OPQ Perfil OPQ. Relatório de Liderança. Nome Toni Sample

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPQ Perfil OPQ. Relatório de Liderança. Nome Toni Sample"

Transcrição

1 OPQ Perfil OPQ Relatório de Liderança Nome Toni Sample Data 1 fevereiro

2 INTRODUÇÃO A estrutura utilizada neste relatório diferencia o gerenciamento e a liderança em função da distinção amplamente reconhecida entre os estilos transacionais e transformadores. Este relatório estima o potencial do indivíduo usando previsões derivadas de pesquisas a partir de respostas fornecidas no Questionário de Personalidade Ocupacional (OPQ32). Durante o feedback, explore com o indivíduo o modo como poderiam ser empregadas suas forças ou superados seus desafios na busca pelo sucesso. Um profundo entendimento dos atributos pessoais ajudará a identificar sua adaptação a diferentes papéis de liderança e as abordagens apropriadas para estruturar suas habilidades de liderança. O Modelo de Liderança da SHL O Modelo de Liderança SHL abrange quatro funções de liderança essenciais à eficácia de liderança em qualquer organização. Cada uma dessas quatro funções de liderança pode ser considerada em função de um foco de gerenciamento e um de liderança. O gerenciamento (foco transacional) é focado em garantir que o sistema funcione de modo eficiente e entregue um desempenho confiável dos objetivos especificados. A liderança (foco transformador) é focada em criar, desenvolver ou alterar a direção do sistema e inspirar as pessoas e a organização para ir além das expectativas. Cada função de liderança está associada a duas competências, com base nos Oito Grandes Fatores de Competência da SHL. Uma competência é mais relevante para um foco de gerenciamento e outra para um foco de liderança. Competências Função de Liderança Definição Foco no Gerenciamento (Transacional) Foco na Liderança (Transformador) Desenvolver a Visão Envolve a análise crítica da situação atual e a produção de ideias para avançar (Estratégia). Análise e Interpretação Analisar informações complexas e aplicar conhecimentos técnicos. Criação & Elaboração de Conceitos Produzir ideias inovadoras e pensar estrategicamente. Compartilhar as Metas Envolve o ato de comunicar a visão para outras pessoas de modo persuasivo, bem como se adaptar de modo pessoal às mudanças trazidas pela nova estratégia (Comunicação). Adaptação & Tolerância Responder e adaptar-se bem à mudança e pressão. Interação & Apresentação Comunicar-se, persuadir e influenciar outras pessoas. Obter Apoio Envolve obter o apoio de outras pessoas ao motivá-las e capacitá-las para implementar as ações necessárias para aplicar a estratégia (Pessoas). Apoio e Colaboração Apoiar outras pessoas e trabalhar com elas de modo eficaz. Liderança & Decisão Iniciar a ação, direcionar e assumir a responsabilidade. Alcançar Sucesso Envolve o uso de eficiência operacional e perspicácia comercial para implementar efetivamente a estratégia (Operação). Organização e Execução Planejar, trabalhar de modo organizado e focar a entrega. Espírito Empreendedor & Capacidade de Desempenho Focar os resultados e a conquista de metas. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 2

3 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório é composto de três seções importantes. O Sumário Executivo fornece uma visão rápida de alto nível do estilo geral do indivíduo e de cada uma das quatro funções de liderança. Resumo da tabela abaixo: A seção Detalhe do Potencial de Liderança destina-se ao uso de usuários treinados em OPQ e fornece informações mais detalhadas sobre o estilo geral de liderança preferido do indivíduo e sobre cada uma das quatro funções de liderança. O Resumo do Potencial de Liderança no verso deste relatório destina-se diretamente ao indivíduo que preencheu o OPQ, como parte ideal de uma sessão de feedback Função de Liderança Transacional Menos Mais Transformador a Menos Mais Estilo de Liderança Preferido GLOBAL GERENCIAMENT O LIDERANÇA Mistura Balanceada de Estilos Alcançar um desempenho confiável e atingir os objetivos operacionais. Inspirar as pessoas e a organização para que se tornem proativas e ultrapassem as expectativas. Desenvolver a Visão Compartilhar as Metas Análise & Criação & Mistura Balanceada de Interpretação Elaboração de Conceitos Criação e Análise Analisar informações complexas e aplicar conhecimentos técnicos. Produzir ideias inovadoras e pensar estrategicamente. Adaptação & Interação & Embaixador de Tolerância Apresentação Mudanças Responder e adaptar-se bem à mudança e pressão. Comunicar-se, persuadir e influenciar outras pessoas. Obter Apoio Apoio & Liderança & Líder de Pessoal/ Colaboração Decisão Membro de Equipe Apoiar outras pessoas e Iniciar a ação, direcionar e trabalhar com elas de modo assumir a responsabilidade. eficaz. Alcançar Sucesso Organização & Execução Execução Planejar, trabalhar de modo organizado e focar a entrega. Espírito Empreendedor & Capacidade de Desempenho Focar os resultados e a conquista de metas. Idealista Legenda dos símbolos de competência Estilo preferido, competência muito provável de ser um ponto forte. Estilo moderado, a competência poderá ser moderadamente um ponto forte. Estilo menos preferido, competência menos provável de ser um ponto forte. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 3

4 . DETALHE DO POTENCIAL DE LIDERANÇA Global: Foco no Gerenciamento x Foco na Liderança Os detalhes do estilo de liderança global do indivíduo são apresentados abaixo. O texto: descreve comportamentos típicos do estilo de liderança preferido do indivíduo. O gráfico: mostra o foco transacional (gerenciamento) no eixo horizontal e o foco transformador (liderança) no eixo vertical. O estilo preferido do indivíduo é traçado e indicado por um quadrado colorido na grade. As dimensões do OPQ: são mostradas na página a seguir e fornecem um entendimento mais profundo das preferências comportamentais do indivíduo. O mesmo formato é seguido por cada um dos quatro estilos de liderança. Nota Importante: o texto é baseado no estilo de liderança preferido do indivíduo para uma determinada função de liderança. Reflete os comportamentos/situações típicas desse estilo. Utilize as informações sobre as preferências comportamentais específicas do indivíduo, provenientes das dimensões do OPQ, para direcionar uma interpretação adicional e o entendimento de como isso se aplica ao indivíduo. Estilo Preferido: Mistura Balanceada de Estilos Os indivíduos que capturam elementos dos estilos de gerenciamento transacional e de liderança transformadora provavelmente adaptarão a abordagem para atender às necessidades de diferentes desafios e contextos, mantendo a eficácia enquanto estão abertos às inovações. Os indivíduos com uma mistura balanceada de estilos fazem seu melhor: Quando responsável por garantir a eficácia operacional. Nas funções que trazem aspectos técnicos e criativos. Nas situações em que é possível suportar outras pessoas através da mudança. Ao balancear o gerenciamento diário com um foco mais amplo e mais estratégico. Os indivíduos com uma mistura balanceada de estilos podem achar desafiador: Organizações muito competitivas com expectativas de alto desempenho. Funções que requerem uma orientação muito estratégica. Organizações que mantêm o status quo mesmo quando não é efetivo. Indústrias muito dinâmicas. Mais Líder Líder/ Líder Corporativo Líder Corporativo Transformadora Foco na Liderança Líder/ Contribuidora Mistura Balanceada de Estilos Líder Corporativo/ Gerente Menos Contribuidora Contribuidora/ Gerente Gerente Menos Foco no Gerenciamento Mais Transacional 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 4

5 DEFINIÇÕES As Definições do estilo global de liderança (liderança x gerenciamento) e das quatro funções de liderança são apresentadas aqui. Para cada função, são dadas as definições dos quatro estilos principais relacionados a essa função. Global: Foco no Gerenciamento x Foco na Liderança Líder Overall Contribuidora Os contribuidores orgulham-se em focar as tarefas dentro de uma área definida e usar abordagens empiricamente testadas para solucionar problemas. Provavelmente, sentem-se confortáveis em traçar a direção de outras pessoas e poderão se sentir inquietos na perspectiva de gerenciar outros indivíduos, preferindo focar uma área de responsabilidade específica própria. Líder Corporativo Os Líderes Corporativos transformam as organizações ao combinar inovação, orientação, comunicação persuasiva e instinto empreendedor com a execução efetiva das análises, resiliência pessoal, sensibilidade interpessoal e implementação estruturada. Gerente Os indivíduos que combinam a especialização técnica com um estilo de gerenciamento transacional e transparente provavelmente serão eficientes na tolerância de pressão e na orientação do sucesso operacional, aqui e agora. Contudo, o futuro sucesso também depende de um fluxo de inovação constante que leva a novas proposições de negócio em resposta aos mercados em evolução. Desenvolver a Visão Criadora Os criadores trabalham bem em situações que requerem a abertura para novas ideias e experiências. Tipicamente, manipulam situações e desafios com inovação e criatividade e, frequentemente, apoiam ou estimulam a mudança organizacional. Entretanto, o entusiasmo com a mudança poderá ignorar os aspectos positivos do status quo. Como o estilo dos criadores também é menos focado na análise quantitativa, poderão ignorar a necessidade de verificar a viabilidade das ideias. Conservadora Os conservadores prosperam em ambientes em que podem continuar a usar métodos comprovados e desencorajar ideias incompatíveis. Estão menos inclinados à análise quantitativa e aplicam tipicamente métodos estabelecidos e modos de trabalho para solucionar problemas práticos e manter o status quo. Visionária Os visionários sobressaem-se no desenvolvimento de uma visão para a organização, enquanto avaliam criticamente os fatos e criam ideias e conceitos que levam a organização a progredir. Entretanto, em certos contextos, poderão ficar inclinados a superanalisar uma situação e ignorar os aspectos positivos do status quo. Analista Os analistas estão naturalmente adaptados ao pensamento crítico e, rapidamente, atingem o coração de problemas e questões complexas. Trabalham de maneira mais eficiente em situações que requerem a aplicação de métodos estabelecidos e poderão ter problemas para criar novas ideias. Os analistas se esforçarão para aplicar abordagens empiricamente testadas na resolução de problemas e, se deixados sem orientação, poderão ficar inclinados a superanalisar a situação. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 5

6 Do no translate Compartilhar as Metas Divulgadora Os divulgadores relacionam-se com outras pessoas de modo confiante, apresentando um caso convincente da nova visão e estratégia. Gostam de falar em público, desenvolvem uma rede de relações de modo efetivo e, geralmente, são bem-sucedidos em persuadir e influenciar outras pessoas. Contudo, podem encontrar dificuldade para superar de modo efetivo as pressões pessoais frequentemente associadas à mudança organizacional. Buscador de Estabilidade Os Buscadores de Estabilidade prosperam em ambientes estáveis e naqueles em que a rede de relações é menos importante. Têm probabilidade de ser socialmente reservados e não gostam de falar em público, escolhendo outras formas de comunicação. Poderão encontrar pressões pessoais associadas ao desafio de mudança organizacional, porém o foco nos aspectos mais negativos de uma situação poderia ajudar a destacar as questões potenciais. Tendem a se comportar de modo consistente e não pressionam outras pessoas, o que pode fornecer um contrabalanço para as abordagens mais poderosas. Embaixadora de Mudanças Os Embaixadores de Mudanças inspiram outras pessoas a compartilhar a nova visão e metas da organização. Relacionam-se com outras pessoas de modo confiante e relaxado, gostam de falar em público e desenvolvem uma rede de relações de modo eficiente. Os Embaixadores de Mudanças prosperam sob pressão e mudanças, projetando confiança e transmitindo conforto a outras pessoas. No entanto, poderão subestimar os desafios pessoais experimentados por outras pessoas na adaptação à mudança. Regulador Os reguladores focam os aspectos positivos da nova visão e estratégia e respondem bem aos desafios que trazem. Contudo, por serem solitários e socialmente reservados, poderão não compartilhar efetivamente uma percepção positiva e perder oportunidades de persuadir e influenciar outras pessoas. Preferem não ser o centro das atenções e podem não gostar de falar em público. Obter Apoio Responsável pela Tomada de Decisões Os Responsáveis pela Tomada de Decisões naturalmente assumem o controle, iniciam a ação e exercitam a liderança. Preferem não se envolver com as preocupações pessoais de outros indivíduos, o que poderá lhes facilitar as escolhas difíceis que impactam outras pessoas. Como são muito mais focados nos aspectos do cargo relacionados à tarefa do que nas pessoas, poderão subestimar as preocupações de outras pessoas com novas metas. Isso poderá limitar o quanto obtêm de apoio de outras pessoas. Individualista Os individualistas são muito mais focados nos aspectos do cargo relacionados à tarefa do que nos relacionados com o pessoal. Preferem não se envolver com as preocupações pessoais de outras pessoas e tendem a não agir de maneira diretiva. Estão abertos para expressar suas próprias opiniões e poderão assumir uma função de aconselhamento independente dentro do grupo. Líder de Pessoas Os líderes de pessoas escutam as opiniões de outras pessoas e são astutos ao julgar como melhor motivar e estimular outros indivíduos. Naturalmente, preferem assumir o controle, iniciar a ação e exercitar a liderança. A abordagem focada nas pessoas, combinada à tendência natural de assumir a responsabilidade, ajuda-os a ganhar a confiança de outras pessoas. Entretanto, poderão achar difícil tomar decisões complicadas, as quais terão um impacto negativo sobre outras pessoas. Membro de Equipe Os Membros de Equipe naturalmente colocam os problemas das pessoas em primeiro lugar, apoiando colegas de trabalho e mostrando respeito com outras pessoas. Entendem como motivar outras pessoas e obter seu apoio. Entretanto, ficam felizes quando outros assumem a liderança, e isso poderá limitar a maneira com que direcionam ativamente os esforços de outras pessoas. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 6

7 Do no translate Alcançar Sucesso Espírito Empreendedor Os empreendedores são mais eficazes em trazer um diferencial competitivo ao trabalho. Preferem abordar as questões de modo flexível e poderão se sentir desconfortáveis e constrangidos em adotar uma orientação de procedimento ou de processo. A iniciativa competitiva poderá apoiar um forte interesse no negócio, no comércio e nas finanças. Estão inclinados a focar a busca de metas e objetivos de trabalho pessoais, porém nem sempre planejarão em detalhes como atingir isso. Idealista Os idealistas preferem abordar as questões de modo flexível. Criam a satisfação ao aplicar um esforço constante na tarefa que está à mão e poderão sentir-se desconfortáveis e constrangidos em adotar uma abordagem mais estruturada. São menos estimulados pela competição ou pela necessidade de reconhecimento pessoal. Isso significa que poderão falhar ao reconhecer ou capitalizar as oportunidades comerciais potenciais. Entretanto, o ritmo regular e o estilo flexível fornecem um contrabalanço nas abordagens mais intensas. Motivadora de Negócios Os Motivadores de Negócios focam os resultados, a conquista de metas e objetivos de trabalho pessoais e a progressão da carreira. Isso também poderá significar que apresentam um forte interesse no negócio, no comércio e nas finanças. Identificam e agem sob novas oportunidades, ao trabalhar de forma energética e de uma maneira sistemática e organizada. Enquanto, vez ou outra, preocupam-se com os detalhes, geralmente são respeitados por conduzirem a organização de modo brando e eficiente. Implementadora Os implementadores especializam-se em conseguir as coisas feitas e criam a satisfação do fato de ter muitas tarefas para cumprir. Gostam de seguir processos e procedimentos, trabalhando de modo sistemático e organizado. Os implementadores focam a entrega de um produto ou serviço definido de acordo com padrões predeterminados e podem achar desafiador acomodar desvios do plano. Como são menos estimulados pela competição e pela necessidade de conquista pessoal, podem falhar ao reconhecer ou capitalizar as oportunidades comerciais potenciais. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 7

8 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO Este Perfil baseia-se nas seguintes fontes de informações do Toni Sample: Questionário/Teste de Habilidade OPQ32r US English v1 (Std Inst) Grupo de comparação OPQ32r Inglês dos EUA Gerencial e Profissional 2011 (USA) Nome Dados do Candidato Relatório Toni Sample RP1=4, RP2=4, RP3=4, RP4=3, RP5=10, RP6=10, RP7=9, RP8=6, RP9=9, RP10=10, TS1=4, TS2=1, TS3=7, TS4=2, TS5=6, TS6=5, TS7=7, TS8=8, TS9=4, TS10=2, TS11=1, TS12=2, FE1=7, FE2=6, FE3=7, FE4=5, FE5=10, FE6=7, FE7=2, FE8=1, FE9=2, FE10=6, CNS=8 LPO1=5, LPO2=10, LPO3=9, LPO4=4, LPO5=6, LPO6=1, LPO7=8, LPO8=1, LPOMO=5, LPOLO=5 O Relatório de Liderança v2.0 SC SOBRE ESTE RELATÓRIO Esse relatório foi gerado a partir da utilização do sistema de Avaliação On-line da SHL. Ele contém informações do questionário de Personalidade Ocupacional (OPQ32). A utilização desse questionário é limitada às pessoas que receberam treinamento específico para sua utilização e interpretação. O relatório é gerado através do resultado do questionário respondido pelo participante e reflete as respostas dadas por eles. A devida consideração deve ser dada à natureza subjetiva de avaliações que usam questionários como base na interpretação desses dados. Esse relatório foi gerado eletronicamente - o usuário do software pode fazer alterações e acrescentar algo no texto do relatório. SHL Group Ltda e companhias associadas não garantem que o conteúdo desse relatório não foi alterado pelo sistema do computador. Não nos responsabilizamos pelas conseqüências do uso desse relatório e isso inclui consequências de todo tipo (incluindo negligência) para com esse conteúdo. SHL e OPQ são marcas registradas da SHL Group Ltda e registradas no United Kingdom e outros países. Este relatório foi produzido pela SHL para uso de seus clientes e contém propriedade intelectual da SHL. A SHL autoriza os seus clientes a reproduzirem, distribuírem, corrigirem e armazenarem este relatório somente para uso interno e não para fins comerciais. Todos os outros direitos da SHL são reservados. 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 8

9 Esta página foi deixada em branco intencionalmente.

10 OPQ Perfil OPQ O Relatório de Liderança: Resumo do Potencial de Liderança Nome Toni Sample Data 1 fevereiro

11 RESUMO DO POTENCIAL DE LIDERANÇA O estilo preferido de cada função de liderança foi determinado com base nas respostas dadas no Questionário de Personalidade Ocupacional (OPQ). As informações apresentadas aqui resumem o estilo de liderança preferido. Também dão exemplos de situações em que as pessoas que mostram esse estilo tipicamente se acham em seu melhor momento e de áreas que podem achar mais desafiadoras e nas quais poderiam se beneficiar de um crescimento adicional. É fornecido um espaço para anotações em cada página. Se receber o relatório antes de uma sessão de feedback, poderá utilizá-lo para anotar suas reflexões. Se receber o relatório durante ou depois de uma sessão de feedback, poderá utilizá-lo para anotar os principais pontos discutidos ou as ações identificadas. Resumo do Potencial de Liderança Função de Liderança Global: Foco no Gerenciamento x Foco na Liderança Seu Estilo Preferido: Mistura Balanceada de Estilos Desenvolver a Visão Compartilhar as Metas Obter Apoio Alcançar Sucesso Mistura Balanceada de Criação e Análise Embaixador de Mudanças Líder de Pessoal/ Membro de Equipe Idealista

12 GLOBAL: FOCO NO GERENCIAMENTO X FOCO NA LIDERANÇA O Gerenciamento é focado em garantir que o sistema funcione de modo eficiente (foco transacional) e entregue um desempenho confiável dos objetivos especificados. A Liderança é focada em criar, desenvolver ou alterar a direção do sistema (foco transformador) e inspirar as pessoas e a organização para ir além das expectativas. Estilo Preferido: Mistura Balanceada de Estilos Os indivíduos que capturam elementos dos estilos de gerenciamento transacional e de liderança transformadora provavelmente adaptarão a abordagem para atender às necessidades de diferentes desafios e contextos, mantendo a eficácia enquanto estão abertos às inovações. Os indivíduos com uma mistura balanceada de estilos fazem seu melhor: Quando responsável por garantir a eficácia operacional. Nas funções que trazem aspectos técnicos e criativos. Nas situações em que é possível suportar outras pessoas através da mudança. Ao balancear o gerenciamento diário com um foco mais amplo e mais estratégico. Os indivíduos com uma mistura balanceada de estilos podem achar desafiador: Organizações muito competitivas com expectativas de alto desempenho. Funções que requerem uma orientação muito estratégica. Organizações que mantêm o status quo mesmo quando não é efetivo. Indústrias muito dinâmicas. As Suas Notas 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 3

13 DESENVOLVER A VISÃO A análise crítica da situação atual e a produção de ideias para avançar são as primeiras etapas na mudança organizacional. Os líderes precisam analisar os fatos e identificar áreas com uma forte necessidade de mudança. Também precisam estabelecer uma missão, desenvolver uma abordagem e incutir a visão do futuro e traçar a estratégia pela qual isso pode ser atingido. Estilo Preferido: Mistura Balanceada de Criação e Análise Os indivíduos que demonstram uma mistura balanceada de estilos tipicamente adotarão uma abordagem flexível para solucionar o problema e a geração de novas possibilidades. Equilibrarão abordagens analíticas com as lições de experiência prática e sentem-se confortáveis em alternar entre as abordagens novas e mais tentadas e as testadas. Os indivíduos com uma mistura balanceada de Criação e Análise fazem seu melhor: Quando há uma oportunidade de empreender uma análise crítica. Nas funções em que podem ser feitas mudanças adicionais na direção estratégica. Quando é possível usar as ideias de outras pessoas como base para mais uma inovação. Os indivíduos com uma mistura balanceada de Criação e Análise podem achar desafiador: Funções que requerem uma análise crítica, profunda e frequente das informações. Organizações em que a estratégia precisa passar por uma alteração radical. Situações que requerem um pensamento muito criativo. As Suas Notas 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 4

14 COMPARTILHAR AS METAS Os líderes precisam informar a visão, a estratégia e as metas, demonstrando seus benefícios a outras pessoas. Eles adaptam seu estilo interpessoal para persuadir e influenciar outras pessoas e fazer com que aceitem e internalizem as metas de modo bem-sucedido. Respondem positivamente aos desafios associados à nova visão e metas e toleram efetivamente o aumento de pressão resultante da mudança. Estilo Preferido: Embaixador de Mudanças Os Embaixadores de Mudanças inspiram outras pessoas a compartilhar a nova visão e metas da organização. Relacionam-se com outras pessoas de modo confiante e relaxado, gostam de falar em público e desenvolvem uma rede de relações de modo eficiente. Os Embaixadores de Mudanças prosperam sob pressão e mudanças, projetando confiança e transmitindo conforto a outras pessoas. No entanto, poderão subestimar os desafios pessoais experimentados por outras pessoas na adaptação à mudança. Os Embaixadores de Mudanças fazem seu melhor: Funções ostensivas em que haja representação da organização. Nas situações em que seja necessário influenciar as principais partes interessadas. Nos ambientes de muita pressão em que é possível encontrar um desafio aberto e direto. Os Embaixadores de Mudanças podem achar desafiador: Funções em que haja pouco escopo para relacionar-se e envolver-se com outras pessoas Organizações em que o meio de comunicação preferido é o indireto. Situações em que haja um acesso limitado às principais partes interessadas. As Suas Notas 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 5

15 OBTER APOIO Os líderes precisam decidir como entregar as metas da organização e obter o apoio de outras pessoas para implementá-las. Isso requer o reconhecimento dos receios das pessoas e ganhar sua confiança para remover barreiras ao implementar a mudança. A obtenção de apoio também envolve motivar outras pessoas e capacitá-las para assumir a responsabilidade pelas ações necessárias para atingir os objetivos requeridos. Estilo Preferido: Líder de Pessoal/ Membro de Equipe Os indivíduos que combinam os estilos Líder de Pessoal e Membro de Equipe colocam as questões pessoais em primeiro lugar, apoiam os colegas de trabalho e mostram respeito e pensamento positivo em relação a outras pessoas. Geralmente, sentem-se confortáveis quando solicitados para assumir a liderança e poderão ter uma abordagem mais consultiva, encorajando outras pessoas a entrar no processo de tomada de decisões. Entretanto, poderão encontrar dificuldades para fazer escolhas difíceis ocasionais e necessárias na vida organizacional. Os Líderes de Pessoal/Membros de Equipe fazem seu melhor: Onde um estilo de liderança mais consultivo em vez de diretivo é apropriado. Nas funções em que há uma oportunidade de motivar outras pessoas. Organizações que valorizam os indivíduos e seus pontos de vista. Os Líderes de Pessoal/Membros de Equipe podem achar desafiador: Agir de modo que tenha um impacto negativo sobre outras pessoas. Funções com pouca oportunidade de colaborar com outras pessoas. Funções em que é necessário tomar decisões ostensivas com pouca consulta. As Suas Notas 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 6

16 ALCANÇAR SUCESSO A implementação efetiva da estratégia requer eficiência operacional e perspicácia comercial. A viabilidade econômica da visão precisa ser garantida pela realização de eficiências operacionais e ao ganhar o negócio para expandir a organização. Estilo Preferido: Idealista Os idealistas preferem abordar as questões de modo flexível. Criam a satisfação ao aplicar um esforço constante na tarefa que está à mão e poderão sentir-se desconfortáveis e constrangidos em adotar uma abordagem mais estruturada. São menos estimulados pela competição ou pela necessidade de reconhecimento pessoal. Isso significa que poderão falhar ao reconhecer ou capitalizar as oportunidades comerciais potenciais. Entretanto, o ritmo regular e o estilo flexível fornece um contrabalanço nas abordagens mais intensas. Os Idealistas fazem seu melhor: Ao trabalhar em um ambiente menos estruturado. Onde são apoiadas por outras pessoas no planejamento detalhado das tarefas diárias. Nas situações de colaboração e sem competitividade. Os Idealistas podem achar desafiador: Situações em que são requeridas fortes habilidades de gerenciamento de projetos. Funções com foco de entrega evidente. Trabalhar em um ambiente competitivo. As Suas Notas 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 7

17 SOBRE ESTE RELATÓRIO Esse relatório foi gerado a partir da utilização do sistema de Avaliação On-line da SHL. Ele contém informações do questionário de Personalidade Ocupacional (OPQ32). A utilização desse questionário é limitada às pessoas que receberam treinamento específico para sua utilização e interpretação. O relatório é gerado através do resultado do questionário respondido pelo participante e reflete as respostas dadas por eles. A devida consideração deve ser dada à natureza subjetiva de avaliações que usam questionários como base na interpretação desses dados. Esse relatório foi gerado eletronicamente - o usuário do software pode fazer alterações e acrescentar algo no texto do relatório. SHL Group Ltda e companhias associadas não garantem que o conteúdo desse relatório não foi alterado pelo sistema do computador. Não nos responsabilizamos pelas conseqüências do uso desse relatório e isso inclui consequências de todo tipo (incluindo negligência) para com esse conteúdo. O Relatório de Liderança v2.0 SC SHL e OPQ são marcas registradas da SHL Group Ltda e registradas no United Kingdom e outros países. Este relatório foi produzido pela SHL para uso de seus clientes e contém propriedade intelectual da SHL. A SHL autoriza os seus clientes a reproduzirem, distribuírem, corrigirem e armazenarem este relatório somente para uso interno e não para fins comerciais. Todos os outros direitos da SHL são reservados. Nome Dados do Candidato Toni Sample RP1=4, RP2=4, RP3=4, RP4=3, RP5=10, RP6=10, RP7=9, RP8=6, RP9=9, RP10=10, TS1=4, TS2=1, TS3=7, TS4=2, TS5=6, TS6=5, TS7=7, TS8=8, TS9=4, TS10=2, TS11=1, TS12=2, FE1=7, FE2=6, FE3=7, FE4=5, FE5=10, FE6=7, FE7=2, FE8=1, FE9=2, FE10=6, CNS=8 LPO1=5, LPO2=10, LPO3=9, LPO4=4, LPO5=6, LPO6=1, LPO7=8, LPO8=1, LPOMO=5, LPOLO=5 1 fevereiro 2014 Relatório de Liderança Toni Sample 8

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Liderança. Nome Sample Candidate. Data 20 setembro

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Liderança. Nome Sample Candidate. Data 20 setembro OPQ Perfil OPQ Relatório de Liderança Nome Sample Candidate Data 20 setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO A estrutura utilizada neste relatório diferencia o gerenciamento e a liderança em função da

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Feedback de Candidato. Nome Sample Candidate. Data 21 maio

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Feedback de Candidato. Nome Sample Candidate. Data 21 maio OPQ Perfil OPQ Relatório de Feedback de Candidato Nome Sample Candidate Data 21 maio 2014 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório é confidencial e destina-se exclusivamente à pessoa que respondeu o questionário.

Leia mais

Relatório do teste de habilidade

Relatório do teste de habilidade Relatório do teste de habilidade Data: 22 junho 2010 Relatório do teste de habilidade Esse Relatório do teste de habilidade fornece as pontuações dos Testes de habilidade "Verify" do Sr. Exemplo. Se esses

Leia mais

Relatório de Competências Universais. Nome: Exemplo

Relatório de Competências Universais. Nome: Exemplo Relatório de Competências Universais Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 INTRODUÇÃO Este relatório é destinado para uso de gestores e profissionais de RH. Ele resume como é o estilo preferido de Exemplo ou

Leia mais

VALORES E PRINCÍPIOS DA SIKA

VALORES E PRINCÍPIOS DA SIKA CONSTRUINDO CONFIANÇA SIKA UM LÍDER GLOBAL COM PRINCÍPIOS E TRADIÇÃO Fundada na Suíça pelo criador visionário Sr. Kaspar Winkler há mais de 100 anos, a Sika tornou-se uma empresa de sucesso mundial assumindo

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Competência Universal. Nome Sample Candidate. Data 20 setembro

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Competência Universal. Nome Sample Candidate. Data 20 setembro OPQ Perfil OPQ Relatório de Competência Universal Nome Sample Candidate Data 20 setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório é destinado para uso de gestores e profissionais de RH. Ele resume

Leia mais

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Towers Watson Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapas de Carreira A abordagem para estruturação de plano de cargos da Towers Watson ajuda as organizações a gerenciar

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório da Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 Outubro

OPQ Perfil OPQ. Relatório da Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 Outubro OPQ Perfil OPQ Relatório da Inteligência Emocional Nome Sample Candidate Data www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório descreve competências que são importantes para o desenvolvimento da Inteligência

Leia mais

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência Plataforma da Informação Fundamentos da Excelência Modelo de Excelência em Gestão Fundamentos da Excelência O Modelo de Excelência em Gestão estimula e apoia as organizações no desenvolvimento e na evolução

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

Perfil Caliper de Vendas. The Inner Seller Report

Perfil Caliper de Vendas. The Inner Seller Report Perfil Caliper de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Perfil Caliper de Vendas The Inner Seller Report Página 1

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais Aula 04 Impactos organizacionais Sistemas de Informação TADS 4. Semestre Prof. André Luís 1 2 Estrutura Organizacional Refere-se às subunidades organizacionais e ao modo como elas se relacionam à organização

Leia mais

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS Maria de Lourdes Nogueira Psicóloga, Mestre Administração de Empresas e Pós-Graduada em ADM.RH e Psicologia Organizacional. É professora do curso de Pós - Graduação

Leia mais

Sam Sample esam Example

Sam Sample esam Example R E L A T Ó R I O Trabalho do Par Organização Data Extended /dgdfd 10/03/2006 Esta análise baseia-se nas respostas dadas ao questionário Análise Pessoal Extended DISC. Esta análise não deve ser o único

Leia mais

Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho

Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Muitos são os desafios encontrados

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas: Fator de sucesso em negócios voltados para TI

Desenvolvimento de Pessoas: Fator de sucesso em negócios voltados para TI I INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Pós-Graduação Aperfeiçoamento Gestão e Tecnologia da Informação Turma 13 19 de março 2014 Desenvolvimento de Pessoas: Fator de sucesso em negócios voltados para TI Brisa

Leia mais

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR 176 5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR O escopo competitivo estabelecido por uma organização corresponde ao campo em que a mesma irá atuar: produtos, segmentos, grau de integração vertical

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Human Opus ng eti mark

Human Opus ng eti mark Assessment Assessment Ferramenta Conhecer com maior eficiência e critério as pessoas, avaliar competências, buscar o autoconhecimento e o desenvolvimento. As melhores ferramentas de análise de perfil comportamental

Leia mais

Gerência de Projetos de TI

Gerência de Projetos de TI Gerência de de TI Experiência da COPEL SIMPROS 2001 Paulo Henrique Rathunde phr@copel.com Agenda Introdução Gerência de Definição dos Processos Implantação Reflexões 2/33 São Paulo, Brasil 17-20/09/2001

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Dilemas da era da economia digital Descompasso envolvendo culturas e estruturas na maior parte das empresas Tecnologias do século

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima A oportunidade A computação em nuvem e os recursos inovadores liberam o potencial para impulsionar o crescimento econômico significativo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Prof. Sales Filho GERÊNCIA DE PROJETOS AULA 04 1 Objetivos Apresentar a gerência de projetos de software e descrever as suas características particulares; Discutir o planejamento

Leia mais

> Relatório de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança. Nome: Exemplo

> Relatório de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança. Nome: Exemplo > Relatório de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Tipos na equipe Introdução Este relatório sumariza os tipos de perfis presentes em equipes que Exemplo tende

Leia mais

Leonardo Framil CEO da Accenture no Brasil e na América Latina Guilherme Horn Diretor Executivo de Inovação

Leonardo Framil CEO da Accenture no Brasil e na América Latina Guilherme Horn Diretor Executivo de Inovação 2 Investir em inovação aberta no Brasil é contribuir para a competitividade, com criatividade e inteligência nos negócios. O UP Innovation Lab surge para apoiar esta necessidade e estimula empreendedores

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Planejamento Estratégico Aula 1

Planejamento Estratégico Aula 1 ORGANIZAÇÃO Estratégico Aula 1 Prof. Dr. James Luiz Venturi Administração UNIFEBE 2008/II MODERNA TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Organização éum Sistema Aberto ORGANIZAÇÃO MEIO AMBIENTE 2 ORGANIZAÇÃO Conceito

Leia mais

Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade

Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade 22/08/2012 Sistemas de Gestão e Auditoria da Qualidade Profº Spim 1 O Malcolm Baldrige National Quality Award ( Malcolm Baldrige) foi criado nos Estados Unidos em agosto de 1987 pelo presidente Ronald

Leia mais

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONSULTORIA CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ms. Carlos William de Carvalho 1 OBJETIVO Entender o contexto da consultoria organizacional, pois muitos serviços são realizados para as organizações e não devem ser

Leia mais

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP.

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP. Duração: 15-20 semanas Público-Alvo: 18-30 anos Descrição: Com o apoio e orientação de professores e voluntários/consultores de negócio, o programa Start-Up fornece uma formação empreendedora a alunos

Leia mais

Questionário de Pesquisa. Prezado Participante,

Questionário de Pesquisa. Prezado Participante, Questionário de Pesquisa Prezado Participante, Meu nome é Renata Moreira, sou aluna de doutorado do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco e consultora da SWQuality. Gostaria da sua

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Jane Doe ID: HA154779

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Jane Doe ID: HA154779 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Jane Doe ID: HA154779 Data: 01,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA

ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA ESPECIALIZAÇÃO EM MARKETING ESTRATÉGICO PARA EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA APRES ENTAÇÃO O mundo globalizado está em constante transformação em função da implementação de novas tecnologias ao ambiente dos

Leia mais

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica IBCO Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização ICMCI - TheInternational Council of Management Consulting Institutes Professional Standards Committee (PSC) Modelo de Competências e de Verificação

Leia mais

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como Processo Sintetizador Coleta de informações publicadas e não publicadas Coleta de informações externas Coleta de informações

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Processos de Gerenciamento de Projetos Parte 02 CSE-301 / 2009 / Parte 02 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração:

Leia mais

INOVAÇÃO COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL EMPREENDEDORISMO DE SUCESSO

INOVAÇÃO COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL EMPREENDEDORISMO DE SUCESSO EMPREENDER PARA TRANSFORMAR INOVAR PARA COMPETIR Apresentação Nome: JOSÉ CARLOS CAVALCANTE Formação: Administrador de Empresas e Contador Pós-Graduação: Administração Financeira e Controladoria Cursos

Leia mais

Empreender. Exemplos de projetos criativos

Empreender. Exemplos de projetos criativos Empreender A chave para o sucesso profissional + Exemplos de projetos criativos José Dornelas www.josedornelas.com.br Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade O velho modelo econômico (a era da manufatura)

Leia mais

PRÊMIO. PMO do Ano 2014

PRÊMIO. PMO do Ano 2014 PRÊMIO PMO do Ano 2014 1. Objetivo da Premiação O prêmio PMO do Ano tem como objetivo reconhecer a excelência e a inovação no desenvolvimento e amadurecimento de PMOs (Project Management Offices), em seu

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Simulado "1.Introdução"

Simulado 1.Introdução Pá gina 1 de 7 Simulado "1.Introdução" Simulado do PMI por Antônio Augusto 17 de March de 2012 Pá gina 2 de 7 Disciplinas e temas deste simulado 01 - Introdução ao gerenciamento de projetos (3 questões)

Leia mais

Descrição Personalizada e Estratégias de Sucesso

Descrição Personalizada e Estratégias de Sucesso PPSS Perfil Comportamental Descrição Personalizada e Estratégias de Sucesso Abordagem da Gerência Respondent Name 19.09.2012 Este relatório foi fornecido por: HRTools Brasil 11 3032 5530 http://www.hpi-tools.com/

Leia mais

Núcleo de Materiais Didáticos

Núcleo de Materiais Didáticos Gestão de Talentos e Mapeamento por Aula 4 Prof a Cláudia Patrícia Garcia Aula 4 - Gestão por claudiagarcia@grupouninter.com.br MBA em Gestão de Recursos Humanos Lembrando... A gestão por competências

Leia mais

Apresentação Executiva

Apresentação Executiva Apresentação Executiva Ronald Alves Diretor Regional Sul da Bahia (73) 99800.0555 suldabahia@mastermind.com.br www.mastermind.com.br Alianças Internacionais: Quem Somos O Grupo Master Mind é uma das principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 3 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos básicos como processo, projeto, produto, por que

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

O que é planejamento estratégico?

O que é planejamento estratégico? O que é planejamento estratégico? Um dos fatores de sucesso das empresas é possuir um bom planejamento. Mas o que é planejamento? Nós planejamos diariamente, planejamos nossas atividades, nossas finanças,

Leia mais

Liderança e Gestão em ambientes de incerteza

Liderança e Gestão em ambientes de incerteza Liderança e Gestão em ambientes de incerteza As pessoas não gostam de sair da sua zona de conforto e por isso elas resistem e impedem que as mudanças aconteçam. As novas perspectivas para o mercado e para

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

processo contínuo, dinâmico;

processo contínuo, dinâmico; Avaliação de Desempenho/Performance é a avaliação do desempenho atual ou passado do funcionário em relação a padrões de desempenho. O Processo envolve: a) Estabelecer padrões de desempenho; b) Avaliar

Leia mais

CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL

CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL Para ser líder em seu segmento de mercado e garantir vantagem competitiva, as organizações têm que trabalhar com outros recursos valiosos: o conhecimento

Leia mais

Aluno: Marcos José Cosme De Souza Orientador: Prof.ª. Dra. Débora Coutinho Paschoal Dourado

Aluno: Marcos José Cosme De Souza Orientador: Prof.ª. Dra. Débora Coutinho Paschoal Dourado Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração O MODELO DE LIDERANÇA SITUACIONAL DE HERSEY E BLANCHARD

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Gerenciamento de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Gerenciamento de Recursos Humanos Introdução

Leia mais

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira - REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira CLIENTE INTERNO Instrutoria: Jane Costa de Paula Oliveira FOCO NO CLIENTE O que é CLIENTE? O QUE É CLIENTE INTERNO?

Leia mais

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas Liderança em custo Prof. Francisco César Vendrame Processo de administração estratégica Análise externa Missão Objetivos Escolha da estratégia Implementação da estratégia Vantagem competitiva Análise interna

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

Projeto e Organização do

Projeto e Organização do Projeto e Organização do Trabalho Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira SISTEMAS PRODUTIVOS I Aula 10 Projeto e Organização do Trabalho Princípios gerais de projeto em produção/operações Projeto de processos

Leia mais

Visão geral da gestão de recursos humanos

Visão geral da gestão de recursos humanos Visão geral da gestão de recursos humanos 1 Referência: Cap.1 Livro-texto Por que estudar GRH? Empresas competem por meio das pessoas. Sucesso das empresas depende, cada vez mais, da capacidade de gerenciar

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação

Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação Política Empresarial e Direitos Humanos 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação BP 2013 Política Empresarial e Direitos Humanos 1. Introdução Distribuímos energia por todo o mundo. Localizamos,

Leia mais

Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos

Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos Capítulo 4 Recrutamento: análise e descrição de cargos, gestão de talentos slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Explicar a importância da gestão de talentos. 2. Explicar a análise de cargos, incluindo

Leia mais

Informações sobre os Roteiros

Informações sobre os Roteiros Informações sobre os Roteiros O MakeMoney traz roteiros especialmente desenvolvidos para elaboração de Planos de Negócios, Estudos de Viabilidade e Planos de Inovação e Competitividade. Este documento

Leia mais

Planejamento SPU/SC. Cristiano De Angelis

Planejamento SPU/SC. Cristiano De Angelis Planejamento SPU/SC Cristiano De Angelis Tópicos da Apresentação 1. O que é missão? 2. O que é visão? 3. O que é um projeto? 4. O que é uma ação? 5. Sugestão de um projeto. Valores da SPU 1. Compromisso

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Entrevista Carreira Correio Braziliense

Entrevista Carreira Correio Braziliense Entrevista Carreira Correio Braziliense 1. Por que as habilidades pessoais (ou socioemocionais) são cada vez valorizadas? As pessoas são contratadas por seu currículo, ou seja, pela formação acadêmica

Leia mais

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 Componente Curricular: Ética e Empreendedorismo Código: Pré-requisito: Período Letivo:

Leia mais

ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES

ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES UNA AS EQUIPES DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS DURANTE TODO O CICLO DE VIDA ANALISTA DE NEGÓCIOS E CLIENTE: DOIS PÚBLICOS-ALVO, O MESMO RESULTADO Os analistas de negócios e os

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA.

PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA. PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA. Somos múltiplos, formados por diferentes núcleos de atuação, unimos pessoas inteligentes com a ambição por realizar projetos memoráveis. A Propale é a soma de suas estratégias,

Leia mais

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT ANÁLISE ESTRATÉGICA Análise SWOT 1 SWOT Integra o planejamento estratégico. Ferramenta utilizada pós definição da visão, missão e valores da organização. Pode ser feita por indivíduos ou por equipes. Inicia-se

Leia mais

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital 1 2 3 4 A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato 1 Blueway Nossa organização Somos a Blueway, uma consultoria que atua na transformação organizacional

Leia mais

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1.

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1. Genersys Gestão de Ativos Operação e Manutenção Gestão de Riscos em Ativos - GRA Camaçari, 13/05/2016 Full power ahead Slide 1 Agenda 01 02 03 04 05 Introdução Ciclo de Gestão de Risco Ferramenta de Suporte

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Soluções para a Educação Básica

Soluções para a Educação Básica Soluções para a Educação Básica Jornadas de aprendizagem personalizadas Acreditamos que o progresso está nas mãos das pessoas. Oferecemos as ferramentas para que uma nova geração de talentos possa aproveitar

Leia mais

Tomada de Decisão Estratégica

Tomada de Decisão Estratégica EXERCÍCIO N N Tópico Tópico 1 2 Sistemas Tomada de de Informação Decisão Estratégica nos negócios DCC133 Introdução a Sistemas de Informação TÓPICO 2 Tomada de Decisão Estratégica Prof. Tarcísio de Souza

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES (novembro 2014) Índice

Leia mais

Estrategias para Busca de Emprego

Estrategias para Busca de Emprego Estrategias para Busca de Emprego Apresentação Atualmente o problema de desemprego atinge a todos. Não importa se é homem, mulher, jovem, adulto, se tem ou não experiência nem o seu nível de qualificação,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Profª. Mônica Maria Gonçalves

GESTÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Profª. Mônica Maria Gonçalves GESTÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS Profª. Mônica Maria Gonçalves OPINIÃO Quando um projeto é bem estruturado e se desenvolve tranqüilamente, seus desafios podem ser estimulantes e prazerosos. Mas sendo mal

Leia mais

Plano de Aula - Gestão de Recursos e Projetos - cód Horas/Aula

Plano de Aula - Gestão de Recursos e Projetos - cód Horas/Aula Plano de Aula - Gestão de Recursos e Projetos - cód. 6379-24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Retrospecto Histórico Aula 2 Capítulo 2 - Empreendedorismo Aula 3 2 - Empreendedorismo Aula 4 Capítulo 3 - Projetos

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Comportamento Organizacional Profª. Taís Brenner Oesterreich 2011-1 O que é comportamento organizacional? Campo de estudo que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o comportamento

Leia mais

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS LIDERANÇA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO LIDERANÇA É UM DOS PAPÉIS DOS ADMINISTRADORES. O LÍDER INFLUENCIA O COMPORTAMENTO DE UM OU MAIS LIDERADOS OU SEGUIDORES.

Leia mais