UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3"

Transcrição

1 UMA ANÁLISE SOBRE A INCORPORAÇÃO DO GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT NAS EMPRESAS JAMES C. SANTANA DE OLIVEIRA ¹; HEBERT DE CAMPOS ²; HELDER BOCCALETTI 3 ¹ Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista FIP Tatuí, ² Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista FIP Tatuí, 3 Docente dos Cursos de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação da Fatec Tatuí-SP, dos Cursos de Tecnologia em Agronegócios da Fatec Itapetininga-SP, do Curso de Tecnologia em Gestão Logística e Gestão Comercial das Faculdades Integradas de Itapetininga FKB, Itapetininga-SP, do Curso de Administração de Empresas da Faculdade Ideal Paulista, Tatuí-SP e do Curso de Pós Graduação em Administração de Empresas da FGV, Itapetininga-SP, Brasil, RESUMO A política ambiental no Brasil evoluiu no que diz respeito à efetiva participação dos governos e da sociedade, mas principalmente no que se relaciona às leis ambientais, porém o desenvolvimento sustentável ainda enfrenta problemas no mercado. Este artigo abordará o sistema green supply chain management e sua incorporação às empresas, baseando-se nos estudos teóricos de Samir K. Srivastava escritos no International Journal of Management Reviews (2007), bem como apresentará não só um relatório de pesquisa intitulado 4th Supply Chain Monitor White Paper, , feito pela Bearing Point sobre a evolução e incorporação do GSCM nas empresas europeias e mas também o Relatório de Sustentabilidade 2012, do Walmart Brasil. Esses casos evidenciarão que a incorporação do green supply chain management pode reduzir os impactos ambientas e, consequentemente, aumentar a geração de lucros. PALAVRAS-CHAVE: green supply chain management. política ambiental. sustentabilidade. 1. INTRODUÇÃO O Brasil é um dos países que sofre significativamente com os impactos ambientais, mesmo possuindo uma enorme biodiversidade. A degradação ambiental começou a ser causada pelo desmatamento indiscriminado de florestas, o uso inadequado do solo e das nascentes de água; tudo para beneficio próprio do homem, que não pensa e nem se importa com as consequências dessas atitudes. Atualmente, o maior causador dessa degradação são as empresas, que não se preocupam com a poluição causada pela produção de bens ou de serviços. Algumas até que se comprometeram com soluções para esses problemas, contudo a quantidade ainda não é suficiente. Afinal, não entendem que os gastos necessários para o controle da poluição emitida por elas não deve ser visto como custo, mas sim como um investimento futuro e também como uma potencial vantagem competitiva em relação ao mercado. Para Andrade (2000, p. 11), esse novo pensamento precisa ser acompanhado por uma mudança de valores, passando da expansão para a conservação, da quantidade para a qualidade, da dominação para a parceria. Esse artigo identificou a relevância das pesquisas feitas por Srivastava (2007), onde ele demonstra o sistema green supply chain management e sua eficácia por meio das vertentes Green

2 Design e Green Operations, uma vez que esse sistema é realmente importante para a empresa que deseja ser sustentável. Para Srivastava (2007, apud MINATTI, 2011, p.4) foi, em 1989, que se iniciaram os estudos de design (Green Design) em logística reversa e o interesse por operações verdes, e, em 1992, evidenciou-se a importância do GSCM, abrindo precedência para uma série de estudos na área. As principais contribuições da leitura deste artigo concentram-se na importância e na necessidade de compreender o GSCM como uma estratégia corporativa. 2. GESTÃO AMBIENTAL A gestão ambiental, dentro das empresas, é responsável pela implantação e pelo desenvolvimento de políticas e de estratégias ambientais. Algumas empresas estão se preocupando em satisfazer a relação com o meio ambiente, e uma das atividades mais importantes relacionadas ao empreendimento tem se configurado em gestão ambiental. Os problemas ambientais precisam de gerenciamento para serem exterminados, e isso requer sistemas de gestão ambiental e de desenvolvimento sustentável. Em sua obra, Donaire alerta que (...) a existência de um plano ambiental formal, embora importante, não é suficiente, pois a transformação da questão ambiental em um valor da organização vai depender das ações de Alta Administração e de suas gerencias. Os exemplos que elas darão sobre a importância do meio ambiente provocarão consequências no resto da organização (2010, p. 65). A gestão ambiental faz-se necessária para melhorar o meio ambiente, satisfazer as necessidades da espécie humana e garantir o futuro, através de planos de ações para interações junto ao meio ambiente e ao manuseio ou descarte pertinentes de materiais produzidos pelas atividades da espécie humana. De acordo com Andrade entende-se por gestão ambiental (...) um processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine) seus objetivos e metas relativas à proteção do ambiente e à saúde e segurança de seus empregados, clientes e comunidade, assim como seleciona as estratégias e meios para atingir tais objetivos em determinado período de tempo, por meio da constante interação com o ambiente externo. (2000, p. 113). As práticas e a metodologia de uma gestão ambiental em uma empresa visam reduzir os impactos que seus recursos e resíduos causam direta ou indiretamente ao meio ambiente, e esta gestão basear-se-á na sustentabilidade a fim de trazer benefícios, como, por exemplo, treinamento e conscientização aos colaboradores além de novas tecnologias sustentáveis. Além disso, também poderá melhorar sua própria imagem em relação à sociedade, aos clientes, aos governos, ou seja, junto a seus stakeholders. Donaire (2010, p. 94) define que a prática de gestão ambiental é também importante fator na melhoria do desempenho ambiental da empresa, pois ela contribui para reduzir a poluição do ar e das águas, reduzir o consumo de energia, a produção de resíduos e a geração de substâncias tóxicas (...). Devemos entender que a proteção ao meio ambiente é uma obrigação da empresa, pois ela está diretamente envolvida com a sociedade. Backer afirma que O aparecimento do fator ambiental na vida da empresa obriga, mais do que nunca, o administrador a considerar a sua competência e os seus objetivos como uma arbitragem permanente entre os interesses e os seus objetivos dos grupos e dos indivíduos que ultrapassam em muito o âmbito da empresa. (2002, p.21).

3 3. SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Supply chain management, de acordo com Fernandes (2008, p. 32), ( ) representa os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto de consumo do produto acabado. Como muitos pensam, o SCM não é apenas logística, mas a logística é componente de um sistema para auxiliar o supply chain management. Devem-se gerenciar todas as áreas do supply chain para que se tenha um controle desde o fornecedor até o consumidor final, porém a empresa necessita do comprometimento do fornecedor para ocorrer uma integração em todos os processos. Figura 1: Exemplo de classificação das células de uma cadeia de suprimentos Fonte: Fernandes, 2008, p.35. De acordo com o nível de gerenciamento adotado pelas empresas foco (EF), são classificadas as seguintes cadeias: Cadeia Interna: surge dentro dos setores das empresas, trabalhando de uma forma sincronizada, usando a logística interna para desenvolver o produto ou o serviço. Cadeia Imediata: ela não relaciona apenas os fornecedores e clientes da primeira camada, mas todos aqueles que tenham relação imediata com a empresa foco. Cadeia Total: formada pela cadeia interna e imediata juntas mostrando o desenvolvimento do produto, podendo ter diferentes tipos de produtos em várias cadeias de suprimentos. 3.1 Green Supply Chain Management O GSCM abrange todas as ações da empresa para minimizar os impactos junto ao meio ambiente na distribuição de seu produto ou serviço durante todo o ciclo de vida do produto, tratando da sustentabilidade organizacional e consequentemente do meio ambiente, tendo como base os conceitos de SCM, como define Srivastava (2007, p. 54): Green supply chain management tem suas raízes tanto na gestão do meio ambiente quanto no Supply Chain, adicionando o componente verde à gestão da cadeia de suprimentos (...) Conforme os estudos Srivastava,

4 Define GSCM como a integração do pensamento ambiental na gestão da cadeia de abastecimento, incluindo desde a concepção do produto, seleção do material, processos de fabricação e entrega do produto final aos consumidores, bem como a gestão do produto final após o fim de sua vida útil, focando seus estudos na logística reversa (...) (2007 apud MINATTI, 2011, p.3). Com a implementação dessa metodologia, a gestão ambiental irá contribuir para o alavancar dos resultados junto a todas as partes interessadas. Essa gestão irá depender de vários fatores como, por exemplo, onde está localizada a empresa e o que a influencia de uma forma direta e indireta. Com esse critério, a empresa tende a alcançar um aperfeiçoamento na gestão, aplicando como base sua lealdade com todo sistema envolvido em seu meio ambiente. Figura 2: Cronograma evolutivo do GSCM Fonte: Srivastava, 2007, p.69. A figura 2 mostra os estudos de Srivastava sobre a importância do green supply chain management iniciados em 1995, e os autores que escreveram sobre as vertentes do sistema de gestão. O GSCM possui a vertente Green Design que pode ser analisado na avaliação do ciclo de vida do produto e do processo e o Green Operations, ou seja, as operações verdes que envolvem todos os aspectos operacionais.

5 Figura 3: Classificação com base no contexto-problema no projeto da cadeia de suprimentos Fonte: Srivastava, 2007, p.57. O Green Design possui as áreas de LCA - Life-Cycle Assessment / Analysis (Ciclo de Vida Avaliação / Análise) e ECD - Environmentally Conscious Design (Projeto Ambientalmente Consciente). O Green Operations têm três áreas: Green Manufacturing & Remanufacturing (Fabricação Verde e Remanufatura), onde é desenvolvida a redução, a reciclagem, a gestão de estoques, o planejamento e a programação da produção. Já na remanufatura existe o processo de produto / o material de recuperação, o reutilizar, o reparar / recondicionar, a desmontagem, a desmontagem de nivelamento e o planejamento do processo de desmontagem. Reverse Logistic & Network Design (Logística Reversa & Projeto de Rede), onde é feito a coleta, a inspeção / classificação, o pré-processamento, a localização e a distribuição, ou seja, o projeto de rede. Waste Management (Gestão de Resíduos), onde é feito a redução na fonte, a prevenção da poluição e a disposição. Srivastava conclui que o GSCM: (...) pode reduzir o impacto ecológico da atividade industrial sem sacrificar a qualidade, o custo, a confiabilidade, o desempenho ou eficiência de utilização de energia. Trata-se de uma mudança de paradigma, passando do controle de fim-de-linha para atender às normas ambientais para a situação de não apenas minimizar os danos ecológicos, mas também levando a lucro econômico global.(2007, p. 68).

6 Figura 4: As operações verdes no GSCM Fonte: Elaboração própria. Para que exista o GSCM, é fundamental a cooperação entre toda a cadeia de suprimentos como mostra a figura 4, ou seja, cada um deve se comprometer a cumprir seu papel no ciclo. 4. A INCORPORAÇÃO DO GSCM NAS EMPRESAS Como não existem ainda no Brasil muitas informações a respeito do GSCM, fizemos uma análise geral com base nos estudos da empresa Bearing Point sobre a incorporação nas empresas. Por meio da pesquisa da Bearing Point feita em 2010 e 2011 em países europeus, foi identificada a evolução nos últimos anos do green supply chain management e suas práticas, mostrando, assim. as melhorias que ocorreram. Segundo dados da Bearing Point: A crescente qualidade dos relatórios corporativos sustentáveis, especialmente sobre as questões relacionadas com a cadeia de suprimentos, destaca como as empresas querem valorizar seu compromisso com a implementação de suas ações sustentáveis. (2011, p. 4). O gráfico 1 abaixo mostra que, com o passar do tempo, as empresas aumentaram significativamente a preocupação com melhoria da imagem da marca, em relação às decisões do conselho executivo e com os regulamentos ambientais. A melhoria de imagem da marca (brand image improvement) representava 80% em 2008, ou seja, o segundo lugar, passando para a primeira posição em As decisões do conselho executivo (executive board decision) ocupavam o quinto lugar em 2008 e alcançaram quase 80% em 2010, passando para o segundo lugar. A preocupação com regulamentos ambientais (environmental regulations) ocupava o primeiro lugar em 2008 e passou a ocupar o terceiro lugar em 2010.

7 Lembrando também que ações relativas à inovação dos produtos e dos processos (innovation), a redução de custos (costs reduction), a pressão de concorrentes (competitors pressure), a aquisição de novos mercados (new markets acquisition), a pressão de opinião dos líderes (opinion leaders pressure) e outros (others) tiveram um visível aumento de importância. Gráfico 1: Motivações para implementar ações verdes Fonte: Bearing Point, 2011, p. 8. Nos resultados da Bearing Point, os entrevistados declararam que (...) o green supply chain management é uma verdadeira alavanca econômica (70% das empresas) e uma fonte de lucros facilmente mensuráveis (56%). Para 47% das empresas, o retorno do investimento é alcançado antes de três anos. (2011, p.9). Nas tendências operacionais a Bearing Point identificou que no eco design 80% dos impactos ambientais de um produto são determinados durante a sua concepção (Agência do Meio Ambiente alemão). Bearing Point (2011, p. 10) afirma que: antecipar os impactos ambientais de um produto a partir do seu desenvolvimento (abordagem do eco design) é um elemento essencial. Gráfico 2: Green Supply Chain é uma prioridade estratégica, de imediato ou no curto prazo (respostas positivas)

8 Fonte: Bearing Point, 2011, p. 9. Observa-se, no gráfico 2, que a Escandinávia possui o maior índice de prioridade, seguida pelo Reino Unido e Irlanda. Gráfico 3: Empresas que intensificaram ações no Green Supply Chain durante os últimos 3 anos (respostas positivas) Fonte: Bearing Point, 2011, p. 9. No gráfico 3, Escandinávia, Reino Unido e Irlanda, França e União Europeia intensificaram mais suas ações no GSCM, seguido pelo índice baixo da Alemanha, Suíça e Áustria (GSA). As empresas estão mais preocupadas com o produto que fornecem segundo a Bearing Point: Quanto à requisição de produtos, as empresas tendem a selecionar produtos feitos de uma grande proporção de materiais reciclados e recicláveis, e carimbado pelos confiáveis rótulos ecológicos (Energy Star, por exemplo, é o símbolo mais reconhecido no campo do consumo de energia). (2011, p. 10). A pesquisa foi feita com 582 empresas por meio de telefone ou online nos seguintes países: Gráfico 4: Distribuição por país Fonte: Bearing Point, 2011, p.64. Os maiores índices obtidos entre os países onde foi realizada a pesquisa, conforme o gráfico 4, se localizam na França, Alemanha e Reino Unido, seguidos pela Escandinávia, Áustria, Bélgica, Irlanda e Luxemburgo.

9 Gráfico 5: Distribuição por setor Fonte: Bearing Point, 2011, p.65. A pesquisa foi desenvolvida nos setores de bens de consumo (consumer goods), transporte (transports), metalurgia (metallurgy), construção (construction), automotivo (automotive), varejo / distribuição especializada (retail / specialised distribution), bens industriais (industrial goods), energia e serviços públicos (energy and utilities), produtos químicos (chemicals), eletrônica (electronics), produtos farmacêuticos (pharmaceuticals), aeronáutica / defesa (aeronautics / defense), têxtil (textile), telecomunicações (telecomunications), serviços financeiros (financial services) e setor público (public sector). Gráfico 6: Distribuição por departamento Fonte: Bearing Point, 2011, p.65. O grafico 6 mostra que o desenvolvimento sustentável (sustainable development) é uma área de grande destaque nas empresas com 40% da distribuição por departamento, seguida pelas áreas de supply chain, COO (Chief Operating Officer Diretor de Operações), qualidade (quality), aquisição (purchasing), CEO (Chief Executive Officer Diretor Executivo) e outros (other). 4.1 Walmart e o Sucesso da Implantação dos Métodos do GSCM O Walmart foi fundado nos Estados Unidos em 1962, localizado em Rogers, no Arkansas, chegando ao Brasil em 1995, e abrange, hoje, todo o território nacional. O Walmart tem a missão de

10 vender por menos para as pessoas viverem melhor, e busca ser o melhor varejista do Brasil na mente e no coração dos consumidores e dos funcionários. A implantação dos métodos de GSCM ocorreu inicialmente nas unidades americanas da rede e está sendo bem sucedida no Brasil, iniciando em todas as redes no ano de Para que haja a sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, a empresa é apoiada pelas equipes de diferentes áreas internas, conduzindo oito Plataformas de Sustentabilidade: Cadeia de Suprimentos, Construções, Cadeia Logística, Impacto Zero (gestão de resíduos), Insumos, Clima e Energia, Clientes Conscientes Funcionários Conscientes Conforme o relatório do Walmart Brasil: Tabela 1: Metas ambientais do Walmart Aumentar o número de produtos mais sustentáveis disponíveis ao consumidor. Reduzir em 70% a presença de fosfato em detergentes e sabões em pó até Oferecer produtos de lavanderia no mínimo duas vezes mais concentrados até Estimular as vendas de produtos com diferencial em sustentabilidade. Apoiar e estimular o desenvolvimento de produtos de ciclo fechado. Liderar pelo exemplo em sustentabilidade com produtos de marcas próprias do Walmart Brasil. Treinar pequenos e médios agricultores por meio do Clube dos Produtores. Apenas comercializar carne bovina que não contribua para o desmatamento da Floresta Amazônica em todas as operações do Walmart até (...) as plataformas estão estruturadas para atingir as metas estabelecidas em cada um dos pilares da estratégia de sustentabilidade [...], válida para as operações em todos os países. Todas têm targets definidos e devem prestar contas periodicamente sobre o andamento das atividades, bem como apresentar oportunidades, riscos e desafios identificados. (2012, p. 14). Produtos Clima e energia Resíduos Ser 100% abastecido por energia renovável. Reduzir em 20% a emissão de Gases do Efeito Estufa em lojas até Inaugurar protótipos de lojas de 25% a 30% mais eficientes em energia e que reduzam em 30% as emissões de Gases do Efeito Estufa. Aplicar o Programa Impacto Zero em todas as unidades no Brasil. Reduzir embalagens em 5% em toda a cadeia de abastecimento até Reduzir o consumo de sacolas plásticas em 50% até Fonte: Adaptado de WALMART BRASIL, 2012, p. 17.

11 Figura 5: Investimento (R$ bilhões) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 9. As figuras 5 e 6 mostram claramente que o investimento em sustentabilidade na cadeia de suprimentos não é um prejuízo à empresa e sim uma nova estratégia para geração de lucros. Figura 6: Faturamento (R$ bilhões) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 9. No Walmart, existe o programa Sustentabilidade de Ponta a Ponta para que os fornecedores produzam produtos com práticas que reduzam seu impacto sobre o meio ambiente. Seguem abaixo, na figura 7, as empresas e os produtos que atenderam aos requisitos de sustentabilidade

12 Figura 7: Produtos lançados no Sustentabilidade de Ponta a Ponta 2ª edição (2010/2011) Fonte: WALMART BRASIL, 2012, p. 52.

13 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O green supply chain management, além de mudar a forma de como a empresa é vista no mercado, também gera a diminuição de custos de materiais e, portanto, financeiros. Sem dúvida, o investimento na adaptação de práticas sustentáveis é alto, porém vale muito produzir com o mínimo de desperdícios e ao mesmo tempo proteger o meio ambiente em que a empresa está inserida. Um fator pertinente que existe nas empresas é o uso inadequado ou exagerado de máquinas, equipamentos e materiais, que ao mesmo tempo geram mais custos e, de alguma forma, prejudicam o meio ambiente. A prática sustentável nas organizações não é mais algo que se diz estar na moda, mas sim uma questão de produzir de forma planejada e reutilizável. A implementação pode ser complexa, pois a cadeia de suprimentos é imensa e os impactos na cadeia de produção são enormes. Mas é justamente nessas áreas, que encontramos espaço para a sustentabilidade. REFERÊNCIAS ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de, et.al. Gestão Ambiental: Enfoque Estratégico Aplicado ao Desenvolvimento Sustentável, São Paulo, MAKRON Books, BACKER, Paul de. Gestão Ambiental: A Administração Verde. Rio de Janeiro, Qualitymark, BEARING POINT. 4th Supply Chain Monitor White paper, , Disponível em: <http://www.bearingpoint.com/en-uk/download/tap-sc_en.pdf>. Acesso em: 5 abr DONAIRE, Denis. Gestão Ambiental na Empresa, 2. ed. São Paulo. Atlas, FERNANDES, Kleber dos Santos. Logística: Fundamentos e Processos, Curitiba, IESDE Brasil S.A., MINATTI, Cleison, et.al. Direções e Construtos do Green Supply Chain Management, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), SIMPOI Anais Disponível em: <http://www.feg.unesp.br/dpd/cegp/2012/log/material%20complementar/textos%20gerais/simpoi %20-%20green%20SC.pdf>. Acesso em: 22 mar SRIVASTAVA, Samir K. Green supply chain management: A state-of the-art literature review. International Journal of Management Reviews (2007). Disponível em:<http://iic.wiki.fgv.br/f ile/view/green+supply-chain+management.a+state-oftheart+literaturereview.2007.srivastava..pdf>. Acesso em: 27 mar WALMART BRASIL, Relatório de Sustentabilidade Editora Contadino, Disponível em:http://www.walmartbrasil.com.br/sustentabilidade/_pdf/relatorios/2012/walmart_ra11_completo _24_5.pdf>. Acesso em: 1 abr

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade - Uma Estratégia Empreendedora - Roberta Cardoso Abril/2008 Por que o mundo inteiro fala em Sustentabilidade? AQUECIMENTO GLOBAL Evidências: Aumento

Leia mais

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade

Pecuária Sustentável Walmart Brasil. Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Pecuária Sustentável Walmart Brasil Camila Valverde Diretora de Sustentabilidade Walmart no mundo Presente em 27 países 10.800 lojas 2,2 milhões de funcionários Faturamento global: US$ 466,7 bi (2012)

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente

Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro. Fernando de Castro Presidente Sustentabilidade no Setor Varejista Brasileiro Fernando de Castro Presidente Quem Somos Grupo de empresários preocupados em: o Contribuir com políticas de desenvolvimento para o Brasil o Participação do

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Wal-Mart Brasil Informações sobre

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Aço. o desafio da sustentabilidade

Aço. o desafio da sustentabilidade Aço o desafio da sustentabilidade Conteúdo extraído do Relatório de Sustentabilidade 2014 da ArcelorMittal, disponível em corporate.arcelormittal.com/sustainability/2014-report Editado pela Comunicação

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Núcleo Bradesco de Inovação Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Encontro CRI- MG 4 de Outubro de 2012 Apoio: Objetivo da Pesquisa Compreender como ocorrem as inovações ambientais nas empresas brasileiras;

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais Seminário Temático: "Sustentabilidade e Cadeias de Suprimento" Local: FGV EAESP - Salão Nobre - 4º andar São Paulo, 28 de

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: A tendência de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente estão tomando conta de diversos setores

Leia mais

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental.

Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Análise da Sustentabilidade na Baixada Santista: Uso da Certificação como Instrumento para a Melhoria do Sistema de Gestão Ambiental. Edna Veloso de Medeiros - prof_edna@yahoo.com.br Centro Estadual de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria.

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. O envolvimento da sociedade Consórcios A mobilização da indústria de equipamentos

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Painel Setorial - Inmetro Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos Xerém, 31 de julho de 2009 Tópicos Os Novos

Leia mais