UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3"

Transcrição

1 UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3 ¹ Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista FIP Tatuí, ² Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista FIP Tatuí, 3 Docente dos Cursos de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação da Fatec Tatuí-SP, dos Cursos de Tecnologia em Agronegócios da Fatec Itapetininga-SP, do Curso de Tecnologia em Gestão Logística e Gestão Comercial das Faculdades Integradas de Itapetininga FKB, Itapetininga-SP, do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista, Tatuí-SP e do Curso de Pós Graduação em Administração de Empresas da FGV, Itapetininga-SP, Brasil, RESUMO A política ambiental no Brasil evoluiu no que diz respeito à efetiva participação dos governos e da sociedade, mas principalmente no que se relaciona às leis ambientais, porém o desenvolvimento sustentável ainda enfrenta problemas no mercado. Este artigo abordará o sistema green supply chain management e sua incorporação às empresas, baseando-se nos estudos teóricos de Samir K. Srivastava escritos no International Journal of Management Reviews (2007), bem como apresentará não só um relatório de pesquisa intitulado 4th Supply Chain Monitor White Paper, , feito pela Bearing Point sobre a evolução e incorporação do GSCM nas empresas europeias e mas também o Relatório de Sustentabilidade 2012, do Walmart Brasil. Esses casos evidenciarão que a incorporação do green supply chain management pode reduzir os impactos ambientas e, consequentemente, aumentar a geração de lucros. PALAVRAS-CHAVE: green supply chain management. política ambiental. sustentabilidade. 1. INTRODUÇÃO O Brasil é um dos países que sofre significativamente com os impactos ambientais, mesmo possuindo uma enorme biodiversidade. A degradação ambiental começou a ser causada pelo desmatamento indiscriminado de florestas, o uso inadequado do solo e das nascentes de água; tudo para beneficio próprio do homem, que não pensa e nem se importa com as consequências dessas atitudes. Atualmente, o maior causador dessa degradação são as empresas, que não se preocupam com a poluição causada pela produção de bens ou de serviços. Algumas até que se comprometeram com soluções para esses problemas, contudo a quantidade ainda não é suficiente. Afinal, não entendem que os gastos necessários para o controle da poluição emitida por elas não deve ser visto como custo, mas sim como um investimento futuro e também como uma potencial vantagem competitiva em relação ao mercado. Para Andrade (2000, p. 11), esse novo pensamento precisa ser acompanhado por uma mudança de valores, passando da expansão para a conservação, da quantidade para a qualidade, da dominação para a parceria. Esse artigo identificou a relevância das pesquisas feitas por Srivastava (2007), onde ele demonstra o sistema green supply chain management e sua eficácia por meio das vertentes Green

2 Design e Green Operations, uma vez que esse sistema é realmente importante para a empresa que deseja ser sustentável. Para Srivastava (2007, apud MINATTI, 2011, p.4) foi, em 1989, que se iniciaram os estudos de design (Green Design) em logística reversa e o interesse por operações verdes, e, em 1992, evidenciou-se a importância do GSCM, abrindo precedência para uma série de estudos na área. As principais contribuições da leitura deste artigo concentram-se na importância e na necessidade de compreender o GSCM como uma estratégia corporativa. 2. GESTÃO AMBIENTAL A gestão ambiental, dentro das empresas, é responsável pela implantação e pelo desenvolvimento de políticas e de estratégias ambientais. Algumas empresas estão se preocupando em satisfazer a relação com o meio ambiente, e uma das atividades mais importantes relacionadas ao empreendimento tem se configurado em gestão ambiental. Os problemas ambientais precisam de gerenciamento para serem exterminados, e isso requer sistemas de gestão ambiental e de desenvolvimento sustentável. Em sua obra, Donaire alerta que (...) a existência de um plano ambiental formal, embora importante, não é suficiente, pois a transformação da questão ambiental em um valor da organização vai depender das ações de Alta Administração e de suas gerencias. Os exemplos que elas darão sobre a importância do meio ambiente provocarão consequências no resto da organização (2010, p. 65). A gestão ambiental faz-se necessária para melhorar o meio ambiente, satisfazer as necessidades da espécie humana e garantir o futuro, através de planos de ações para interações junto ao meio ambiente e ao manuseio ou descarte pertinentes de materiais produzidos pelas atividades da espécie humana. De acordo com Andrade entende-se por gestão ambiental (...) um processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine) seus objetivos e metas relativas à proteção do ambiente e à saúde e segurança de seus empregados, clientes e comunidade, assim como seleciona as estratégias e meios para atingir tais objetivos em determinado período de tempo, por meio da constante interação com o ambiente externo. (2000, p. 113). As práticas e a metodologia de uma gestão ambiental em uma empresa visam reduzir os impactos que seus recursos e resíduos causam direta ou indiretamente ao meio ambiente, e esta gestão basear-se-á na sustentabilidade a fim de trazer benefícios, como, por exemplo, treinamento e conscientização aos colaboradores além de novas tecnologias sustentáveis. Além disso, também poderá melhorar sua própria imagem em relação à sociedade, aos clientes, aos governos, ou seja, junto a seus stakeholders. Donaire (2010, p. 94) define que a prática de gestão ambiental é também importante fator na melhoria do desempenho ambiental da empresa, pois ela contribui para reduzir a poluição do ar e das águas, reduzir o consumo de energia, a produção de resíduos e a geração de substâncias tóxicas (...). Devemos entender que a proteção ao meio ambiente é uma obrigação da empresa, pois ela está diretamente envolvida com a sociedade. Backer afirma que O aparecimento do fator ambiental na vida da empresa obriga, mais do que nunca, o administrador a considerar a sua competência e os seus objetivos como uma arbitragem permanente entre os interesses e os seus objetivos dos grupos e dos indivíduos que ultrapassam em muito o âmbito da empresa. (2002, p.21).

3 3. SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Supply chain management, de acordo com Fernandes (2008, p. 32), ( ) representa os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto de consumo do produto acabado. Como muitos pensam, o SCM não é apenas logística, mas a logística é componente de um sistema para auxiliar o supply chain management. Devem-se gerenciar todas as áreas do supply chain para que se tenha um controle desde o fornecedor até o consumidor final, porém a empresa necessita do comprometimento do fornecedor para ocorrer uma integração em todos os processos. Figura 1: Exemplo de classificação das células de uma cadeia de suprimentos Fonte: Fernandes, 2008, p.35. De acordo com o nível de gerenciamento adotado pelas empresas foco (EF), são classificadas as seguintes cadeias: Cadeia Interna: surge dentro dos setores das empresas, trabalhando de uma forma sincronizada, usando a logística interna para desenvolver o produto ou o serviço. Cadeia Imediata: ela não relaciona apenas os fornecedores e clientes da primeira camada, mas todos aqueles que tenham relação imediata com a empresa foco. Cadeia Total: formada pela cadeia interna e imediata juntas mostrando o desenvolvimento do produto, podendo ter diferentes tipos de produtos em várias cadeias de suprimentos. 3.1 Green Supply Chain Management O GSCM abrange todas as ações da empresa para minimizar os impactos junto ao meio ambiente na distribuição de seu produto ou serviço durante todo o ciclo de vida do produto, tratando da sustentabilidade organizacional e consequentemente do meio ambiente, tendo como base os conceitos de SCM, como define Srivastava (2007, p. 54): Green supply chain management tem suas raízes tanto na gestão do meio ambiente quanto no Supply Chain, adicionando o componente verde à gestão da cadeia de suprimentos (...) Conforme os estudos Srivastava,

4 Define GSCM como a integração do pensamento ambiental na gestão da cadeia de abastecimento, incluindo desde a concepção do produto, seleção do material, processos de fabricação e entrega do produto final aos consumidores, bem como a gestão do produto final após o fim de sua vida útil, focando seus estudos na logística reversa (...) (2007 apud MINATTI, 2011, p.3). Com a implementação dessa metodologia, a gestão ambiental irá contribuir para o alavancar dos resultados junto a todas as partes interessadas. Essa gestão irá depender de vários fatores como, por exemplo, onde está localizada a empresa e o que a influencia de uma forma direta e indireta. Com esse critério, a empresa tende a alcançar um aperfeiçoamento na gestão, aplicando como base sua lealdade com todo sistema envolvido em seu meio ambiente. Figura 2: Cronograma evolutivo do GSCM Fonte: Srivastava, 2007, p.69. A figura 2 mostra os estudos de Srivastava sobre a importância do green supply chain management iniciados em 1995, e os autores que escreveram sobre as vertentes do sistema de gestão. O GSCM possui a vertente Green Design que pode ser analisado na avaliação do ciclo de vida do produto e do processo e o Green Operations, ou seja, as operações verdes que envolvem todos os aspectos operacionais.

5 Figura 3: Classificação com base no contexto-problema no projeto da cadeia de suprimentos Fonte: Srivastava, 2007, p.57. O Green Design possui as áreas de LCA - Life-Cycle Assessment / Analysis (Ciclo de Vida Avaliação / Análise) e ECD - Environmentally Conscious Design (Projeto Ambientalmente Consciente). O Green Operations têm três áreas: Green Manufacturing & Remanufacturing (Fabricação Verde e Remanufatura), onde é desenvolvida a redução, a reciclagem, a gestão de estoques, o planejamento e a programação da produção. Já na remanufatura existe o processo de produto / o material de recuperação, o reutilizar, o reparar / recondicionar, a desmontagem, a desmontagem de nivelamento e o planejamento do processo de desmontagem. Reverse Logistic & Network Design (Logística Reversa & Projeto de Rede), onde é feito a coleta, a inspeção / classificação, o pré-processamento, a localização e a distribuição, ou seja, o projeto de rede. Waste Management (Gestão de Resíduos), onde é feito a redução na fonte, a prevenção da poluição e a disposição. Srivastava conclui que o GSCM: (...) pode reduzir o impacto ecológico da atividade industrial sem sacrificar a qualidade, o custo, a confiabilidade, o desempenho ou eficiência de utilização de energia. Trata-se de uma mudança de paradigma, passando do controle de fim-de-linha para atender às normas ambientais para a situação de não apenas minimizar os danos ecológicos, mas também levando a lucro econômico global.(2007, p. 68).

6 Figura 4: As operações verdes no GSCM Fonte: Elaboração própria. Para que exista o GSCM, é fundamental a cooperação entre toda a cadeia de suprimentos como mostra a figura 4, ou seja, cada um deve se comprometer a cumprir seu papel no ciclo. 4. A INCORPORAÇÃO DO GSCM NAS EMPRESAS Como não existem ainda no Brasil muitas informações a respeito do GSCM, fizemos uma análise geral com base nos estudos da empresa Bearing Point sobre a incorporação nas empresas. Por meio da pesquisa da Bearing Point feita em 2010 e 2011 em países europeus, foi identificada a evolução nos últimos anos do green supply chain management e suas práticas, mostrando, assim. as melhorias que ocorreram. Segundo dados da Bearing Point: A crescente qualidade dos relatórios corporativos sustentáveis, especialmente sobre as questões relacionadas com a cadeia de suprimentos, destaca como as empresas querem valorizar seu compromisso com a implementação de suas ações sustentáveis. (2011, p. 4). O gráfico 1 abaixo mostra que, com o passar do tempo, as empresas aumentaram significativamente a preocupação com melhoria da imagem da marca, em relação às decisões do conselho executivo e com os regulamentos ambientais. A melhoria de imagem da marca (brand image improvement) representava 80% em 2008, ou seja, o segundo lugar, passando para a primeira posição em As decisões do conselho executivo (executive board decision) ocupavam o quinto lugar em 2008 e alcançaram quase 80% em 2010, passando para o segundo lugar. A preocupação com regulamentos ambientais (environmental regulations) ocupava o primeiro lugar em 2008 e passou a ocupar o terceiro lugar em 2010.

7 Lembrando também que ações relativas à inovação dos produtos e dos processos (innovation), a redução de custos (costs reduction), a pressão de concorrentes (competitors pressure), a aquisição de novos mercados (new markets acquisition), a pressão de opinião dos líderes (opinion leaders pressure) e outros (others) tiveram um visível aumento de importância. Gráfico 1: Motivações para implementar ações verdes Fonte: Bearing Point, 2011, p. 8. Nos resultados da Bearing Point, os entrevistados declararam que (...) o green supply chain management é uma verdadeira alavanca econômica (70% das empresas) e uma fonte de lucros facilmente mensuráveis (56%). Para 47% das empresas, o retorno do investimento é alcançado antes de três anos. (2011, p.9). Nas tendências operacionais a Bearing Point identificou que no eco design 80% dos impactos ambientais de um produto são determinados durante a sua concepção (Agência do Meio Ambiente alemão). Bearing Point (2011, p. 10) afirma que: antecipar os impactos ambientais de um produto a partir do seu desenvolvimento (abordagem do eco design) é um elemento essencial. Gráfico 2: Green Supply Chain é uma prioridade estratégica, de imediato ou no curto prazo (respostas positivas)

8 Fonte: Bearing Point, 2011, p. 9. Observa-se, no gráfico 2, que a Escandinávia possui o maior índice de prioridade, seguida pelo Reino Unido e Irlanda. Gráfico 3: Empresas que intensificaram ações no Green Supply Chain durante os últimos 3 anos (respostas positivas) Fonte: Bearing Point, 2011, p. 9. No gráfico 3, Escandinávia, Reino Unido e Irlanda, França e União Europeia intensificaram mais suas ações no GSCM, seguido pelo índice baixo da Alemanha, Suíça e Áustria (GSA). As empresas estão mais preocupadas com o produto que fornecem segundo a Bearing Point: Quanto à requisição de produtos, as empresas tendem a selecionar produtos feitos de uma grande proporção de materiais reciclados e recicláveis, e carimbado pelos confiáveis rótulos ecológicos (Energy Star, por exemplo, é o símbolo mais reconhecido no campo do consumo de energia). (2011, p. 10). A pesquisa foi feita com 582 empresas por meio de telefone ou online nos seguintes países: Gráfico 4: Distribuição por país Fonte: Bearing Point, 2011, p.64. Os maiores índices obtidos entre os países onde foi realizada a pesquisa, conforme o gráfico 4, se localizam na França, Alemanha e Reino Unido, seguidos pela Escandinávia, Áustria, Bélgica, Irlanda e Luxemburgo.

9 Gráfico 5: Distribuição por setor Fonte: Bearing Point, 2011, p.65. A pesquisa foi desenvolvida nos setores de bens de consumo (consumer goods), transporte (transports), metalurgia (metallurgy), construção (construction), automotivo (automotive), varejo / distribuição especializada (retail / specialised distribution), bens industriais (industrial goods), energia e serviços públicos (energy and utilities), produtos químicos (chemicals), eletrônica (electronics), produtos farmacêuticos (pharmaceuticals), aeronáutica / defesa (aeronautics / defense), têxtil (textile), telecomunicações (telecomunications), serviços financeiros (financial services) e setor público (public sector). Gráfico 6: Distribuição por departamento Fonte: Bearing Point, 2011, p.65. O grafico 6 mostra que o desenvolvimento sustentável (sustainable development) é uma área de grande destaque nas empresas com 40% da distribuição por departamento, seguida pelas áreas de supply chain, COO (Chief Operating Officer Diretor de Operações), qualidade (quality), aquisição (purchasing), CEO (Chief Executive Officer Diretor Executivo) e outros (other). 4.1 Walmart e o Sucesso da Implantação dos Métodos do GSCM O Walmart foi fundado nos Estados Unidos em 1962, localizado em Rogers, no Arkansas, chegando ao Brasil em 1995, e abrange, hoje, todo o território nacional. O Walmart tem a missão de

10 vender por menos para as pessoas viverem melhor, e busca ser o melhor varejista do Brasil na mente e no coração dos consumidores e dos funcionários. A implantação dos métodos de GSCM ocorreu inicialmente nas unidades americanas da rede e está sendo bem sucedida no Brasil, iniciando em todas as redes no ano de Para que haja a sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, a empresa é apoiada pelas equipes de diferentes áreas internas, conduzindo oito Plataformas de Sustentabilidade: Cadeia de Suprimentos, Construções, Cadeia Logística, Impacto Zero (gestão de resíduos), Insumos, Clima e Energia, Clientes Conscientes Funcionários Conscientes Conforme o relatório do Walmart Brasil: Tabela 1: Metas ambientais do Walmart Aumentar o número de produtos mais sustentáveis disponíveis ao consumidor. Reduzir em 70% a presença de fosfato em detergentes e sabões em pó até Oferecer produtos de lavanderia no mínimo duas vezes mais concentrados até Estimular as vendas de produtos com diferencial em sustentabilidade. Apoiar e estimular o desenvolvimento de produtos de ciclo fechado. Liderar pelo exemplo em sustentabilidade com produtos de marcas próprias do Walmart Brasil. Treinar pequenos e médios agricultores por meio do Clube dos Produtores. Apenas comercializar carne bovina que não contribua para o desmatamento da Floresta Amazônica em todas as operações do Walmart até (...) as plataformas estão estruturadas para atingir as metas estabelecidas em cada um dos pilares da estratégia de sustentabilidade [...], válida para as operações em todos os países. Todas têm targets definidos e devem prestar contas periodicamente sobre o andamento das atividades, bem como apresentar oportunidades, riscos e desafios identificados. (2012, p. 14). Produtos Clima e energia Resíduos Ser 100% abastecido por energia renovável. Reduzir em 20% a emissão de Gases do Efeito Estufa em lojas até Inaugurar protótipos de lojas de 25% a 30% mais eficientes em energia e que reduzam em 30% as emissões de Gases do Efeito Estufa. Aplicar o Programa Impacto Zero em todas as unidades no Brasil. Reduzir embalagens em 5% em toda a cadeia de abastecimento até Reduzir o consumo de sacolas plásticas em 50% até Fonte: Adaptado de WALMART BRASIL, 2012, p. 17.

11 Figura 5: Investimento (R$ bilhões) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 9. As figuras 5 e 6 mostram claramente que o investimento em sustentabilidade na cadeia de suprimentos não é um prejuízo à empresa e sim uma nova estratégia para geração de lucros. Figura 6: Faturamento (R$ bilhões) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 9. No Walmart, existe o programa Sustentabilidade de Ponta a Ponta para que os fornecedores produzam produtos com práticas que reduzam seu impacto sobre o meio ambiente. Seguem abaixo, na figura 7, as empresas e os produtos que atenderam aos requisitos de sustentabilidade

12 Figura 7: Produtos lançados no Sustentabilidade de Ponta a Ponta 2ª edição (2010/2011) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 52.

13 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O green supply chain management, além de mudar a forma de como a empresa é vista no mercado, também gera a diminuição de custos de materiais e, portanto, financeiros. Sem dúvida, o investimento na adaptação de práticas sustentáveis é alto, porém vale muito produzir com o mínimo de desperdícios e ao mesmo tempo proteger o meio ambiente em que a empresa está inserida. Um fator pertinente que existe nas empresas é o uso inadequado ou exagerado de máquinas, equipamentos e materiais, que ao mesmo tempo geram mais custos e, de alguma forma, prejudicam o meio ambiente. A prática sustentável nas organizações não é mais algo que se diz estar na moda, mas sim uma questão de produzir de forma planejada e reutilizável. A implementação pode ser complexa, pois a cadeia de suprimentos é imensa e os impactos na cadeia de produção são enormes. Mas é justamente nessas áreas, que encontramos espaço para a sustentabilidade. REFERÊNCIAS ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de, et.al. Gestão Ambiental: Enfoque Estratégico Aplicado ao Desenvolvimento Sustentável, São Paulo, MAKRON Books, BACKER, Paul de. Gestão Ambiental: A Administração Verde. Rio de Janeiro, Qualitymark, BEARING POINT. 4th Supply Chain Monitor White paper, , Disponível em: <http://www.bearingpoint.com/en-uk/download/tap-sc_en.pdf>. Acesso em: 5 abr DONAIRE, Denis. Gestão Ambiental na Empresa, 2. ed. São Paulo. Atlas, FERNANDES, Kleber dos Santos. Logística: Fundamentos e Processos, Curitiba, IESDE Brasil S.A., MINATTI, Cleison, et.al. Direções e Construtos do Green Supply Chain Management, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), SIMPOI Anais Disponível em: <http://www.feg.unesp.br/dpd/cegp/2012/log/material%20complementar/textos%20gerais/simpoi %20-%20green%20SC.pdf>. Acesso em: 22 mar SRIVASTAVA, Samir K. Green supply chain management: A state-of the-art literature review. International Journal of Management Reviews (2007). Disponível em:<http://iic.wiki.fgv.br/f ile/view/green+supply-chain+management.a+state-oftheart+literaturereview.2007.srivastava..pdf>. Acesso em: 27 mar WALMART BRASIL, Relatório de Sustentabilidade Editora Contadino, Disponível em:http://www.walmartbrasil.com.br/sustentabilidade/_pdf/relatorios/2012/walmart_ra11_completo _24_5.pdf>. Acesso em: 1 abr

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais Seminário Temático: "Sustentabilidade e Cadeias de Suprimento" Local: FGV EAESP - Salão Nobre - 4º andar São Paulo, 28 de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case 1. Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Walmart Brasil c) Setor: Comércio

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro Fernando de Castro Presidente Quem Somos Grupo de empresários preocupados em: o Contribuir com políticas de desenvolvimento para o Brasil o Participação do

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Núcleo Bradesco de Inovação Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Encontro CRI- MG 4 de Outubro de 2012 Apoio: Objetivo da Pesquisa Compreender como ocorrem as inovações ambientais nas empresas brasileiras;

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Pecuária Sustentável Walmart Brasil Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Walmart no mundo Presente em 27 países 10.800 lojas 2,2 milhões de funcionários Faturamento global: US$ 466,7 bi (2012)

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

EUREM.NET (treinamento e network de gestores de energia) é um projeto do Programa Europeu Energia Inteligente.

EUREM.NET (treinamento e network de gestores de energia) é um projeto do Programa Europeu Energia Inteligente. Informações gerais OBJETIVO Gasto com energia é uma das principais preocupações para as empresas. Em uma economia global e competitiva a empresa que conseguir produzir com qualidade e a um menor preço

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva

Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva Breve introdução Fundada há 46 anos, a ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, reúne e representa a indústria de embalagens no Brasil.

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA Sammya Swyanne de Sousa Ferreira aswyanne@hotmail.com Andréia Matos Brito (FJN) deiamatosbrito@hotmail.com José Alday Pinheiro

Leia mais

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015 Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações Pesquisa 2015 O agente do crescimento sustentável A Deloitte e a Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (ABRAPS) apresentam

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

HABITUS CONSULTORIA EM GESTÃO AMB IENTAL E ORG ANIZACIONAL LTDA. R. DEP. ESTEFANO M IKILI TA, 125, SALA 204 PORTÃO CURITIBA PR B RASIL 81

HABITUS CONSULTORIA EM GESTÃO AMB IENTAL E ORG ANIZACIONAL LTDA. R. DEP. ESTEFANO M IKILI TA, 125, SALA 204 PORTÃO CURITIBA PR B RASIL 81 A Empresa A Habitus Consulting (Habitus Consultoria em Gestão Ambiental e Organizacional Ltda.) é uma empresa sediada em Curitiba PR BRASIL, com atuação nacional concentrada nas questões ambientais e de

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria.

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. O envolvimento da sociedade Consórcios A mobilização da indústria de equipamentos

Leia mais