A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network"

Transcrição

1 A Heterogeneous Mobile I QoS-aware Network Victor Marques Rui Aguiar Jürgen Jähnert Karl Jonas Marco Liebsch Hans Einsiedler Francisco Fontes 1 ortugal elecom, SA

2 Sumário Motivação Obstáculos Redes móveis de 3+ Geração Requisitos Dificuldades Arquitectura Conclusões 2

3 A Heterogeneous Mobile I QoS-aware Network 3 orquê? ossibilidade de aceder a (quase) tudo, a toda a hora e em qualquer local Como? Agregação de todo o tipo de tráfego (voz, dados, etc) na mesma tecnologia de transporte Interfuncionamento em ambientes heterogéneos num mundo com mobilidade Os obstáculos: Juntar QoS, Mobilidade e AAAC (authorisation, authentication, accounting and charging) em redes heterogéneas

4 Requisitos Mínimos Voz sobre I (VoI) Serviços de dados em ambientes móveis ecnologias de acesso distintas: WCDMA WLAN Ethernet 4

5 5 Obstáculos para QoS em ambientes móveis Handovers múltiplos e distintos: Entre diferentes tecnologias (handover vertical) Entre células da mesma tecnologia (handover horizontal ) Uma chamada de VoI necessita: Reserva de recursos de rede Garantia de determinados parâmetros de QoS Confirmação da informação administrativa (e.g. autenticação e autorização) Os Handovers devem ser feitos num curto espaço de tempo, sem prejudicar as comunicações já estabelecidas

6 Características globais da rede Iv6Móvel Serviços Diferenciados (DiffServ) erfis de utilizador Gestão de rede distribuída Servidores AAAC (authorisation, authentication, accounting and charging) 6

7 Arquitectura Geral da Rede WCDMA Acce ss Network AG QoS Broker AAAC server NMS I Backbone b Access Network AG Iv6 Backbone Ethernet Access Network AG Access Network Core Network

8 Entidades Identificadas M erminal Móvel AN Rede de Acesso (pode ser Ethernet, WCDMA ou b) AG Gateway (ou AR Router de Acesso) QoS Broker Entidade de Alto Nível que é responsável pela gestão de QoS e pela admissão dos utilizadores AAAC Server Entidade de Alto Nível que é responsável por manter o perfil dos utilizadores, para autenticação, autorização, controlo de gastos e tarifação de acordo com a utilização dos recursos. NMS Sistema de Gestão de Rede Apesar do QoS Broker e o AAAC fazerem parte do NMS, existem outras funções operacionais, de administração e gestão que são necessárias na rede e estão centradas nesta entidade (funções de policiamento, de políticas, de processamento de alarmes, etc.) 8

9 Serviços para o Utilizador Serviço remium o utilizador subscreve um serviço com garantia de disponibilidade total dos recursos definidos no seu perfil (contrato); Serviço de Assinatura Normal o utilizador subscreve um serviço com parâmetros de serviço bem definidos (bit-rate, atraso, jitter, perdas máximas, disponibilidade); Serviço ré-ago o utilizador está autorizado a usar uma certa quantidade de recursos até o crédito se esgotar. 9

10 Requisitos da Solução Final Deve respeitar e garantir o funcionamento correcto em todas as situações Com complexidade minimizada Com o menor custo possível Seguindo e adoptando as normas internacionais o melhor possível 10

11 Gestão da QoS 11 Mecanismos Diffserv na rede de Core As gateways de acesso devem mapear os pacotes dos utilizadores em classes de serviço distintas, de acordo com o SLA e a aplicação utilizada. O tráfego Best-Effort é usado para acomodar variações de requisitos de QoS nas outras classes de serviço. Devem existir entidades E e D de modo a vigiarem todos os utilizadores, e actuarem contra os mal comportados. O QoS Broker deve gerir as ligações dentro do seu domínio e deve dialogar com os QoS Brokers dos domínios vizinhos de modo a garantir a QoS extremo a extremo. O servidor de AAAC guarda o perfil dos utilizadores, e a informação relativa a taxação.

12 Requisitos para os Handovers Os handovers (nível 2) devem ser feitos numa base break before make (devido à utilização de WCDMA) Cada nova ligação deverá ser negociada no nível I (nível 3) através da gateway actual. A reserva de recursos deverá ser efectuada antes do handover de nível 2 ser iniciado. A solução final será baseada em simulação e em medidas reais de desempenho : Soluções hierárquicas vs Fast Handovers 12

13 Arquitectura de Gestão Independentemente dos níveis inferiores, as questões de Gestão e Administração têm de ser tratadas durante o handover, o que implicará maiores atrasos no processo de handover. A arquitectura que será implementada foi desenhada de modo a minimizar os problemas de atrasos ao nível de gestão e administração durante o handover 13

14 Arquitectura da Rede de ransporte e Gestão Core Network Other Domain AAAC Servers ransport &Management Infrastructures AAAC Server M AR + AG + E Core Router AAA + D + QoSB Management ransport

15 Conclusões Definimos uma arquitectura de rede Utilizando mecanismos I Redes de acesso diferentes com heterogeneidade tanto a nível técnico como administrativo Com serviços de dados móveis Com QoS Com suporte de AAAC Resultando... numa arquitectura de transporte e gestão destinada a minimizar os problemas de gestão e handover, que serão críticos neste tipo de ambientes. 15

16 O rojecto Moby Dick 16 Moby Dick - Mobility and Differentiated Services in a Future I Network roject Number: IS roject duration: 36 months Key Action: IS IV.5.2: "errestrial Wireless Systems and Networks Clusters: Wireless I, Mobile Services and Applications

17 Obrigado! Questões? 17 ortugal elecom, SA

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP Micro-Mobilidade IP Micro-Mobilidade IP As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip FEUP, Abril 00 Pedro Vale Estrela pedro.estrela@inesc.pt Sumário Introdução à micro-mobilidade IP IP clássico MIP clássico Micro-Mobilidade

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: 9 Turno (e campus): Taguspark Nome Número Luís Silva 68672 Ivo Marcelino 70684 José Lucas 70685 Nome do Projecto Enterprise Digital Content

Leia mais

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144) PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Mobilidade e Probes Móveis Susana Sargento, Nelson Capela, Frank Knaesel (IT

Leia mais

Redes IP Móveis. Handover

Redes IP Móveis. Handover Redes IP Móveis Mobilidade na camada de rede: o terminal muda de subrede e preserva as conexões de transporte. O processo de mudança de subrede é denominado handover. Macro-mobilidade: handover entre domínios

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

» Conveniência fixo-móvel

» Conveniência fixo-móvel 26 de Fevereiro 2008 Centro Cultural de Belém Lisboa Luis Esteves Martins Siemens Enterprise Communications Portugal» Conveniência fixo-móvel Page 1 Copyright Siemens Enterprise Communications 2007. All

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS

Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS 959 Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS César A. H. Loureiro 1 RESUMO A migração do IPv4 para o IPv6 está ocorrendo com menos intensidade do que se esperava. Contudo

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2 Interfaces e Interligação Modelo de Evolução da Interligação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Engenharia Informática e Comunicações

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Engenharia Informática e Comunicações Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Engenharia Informática e Comunicações WRAN Wireless Regional Access Network Fornecimento de Internet à população da Freguesia de Memória Orador: Tiago Mira

Leia mais

Redes de Nova Geração

Redes de Nova Geração Redes de Nova Geração Pedro Nascimento 9 de Outubro, 2006 Workshop sobre Redes de Nova Geração ANACOM Sumário O Mercado Português Números Dinâmica Factores de crescimento Os Serviços de Banda Larga Ofertas

Leia mais

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador

O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador. O Backbone da Internet infra-estrutura de rede de operador 11 O Backbone da Internet Infra-estrutura de rede de operador 22 Objectivo da apresentação 1. Apresentar a topologia-macro da infra-estrutura de rede 2. Identificar os principais desafios para os operadores

Leia mais

Redes de Próxima Geração

Redes de Próxima Geração Mestrados Integrados Aveiro, 23 Abril 2008 Redes de Próxima Geração Susana Sargento (http://www.av.it.pt/ssargento/) em cooperação com vários colegas 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Parâmetros de qualidade em redes LTE

Parâmetros de qualidade em redes LTE REDES MÓVEIS 80 RTI AGO 2015 Parâmetros de qualidade em redes LTE Luciano Henrique Duque, da LHD Engenharia O artigo apresenta uma forma de extrair os indicadores de qualidade de banda larga em redes 4G

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

1.1 Desafios da administração de redes

1.1 Desafios da administração de redes 1 - Introdução As redes informáticas fazem já parte do nosso dia-a-dia, mesmo quando não nos apercebemos de que elas estão lá. Tentemos imaginar um mundo sem redes de comunicação de dados e sem Internet,

Leia mais

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x.

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x. 1 Introdução A comunicação de dados por redes sem fio (Wireless Local Area Network - WLAN - Padrão IEEE 802.11b) experimenta uma rápida expansão tecnológica, proporcionando novas soluções para serem implementadas

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa EAP (Extensible

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves 1. João Neves, 2007. João Neves, 2006 2

Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves 1. João Neves, 2007. João Neves, 2006 2 Análise de Fluxos Joao.Neves@fe.up.pt João Neves, 2007 Análise de Fluxos João Neves, 2006 2 João Neves 1 Conceito de Fluxo O conceito de fluxo (fluxo de dados ou fluxo de tráfego) para uma ligação fim-a-fim

Leia mais

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas

Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas Soluções convergentes para redes de voz, estratégias de migração e seus impactos nas empresas, Carlos Alberto Malcher Bastos, Marcos Tadeu von Lutzow Vidal, Milton Martins Flores Quem somos? Laboratório

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004

Pedro Alexandre Sousa Gonçalves. Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP. Universidade de Aveiro 2004 Universidade de Aveiro 2004 Departamento de Electrónica e Telecomunicações Pedro Alexandre Sousa Gonçalves Implementação de um gestor de Qualidade de Serviço para redes heterogéneas IP Universidade de

Leia mais

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio ESTRUTURA E ASPECTOS 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio A 3S Networks surgiu com a proposta de oferecer as mais avançadas soluções tecnológicas a empresas dos setores privado e público, atuamos

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes. Qualidade de Serviço (QoS) conceito

Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes. Qualidade de Serviço (QoS) conceito Qualidade de Serviço em Redes de Comutação de Pacotes FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Qualidade de Serviço (QoS) conceito Do ponto de vista do utilizador de uma aplicação ou serviço

Leia mais

! "#$ % !" ##$#$%& '!( '% )*+, -, " $.%#%$/ #0 1, 2 Windows XP Professional.vmx )3! ethernet0.address = "00:50:56:00:54:1X"

! #$ % ! ##$#$%& '!( '% )*+, -,  $.%#%$/ #0 1, 2 Windows XP Professional.vmx )3! ethernet0.address = 00:50:56:00:54:1X ! "#$ %!" ##$#$%& '!( '% )*+, -, " $.%#%$/ #0 1, 2 Windows XP Professional.vmx )3! ethernet0.address = "00:50:56:00:54:1X" Entidades lógicas Parlay/OSA SCS implementam a parte servidor e as Aplicações

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Provisão de Qualidade de Serviço (QoS) em Redes Integradas WiMAX EPON

Provisão de Qualidade de Serviço (QoS) em Redes Integradas WiMAX EPON 1 / 23 Provisão de Qualidade de Serviço (QoS) em Redes Integradas WiMAX EPON Mariana Piquet Dias Nelson Luis Saldanha da Fonseca (Orientador) Instituto de Computação - UNICAMP, Campinas/SP, Brasil 5 de

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Aula 1 Caracterização de Sistemas Distribuídos Prof. Dr. João Bosco M. Sobral mail: bosco@inf.ufsc.br - página: http://www.inf.ufsc.br/~bosco Rodrigo Campiolo mail: rcampiol@inf.ufsc.br - página: http://ww.inf.ufsc.br/~rcampiol

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos IPv6@ESTG-Leiria Vítor A. C. Santos 7.ª Conferência em Redes e Serviços de Comunicação ESTG-Leiria, 3 de Maio de 2006 Agenda Objectivos e Motivação IPv6 Projectos Envolvidos Objectivos e Resultados Rede

Leia mais

Modelos Arquiteturais

Modelos Arquiteturais Modelos Arquiteturais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Modelos arquiteturais e-servidor Objetos distribuídos 2 O que é um modelo arquitetural? Estrutura em termos de componentes especificados

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial Tutorial: Extração de Parâmetros da Qualidade em Rede LTE Fazendo Uso do CDR (Call Detail Record) Esse tutorial apresenta uma forma de extrair indicadores de qualidade banda larga em redes 4G (LTE) por

Leia mais

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn.

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn. VoIP - Vantagens e Desafios Rui Ribeiro sip:racr@fccn.pt 19 Janeiro 2006 1 Sumário Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos 2 VoIP Introdução ao VoIP Definição

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Gestão de Redes e Qualidade de Serviço na Zapp - o novo operador de comunicações profissionais

Gestão de Redes e Qualidade de Serviço na Zapp - o novo operador de comunicações profissionais Gestão de Redes e Qualidade de Serviço na Zapp - o novo operador de comunicações profissionais Rui Santos Cruz Services Platforms, Applications and Operations Support Systems Agenda Zapp Quem Somos? Os

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Nine Developing Network Management Strategies Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Gerencia da Rede Contribui para atingir os objetivos dos requisitos Contribui

Leia mais

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet

Der. CryptoPhone IP UltraSecNet 0 Der CryptoPhone IP UltraSecNet 1 Solução - GSMK como seu parceiro de comunicação segura Fundada em 2003, a GSMK é líder global em criptografia de voz e mensagem Fundada em 2003 após dois anos de pesquisa

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS

Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS XVI Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços 135 Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS Werley P. Santos 1, Suéllen O. Reis 1, Rafael S. Nogueira 1 Fátima de L. P. Duarte-Figueiredo

Leia mais

Unified Communications & IP Tl Telephony. IDC, 2 e 3 Abril de 2008

Unified Communications & IP Tl Telephony. IDC, 2 e 3 Abril de 2008 Unified Communications & IP Tl Telephony IDC, 2 e 3 Abril de 2008 Abril de 2008 Sumário Enquadrar sucintamente o ambiente que se vive na indústria em torno desta nova (r)evolução tecnológica. Constatar

Leia mais

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade

Interoperabilidade entre Plataformas de SMS. Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade Interoperabilidade entre Plataformas de SMS Projeto e Requisitos Técnicos Mínimos para Interoperabilidade . Índice: ESPECIFICAÇÕES INICIAIS DE PROJETO E REQUISITOS TÉCNICO PARA INTEROPERABILIDADE DE SMS

Leia mais

Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6

Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6 Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6 Técnicas de mobilidade rápida Trabalho realizado por: Jorge Matias 41588 João Saraiva 44172 Lisboa, 22-12-2004 Sumário Enquadramento Condicionantes no

Leia mais

Instalação do cliente VPN versão 5.0.00.0340 em Windows Vista

Instalação do cliente VPN versão 5.0.00.0340 em Windows Vista Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviço de Comunicações Instalação do cliente VPN versão 5.0.00.0340 em Windows Vista Para aceder à Rede WiFi da Universidade do Minho utilizando autenticação VPN, necessita

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria

IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Projeto Informático 2011 IPv6 em Redes Wireless IPv6@IPLeiria Bruno Silvestre, Carlos Silva Orientador : Nuno Veiga 26 de Julho 2011 Sumário Objetivos e Motivação Vantagens do IPv6 Tipos de Endereços Autenticação

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Segurança Agenda/Índice O que há de novo no IPv6? Ameaças IPsec Firewall Conclusão O que há de novo no IPv6? A Segurança

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6

Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6 Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6 Juan Rodolpho Basso Orientador: Charles Christian Miers Objetivo Geral Analisar e testar o recurso de mobilidade

Leia mais

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação, bem como o produto a que se

Leia mais

Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12)

Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12) Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12) Laboratório 1 (versão 3.0): Criação de serviços usando Parlay/OSA Notas prévias à realização do

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Broadband & Mobility Uma perspectiva tecnológica. Eng.º João Picoito ( Siemens )

Broadband & Mobility Uma perspectiva tecnológica. Eng.º João Picoito ( Siemens ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien Broadband & Mobility Uma perspectiva tecnológica Eng.º João Picoito ( Siemens ) Patrocínio

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FIRST S.A. APRIMORA INFRAESTRUTURA DE TELEFONIA MÓVEL E REDUZ CUSTOS EM APENAS 4 MESES

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FIRST S.A. APRIMORA INFRAESTRUTURA DE TELEFONIA MÓVEL E REDUZ CUSTOS EM APENAS 4 MESES Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. FIRST S.A. APRIMORA INFRAESTRUTURA DE TELEFONIA MÓVEL E REDUZ CUSTOS EM APENAS 4 MESES Perfil A First S.A. foi fundada no ano de 2000 e, desde 2002,

Leia mais

Índice. Instalação de Ponto de acesso sem fios nos portáteis 1/14

Índice. Instalação de Ponto de acesso sem fios nos portáteis 1/14 Índice 1) Conteúdo da embalagem... 3 2) Configuração em 5 passos utilizando o Browser... 3 a) Configuração do equipamento... 3 b) Configuração do ponto de acesso... 3 c) Ligação do ponto de acesso à Internet...

Leia mais

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal Encontro de Utilizadores Esri 2013 ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal ArcGIS Server Administração e Configuração João Ferreira Agenda Arquitectura Instalação do ArcGIS

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

QoS and Dynamic Shaping and Dynamic Shaping

QoS and Dynamic Shaping and Dynamic Shaping QoS and Dynamic Shaping Eficiência End to End Bart Van Utterbeeck 1 Agenda O que é Quality of Service Impacto do VCM/ACM sobre QoS? Diferentes modelos de Shaping em VCM/ACM? Conclusão 2 What s in the cloud?

Leia mais

GRUPO DISICPLINAR - Informática

GRUPO DISICPLINAR - Informática Curso: Tecnológico de Informática ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 1ª UNIDADE DE ENSINO-APRENDIZAGEM: Fundamentos de Transmissão CARGA HORÁRIA: 10 UNIDADES LECTIVAS 1º PERÍODO Noções Básicas de Transmissão

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Status e Principais Desafios 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

Leia mais

EDUROAM. Configuração para Windows Vista. Nucleo de Informática da Universidade da Madeira

EDUROAM. Configuração para Windows Vista. Nucleo de Informática da Universidade da Madeira EDUROAM Configuração para Windows Vista Historico de mudanças: Nucleo de Informática da Universidade da Madeira Versao 0.1 Compilada e testada por José Jorge Cardoso Caso existam problemas contactar elementos

Leia mais

Esta fase só se configura uma única vez.

Esta fase só se configura uma única vez. Fase 0 Esta fase só se configura uma única vez. É necessário iniciar o serviço de configuração automática com fios para tal devem ser realizados os seguintes passos: No VISTA Começar por carregar em Painel

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

Como Se Ligar À Nova Rede Sem Fios rede minedu Instruções Passo A Passo APENAS PARA CONFIGURAÇÃO DOS PORTÁTEIS PESSOAIS DE CADA UM.

Como Se Ligar À Nova Rede Sem Fios rede minedu Instruções Passo A Passo APENAS PARA CONFIGURAÇÃO DOS PORTÁTEIS PESSOAIS DE CADA UM. Como Se Ligar À Nova Rede Sem Fios rede minedu Instruções Passo A Passo APENAS PARA CONFIGURAÇÃO DOS PORTÁTEIS PESSOAIS DE CADA UM. OS PCS DA ESCOLA SERÃO CONFIGURADOS APENAS PELOS PROFESSORES DE INFORMÁTICA

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SITEC2010 - Semana do Instituto de Tecnologia Aluno: Edson Adriano Maravalho Avelar Orientador: Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias 1 Motivação Aumento

Leia mais

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4 Servidor de Dados Sistemas de Informação Módulo 4 Módulo 4 Arquitectura Cliente/Servidor Administração de um Servidor/Base de Dados Conteúdos do Módulo 4 Conceitos Gerais sobre a arquitectura Cliente/Servidor;

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO TSE N.º /2009 MODALIDADE : PREGÃO ANEXO I PROJETO BÁSICO Rede de Comunicação da Justiça Eleitoral BACKBONE SECUNDÁRIO

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2012 Introdução às VLAN Este documento pretende dar uma breve introdução às Virtual LAN (VLAN), um conceito fundamental nas redes locais da actualidade. Conceito Por razões

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES 1.1 Conteúdo

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP TeamWork Manual do Utilizador Para Windows XP V3.2_XP Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação e configuração.

Leia mais

Reserva Pró-ativa de Recursos Assistida por Perfil para Redes WiMAX

Reserva Pró-ativa de Recursos Assistida por Perfil para Redes WiMAX Reserva Pró-ativa de Recursos Assistida por Perfil para Redes WiMAX Jaime C. Jr. 1, Luci Pirmez 1, Flávia C. Delicato 2, Aline M. Souza 1, Paulo F. Pires 2 1 NCE/IM Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais