UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Iris Callado Sanches PERFIL METABÓLICO E CARDIOVASCULAR DE RATAS HIPERTENSAS SUBMETIDAS A UM MODELO EXPERIMENTAL DE MENOPAUSA E SÍNDROME METABÓLICA: PAPEL DO TREINAMENTO FÍSICO SÃO PAULO 2007

2 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Iris Callado Sanches PERFIL METABÓLICO E CARDIOVASCULAR DE RATAS HIPERTENSAS SUBMETIDAS A UM MODELO EXPERIMENTAL DE MENOPAUSA E SÍNDROME METABÓLICA: PAPEL DO TREINAMENTO FÍSICO Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Educação Física da Universidade São Judas Tadeu como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação Física. Área de Concentração: Bases Biodinâmicas da Atividade Física Orientadora: Profa. Dra. Kátia De Angelis SÃO PAULO 2007

3 Sanches, Iris Callado Perfil metabólico e cardiovascular de ratas hipertensas submetidas a um modelo experimental de menopausa e síndrome metabólica: papel do treinamento físico. - São Paulo, f.: il. ; 30 cm Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, Orientador: Profª. Dra. Kátia De Angelis. 1. Menopausa. 2. Hipertensão. 3. Treinamento físico. I. Título Ficha catalográfica: Elizangela L. de Almeida Ribeiro - CRB 8/6878

4 DEDICATÓRIA Dedico aos meus pais, Estanislao Callado Pérez e Roseli Giro Sanches, não somente esta dissertação, mas todos os anos de estudo que me proporcionaram. Aproveito para agradecer a compreensão nos momentos de correria em casa (e de ausência) e por todo o auxílio (com o qual posso contar sempre). As próximas páginas são resultado de uma longa trajetória, repleta de esforços e dedicação para que tudo saísse da melhor maneira possível. O conteúdo desta dissertação é fruto do que, antes de mais ninguém, vocês plantaram! Dedico também à minha irmã Iara Callado Sanches, minha melhor amiga durante mais de 20 anos da minha vida! A pessoa que está ao meu lado compartilhando a alegria dos momentos bons e dividindo a tristeza dos momentos não tão bons. Dedico esta dissertação à minha avó, meus tios, tias, primos, primas, ex-professores e amigos. Todos, mesmo aqueles que moram longe e encontro pouquíssimo, contribuem para a minha formação enquanto ser humano. Dedico aos meus amigos ANGELITOS: Danielle Dias, Demilto Yamaguchi, Diego Figueroa, Geórgia Candido, Henrique Marchet, Jacqueline Freire, Janaina Brito, Janaina Paulini, Juliana Francica, Karin Flues, Kátia Ponciano, Luciana Jorge, Lucinar Flores, Marcelo Heeren, Márcia Val, Marcio Tubaldini, Michelle Sartori, Nathalia Bernardes e Renata Juliana. Pessoas que, às vezes, passam mais tempo ao meu lado do que meus próprios pais. Pessoas com características ímpares, sempre ouvindo o que tenho a falar e me ensinando com suas próprias experiências! Amigos que ajudam a transformar meus sonhos em realidade!

5 AGRADECIMENTOS À Professora Doutora Kátia De Angelis, por ter acreditado em mim desde o 2º ano da graduação, orientando minha pesquisa de Iniciação Científica, meu Trabalho de Conclusão de Curso, esta dissertação...! Enfim, o meu mais especial muito obrigada por ter entrado na minha vida, pelas horas de sono que investiu, os cabelos brancos que ganhou, os almoços que deixou de fazer... Sempre com muita alegria e profissionalismo! E pela eterna vinheta Tudo bem! Nem tudo está perdido!. À Professora Doutora Maria Cláudia Irigoyen por estar sempre se fazendo presente em nosso grupo, nos auxiliando com o suporte técnico e acrescentando seus conhecimentos em nossos trabalhos de maneira doce e significativa! É uma honra caminhar ao seu lado!. À minha amiga de graduação, companheira de TCC, colega de laboratório e parceira de balada, Luciana Jorge, pelas horas (principalmente de madrugada) que dedicou a me ajudar analisando dados e pelo apoio que me forneceu em todos os momentos que precisei. Aos profissionais responsáveis pelos laboratórios e equipamentos da Universidade São Judas Tadeu, em especial a Leide, Rosana e João Paulo, pela disposição em nos ajudar e bom humor sempre! À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pelo apoio financeiro. À Universidade São Judas Tadeu (USJT) e todos os professores, coordenadores, secretários e funcionários que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho!

6 De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sonho uma ponte, da procura um encontro. Fernando Sabino

7 SUMÁRIO Lista de figuras Lista de tabelas e quadros Lista de abreviaturas Resumo Abstract 1. INTRODUÇÃO Menopausa e risco cardiovascular Doença cardiovascular e disfunção autonômica Síndrome metabólica e disfunção autonômica Treinamento físico OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos MATERIAIS E MÉTODOS Animais e grupos Indução do modelo de alteração metabólica Consumos de frutose e ração e cálculo da ingestão calórica Ooforectomia bilateral Teste de esforço máximo Treinamento físico Avaliações hemodinâmicas sistêmicas Canulação...28

8 Avaliação da sensibilidade barorreflexa Avaliação do controle autonômico da freqüência cardíaca pelo bloqueio farmacológico Avaliação do controle autonômico cardiovascular no domínio do tempo e da freqüência (análise espectral) Análise da variabilidade da pressão arterial sistólica Análise da variabilidade do intervalo de pulso Avaliações metabólicas Determinação da concentração sanguínea de glicose e triglicerídeos Determinação dos níveis plasmáticos de estradiol Teste de tolerância à insulina (ITT) Análise estatística RESULTADOS...36 PROTOCOLO Peso corporal Consumos de frutose e ração e cálculo da ingestão calórica Avaliações metabólicas Capacidade física Avaliações hemodinâmicas sistêmicas Avaliação da sensibilidade barorreflexa Avaliações do controle autonômico da freqüência cardíaca pelo bloqueio farmacológico Avaliações do controle autonômico da freqüência cardíaca no domínio do tempo e da freqüência (análise espectral)...50

9 PROTOCOLO Peso corporal Consumos de frutose e ração e cálculo da ingestão calórica Avaliações metabólicas Capacidade física Avaliações hemodinâmicas sistêmicas Avaliação da sensibilidade barorreflexa Avaliações do controle autonômico da freqüência cardíaca pelo bloqueio farmacológico Avaliações do controle autonômico da freqüência cardíaca no domínio do tempo e da freqüência (análise espectral) DISCUSSÃO...78 PROTOCOLO Avaliações metabólicas e bioquímicas Capacidade física Avaliações cardiovasculares e autonômicas...82 PROTOCOLO Avaliações metabólicas e bioquímicas Capacidade física Avaliações cardiovasculares e autonômicas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...106

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Seqüência experimental do protocolo Figura 2: Seqüência experimental do protocolo Figura 3: Tratamento de D-frutose na água de beber...24 Figura 4: Etapas de realização da ooforectomia bilateral em ratas...25 Figura 5: Correlação entre o consumo de oxigênio (VO 2 ) e a velocidade no teste de esforço (km/h) em ratas ooforectomizadas...26 Figura 6: Fotografia de ratos submetidos ao protocolo de treinamento físico em esteira ergométrica na USJT...27 Figura 7: Esquema do local da canulação da artéria carótida e veia jugular...28 Figura 8: Foto do animal com a cânula exteriorizada Figura 9: Sistema de registro de pressão arterial e conexão entre a cânula e o transdutor eletromagnético...29 Figura 10: Registro da pressão arterial e freqüência cardíaca antes e após a administração de drogas vasoativas. Observe a resposta reflexa dos pressorreceptores...31 Figura 11: Aparelhos que foram utilizados para análises das concentrações sangüíneas de glicose e triglicerídeos...34 Figura 12: Peso corporal dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) na semana da ooforectomia e ao final do protocolo...36 Figura 13: Peso corporal dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) na semana da ooforectomia e ao final do protocolo...37

11 Figura 14: Ingestão líquida diária nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...38 Figura 15: Consumo de ração diário nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...39 Figura 16: Ingestão calórica diária proveniente da frutose nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...40 Figura 17: Ingestão calórica diária proveniente da ração nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...40 Figura 18: Ingestão calórica diária total nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...41 Figura 19: Glicemia dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) ao final do protocolo...42 Figura 20: Concentrações sanguíenas de triglicerídeos dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) ao final do protocolo...42

12 Figura 21: Teste de tolerância à insulina dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) ao final do protocolo...43 Figura 22: Tempo de corrida no teste de esforço (Inicial: uma semana após a ooforectomia; Final: final do protocolo) dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...44 Figura 23: Pressão arterial média dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...46 Figura 24: Freqüência cardíaca dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...46 Figura 25: Sensibilidade barorreflexa dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...47 Figura 26: Tônus vagal dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...49 Figura 27: Tônus simpático dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...49 Figura 28: Freqüência cardíaca intrínseca dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...50

13 Figura 29: Banda de baixa freqüência do intervalo de pulso dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...52 Figura 30: Banda de alta freqüência do intervalo de pulso dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...52 Figura 31: Banda de baixa freqüência da pressão arterial sistólica dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...54 Figura 32: Índice alfa dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...55 Figura 33: Peso corporal dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) ao longo das 19 semanas de protocolo...56 Figura 34: Peso corporal nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) no início, na semana da ooforectomia e ao final do protocolo...57 Figura 35: Ingestão líquida diária nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...58

14 Figura 36: Consumo de ração diário nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...59 Figura 37: Ingestão calórica diária proveniente da frutose nos grupos FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...60 Figura 38: Ingestão calórica diária proveniente da ração nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo Figura 39: Ingestão calórica diária total nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) nas últimas 10 semanas de protocolo...61 Figura 40: Glicemia dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) ao final do protocolo...62 Figura 41: Concentrações sanguíneas de triglicerídeos dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) ao final do protocolo...64

15 Figura 42: Teste de tolerância à insulina dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) ao final do protocolo...65 Figura 43: Tempo de corrida no teste de esforço (Inicial: antes do período de treinamento físico; Intermediário: após a 4ª semana; Final: após a 8ª semana de treinamento físico) dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...66 Figura 44: Pressão arterial média dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...67 Figura 45: Freqüência cardíaca de repouso dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...68 Figura 46: Sensibilidade barorreflexa dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...69 Figura 47: Tônus vagal dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...71

16 Figura 48: Tônus simpático dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...72 Figura 49: Freqüência cardíaca intrínseca dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...73 Figura 50: Banda de baixa freqüência do intervalo de pulso dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...74 Figura 51: Banda de alta freqüência do intervalo de pulso dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...75 Figura 52: Banda de baixa freqüência pressão arterial sistólica dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...76 Figura 53: Índice alfa dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...77

17 LISTA DE TABELAS E QUADROS Tabela 1: Parâmetros hemodinâmicos avaliados em repouso dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...45 Tabela 2: Avaliação do controle autonômico da freqüência cardíaca pelo bloqueio farmacológico nos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...48 Tabela 3: Variabilidade do intervalo de pulso dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...51 Tabela 4: Variabilidade da pressão arterial sistólica dos grupos CS (controle sedentário), OS (ooforectomizado sedentário), OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário) e FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose)...53 Tabela 5: Glicemia dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) após 10 semanas e ao final do protocolo...62 Tabela 6: Concentrações sanguíneas de triglicerídeos dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose) após 2 meses e ao final do protocolo...63

18 Tabela 7: Parâmetros hemodinâmicos em repouso dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...67 Tabela 8: Avaliação do controle autonômico da freqüência cardíaca pelo bloqueio farmacológico nos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...70 Tabela 9: Variabilidade do intervalo de pulso dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...74 Tabela 10: Variabilidade da pressão arterial sistólica dos grupos OHS (ooforectomizado hipertenso sedentário), OHT (ooforectomizado hipertenso treinado), FOHS (ooforectomizado hipertenso sedentário tratado com frutose) e FOHT (ooforectomizado hipertenso treinado tratado com frutose)...76 Quadro 1: Resumo do protocolo de treinamento físico...27

19 LISTA DE ABREVIATURAS AF-IP: alta freqüência do intervalo de pulso AF-PAS: alta freqüência da pressão arterial sistólica AGL: ácidos graxos livres ANOVA: teste de análise de variância BF-IP: baixa freqüência do intervalo de pulso BF-PAS: baixa frequência da pressão arterial sistólica CF: consumo de frutose CR: consumo de ração CS: controles sedentárias DCNT: doenças crônicas não-transmissíveis DM: diabetes melitus DP: desvio padrão FC: frequência cardíaca FCI: frequência cardíaca intrínseca FOHS: ooforectomizadas hipertensas sedentárias tratadas com frutose FOHT: ooforectomizadas hipertensas treinadas tratadas com frutose HAS: hipertensão arterial sistêmica HDL: high density lipoprotein (lipoproteína de alta densidade) KITT: constante de decaimento da glicose plasmática LDL: low density lipoprotein (lipoproteína de baixa densidade) OHS: ooforectomizadas hipertensas sedentárias OHT: ooforectomizadas hipertensas treinadas OS: ooforectomizadas sedentárias

20 PA: pressão arterial PAD: pressão arterial diastólica PAM: pressão arterial média PAS: pressão arterial sistólica RMSSD: raiz quadrada da média dos quadrados das diferenças entre os intervalos R-R normais sucessivos SHR: ratos espontaneamente hipertensos SM: síndrome metabólica TE: teste de esforço TS: tônus simpático TV: tônus vagal VAR-IP: variância do intervalo de pulso VAR-PAS: variância da pressão arterial sistólica VFC: variabilidade da frequência cardíaca VPA: variabilidade da pressão arterial VR: volume restante VTO: volume total oferecido

21 RESUMO Os objetivos do presente estudo foram avaliar em ratos fêmeas os efeitos metabólicos, cardiovasculares e autonômicos: 1) da privação dos hormônios ovarianos na presença ou não de hipertensão associada ou não a alterações metabólicas induzidas pela sobrecarga de frutose; 2) do treinamento físico em ratas hipertensas ooforectomizadas submetidas ou não à sobrecarga de frutose. Foram utilizados 16 ratos Wistar fêmeas e 32 ratos espontaneamente hipertensos fêmeas (SHR) dividas em 6 grupos (n=8 cada): controles sedentárias (CS), ooforectomizadas sedentárias (OS), ooforectomizadas hipertensas sedentárias (OHS), ooforectomizadas hipertensas treinadas (OHT), ooforectomizadas hipertensas sedentárias tratadas com frutose (FOHS) e ooforectomizadas hipertensas treinadas tratadas com frutose (FOHT). O tratamento com frutose consistiu na diluição de frutose na água de beber (100g/L de água). A ooforectomia foi realizada através da secção dos ovidutos e remoção bilateral dos ovários. A concentração sanguínea de glicose e triglicerídeos e o teste de resistência à insulina foram utilizados para avaliar o perfil metabólico. Os grupos treinados foram submetidos a um programa de treinamento físico em esteira ergométrica (1 hora/dia, 5 dias/semana, 8 semanas). Ao final do protocolo, os animais foram canulados para registro direto de pressão arterial (PA), avaliação da sensibilidade barorreflexa, através das respostas de taquicardia (RT) e bradicardia (RB) reflexas a alterações de PA induzidas pela injeção de doses crescentes de nitroprussiato de sódio e fenilefrina, e dos tônus vagal (TV) e simpático (TS), através (i.v.) do bloqueio vagal (atropina, 3mg/Kg) e simpático (propranolol, 4mg/Kg). Além disso, avaliou-se o controle autonômico cardiovascular no domínio do tempo e da freqüência (análise espectral). A ooforectomia promoveu aumento no peso corporal. O grupo FOHS apresentou aumento significativo nas concentrações sanguíneas de glicose e triglicerídeos e menor KITT (constante de decaimento da glicose) no teste de tolerância à insulina quando

22 comparado aos demais grupos ao final do protocolo. O grupo OS apresentou maior pressão arterial média do que o CS (121±2,5 vs. 108±1,4 mmhg no CS). O consumo de frutose provocou um aumento adicional na pressão arterial média e taquicardia no grupo FOHS (174±3,6 mmhg e 398±14 bpm) em relação ao OHS (162±4,7 mmhg e 348±16 bpm). A ooforectomia provocou uma redução na sensibilidade barorreflexa para as RT no grupo OS em relação ao grupo CS. Os animais dos grupos hipertensos (OHS e FOHS) apresentaram menor sensibilidade barorreflexa para as RB do que os animais CS. Além disso, os grupos OHS e FOHS apresentaram uma redução adicional da RT quando comparados ao grupo OS. O consumo de frutose provocou uma redução do TV no grupo FOHS (5±3 bpm) em relação aos demais grupos estudados (CS: 55±5; OS: 37±6; OHS: 35±7 bpm). Além disso, o TS foi maior no grupo FOHS quando comparado ao CS (91±18 vs. 39±10 bpm no CS). O índice RMSSD, indicativo de atividade parassimpática, foi significativamente maior no grupo FOHS (3,33±0,40 ms) quando comparado ao CS (7,41±0,83 ms) ou OS (7,60±0,88 ms). A banda de baixa freqüência do intervalo de pulso (BF-IP), correspondente à modulação simpática, estava reduzida no grupo FOHS em relação aos demais grupos, enquanto a banda de alta freqüência do intervalo de pulso (AF-IP), que corresponde à modulação parassimpática, foi significativamente menor no FOHS em relação ao CS. O grupo OHS (7,03±0,34 mmhg) apresentou maior desvio padrão da pressão arterial sistólica (DP-PAS) quando comparado ao CS (4,69±0,45 mmhg). O DP-PAS, a variância da pressão arterial sistólica (VAR-PAS) e a banda de baixa freqüência da pressão arterial sistólica (BF-PAS) foram maiores no grupo FOHS em relação ao grupo CS e OS. A redução na banda BF-PAS no grupo FOHS foi significativa quando comparada também ao grupo OHS. O índice alfa, que tem sido aceito como um índice da atividade barorreflexa espontânea, foi menor nos grupos OHS e FOHS quando comparados ao CS. O consumo de frutose induziu uma redução adicional do índice alfa no grupo FOHS em relação ao grupo OS. Além disto, o treinamento físico foi eficaz em

23 reduzir a glicemia, os triglicerídeos sanguíneos e a resistência à insulina no grupo FOHT em relação ao FOHS. Os valores de pressão arterial foram menores no grupo OHT (146±3,1 mmhg) quando comparado ao grupo OHS (162±4,7 mmhg). Foi observada melhora na sensibilidade barorreflexa para RB e RT no grupo OHT em relação ao OHS associado a aumento no TV. O treinamento físico também normalizou a taquicardia e induziu redução do exacerbado tônus simpático cardíaco e da banda de BF-PAS no grupo FOHT em relação ao grupo FOHS. O treinamento físico induziu aumento na sensibilidade barorreflexa espontânea, representado pelo índice alfa, no grupo OHT (1,13±0,13 ms/mmhg) em relação ao OHS (0,79±0,11 ms/mmhg), e no grupo FOHT (0,67±0,09 ms/mmhg) em relação ao FOHS (0,29±0,03 ms/mmhg). Concluindo, a privação dos hormônios ovarianos induziu disfunções cardiovasculares e autonômicas que foram agravadas pela presença de hipertensão e ainda mais exacerbadas quando associadas ao consumo crônico de frutose. A melhora na sensibilidade barorreflexa arterial, a diminuição dos níveis de atividade nervosa simpática e/ou aumento da atividade nervosa parassimpática causadas pelo treinamento físico, que foram ainda associadas à melhora no perfil metabólico (grupo submetido ao consumo crônico de frutose) em ratas hipertensas submetidas à privação dos hormônios ovarianos podem ter importantes implicações clínicas se confirmadas em estudos futuros em mulheres e reforçam o importante papel da prática de exercícios físicos regulares como forma de tratamento nãofarmacológico nas disfunções induzidas pela privação dos hormônios ovarianos em presença de hipertensão associada ou não a alterações metabólicas.

24 ABSTRACT The objectives of present study were to investigate in female rats the metabolic, cardiovascular and autonomic effects: 1) of ovarian hormones deprivation in presence or not of hypertension associated or not with metabolic alterations induced by a high fructose diet; 2) of exercise training in hypertensive ovariectomized female rats submitted or not to a high fructose diet. Experiments were performed in 16 female Wistar rats and 32 female spontaneously hypertensive rats (SHR), divided into 6 groups (n=8 each): sedentary control (SC), sedentary ovariectomized (SO), sedentary hypertensive ovariectomized (SHO), trained hypertensive ovariectomized (THO), sedentary hypertensive ovariectomized submitted to fructose overload (SHOF), trained hypertensive ovariectomized submitted to fructose overload (THOF). The fructose was provided in the drinking water (100g/L). The ovariectomy was realized through the oviduct section and bilateral ovary removal. The blood glucose and tryglicerides concentrations and the insulin tolerance test were performed to evaluate the metabolic profile. The trained groups were submitted to an exercise training protocol on a treadmill (1 hour/day; 5 days/week; 8 weeks). At the end of protocol, the rats were canullated to arterial pressure (AP) direct recording, baroreflex sensivity evaluation, by the tachycardic (TR) and bradycardic (BR) reflex responses to AP alterations induced by increasing doses of sodium nitroprusside and phenylephrine, and vagal (VT) and sympathetic tonus measurements, through vagal (atropine, 3mg/Kg, iv) and sympathetic blockade (propranolol, 4mg/Kg, iv). Moreover, the cardiovascular autonomic control was evaluated in the time and the frequency (spectral analysis) domains. The ovariectomy induced an increase in body weight. The SHOF group showed increased blood glucose and tryglicerides concentrations and reduced KITT (rate constant for blood glucose disappearance) during the insulin tolerance test when compared to other groups at the end of protocol. The SO group

25 showed higher mean AP than the SC group (121±2.5 vs. 108±1.4 mmhg in SC). The fructose consumption induced an additional increase in mean AP and a resting tachycardia in SHOF rats (174±3.6 mmhg and 398±14 bpm) in relation to SHO rats (162±4.7 mmhg and 348±16 bpm). The ovariectomy promoted a baroreflex sensitivity reduction for TR in SO group in relation to SC group. The hypertensive animals (SHO and SHOF) showed attenuated baroreflex sensitivity to BR as compared to SC animals. Moreover, the SHO and SHOF groups showed an additional reduction in TR when compared to SO group. The fructose consumption induced a VT reduction in SHOF group (5±3 bpm) in relation to the other groups (SC: 55±5; SO: 37±6; SHO: 35±7 bpm). Furthermore, the ST was higher in SHOF group as compared to SC group (91±18 vs. 39±10 bpm in SC). The RMSSD, a parasympathetic activity index, was higher in SHOF group (3.33±0.40 ms) in comparison to SC (7.41±0.83 ms) and SO groups (7.60±0.88 ms). The low frequency band of the pulse interval (LF-PI), representative of the sympathetic modulation, was reduced in SHOF group in relation to the other groups, while the high frequency band of the pulse interval (HF-PI), representative of the parasympathetic modulation, was diminished in SHOF rats when compared to SC rats. The SHO group (7.03±0.34 mmhg) showed higher standard desviation of systolic AP (SD-SAP) in relation to SC group (4.69±0.45 mmhg). The SD-SAP, the systolic AP variance (VAR-SAP) and the LF band of the systolic AP (LF-SAP) were higher in SHOF group when compared to the SC and SO groups. The LF-SAP reduction in SHOF group was additionally reduced when compared to the SHO group. The alfa index, is supposed to reflet the spontaneous baroreflex, was reduced in SHO and SHOF rats when compared to SC rats. The fructose consumption induced an additional reduction in alfa index in SHOF group in relation to SO group. Moreover, the exercise training was effective induce an reduction on blood glucose and tryglicerides concentrations and on insulin resistance in THOF group when compared to SHOF group. The mean AP values were diminished in THO

26 rats (146±3.1 mmhg) as compared to SHO rats (162±4.7 mmhg). There was an improvement on baroreflex sensitivity, for both BR and TR, in THO rats when compared to SHO rats, associated with an increased VT. The exercise training also normalized the resting tachycardia and reduced the exacerbated ST and LF-SAP band in THOF group relation to SHOF group. The exercise training induced an increase on spontaneous baroreflex sensitivity, represented by the alfa index, in THO group (1.13±0.13 ms/mmhg) as compared to SHO group (0.79±0.11 ms/mmhg), and in THOF rats (0.67±0.09 ms/mmhg) in relation to SHOF rats (0.29±0.03 ms/mmhg). In conclusion, the ovarian hormones deprivation induced cardiovascular and autonomic dysfunctions, which were worsened by the presence of hypertension and that were additionally exacerbated when associated to the chronic fructose consumption. The improvement on baroreflex sensitivity, the reduction on sympathetic nervous activity and/or the increase on parasympathetic nervous activity caused by the exercise training, which were also associated with an improvement on metabolic profile (group submitted to a chronic fructose consumption) in hypertensive rats submitted to the ovarian hormones deprivation may have an important clinical implication if confirmed in future studies in women, as well as reinforce the important role of regular physical activity as a non-pharmacological treatment for the dysfunctions induced by the ovarian hormones deprivation in presence of hypertension associated or not with metabolic alterations.

27 1. INTRODUÇÃO 1.1. Menopausa e risco cardiovascular A partir dos anos 60, com a entrada das mulheres no mercado de trabalho e, conseqüentemente, com maior exposição ao estresse, fumo e maus hábitos alimentares, a taxa de mortalidade devido às doenças cardiovasculares em mulheres rapidamente se elevou. No Brasil, esse índice aumentou de 10 para 25% entre os anos 60 e 70 (CASTANHO et al., 2001). Atualmente, as doenças cardiovasculares constituem a mais importante causa de morte em ambos os sexos em todas as regiões do país e no mundo ocidental (CASTANHO et al., 2001; NAHAS, 2001; BOUCHARD, 2003). Muitos estudos têm demonstrado que a incidência de doenças cardiovasculares aumenta significativamente em mulheres após a menopausa (SOWERS & LA PIETRA, 1995; ROSSI et al., 2002). O mesmo tem sido observado após intervenção cirúrgica (ovariectomia ou ooforectomia) (VIRDIS et al., 2000) ou medicamentosa (YIM et al., 1998) para inibição da produção hormonal pelos ovários em mulheres jovens, indicando que o fator idade não é o único determinante para o aumento da incidência de doenças cardiovasculares em mulheres na menopausa. A menopausa é a última menstruação da mulher. Essa fase corresponde à transição do período reprodutivo ou fértil para o não reprodutivo, devido à diminuição dos hormônios ovarianos. A ocorrência da menopausa provoca importantes alterações fisiológicas que podem afetar vários locais do organismo e determinam sinais e sintomas conhecidos por síndrome climatérica (GUYTON & HALL, 2002; ANTUNES, MARCELINO & AGUIAR, 2003). Dentre essas alterações, observa-se redução na capacidade de exercício, na força muscular e na massa óssea da mulher, bem como aumento do peso corporal e da prevalência de diabetes, 1

28 de osteoporose e de doenças cardiovasculares, conforme já citado (SOWERS & LA PIETRA, 1995). A redução ou ausência da produção dos hormônios ovarianos pode ser considerada fator responsável pela perda de proteção cardiovascular durante a menopausa. Embora os mecanismos pelos quais os hormônios sexuais femininos promovam esses efeitos ainda não estejam bem estabelecidos, alguns trabalhos têm sugerido que a proteção cardiovascular observada na mulher durante a pré-menopausa está associada às ações do estrógeno sobre a modulação de fatores envolvidos no desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Após a menopausa, a pressão arterial (PA), particularmente a sistólica, aumenta nas mulheres e a hipertensão torna-se mais prevalente (STAMLER et al., 1976) ou, pelo menos, igualmente prevalente entre homens e mulheres, sugerindo que os hormônios ovarianos podem ser responsáveis pela pressão arterial mais baixa em mulheres pré-climatério e a sua ausência pelo aumento da pressão arterial em mulheres menopausadas (STAESSEN et al., 1997). Experimentos realizados em fêmeas ovariectomizadas e em mulheres hipertensas têm demonstrado que o advento da menopausa potencia a disfunção endotelial nos mais diversos leitos vasculares. Alguns estudos demonstram que a terapia de reposição com estradiol pode reverter essas modificações adversas da função da célula endotelial, confirmando que o estrógeno também pode conferir proteção cardiovascular por meio da modulação da função endotelial (STAESSEN et al., 1997; CID et al., 2002). O controle autonômico cardiovascular também se altera com o envelhecimento e a menopausa (KUO et al., 1999). Tem sido observado na literatura que o reflexo cardiovascular originado pelos pressorreceptores arteriais (ou barorreflexo) - mecanorreceptores sensíveis às deformações da parede vascular, responsáveis pelo controle da PA em curto prazo (DE ANGELIS et al., 2004b) apresenta uma menor eficiência quando comparamos mulheres menopausadas às pré-menopausadas ou até mesmo a homens (HUIKURI et al., 1996; 2

29 LAITINEN et al., 1998). O comprometimento da função dos pressorreceptores pode atuar como elemento permissivo ao estabelecimento de alterações primárias de outros mecanismos de controle da função cardiovascular (IRIGOYEN et al., 2003; IRIGOYEN et al., 2005). Mais recentemente, o estudo ATRAMI (Autonomic Tone and Reflexes After Myocardial Infarction) forneceu evidências clínicas do valor prognóstico da disfunção autonômica cardiovascular na mortalidade cardíaca pós-infarto do miocárdio (LA ROVERE et al., 1998). Dessa forma, intervenções no sentido de detectar, prevenir e/ou atenuar a disfunção autonômica cardiovascular têm sido vistas como novas e/ou importantes estratégias no manejo das doenças cardiovasculares (LA ROVERE et al., 2002). Além das alterações cardiovasculares, a mulher menopausada desenvolve perfil lipídico mais aterogênico, com elevação dos níveis de LDL e diminuição de HDL. A proliferação de células do músculo liso vascular, importante componente em lesões vasculares, também parece ser modulada pelos hormônios sexuais femininos (ORSHAL & KHALIL, 2004). É freqüente também em mulheres menopausadas a presença de intolerância a glicose, resistência à insulina e diabetes melitus (DM) tipo 2 (SOWERS & LA PIETRA, 1995). Somado a isso, na sociedade moderna é cada vez mais prevalente a coexistência de diabetes mellitus e hipertensão arterial sistêmica (HAS), sendo que mais de 60 % das pessoas que têm DM tipo 2 apresentam HAS (ADA, 2003, SCHAAN et al., 2002). Indivíduos com DM do tipo 2 apresentam 2 a 4 vezes mais risco de doenças cardiovasculares do que nãodiabéticos, sendo a doença cardiovascular a causa de morte em até 80% deles (KANNEL & MCGEE, 1979; STAMLER et al.,1993), além de sua associação à HAS aumentar de forma consistente o risco de doenças cardiovasculares em qualquer estágio da doença (NATIONAL HIGH BLOOD PRESSURE EDUCATION PROGRAM, 1997). Estudos demonstram que o DM dobra o risco de desenvolvimento das doenças cardio-circulatórias no homem e triplica nas mulheres (MUIR et al. 1992). 3

30 Esses dados, em conjunto, confirmam que a idade e o gênero têm uma significativa importância na incidência de risco cardiovascular. Em um estudo recente, Vittinghoff e colaboradores (2003) demonstraram a importância de 11 fatores de risco para evento cardiovascular em mulheres pós-menopausa, entre eles: a redução dos níveis de atividade física, a resistência à insulina e o diabetes, os níveis de pressão arterial, o perfil lipídico e a obesidade. A coexistência de, pelo menos, três dos fatores de risco citados acima tem sido denominada pelo termo síndrome metabólica (SM), que também pode incluir a doença coronariana e a obesidade da porção superior do corpo (ALBERTI & ZIMMET, 1998).A seguir abordaremos aspectos relacionados a esses fatores de risco para doença cardiovascular Doença cardiovascular e disfunção autonômica Considerando que alterações no controle autonômico cardiovascular podem estar envolvidas no maior risco de eventos cardiovasculares no climatério, é importante lembrar que a manutenção da função cardíaca normal é obtida através da regulação neural cardíaca pela integração da atividade do sistema nervoso simpático e parassimpático. Além disso, o controle da homeostase cardiovascular é dependente da atuação dos reflexos originados pelos pressoreceptores arteriais, pelos cardiopulmonares e por sua integração central (MANCIA et al., 1994). Estes reflexos contribuem de forma importante para que, em circunstâncias normais, a PA seja mantida em estreita faixa de variação permitindo a perfusão tecidual adequada. Nas doenças cardiovasculares, as quais representam uma das mais importantes causas de morte nos países ocidentais (NAHAS, 2001; BOUCHARD, 2003), as alterações da atividade nervosa simpática são bem mais conhecidas e estudadas que as do parassimpático, constituindo as mais fortes evidências da disfunção autonômica (FRANCHINI & KRIEGER, 1989). Entretanto, existe um consenso de que a função vagal preservada é benéfica na 4

31 manutenção da variabilidade da PA, com conseqüente proteção de lesão de órgão alvo (SU & MIAO, 2001). Uma das formas que vem sendo muito utilizada para avaliar o controle autonômico é o estudo da variabilidade da freqüência cardíaca (FC). Até 20 anos atrás, variações do ritmo cardíaco (ou da PA) eram completamente ignoradas pelos fisiologistas e cardiologistas. A variabilidade natural de parâmetros cardiovasculares como PA e FC reflete a interação de diversos fatores que, em sua maioria, envolvem uma influência do sistema nervoso autônomo (SNA) sobre o aparelho cardiovascular (JOAQUIM et al., 2005). Hoje se sabe que irregularidades na variabilidade da FC e da PA significam algum tipo de anormalidade, e que a diminuição da variabilidade da FC é um mau prognóstico (RIBEIRO & MORAES, 2005). De fato, estudos experimentais e clínicos vêm demonstrando que a disautonomia (disfunções no sistema nervoso autônomo) está presente em uma série de patologias, tais como a hipertensão arterial, a insuficiência cardíaca, o diabetes mellitus e outras alterações metabólicas (DE ANGELIS et al., 2004b). A avaliação da sensibilidade dos pressorreceptores, assim como o bloqueio farmacológico do simpático e do parassimpático, e a análise da variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) e da pressão arterial (VPA), são excelentes medidas de função autonômica (DE ANGELIS et al., 2004b). Os pressorreceptores arteriais são mecanorreceptores sensíveis às deformações da parede vascular, que devido ao seu alto ganho constituem-se na forma mais importante de controle da PA em curto prazo, ou seja, momento a momento (IRIGOYEN et al., 2003). Além do controle reflexo da atividade autonômica, os pressorreceptores também exercem controle tônico sobre a atividade simpática (inibição) e parassimpática (estimulação). Assim o comprometimento da função dos pressorreceptores pode atuar como elemento permissivo ao estabelecimento de alterações primárias de outros mecanismos de controle da função cardiovascular, por não modular a atividade simpática e parassimpática 5

32 adequadamente (IRIGOYEN et al., 1995). De fato, disfunção barorreflexa tem sido documentada na hipertensão arterial e em outras doenças cardiovasculares em estudos clínicos e experimentais (IRIGOYEN & KRIEGER, 1998; ZANCHETTI & MANCIA, 1991; DE ANGELIS et al., 2002a, 2002b, 2004c). A hipertensão arterial é uma doença poligênica que resulta de anormalidades dos mecanismos de controle da pressão arterial (IRIGOYEN et al., 2003). Atualmente esta doença é considerada um problema médico e de saúde multifacetado relacionado a mudanças estruturais e funcionais no sistema cardiovascular e no controle autonômico da freqüência cardíaca e da pressão arterial em humanos e animais. Freqüentemente, altos níveis de pressão arterial estão associados a outros fatores de risco para a doença cardiovascular como a hereditariedade (pessoas com história familiar de hipertensão apresentam mais risco), idade avançada, raça (maior risco para pessoas de descendência africana ou hispânica), resistência à insulina, obesidade, dieta (excesso de ingestão de sal), utilização de contraceptivos orais e inatividade física (IRIGOYEN et al., 2003, IRIGOYEN et al., 2005). A maior parte dos hipertensos (cerca de 90 a 95%) não apresenta uma etiologia clara para a hipertensão, sendo esta então classificada como hipertensão arterial primária ou essencial. O restante da população hipertensa apresenta uma etiologia bem definida para a hipertensão, sendo que com a retirada da causa tem-se o restabelecimento da normotensão (CONSOLIM-COLOMBO & PLAVNIK, 2005). Como já citado anteriormente, os pressorreceptores arteriais constituem-se no mais importante mecanismo de controle reflexo da PA momento a momento. Na hipertensão arterial, este mecanismo sofre adaptações, ajustando-se aos novos níveis de PA, havendo redução de sua sensibilidade, e conseqüente deficiência da regulação da PA, levando ao aumento da variabilidade da mesma (IRIGOYEN et al, 2003). Além dos pressorreceptores, outros mecanismos neurogênicos (quimiorreceptores e receptores cardiopulmonares), 6

33 hormonais (sistema renina-angiotensina, aldosterona, vasopressina, noradrenalina, entre outros) e renais podem estar alterados favorecendo o desenvolvimento e/ou manutenção da hipertensão (IRIGOYEN et al., 2003, IRIGOYEN et al., 2005). Dentre os modelos experimentais de hipertensão mais estudados, os modelos genéticos e, mais especificamente, de ratos espontaneamente hipertensos (SHR) são os que mais se assemelham à hipertensão primária no homem. Em 1963, Okamoto e Aoki, introduziram na pesquisa uma linhagem de ratos espontaneamente hipertensos, muito conhecida entre todos os modelos de hipertensão experimental, sem que nenhum recurso fisiológico, farmacológico ou cirúrgico fosse necessário (FAZAN et al., 2006). Estes investigadores iniciaram suas colônias em Kyoto, no Japão, pelo cruzamento de um macho Wistar-Kyoto que tinha pressão arterial elevada, em um nível de hipertensão moderada ( mmhg de pressão sistólica), com uma fêmea com nível de pressão não tão elevada quanto a do seu par ( mmHg de pressão sistólica), porém considerada hipertensa. Na terceira geração, todos os filhotes já apresentavam hipertensão arterial. A hipertensão do SHR adulto está associada ao aumento da resistência periférica total e um débito cardíaco normal ou diminuído (POTTS et al., 1998), embora nos animais jovens (<12 semanas) tenha sido observado débito cardíaco normal ou diminuído (PFEFFER & FROHLICH, 1973). Com o desenvolvimento da hipertensão arterial, o SHR desenvolve uma progressiva hipertrofia cardíaca (MATSUOKA et al., 1996; THOMAS et al., 1997). O débito cardíaco permanece nos níveis normais com o progresso da hipertensão até que nos estágios finais a função cardíaca começa a ser comprometida, quando, então, o débito cardíaco começa a reduzir em função de uma insuficiência cardíaca congestiva (FROHLICH, 1977). Um achado consistente nos SHR é o aumento da resistência periférica total (JUDY et al., 1976, LUNDIN et al., 1984). Parece que as pequenas artérias, arteríolas e, possivelmente, os esfíncteres pré-capilares sejam os principais responsáveis pelo aumento da resistência 7

34 vascular periférica (TRIPPODO & FROHLICH, 1981; FOLKOW, 1993). Já foi observado também, um aumento da resistência venosa (GREENBERG & BOHR, 1975), possivelmente relacionado ao aumento da atividade simpática (LUNDIN et al., 1984; FROHLICH & PFEFFER, 1975) e/ou hipertrofia venular (GREENBERG & BOHR, 1975). Em relação ao controle neural, mecanismos envolvendo o sistema nervoso central têm recebido importante suporte no desenvolvimento deste modelo de hipertensão. Neste sentido, Vasquez e colaboradores (1992) demonstraram que lesões neuronais crônicas seletivas na área bulbar ventrolateral rostral, que sabidamente contêm neurônios geradores de atividade simpática, substancialmente reduzem a pressão arterial média em ratos SHR. Com relação à regulação reflexa da pressão arterial, esse modelo também apresenta prejuízo na sensibilidade barorreflexa (ANDRESEN & YANG, 1989; BRUM et al., 2000). Minami e colaboradores (1989) observaram reduzida sensibilidade barorreflexa em ratos SHR de 4 a 5 semanas de vida quando comparados aos controles de mesma idade; quando a pressão arterial estava levemente elevada nos SHR. Durante as semanas subseqüentes, os autores observaram um rápido aumento nos níveis pressóricos dos SHR, concluindo que o prejuízo na sensibilidade barorreflexa, de origem central, antecede a elevação da pressão arterial nesses animais. Vale destacar que a piora na sensibilidade barorreflexa nos SHR tem sido associada a aumentos na variabilidade da pressão arterial e ao favorecimento de lesões em órgãos alvos (SHAN et al., 1999). Nos SHR, assim como na hipertensão essencial humana, o aumento da pressão arterial se dá de forma progressiva e a hipertensão se associa a outros fatores de risco, como a hipertrofia ventricular esquerda, resistência à insulina, hipertrigliceridemia e intolerância à glicose (PRAVENEC et al., 2004; GOUVEIA et al., 2000). Porém, grande parte da resistência à insulina verificada nos ratos SHR pode também ser atribuída a grande atividade adrenérgica verificada nesses animais. O aumento da atividade adrenérgica determina piora na 8

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida ago. l 2008 l N i, Nº 2 l 17-33 iniciação científica 17 Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida danielle da silva dias*; marcelo velloso heeren* ; kátia de angelis* Resumo l As doenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU MESTRADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DANIEL CIA KOIKE

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU MESTRADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DANIEL CIA KOIKE UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU MESTRADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DANIEL CIA KOIKE EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NO BALANÇO AUTONÔMICO E PARÂMETROS CARDIOVASCULARES DE RATOS

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Marcelo Velloso Heeren EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO EM PARÂMETROS HEMODINÂMICOS E NO ESTRESSE OXIDATIVO EM CAMUNDONGOS

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON WELLINGTON LUNZ INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO Profa. Dra. Monica Akemi Sato Pressão Arterial O que é? É a força exercida pelo sangue sobre as paredes do vaso, sofrendo mudanças contínuas durante todo o tempo,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Diogo B de Souza; Dilson Silva; Célia M Cortez; Waldemar S Costa; Francisco J B Sampaio. J. of Andrology 2011

Diogo B de Souza; Dilson Silva; Célia M Cortez; Waldemar S Costa; Francisco J B Sampaio. J. of Andrology 2011 Estudo Estrutural do Pênis em Diferentes Situações Clínicas e Modelos Experimentais Francisco J. B. Sampaio Stress Efeitos do Estresse Crônico no Corpo Cavernoso de Ratos Os animais foram contidos diariamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA Juliana Valente Francica AJUSTES CARDIOVASCULARES INDUZIDOS PELOS EXERCÍCIOS RESISTIDOS EM JOVENS COM HISTÓRIA FAMILIAR

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES INTERVENÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO HIPERTENSIVO EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO RENATA KELLY DA PALMA

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO RENATA KELLY DA PALMA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO RENATA KELLY DA PALMA EFEITOS DO TREINAMENTO FISÍCO AERÓBIO OU RESISTIDO EM PARÂMETROS AUTONÔMICOS E DE ESTRESSE OXIDATIVO

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Doença cardiovascular na mulher

Doença cardiovascular na mulher JAN. FEV. MAR. 2006 ANO XII, Nº 44 41-48 INTEGRAÇÃO 41 Doença cardiovascular na mulher IRIS CALLADO SANCHES* luciana jorge* kátia regina ponciano** demilto yamagachi pureza** kátia de angelis*** Resumo

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Somatropina no adulto Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Secreção de GH Concentração integrada de GH nas 24h em 173 indivíduos de ambos

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão.

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão. Código Disciplina CH CR Nat Ementa BIQ808 BIOQUÍMICA CELULAR (DOMÍNIO CONEXO) BIQ826 TÓPICOS DE BIOQUÍMICA AVANÇADA EFI804 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FAE914 DIDÁTICA ENSINO SUPERIOR FAR815 IMUNOFARMACOLOGIA

Leia mais