UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL LESÕES DE LINFADENITE SUÍNA E DESTINO DE CARCAÇAS Alexandre Ilha Moreira Itapiranga, junho de 2008

2 2 ALEXANDRE ILHA MOREIRA Aluno do Curso de Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal LESÕES DE LINFADENITE SUÍNA E DESTINO DE CARCAÇAS Trabalho monográfico de conclusão do curso de Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal, apresentado à UCB como requisito parcial para a obtenção do título de Licenciado em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal, sob a orientação do Prof Dr..Zander Barreto Miranda. Itapiranga, junho de 2008.

3 3 LESÕES DE LINFADENITE SUÍNA E DESTINO DE CARCAÇAS Elaborado por Alexandre Ilha Moreira Aluno do Curso de Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal da UCB Foi analisado e aprovado com grau:... Rio de Janeiro,...de...de Membro... Membro... Professor Orientador Presidente Itapiranga, junho de 2008.

4 4 Ao Profº Dr. Zander Barreto Miranda, pelo exemplo profissional, pela dedicação e atenção para transmitir seus ensinamentos e pela honra de tê-lo como orientador.

5 5 SUMÁRIO Introdução Objetivo...09 Desenvolvimento 2. Linfadenite...10 Definição Etiologia Epidemiologia Patogenia Lesões Diagnóstico Controle 3. Resultados e Discussão Região Anatômica 3.2 Peso de Carcaças 3.3 Procedência dos Suínos 3.4 Critério de Julgamento e Destino 3.5 Agente Etiológico 4. Conclusão Recomendações 5. Referências Anexos...41

6 6 INTRODUÇÃO A carne suína, na atualidade, é a mais consumida no mundo, com uma média de 16 kg por pessoa ao ano, enquanto a de aves, o consumo gira em torno de 12,6 kg e bovinos 9,4kg. Essa concentração de consumo ocorre principalmente na Europa e América do Norte. No Brasil, o consumo cai para 12,5 kg por pessoa ao ano, sendo a média maior nos estados do sul, Rio Grande do Sul (RS) e Santa Catarina ( SC), aumenta o consumo para 23 kg pessoa ao ano. Nos últimos 10 anos, houve um acréscimo de 28,4% na produção mundial de carne suína, numa proporção de 2,78% ao ano. Esse crescimento, porém, foi muito mais acentuado nos paises em desenvolvimento, com a média de 4,45% de aumento ao ano, contra o aumento de apenas 0,83% ano nos países desenvolvidos. A carne suína, por ser a mais consumida do mundo, tem papel fundamental em relação ao crescimento acelerado da população mundial, graças a sua capacidade de reprodução e facilidade de criação. A população suína mundial é superior a 980 milhões de cabeças, responsável pela produção de cerca de 100 milhões de toneladas de carne suína ao ano. Os quatro maiores produtores mundiais são a China, com 50 milhões de toneladas, a União Européia (com 25 países atuais), com 21 milhões, os Estados Unidos da América (EUA) próximo a 10 milhões e o Brasil com 2,8 milhões de toneladas. Esses 4 maiores produtores mundiais de carne suína detêm juntos cerca de 80 % da produção mundial. Quarta maior produtora mundial de carne suína, em 2006, a produção brasileira de carne suína chegou a 2,83 milhões de tonelada, com um abate próximo a 36 milhões de cabeças. O Brasil tem, atualmente, um plantel de 35,2 milhões de cabeças e estima-se que 700 mil pessoas dependam diretamente da cadeia produtiva da suinocultura brasileira. O valor da cadeia produtiva da suinocultura é estimado em U$ 1,8 bilhões.

7 7 Segundo a Associação Brasileira da Industria Produtora e Exportadora de Carne Suína (ABIPECS), em 2006, o rebanho brasileiro chegou a 2,427 milhões de matrizes, sendo que são consideradas tecnificadas 1,513 milhões. É uma suinocultura que caminha fortemente para o sistema de integração: hoje, 70% dos suínos produzidos são sob a forma integrada, e 30% sob a forma de produtores independentes. A região Sul detém 57,5% da produção do país. É a região em que predomina o sistema de integração e o forte parque industrial das Agroindústrias. Na região Sudoeste, predomina o suinocultor Independente, tem uma participação de 17,6%, e na região Centro Oeste, continuando sua expansão, há uma participação de 14,5% na produção nacional. Hoje, cerca de 65 % da carne suína consumida no Brasil é sob a forma industrializada, apenas 35% sob a forma in natura. Como 65% da carne suína é comercializada sob a forma de embutidos, que custam mais caro que a carne in natura e são consumidos por pessoas de melhores salários, a queda no poder aquisitivo afeta diretamente o seu consumo. A maior parte do rebanho de suínos (45,4%) está na Região Sul. Santa Catarina lidera o ranking nacional, com 20,4% dos animais. Uberlândia (MG) e Concórdia (SC) são os municípios que concentram o maior efetivo. Em 2005 e 2006, o rebanho suíno foi ampliado nessas cidades em 9,9% e 53,6% respectivamente. No mercado externo, o volume comercializado de suínos caiu 16,4% em 2006, em razão do embargo da Rússia. A indústria da proteína animal cresceu em Santa Catarina. O destaque é para a produção de suínos. As micobactérias, pertencentes ao Complexo Mycobacterium avium (MAC), são as principais responsáveis pela linfadenite granulomatosa em suínos observados em matadouro. As lesões estão confinadas, principalmente, nos linfonodos do mesentério e nas regiões cervical e faringiana. Os animais afetados apresentam se clinicamente sadios, mas as perdas econômicas ocorrem devido às condenações das carcaças, por apresentarem lesões granulomatosas nos linfonodos e pelo seu potencial zoonótico. Como várias medidas de controle podem ser adotadas no campo, é necessário determinar que nível de controle é economicamente viável. Assim, a análise econômica deve ser encarada como uma ferramenta, que fornece informações adicionais para que o programa de controle seja bem estruturado. O ideal é que os custos de um programa de controle fiquem aquém dos prejuízos causados pela doença, produzindo uma relação custo-benefício que estimule a adoção das medidas preconizadas. Os prejuízos econômicos causados, pela condenação de

8 8 carcaças com linfadenite em matadouro frigoríficos, varia de acordo com o preço de mercado do suíno e com o custo de produção. Considerando a importância da suinocultura no Brasil, em especial na região Sudeste, assim como, o aspecto sanitário provocado pela linfadenite em suínos, consolida a presente pesquisa, para a identificação dos fatores de riscos, como medidas de prevenção, de modo a reduzir a incidência de condenação de partes ou mesmo de toda a carcaça de suínos. Este estudo foi desenvolvido em parceria com o Serviço de Inspeção Federal do Matadouro Frigorífico Mabella Ltda, situado na rodovia SC 472 S/C KM 28, Linha Santa Fé, no município de Itapiranga, estado de Santa Catarina.

9 9 OBJETIVO O objetivo do trabalho realizado foi fazer o levantamento, no período de janeiro a dezembro, da principal causa de condenação de carcaças suínas pós abate e seu impacto econômico na região. DESENVOLVIMENTO Para o desenvolvimento do trabalho foram relacionados os principais fatores que estão envolvidos com a doença os quais são: 3 Resultados e Discussão 3.1 região anatômica 3.2 peso de carcaça 3.3 procedência dos suínos 3.4 critério de julgamento e destino 3.5 agente etiológico Considerando que a suinocultura é uma atividade expressiva na região em estudo, foi oportuna a realização do levantamento de condenações por linfadenite no período de janeiro de 2007 a dezembro de 2007, no Matadouro Frigorífico Mabella de Itapiranga, que é responsável por cerca de 44,90% do total do abate da região, compreendendo 8 municipios: Itapiranga, São João do Oeste, Tunápolis, Caibi, Mondai, São José do Cedro, Iporã do Oeste e Guarujá do Sul. Para tanto, foram preenchidas planilhas com informações mensais sobre o número total de suínos abatidos, região anatômica, peso das carcaças, a procedência, a identificação do agente etiológico por meio de exame laboratorial, a quantidade de suínos com linfadenite e critério de julgamento e destino das carcaças, dando o aproveitamento condicional, graxaria ou liberadas, conforme o julgamento pelo Serviço de Inspeção Federal ( SIF) por ocasião do abate.

10 10 2 LINFADENITE 2.1 DEFINIÇÃO Segundo SOBESTIANKI et alii, (2007) são enfermidades que consistem na formação de processos inflamatórios tuberculóides, principalmente, localizados em linfonodos linfáticos. Podem generalizar-se, atingindo vários órgãos, dependendo do agente etiológico. 2.2 ETIOLOGIA A doença é causada pela infecção por diferentes espécies de Mycobacterium sp. Em geral, 3,6% das micobacterioses em suínos são causadas pelo M.bovis, e 96,4% pelo M.avium. Entre os outros Mycobacterium sp capazes de causar a doença em suínos, citamse M.tuberculosis, M.intracellulare e M.scrofulaceum EPIDEMIOLOGIA Martins (2001) cita que a ocorrência de tuberculose em suínos está relacionada com a possibilidade de contato direto ou indireto com bovinos, pessoas e aves contaminados por micobactérias. A transmissão de micobactérias também é possível de suíno para suíno. O M.bovis pode ser transmitido a suínos por ingestão de produtos derivados de leite contaminado, fezes, ou restos de carne bovina não cozida. A freqüência com que ocorrem lesões nos linfonodos cervicais e mesentéricos de suínos indica que a infecção ocorre na maior parte dos casos por via oral (ingestão de material contaminado). N.Morês (2007) cita o solo contaminado por fezes de aves, bem como a maravalha contaminada por Mycobacterium.avium, como importantes fontes para a infecção de suínos. Pássaros selvagens também podem ser fonte de tuberculose do tipo aviário. O contato entre suínos permite a transmissão de micobactérias de animal a animal, e a eliminação ativa do MAC ocorre por meiodas fezes por um período que pode variar de 16 a 65 dias após a infecção. As micobactérias são eliminadas pelas fezes, tendo sido

11 11 também, demonstrada a sua presença nas amígdalas de suínos, podendo ser essa igualmente uma fonte de infecção. 2.4 PATOGENIA No local onde se fixam, no organismo dos suínos, os bacilos da tuberculose são englobados pelos macrófagos e produzem inflamação granulomatosa composta de células e líquido. O tubérculo é formado, principalmente, pela proliferação de células no local. Esses nódulos iniciais podem permanecer estacionários ou evoluir para lesões inflamatórias progressivas, cujo centro apresenta necrose com material caseoso. Metástases podem ser disseminadas em vários órgãos, especialmente quando o agente etiológico é o M.bovis. 2.5 LESÕES As lesões são geralmente limitadas aos linfonodos da cabeça e mesentéricos. Consistem em pequenos nódulos amarelados caseosos de poucos milímetros, ou podem atingir todo o linfonodo. É difícil estabelecer a diferença entre lesões causadas pelo bacilo aviário e as infecções por bacilo bovino em linfonodos linfáticos, mas algumas características podem servir como parâmetros: a) em infecções por bacilo aviário, raramente fica demonstrada a calcificação; b)não há tendência à formação de cápsula em torno das lesões; c)as lesões causadas por bacilos aviários são de difícil enucleação. Em contraste, lesões causadas por M.bovis ou M.tuberculosis, geralmente, são encapsuladas e são fáceis de separar dos tecidos adjacentes. Geralmente, em infecções por bacilos do tipo mamífero, há formação de calcificações nas lesões. No entanto, essas diferenças não podem ser tomadas como regra geral, pois existem diferentes tipos de apresentação das lesões tuberculosas em linfonodos de suínos. Lesões generalizadas de tuberculose em suínos, geralmente, são causadas pelos bacilos do tipo bovino, mas podem também ser devidas à infecções por M.avium. Podem constar de poucos focos em alguns órgãos, ou nódulos maiores, envolvendo fígado, baço, pulmões, rins e vários linfonodos. Geralmente, são observados no abate de animais adultos. Segundo o RIISPOA, Artigo 196 (1952), os critérios utilizados na inspeção de tuberculose em suínos,no frigorífico, são de modo geral os seguintes:

12 12 1) carcaças com lesões em um sistema (ex: linfonodos da cabeça) são destinadas ao consumo humano, após removida a parte afetada; 2) carcaças com lesões em dois sistemas (ex: linfonodos cervicais e mesentéricos) são aproveitadas mediante cozimento; 3) carcaças com lesões em mais de dois órgãos ou sistemas (ex: além das citadas mais o fígado ou o pulmões) são condenadas e não se destinam ao consumo. Em suínos com linfadenite necrótica não ocorre bacteriemia, de onde se conclui que o consumo de carne suína com esse tipo de infecção localizada não proporciona contaminação humana. 2.6 DIAGNÓSTICO O diagnóstico clínico é praticamente impossível de ser realizado, sendo necessário o exame macroscópico e histopatológico de lesões e coloração de esfregaços em lâmina para baciloscopia. É necessário estabelecer diferenças entre processos tuberculosos e lesões causadas por Rhodococcus equi, por meio do isolamento dos agentes etiológicos e tipificação no laboratório. Os suínos se infectam e desenvolvem lesões com os bacilos da tuberculose aviária e bovina. Conforme a Instrução Normativa (IN) n 19 (19/02/2002) do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), os testes devem ser executados, utilizando-se tuberculinas do tipo aviário e bovina injetando nas duas orelhas, uma em cada orelha respectivamente. A dose recomendada é 0,1ml, via intradérmica, e a leitura deve ser feita em 48 horas após aplicação, com intervalo de 6 meses, em prova comparativa com tuberculina PPD bovina e PPD aviária. A leitura deverá ser feita com uso de régua milimétrica, medindo-se o diâmetro maior da reação. A interpretação do teste será dada com base no rebanho, considerando a média aritmética das reações superiores a 0,5 cm. A granja terá cumprido as condições exigidas para tuberculose se todos os animais forem negativos para PPD bovina, ou se houver reação positiva, desde que a média do diâmetro das reações à PPD bovina seja inferior à média do diâmetro das reações à PPD aviária.

13 13 A granja será considerada positiva para tuberculose se a média do diâmetro das reações à PPD bovina for maior que a média do diâmetro das reações à PPD aviária. Neste caso, a granja será suspensa, devendo ser aplicadas medidas de saneamento. No caso da média do diâmetro das reações à tuberculina PPD aviária ser maior que a média das reações à tuberculina PPD bovina, a granja será considerada infectada por micobactérias do complexo avium. Nesse caso, a granja não perderá a certificação e deverá ser implantado, no estabelecimento, um programa de controle. Em caso de dúvidas na interpretação das reações às tuberculinas, a granja perderá, temporariamente, a certificação até que seja concluído o diagnóstico, baseado em provas laboratoriais de identificação das micobactérias envolvidas. 2.7 CONTROLE O controle da tuberculose em rebanhos suínos, depende da eficiência dos métodos de diagnóstico empregados (tuberculinização, exame em frigorífico, exame laboratorial de lesões). O estudo epidemiológico, quando bem executado, revelará as possíveis fontes de infecção (bovinos, aves domésticas, aves silvestres, material utilizado como cama). Para controle das infecções por MAC, em suínos, não há vacina disponível, o tratamento é economicamente inviável. Na prática, o objetivo principal é reduzir a ocorrência da doença, com o menor custo possível, proporcionando maior segurança sanitária para os consumidores de carne suína. Assim sendo, foram executados estudos epidemiológicos com o objetivo de identificar os principais fatores de risco associados à ocorrência de micobacteriose suína na região Sul do Brasil, para permitir uma intervenção racional, visando ao controle. Cita-se dois casos abaixo, segundo pesquisa realizada pela EMBRAPA - Suínos e Aves (Concórdia-SC). 1) Um estudo caso-controle foi realizado em 99 sistemas de produção em ciclo completo da região Sul. Foram avaliadas mais de 200 variáveis associadas a manejo, sanidade e instalações, em 33 granjas positivas para MAC, identificadas no abate e confirmadas por bacteriologia e histologia, e, em 66 granjas, com histórico negativo de linfadenite no abate, retroativo a dois anos. Nos sistemas de produção de suínos em ciclo completo foram identificadas três fatores de risco para linfadenite granulomatosa:

14 14 a) Dimensão do rebanho igual ou maior de 25 matrizes: OR (Odds Ratio) = 4,2. É importante salientar que nesse fator de risco é impossível intervir, porque a tendência é contrária, ou seja, aumento dos tamanhos dos plantéis. b) Não ter piso ripado ou parcialmente ripado: OR (Odds Ratio) = 3,6. c) Má qualidade da higiene da creche por ocasião da visita, por meio de uma avaliação subjetiva feita pelo técnico, considerando a higiene dos animais, das baias, dos comedouros e do prédio: OR = 2,9. Para entender melhor o valor da OR, tomamos como exemplo o fato de a granja não ter piso ripado ou parcialmente ripado na creche, o que significou uma OR = 3,6. Isso quer dizer que granjas que não dispõe desse tipo de piso apresentam 3,6 vezes mais chances de ter a doença. Portanto, o piso ripado protege contra a doença, e isso ocorre porque impede que os suínos entrem em contato com material contaminado da baia (fezes, urina, resto de ração, poeira). Os itens "b" e "c" mostram que as condições de higiene das criações, especialmente na fase de creche, predispõe a ocorrência da linfadenite. Esse resultado é coerente com o fato de que o suíno infectado leva 3 a 4 meses para desenvolver lesões visíveis ao abate, tempo transcorrido entre a fase de creche e a idade de abate. A validação desses resultados foi realizada por meio de intervenção sobre os fatores de risco em granjas de ciclo completo, com histórico de condenações de carcaças pela doença, igual ou superior a 5%, durante seis meses antes do início do plano de controle. As ações implementadas nessas granjas foram baseadas em um programa rígido de limpeza e desinfecção, com atenção especial às fases iniciais da criação (maternidade e creche). Nos rebanhos em que as medidas de controle foram implementadas, por meio da correção desses fatores de risco, as condenações por essa doença tornaram-se insignificantes em 6 meses após o início da intervenção. É importante lembrar que uma redução significativa da freqüência da doença somente será observada quando forem abatidos os suínos criados após a intervenção, ou seja, os que foram criados na ausência dos fatores de risco. Outro trabalho de identificação de fatores de risco, em unidades de terminação, indicou que a má higiene dos comedouros e bebedouros, a água não tratada, a má conservação das instalações, o transporte de ração e animais com o mesmo caminhão, a produção de ração na propriedade, o acesso de outros animais à fabrica de ração, a estocagem de ração pronta em caixas ou sacos abertos e o manejo na produção de animais, em sistema contínuo, são fatores associados à alta prevalência de linfadenite.

15 15 A maioria dos fatores de risco identificados nos dois estudos estão diretamente relacionados à má qualidade da higiene nas criações, o que pode ser perfeitamente corrigido por meio de programas adequados de limpeza e desinfecção. Sabe-se que os suínos se infectam predominantemente por via oral com as micobactérias, que são eliminadas nas fezes dos suínos infectados, contaminando o ambiente. A explicação biológica para esse fato é que o excesso de matéria orgânica presente nas baias, onde os suínos são criados, protege as micobactérias presentes e favorece a sua multiplicação em quantidades suficientes para provocar a doença nos animais. A grande vantagem desse tipo de estudo é o fato de possibilitar uma intervenção racional, permitindo avançar no controle da doença com grande economia de custos. A maior desvantagem é a impossibilidade de extrapolação dos resultados de uma região para outra, devido a características peculiares de cada uma, o que justifica a elaboração de estudos em diferentes regiões produtoras. 2) Fatores de Risco, na Fase de Crescimento-Terminação, Associados à Ocorrência de Linfadenite em Suínos. Foi possível classificar as 60 UT estudadas em quatros classes, conforme a ocorrência de linfadenite EMBRAPA Suínos e Aves : LINFA1: _ 1,0% = insignificante; LINFA2: > 1,0 _ 5,0% = baixa; LINFA3: > 5,0 _ 10,0% = moderada, e LINFA4: > 10,0% = alta. Das variáveis explicativas analisadas, potenciais fatores de risco, identificaram-se nove que melhor explicaram a ocorrência de linfadenite nas granjas. Os rebanhos com maior ocorrência de linfadenite apresentaram o seguinte perfil: 1 realizam o transporte de rações e animais no mesmo caminhão; 2 produzem rações na propriedade; 3 outros animais, como cães, gatos e pássaros têm acesso à fabrica de rações; 4 estocam as rações em sacos abertos ou caixas sem tampa; 5 não tratam a água fornecida aos animais; 6 trabalham com sistema contínuo de produção, sem vazio sanitário; 7 bebedouros e/ou comedouros estavam sujos por ocasião da visita;

16 16 8 o estado de conservação das instalações é regular ou ruim, o que dificulta a higienização. A alta ocorrência de linfadenite, em rebanhos com esse perfil, provavelmente, devese a maior possibilidade dos suínos se contaminaram por MAC, uma vez que essa bactéria é eliminada nas fezes de suínos infectados, e a principal via de contaminação é a oral. As possíveis fontes de infecção são materiais contaminados por MAC como alimentos, cama, água, solo e fezes do próprio suíno. Portanto, a maior ocorrência de linfadenite está associada a fatores ligados à péssima qualidade da higiene dos rebanhos, do maior contato dos suínos com fezes, e à falta de medidas de biossegurança relacionadas com o alimento fornecido aos suínos. 9 nas estratégicas de controle da linfadenite em granjas infectadas, esse perfil deve ser evitado, a partir das seguinte recomendações: 1 manter os comedouros e bebedouros limpos; 2 fornecer aos animais água tratada ou potável; 3 manter as instalações em bom estado de conservação para facilitar a higienização; 4 não transportar ração ou insumos para rações com o mesmo caminhão que transporta os suínos; 5 quem faz ração na propriedade, evitar o acesso de animais à fábrica de rações, manter boa higiene e usar calçados, pás e vassouras específicos para o local; 6 estocar as rações em silos, sacos fechados, ou caixas com tampa; 7 trabalhar com sistema de produção em lotes com vazio sanitário. É importante salientar que muitos suínos, que apresentam lesões de linfadenite no abate, podem ter sido infectados precocemente nas fases de maternidade e creche. Este estudo avaliou apenas unidades de terminação, mas em outro trabalho, envolvendo criações em ciclo completo, os fatores de riscos identificados, também estavam relacionados às questões higiênicas, principalmente, na fase de creche. Portanto, nas estratégias de controle da infecção por MAC, é muito importante prever ações nas granjas produtoras de leitões, baseadas em medidas para evitar a contaminação dos suínos por via oral e pelo uso de desinfetantes com ação microbicida sobre o MAC, como, o hipoclorito de sódio e derivados fenólicos. O hipoclorito de sódio apresenta o inconveniente de ser corrosivo, quando usado em instalações com ferro e de ser volátil, portanto, uma vez preparada a solução deve ser usada imediatamente. No comércio, o hipoclorito de sódio pode ser encontrado em duas

17 17 concentrações básicas: o concentrado com 10 a 12% de cloro ativo deve ser usado na diluição de 1:100 nas desinfecções das instalações e a água sanitária com 2 a 2,5% de cloro ativo deve ser usado na diluição de 1:20 nas desinfecções das instalações. Quanto aos derivados fenólicos, testou-se em laboratório, com bons resultados frente ao MAC, um composto com a seguinte composição: 12% de orto-fenilfenol 99%; 10% de orto-benzil paraclorofenol 10%; 4% de para-terciário amilfenol 98,5% e 74% de veículo qsp. Produtos com essa composição devem ser usados na diluição de 1:256 nas desinfecções das instalações. Nesse aspecto, atenção especial deve ser dada à lotação, fornecendo espaço tecnicamente recomendado para cada fase de produção; os comedouros e bebedouros devem ser de boa qualidade para evitar a contaminação da ração e água, respectivamente com fezes dos próprios suínos; evitar o fornecimento de ração no chão (no piso) para porcas e leitoas do plantel.

18 18 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 REGIÃO ANATÔMICA A presente pesquisa teve como base os critérios de levantamentos de dados no Matadouro Frigorífico Mabella, consistindo em suas análises; configurando ainda, sua importância sócio-econômica, com reflexo direto para a agroindústria, como também, para as demais etapas da cadeia e para toda a cadeia alimentar. A Quantidade de lesões encontradas na inspeção pós morte foi num total de de um total de animais abatidos no Matadouro Frigorífico Mabella, dos 8 municípios considerados no trabalho, resultando numa média de 11,49%, realizado no ano de Conforme tabela a seguir não houve variação significativa na média de achados de lesão nos municípios de maior volume de abate (Itapiranga e São João do Oeste), que representam 72,42% do total de animais abatidos. Observando o que mostra a tabela, podemos salientar uma média bastante alta de achados de lesões por linfadenite, no município de Caibí, que foi de 22,01%. Devido ao fato de que a maior parte dos animais abatidos, procedentes dessa região virem de uma propriedade com problemas de manejo higiênico e sanitário (ciclo completo).

19 19 Quadro 1 Distribuição de achados de linfadenite distribuídos por: municípios, total de animais abatidos, número de animais com a lesão, região anatômica, percentual encontrado durante o período de JANEIRO a DEZEMBRO 2007 MUNICIPIO TOTAL DE ABATIDOS ANIMAIS COM LESÃO REGIÃO ANATÔMICA Nº DE PROP. E PERCENTUAL LINFONODOS Itapiranga Mesentérico ,76 % Cefálico 383 6,22% Mediastínico 184 2,99% Carcaça 89 1,45% Mesen+cefálico 84 1,36 % Mesen/cef/ méd 14 0,22 % São João Do Oeste Mesentérico ,44% Cefálico 228 6,17 % Mediastínico 72 1,95 % Carcaça 61 1,65 % Mesen+Cef 48 1,30% Mesen/cef/méd 18 0,49% Tunápolis Mesentérico ,99 % Cefálico 107 6,02% Mediastínico 61 3,43 % Carcaça 39 2,20 % Mesen+cef. 35 1,97% Mesen/cef/méd 7 0,39 % Caibi Mesentérico ,62 % Cefálico 113 4,95 % Merdiastínico 33 1,45 % Carcaça 48 2,11% Mesen.+cef. 16 0,70 % Mesen/cef/méd 4 0,17 % Mondai Mesentérico ,91% Cefálico 4 2,48% Merdiastínico 4 2,48% Carcaça 31 19,26% Mesen+cef. 3 1,87% Guarujá do Sul 28 2 Mediastínico ,00% Méd +cef. 1 50,00% São José do Cedro Mesentérico ,50% Mediastínico 3 18,75% Mesen/cef/méd 1 6,25% Carcaça 1 6,25% Mesen+cef 1 6,25% Iporã do Oeste Mesentérico ,34% Cefálico 4 4,76% Mediastínico 6 7,14% Carcaça 1 1,19% Mesen+cef 2 2,38% Mesen/cef/méd 1 1,19%

20 20 Figura 1 Intestinos de Suínos: Lesão de linfadenite nos linfonodos mesentéricos Figura 2 Pulmões de Suínos: Lesão de Linfadenite no linfonodo dos pulmões

21 21 Conforme levantamanto realizado no ano de 2007, referente à quantidade de linfonodos com lesão de linfadenite encontrados por região anatômica, podemos distribuir da seguinte maneira: Mesentérico com um índice de 88,02%, Cefálico 5,90%, mediatísnico 2,56% carcaça 1,90%; mesen.+cef. 1,31%, mesen.+cef.+méd. 0,31%. Em comparação ao trabalho desenvolvido por Mores (2006) Embrapa Suínos e Aves, em 2006, ocorreu uma pequena variação de 1, 28%, sendo que os linfododos de maior incidência (mesentérico e cefálico) da doença teve o mesmo resultado com relação aos achados de lesões, conforme a região anatômica, sendo um dos motivos que o trabalho foi realizado numa região mais restrita de um estado ou seja extremo oeste de Santa Catarina, sendo que a nossa amostra analisada foi maior, abrangendo 8 município e em um Frigorífico. 3.2 PESO DE CARCAÇAS Para o levantamento do peso das carcaças e a sua distribuição de freqüência, dentro de cada lote com a ocorrência da linfadenite, conseguimos analisar no período de abate, em carcaças anotadas pelo serviço de inspeção, a confirmação de linfadenite. A bibliografia consultada não faz nenhuma referência em fase ou peso de carcaças da maior ocorrência das linfadenites. Observamos em nossa pesquisa, que o abate de matrizes correspondia a animais bem mais pesados, porém é mínima a incidência da linfadenite, provavelmente por estarem em estado anérgico, mas podem ser portadoras do agente e serem transmissoras. Na metodologia implementada, foram realizados levantamento dos pesos das carcaças com incidência de linfadenite com o percentual de cada lote diário e, a sua distribuição de freqüência de peso nesses lotes analisados foi de 5/5kg. Acompanhamos o levantamento no período de 23/11/07 a 21/12/07, totalizando 54 lotes abatidos no frigorífico com linfadenite neste período; ocorrendo uma maior incidência, ou seja, maior percentual de linfadenite na faixa de peso de 80 kg a 84 kg com 20,1% da ocorrência dos casos, tendo o percentual repetido com valores iguais em 15 lotes com idêntica percentagem. Mesmo que um grande número de carcaças, na faixa de 80 a 84 kg, foi desviada para o departamento de inspeção final, onde muitas tiveram aproveitamento condicional,

22 22 não chegando a trazer problemas econômicos com relação à utilização dessa matéria prima para a empresa, considerando que em certas épocas do ano, além da utilização dos recortes obtidos na desossa, as carcaças de aproveitamento condicional (produtos cozidos) são insuficientes para atender a demanda do mercado de industrializados. Durante o abate, a ocorrência de linfadenite acarreta transtornos, como: desvio ao Departamento de Inspeção Final (DIF), a demora no fluxo da toalete, e maior custo operacional na linha da indústria. Figura 3 Inspeção post mortem: Exame das meias carcaças de suínos na sala de matança.

23 23 Gráfico 1 AVALIAÇÃO DO PESO DAS CARCAÇAS NO PERÍODO DE 23 DE NOVEMBRO A 21 DE DEZEMBRO DE 2007 FAIXA DE MAIOR OCORRÊNCIA DE LINFADENITE Peso TOTAL DE CARCAÇAS AVALIADAS: 1.403

24 PROCEDÊNCIA DOS SUÍNOS Figura 4 Rampa de Desembarque: Chegada dos suínos no Matadouro Frigorífico. Quadro 1 Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período janeiro de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Graxaria Quadro 2. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período fevereiro de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Mondaí

25 25 Quadro 3. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período março de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Mondaí São José do Cedro Iporã do Oeste Caibi Quadro 4. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período abril de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste Caibí Quadro 5. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período maio de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste Quadro 6. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período junho de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste

26 26 Quadro 7. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período julho de 2007 Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste Mondaí Quadro 8. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período agosto de Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste Caibí Quadro 9, Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período setembro de Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis São José do Cedro Iporã do Oeste Caibí Mondaí Guarujá do Sul 01 06

27 27 Quadro 10. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período outubro de Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Iporã do Oeste Caibí Mondaí Quadro 11. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período novembro de Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Iporã do Oeste Caibí Mondaí São José do Cedro Guarujá do Sul Quadro 12. Procedência dos suínos, número de propriedades, número de suínos abatidos, linfadenite, critério de julgamento e destino, período dezembro de Município Número de Suínos Casos de Aproveitamento Graxaria propriedades abatidos linfadenite condicional Itapiranga São João do Oeste Tunápolis Iporã do Oeste Caibí Mondaí São José do Cedro Guarujá do Sul 01 07

28 28 SÃO JOÃO DO OESTE Foram abatidos, no ano de 2007, suínos no frigorífico Mabella, com uma média mensal de suínos. Sendo que foram destinadas para o DIF durante esse ano carcaças, dando um percentual de 11,45% dos casos de linfadenite referente ao total do município no ano. A média mensal de suínos destinados ao DIF é de 316 animais, desses 8 suínos foram para aproveitamento condicional no mês, 7 para a graxaria, e 99 suínos para aproveitamento condicional no ano. O total de carcaças foram liberadas para o mercado interno, sendo que 2,6% no aproveitamento condicional, acarretando transtorno na oferta e renda econômica. ITAPIRANGA Foram abatidos no ano de 2007, nesse município, suínos no frigorífico Mabella, com uma média mensal de 4,066 suínos. Sendo que foram destinados do DIF durante esse período carcaças, dando um percentual de 12,30% dos casos de linfadenite referente ao total do município no ano. Média de 500 suínos destinados para o DIF ao mês. O total do rebanho desse município é de suínos, dados do mês de dezembro de 2007, dos quais 30,91% foram abatidos no Mabella. TUNÁPOLIS Foram abatidos suínos no ano de 2007, correspondem a 17,41%, do total, com uma média mensal de 1785 suínos, sendo esse município localizado próximo ao frigorífico com uma distância de 40 km. Também teve uma prevalência de 8,29% de casos de linfadenite, com aproveitamento condicional 71 carcaças, sendo 0,33% do abate total, e 0,04% destinados para a graxaria; CAIBI Os suínos com procedência desse município, distante 60 km do frigorífico, foi de animais, representando 8,23% do volume de abate do ano de O município teve um diferencial no número de casos elevados em comparação com os demais municípios, em torno de 22,19% de linfadenite, mas apenas 0,27% para aproveitamento condicional e 0,039% para graxaria. Isso se deve também à predominância na maior quantidade de suínos fornecidos somente por um produtor, que permanece com uma granja

29 29 de suínos com ciclo completo, não mais utilizado pelos demais criadores nos dias de hoje, nas integrações. MONDAÍ A quantidade de suínos oriundos desse município foi de 1657 animais, representando 1,34% do total do ano de 2007, com 8,26% de prevalência de linfadenite e 0,18% para aproveitamento condicional. Sendo uma incidência semelhante aos demais municípios, estando a uma distância de 50km do frigorífico. IPORÃ DO OESTE, GUARUJÁ DO SUL E SÃO JOSÉ DO CEDRO Os suínos originados desses municípios são 926 animais, com 0,75% do volume total de abate no ano sendo pouco significativo; em função de serem somente animais de descarte (matrizes), mas com 11,98% de ocorrência de linfadenite e 0,53% de aproveitamento condicional (cozido), 0,10% destinado à graxaria. O município de Iporã do Oeste está distante 30km, e os municípios de Guarujá do Sul e São José do Cedro em torno de 90km do mesmo frigorífico. Quadro 13. Abate de suínos mensal, número de casos de linfadenite, critério de julgamento e destino de suínos provenientes dos municípios estudados,incluindo também alguns animais oriundos do Estado do Rio Grande do Sul, abatidos no Matadouro Frigorífico, no período de janeiro a dezembro de ANO MÊS ABATE CASOS LIBERADOS CONDENADOS % CASOS % CONDENADOS 2007 JANEIRO ,2708 5, FEVEREIRO ,9355 3, MARÇO ,9558 3, ABRIL ,5402 2, MAIO ,1442 5, JUNHO ,1291 4, JULHO ,1672 1, AGOSTO ,2980 1, SETEMBRO ,1250 1, OUTUBRO ,4892 2, NOVEMBRO ,4612 3, DEZEMBRO ,6835 2,6201

30 CRITÉRIO DE JULGAMENTO E DESTINO O critério de julgamento e destino utilizado no matadouro frigorífico sob inspeção federal, seguiu o mesmo padrão do critério estabelecido pelo REGULAMENTO DE INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (RIISPOA) e Portaria nº 711, 01/11/95. A inspeção de linfonodos de órgãos e carcaças é iniciada pelo exame da região da cabeça e papada, no caso do auxiliar encontrar lesão, a mesma será identificada com uma chapinha de cor azul. Posteriormente, na mesa de inspeção, são examinadas as vísceras vermelhas e brancas, sendo primeiro examinados os intestinos (linfonodos mesentéricos), a seguir, os pulmões (linfonodos mediastínicos) e, na seqüência, os demais órgãos e no caso de alguma anormalidade é colocada uma chapa de metal numerada coincidindo com a chapa das meias carcaças. As carcaças são examinadas na linha, sendo também realizada a identificação das demais peças, incluindo as meias carcaças para o desvio junto ao Departamento de Inspeção Final, submetendo-as a novos exames pelo Médico Veterinário. Figura 5. Meias carcaças de suínos: Exame no Departamento de Inspeção Final realizada pelo Médico Veterinário.

31 31 No Departamento de Inspeção Final foram utilizados três destinos: 1º) Liberada para mercado interno - quando após inspecionada for constatada a ocorrência de lesão em apenas um sítio ou 1 órgão (ex: intestinos ), essa carcaça é carimbada NE (não exportável) e liberada para a linha onde são agrupadas numa mesma câmara. 2º) Aproveitamento condicional industrialização (cozidos) quando após inspeção for constatada a ocorrência de lesões em 2 sítios ou 2 órgãos (ex.: na região da cabeça e intestino). Essas carcaças, após coureadas são enviadas para a câmara de seqüestro, onde permanecem até atingir a temperatura interna do pernil de 5 Cº para serem desossadas, embalada rotuladas como matéria prima para embutidos cozidos. 3º) Graxaria quando após inspecionada for constatada a ocorrência de lesões em 3 sítios ou 3 orgãos, ( ex.: linfonodos dos intestinos, cabeça, pulmões e alguns casos carcaça). Como norma geral sempre as vísceras vermelhas e brancas são destinadas para a graxaria, independente da extensão da lesão de linfadenite encontrada. Todas as carcaças desviadas para o DIF, por motivo de algumas anomalia, quando estas forem liberadas, são todas identificadas por meio de carimbo NE (não exportável). Conforme a Portaria n 711, do MAPA, página 82 letra R. 3.5 AGENTE ETIOLÓGICO Como o diagnóstico clínico é praticamente impossível de ser realizado, sendo necessário o exames histopatológico de lesões assim como o isolamento dos agentes etiológicos das ocorrências de linfadenite, servindo como respaldo para os critérios de destino realizados no DIF. Durante o período de levantamentos de dados, com relação a ocorrência de linfadenite em carcaças, foram coletadas amostras de várias regiões anatômicas das carcaças e órgãos, sendo linfonodos com lesões granulomatosa, lesões semi-calcificadas e totalmente calcificadas, utilizando como meio de conserva o formol a 10%. Considerando o município de Itapiranga e São João do Oeste/SC entre os 8 municípios em estudo, que tiveram o maior número de suínos abatidos.

32 32 Nesse período de levantamento, foram enviadas amostras no dia 30/11/07 de um lote de 404 animais abatidos, mossa 666 de uma propriedade do município de São João Do Oeste/SC, que teve índice de 7,8% de casos de linfadenite. No dia 04/12/07, foi enviado um lote de 229 animais abatidos, mossa 777 e, também, no dia 05/12/07, de um lote de 300 animais abatidos, mossa 999, ambos de propriedades de Itapiranga/SC, que tiveram um índice 8,2% de casos de linfadenite. Figura 6. Tecido Pulmonar com Linfonodos com lesões macroscópicas de linfandenite: Parte de traquéia, apresentando lesões de linfandenite, que se caracterizavam por formações granulomatosas, de características consistentes e coloração amarelada. Todas essas amostras citadas foram enviadas ao Laboratório da CEDISA ( Centro de Diagnóstico de Sanidade Animal) em Concórdia/SC, onde foi realizada a identificação do agente pelo exame de imunoistoquímica para Mycobacterium do complexo avium: tiveram reações fortemente positivas, reações positivas e reações pouco positivas. Convém salientar que as amostras da propriedade do município de São João do Oeste, mossa 666 e as amostras do município Itapiranga, mossa 777, os linfonodos apresentavam lesões granulomatosa multicêntricas com calcificação central (mineralização), apresentaram resultados com reações fortemente positiva e reações positivas.

33 33 Na terceira amostra analisada, sendo de um lote de 300 animais, de uma propriedade do município de Itapiranga, mossa 999 teve como resultado uma reação pouco positiva, mostrando lesões sem calcificação central, provavelmente por ser uma lesão ainda recente. No entanto, em suínos existem diferentes tipos de apresentação das lesões tuberculosa em linfonodos, essas diferenças não podem ser tomadas como regra geral referente à presença ou não de calcificação. Figura 7. Tecido adiposo (banha rama) da cavidade abdominal - Linfadenite generalizada, tamanho variado. Outras cinco amostras de diferentes regiões anatômicas foram enviadas no dia 18/09/2007 para exame histopatológico para o Laboratório TECSA de Chapecó/SC. Nesse caso, foram enviadas amostras de suínos de uma propriedade de Caibi/SC devido a alta incidência de linfadenite dos lotes abatidos em 2007 com um índice em torno de 22%, que, inclusive, levou a mobilização de todo o corpo técnico dessa granja (ciclo completo), para que fossem tomadas medidas sanitária de controle e redução dos índices. A maioria das lesões foi encontrada nos linfonodos do mesentérico do tipo granulomatosa, nesse caso, indica que a infecção ocorre na maior parte dos casos via oral ingestão de material contaminado. As análises das amostras apresentaram grande quantidade de células

34 34 linfocitária, observadas nas lesões e nenhum relato de calcificação. Tendo sido concluído por meio do exame como Linfadenite Congestiva Discreta.

35 35 4 CONCLUSÃO Conforme dados levantados, no ano de 2007, no Frigorífico Mabella, quanto à condenação de carcaças pela ocorrência de linfadenite, considerando os animais abatidos oriundos do sistema de fomento da Empresa Mabella e da Cooper A1, onde a atividade de suinocultura desenvolve-se praticamente na sua totalidade por fases sendo que a 1ª fase iniciação, 2ª fase crechário e 3ª fase terminação. Como os suínos levam em torno de 3 meses para a completa terminação, quando são levados para o abate; pode ter ocorrido no decorrer deste tempo o contato com o agente infeccioso que em condições de baixa imunidade pode desenvolver, sendo por vezes detectadas somente na sala de matança por meio das lesões macroscópicas. Provavelmente, a maior contaminação deve ocorrer principalmente na fase de crechário, pelo contingente de animais de várias propriedades, assim como, podem ser recebidos animais contaminados, o que facilita a disseminação, principalmente, levandose em consideração a presença de animais jovens com maior sensibilidade para a ação do agente infeccioso. Em relação aos achados das lesões e sua distribuição em relação às regiões anatômicas nos órgãos e carcaças, observamos que os percentuais encontrados eram coincidentes com a literatura consultada. Sendo constatado que, na maior parte das ocorrências com duas (2) lesões simultaneamente, foram identificadas, predominantemente, na região da cabeça e nos linfonodos mesentéricos. Pela análise laboratorial foi detectado reações positivas na imunohistoquímica para Mycobacterium do Complexo avium em linfonodos, com lesões granulomatosas das diversas regiões anatômicas coletados. No levantamento de peso das carcaças, primeiramente, a hipótese formulada era que carcaças mais pesadas e, animais de mais idade seriam as de mais incidência de linfadenite, no entanto, configuramos na pesquisa realizada, que as carcaças na faixa de 80 a 84 kg tiveram o maior índice de condenação.

36 36 Quanto à procedência, não ficou evidenciado que o número de propriedades tenha alterado o índice encontrado, quando o abate era menor com menos propriedade e quantidade de suínos, que gira em torno de 10 a 12% com exceção da localidade do município de Caibi com índice próximo a 20% de casos de linfadenite. Essa propriedade apresenta um diferencial aqui na região por ser uma das poucas propriedades a desenvolver essa atividade no sistema de ciclo completo, dificultando o controle dessa enfermidade, sendo que ficou evidenciado, na inspeção das carcaças e órgãos, que a maioria das lesões se restringiu a apenas um órgão ou um sítio (intestino mesentéricos), em torno de 91% dos casos, critérios de destinos praticados conforme o RIISPOA. Dados do Serviço de Inspeção Federal (SIF), na região sul do Brasil, relatam que a prevalência de lesões de linfadenite granulomatosa nos suínos abatidos varia entre 0,2 a 0,5% de acordo com relato de Mores (1999). Já, os dados do extremo oeste de Santa Catarina tiveram uma prevalência semelhante, que ficou com uma variação entre 0,2 a 0,63%, acima da região sul do país. O trabalho realizado, no Matadouro Frigorífico Mabella, apresentou um percentual superior nos achados de linfadenite aos dados encontrados por Mores (janeiro de 1997 a dezembro de 1999), possivelmente devido a maior quantidade de carcaças analisadas, sendo que a região do extremo oeste de Santa Catarina apresenta uma grande concentração de suínos e aves. Em conseqüência, um maior trânsito de animais, aumentando o risco, este levantamento foi realizado em um único estabelecimento de abate, ao passo que o autor realizou na região sul do Brasil e em 9 estabelecimentos frigorificos com SIF. Comparado aos dados de Mores, nossos achados demostram uma evolução da enfermidade, representado pelo aumento percentual na recente pesquisa.

37 RECOMENDAÇÕES Implementar, no País, um sistema de informações unificado, que possibilite a obtenção de dados sobre o abate, condenações e destinos das carcaças e realização de estudos econômicos de órgãos e carcaças acometidas pela linfadenite. Usar o teste de tuberculinização, pareada com PPD, aviária e bovina, para diferenciar rebanhos suínos infectados com MAC daqueles com M. bovis. Em granjas infectadas, implementar programas permanentes de controle da linfadenite, causada por micobactérias do Complexo Mycobacterium avium, baseados em medidas higiênico-sanitárias, na identificação e correção do fatores de risco: a) utilizando desinfetantes com boa ação microbicida sobre as micobactérias como derivados fenólicos e hipoclorito de sódio; b) realizar limpeza e desinfeção dos reservatórios de água, com hipoclorito de sódio, pelo menos a cada 6 meses; c) realizar um exame detalhado da granja com o objetivo de identificar tudo o que pode ser feito no sentido de reduzir o máximo possível a ingestão de alimento ou água contaminada com a matéria orgânica, presente nas baias fezes, urina, restos de ração, etc. (sujeiras); d) evitar que outros animais domésticos ou silvestres, principalmente as aves, tenham acesso à fábrica de ração, aos depósitos de ração e maravalha e às instalações dos suínos; e) granjas de suínos, que serão implantadas ou reformadas, devem dar preferência à colocação de pisos parcial ou totalmente ripados nas fases de creche e de crescimento para reduzir o contato dos leitões com a matéria orgânica presente nas baias, como fezes, urina, restos de ração. Como medida de precaução recomenda-se tomar cuidado na compra de suínos, e só introduzir aqueles provenientes de granjas, onde as condições sanitárias sejam satisfeitas, principalmente, nos rebanhos onde a doença nunca tenha sido constatada. Caso as informações de ocorrência da doença no rebanho de origem não sejam disponíveis, sugerese realizar a quarentena dos animais e testá-los com a PPD bovina e aviária antes de introduzi-los no rebanho.

Comunicado Técnico. Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil. Introdução.

Comunicado Técnico. Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil. Introdução. 0,1,67e5, ' $*5,&8/785$ 3(&8É5, $%$67(&,0(172 Comunicado 314 Técnico ISSN 0100-8862 Dezembro/2002 Concórdia, SC Estimativa do Impacto Econômico da Linfadenite Granulomatosa em Suínos na Região Sul do Brasil

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 06/03 ASSUNTO: Reconhecimento de

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

"suínos" significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens

suínos significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens Página: 1 de 6 Os requisitos de saúde animal para carne de porco etc. a exportar de para o Japão, são os seguintes: (Definições) No âmbito destes requisitos de saúde animal: "carne etc." significa carne

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI INFORMATIVO MENSAL LAPESUI Maio de 2013 Nº 15 SUINOCULTURA RECUPERA O FÔLEGO EM MAIO As exportações brasileiras estavam caindo desde março, quando ocorreu o embargo do produto nacional pela Ucrânia devido

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS CONTROLE DE QUALIDADE EM EMBUTIDOS CÁRNEOS Prof. Nelcindo N.Terra Depto. de Tecnologia e Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria nelcindo@terra.com.br DIFERENCIAL

Leia mais

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA

III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA III CIRCUITO DE CONCURSOS DE CARCAÇAS CARNE PAMPA OBJETIVOS: REGULAMENTO GERAL O III Circuito de Concursos de Carcaça Carne Pampa, promovido em parceria entre a e o Frigoríficos Marfrig, tem como principais

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS 5 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS Art. 20 - A classificação dos estabelecimentos de produtos de origem animal abrange:

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 REGULAMENTO ANIMAL CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A AGRIFAM 2014 Feira da Agricultura Familiar e do Trabalhador Rural - será realizada sob o auspício

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Norma Estadual - Mato Grosso Publicado no DOE em 14 nov 2014 Institui o regulamento técnico do plano de vigilância para a Erradicação da Tuberculose bovina

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição

Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Gerenciamento da Rotina aplicada à logística de expedição Como o Gerenciamento da Rotina pode ser implementado e trazer ganhos financeiros e nível de serviço na logística de expedição. Autor Tedy Willian

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE Coordenadoria ESPAÇO RESERVADO de Formação PARA Profissional Rural O NOME DO PROJETO SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil representação

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015

REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015 REGULAMENTO GERAL DO CIRCUITO BOI VERDE DE JULGAMENTOS DE CARCAÇAS DA RAÇA NELORE Campeonato 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 º - O Circuito de Julgamentos de Carcaças da Raça Nelore da ACNB Associação

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma aplica-se à RBMLQ - Inmetro 3 RESPONSABILIDADE

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma aplica-se à RBMLQ - Inmetro 3 RESPONSABILIDADE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA DOS PRODUTOS SABÃO E SABONETE EM BARRA NORMA N o NIE-DIMEL-042 APROVADA EM ABR/05 N o /13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos de referência 5

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 Assunto: definição dos formulários, fluxo de informações, testes laboratoriais e outros aspectos, a serem empregados para ingresso no Estado de Santa Catarina de ovinos,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV Junho de 2014

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV Junho de 2014 Nº 27 Oferta restrita e preços firmes no mês da Copa Frigoríficos, supermercados e churrascarias já têm motivos para comemorar com os resultados da Copa do churrasco. Ainda que não seja um movimento capaz

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015

NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015 NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE INPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL da, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no uso das atribuições

Leia mais

CÓLERA CID 10: A 00.9

CÓLERA CID 10: A 00.9 SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA PROMOÇÃO E PREVENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSIVEIS E NÃO TRANSMISSIVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMISSIVEIS ÁREA DE ASSESSORAMENTO

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais