ESTÁGIO CURRICULAR I e II MANUTENÇÕES E MELHORIAS NO SISTEMA BUDGET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR I e II MANUTENÇÕES E MELHORIAS NO SISTEMA BUDGET"

Transcrição

1 JOHNNY WILLIAM GUMBOSKY ESTÁGIO CURRICULAR I e II MANUTENÇÕES E MELHORIAS NO SISTEMA BUDGET EMPRESA: GESPLAN S/A SETOR: DESENVOLVIMENTO SUPERVISOR: SÉRGIO KOEHN ORIENTADOR: EDINO MARIANO LOPES FERNANDES CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL JUNHO/2013

2 APROVADO EM.../.../... Professor Edino Mariano Lopes Fernandes Mestre em Ciência da Computação UFSC Professor Orientador Professor Carlos Noberto Vetorazzi Junior Mestre em Engenharia Mecânica - UNICAMP Professor Janine Kniess Doutorado em Ciências da Computação - UFF Sérgio Koehn Supervisor da CONCEDENTE

3 CRONOGRAMA FÍSICO E REAL ATIVIDADES Treinamento PERÍODO (10 horas) P R P R Desenvolvimento de aplicações P R Manutenção de sistemas P R Legenda: Previsto (Amarelo) Realizado (Vermelho)

4 Aos meus pais Genuário Gumbosky e Nilda Manoel Gumbosky Por todo amor, educação e paciência que tiveram comigo ao longo do curso e da minha vida. Serão sempre meu orgulho, motivação e exemplos de vida em família. A todos os professores e mestres que passaram pela minha vida e de alguma forma agregaram valor, semeando o gosto pelo aprendizado e conhecimento. A todos os meus amigos e colegas de trabalho pelos conselhos, auxílios e principalmente pela união, para concluirmos juntos esta fase da vida.

5 AGRADECIMENTOS Muitas pessoas e empresas tornaram-se merecedoras do nosso reconhecimento, pelo muito que colaboraram para a realização deste trabalho, dentre elas destacam-se: A minha família por estarem sempre presentes nos momentos de dúvidas e angústias. Aos amigos que fiz ao longo do curso, nas empresas que trabalhei e na UDESC, por me ajudarem a completar esta caminhada. Ao meu professor orientador de estágio Edino Mariano Lopes Fernandes, por todo apoio dado durante o processo de desenvolvimento deste relatório. A todos os professores que tive ao longo de minha vida e que serviram como fonte de inspiração, conhecimento e reflexão, principalmente aqueles que exercitaram meu senso crítico, cético e filosófico. A empresa GESPLAN S/A pela oportunidade de realizar o estágio e crescimento pessoal e profissional. As empresas Softin Sistemas, SoftExpert e WTech por terem me dado a oportunidade de trabalhar como programador de sistemas, agregando conhecimento da área de TI, e pelas pessoas que conheci ao longo deste tempo.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos Justificativas ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO A EMPRESA HISTÓRICO PRINCIPAIS PRODUTOS PRINCIPAIS CLIENTES CONSIDERAÇÕES GERAIS DESENVOLVIMENTO TECNOLOGIAS UTILIZADAS Linguagem de programação C Linguagem de programação SQL e subconjuntos Base de dados relacional Sistema Gerenciador de Banco de Dados Oracle ATIVIDADES REALIZADAS Treinamento Melhorias Melhoria 1 Alterar o layout da tela Cadastro de projetos para o novo padrão Melhoria 2 Buscar um projeto no grid Melhoria 3 Ordenar os projetos por ordem crescente e decrescente Manutenções Manutenção 1 Adicionando a funcionalidade de edição de projetos Manutenção 2 Traduzindo textos e mensagens Nova funcionalidade Adicionando a função de exportar dados da tabela das telas de cadastro CONSIDERAÇÕES FINAIS GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 30

7 LISTA DE FIGURA Figura Exemplo de uma DDL para criar uma tabela chamada "OR_PROJE" referente a tabela de projetos Figura 3.2 Antiga tela Cadastro de projetos Figura 3.3 Modelo do novo padrão de layout Figura Buscando o projeto "BIBLIOTECA" na tabela Figura Ordenando projetos em ordem crescente Figura Ordenando projetos em ordem decrescente Figura Distribuição do esforço de manutenção (SOMMERVILLE, 2011) Figura 3.8 Inclusão do botão editar na barra de tarefas Figura O sistema Budget avisando ao usuário que o projeto não pode ser excluído Figura Traduzindo descrição de componente usando imananger Figura Tabela com todas as traduções do Budget Figura Código fonte onde é usado o código da tradução para buscar a descrição correta no banco de dados Figura Exportando dados da tabela projetos para o Excel Figura 3.14 Resultado da exportação de dados da tabela projetos para o Excel Figura Código fonte da função de exportar dados para planilha Excel

8 RESUMO Este relatório descreve primeiramente alguns treinamentos da linguagem de programação PL/SQL, C++ e o processo de adaptação com a IDE "C++ Builder", ferramenta utilizada pela empresa para o desenvolvimento do sistema Budget. As melhorias e manutenções propostas foram referentes a criação de um padrão de layout das telas de cadastro, pois estas eram parecidas mas não apresentavam uma organização coerente. Dentro deste padrão, foram melhoradas características como o design gráfico, organização dos dados nas tabelas, busca de registro, manipulação dos dados e a adição de uma nova funcionalidade para exportar estes dados para uma planilha Excel. Palavras-chave: Budget. Orçamento. Manutenções. Melhorias. PL/SQL. C++. Padronização.

9 1 1. INTRODUÇÃO A Gesplan S/A possui alguns produtos para o planejamento financeiro e econômico empresarial. Dentre eles está o produto Budget (sistema de orçamento para empresas), desenvolvido na linguagem de programação C++, PL/SQL e seus subconjuntos. Entre seus principais recursos, é capaz de realizar o orçamento descentralizado da organização entre as unidades de negócio, gerar fluxo de trabalho para elaboração e acompanhamento do orçamento e relatórios comparativos e consultas flexíveis. Este sistema apresentava telas de cadastro que não seguiam um padrão de layout. Tamanho das tabelas, colunas, painéis e botões, número de colunas e relevância, exposição e organização das informações, manipulação e busca dos dados, cores e ícones. Todos estes fatores não seguiam um modelo de apresentação. Assim, foi realizada uma análise e elaborada uma proposta para padronizar todas as características mencionadas acima para as telas de cadastro. Além disso, uma nova funcionalidade foi incluída neste modelo: exportar os dados das tabelas destas telas para uma planilha Excel OBJETIVOS Geral Desenvolver sistemas para o planejamento econômico e financeiro das empresas utilizando linguagem de programação orientada a objetos e banco de dados relacional Específicos Participar de workshop Gesplan para conhecimento e alinhamento das regras da empresa, tecnologia, produtos e clientes. Participar de palestras sobre melhores práticas e boa conduta em ambiente corporativo. Desenvolver novas funcionalidades de software (módulo) de planejamento econômico e financeiro, utilizando a linguagem de programação C++ e PL/SQL. Mapear situações de risco e corrigir problemas encontrados por clientes durante o uso do módulo de planejamento econômico e financeiro.

10 Justificativas O orçamento é uma ferramenta muito importante para o sucesso de qualquer organização. Ele tem início nos objetivos que a empresa almeja alcançar, passando pela análise dos pontos fortes e das limitações deste tipo de empresa, sempre buscando alocar da maneira mais eficiente os recursos disponíveis, trazendo um retorno satisfatório para os colaboradores da companhia. Em linhas gerais, orçamento é a mensuração econômica dos elementos quantificáveis de uma companhia, reproduzindo as estruturas existentes e planejadas. Deve consolidar e finalizar as demonstrações financeiras básicas - demonstração de resultados, balanço patrimonial e fluxo de caixa - sendo complementado pela análise financeira e de rentabilidade (PADOVEZE, 2009). Sabendo da importância que o orçamento significa para uma organização e identificando uma necessidade de precisão e agilidade das empresas, a Gesplan S/A desenvolveu o Budget, sistema especializado em orçamento empresarial para os principais setores da empresa. Focado no resultado econômico, permite descentralizar o processo orçamentário em unidades de negócio, fábricas e filiais. Além disso, administra as atividades de criação do orçamento e planejamento econômico-financeiro. Integra os dados do realizado, trazendo a análise do desempenho e projetando tendências e rolagem de forecast (GESPLAN, 2013). Utilizando e testando os vários recursos do sistema, pode-se perceber que o Budget apresentava algumas funcionalidades nas telas gerais de cadastro que poderiam ser melhoradas com o objetivo de agilizar os processos, apresentar uma interface gráfica mais intuitiva e melhorar a usabilidade de algumas rotinas. As atividades realizadas durante o estágio concentraram-se na resolução destes problemas ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO abaixo: O relatório aqui apresentado está dividido em três capítulos, detalhados logo Capítulo 1: Apresentação dos objetivos gerais e específicos, justificativa do estágio e a organização do estudo.

11 3 Capítulo 2: Todas as informações referentes a empresa, como histórico, principais produtos e principais clientes. Capítulo 3: Desenvolvimento do relatório, citando de forma detalhada as atividades realizadas no estágio.

12 4 2. A EMPRESA 2.1. HISTÓRICO Desde seu inicio, em 1997, a Gesplan S/A cresce continuamente e de forma sustentável no mercado, sendo hoje a empresa nacional mais bem posicionada em soluções de planejamento e orçamento, gestão de performance e gestão financeira. Por meio de uma política agressiva e bem planejada de investimentos, atua hoje em empresas nacionais e multinacionais, expandindo seus serviços de implantação e atendimento para o mercado externo. Sua missão é prover soluções gerenciais, complementares aos sistemas operacionais de gestão, sustentadas por tecnologia e capital humano, que auxiliem as empresas a superar os desafios da gestão e ampliar a sua visão de futuro (GESPLAN, 2013) PRINCIPAIS PRODUTOS A área de atuação da Gesplan está no desenvolvimento de produtos tecnológicos complementares aos sistemas de gestão (ERPs) voltados ao processo de planejamento financeiro, gerenciamento de desempenho empresarial e gestão de tesouraria. Os produtos da Gesplan cobrem os gaps dos sistemas de gestão, trazendo uma dinâmica na análise gerencial histórica, na ocorrência e, principalmente, no diagnóstico e na análise de tendência. Ferramentas de simulação, rolagem e projeção de cenários econômico-financeiros, totalmente integrados com o orçamento e o planejamento de longo prazo, aproximam as áreas de Controladoria, Finanças e Planejamento estratégico. Na parte tecnológica, a solução Gesplan também inclui uma ferramenta de BI (Business Intelligence) para consultas analíticas e multidimensionais (cubos), assegurando maior desempenho e produtividade na análise gerencial para a tomada de decisão (GESPLAN, 2013) PRINCIPAIS CLIENTES A Gesplan possui uma carteira de clientes nos mais variados segmentos da atividade econômica, entre eles destacam-se: Grupo Aguiabranca, Localiza, Tigre, CVC, Grupo Ecorodovias, O Boticário, Algar, BHG (Brazil Hospitality Group),

13 5 Unimed Fortaleza, Positivo, BT Bodytech, Brmalls, Trombini, Brinks, Ache, Neoenergia, Unisinos, Magazine Luiza, Grupo Silvio Santos (GESPLAN, 2013) CONSIDERAÇÕES GERAIS Com tecnologia de ponta, serviços com alto valor agregado e expertise singular, a empresa ganhou espaço entre a concorrência composta essencialmente por software houses multinacionais. Atualmente conta com uma sólida carteira de clientes de grande porte, composta por mais de 300 empresas, abrangendo 90 grupos econômicos, nos mais variados segmentos, com destaque para o setor de agronegócio, concessões, operadoras de saúde, instituições de ensino, indústria, varejo, transportes, petroquímico, têxtil, alimentício e farmacêutico, entre outros. O diferencial nos serviços da Gesplan S/A está no conhecimento da equipe em mais de dez anos de projetos de implementação e integração de soluções para os processos de planejamento, controladoria e finanças. Os produtos, aliados ao conhecimento e a metodologia de projeto, permitem alcançar excelentes resultados com alto retorno para seus clientes. Atualmente conta com uma equipe com mais de 50 colaboradores, tendo sua matriz de desenvolvimento em Joinville/SC e um escritório comercial em São Paulo capital (GESPLAN, 2013).

14 6 3. DESENVOLVIMENTO No presente capítulo, serão descritas as principais atividades feitas durante o período de estágio. A elaboração deste relatório foi baseada no sistema Budget (módulo de orçamentos). É neste software que as seguintes atividades foram realizadas: melhorias, manutenções e o desenvolvimento de novas funcionalidades TECNOLOGIAS UTILIZADAS Linguagem de programação C++ A linguagem C++ é uma extensão da linguagem C e foi desenvolvida por Bjarne Stroustrup no início dos anos 80 no Bell Laboratories. Dentre as várias características que melhoram a linguagem C, a mais importante é que fornece recursos para a programação orientada a objetos. Objetos são, essencialmente, componentes de software reutilizáveis que modelam elementos do mundo real. É uma linguagem híbrida, ou seja, é possível programar tanto em um estilo estruturado, como em um estilo orientado a objetos, ou ambos. Os programas em C++ consistem em peças chamadas classes e funções. É possível programar cada peça necessária para criar um programa. Porém, existem muitas coleções de classes e funções prontas na biblioteca padrão que podem ser usadas para agilizar rotinas, facilitando e organizando o código fonte do programa (DEITEL, 2001). A demanda por softwares novos e mais eficientes aumenta cada vez mais devido aos vários desafios encontrados no dia-a-dia do cotidiano. Novas tecnologias surgem e com isso acabam facilitando a criação de outras tecnologias. No entanto, desenvolver softwares de uma maneira rápida, correta e econômica não é uma tarefa fácil. Este problema não está relacionado apenas a tecnologia envolvida mas também ao planejamento, organização e controle do desenvolvimento de softwares. Usar uma abordagem de implementação e projetos modulares, orientada a objetos, podem tornar o desenvolvimento muito mais produtivo do que é possível usando-se técnicas de programação estruturada. Os programas orientados a objetos são mais fáceis de entender, corrigir e modificar. O C++ suporta a programação orientada a objetos que é baseada em três pilares de desenvolvimento: encapsulamento, herança e polimorfismo.

15 7 Encapsular é definir diferentes permissões de acesso a dados ao usuário. Ocultar dados é uma característica muito importante, usada para que o usuário não saiba como o objeto funciona internamente. Por exemplo: ao usar uma geladeira, não é necessário saber como o compressor funciona. Alterações podem ser feitas sem que isso afete o funcionamento do objeto, contanto que sejam feitas as especificações; como o compressor de uma geladeira que pode ser substituído por outro similar (LIBERTY, 2005). A herança é utilizada para a reutilização de informações contidas em outras classes. Desta forma é possível estabelecer uma hierarquia de classe pai e filho e usar todas as estruturas contidas no pai sem precisar reescrever tudo novamente. Por exemplo, uma classe chamada "Mamíferos" e outra chamada "Elefante". É possível fazer com que Elefante herde características de Mamíferos. Assim, a classe Elefante terá suas características particulares e também todas as características genéricas dos mamíferos. Esta é uma prática muito usada para reutilizar estruturas e também dividir responsabilidades, tornando as classes mais simples e organizadas de se trabalhar (LIBERTY, 2005). O polimorfismo significa "muitas formas" e denota uma situação na qual um objeto pode se comportar de maneiras diferentes ao receber uma mensagem. Classes derivadas de uma única classe base são capazes de invocar os métodos que, embora apresentem a mesma assinatura, comportam-se de maneira diferente para cada uma das classes derivadas. Assim, os mesmos atributos e objetos podem ser utilizados em objetos distintos, porém, com implementações lógicas diferentes. Por exemplo, um vendedor e um administrador são ambos colaboradores e recebem salário, porém, o salário de cada um pode ser calculado de maneira diferente. Esta é uma prática muito interessante de ser usada para padronizar nomenclatura de métodos ao invés de escrever um nome diferente para cada um (por exemplo: "calcularsalario", "calcsalario"). Isto deixa o código com uma abordagem muito mais profissional e elegante (LIBERTY, 2005) Linguagem de programação SQL e subconjuntos O SQL (linguagem estruturada de consulta) é uma linguagem de computador usada para obter informações de dados armazenados em uma base de dados relacional. Uma base de dados relacional basicamente é um método de organização de uma grande

16 8 quantidade de dados em um computador. O SQL é diferente da maioria das outras linguagens de computador. É possível descrever o tipo de informação que se deseja obter e o computador determina o melhor procedimento para realizar essa tarefa. Esse processo recebe o nome de linguagem de programação declarativa, pois o foco está centrado no resultado. A linguagem de programação Procedural Language/Structured Query Language (PL/SQL) une o estilo modular de linguagens, como o C++, à versatilidade no acesso a banco de dados obtida via SQL. Trata-se de uma escolha óbvia para quem deseja programar parte de uma aplicação no Servidor Oracle. A utilização da PL/SQL apresenta muitas vantagens. Modularidade: não existe o conceito de programa único e monolítico. Qualquer porção de código deve residir em blocos, geralmente pequenos. Isto facilita o desenvolvimento de grandes projetos. Tipos de processamento: como toda linguagem dita procedural, a PL/SQL permite criar estruturas de programação, tais como: decisão (if/else) e repetição (loop, while e for). Variáveis: Podem-se utilizar desde as de tipos primitivos (char, number, boolean) até as compostas (registros e vetores). Inclusive, pode-se associar o tipo de uma variável ao de um campo de tabela. Packages: Várias rotinas afins podem ser agrupadas fisicamente de maneira que os detalhes da implementação fiquem encapsulados do mundo exterior. O próprio Oracle Server oferece diversos packages prontos que estendem a funcionalidade da PL/SQL. Exceções: Quando ocorrerem erros de execução (divisão por zero, conteúdo de chave primária duplicada), mensagens explicativas podem ser emitidas para que o usuário tome as medidas corretivas necessárias (MORELLI, 2000). A linguagem de manipulação de dados (DML) é utilizada para realizar inclusões, consultas, alterações e exclusões de dados presentes em registros. Estas tarefas podem ser executadas em vários registros de diversas tabelas ao mesmo tempo. A linguagem de definição de dados (DDL) permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos associados, conforme se observa na Figura 3.1. Muito usada para criar e deletar tabelas,

17 9 alterar características estruturais e criar rotinas de manipulação de dados. A linguagem de controle de dados (DCL) é usada para controlar os aspectos de autorização de dados e licenças de usuários para controlar quem tem acesso para ver ou manipular dados dentro do banco de dados. A ferramenta usada para a manipulação de SQL, PL/SQL, DML, DDL e DCL foi o "SQL Tools" que é um sistema gerenciador de banco de dados usado para trabalhar com o banco de dados Oracle. Figura 3.1 Exemplo de uma DDL para criar uma tabela chamada "OR_PROJE" referente a tabela de projetos Base de dados relacional Uma base de dados relacional é um dos modos de organizar dados em um computador. O SQL é uma das principais razões para se organizar dados. Usando o SQL, informações podem ser obtidas facilmente por pessoas de toda a organização. O conteúdo de uma base de dados relacional pode ser usado por muitas pessoas ao mesmo tempo. Todas essas pessoas podem visualizar os dados e alterá-los (desde que tenha direitos para fazer isso). Do ponto de vista dos negócios, isso proporciona uma maneira de coordenar todos os funcionários e fazer com que eles trabalhem nas mesmas informações (PATRICK, 2002). Os sistemas relacionais são baseados em uma fundamentação formal, sob a visão de três aspectos principais:

18 10 Aspecto estrutural: os dados no banco de dados são percebidos pelo usuário somente em forma de tabelas. Aspecto de integridade: essas tabelas satisfazem a certas restrições de integridade. Aspecto manipulativo: os operadores disponíveis para que o usuário possa manipular essas tabelas - por exemplo, para propósitos de busca de dados - são operadores que derivam tabelas de outras tabelas. Desses operadores, três particularmente importantes são operadores de restrição, projeção e junção (DATE, 2000). Em base de dados relacionais, todo o conteúdo é colocado em tabelas, que são duas estruturas dimensionais com colunas e linhas. Essas tabelas proporcionam uma ótima estrutura para armazenar dados. Elas se adaptam facilmente a mudanças, compartilham conteúdos com todos os usuários ao mesmo tempo e ainda podem usar o SQL para trabalhar com o conteúdo Sistema Gerenciador de Banco de Dados Oracle O Oracle fornece a capacidade de armazenar e acessar os dados de forma consistente com um modelo definido conhecido como modelo relacional. Por causa disso, é chamado de sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. A maioria das referências a "banco de dados" diz respeito não apenas aos dados físicos, mas também à combinação entre os objetos físicos, de memória e de processo. Os dados de um banco de dados são armazenados em tabelas. As tabelas relacionais são definidas pelas suas colunas e recebem um nome. Em seguida, os dados são armazenados como linhas. Elas podem estar relacionadas entre si e o banco de dados pode ser usado para reforçar esses relacionamentos. Um banco de dados Oracle consiste em arquivos físicos, áreas de memória e processos. A distribuição desses componentes varia dependendo da arquitetura de banco de dados selecionada. Os dados são armazenados nos arquivos físicos (chamados datafiles) em um disco. A medida que são usados, esses dados, são armazenados na memória. O Oracle usa as áreas de memória para melhorar o desempenho e para gerenciar o compartilhamento dos dados entre os usuários. A área de memória principal de um banco de dados se chama System Global Area (SGA). Para a leitura e gravação

19 11 dados entre a SGA e os datafiles, o Oracle usa um conjunto de processos de segundo plano que é compartilhado por todos os usuários (LONEY, 2002). A separação dos dados é uma ferramenta importante para o planejamento e para a mudança na forma pela qual o banco de dados trata as solicitações de E/S que são feitas nele ATIVIDADES REALIZADAS Treinamento Nas duas primeiras semanas de estágio foram realizados diversos treinamentos sobre a linguagem de programação SQL e C++, para que o estagiário pudesse se familiarizar com o software e o ambiente de trabalho. Para a realização destes estudos, foi alocado um analista de sistemas instrutor e mentor durante o período de adaptação e aprendizagem. Assim, o conhecimento foi passado rapidamente e com mais consistência. O treinamento da linguagem SQL foi realizado utilizando a ferramenta de sistemas de gerenciamento de banco de dados "SQL Tools". Foram realizadas atividades envolvendo várias formas de se fazer uma consulta no banco de dados, baseados em simulações de casos reais. Por exemplo: "O usuário João precisa fazer uma pesquisa que mostre todas as empresas de Joinville que obtiveram receita líquida superior a R$50.000,00 no primeiro trimestre de 2013". Além disso, outras tarefas foram praticadas como a criação de tabelas e suas características, tipos de dados primários que são trabalhados no banco de dados Oracle, relacionamentos entre as tabelas e sua importância para a integridade dos dados, criação de procedures e rotinas de manipulação de dados. O treinamento da linguagem C++ foi realizado usando a ferramenta IDE "C++ Builder", na qual a empresa utiliza para o desenvolvimento do sistema Budget. A principal atividade foi a confecção de uma tela baseada em uma simulação de caso onde um cliente solicitou a necessidade de se criar uma tela para cadastrar lançamentos contábeis emitidos pela empresa. Esta tela precisaria mostrar todos os lançamentos contábeis em uma tabela e botões funcionais para fazer toda a manipulação de dados como salvar, editar e excluir registros.

20 12 Lembrando que o objetivo desta atividade era treinar o estagiário para que fosse se adaptando as formas como a empresa desenvolvia o sistema Budget, ou seja, esta tela não tinha o objetivo de servir uma demanda para o sistema, por isso as regras de negócio foram simplificadas para que a área técnica do desenvolvimento pudesse ser mais bem explorada, formando a base de conhecimento necessária para o desenvolvimento profissional Melhorias O Budget é um sistema de informações para orçamento empresarial que possibilita o gerenciamento financeiro dos principais setores de uma companhia. Neste tópico, o foco será sobre cadastros de tipos de investimento como o cadastro de projetos. Abaixo seguem as atividades relacionadas ao produto no período de estágio na empresa Melhoria 1 Alterar o layout da tela Cadastro de projetos para o novo padrão Esta tela tem o objetivo de controlar a manipulação de todos os projetos que foram incluídos para serem usados em outras telas e funcionalidades do sistema. Na versão anterior, esta tela trazia todos os projetos cadastrados em um grid, possibilitando ao usuário fazer alterações dos dados como: Prioridade, Bens, Classe, Situação, Taxa limite inferior, Taxa limite superior. A Prioridade se refere a ordem de importância que cada projeto possui, sendo o número 1 o mais importante e assim por diante. O campo Bens se refere aos tipos de bens que aquele projeto está vinculado. O campo Classe se refere ao setor da empresa que o projeto vai representar (operacional, estratégico, etc...). O campo Situação se refere ao estado do projeto atualmente (aprovado, reprovado, pendente, etc...). Bens, Classe e Situação são campos do tipo combobox, ou seja, quando você clica nestes campos aparecem todos os registros possíveis para que o usuário escolha a opção desejada, recurso muito usado em campos do tipo cidade ou unidade federativa em formulários de cadastro encontrados nas páginas web. Estes campos trazem registros que foram cadastrados através de outras telas no sistema, muito parecidas com esta. O campo Taxa limite inferior e superior referem-se a porcentagem de quanto o orçamento daquele projeto pode variar para ser justificável.

21 13 O Budget possuía muitas telas de cadastro parecidas umas com as outras, mas não tinha um padrão. Juntando isto e a necessidade de melhorar a interface gráfica da tela, conforme visto na Figura 3.2, foi analisado que seria necessário fazer um padrão de layout e funcionalidades para aplicar a todas as outras telas de cadastro do software. Figura 3.2 Antiga tela Cadastro de projetos. A primeira medida foi estabelecer as cores que fariam parte do grid e do formulário. Fazendo uma análise das combinações de cores que são usadas no design gráfico dos últimos sistemas operacionais lançados e tendências em novos aplicativos e web sites, foi decidido optar pelas cores branca e azul com um tom muito usado pela Microsoft em seus programas, conforme visto na Figura 3.3. A cor cinza que predominava na tela e outras cores mais escuras, botões e ícones mal elaborados passavam a imagem de obsolescência, pois softwares mais antigos possuíam um modelo de design gráfico onde a cor cinza e tons mais escuros eram muito usados.

22 14 Figura 3.3 Modelo do novo padrão de layout. Outra grande mudança foi adicionar mais colunas relevantes na tabela que continham no formulário. Assim, a busca pelo registro fica mais rápida já que o usuário terá acesso a mais informações instantaneamente Melhoria 2 Buscar um projeto no grid Na versão anterior desta tela, o usuário podia alterar os dados do projeto apenas clicando em cima da linha do grid. Assim, não havia motivos para se criar um botão "editar" na barra de funções. Enquanto o usuário apenas navegava pelo grid, os botões "novo" e "excluir" ficavam habilitados. Quando clicava em uma linha acontecia o contrário: os botões "novo" e "excluir" desabilitavam e "salvar" e "cancelar" habilitavam. O botão "salvar" funcionava tanto para inserir um novo projeto como também para editar, ou seja, quando o usuário clicava no botão "novo" o sistema se comportava da mesma maneira como se tivessem clicando em algum registro da tabela. Este comportamento da tabela foi alterado para que se pudesse incluir um recurso muito útil e interessante, que será explicado a seguir. Analisado o impacto da mudança de funcionalidade no sistema, decidiu-se que não se iria mais alterar os projetos apenas clicando em cima da linha. Agora a linha é apenas selecionada, sem abrir o campo para edição. Assim, foi possível adicionar o recurso de busca de dados na tabela. Agora, quando um usuário precisa procurar por um projeto, não precisa passar o olhar pela tabela inteira. Basta clicar no grid e começar a

23 15 digitar o nome do projeto que a cada caracter digitado, o sistema buscará o registro mais próximo que comece com aquele caracter e seguirá assim por diante, conforme visto na Figura 3.4. O usuário pode até corrigir a busca usando o botão no teclado "backspace" se precisar. Figura 3.4 Buscando o projeto "BIBLIOTECA" na tabela. Esta modificação de comportamento da tabela foi realizada com base nas propriedades do tipo de grid utilizado. Tanto a desabilitação do campo da linha para a edição quanto a busca pelos registros apenas digitando na tabela Melhoria 3 Ordenar os projetos por ordem crescente e decrescente Como se pode ver, a versão anterior da tela de cadastro de projetos precisou ser alterada para que acompanhasse a evolução do sistema Budget e as necessidades do cliente. Outro recurso que foi decidido usar e que complementaria a busca de registros foi a ordenação por ordem crescente e decrescente de projetos. Desta forma, a busca por registros ficaria muito mais interessante e eficaz, principalmente se você está procurando por um projeto que tem o nome parecido com vários outros projetos. Assim o usuário encontrará o registro muito mais rápido que da maneira antiga, onde a única opção era navegar pela tabela inteira e procurar sem o recurso de busca. Para fazer a ordenação por ordem crescente da descrição dos projetos, basta clicar uma vez no título da coluna, neste caso, "Descrição", conforme visto na Figura 3.5.

24 16 Figura 3.5 Ordenando projetos em ordem crescente. Para fazer a ordenação decrescente dos projetos, basta clicar outra vez no título da coluna. Um pequeno símbolo em forma de triângulo aparecerá no lado do título. Este símbolo muda conforme o usuário clica no título da coluna para ordenar de forma crescente ou decrescente. Quando a ordenação é crescente, o pequeno triângulo fica apontando para cima. Quando a ordenação é decrescente, o triângulo fica apontado para baixo, conforme visto na Figura 3.6.

25 17 Figura 3.6 Ordenando projetos em ordem decrescente. Esta modificação de comportamento da tabela foi realizada com base nas propriedades do tipo de grid utilizado Manutenções A manutenção de software é o processo geral de mudança em um sistema depois que ele é liberado para uso. O termo geralmente se aplica ao software customizado em que grupos de desenvolvimento separados estão envolvidos antes e depois da liberação. As alterações feitas no software podem ser simples mudanças para correção de erros de codificação, até mudanças mais extensas para correção de erros de projeto, ou melhorias significativas para corrigir erros de especificação ou acomodar novos requisitos. As mudanças são implementadas por meio da modificação de componentes do sistema existente e, quando necessário, por meio da adição de novos componentes. Existem três diferentes tipos de manutenção de software: 1. Correção de defeitos: Na fase de desenvolvimento do ciclo de vida do software, erros de codificação são relativamente baratos para serem corrigidos; erros de projeto são mais caros, pois podem implicar reescrever vários componentes de programa. Erros de requisitos são os mais caros para se corrigir devido ao extenso reprojeto de sistema que pode ser necessário.

26 18 2. Adaptação ambiental: Esse tipo de manutenção é necessário quando algum aspecto do ambiente do sistema, como o hardware, a plataforma do sistema operacional ou outro software de apoio sofre uma mudança. O sistema de aplicação deve ser modificado para se adaptar a essas mudanças de ambiente. 3. Adição de funcionalidade: Esse tipo de manutenção é necessário quando os requisitos de sistema mudam em resposta às mudanças organizacionais ou de negócios. A escala de mudanças necessárias para o software é, frequentemente, muito maior do que para os outros tipos de manutenção. Na prática, não existe distinção clara entre esses tipos de manutenção. Ao adaptar o sistema a um novo ambiente, você pode adicionar funcionalidade para tirar proveito de novas características do ambiente. Os defeitos de software são frequentemente expostos porque os usuários usam o sistema de formas inesperadas. Mudar o sistema para acomodar sua maneira de trabalhar é a melhor maneira de corrigir tais defeitos (SOMMERVILLE, 2011). A Figura 3.7 mostra, aproximadamente, a distribuição dos custos de manutenção na média geral das empresas que desenvolvem softwares. Figura 3.7 Distribuição do esforço de manutenção. Neste relatório será focado nas manutenções do sistema Budget de melhorias e adições de funcionalidades durante o período de estágio.

27 Manutenção 1 Adicionando a funcionalidade de edição de projetos Como na versão anterior da tela de cadastro de projetos os registros eram alterados apenas clicando na sua linha, não havia a necessidade de se criar um botão para editá-los. Este recurso foi retirado e toda a configuração da manipulação de dados teve que ser alterada também. Quando você clica em uma linha da tabela, aparecem todos os outros dados agrupados ao projeto no formulário abaixo. Neste momento, o usuário tem a opção de poder editar o registro, conforme visto na Figura 3.8. Os botões possuem políticas de habilitação conforme a situação que o cenário se encontra. Por exemplo: quando o usuário está apenas procurando e observando os projetos, somente os botões Novo, Editar e Excluir estão habilitados, enquanto Salvar e Cancelar estão desabilitados. Se o usuário for adicionar um novo registro ou editar, os botões Salvar e Cancelar ficam habilitados e os restantes, juntamente com o grid, ficam desabilitados. Se o sistema não estiver em modo de edição, o usuário não consegue alterar os dados do projeto que aparecem no formulário. Figura 3.8 Inclusão do botão editar na barra de tarefas. O processo de exclusão do projeto continuou da mesma forma para o usuário, ou seja, basta clicar na linha do projeto desejado e depois no botão excluir. Se o projeto não estiver vinculado a nenhum outro relacionamento, o sistema excluirá, se não, cairá em uma validação e não deixará excluir o projeto, avisando assim ao usuário, conforme visto na Figura 3.9.

28 20 Figura 3.9 O sistema Budget avisando ao usuário que o projeto não pode ser excluído. A codificação e o desenvolvimento foi todo reestruturado seguindo um novo modelo que estava sendo adotado pela empresa naquele momento. Todas as outras funções dos botões passaram por essa modificação Manutenção 2 Traduzindo textos e mensagens Todas as descrições e mensagens contidas no sistema precisam passar pelo processo de internacionalização, para que sejam todas traduzidas conforme seja a necessidade de determinado usuário. Atualmente, o Budget conta com traduções para o idioma inglês e espanhol. Sendo assim, para cada descrição no sistema que aparece para o usuário, é preciso cadastrá-lo no software chamado "imananger". O imananger é um software que a Gesplan S/A desenvolveu para facilitar e agilizar o cadastro dessas mensagens no banco de dados, sem precisar que isso seja feito manualmente. Basta escrever a mensagem em português e mandar o software buscar a tradução para aquela descrição. Essa tradução pode vir tanto da internet quanto do próprio sistema, se já houver a mesma descrição no Budget, conforme visto na Figura 3.10.

29 21 Figura 3.10 Traduzindo descrição de componente usando imananger. Quando for salvar a tradução, existe a opção de escolher um "pai" que seria, no caso, a tela na qual a mensagem vai ficar, conforme visto na Figura Esta medida é necessária pois diferentes usuários possuem diferentes permissões para usar telas e até mesmo diferentes funcionalidades dentro das telas. Figura 3.11 Tabela com todas as traduções do Budget. Depois de salvar a descrição do componente, basta pegar o código da tradução e usar na função que busca esses dados no banco de dados através do código fonte do sistema no C++ Builder, conforme visto na Figura 3.12.

30 22 Figura 3.12 Código fonte onde é usado o código da tradução para buscar a descrição correta no banco de dados Nova funcionalidade Neste tópico será abordado sobre uma nova funcionalidade que foi elaborada no sistema Budget para exportar dados das tabelas nas telas de cadastro para uma planilha Excel. Essa nova funcionalidade fará parte do padrão elaborado Adicionando a função de exportar dados da tabela das telas de cadastro Após receber várias sugestões e percebendo o dia-a-dia das rotinas administrativas dos usuários do Budget, foi feita uma análise da situação que envolvia o uso das informações contidas nas tabelas do sistema e a forma de interação que havia entre os dados internos e externos. Foi concluído que seria interessante fazer a exportação de dados através de uma planilha do tipo Excel, conforme visto na Figura Desta forma, o cliente poderia adaptar suas rotinas administrativas com o sistema Budget de uma forma rápida, visto que a função do sistema é ser um excelente sistema

31 23 de orçamento empresarial que complementa os ERPs (Enterprise Resource Planning) de seus clientes através da integração entre os sistemas. Figura 3.13 Exportando dados da tabela projetos para o Excel. Assim, alguns usuários que possuem permissão para essa funcionalidade poderão exportar todos os dados da tabela de projetos em uma planilha Excel, conforme visto na Figura Figura 3.14 Resultado da exportação de dados da tabela projetos para o Excel.

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE BRUNO PEREIRA DAMASCENO ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE EMPRESA: OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE SETOR: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO II EDITAL N 06/2014, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO A-01 - ASSESSOR TECNICO IV RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Administração

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes ICOL Versão 12.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Escopo...2 2. Implementações...2 CR3085 Restrição de Ambientes...3 CR3091 Restrição de Intervalos...9 CR3096 Períodos...10 CR3111 Curvas Histórico...11

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

WF Processos. Manual de Instruções

WF Processos. Manual de Instruções WF Processos Manual de Instruções O WF Processos é um sistema simples e fácil de ser utilizado, contudo para ajudar os novos usuários a se familiarizarem com o sistema, criamos este manual. Recomendamos

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO II EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO A-01 - ASSESSOR TECNICO III - COORDENADOR/SUPERVISOR PEDAGOGICO; A-02 - ASSESSOR TECNICO III - COORDENADOR/SUPERVISOR

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012 Florianópolis, 05 de dezembro de 2012. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.10.1.8-05-12-2012 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Indice. 2. Menu sistema...08

Indice. 2. Menu sistema...08 Indice 1. Acesso, login e senha...03 2. Menu sistema...08 3. Cadastro...09 3.1.Configurações do cliente...10 3.2.Definição de agrupamentos...11 3.3.Definição de Cargos...12 3.4.Criação de perfis...13 3.5.Cadastro

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000 = Banco de Talentos =

Treinamento do Sistema RH1000 = Banco de Talentos = Treinamento do Sistema RH1000 = Banco de Talentos = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial 1 Tópicos abordados Acesso ao sistema 4 Workflow do sistema 6 Qualificações 7 Áreas de Atuação 11 Cargos 13 Qualificações

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Preparada por: Jaime Fenner Revisada por: Kelen Turmina Versão Documento: 02 Data: 12 de Maio de 2009 Sumário Executivo Este documento visa divulgar todas as funcionalidades

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Manual do Usuário Instituição

Manual do Usuário Instituição 1 Manual do Usuário Instituição Área Restrita Site de Certificação Controle: D.04.36.00 Data da Elaboração: 13/08/2014 Data da Revisão: - Elaborado por: TIVIT / Certificação ANBIMA Aprovado por: Gerência

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

http://espacodocliente.ebs.com.br

http://espacodocliente.ebs.com.br SUPORTE TÉCNICO EBS Horário de atendimento: Das 08h00min às 18h00min, de Segunda a Sexta-feira. Formas de atendimento: E-mail: Envie-nos suas dúvidas e/ou sugestões para suporte@ebs.com.br. Suporte On-line

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Manual Usuário Sistema Audatex

Manual Usuário Sistema Audatex Manual Usuário Sistema Audatex Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 2.0 24.08.2010 MT Versão

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Manual do Usuário CRM Professional V4

Manual do Usuário CRM Professional V4 Manual do Usuário CRM Professional V4 Desenvolvido por: Edson Nery Antonio Revisado e atualizado em abril de 2011. 1 01. Índice 02. Introdução 03. Menu Principal 3.1. Opções 3.1.1. Clientes 3.1.2. Oportunidades

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Cheque 1

Treinamento GVcollege Módulo Cheque 1 Treinamento GVcollege Módulo Cheque 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Gerência de Gestão de Ambientes - GGA. Coordenação de Planejamento, Pesquisa e Capacitação - MANUAL DO USUÁRIO EXPRESSO

Gerência de Gestão de Ambientes - GGA. Coordenação de Planejamento, Pesquisa e Capacitação - MANUAL DO USUÁRIO EXPRESSO Gerência de Gestão de Ambientes - GGA Coordenação de Planejamento, Pesquisa e Capacitação - CPPC MANUAL DO USUÁRIO EXPRESSO Documento Manual do Usuário Expresso Versão 1.0 Equipe Técnica André Luiz de

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Manual de Versionamento

Manual de Versionamento Manual de Versionamento Versão de Site Sumário 1. Group Reports... 3 2. Pesquisa de Relatórios... 8 3. Notificações de atualização de versão... 9 4. Templates de Relatórios... 11 Criação de Templates...

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: Apresentação: 02 Método de Acesso ao Sistema Sig Iss: 02 Tela de Abertura: 03 Modo de Acesso: 04 Botões e Telas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes

Treinamento Auditor Fiscal. Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Treinamento Auditor Fiscal Instrutor: Jaime Naves Gestora: Adriana Nunes Conceito: O Auditor Fiscal WEB é uma solução que permite a usuários de qualquer segmento empresarial realizar auditorias sobre os

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais