O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive"

Transcrição

1 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

2 DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva, destinada a agregar valor e melhorar as operações de uma organização. Ela ajuda a organização a cumprir os seus objetivos através de uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliar e melhorar a eficácia da gestão de riscos, controle e processos de governança "- Fonte:. IIA Suporta o atual ambiente da prática da auditoria interna Estimula a Gestão de Riscos Corporativos (ERM) Aborda o papel da auditoria interna na governança 2

3 O PONTO DE VISTA DO IIA A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva, destinada a agregar valor e melhorar as operações de uma organização. A auditoria interna ajuda a organização a cumprir os seus objetivos através de uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliar e melhorar a eficácia da gestão de riscos, controle e processos de governança. 3

4 O FUTURO AUDITOR A definição do IIA aponta para um jogo final ao qual todo diretor executivo de auditoria (CAE) deveria aspirar Nós usamos o termo "auditor futuro" para descrever um CAE que toma medidas definitivas para tornar a visão do IIA uma realidade com a organização que ele ou ela serve. 4

5 O FUTURO AUDITOR Evidências empíricas recentes do Estudo Stakeholder Study de 2015 da Common Body of Knowledge (CBOK), corrobora a relevância desta visão entre as partes interessadas de auditoria interna. Nossa visão é que todos os CAEs tem a oportunidade de auto-avaliar o seu valor em relação à visão do futuro auditor, e determinar se existem lacunas e, em caso afirmativo, se essas lacunas são devido ao seu posicionamento, o alcance ou conjuntos de habilidades. 5

6 2015 CBOK STAKEHOLDER STUDY O objetivo do estudo Stakeholder Study do Common Body of Knowledge (CBOK) era ganhar uma melhor compreensão das expectativas das partes interessadas globais no que diz respeito ao propósito, função e desempenho da auditoria interna. Este estudo foi desenvolvido em parceria pela Fundação de Pesquisa IIA e a Protiviti. Meta Global Pesquisas Entrevistas Globais Línguas 23 Parceiros do Instituto IIA 6

7 PRINCIPAIS PONTOS DO ESTUDO STAKEHOLDER STUDY DO CBOK Dois em cada três diretores acreditam que a auditoria interna deveria ter um papel mais ativo na análise e avaliação de riscos estratégicos da organização. Os comitês de auditoria desejam de que a função de auditoria interna e o CAE: Pensem mais amplamente e estrategicamente, Vão além do assurance para fornecer serviços de consultoria e assessoria de maior valor agregado, e Continuem a entregar de acordo com as expectativas. 72% A grande maioria dos CEOs que responderam deram feedback semelhante 7

8 CITAÇÕES DE STAKEHOLDERS NO BRASIL A auditoria interna deve planejar todas as análises com antecedência e comunicar-se com a alta gerência sobre os controles críticos... alinhando o cronograma em relação aos proprietários de processos e outros envolvidos. Diretor Financeiro do setor de Serviços Profissionais, Tecnológicos, Científicos Para realizar a auditoria com excelência, é de suma importância ter uma visão de negócio que é válida... Assim a sua contribuição em relação ao que eles fazem pode ser muito maior e quebrar a imagem de ser apenas um bom executor. CEO no setor de Saúde e Assistência Social 8

9 CITAÇÕES DE STAKEHOLDERS NO BRASIL A auditoria interna é incentivada pelo comitê a incluir os líderes da empresa no processo de planejamento de auditoria, para contribuir com as sugestões e preocupações que os mantém acordados durante a noite... Diretor Financeiro do setor de Serviços Profissionais, Tecnológicos, Científicos A auditoria interna deveria permitir melhorias no ambiente interno, tornando claro que, mais cedo ou mais tarde, certas atividades e processos serão revisados de forma independente e seus resultados serão apresentados à alta administração. Diretor Financeiro no setor Industrial 9

10 SEIS IMPERATIVOS PARA A AUDITORIA INTERNA Estes seis imperativos para auditoria interna são baseados no feedback dos membros de comitês de auditoria em relação às expectativas do CAE e da função de auditoria interna. 1. Focar mais em riscos estratégicos 2. Pensar além do escopo 6. Alinhar expectativas dos stakeholders 3. Adicionar maior valor através da consultoria 5. Elevar o porte e a perspectiva 4. Facilitar comunicação efetiva e de alta qualidade Source: 2015 CBOK Stakeholder Study 10

11 AGREGANDO VALOR PARA A ORGANIZAÇÃO Para tratar os seis imperativos, sugerimos 15 maneiras em que o futuro auditor pode agregar valor. FOCAR MAIS EM RISCOS ESTRATÉGICOS 1. Pensar mais estrategicamente ao analisar os riscos e formular planos de auditoria 2. Fornecer alerta precoce sobre os riscos emergentes PENSAR ALÉM DO ESCOPO 3. "Conectar os pontos" ao considerar as implicações das conclusões da auditoria para a empresa 4. Ampliar o foco em problemas de operações, compliance e de relatórios não financeiros 5. Observar sinais de cultura de risco em deterioração ADICIONAR MAIOR VALOR ATRAVÉS DA CONSULTORIA 6. Fortalecer as linhas de defesa que fazem o trabalho de gestão de risco 7. Colaborar efetivamente com outras funções independentes focadas na gestão de riscos e compliance 8. Potencializar a auditoria através da tecnologia 9. Melhorar a estrutura de controle, incluindo o uso de controles automatizados 10. Aconselhar sobre a melhoria e a racionalização de compliance FACILITAR COMUNICAÇÃO EFETIVA E DE ALTA QUALIDADE 11. Melhorar informações para tomada de decisão em toda a organização 12. Expandir a ênfase na segurança através de uma comunicação eficaz com a administração e conselho 13. Permanecer vigilante no que diz respeito à fraude ELEVAR O PORTE E A PERSPECTIVA 14. Reportar diretamente ao comitê de auditoria 15. Interagir com os diretores em âmbitos relevantes não tradicionais, quando apropriado 11

12 FOCAR MAIS EM RISCOS ESTRATÉGICOS O futuro auditor deve colocar o foco em uma visão global para pensar estrategicamente na avaliação de riscos e na proposta de um plano de auditoria baseado em riscos. 1. Pensar mais estrategicamente ao analisar os riscos e formular planos de auditoria 1. Fornecer alerta precoce sobre os riscos emergentes Como o futuro auditor foca mais em riscos estratégicos 12

13 PENSAR ALÉM DO ESCOPO O desafio de pensar estrategicamente leva o auditor futuro para outro desafio: pensar além do escopo do plano de auditoria e dos projetos de auditoria individuais. 3. "Conectar os pontos" ao considerar as implicações das conclusões da auditoria para a empresa 4. Ampliar o foco em problemas de operações, compliance e de relatórios não financeiros Como o Auditor Futuro pensa além do escopo 5. Observar sinais de cultura de risco em deterioração 13

14 ADICIONAR MAIOR VALOR ATRAVÉS DA CONSULTORIA A auditoria interna não deve estar limitada ao assurance. 6. Fortalecer as linhas de defesa que fazem o trabalho de gestão de risco 7. Colaborar efetivamente com outras funções independentes focadas na gestão de riscos e compliance 10. Aconselhar sobre a melhoria e a racionalização de compliance Como o futuro auditor adiciona valor através da consultoria 8. Potencializar a auditoria através da tecnologia 9. Melhorar a estrutura de controle, incluindo o uso de controles automatizados 14

15 FACILITAR COMUNICAÇÃO EFETIVA E DE ALTA QUALIDADE Os membros do Conselho geralmente avaliaram a qualidade e a frequência da comunicação de auditoria interna a um nível elevado. 11. Melhorar informações para tomada de decisão em toda a organização 12. Expandir a ênfase na segurança através de uma comunicação eficaz com a administração e conselho Como o futuro auditor deve facilitar a comunicação efetiva e de alta qualidade 13. Permanecer vigilante no que diz respeito à fraude 15

16 ELEVAR O PORTE E A PERSPECTIVA O posicionamento do futuro do auditor dentro da organização é de vital importância para suas entregas em relação às elevadas expectativas. 14. Reportar diretamente ao comitê de auditoria 15. Interagir com os diretores em âmbitos relevantes não tradicionais, quando apropriado Como o futuro auditor eleva seu porte e perspectiva 16

17 ALINHAR EXPECTATIVAS DOS STAKEHOLDERS O futuro auditor carrega o peso da responsabilidade de alinhar as expectativas de executivos e donos de negócios em relação aos objetivos e desempenho da auditoria interna. Membros da Diretoria Membros do Comitê de Auditoria CEOs Diretores Financeiros Diretores de Riscos Diretores de Compliance Diretores de TI Diretores de Segurança Níveis de Vice- Presidência 17

18 ENCONTRANDO O EQUILÍBRIO CERTO O CAE deveria implementar todas essas 15 sugestões? Como o CAE equilibra as novas iniciativas de auditoria de valor agregado com as prioridades de auditoria existentes? 18

19 ENCARE O FUTURO COM CONFIANÇA Essas sugestões representam passos definitivos para a auditoria interna em direção a aplicação total do escopo definido pelo IIA FOCAR MAIS EM RISCOS ESTRATÉGICOS 1. Pensar mais estrategicamente ao analisar os riscos e formular planos de auditoria 2. Fornecer alerta precoce sobre os riscos emergentes PENSAR ALÉM DO ESCOPO 3. "Conectar os pontos" ao considerar as implicações das conclusões da auditoria para a empresa 4. Ampliar o foco em problemas de operações, compliance e de relatórios não financeiros 5. Observar sinais de cultura de risco em deterioração ADICIONAR MAIOR VALOR ATRAVÉS DA CONSULTORIA 6. Fortalecer as linhas de defesa que fazem o trabalho de gestão de risco 7. Colaborar efetivamente com outras funções independentes focadas na gestão de riscos e compliance 8. Potencializar a auditoria através da tecnologia 9. Melhorar a estrutura de controle, incluindo o uso de controles automatizados 10. Aconselhar sobre a melhoria e a racionalização de compliance FACILITAR COMUNICAÇÃO EFETIVA E DE ALTA QUALIDADE 11. Melhorar informações para tomada de decisão em toda a organização 12. Expandir a ênfase na segurança através de uma comunicação eficaz com a administração e conselho 13. Permanecer vigilante no que diz respeito à fraude ELEVAR O PORTE E A PERSPECTIVA 14. Reportar diretamente ao comitê de auditoria 15. Interagir com os diretores em âmbitos relevantes não tradicionais, quando apropriado 19

20

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Módulo 5 Ambiente financeiro, relatórios, auditoria interna, conclusões e exercícios

Módulo 5 Ambiente financeiro, relatórios, auditoria interna, conclusões e exercícios Módulo 5 Ambiente financeiro, relatórios, auditoria interna, conclusões e exercícios O Ambiente Financeiro Global Nenhuma economia ou governo de sucesso, pode operar atualmente sem inter-conectividade

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO» ROTEIRO PLANEJAMENTO e GESTÃO GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA GESTÃO PLANEJAMENTO

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

Estatuto de Auditoria Interna ESTATUTO DE AUDITORIA INTERNA. Julho 2014

Estatuto de Auditoria Interna ESTATUTO DE AUDITORIA INTERNA. Julho 2014 ESTATUTO DE AUDITORIA INTERNA Julho 2014 Introdução... 3 1. Fundamentos do Estatuto de Auditoria interna do Grupo ISA 1... 3 1.1 Propósito... 3 1.2 Missão... 3 1.3. Marco Geral... 3 2. Alcance... 3 Alcance

Leia mais

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Riscos e Controles Controles internos (da gestão) Processo conduzido para atingir objetivos Meio para um

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Atendimento Inteligente

Atendimento Inteligente Atendimento Inteligente Com a quantidade de canais de comunicação disponíveis hoje em dia, a tendência é para que o consumidor comece a comunicar com marcas e empresas através de meios menos tradicionais.

Leia mais

Governança, Riscos e Compliance

Governança, Riscos e Compliance Governança, Riscos e Compliance Novembro de 2014 GRC Nossa visão Práticas da organização em relação a: (i) supervisão, (ii) estratégia, (iii) gestão do risco; e (iv) cumprimento de leis e regulamentações,

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

onvergência dos Processos

onvergência dos Processos onvergência dos Processos de Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Controles Internos e Compliance Situação Atual Convergência Funções e Atividades (Situação Atual) Acionistas Processo de informação e divulgação

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Risk University.

Risk University. Risk University www.kpmg.com.br Risk University Quem somos Programa de capacitação executiva modelado para fornecer aos profissionais de áreas como riscos, auditoria, controles e compliance uma plataforma

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej

19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej 19 de Setembro de 2013 Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej A AUDITORIA INTERNA E SUA RELAÇÃO COM A GESTÃO DE RISCOS OPERACIONAIS Assizio Oliveira LR Assessoria e Consultoria Definição de Auditoria Interna

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Razões de Fracasso e Sucesso de Projetos

Razões de Fracasso e Sucesso de Projetos Razões de Fracasso e Sucesso de Projetos Agenda Filme O Reino Perdido Contexto Atual - CHAOS Report Conceitos Fundamentais Projeto Projeto versus Operação Gerenciamento de Projetos Stakeholders Sucesso

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria

CRIATIVIDADE Relatório de Consultoria ELBI ELÉTRICA LTDA Betim/MG Proposta_ELBI-Betim-7_2015_((Criatividade))_rev.B Este relatório contem um resumo das atividades desenvolvidas na ELBI Betim/MG desde o início das atividades de consultoria

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO PRINCÍPIOS ISO 9001:2015 1. Foco no cliente 2. Liderança 3. Engajamento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Melhoria

Leia mais

Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos

Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos O mapeamento de carreira contribui para a definição de metas de longo prazo. Qual é o meu próximo passo? Em algum momento da carreira, a maioria

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

IIA Brasil. Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna. São Paulo - Abril 2011

IIA Brasil. Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna. São Paulo - Abril 2011 IIA Brasil Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna São Paulo - Abril 2011 Oswaldo Basile, CIA, CCSA, QAR. Presidente Vicepresidente Diretor Tesoureiro Board Member Diretor - Instituto dos Auditores

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira

Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira Anna Nogueira? Formação multidisciplinar Bióloga (São Camilo) Especializada em cultura da marca e marketing de serviços (ESPM) Criatividade e Inovação

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Estudo de Caso A industria Santos é uma empresa siderúrgica que possui duas plantas industriais em dois municípios do interior de Minas Gerais. A sede da empresa fica no estado de São Paulo, na cidade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto

Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Adaptação com Base na Comunidade Lista de Controlo do Plano de Implementação do Projecto Contexto do Projecto Contexto Ambiental Descrever as calamidades climáticas presentes (eventos e condições) afectando

Leia mais

Entrevistador: Catia Santana Entrevistado: Roberto Waack

Entrevistador: Catia Santana Entrevistado: Roberto Waack A governança corporativa, velha conhecida das empresas de capital aberto para as quais o sistema de gestão é obrigatório por lei, também pode ser uma grande aliada para organizações empresariais que desejam

Leia mais

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Objetivos - Evolução Grupo Governança Corporativa - Captura de Sinergias - Racionalização Processos - Viabilizar o Processo de Crescimento - Valorização dos Talentos Antecedentes

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Lisiane Emilia Grams Metz Caxias do Sul, 31 de agosto de 2016 Endereço: Rua Gregório de Mattos, 111 - Estância Velha/RS Fone:

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 2 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br A Sociedade Anônima regida pela Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das SA) possui o capital dividido em partes iguais chamadas

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 1035 Greenwood Blvd, Suite 401, Lake Mary, Florida 32746, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA Renato Trisciuzzi, CIA, CCSA, CRMA, Contador, MSC. Presidente do Conselho de Administração IIA BRASIL Independência e Objetividade Independência: A liberdade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

Ferramenta para suporte à tomada de decisões Ayrton Silva

Ferramenta para suporte à tomada de decisões Ayrton Silva Ferramenta para suporte à tomada de decisões Ayrton Silva AMM Paraná 1 Ferramenta para suporte à tomada de decisões Ayrton Silva, PMP AMM Paraná 2 A população mundial está crescendo e a produção de alimentos

Leia mais

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L MARCELO CLÁUDIO DANTAS SALLES RIBEIRO JUNIOR MARIA DE JESUS RODRIGUES DA SILVA OBJETIVO Avaliar processos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Já faz algum tempo que as Auditorias das organizações expandiram muito o escopo de seus trabalhos e a complexidade das suas atividades e, como

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa

Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa RED INTERAMERICANA DE LABORATORIOS DE ANÁLISIS DE ALIMENTOS (RILAA) Seminário sobre os fundamentos de auditorias interna e externa Outubro/2016 www.incqs.fiocruz.br 1 1 Auditoria Processo sistemático,

Leia mais

O Papel Estratégico do Sistema de Informação. Sistemas de Informação Estratégicos

O Papel Estratégico do Sistema de Informação. Sistemas de Informação Estratégicos CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação O Papel Estratégico do Sistema de Informação Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de

Leia mais

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como Processo Sintetizador Coleta de informações publicadas e não publicadas Coleta de informações externas Coleta de informações

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Relatório do Conselho de Administração

Relatório do Conselho de Administração Relatório do Conselho de Administração 2012 Mensagem do Conselho de Administração O momento de instabilidade pelo qual passou a avicultura com o aumento dos custos de produção e os baixos preços de mercado,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico MBA: Gestão Empresarial IESI Planejamento Estratégico Planejamento estratégico: Visão integrada Alcance de objetivos Criar valor, diferencial e identidade Pensamento estratégico Planejamento Estratégico

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

Planejamento Estratégico Aula 1

Planejamento Estratégico Aula 1 ORGANIZAÇÃO Estratégico Aula 1 Prof. Dr. James Luiz Venturi Administração UNIFEBE 2008/II MODERNA TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Organização éum Sistema Aberto ORGANIZAÇÃO MEIO AMBIENTE 2 ORGANIZAÇÃO Conceito

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Gerência de Projetos de TI

Gerência de Projetos de TI Gerência de de TI Experiência da COPEL SIMPROS 2001 Paulo Henrique Rathunde phr@copel.com Agenda Introdução Gerência de Definição dos Processos Implantação Reflexões 2/33 São Paulo, Brasil 17-20/09/2001

Leia mais

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

INTRODUÇÃO. Definição e Objetivo. Princípios Básicos METODOLOGIA DE RATING DE GOVERNANÇA CORPORATIVA INTRODUÇÃO A Governança Corporativa é o conjunto de relações entre a administração de uma instituição, seu conselho, seus acionistas e outras partes interessadas. Adicionalmente, pode ser entendida como

Leia mais

Inspeção Financeira Vs Auditoria Interna

Inspeção Financeira Vs Auditoria Interna Inspeção Financeira Vs Auditoria Interna Pela melhoria da Auditoria Governamental no Brasil Maria João Kaizeler (Banco Mundial) CGE TOP Grupo Banco Mundial Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Agenda Objetivos da G. Desempenho Conceitos estruturantes O Modelo concebido para o grupo Águas do Brasil Relato da Experiência e dos Resultados

Leia mais

Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013

Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013 Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013 Sumário A. Introdução. B. Implementando o QAIP C. Avaliação da Qualidade Introdução - QAIP- Programa

Leia mais

Oficina - Gestão por Processos

Oficina - Gestão por Processos Oficina - Gestão por Processos Isaac da Silva Torres João Francisco da Fontoura Vieira 02/09/2015 Escritório de Processos 1 Tópicos Nesta oficina, apresentaremos a Gestão por Processos e a sua relação

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 1 ABNT NBR IS O 10002:2005 S atisfação do cliente Diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações.

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Visão da Estratégia: BSC Exemplo BSC: Declarações de Visão, Missão e Valores Empresa Acme NEGÓCIO: Soluções que aproximam. MISSÃO: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços Principais Alterações e Benefícios da ISO 9001:2015 Sócio-Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade. Formado em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduado

Leia mais

Principais alterações ISO 14001:2015

Principais alterações ISO 14001:2015 Principais alterações ISO 14001:2015 André Ramos Diretor de Marketing Agenda Comissão Técnica O processo de revisão da ISO 14001 Orientações para Revisão Inquérito aos utilizadores Calendário Alterações

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas Rev. 00 de Março/2013 1/208 1/ 42 Rodrigo Sousa Atuação: Instrutor de treinamentos Consultor e Auditor em Sistemas de Gestão da Qualidade

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

Soluções de Nivelamento de Cargos

Soluções de Nivelamento de Cargos Towers Watson Soluções de Nivelamento de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapa de Carreira A abordagem sistemática da Towers Watson para nivelamento de cargos ajuda as organizações a gerenciar as

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA TRANSIÇÃO [Revisado, setembro de 2008]

PLANO DE AÇÃO PARA TRANSIÇÃO [Revisado, setembro de 2008] PLANO DE AÇÃO PARA TRANSIÇÃO [Revisado, setembro de 2008] PT Qual é a nossa situação atual e como chegamos até aqui? Dez anos após sua fundação, a ICANN obteve reconhecimento por cumprir sua visão original

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

4º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Panorama Atual da Governança Corporativa no Brasil

4º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Panorama Atual da Governança Corporativa no Brasil 4º Congresso Brasileiro de Governança Corporativa Panorama Atual da Governança Corporativa no Brasil São Paulo 10 de novembro de 2003 Este estudo teve como objetivo levantar o atual grau de aderência às

Leia mais

O papel da Auditoria quanto a. Seminário Regional Norte de Auditoria Interna AUDIBRA 27 de agosto de Belém (PA)

O papel da Auditoria quanto a. Seminário Regional Norte de Auditoria Interna AUDIBRA 27 de agosto de Belém (PA) 1 O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação Seminário Regional Norte de Auditoria Interna AUDIBRA 27 de agosto de 2010 - Belém (PA) Sistema Financeiro Nacional 2 Fonte: Banco Central do Brasil

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Nossos valores em relação ao Meio Ambiente, Segurança, Saúde e à Qualidade

Nossos valores em relação ao Meio Ambiente, Segurança, Saúde e à Qualidade Nossos valores em relação ao Meio Ambiente, Segurança, Saúde e à Qualidade Índice Nosso objetivo 4 Não poupar esforços 5 Coragem de inovar 6 Atuar com responsabilidade 7 3 Prezado colaborador, Este nosso

Leia mais

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Towers Watson Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapas de Carreira A abordagem para estruturação de plano de cargos da Towers Watson ajuda as organizações a gerenciar

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Um pouco sobre o PMI PMI - Project Management Institute PMI Instituição internacional sem fins lucrativos criada em 1969 Desenvolve normas,

Leia mais

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO Nota Prévia O Código de Boas Práticas de foi produzido pelo NCVO, membro do Inspiring Impact. O Inspiring Impact é um programa que visa alterar até 2022 a forma como o setor voluntário no Reino Unido se

Leia mais

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano

Boas Práticas de Governança Corporativa. Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013. Gilberto Mifano Boas Práticas de Governança Corporativa Subtítulo Agregam Valor ou Módulo de Treinamento Palestra para a ANS 06/02/2013 Gilberto Mifano O que é Governança Corporativa? Conflitos entre sócios? A defesa

Leia mais

Liderança e Gestão da Organização

Liderança e Gestão da Organização 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais