Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)"

Transcrição

1 PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por:

2 PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Mobilidade e Probes Móveis Susana Sargento, Nelson Capela, Frank Knaesel (IT Av) João Soares, Pedro Neves (PTIN) Paulo Jesus, Filipe Tavares, Pedro Fernandes, Jorge Loura, Simão Cardeal (PTIN)

3 Motivação Objectivos Outline Mobilidade Inter Tecnologia Probes Móveis Integração no Sistema ArQoS Demonstrador Conclusões 3

4 Motivação (I) PAN T A (SI&DT ORAMA 4

5 Motivação (II) Capability to change the mobile node s point of attachment to an IP-based network, without losing ongoing connections and without disruptions on the communications. PAN T A (SI&DT ORAMA 5

6 Objectivos Fornecer mobilidade transparente em ambientes de acesso heterogéneos com smartphones Android Wi-Fi, WiMAX, 3G UMTS/HSPA Serviços activos não são interrompidos Integrar os mecanismos de mobilidade transparente na plataforma de mobile probing PTIN Sistema ArQoS Monitorização dos resultados associados ao processo de handover 6

7 Processo de Mobilidade Inter-Tecnologia Iniciação Detectar e iniciar o processo de handover Preparação e Decisão Obter a topologia de rede que circunda o terminal Verificar recursos nas redes candidatas Seleccionar a rede de acesso candidata Activar recursos na rede de destino Execução Redireccionar dados para a nova interface 7

8 IEEE Media Independent Handover (802.21) MIH Users Entidades de gestão Protocolos de gestão de mobilidade MIHU MIHF MIH Function Gestor de QoS SIP L3-7 Gestor de Mobilidade MIP HIP IEEE !! Camada Media Independent Interligação Handover Inexistente Framework!! L2.5 WiMAX Wi-Fi 3GPP DVB-H L1-2 Tecnologias de Acesso 8

9 Mobile IP Protocolo de gestão de mobilidade ao nível IP Atribuição de um novo endereço IP ao terminal móvel Redireccionamento i dos pacotes para nova interface wireless do terminal MIP: Mobile Internet Protocol MIPv4 MIPv6 Fast MIP (FMIP) Proxy MIP (PMIP) Especificado pelo IETF 9

10 Gestor de Mobilidade Inter-Tecnologia Gestão global do processo de handover Iniciação, preparação, execução e terminação Interação com IEEE Comunicação (eventos/comandos) das tecnologias wireless Interação com Mobile IP (MIP) Modificações para suporte de make-before-break handover Decisão de Mobilidade 3G offload Iminente perda de conectividade Preferências do utilizador 10

11 Processo de Mobilidade Inter-Tecnologia Iniciação Gestor de Mobilidade Detectar e iniciar o processo de handover Preparação e Decisão Obter a topologia de rede que circunda o terminal Verificar recursos nas redes candidatas Seleccionar a rede de acesso candidata Activar recursos na rede de destino Execução G. de Mob Redireccionar dados para a nova interface Mobile IP 11

12 Demonstrador de Mobilidade Inter-Tecnologia PAN T A (SI&DT ORAMA 12

13 Mobilidade Inter-Tecnologia & LTE Integração de LTE no processo de Mobilidade Trabalho inicial de simulação (simulador LTE SPHERE) Integração futura no demonstrador PAN T A (SI&DT ORAMA 13

14 Probes Móveis (I) Controlo do processo de handover Capacidade de controlar tanto o instante de execução como a rede destino para a qual o handover é realizado. Processo controlado - Análise estatística Processo automatizado - Aproximação a cenários reais Geração de tráfego Manual Gerado por entidades externas ao módulo Automatizado Gerado de forma automatizada pelo módulo, sem necessidade da intervenção do utilizador 14

15 Probes Móveis (II) Métricas ORAMA A (SI&DT Mobilidade Handover Delay; Handover Execution Delay; BU-BA Delay; QoS Delay; Jitter; Bitrate; t Pacotes perdidos; Pacotes fora de ordem; QoE Mean Opinion Score (MOS). PAN 15

16 Probes Móveis (IIl) Mecanismos de obtenção das métricas Handover break-before-make Métricas de referência para comparação Handover sem tráfego Métricas referentes às várias fases do IEEE Handover controlado com tráfego automatizado (MIPv6 ou e MIPv6 ) Obtenção de todas as métricas mencionadas Handover controlado com tráfego não automatizado (MIPv6) Métricas de mobilidade Handover automatizado com tráfego não automatizado (MIPv6) Métricas de mobilidade d 16

17 Probes Móveis (IV) Resultados: Tempos de mobilidade d Handover sem suporte IEEE Handover com suporte IEEE

18 Probes Móveis (V) Resultados: Pacotes Perdidos Resultados: QoE 18

19 Integração no Sistema ArQoS (I) Arquitectura Global Sondas Executam testes Recolhem indicadores Sistema de gestão Gere as sondas Recolhe e agrega resultados Gera relatórios e alarmes SIM Server Disponibiliza remotamente cartões SIM às sondas 19

20 Integração no Sistema ArQoS (II) Sonda ArQoS Mobile Terminais i Rádio HSPA, HSPA+ WiFi g Indicadores Internet Disponibilizados Tempo de Acesso e Débito de download e upload HTTP Taxa de transferência de download e upload FTP Tempo de recolha e envio de Round Trip Delay e perda de pacotes Ping Atraso, jitter, perda de pacotes e débito em one way e em round trip 20

21 Integração no Sistema ArQoS (III) Implementações principais Estabelecimento de sessão de dados Alterado para suportar túnel IPv6 Implementado algoritmo simples de decisão de handover Entre 3G e Wi-Fi (em ambos os sentidos) Handover espoletado por qualidade de sinal Opção de handover espoletado manualmente Integrado algoritmo para medição da performance de handover Medição de acesso HTTP Alterado para suportar IPv6 Alterado para incluir dados de performance de handover 21

22 Demonstrador: Cenário e Casos de Estudo Cenário 1: 2: ORAMA A (SI&DT PAN Tarefa de HTTP: Tarefa Iniciar i de análise; ligação: Iniciar download; Criação de túnel; Terminar análise; Registo no HA; Carregar resultados; 22

23 Conclusões Mobilidade entre diferentes tecnologias é uma área que pode agora ser aproveitada a nível de produto Mobilidade Inter-tecnologia Evolução de proof-of-concept para produto PTIN Integração com novos terminais (Smartphones e Tablets) Probes Móveis Integradas no ArQoS Evolução para suporte em terminais Android Evolução para tecnologia LTE Evolução do algoritmo de decisão de mobilidade Integração de informação de contexto Cliente (e.g. energia, serviço, custos, preferências) e do Operador (e.g. recursos disponíveis) Suporte de Multihoming Mobilidade Probes móveis 23

24 PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Executado por: Susana Sargento (com colaboração) Instituto de Telecomunicações/ Universidade de Aveiro Telefone:

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008)

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) Mestrado em Engª de Redes de Comunicações Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) 2007-10-18 Configuração, caracterização, desempenho e limitações de redes sem fios IEEE802 Objectivo

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6

Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6 Mobilidade em redes 802.11 usando o protocolo IPv6 Técnicas de mobilidade rápida Trabalho realizado por: Jorge Matias 41588 João Saraiva 44172 Lisboa, 22-12-2004 Sumário Enquadramento Condicionantes no

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Redes IP Móveis. Handover

Redes IP Móveis. Handover Redes IP Móveis Mobilidade na camada de rede: o terminal muda de subrede e preserva as conexões de transporte. O processo de mudança de subrede é denominado handover. Macro-mobilidade: handover entre domínios

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SITEC2010 - Semana do Instituto de Tecnologia Aluno: Edson Adriano Maravalho Avelar Orientador: Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias 1 Motivação Aumento

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos

IPv6@ESTG-Leiria. Vítor A. C. Santos IPv6@ESTG-Leiria Vítor A. C. Santos 7.ª Conferência em Redes e Serviços de Comunicação ESTG-Leiria, 3 de Maio de 2006 Agenda Objectivos e Motivação IPv6 Projectos Envolvidos Objectivos e Resultados Rede

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2 Interfaces e Interligação Modelo de Evolução da Interligação

Leia mais

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP Micro-Mobilidade IP Micro-Mobilidade IP As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip FEUP, Abril 00 Pedro Vale Estrela pedro.estrela@inesc.pt Sumário Introdução à micro-mobilidade IP IP clássico MIP clássico Micro-Mobilidade

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Trabalhos Relacionados 79

Trabalhos Relacionados 79 Trabalhos Relacionados 79 6 Avaliação e Testes Neste capítulo são apresentados alguns testes que foram realizados com o a solução de Gerenciamento de Mobilidade (API SIP User Agent) e com o sistema publish/subscribe

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6

Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6 Análise e Testes da Mobilidade em Redes do Padrão IEEE 802.11 Utilizando Protocolo IP versão 6 Juan Rodolpho Basso Orientador: Charles Christian Miers Objetivo Geral Analisar e testar o recurso de mobilidade

Leia mais

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network A Heterogeneous Mobile I QoS-aware Network Victor Marques (victor-m-marques@ptinovacao.pt) Rui Aguiar (ruilaa@av.it.pt) Jürgen Jähnert (jaehnert@rus.uni-stuttgart.de) Karl Jonas (karl.jonas@ieee.org) Marco

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes.

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes. SERVIÇO MB Way O que é o MB Way? O MB Way é a primeira solução interbancária que permite fazer compras e transferências imediatas através de smartphone ou tablet. Basta aderir ao serviço num MULTIBANCO,

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Solução integral para a administração de custos e gestão de tráfego da telefonia IP e tradicional

Solução integral para a administração de custos e gestão de tráfego da telefonia IP e tradicional Solução integral para a administração de custos e gestão de tráfego da telefonia IP e tradicional APRESENTAÇÃO EasyLynq Office EasyLynq Server Duas soluções à medida de cada empresa ou escritório O EasyLynq

Leia mais

Análise de desempenho do protocolo Mobile IP

Análise de desempenho do protocolo Mobile IP Análise de desempenho do protocolo Mobile IP Andréa Collin Krob 1, Gaspare Giuliano E. Bruno 1 1 Ciência da Computação - Centro Universitário LaSalle - UNILASALLE Av. Victor Barreto, 2288-91.51-97 - Canoas

Leia mais

Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS

Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS XVI Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços 135 Modelo de handover vertical suave entre redes WiMAX e UMTS Werley P. Santos 1, Suéllen O. Reis 1, Rafael S. Nogueira 1 Fátima de L. P. Duarte-Figueiredo

Leia mais

Algoritmo de Handover Vertical Baseado em Função de Utilidade com Prevenção de Decisão Errada

Algoritmo de Handover Vertical Baseado em Função de Utilidade com Prevenção de Decisão Errada 74 III Workshop de Redes de Acesso em Banda Larga Algoritmo de Handover Vertical Baseado em Função de Utilidade com Prevenção de Decisão Errada Anderson S. F. da Silva 1, Sávio R. A. A. Silva 1, Edilayne

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

Redes de Próxima Geração

Redes de Próxima Geração Mestrados Integrados Aveiro, 23 Abril 2008 Redes de Próxima Geração Susana Sargento (http://www.av.it.pt/ssargento/) em cooperação com vários colegas 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os

Leia mais

Formação BEYOND INNOVATION

Formação BEYOND INNOVATION Formação BEYOND INNOVATION 05 APLICAÇÕES E SERVIÇOS INTRODUÇÃO Conceitos de Segurança - BYOD Triple Play Gestão de Identidades - Estado da Arte e Tendências Instalação de Soluções Triple Play - MEO MEO:

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte

Internet Access Quality Monitor. Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Internet Access Quality Monitor Bruno Pires Ramos Prof. Vasco Soares Prof. Alexandre Fonte Escola Superior de Tecnologia - Maio 2008 2 Índice Objectivos Estado da Arte Sistema IAQM Tecnologias Utilizadas

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e PING: Segmentação Interconexão Segurança Meios de acesso Organização e intercâmbio de informações

Leia mais

Task-Force IPv6. Mobilidade IPv6. Rute Sofia

Task-Force IPv6. Mobilidade IPv6. Rute Sofia Task-Force IPv6 Mobilidade IPv6 Rute Sofia v2.0 28 de Outubro de 2003 Conteúdo 1. GRUPO MOBILIDADE IPv6 2 1.1. PARTICIPANTES.............................................. 2 2. DESCRIÇÃO 2 3. TAREFAS 3

Leia mais

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões MAC 5743 Computação móvel Eduardo Teruo Katayama Sumário Introdução Acesso a Internet em aviões Dificuldades Tipos de conexões disponíveis Acesso

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS

Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS 959 Protocolos de Mobilidade sobre IPv6: Uma análise sobre MIPv6 x PMIPv6 x DMMS César A. H. Loureiro 1 RESUMO A migração do IPv4 para o IPv6 está ocorrendo com menos intensidade do que se esperava. Contudo

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GLT - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução Mestrado em Engª de Redes de Comunicações REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório 3º ano, 1º semestre, 2010/11 Segunda-Feira, 16:30h Alunos Nome Número João Salada 57849 Marco Alves 57846

Leia mais

Estatísticas de Qualidade de Acesso Internet no Brasil para Usuários Finais. NIC.br

Estatísticas de Qualidade de Acesso Internet no Brasil para Usuários Finais. NIC.br Estatísticas de Qualidade de Acesso Internet no Brasil para Usuários Finais NIC.br SIMET - Introdução SIMET Sistema de Medição de Tráfego IP de Última Milha http://simet.nic.br Projeto que provê recursos

Leia mais

Qualidade de Serviço. Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011

Qualidade de Serviço. Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011 Qualidade de Serviço Gabinete de Qualidade de Serviço da Rede 27.05.2011 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita.

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

SIMA. Sistema Integrado de Monitorização, Controlo e Alarme

SIMA. Sistema Integrado de Monitorização, Controlo e Alarme SIMA Sistema Integrado de Monitorização, Controlo e Alarme Sistema Integrado de Monitorização Controlo e Alarme Plataforma aberta e modular de monitorização e controlo de equipamentos e plataformas de

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Case Study Grupo Amorim. Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim

Case Study Grupo Amorim. Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim Case Study Grupo Amorim Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim 1 Central de Compras Tecnologias Informação Serviços de BPO Consultoria e Gestão Projectos IT a OSI Grupo Amorim

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

1 Ajuda da Internet M vel Clix

1 Ajuda da Internet M vel Clix 1 Ajuda da Internet M vel Clix Descrição geral Esta aplicação permite Ligar/Desligar por intermédio de uma PC Card / Modem USB. Janela principal da Internet M vel Clix Indica o estado de roaming Minimizes

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br NIC.br Criado para implementar os projetos e decisões do CGI.br Registro e

Leia mais

Mensagem da Administração

Mensagem da Administração Mensagem da Administração Quanto à área das Comunicações Wireless, o projeto Wavesys é o resultado de 3 anos de investigação e desenvolvimento e de 12 anos de experiência acumulada com a implementação

Leia mais

Comunicações Móveis. Apresentação dos Trabalhos Práticos MPR, MJL FEUP 2004-2005

Comunicações Móveis. Apresentação dos Trabalhos Práticos MPR, MJL FEUP 2004-2005 TRAB 1 Comunicações Móveis Apresentação dos Trabalhos Práticos MPR, MJL FEUP 2004-2005 TRAB 2 Prática de CM Cada aluno faz um trabalho. Obrigatório Trabalho» vale 20% da nota final; nota conta para recurso»

Leia mais

ADNAMIC é uma nova plataforma tecnológica que permite a obtenção de informação estatística de apoio à gestão.

ADNAMIC é uma nova plataforma tecnológica que permite a obtenção de informação estatística de apoio à gestão. ADNAMIC é uma nova plataforma tecnológica que permite a obtenção de informação estatística de apoio à gestão. INCORPORA UM MÓDULO INOVADOR PARA A PROMOÇÃO DE MARCAS, PRODUTOS E SERVIÇOS. PROPORCIONA EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Mensagem da Administração

Mensagem da Administração Mensagem da Administração Quanto à área das Comunicações Wireless, o projeto Wavesys é o resultado de 3 anos de investigação e desenvolvimento e de 12 anos de experiência acumulada com a implementação

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS Aluna: Eleonora Cominato Weiner Orientador: Markus Endler Introdução A palavra mobilidade ganha mais importância a cada instante,

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers OpenVPN Objetivos Entender como funciona uma VPN Configurar uma VPN host to host O que é uma VPN? VPN Virtual Private Network, é uma rede de comunicação particular, geralmente utilizando canais de comunicação

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

O que é a Internet e como ela funciona?

O que é a Internet e como ela funciona? IPv6: Introdução O que é a Internet e como ela funciona? Como o usuário vê a Internet Camadas Física e Lógica Aplicações na Internet web e-mail vídeos troca de arquivos http ftp smtp pop imap sip tcp udp

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Índice. O que é um Sistemas Distribuído? Exemplos de Sistemas Distribuídos? Razões para a distribuição? Desafios da distribuição?

Índice. O que é um Sistemas Distribuído? Exemplos de Sistemas Distribuídos? Razões para a distribuição? Desafios da distribuição? Índice Sistemas Distribuídos Capítulo 1: Introdução O que é um Sistemas Distribuído? Exemplos de Sistemas Distribuídos? Razões para a distribuição? Desafios da distribuição? Sistemas Distribuidos 2010-2011

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

Proposta de temas para tese de mestrado em EIT

Proposta de temas para tese de mestrado em EIT Proposta de temas para tese de mestrado em EIT Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação DCTI/ISCTE-IUL Rui J. Lopes DCTI/ http://iscte.pt/~rhcl rui.lopes@iscte.pt Àreas de interesse para orientação

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. ComServer ComServer Linux A Restauração do Séc. XXI Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. 1. WinREST ComServer...5 1.1. Licença...5 1.2. Instalação e upgrade...6 1.3. Licenciamento...7 1.4. Interface...8

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE

Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE C.Franco 1, P. Vieira 1,2, 1 ADEETC, Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), A. Rodrigues 2, 2 Instituto de Telecomunicações / Instituto Superior Técnico,

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais