Palavras-chave: Raios gama; coeficiente de atenuação; lei de Beer-Lambert.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Raios gama; coeficiente de atenuação; lei de Beer-Lambert."

Transcrição

1 1 USO DA ENERGIA NUCLEAR PARA FINS PACÍFICOS: MEDIDAS DE DENSIDADE, UMIDADE E COMPRIMENTO DE MATERIAIS USANDO RADIAÇÃO GAMA Resumo Luiz Fernando Pires Doutor em Ciências - USP Departamento de Física, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Campus de Uvaranas, Bloco L, Sala 115 Av. Carlos Cavalcanti, 4748, CEP Ponta Grossa PR Fontes radioativas têm sido amplamente usadas nas últimas décadas para pesquisas em muitas áreas de conhecimento tais como, na indústria, agricultura, biologia e medicina. Técnicas nucleares são sempre utilizadas quando é desejável se evitar o contato mecânico com o material que está sendo analisado. Neste trabalho a técnica de atenuação de raios gama foi aplicada em medidas de distribuição de densidade e umidade e de comprimento de materiais sólidos e porosos. Uma fonte radioativa de 241 Am e um detector de iodeto de sódio dopado com tálio (NaI(Tl)) para a detecção dos fótons gama foram usados. Os resultados obtidos pelo método nuclear foram comparados com àqueles medidos por métodos tradicionais e demonstraram uma boa correlação entre métodos. Portanto, a técnica nuclear mostra-se uma ferramenta interessante para medidas não destrutivas de densidade, umidade e comprimento em diferentes pontos de amostras sólidas ou líquidas, o que não pode ser obtido pelos métodos tradicionalmente usados. Palavras-chave: Raios gama; coeficiente de atenuação; lei de Beer-Lambert. Abstract Radioactive sources have been widely used in the last decades in the scientific research in many areas of knowledge such as, industry, agriculture, biology, and medicine. Nuclear techniques are always utilized when avoidance of mechanical contact with the material analyzed is desirable. In this work the gamma-ray attenuation technique was applied to measurements of moisture and density distributions and length of solid and porous materials. A 241 Am gamma-ray source and a NaI(Tl) scintillation crystal detector were used. Obtained results by the nuclear method were compared to those measured by traditional methods and they demonstrated a good correlation. The nuclear technique shows to be an interesting tool to non-invasive density, moisture, and length measurements in different places of solid and liquid samples, which can not be obtained by traditional methods. Keywords: Gamma-rays; attenuation coefficient; Beer-Lambert law. I. Introdução A radiação gama e os raios-x são ondas eletromagnéticas que possuem a mesma natureza da luz visível. A radiação gama tem origem quando núcleos instáveis (radioativos) sofrem decaimento através de emissões de partículas alfa ou beta. Nestes processos, como os decaimentos nem sempre são puros, os núcleos radioativos acabam decaindo, após a emissão de uma partícula radioativa, para estados metaestáveis ocasionando assim a emissão de fótons gama até que o núcleo atinja a estabilidade. Os raios-x podem ser produzidos, por exemplo, quando elétrons são acelerados em direção a átomos de um dado material (alvo). A interação destes elétrons com os átomos do alvo permitem a obtenção de raios-x através de dois diferentes processos de interação: 1) ionização do átomo alvo a partir da colisão dos elétrons

2 2 acelerados com os elétrons constituintes do alvo arracando-os e 2) freamento dos elétrons acelerados ao passarem próximos do núcleo atômico do átomo alvo (Radiação de Bremsstrahlung). Nesse último caso a interação dos elétrons rápidos com o núcleo atômico do átomo alvo modificará a sua trajetória e de acordo com os princípios da física quântica, o decréscimo de energia de movimento dos elétrons é convertida em fótons de raios-x. Existem tubos de raios-x onde é possível se produzir essa radiação X. Esses tubos consistem basicamente de um cátodo (filamento) e um ânodo (alvo) encapsulados por um invólucro no qual se faz vácuo. Quando uma corrente passa pelo filamento provoca aquecimento do mesmo possibilitando que elétrons sejam ejetados (efeito termoiônico) 1. Como existe uma diferença de potencial grande entre o cátodo e o ânodo, os elétrons ejetados pelo efeito de aquecimento do filamento, são acelerados fortemente. Esses elétrons são então direcionados até o alvo e após a interação podem produzir raios-x através das duas maneiras descritas anteriormente. A característica dos raios-x produzidos irá depender da voltagem de aceleração e do material de que é constituído o ânodo. Quanto maior for a voltagem de aceleração maior será a energia do elétron e, conseqüentemente, maior será também a energia da radiação sendo, portanto, menores os comprimentos de onda da radiação produzida (McGERVEY, 1971) 2. Os processos ocorridos na interação da radiação gama e X com a matéria são bastante diferentes daqueles envolvendo partículas alfa (α) e beta (β). Essas radiações tratam-se de fótons que possuem um alcance e poder de penetração muito maiores do que as partículas α e β (HELENE, 1996; FARIA E VENTURA, 2002) 3. No caso dessas duas últimas, quando interagem com a matéria - devido as suas massas e cargas - perdem rapidamente a sua energia para o meio com o qual estão interagindo, produzindo excitações e ionizações. No caso das radiações gama e X o processo de absorção pode ser completo, envolvendo o desaparecimento do fóton, ou pode ser parcial, neste caso o fóton é espalhado para fora do feixe original. Esse processo ocorre com cada fóton gama sendo removido individualmente do feixe num único evento. Essa característica do processo de remoção dos fótons é responsável pela absorção sempre ocorrer seguindo uma exponencial. Assim o número de fótons que pode ser removido ao passar por uma dada espessura (Δx) do absorvedor é proporcional a Δx e ao número de fótons que alcança Δx, este tipo de dependência conduz à lei de absorção exponencial (KAPLAN, 1983; KNOLL, 1989). Os processos mais importantes de absorção da radiação gama e X pela matéria são: 1) absorção fotoelétrica, 2) espalhamento Compton e 3) produção de pares elétron-pósitron, que ocorre como um resultado da interação entre os raios gama e os campos elétricos dos núcleos atômicos. II. Coeficiente de atenuação Quando um feixe de fótons gama monoenergético interage com um determinado material absorvedor, esses fótons podem ser espalhados, absorvidos ou transmitidos através do mesmo. Para um mesmo absorvedor com diferentes valores de espessura, o resultado da atenuação deve ser uma exponencial simples (Fig. 1). 1 O efeito termoiônico é definido como a emissão de elétrons por uma superfície metálica aquecida. Os primeiros sinais do fenômeno foram observados em meados do século XVIII por Charles DuFay (McGERVEY, 1971), que notou que um um gás conduzia eletricidade quando colocado próximo a um sólido aquecido. 2 McGERVEY, J. D. Introduction to Modern Physics. London: Academic Press, HELENE, M. E. M. A radioatividade e o lixo nuclear. São Paulo: Editora Scipione, FARIA, J. A.; VENTURA, D.R. Noções de Física Moderna. Viçosa: Editora UFV, 2002.

3 3 Fig. 1 Curva característica de transmissão de raios gama para uma boa colimação em que x representa a espessura, μ o coeficiente de atenuação linear e I/I 0 a atenuação devido à amostra. A capacidade que o material absorvedor apresenta de espalhar ou absorver o fóton, possibilita caracterizá-lo com uma grandeza chamada coeficiente de atenuação. O coeficiente de atenuação linear (μ) representa a probabilidade, por unidade de comprimento, de que um fóton gama seja absorvido por um determinado material. Microscopicamente, o coeficiente de atenuação linear é simplesmente a probabilidade de que um fóton seja removido do feixe pelos efeitos fotoelétrico, Compton, produção de pares e Rayleigh (FERRAZ E MANSELL, 1979; KAPLAN, 1983): μ = τ ( fotoelétrico) + ε ( Compton) + κ ( pares) + ξ ( Rayleigh) (1) onde τ representa a contribuição da atenuação devido ao efeito fotoelétrico, ε ao efeito Compton, κ ao efeito produção de pares e ξ ao efeito Rayleigh. No entanto, o uso do coeficiente de atenuação linear é limitado pelo fato de variar com a densidade do absorvedor, mesmo que este seja sempre o mesmo material. Por esse motivo, define-se um novo coeficiente chamado de coeficiente de atenuação de massa (μ m ) e que é amplamente utilizado, dado por: μ μ m = (2) ρ onde ρ (kg.m -3 ) representa a densidade física do material absorvedor. Para uma determinada energia, o coeficiente de atenuação de massa não muda com o estado físico do absorvedor, por exemplo, ele permanece o mesmo para a água tanto no estado líquido como gasoso (JENKINS et al., 1981). Porém, diferentes energias de fótons apresentarão distintos valores de coeficientes de atenuação de massa. Por exemplo, durante a interação de fótons de 59,54 kev 4 do 241 Am com a água, o efeito Compton contribui com aproximadamente 89% (81% de espalhamento Compton e 8% de absorção Compton) do coeficiente de atenuação total e o efeito fotoelétrico e Rayleigh com 7% e 4%. Para fótons de energia média, como é o caso do 137 Cs (661,6 kev), o efeito Compton contribui com aproximadamente 100% do coeficiente de atenuação total (62% devido ao espalhamento Compton e 38% devido à absorção Compton), outros processos para essa energia podem ser negligenciados (FERRAZ E MANSELL, 1979; KAPLAN, 4 Vale lembrar que 1 ev = 1,6 x J.

4 4 1983). A tabela 1 a seguir traz os principais radioisótopos que podem ser usados em métodos de medida experimental usando radiação gama. Tabela 1 Radioisótopos usados como fontes de raios gama em medidas de atenuação da radiação gama pela matéria (Fonte: FERRAZ E MANSELL, 1979). Meia vida (T 1/2 ) Picos Principais Radioisótopos (anos) (%) (kev) Amerício 241 Am Cádmio 109 Cd 1, Césio 134 Cs 2, Césio 137 Cs Chumbo 210 Pb Cobalto 60 Co 5, Mercúrio 203 Hg 0, Sódio 22 Na 2, III. Atenuação da radiação pela matéria: Lei de Beer-Lambert A lei de atenuação de Beer-Lambert é capaz de relacionar a atenuação produzida por uma amostra às suas características físicas, tais como: densidade, umidade e espessura. A Fig. 2 traz um desenho esquemático da interação de um feixe de raios-x ou gama com uma amostra material. Fig. 2 Representação esquemática do processo de atenuação de radiação por uma dada amostra material. Sendo N 0 o número de fótons que atravessa a abertura C (de área A) por unidade de tempo em direção a D, caso somente o ar estivesse atenuando o feixe de radiação, para uma pequena distância poderia se considerar que o valor do número de fótons seria considerado praticamente constante, claro que à medida que o feixe vai se afastando da fonte, o número de fótons que chegam a um determinado ponto cai com o quadrado da distância devido à dispersão do feixe. No entanto, no caso do diagrama esquemático existe um material atenuador com o qual o feixe de radiação está interagindo. Nesse diagrama é possível observar que existem fótons que são absorvidos, espalhados e refletidos pelo atenuador de espessura dx. Esses efeitos decorrem dos processos de interação da radiação com a matéria. Portanto, após a interação da radiação com a amostra material haverá uma dada quantidade dn de fótons que não irá alcançar D. O número de fótons dn que não chegam a D é

5 5 proporcional à quantidade inicial N 0 de fótons e também à espessura dx do absorvedor, como mostrado a seguir: dn = μ. N 0dx (3) onde a constante de proporcionalidade μ é o coeficiente de atenuação linear como já descrito anteriormente. Freqüentemente nos textos científicos encontra-se a Eq. 3 escrita em termos da mudança di na intensidade inicial I 0 do feixe de radiação que chega até o absorvedor. Assim para o caso de um feixe de fótons monoenergéticos a variação da intensidade será dada por: di = μ. I 0dx (4) O sinal negativo indica a diminuição na intensidade do feixe transmitido com o aumento da espessura do absorvedor. A Eq. 4 ainda pode ser integrada ao longo da espessura da amostra considerando-se x = 0 a superfície em que chegam os fótons incidentes e x = x a superfície de onde emergem os fótons transmitidos: I di I x = μ dx (5) I0 0 Após a integração da Eq. 5 é possível chegar à conhecida Lei de Beer-Lambert: I = I 0 exp( μ. x) (6) Para sistemas em que existem dois ou mais tipos de materiais absorvedores, como é o caso, por exemplo, de amostras de solo é possível escrever a seguinte relação para o feixe transmitido (WANG ET AL., 1975; FERRAZ E MANSELL, 1979; HUBBELL, 1990): I = I exp ( μ. x + μ. x ) = I.exp ( μ. ρ. θ + μ. x (7) 0. ag ag s s 0 mag ag ms ρ s ). onde μ s, μ ag, μ ms e μ mag são os coeficientes de atenuação linear e de massa do solo e da água, respectivamente. Pela Eq. 7 é possível observar que nas medidas do coeficiente de atenuação linear do material absorvedor estão embutidas informações a respeito da sua densidade e umidade, o que possibilita medir essas duas quantidades através da técnica de atenuação de raios gama. IV. Equipamentos usados para efetuar medidas experimentais pela técnica de atenuação de raios gama As intensidades da radiação gama transmitida e incidente (I e I 0 ) utilizadas na determinação da atenuação produzida por diferentes materiais são determinadas através de um sistema chamado de cadeia nuclear (Fig. 3).

6 6 Fig. 3 Diagrama em blocos do sistema de detecção da radiação gama (cadeia nuclear). Através dos mecanismos de interação da radiação com a matéria, elétrons do interior do cristal cintilador (detector de radiação) são elevados a estados de maior energia decaindo aos estados de menor energia muito rapidamente. No processo de transição aos níveis de menor energia são emitidos fótons com freqüência situadas na faixa de luz visível do espectro eletromagnético. Os pulsos luminosos gerados da interação da radiação com o material que compõem o cristal possuem intensidades proporcionais à energia da radiação incidente no cristal cintilador. Um amplificador associado a uma válvula fotomultiplicadora, faz com que estes pulsos luminosos sejam transformados em pulsos elétricos, que podem ser discriminados através da utilização de um analisador monocanal. Um contador identifica os pulsos discriminados no analisador monocanal e os conta num intervalo de tempo determinado por um temporizador. As medidas de densidade, umidade e comprimento efetuadas neste trabalho foram realizadas no Laboratório de Física dos Solos do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (USP/CENA) situado na cidade de Piracicaba, SP. A fonte radioativa usada foi de 241 Am com um período de meia vida (T 1/2 ) 5 de 458 anos. A energia do fóton gama (E γ ) proveniente da fonte de 241 Am é de 59,54 kev e sua atividade é de aproximadamente 7,4 GBq 6. Um detector de iodeto de sódio ativado com tálio [NaI(Tl)] do tipo plano com dimensões de 3x3 polegadas foi usado para detecção dos fótons gama. O detector é revestido por um castelo cilíndrico de alumínio e blocos de chumbo são colocados ao seu redor para minimizar a detecção de fótons não provenientes das fontes radioativas, ou seja, radiação de fundo ("background"). Na saída da fonte radioativa e entrada do detector foram colocados colimadores de chumbo com diferentes formatos (cilíndricos e fenda) e diâmetros. A colimação entre fonte e detector é importante porque pode minimizar erros tanto nas medidas de densidade como de umidade (FERRAZ E MANSELL, 1979). Sistemas mal colimados possibilitam a detecção de 5 Cada elemento radioativo decai a uma velocidade que lhe é característica. Meia-vida é o tempo necessário para que a sua atividade seja reduzida à metade da atividade inicial. 6 1 Bq = 1 desintegração por segundo (s -1 ).

7 7 fótons espalhados não "puros" como se fossem transmitidos (fator "build-up") (OCHIANA, 1994; BRAR et al., 1998). Uma boa colimação é sempre necessária para a realização de medidas mais precisas utilizando-se o método de atenuação da radiação gama. A Fig. 4 traz fotos de alguns dos equipamentos usados nas medidas pelo método nuclear. (A) (B) (C) Fig. 4 (A) Colimadores de chumbo com diferentes formas e diâmetros; (B) Castelo de chumbo contendo a fonte radioativa de 241 Am; (C) Mesa de medidas onde pode ser observado o detector de NaI(Tl), o préamplificador, o castelo de chumbo contendo as fontes radioativas e a blindagem de chumbo sobre o detector.

8 8 V. Resultados experimentais 1) Coeficiente de atenuação A fonte radioativa utilizada como descrito anteriormente foi a de 241 Am com "janela" fixada para o fotopico do espectro de radiação entre 3,2 a 5,8 V (Fig. 5). A temperatura da sala para as medidas foi mantida constante em torno de 22,0 ± 1,0 C. O levantamento do espectro para a definição do fotopico, referente aos fótons emitidos pela fonte radioativa, consiste no primeiro passo experimental antes de qualquer medida usando um feixe de radiação colimado (MANSELL ET AL., 1973) Colimador tipo fenda Colimador 4 mm 4000 I (10 s) altura do pulso (V) Fig. 5 Espectro do 241 Am com o fotopico referente ao gama de 59,54 kev obtido para dois colimadores de formatos diferentes. A determinação do coeficiente de atenuação linear para as amostras sólidas (peças de acrílico e nylon) usadas neste estudo foi realizada através do seguinte procedimento: 1) mediu-se o I 0 (cps) com o feixe de radiação sendo atenuado somente pelo ar, usando colimadores de 1 mm e 4,5 mm na saída da fonte radioativa e entrada do detector, com um tempo de contagem de 60 s para cada medida de intensidade; 2) mediu-se o I (cps) para 20 diferentes posições (repetições) ao longo das amostras; 3) determinou-se a espessura, x (cm), de cada material com auxílio de um paquímetro; 4) usou-se a Eq. 6 para a determinação de μ; 5) mediu-se a densidade, d (g.cm -3 ), de cada material para o cálculo dos respectivos coeficientes de atenuação de massa pela Eq. 2; A determinação do coeficiente de atenuação linear para a amostra porosa (solo) usada neste estudo foi realizada através do seguinte procedimento: 1) primeiramente a amostra de solo secada em estufa a 105 C por um período de 24 h foi passada em peneira com malha de 2 mm; 2) selecionou-se um recipiente de volume conhecido para acondicionar o solo, o qual foi preenchido cuidadosamente; 3) mediu-se a massa de solo, m (g), contida no recipiente para a determinação da sua densidade e, conseqüentemente, do seu coeficiente de atenuação de massa; 4) determinou-se a espessura do material medindo-se o comprimento interno do recipiente usado para acondicionar o solo; 5) mediu-se o I 0 com o feixe de radiação sendo atenuado somente pelo recipiente onde o solo foi acondicionado; 6) mediu-se o I para 20

9 9 diferentes posições (repetições) ao longo da amostra; 7) usou-se a Eq. 6 para a determinação de μ. A determinação do coeficiente de atenuação linear para a amostra líquida (glicerina) usada neste estudo foi realizada através do seguinte procedimento: 1) escolheu-se um recipiente de volume conhecido para acondicionar o líquido, o qual foi preenchido cuidadosamente; 2) mediu-se a massa de líquido contido no recipiente para a determinação da sua densidade e, conseqüentemente, do seu coeficiente de atenuação de massa; 3) determinouse a espessura do material medindo-se o comprimento interno do recipiente usado para acondicionar o líquido; 4) mediu-se o I 0 com o feixe de radiação sendo atenuado somente pelo recipiente onde o líquido foi acondicionado; 5) mediu-se o I para 20 diferentes posições (repetições) ao longo da amostra; 6) usou-se a Eq. 6 para a determinação de μ. 2) Medidas de densidade usando atenuação de raios gama Dois materiais sólidos (peças de nylon e acrílico) e um líquido (glicerina) foram usados nas medidas de densidade pelo método de atenuação de raios gama. Os valores dos coeficientes de atenuação destes materiais foram retirados do trabalho de Pires et al. (2005). Na tabela 2 constam detalhes a respeito de algumas características físicas dos materiais usados nas medidas de densidade. Tabela 2 Características físicas das amostras usadas na determinação da densidade usando a lei de atenuação de Beer-Lambert. Material m (g) V (cm 3 ) d (g.cm -3 ) μ m (cm 2.g -1 ) Acrílico 10,6 11,3 0,93 0,152 Nylon 120,5 107,3 1,12 0,183 Glicerina 160,7 134,8 1,19 0,184 As medidas de densidade pela técnica de atenuação de raios gama foram feitas com o feixe de radiação sendo posicionado para passar em cinco diferentes posições ao longo das amostras. Um colimador de chumbo com 1 mm de diâmetro foi usado na saída da fonte. Estas posições foram nominadas P1, P2, P3, P4 e P5. O valor de densidade média (média aritmética simples das 5 densidades obtidas para as 5 diferentes posições de varredura) obtido pela método nuclear foi comparado com o calculado tradicionalmente (tabela 2). A tabela 3 traz os valores de densidade medidos pelo método nuclear para os 3 diferentes materiais. Tabela 3 Medidas de densidade usando a atenuação de raios gama. d (g.cm -3 ) Material P1 P2 P3 P4 P5 Média ER (%) 1 Acrílico 0,95 0,99 0,97 0,93 0,96 0,96 3,2 Nylon 1,15 1,19 1,09 1,13 1,13 1,14 1,6 Glicerina 1,20 1,17 1,18 1,19 1,19 1,19 0,3 d 1 ( tradicional ) d ( atenuação) O erro relativo (ER) foi calculado usando-se a seguinte relação: ER (%) =. 100 d ( tradicional) O baixo valor de erro relativo (tabela 3) demonstra que os valores experimentais de densidade medidos através da técnica de atenuação de raios gama estão bastante próximos dos valores determinados tradicionalmente. Este resultado mostra que esta técnica pode ser usada com segurança para determinações de densidade de diferentes materiais. O valor de erro maior encontrado para a peça de acrílico pode ser explicado pela presença de impurezas na

10 10 peça afetando a sua homogeneidade ou então devido a flutuação estatística existente nos eventos de desintegração de um núcleo radioativo. Durante uma medida de I, a sua incerteza a um nível de 68% de probabilidade, é igual a I. Ainda com a finalidade de mostrar que os dados de densidade obtidos pelo método nuclear são satisfatórios foi construído um gráfico de densidade, calculada tradicionalmente e pelo método de atenuação de raios gama, versus o coeficiente de atenuação linear para os 3 diferentes materiais (Fig. 6). 1,20 1,12 d (g.cm -3 ) 1,04 0,96 0,88 0,12 0,15 0,18 0,21 0,24 μ (cm -1 ) Método Tradicional Método Nuclear Ajuste Linear dos Dados d=0,48+3,20μ r 2 =0,99 Fig. 6 Correlação entre a densidade e o coeficiente de atenuação linear de diferentes materiais. Quando ocorre um aumento da densidade de um determinado material este deve também atenuar uma maior quantidade de fótons, por este motivo as blindagens para fontes radioativas de raios gama são feitas geralmente de chumbo 7. Portanto, quanto maior a densidade maior o coeficiente de atenuação do material, sendo este resultado corroborado pelo gráfico mostrado na Fig. 6. 3) Medidas de umidade usando a atenuação de raios gama Para a medida de umidade utilizando o método nuclear foi coletada uma amostra de solo (material poroso) com estrutura indeformada em um tubo de PVC possuindo as seguintes dimensões: altura de 30 cm, diâmetro de 10 cm e volume de 2355 cm 3. No centro do tubo de PVC, contendo o solo, foi inserida uma cápsula porosa ligada a um outro tubo de PVC, com as mesmas dimensões da cápsula (diâmetro de 2 cm), o qual era mantido cheio de água. Com o solo inicialmente seco foram feitas as medidas de I 0 em diferentes posições ao longo da amostra desde próximo a borda da cápsula porosa até próximo a borda do tubo de PVC que continha a amostra (Fig. 7A). As medidas de I 0 e I foram realizadas ao longo de um plano cruzando o centro da cápsula porosa e em ambos os lados da mesma (Fig. 7B). Após todas as medidas de I 0 e I, ao redor da cápsula porosa, o tubo de PVC foi girado de 90 e novas medidas de I 0 e I foram realizadas em ambos os lados da cápsula porosa por uma segunda vez (Fig. 7C). Os valores de umidade obtidos representam uma média das medidas em ambos os 7 Por exemplo, as densidades da água, chumbo e alumínio são: 1 g.cm -3, 11,34 g.cm -3 e 2,70 g.cm -3.

11 11 lados da cápsula porosa (para cada posição) antes e após girar o conjunto de 90. Estas determinações foram realizadas para se verificar a capacidade do solo em retirar água da cápsula porosa preenchida com água. Fig. 7 (A) Representação esquemática do arranjo experimental para determinação da distribuição de umidade de material poroso (solo) usando o método de atenuação de raios gama; (B) Cada seta indica a posição de varredura do feixe de radiação ao lado da cápsula porosa; (C) Varredura nas mesmas posições após o conjunto girar um ângulo de 90. Os coeficientes de atenuação de massa do solo (0,241 cm 2.g -1 ) e da água (0,199 cm 2.g - 1 ) foram determinados seguindo os procedimentos descritos anteriormente. Como a espessura, x, é variável para a amostra de solo contida no cilindro de PVC, a mesma foi determinada marcando-se com uma caneta a posição onde seria feita cada avaliação de atenuação ao longo do tubo e medindo-se cada espessura com o auxílio de um paquímetro. As espessuras das amostras varridas pelo feixe ao longo das sete posições selecionadas, a partir da borda da cápsula porosa, foram: 9,4; 9,0; 8,5; 7,5; 6,8; 5,9 e 4,0 cm. Vale lembrar que a espessura no centro do conjunto (tudo de PVC + cápsula porosa) era de 10 cm. Portanto, conhecendo-se os coeficientes de atenuação do solo e da água, a densidade do solo calculada tradicionalmente (1,56 g.cm -3 ) e as espessuras cruzadas pelo feixe de radiação foi possível o cálculo da distribuição de umidade média ao redor da cápsula porosa com auxílio da Eq. 7. A tabela 4 traz o valor da distribuição de umidade média para as sete diferentes posições de medida ao longo da cápsula porosa. Tabela 4 Valores médios da distribuição de umidade em amostra de solo (material poroso) usando a técnica de atenuação de raios gama. Posição da Medida R (cm) 1 x (cm) 2 θ (%) 3 1 0,5 9,4 37,9 2 1,0 9,0 24,4 3 1,5 8,5 14,7 4 2,0 7,5 11,1 5 2,5 6,8 6,8 6 3,0 5,9 3,5 7 3,5 4,0 2,3 1 R representa a distância da medida com o feixe de radiação a partir da parede da cápsula porosa; 2 x represente a espessura cruzada pelo feixe de radiação; 3 θ representa a distribuição de umidade do solo expressa em porcentagem. A partir da análise dos dados de umidade média mostrados na tabela 4 é possível observar que existe um gradiente de umidade a partir da borda da cápsula porosa preenchida com água até as paredes do cilindro de PVC. Este resultado mostra que a água tende a se concentrar próximo a cápsula porosa e apenas uma pequena fração sua consegue atingir as

12 12 regiões próximas as bordas da amostra de solo. Portanto, o método nuclear demonstra ser uma ferramenta útil para medidas de distribuição da umidade em materiais porosos. 4) Medidas de comprimento usando a atenuação de raios gama Para as medidas de comprimento foram usadas duas peças sólidas construídas em acrílico e nylon cuja descrição encontra-se na tabela 2. A escolha de tais peças é devido a relativa homogeneidade de seus valores de densidade. Para a peça de nylon (retangular) foram feitas 3 medidas em um de seus lados e outras 3 em outro, sendo cada contagem dos fótons realizada na altura central da amostra (Fig. 8A). Após essas 3 medidas em cada lado foi obtido um valor médio de comprimento referente a cada um dos lados e estes dados foram usados para o cálculo da área da peça pelo método nuclear. Para a peça de acrílico (cilíndrica) foram feitas 3 medidas na área de maior diâmetro da peça, sendo que para cada medida a peça foi girada de 90 (Fig. 8B). O objetivo de cada medida foi obter um valor médio do diâmetro da peça para posteriormente calcular-se a área da base da peça cilíndrica de acrílico usando-se o método nuclear. A Eq. 7 foi utilizada na determinação do comprimento e diâmetro das peças. Como ambas não continham água o termo referente a umidade foi considerado nulo e os valores de densidade usados para ambas as peças foram aqueles determinados tradicionalmente (tabela 2). Fig. 8 (A) Posições selecionadas (setas) de passagem do feixe de radiação para a determinação do comprimento da peça de nylon; (B) Posições selecionadas (setas) de passagem do feixe de radiação para a determinação do diâmetro da peça cilíndrica de acrílico. As medidas de comprimento de ambas as peças realizadas tradicionalmente com o auxílio de um paquímetro e também pelo método de atenuação de raios gama são apresentadas na tabela 5. Tabela 5 Valores de comprimentos obtidos tradicionalmente e pelo método de atenuação de raios gama para dois materiais diferentes. Método Tradicional Método Gama Material C 1 (cm) 1 C 2 (cm) A (cm 2 ) 2 C 1 (cm) C 2 (cm) A (cm 2 ) ER (%) 3 Acrílico 4,73-17,57 4,70-17,35 1,3 Nylon 6,11 4,00 24,44 6,09 3,99 24,30 0,6 1 C n representa os comprimentos medidos por ambas as técnicas; 2 A representa a área calculada; 3 O erro relativo (ER) foi calculado usando- A A ( tradicional) ( atenuação) se a seguinte relação: ER (%) = A( tradicional )

13 13 O baixo valor do erro relativo encontrado mostra que a técnica de atenuação de raios gama permite a obtenção de valores de comprimento e diâmetro com uma boa precisão. VI. Considerações finais Os resultados deste trabalho demonstram possíveis aplicações da energia nuclear e da lei de Beer-Lambert para determinações de distribuições de umidade e densidade de materiais e também cálculos de espessura. Neste trabalho optou-se por se trabalhar com fontes radioativas que emitem raios gama. No entanto, os mesmos resultados poderiam ser alcançados com o auxílio de fontes de raios X. As aplicações da técnica de raios gama demonstradas neste trabalho podem ser facilmente repetidas em universidades que possuam laboratórios que façam uso da energia nuclear, porém o uso desta metodologia em instituições de ensino médio torna-se inviável devido ao preço dos equipamentos necessários para tais medidas e das exigências das agências que regulam o uso de materiais radioativos no Brasil para a instalação de fontes radioativas. A publicação deste trabalho tem como objetivo principal mostrar aos professores e alunos do ensino médio, e também superior, possíveis usos da energia nuclear visando o ensino e a pesquisa, além da sua já conhecida utilização na geração de energia elétrica e construção de bombas de destruição em massa. VII. Referências bibliográficas BRAR, G. S et al. Variation of buildup factors of soils with weight fractions of iron and silicon. Applied Radiation and Isotopes, v. 49, p , FERRAZ, E. S. B.; MANSELL, R. S. Determining water content and bulk density of soil by gamma ray attenuation methods. IFAS - Institute of Food and Agricultural Sciences. Technical Bulletin, University of Florida, p HUBBELL, J. H. Survey of industrial, agricultural, and medical applications of radiometric gauging and process control. Journal of Research of the National Institute of Standards and Technology, v. 95, p , JENKINS, R.; GOULD, R. W.; GEDCKE, D. Quantitative X-ray spectrometry. New York: Marcel Dekker, p. KAPLAN, I. Física Nuclear. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, p. KNOLL, G. F. Radiation Detection and Measurement. 2. ed. New York: John Wiley & Sons Inc., p. MANSELL, R. S.; HAMMOND, L. C.; McCURDY, R. M. Coincidence and interference corrections for dual-energy gamma ray measurements of soil density and water content. Soil Science Society of America Proceedings, v. 37, p , OCHIANA, G. Buildup factor for wide conical gamma photon beams penetrating two-layered plane parallel shields. Romanian Journal of Physics, v. 39, p , 1994.

14 14 PIRES, L. F et al. Qualitative and quantitative analysis of soil samples by computerized tomography. Publicatio UEPG Ciências Exatas e da Terra, v. 11, p. 7-15, WANG, C. H.; WILLIS, D. L.; LOVELAND, W. D. Characteristics of ionizing radiation. In: WANG, C. H.; WILLIS, D. L.; LOVELAND, W. D. (Eds.) Radiotracer methodology in the biological environmental and physics science. New Jersey: Prentice-Hall, p

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA L. M. da Silva *, M. C. da Rocha *, C. R. Appoloni *, O. Portezan Filho

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

Laboratório de Física Moderna (4300377) INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO γ COM A MATÉRIA

Laboratório de Física Moderna (4300377) INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO γ COM A MATÉRIA Laboratório de Física Moderna (4300377) INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO γ COM A MATÉRIA Paulo R. Costa DFN/IFUSP 1 Conteúdo Introdução... 3 Aspectos gerais da interação de fótons com a matéria... 3 Interações de

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Ensaios não Destrutivos

Ensaios não Destrutivos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - INSPEÇÃO Ensaios não Destrutivos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E INSTRUMENTOS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Geração de Raios Gama Geração de Raios-x Geração de Raios gama Raios-γsão as radiações eletromagnéticas de mais alta energia

Leia mais

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

Física Atómica e Nuclear

Física Atómica e Nuclear Física Atómica e Nuclear ESPECTROSCOPIA DA RADIAÇÃO GAMA OBJECTIVO : Estudo das propriedades dos espectros da radiação gama quando observados com um detector de cintilação, o NaI(Tl), acoplado a um analisador

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS SANTOS A.R.L. (1), SILVA F.S. (1), FREITAS B.M. (2), TAVARES D.Y.S. (3), MARTINS M. M. (1) PEREIRA W.W. (1)

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética Radiações Quando se fala em radiação, as pessoas geralmente associam esta palavra com algo perigoso. O que elas não sabem é que estamos expostos diariamente à radiação. Radiação nada mais é do que a emissão

Leia mais

suficientemente, a corrente satura num valor limite como

suficientemente, a corrente satura num valor limite como 5.3 Condução em gases (Geralmente esta seção não pode ser apresentada num curso de 4 horas semanais. O conteúdo tem relevância para alunos de engenharia de meio ambiente, geociências, engenharia elétrica,

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente

Leia mais

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM

IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM IMAGENS EM RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE DA IMAGEM HENRIQUE TROMBINI 1, ALINE GUERRA DYTZ 2 RESUMO Neste trabalho foram realizadas várias imagens radiográficas de um modelo de

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

Laboratório de Estrutura da Matéria I

Laboratório de Estrutura da Matéria I Laboratório de Estrutura da Matéria I Interferência e difração com microondas PRINCÍPIO E OBJETIVOS Fenômenos óticos de interferência e difração são investigados com uso de feixes de microondas e objetos

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL T1 Propriedades físicas de um filme fino magnético Difracção raios X, Microscopia Força Atómica, Magnetometria SQUID Rui Borges Centro de da UL Estudo de um filme fino de óxido magnético depositado por

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Método de Laue. Um monocristal é irradiado por um feixe de raio-x. A figuras de difração resultante é registrada em um filme para raio-x e analisada.

Método de Laue. Um monocristal é irradiado por um feixe de raio-x. A figuras de difração resultante é registrada em um filme para raio-x e analisada. 1318 Experimentos com Raios X 1 Identificação de Estruturas por Raios-X Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Ricardo Barthem - Instituto de Física - UFRJ Método de Laue

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Capítulo 12 Detectores

Capítulo 12 Detectores Capítulo 12 Detectores terceira versão 2006.1 Embora haja uma variedade enorme de detectores para as mais diversas aplicações, todos são baseados no mesmo princípio fundamental: o depósito de parte ou

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x.

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x. LISTA TEMÁTICA E DE PROBLEMAS o. 7 - Transições Eletrônicas: Aparelho de Produção de Denominamos raios-x, descobertos por Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923) em 1895, a emissões eletromagnéticas cujos

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS Apêndice - O Tubo de Geiger - Müller 1 - Descrição sumária O tubo de Geiger é constituido essencialmente por dois eléctrodos, o cátodo e o ânodo, encerrados num recipiente de

Leia mais

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida Conteúdo 5 Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida 5.1 Conceitos básicos sobre radiação Como discutimos em sala de aula a radiação é um tipo de propagação de energia que não deve ser

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X 2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X A famosa experiência de William Crookes, na qual um gás à pressão ambiente numa ampola era submetido a uma alta tensão elétrica, fazendo, dessa forma, com que

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DE MASSA EM MADEIRAS E FOLHAS DE ÁRVORES NATIVAS PELA TÉCNICA DE ATENUAÇÃO DE RAIOS GAMA

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DE MASSA EM MADEIRAS E FOLHAS DE ÁRVORES NATIVAS PELA TÉCNICA DE ATENUAÇÃO DE RAIOS GAMA DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DE MASSA EM MADEIRAS E FOLHAS DE ÁRVORES NATIVAS PELA TÉCNICA DE ATENUAÇÃO DE RAIOS GAMA *Regina M. de Miranda, Elisabete M. Pascholati *Departamento de Metalogênese

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

CAPÍTULO 3 INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM A MATÉRIA

CAPÍTULO 3 INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM A MATÉRIA CAPÍTULO 3 INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM A MATÉRIA 3.1. IONIZAÇÃO, EXCITAÇÃO, ATIVAÇÃO E RADIAÇÃO DE FREAMENTO Sob o ponto de vista físico, as radiações ao interagir com um material, podem nele provocar excitação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 01: DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Introdução Entende-se por raios-x, a região do espectro eletromagnético com comprimentos

Leia mais

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA 1 MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA 1 INTRODUÇÃO A microscopia eletrônica de varredura é a técnica de caracterização microestrutural mais versátil hoje disponível, encontrando aplicações em diversos

Leia mais

2.1: Espalhamento de Raios X

2.1: Espalhamento de Raios X Unidade 1 - Aula * Tradução e adaptação livre das aulas do Professor Rick Trebino em: www.physics.gatech.edu/frog Propriedades da Onda de Matéria ria* * + Difração de Elétrons.1 Espalhamento de Raios X.

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc O que é Monte Carlo? O nome MONTE CARLO foi dado à um tipo de método matemático por cientistas que trabalhavam no desenvolvimento de armas nucleares em Los Alamos

Leia mais

Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção.

Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção. Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Laboratório Avançado de Física Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção. I- Objetivos: Determinar o espectro de

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo 01. Dois astronautas, A e B, encontram-se livres na parte externa de uma estação espacial, sendo desprezíveis as forças de atração gravitacional sobre eles. Os astronautas com seus trajes espaciais têm

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL Introdução A medição de nível.engloba, também, a medição do volume e do peso de líquidos e sólidos contidos em recipientes. Basicamente, a medição

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Thiago Machado Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Röntgen estudava o fenômeno da luminescência

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428 Aula 8 Fótons e ondas de matéria II Física Geral F-428 1 Resumo da aula anterior: Planck e o espectro da radiação de um corpo negro: introdução do conceito de estados quantizados de energia para os osciladores

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Detectores de Partículas Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Sumário Modelo geral de um detector. Medidas destrutivas e não-destrutivas. Exemplos de detectores. Tempo de vôo. Detectores a gás. Câmara de

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO

Leia mais

Identificação e determinação da área de picos

Identificação e determinação da área de picos Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 149-154 Copyright 2007 AERPA Editora CUIDADOS COM PICOS ESPÚRIOS NO USO DE ESPECTROSCOPIA DE FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X PARA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Espectrometria de fluorescência de raios X

Espectrometria de fluorescência de raios X Espectrometria de fluorescência de raios X Espectro eletromagnético E = h.f f = c / λ E.λ = h.c Fonte: PROGRAMA EDUCAR CDCC USP SÃO CARLOS. Luz: fundamentos teóricos. São Carlos: CDCC/USP, 2009. Disponível

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica Aula 04 Atenuação de RX 2012 http://www.upscale.utoronto.ca/generali nterest/harrison/flash/nuclear/xrayinte ract/xrayinteract.html 2 Propriedades do alvo Boa Condutividade Térmica:

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais