpos primários utilizados nas técnicas de imuno-histoquímica para caracterização de lesões causadas por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos Anticorpo Especificações Recuperação Diluição Origem primário do anticorpo antigênica (referência comercial) Anti-CD79αcy Monoclonal camundongo, Tampão citrato, 1:30 Dako Cytomation anti-humano, clone HM57 ph 6,0, 20 em Mo a (Code M7051) Anti-CD3 Policlonal coelho, Protease XIV 1:500 Dako Cytomation anti-humano (Sigma) 15 em TA b (Code A0452) Anti-CD68 Monoclonal camundongo, Proteinase K 1:100 Dako anti-humano, (Dako, S3004) (Code M0718) clone EBM11 10 em TA Anti-Lisozima Policlonal coelho, Proteinase K 1:200 Dako Cytomation EC anti-humano (Dako, S3004)10 TA (Code A0099) Anti- Policlonal coelho Protease XIV 1:200 GeneTex, Inc. Mycobacterium (Sigma) 15 em TA (GTX20905) tuberculosis Anti- Monoclonal camundongo Tampão citrato, 1:100 QED Bioscience Mycobacterium ph 6,0 20 a 96 C Inc. avium em Pp c a Mo = micro-ondas; b TA = temperatura ambiente; c Pp = panela de pressão.

4 132 Daniele Andreazza et al. Fig.1. Caracterização de lesões causadas por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos. (A) Inflamação granulomatosa acentuada com macrófagos epitelioides, abundantes células gigantes multinucleadas e focos de necrose caseosa em linfonodo bovino (B) Extensa área de necrose caseosa contendo mineralização multifocal cercada por inflamação granulomatosa, circundadas por abundante tecido conjuntivo fibroso em linfonodo suíno. HE, obj.10x. Fig.2. Caracterização de lesões por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos. Lesão em linfonodo bovino (A) e suíno (B) evidenciando, em azul, extensa proliferação de tecido conjuntivo fibroso. Tricrômico de Masson, obj.10x. Fig.3. Caracterização de lesões por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos. Bacilos álcool-ácido resistentes (setas) no citoplasma de célula gigante em lesão de linfonodo bovino com tuberculose. (A) Ziehl-Neelsen, obj.40x. (B) Imunomarcação anti-mycobacterium tuberculosis. Método estreptavidina ligada à peroxidase, cromógeno DAB, obj.40x. monstrados pela coloração de ZN em todos os casos. Eram escassos, localizados no interior de células gigantes ou estavam livres na área de necrose (Fig.3A). No uso da IHQ para evidenciação de linfócitos T e linfócitos B em amostras de bovinos predominou a imunomarcação de linfócitos T, com diferença significativa entre

5 Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 133 as médias de linfócitos T e B. Na análise estatística, para a qual foi usado o Teste t pareado, os resultados foram t=5,501 (p<0.001) para as lesões dos bovinos e t=5,826 (p <0,001) para as lesões dos suínos. Houve imunomarcação anti-cd68 em todos os casos. No emprego do anticorpo anti-mycobacterium tuberculosis houve marcação citoplasmática multifocal em macrófagos epitelioides e em células gigantes tipo Langhans, confirmando a infecção por Mycobacterium sp. em todos os casos analisados (Fig.3B). Em dois casos houve marcação intensa também em áreas de necrose. As amostras de suíno remetidas para exame anatomopatológico eram provenientes de abatedouro/frigorífico e constituídas por linfonodos mesentéricos e mandibulares de suínos machos e fêmeas com idade de dias (exceto um animal, com aproximadamente 150 dias). As alterações histológicas dos suínos eram constituídas por áreas de necrose caseosa, multifocais a coalescentes, ou extensas, com mineralização multifocal acentuada, circundadas por inflamação granulomatosa de intensidade variada contendo macrófagos epitelioides e escassa a moderada quantidade de células gigantes do tipo Langhans, eosinófilos e linfócitos (Fig.1B). Circundando e/ou entremeada à inflamação havia proliferação de tecido conjuntivo fibroso, formando, em alguns casos, extensas áreas de fibrose (Fig.2B). A extensão das lesões variava entre os casos, com pequenos focos até extensas áreas, em alguns casos afetando todo o linfonodo. Na coloração histoquímica de ZN foi evidenciada grande quantidade de BAAR, livres, na periferia ou amplamente distribuídos nas áreas de necrose (Fig.4A). Na comparação das proporções entre linfócitos T e B nas lesões de linfadenite granulomatosa em suínos pela IHQ houve também predominância de linfócitos T, estatisticamente significativa pelo Teste t pareado (t = 5,826; p <0,001). Os linfócitos T predominaram nas lesões em todas as amostras avaliadas (Fig. 5A e 5B), exceto em dois casos; um apresentou marcação equivalente entre linfócitos T e B; e outro menor marcação de linfócitos T em relação a linfócitos B. A imunomarcação com o anticorpo policlonal anti- -Mycobacterium tuberculosis foi positiva em todas as amostras (Fig. 3B e 4B). Houve marcação evidente em áreas de necrose e adjacentes, áreas nas quais foram também de- Fig.4. Caracterização de lesões por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos. Área de necrose caseosa em linfonodo suíno; (A) Bacilos álcool-ácido resistentes corados em magenta, Ziehl-Neelsen, obj.40x. (B) Imunomarcação anti-mycobacterium tuberculosis, método estreptavidina ligada à peroxidase, cromógeno DAB, obj.40x. Fig.5. Caracterização de lesões por Mycobacterium spp. em bovinos e suínos. Imunomarcação de linfócitos T e B em lesão de tuberculose em linfonodo bovino. (A) Marcação positiva para linfócitos T (anti-cd3). (B) Marcação positiva para linfócitos B (anti-cd79αcy), evidenciando maior proporção de linfócitos T nas lesões. Método da estreptavidina ligada à fosfatase alcalina, cromógeno Permanent Red, obj.40x.

6 134 Daniele Andreazza et al. Fig.6. Demonstração gráfica do infiltrado linfocítico nas lesões de tuberculose em bovinos, de acordo com a marcação positiva para linfócitos T e B. Foram considerados os valores 1 (até 25% da população linfocítica com imunomarcação positiva); 2 (25-50%); 3 (50-75%) e 4 (75-100%) e calculada a média dos cinco campos para cada caso, submetidos à avaliação estatística (teste t pareado). Fig.7. Demonstração gráfica do infiltrado linfocítico nas lesões de linfadenite granulomatosa em suínos, de acordo com a marcação positiva para linfócitos T e B. Foram considerados os valores 1 (até 25% da população linfocítica com imunomarcação positiva); 2 (25-50%); 3 (50-75%) e 4 (75-100%) e calculada a média dos 5 campos para cada caso, submetidos à avaliação estatística (teste t pareado). monstrados bacilos com a coloração de ZN. O uso do anticorpo anti-lisozima marcou abundantes quantidades de macrófagos epitelioides, células gigantes multinucleadas e macrófagos nos tecidos suínos, mas outras células inflamatórias, como neutrófilos, também mostraram marcação positiva. Os materiais dos suínos foram submetidos à IHQ anti-mycobacterium avium, com marcação em focos de necrose e, principalmente, em sua periferia. DISCUSSÃO E CONCLUSÕES As alterações histológicas induzidas por bactérias do gênero Mycobacterium apresentaram semelhanças entre as lesões de bovinos e suínos, no entanto, algumas diferenças foram significativas. Células gigantes multinucleadas do tipo Langhans foram abundantes nas lesões de bovinos enquanto que, em suínos, predominaram macrófagos epitelioides. Em várias amostras dos suínos com linfadenite havia infiltrado de eosinófilos, não observado nos bovinos. Hibiya et al. (2008) observaram também maior frequência de eosinófilos em infecções por MAC em suínos que em outras espécies. Foram encontradas quantidades variadas de TCF nas lesões; escasso, entremeado à inflamação, até abundante, circundando os granulomas. Segundo Caswell & Williams (2007), as características histológicas e a variação nas proporções dos componentes celulares das lesões permitem uma noção acerca do tempo de evolução da doença. Cassidy et al. (1999) observaram, em infecção experimental de bovinos com M. bovis, lesões pulmonares compostas por aglomerados de macrófagos intra-alveolares, neutrófilos necróticos, células gigantes multinucleadas, poucos linfócitos e BAAR uma semana após inoculação e, após duas semanas da infecção, havia tubérculos contendo agregados de neutrófilos circundados por macrófagos epitelioides. É descrito que necrose central aparece cerca de três semanas após infecção; mineralização inicia por volta de cinco semanas; e o TCF aumenta com o tempo, tendendo a ser mais proeminente em indivíduos e espécies mais resistentes (Caswell & Williams 2007). Conforme Beytut (2011), à medida que aumentam as áreas de necrose caseosa em granulomas avançados, o infiltrado linfocítico diminui e fica restrito às margens internas da cápsula fibrosa. Hibiya et al. (2008), na avaliação de lesões granulomatosas sistêmicas em órgãos de suínos abatidos, sugeriram três estágios, conforme os componentes das lesões. Lesões iniciais, caracterizadas por reação exsudativa com macrófagos epitelioides, linfócitos, eosinófilos e células gigantes do tipo Langhans, dão espaço a reações proliferativas com encapsulamento, até o aparecimento de granulomas mistos, com mineralização e fibrose abundantes. No presente estudo, alterações referentes aos três estágios descritos foram observadas nas amostras dos suínos. Houve diferença significativa na quantidade de BAAR nas lesões. Em bovinos, bacilos foram escassos nas lesões, em alguns casos localizados principalmente no citoplasma de células gigantes e, em outros, livres nas áreas de necrose, ou ambos. Outros estudos indicam que lesões em estágios iniciais apresentam moderado a elevado número de BAAR, localizados em macrófagos e em células gigantes multinucleadas. Em estágios mais avançados, a localização passa a ser mais extracelular, em meio à necrose e, raramente, no interior de macrófagos ou células gigantes multinucleadas (Palmer et al. 2007, Beytut 2011). Escassez de bacilos nas lesões é mais indicativa de tuberculose por M. bovis do que micobacteriose por M. avium (Caswell & Williams 2007). Em dois casos de bovinos do estudo foi verificada abundante quantidade de BAAR livre e no citoplasma de macrófagos e de células gigantes multinucleadas. Houve, também nestes casos, forte marcação por IHQ anti-mycobacterium tuberculosis; em áreas de necrose, células gigantes e em macrófagos. Nas amostras dos suínos havia abundantes BAAR livres, em áreas de necrose ou circundando-as. Isto pode ser explicado pelo fato de infecções por MAC serem mais comuns em suínos e lesões por micobactérias atípicas apresentarem número mais elevado de microrganismos do que in-

7 Caracterização histológica e imuno-histoquímica das lesões de tuberculose em bovinos e de linfadenite granulomatosa em suínos 135 fecções por bacilos tuberculosos. A marcação IHQ com anticorpo anti-mycobacterium tuberculosis foi mais evidente nas áreas de necrose, principalmente no citoplasma de macrófagos necróticos. Morés et al. (2007) tiveram achados semelhantes em testes de IHQ em lesões de suínos, utilizando anticorpo primário anti-mycobacterium avium. A detecção de bacilos álcool-ácido resistentes, tanto pela coloração de Ziehl-Neelsen quanto pela IHQ, mostrou- -se muito útil para o diagnóstico das infecções induzidas por Mycobacterium sp., principalmente em suínos, nos quais pode ocorrer também linfadenite por bactérias Gram positivas, como na infecção por Rhodococcus equi em linfonodos cervicais, com lesões macro e microscópicas semelhantes. Komijn et al. (2007), verificaram alta prevalência de infecções por R. equi em linfonodos mandibulares de suínos abatidos com lesões granulomatosas, sugerindo ser R. equi a maior causa de diagnóstico falso-positivo de infecções por micobactérias na inspeção de suínos abatidos. Em recente estudo realizado no Brasil, Mycobacterium sp. (24,1%) e R. equi (13,2%) foram os microrganismos mais frequentemente detectados em suínos com linfadenite (Lara et al. 2011). A marcação IHQ anti-mycobacterium tuberculosis se mostrou mais intensa, quantitativa e qualitativamente, em comparação com a coloração de ZN, tanto nas amostras de bovinos quanto nas de suínos, sendo indicada para a detecção de Mycobacterium sp. em lesões granulomatosas, em ambas as espécies. No entanto, a técnica de ZN mostrou ser eficiente na detecção de micobactérias em todos os casos e tem como vantagem o baixo custo. Quanto ao infiltrado linfocítico nas lesões de tuberculose de bovinos, linfócitos T foram predominantes. Outros estudos de caracterização do perfil de linfócitos T e sua distribuição nas lesões de tuberculose bovina mostraram achados semelhantes (Liebana et al. 2007, Palmer et al. 2007). Conforme Beytut (2011), linfócitos T CD3+ são abundantes na fase inicial de granulomas, quando não há, ainda, necrose central. À medida que o granuloma aumenta, os linfócitos são deslocados para a periferia e permanecem nas margens internas da cápsula fibrosa; em granulomas avançados, células T são comumente detectadas na zona marginal. Em lesões avançadas com mineralização central, o número de linfócitos T CD3+ diminui acentuadamente, com acúmulo na zona subcapsular, na periferia do granuloma. Linfócitos B são também detectados em áreas subcapsulares de granulomas avançados. A composição do infiltrado linfocítico em lesões causadas por Mycobacterium sp. em suínos foi semelhante à dos bovinos, com predomínio de linfócitos T. A imunidade em infecções por micobactérias é essencialmente mediada por células e dependente de uma complexa interação entre linfócitos T e macrófagos. As características estruturais de Mycobacterium sp. são responsáveis pela indução desse tipo de resposta imune (Caswell & Williams 2007, Liebana et al. 2007, Velázquez et al. 2011). O perfil do infiltrado linfocítico, com predomínio de células T, ainda não havia sido caracterizado em infecções por Mycobacterium sp. em suínos, para o qual a IHQ foi uma ferramenta importante. Agradecimentos.- À equipe do Núcleo de Assessoria Estatística NAE/UF- TRGS pela análise estatística, ao CNPq e à CAPES, pela concessão de Bolsas e aos colegas do Setor de Patologia Veterinária da UFRGS pela ajuda neste trabalho. REFERÊNCIAS Beytut E Immunohistochemical evaluation of surfactant proteins and lymphocyte phenotypes in the lungs of cattle with natural tuberculosis. Res. Vet. Sci. 91: Cassidy J.P., Bryson D.G., Pollock J.M., Evans R.T., Forster F. & Neill S.D Lesions in cattle exposed to Mycobacteriumbovis-inoculated calves. J. Comp. Pathol. 121: Caswell J.L. & Williams K.J Respiratory system, p In: Maxie M.G. (Ed.), Jubb, Kennedy and Palmer s Pathology of Domestic Animals. Vol.2. 5th ed. Elsevier, Edinburgh. Cousins D.V., Huchzermeyer H.F.K.A., Griffin J.F.T., Brückner G.K., Van Rensburg I.B.J. & Kriek N.P.J Tuberculosis, p In: Coetzer J.A.W. & Tustin R.C. (Eds), Infectious Diseases of Livestock. Vol.3. 2nd ed. Oxford University Press, Cape Town. Hibiya K., Kasumi Y., Sugawara I. & Fujita J Histopathological classification of systemic Mycobacterium avium complex infections in slaughtered domestic pigs. Comp. Immunol. Microbiol. Infect. Dis. 31: Hibiya K., Kazumi Y., Nishiuchi Y., Sugawara I., Miyagi K., Oda Y., Oda E. & Fujita J Descriptive analysis of the prevalence and the molecular epidemiology of Mycobacterium avium complex-infected pigs that were slaughtered on the main island of Okinawa. Comp. Immunol. Microbiol. Infect. Dis. 33: Ingen J.V., Wisselink H.J., Solt-Smits C.B.V., Boeree M.J. & Soolingen D.V Isolation of mycobacteria other than Mycobacterium avium from porcine limph nodes. Vet. Microbiol. 144: Iwakiri A., Toshimasu M., Xu D.L., Shinjo T. & Goto Y Lymphoproliferative responses in pigs infected with Mycobacterium avium. J. Vet. Med. Sci. 63: Komijn R.E., Wisselink H.J., Rijsman V.M.C., Stockhofe-Zurwieden N., Bakker D., Zijderveld F.G., Eger T., Wagenaar J.A., Putirulan F.F. & Urlings B.A.P Granulomatous lesions in lymph nodes of slaughter pigs bacteriologically negative for Mycobacterium avium subsp. avium and positive for Rhodococcus equi. Vet. Microbiol. 120: Lara G.H.B., Ribeiro M.G., Leite C.Q.F., Paes A.C., Guazzelli A., Silva A.V., Santos A.C.B. & Listoni F.J.P Occurrence of Mycobacterium spp. and other pathogens in lymphnodes of slaughtered swine and wild boars (Sus scrofa). Res. Vet. Sci. 90: Liebana E., Marsh S., Gough J., Nunez A., Vordermeier H.M., Whelan A., Spencer Y., Hardley R.C., Hewinson G. & Johnson L Distribution and activation of T-lymphocyte subsets in tuberculous bovine lymphnode granulomas. Vet. Pathol. 44: Matlova L., Dvorska L., Ayele W.Y., Bartos M., Amemori T. & Pavlik I Distribution of Mycobacterium avium Complexes isolates in tissue samples of pigs fed peat naturally contaminated with Mycobacteria as a supplement. J. Clin. Microbiol. 43: McAdam A.J. & Sharpe A.H Doenças infecciosas, p In: Kumar V., Abbas A.K., Fausto N., Aster J.C. (Eds), Robbins and Cotran, Bases Patológicas das Doenças (Tradução da 8ª ed., com adaptações referentes às doenças tropicais e sua epidemiologia). 8th ed. Elsevier, Rio de Janeiro. Morés N., Ventura L., Dutra V., Silva V.S., Junior W.B., Oliveira S.O., Kramer B. & Neto J.S.F Linfadenite granulomatosa em suínos: linfonodos afetados e diagnóstico patológico da infecção causada por agentes do Complexo Mycobacterium avium. Pesq. Vet. Bras. 27: Nugent G Maintenance, spillover and spillback transmission of bovine tuberculosis in multi-host complexes: a New Zealand case study. Vet. Microbiol. 151: Palmer M.V., Waters W.R. & Thacker T.C Lesion development and immunohistochemical changes in granulomas from cattle experimentally infected with Mycobacterium bovis. Vet. Pathol. 44: Radostits O.M., Gay C.C., Hinchcliff K.W. & Constable P.D Diseases

8 136 Daniele Andreazza et al. associated with bacteria - IV, p In: Ibid. (Eds), Veterinary Medicine. 10th ed. Saunders Elsevier, Edinburgh. Schiller I., Raywaters W., Vordermeier H.M., Jemmi T., Welsh M., Keck N., Whelan A., Gormley E., Boschiroli M.L., Moyen J.L., Vela C., Cagiola M., Buddle B.M., Palmer M., Thacker T. & Oesch B Bovine tuberculosis in Europe from the perspective of an officially tuberculosis free country: trade, surveillance and diagnostics. Vet. Microbiol. 151: Sobestiansky J. & Barcellos D Doenças dos Suínos. Cânone Editorial, Goiânia, p Stepanova H., Pavlova B., Stromerova N., Matiasovic J., Kaevska M., Pavlik I. & Faldyna M Cell-mediated immune response in swine infected with Mycobacterium avium subsp. avium. Vet. Immunol Immunopathol. 142: Thakur A., Sharma M., Katoch V.C., Dhar P. & Katoch R.C Detection of Mycobacterium bovis and Mycobacterium tuberculosis from cattle: Possible public health relevance. Indian J. Microbiol. 5: Thoen C.O Tuberculosis, p In: Straw B.E., Zimmerman J.J., D Allaire S. & Taylor D.J. (Eds), Diseases of Swine. 9th ed. Blackwell Publishing, Victoria. Velázquez U.C., Cortés E.A. & Pabello J.A.G Alternative activation modifies macrophage resistance to Mycobacterium bovis. Vet. Microbiol. 151:51-59.

Caracterização patológica e imuno-histoquímica das lesões de actinobacilose em bovinos 1

Caracterização patológica e imuno-histoquímica das lesões de actinobacilose em bovinos 1 Caracterização patológica e imuno-histoquímica das lesões de actinobacilose em bovinos 1 Daniele Andreazza 2, Angelica T.B. Wouters 2 *, Tatiane T.N. Watanabe 2, Fabiana M. Boabaid 2, Flademir Wouters

Leia mais

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos Virgínia Santiago Silva Beatris Kramer Arlei Coldebella 83 Introdução

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Tuberculose Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ A tuberculose é uma doença infecciosa, crônica, causada por uma micobactéria. AGENTEs:

Leia mais

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística Foram selecionadas dos arquivos da Seção de Anatomia Patológica do Instituto Lauro de Souza Lima, pertencente à Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria

Leia mais

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Position Paper Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Luís César da Costa, Maíra Gatti, Paulo Rogerio Motta, Diego Bispo, Geisa Martins Faustino, Carlos J. P. Lucena Laboratório de Engenharia

Leia mais

TUBERCULOSE BOVINA RELATO DE CASO

TUBERCULOSE BOVINA RELATO DE CASO TUBERCULOSE BOVINA RELATO DE CASO PACHECO, Alessandro Mendes HAMZÈ, Abdul Latif Discentes do Curso de Medicina Veterinária e Zootecnia da FAEF/FAMED-Garça/SP AVANZA, Marcel Ferreira Bastos PEREIRA, Daniela

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ocorrência de pneumonia em carcaças de bovinos abatidos submetidos ao controle do Serviço de Inspeção Federal, no período de 2006 a 2009 João Paulo

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tuberculose Revisão de literatura Mariana Camilo da Silva 1*, Mariela Silva Moura 2, Denio Oliveira Reis 3 1 Médica Veterinária 2 Mestranda em Ciências

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS

DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS 1 DIAGNÓSTICO MOLECULAR DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM CAVALOS MARIANE ANGÉLICA POMMERENING FINGER 1, FLAVIA DO PRADO AUGUSTO AMARO 2, IVAN ROQUE DE BARROS FILHO 3, CAMILA SCHRODER 2, CHRISTIAN LEUTENEGGER

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL LESÕES DE LINFADENITE SUÍNA E DESTINO DE CARCAÇAS Alexandre Ilha Moreira Itapiranga, junho

Leia mais

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial.

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Janice Reis Ciacci Zanella Médica Veterinária, M.Sc., Ph.D. Pesquisador A, Embrapa Suínos e Aves

Leia mais

TUBERCULOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela

TUBERCULOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela TUBERCULOSE BOVINA Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela Temas Abordados Definição Histórico Etiologia Epidemiologia Importância econômica Doença no homem Transmissão Patogenia Diagnóstico direto indireto

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA

DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA DOENÇA DE AUJESZKY: REVISÃO DE LITERATURA SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas MASSEI, Rafael Alves Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça / SP, FAMED/ FAEF PICCININ.

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Introdução Enfermidade sistêmica ou localizada causada E. coli, incluindo

Leia mais

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS GIBELLINI, Caio C. SOUZA, Camila C. RODRIGUES, Taliane R. Discentes do curso de Medicina Veterinária FAMED ZAPPA, Vanessa Decente do curso de Medicina Veterinária FAMED

Leia mais

Patologia do sistema linfóide

Patologia do sistema linfóide Patologia do sistema linfóide timo Timo - ruminantes e suínos: lobo cervical e torácico. Lobo cervical é largo e estende-se ao longo da traquéia cervical - felinos e equinos: lobo cervical pequeno - caninos:

Leia mais

LINFADENITE CASEOSA EM OVINOS - REVISÃO DE LITERATURA

LINFADENITE CASEOSA EM OVINOS - REVISÃO DE LITERATURA LINFADENITE CASEOSA EM OVINOS - REVISÃO DE LITERATURA LUCAS, Regina Pacheco SCARAMUCCI, Cynthia Pirizzotto PEREIRA, Luana Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça- FAMED AVANZA,

Leia mais

Avaliação das Populações de Linfócitos T em Lesões Periapicais de Dentes Tratados Endodonticamente PIBIC/2010-2011

Avaliação das Populações de Linfócitos T em Lesões Periapicais de Dentes Tratados Endodonticamente PIBIC/2010-2011 Avaliação das Populações de Linfócitos T em Lesões Periapicais de Dentes Tratados Endodonticamente PIBIC/2010-2011 Nathália Caroline de Souza Lima 1, Julio de Almeida Silva 2, Aline Carvalho Batista 3,

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL 1 DETECÇÃO DO VIRUS DA MANCHA BRANCA (WSSV) EM CAMARÕES MARINHOS CULTIVADOS E HOSPEDEIROS NATURAIS NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL ROBERT LENOCH 1, CAMILA YAMAGUTI LENOCH 1, JONAS CUNHA

Leia mais

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral PITIOSE EM EQÜINOS. LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral PITIOSE EM EQÜINOS. LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel PITIOSE EM EQÜINOS LÉO, Vivian Fazolaro DABUS, Daniela Marques Maciel Graduandas da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED danidabus@hotmail.com LOT, Rômulo Francis Estangari PICCININ, Adriana

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Prevalência de lesões sugestivas de tuberculose em bubalinos abatidos no Amapá, Brasil

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Prevalência de lesões sugestivas de tuberculose em bubalinos abatidos no Amapá, Brasil PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Prevalência de lesões sugestivas de tuberculose em bubalinos abatidos no Amapá, Brasil Luciana Barreto de Almeida Silva 1, Claudiana Esteves 2,

Leia mais

PATOLOGIA GERAL - DB-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA INFLAMAÇÃO CRÔNICA

PATOLOGIA GERAL - DB-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA INFLAMAÇÃO CRÔNICA 24 INFLAMAÇÃO CRÔNICA O termo crônico refere-se a tempo (cronologia), significando que a inflamação é de longa duração. A inflamação aguda caracteriza-se pela permeabilidade vascular, edema e abscesso.

Leia mais

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 8 Adryelly Loureiro da Silva 1 Vinício de Sousa Silva 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 1) O que é Tuberculose? A tuberculose (TBC) é uma doença infecciosa provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (e menos comumente

Leia mais

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas cpagliari@usp.br A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas Carla Pagliari Imuno-histoquímica: etapas Coleta, preservação e fixação Processamento e obtenção dos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Individualizados; Encapsulados; Vasos linfáticos aferentes; Vaso linfático eferente; Córtex; Medula; Linha de defesa secundária; Cápsula Seios subcapsulares

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Perdas econômicas pela condenação em matadouro frigorífico de fígados de bovino por fibrose causada por ingestão de Braquiaria spp.

Perdas econômicas pela condenação em matadouro frigorífico de fígados de bovino por fibrose causada por ingestão de Braquiaria spp. Perdas econômicas pela condenação em matadouro frigorífico de fígados de bovino por fibrose causada por ingestão de Braquiaria spp. 1 Tatiane C. Faccin 2 *, Ricardo C. Brumatti 3, Stephanie C. Lima 4,

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

Comunicado Técnico. Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil. Introdução.

Comunicado Técnico. Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil. Introdução. 0,1,67e5, ' $*5,&8/785$ 3(&8É5, $%$67(&,0(172 Comunicado 314 Técnico ISSN 0100-8862 Dezembro/2002 Concórdia, SC Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil

Leia mais

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos Efeito da estimulação com antígenos específicos do Mycobacterium sp na produção de óxido nítrico pelas células mononucleares de bovinos portadores de tuberculose Ediane Batista da SILVA 1 ; Arioldo C.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FÍGADO DE CÃES NECROPSIADOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNOESTE

AVALIAÇÃO DO FÍGADO DE CÃES NECROPSIADOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNOESTE 72 AVALIAÇÃO DO FÍGADO DE CÃES NECROPSIADOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNOESTE Osimar de Carvalho Sanches, Rogério Giuffrida, Poliana Cavaleti, Rafaela Vitória Marchini Souza, Vanessa Cristina Pereira

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos. causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema nervoso

A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos. causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema nervoso O que é? A criptococose é uma micose sistêmica causada por fungos leveduriformes do gênero Cryptococcus que acometem humanos e animais, causando principalmente, alterações no trato respiratório e sistema

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE DICTIOCAULOSE LOPES, Rômulo M. Gomes AZEVEDO, Fernando Felipe MARQUES, Manuel Eduardo O. CRUZ, Guilherme Gamba C. Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED NEVES, Maria

Leia mais

SARCOCYSTIS SPP: REVISÃO DE LITERATURA

SARCOCYSTIS SPP: REVISÃO DE LITERATURA SARCOCYSTIS SPP: REVISÃO DE LITERATURA NAKASATO, Fernanda Hatsue 1 SAITO, Angela Satiko 1 TANENO, Joyce Costa 1 GARCIA, Marcelo Manfrin 1 NEVES, Maria Francisca 2 1 Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS)

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE M EDICINA V ETERINÁRIA E Z OOTECNIA DE G ARÇA/FAMED A NO III, NÚMERO, 06, JANEIRO DE 2006.

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando Sarampo Estados Unidos, 2000 Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando um registro baixo e um

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

PROVA CONCURSO MAPA FFA - VETERINÁRIO TIPO 01 BRANCO

PROVA CONCURSO MAPA FFA - VETERINÁRIO TIPO 01 BRANCO PROVA CONCURSO MAPA FFA - VETERINÁRIO TIPO 01 BRANCO COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES RELACIONADAS AOS CURSOS DE TECNOLOGIA E INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL, PROGRAMAS DE AUTOCONTROLE,

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mixomatose em coelho doméstico criado como animal de estimação em Mato Grosso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mixomatose em coelho doméstico criado como animal de estimação em Mato Grosso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mixomatose em coelho doméstico criado como animal de estimação em Mato Grosso Jaqueline Bruning Azevedo¹, Glaucenyra Cecília Pinheiro Silva², Adriana

Leia mais

ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DAS CONDENAÇÕES DE BOVINOS POR TUBERCULOSE EM ABATEDOUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DAS CONDENAÇÕES DE BOVINOS POR TUBERCULOSE EM ABATEDOUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO 175 ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DAS CONDENAÇÕES DE BOVINOS POR TUBERCULOSE EM ABATEDOUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO J.H.H. Grisi Filho, C.A.R. Rosales, F. Ferreira, M. Amaku, R.A. Dias, J.S. Ferreira Neto Universidade

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução

Capítulo 10. Enterite por Coronavírus Canino. Veterinary Professional Services. Principais Pontos. Introdução Capítulo 1 Enterite por Coronavírus Canino Veterinary Professional Services Mais informações da Merial sobre esse tema Eficácia da Vacina RECOMBITEK com Coronavírus Canino Vivo-modificado. M.C. Pardo e

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51

MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51 MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51 Brucelose Bovina A brucelose bovina e bubalina é uma doença infecto-contagiosa crônica e granulomatosa, causada pela bactéria Brucella abortus e compromete o sistema

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA FREQUÊNCIA DE ARRITMIAS E ANÁLISE DE VARIABILIDADE DE FREQUÊNCIA CARDÍACA EM CÃES COM EHRLIQUIOSE MONOCÍTICA CRÔNICA FREQUENCY

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Linha Oftálmica Labyes Primeira Linha Oftálmica com Sulfato de Condroitina Labyes foi o primeiro laboratório do mundo a desenvolver uma linha oftálmica

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 2010 Níveis séricos e imunoexpressão tecidual do marcador CA19-9 no carcinoma

Leia mais

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos.

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Doenças de bovinos Laboratório de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. http://www.ufsm.br/lpv

Leia mais

Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas

Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas Diretor do Depto de Ciências Patológicas Prof.Dr. Dino Martini Filho Coordenadora do Curso: Profa. Dra. Geanete Pozzan OJETIVOS GERAIS:

Leia mais

Todos os mamíferos são suscetíveis. O bovino, o homem e as aves em geral contribuíram para a perpetuação da tuberculose através dos séculos.

Todos os mamíferos são suscetíveis. O bovino, o homem e as aves em geral contribuíram para a perpetuação da tuberculose através dos séculos. TUBERCULOSE Nomes populares Animais: Tuberculose Homem: Tuberculose Zoonótica Agente causador As bactérias causadoras da tuberculose pertencem à família Mycobacteriaceae, gênero Mycobacterium. As micobactérias

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT 1 FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT ¹JÉSSICA DO ROCIO RIBAS MACHADO, ¹KELLI CRISTINA GRACIANO, ¹CAROLINA

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008

CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008 CASUÍSTICA DOS ATENDIMENTOS DE FELINOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DA UNICENTRO NO TRIÊNIO 2006-2008 José Carlos ISSAKOWICZ ¹ Thiago Canton NICOLAO ¹ Maurício Nunes VIEIRA ¹ Ewerton Luiz de LIMA¹

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

GUIA PARA DESCRIÇÃO DE LÂMINAS 1

GUIA PARA DESCRIÇÃO DE LÂMINAS 1 Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Patologia LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA 97105-900 Santa Maria, RS Telefone (55) 3220-8168. Fax (55) 3220-8284 http://www.ufsm.br/lpv Considerações

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Lesões post-mortem de equinos abatidos em frigorífico exportador de Araguari MG Jacqueline Fernandes Lima Franco 1*, Raquel Peres de Oliveira 2,

Leia mais

LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO

LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO Ana Lúcia Alvares Capelozza 1 Luís Antônio de Assis Taveira 2 Otávio Pagin 3 1 Professora Associada do Departamento de Estomatologia da FOB-USP 2 Professor

Leia mais

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF?

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma doença viral e imunomediada que acomete os gatos. Essa doença é

Leia mais

Andretto R. e cols. Rev Comunicação bras videocir, Jul./Set. Preliminar 2007

Andretto R. e cols. Rev Comunicação bras videocir, Jul./Set. Preliminar 2007 128 Andretto R. e cols. Rev Comunicação bras videocir, Jul./Set. Preliminar 2007 Artigo Original Reação Tecidual Associado ao Implante de Tela de Poliglactina 910 em Camundongos: Estudo Histopatológico

Leia mais

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Coordinating surveillance policies in animal health and food safety: from farm to fork. Scientific

Leia mais