HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO"

Transcrição

1 HISTORICIDADE DA IDEOLOGIA: DE CONCEITO CRÍTICO A CONCEITO ADAPTADO Ítalo Alessandro Lemes Silva (Mestrando) Veralúcia Pinheiro (Orientadora) Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Anápolis de Ciências Socio-econômicas e Humanas. Resumo: O levantamento teórico da definição de Ideologia nos mostra que a origem do termo está no materialismo francês do século XVIII, porém sua definição que proporciona condições críticas encontra-se na abordagem epistemológica do Materialismo Histórico Dialético de Marx e Engels. Ideologia passa de representações subjetivas de formações de ideias para o entendimento de que há ideias dominantes e tais ideias não são neutras e tampouco involuntárias, e sim, são formadas e mantidas pelas classes dominantes para imposição do seu poder. O sistema de ideias dominantes é formulado pela materialidade e não são as ideias que criam a condição social. A Ideologia se apresenta como verdade universal fazendo a inversão da realidade, proporcionando a manutenção dos antagonismos sociais. Palavras-chave: Ideias, Materialismo, Idealismo. Introdução Nesta pesquisa investigamos teoricamente a definição do termo Ideologia e como o uso dessa palavra passou do sentido neutro para o seu sentido crítico. É interessante perceber que nos dias atuais a palavra ideologia é colocada em falas cotidianas e até mesmo em abordagens acadêmicas sem uma perspectiva problematizada, e, portanto, sem crítica. No intuído de elucidar os diferentes sentidos empregados na utilização da palavra ideologia e apresentar sua aplicação crítica a presente pesquisa faz a investigação e a análise explicativa da constituição da origem do termo bem como as transformações que a palavra passa até ser encontrada com potencial crítico e problematizada. Mostramos com essa breve pesquisa que é possível e necessário encontrar o sentido (correto) crítico para o vocábulo Ideologia. Pontua-se também que o levantamento teórico crítico de Ideologia, é ponto de partida para analisarmos nossa realidade social marcada por contradições, violências e segregações, mas, que convive ao mesmo tempo com o discurso de um suposto estado democrático de direito.

2 Material e Métodos Para buscar a definição teórica do conceito crítico de consultamos os autores que adotaram o Materialismo Histórico Dialético no esforço de compreender tal conceito. Por meio da pesquisa bibliográfica apreendemos o esclarecimento da definição crítica do uso do termo Ideologia e suas variantes nas abordagens acadêmicas. Adotamos a análise explicativa da construção contextualizada da origem do termo bem como as metamorfoses que a palavra sofreu pelas diversas propostas teóricas ao longo da história. Dado a proposta reflexiva criamos também a expectativa de diferenciar o uso do termo crítico das outras formas de utilizações convencionais. Resultados e Discussão As primeiras formas das definições da Ideologia são apresentadas em um sentido não crítico, e é o significado convencional utilizado pelo senso comum nas falas cotidianas e até mesmo em trabalhos acadêmicos. O sentido de origem e uso da palavra ideologia geralmente aparece sem uma abordagem crítica ou problematizada. A palavra ideologia tem seus fundamentos em Destutt de Tracy, filosofo francês que coloca tal termo como uma busca científica sobre as ideias. A intenção do cunhar do termo, em seu gênesis tem o objetivo de buscar o entendimento do que seria a ideia própria de cada época, grupo ou até mesmo indivíduo. Foi chamado assim em sua origem de ciência das ideias. (ALVES, 2000) Ainda em Tracy as ideias seriam variáveis da formação cultural, estrutura de ideias essas que se fundamentaria nos valores subjetivos de períodos históricos e constituições relativas de cada indivíduo ao que se compreende sobre a leitura e atestado do que é a verdade de cada sujeito. Estando distante da ideia de imaginário trata-se de um conjunto orgânico de Ideias (MAFFESOLI, 2006). Esse sentido do ponto de partida do autor no materialismo francês do século XVIII, não pode ser

3 compreendido como crítico e apenas apresentaria a representação subjetiva da interpretação relativizada às formações históricas, regionais e culturais. O sentido crítico do termo Ideologia é apresentado na obra A Ideologia Alemã, publicado em 1932 por Marx e Engels. Partindo dessa conceituação é que fazemos esse trabalho como o levantamento teórico do sentido crítico de ideologia. Para compreensão do conceito é primeiro preciso a apresentação do que ele vem propor como antítese ao idealismo alemão de Hegel e os escritos por parte dos chamados jovens hegelianos. Segundo Russell (2015) a busca do sistema hegeliano é pelo Idealismo que seria o Absoluto e tal Absoluto é a constituição espiritual, ou seja, formação de ideias contraditórias que formam o que nesse sistema filosófico seria a realidade pura. Para Hegel a dialética das ideias na história forma o Espirito Absoluto de cada época e essa concepção é seguida e problematizada pelos Jovens Hegelianos que se utilizaram dela para a compreensão da realidade alemã do período em que estavam escrevendo. Marx e Engels propõem, nas próprias palavras dos mesmos, fazer a interpretação que estava de cabeça pra baixo, colocando-se de pé. (MARX E ENGELS, 1932, p. 123). Podemos perceber que se para o Idealismo as ideias formam a realidade no materialismo a realidade forma as ideias. Nessa perspectiva se cunha o sentido crítico-social do termo Ideologia onde ainda se permanece o absoluto, porém não na definição espiritual e sim material-real. Não mais em contradições aspirais de ideias e sim na dialética de classes. A primeira máxima, crítica a ilusão, própria de toda ideologia, a qual consistia justamente em lhe atribuir a criação da história dos homens, tais ideias não possuem existência própria, mas derivada do substrato material da história. (MARX E ENGELS, 1932) Como apresentado a construção da concepção conceitual e epistemológica de Ideologia por parte do Materialismo é colocada em oposição ao sentido que o Idealismo Alemão de Hegel aponta para o entendimento de interpretação filosófica da sociedade. No entendimento filosófico do Idealismo Alemão a mudança da realidade se faz no purificar dialético das ideias. Quanto a isso Marx e Engels (1989 p.37) esclarecem: A consciência jamais pode ser outra coisa do que o ser consciente, e o ser dos homens é o seu processo de vida real. E, se, em toda a ideologia, os homens e suas relações aparecem invertidos como numa câmara escura, tal fenômeno decorre de seu processo histórico de vida, do mesmo modo

4 por que a inversão dos objetos na retina decorre de seu processo de vida diretamente físico. A Ideologia para a corrente marxista se põe sob duas perspectivas: primeiro ou aparece como superestrutura em que os sujeitos são suprimidos pela sua manifestação puramente ideal, outro ponto como falsa consciência [...] sob a designação de consciência invertida, dadas as críticas dirigidas por esse autor a diferentes manifestações teóricas oriundas da Filosofia. (RANIERI, 2007 p.9) Esse sentido abre margem para a formação da crítica, onde podemos entender que a classe dominante tem interesse que as ideias dominantes se mantenham para conservação do seu posto de dominação. No decorrer da História, fazendo a inversão da realidade, a classe dominante é levada a formular as suas ideias como ideias universais. Mas esse efeito é ligado ao interesse coletivo da classe formadora da condição opressora de formar e manter o seu domínio à classe não dominante. (MARX E ENGELS, 1932 p. 80). Conforme a conclusão histórica de Marx e Engels (1932 p. 78) a classe dominante é produção e distribuição das ideias. Diante da configuração do hábito capitalista, ainda na mesma crítica, o trabalhador não pensa sobre si mesmo e sobre sua condição alienada e acaba por ter como consciência a inversão da realidade, comprando e reproduzindo as ideias feitas pelos seus opressores. O trabalhador não cria ideias e ilusões sobre si mesmo. (MARX E ENGELS, 1932 p. 79). Apropriando-se da condição de submissão das massas, cujas condições objetivas de vida não lhes permitem refletir e por isso apenas reproduzem as ideias dominantes, a arte e os meios de comunicação formulam e divulgam a narrativa do idealismo opressor e desordenador da leitura da realidade. Tais análises foram realizadas pelos intelectuais da Escola de Frankfurt, os quais cunharam o termo Indústria Cultural, mostrando que a produção e o consumo cultural na sociedade capitalista constituem-se como mera reprodução da Ideologia. (ADORNO, 2007). Considerações Finais Ressaltamos nessa pesquisa a definição conceitual do termo Ideologia no seu sentido crítico. O embasamento teórico partiu dos clássicos da abordagem epistemológica do Materialismo Histórico Dialético: Marx e Engels.

5 No materialismo francês do século XVIII, percebemos que a palavra Ideologia na origem se faz na intenção de buscar o entendimento do que seria a ideia sobressalente de cada época, grupo ou até mesmo indivíduo. Esse sentido não compreende Ideologia como crítica, mas apenas ressalta os equívocos de modular representações subjetivas de formações históricas, regionais e culturais. Teoricamente, a abordagem crítica se faz em oposição e interpretação invertida ao Idealismo hegeliano. Percebemos com isso que, se para o Idealismo as ideias formam a realidade como ela é, no materialismo a realidade forma as ideias como elas são. Aqui se encontra a noção crítico-social do termo Ideologia onde ainda prevalece o absoluto, porém não na definição espiritual e sim material-real. Ideologia é a consciência invertida do idealizado com o real, podemos esclarecer ainda que ideologia é a inversão da realidade que se faz presente como ideia dominante. Esse fenômeno não é natural, mas é parte do que temos em uma sociedade dividida em classes. Os interesses daqueles que se encontram no poder (econômico, político e cultural), formam as ideias dominantes e o controle destas ideias ocorre por meio da ideologia que é reproduzida pelo conjunto da sociedade. Ao inverter a realidade, as classes dominantes apresentam suas ideias como universais, porém suas verdades não passam de defesa de seus próprios interesses. Sobretudo, na civilização da imagem em que vivemos, as mídias são ferramentas de produções Ideológicas. Para além da contribuição acadêmica, buscamos com esta pesquisa contribuir com o desenvolvimento de um pensamento crítico, capaz de romper com as verdades prontas e acabadas forjadas no interior da universidade e fora dela. Cabe ao campo das ciências sociais e humanas a participação efetiva no processo de construção de um conhecimento crítico posto a serviço das lutas e, em prol das transformações sociais. Agradecimentos Agradeço a minha orientadora professora Veralúcia Pinheiro que tem creditado e motivado as minhas habilidades enquanto pesquisador.

6 Referências ADORNO, Theodor W. Indústria cultural e sociedade. Paz e Terra, ALVES FILHO, Aluizio. A ideologia como ferramenta de trabalho e o discurso da mídia. Rio de Janeiro: Comum, v. 5, n. 15, p , MAFFESOLI, Michel. Michel Maffesoli: o imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, v. 1, n. 15, MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: teses sobre Feuerbach. Tradução: Editora Martin Claret Ltda., Título original: Die deustsche Ideologie, RUSSELL, Bertrand. História da Filosofia Ocidental. Livro 3: A Filosofia Moderna, Tradução Hugo Langone 1ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2015.

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX MARX Nasceu em Tréveris (na época pertencente ao Reino da Prússia) em 5 de Maio de 1818 e morreu em Londres a 14 de Março de 1883. Foi filósofo, jornalista e revolucionário

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 CH Total: 60 h Pré-requisito: - Período Letivo: 2016.1 Turma: 2º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino,

Leia mais

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 KARL MARX E A EDUCAÇÃO Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 BIOGRAFIA Karl Heinrich Marx (1818-1883), nasceu em Trier, Alemanha e morreu em Londres.

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

(A Ideologia Alemã Introdução)

(A Ideologia Alemã Introdução) 1 (A Ideologia Alemã Introdução) 1. Texto e contexto A Ideologia Alemã é uma obra escrita por K. Marx e F. Engels nos anos de 1845/1846. Sem dúvida, a mais importante no que se refere à elaboração dos

Leia mais

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Positivismo de Augusto Comte, Émile Durkheim e Karl Marx Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo;

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos

O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos O conceito de Estado em Immanuel Wallerstein e Hans Morgenthau: alguns apontamentos teóricos Tiago Alexandre Leme Barbosa 1 RESUMO O presente texto busca apresentar alguns apontamentos a respeito do conceito

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Estudo do objeto da Comunicação Social e suas contribuições interdisciplinares para constituição de uma teoria da comunicação.

Leia mais

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp 2 Semestre de 2008 1 Apresentação - de origem alemã - 1818 1883 - Economista, sociólogo e filósofo - Recebeu influência

Leia mais

REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO

REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO Introdução SANTOS, L. (UFBA) llorenacosta@live.com 1 Agência

Leia mais

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos

Leia mais

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria 1. (Uel) O marxismo contribuiu para a discussão da relação entre indivíduo e sociedade. Diferente de Émile Durkheim e Max Weber, Marx considerava que não se pode pensar a relação indivíduo sociedade separadamente

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

2. PROCEDIMENTOS E AVALIAÇÃO

2. PROCEDIMENTOS E AVALIAÇÃO 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA DISCIPLINA: TEORIA SOCIOLÓGICA I CÓDIGO: 134473 2º SEMESTRE/ 2016 TURMA A PROFESSORA: MARIA FRANCISCA PINHEIRO COELHO coelhofrancisca@gmail.com PROGRAMA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: SOCIOLOGIA I 0560055 1.2. Unidade:

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é:

18/03/2014. Artigo Cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico. Artigo cientifico não é: Artigo cientifico Artigo Cientifico Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.

Leia mais

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels Resenha Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels José Claudinei LOMBARDI (AUTOR) 2 Cláudio Rodrigues da SILVA 3 O livro Educação e ensino na obra

Leia mais

CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME. Cubatão

CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME. Cubatão CIÊNCIA X IDEOLOGIA CRISTINA BENATTE BONOME Cubatão 2012 CRISTINA BENATTE BONOME CIÊNCIA X IDEOLOGIA Trabalho apresentado ao Professor Admilson Toscano da disciplina Metodologia de pesquisa cientifica

Leia mais

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO O termo historiografia significa a graphia ou a escrita da história. Seus significados correntes são a arte de escrever a história e os estudos históricos e críticos

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Allan Smith Lima LEPEL-UFPA/ESMAC-PA allan_smith_lima@hotmail.com Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/ESMAC-PA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Capítulo 10. Modernidade x Pós - Modernidade. O mal estar científico e o mal estar social

Capítulo 10. Modernidade x Pós - Modernidade. O mal estar científico e o mal estar social Capítulo 10 Modernidade x Pós - Modernidade O mal estar científico e o mal estar social Modernidad e As transformações sociais e políticas tornaram o século XIX um cenário de mudanças. Duas grandes revoluções

Leia mais

ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado.

ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado. ESTADO DE DIREITO Crítica marxiana perante a concepção hegeliana de Estado. Milton Eduardo Antunes Bolz Graduando em Direito eduardobolz@hotmail.com Leonardo Saldanha Mestre em Direito Resumo: O presente

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Abril Sociologia 2ª Série Marx

Abril Sociologia 2ª Série Marx Abril Sociologia 2ª Série Marx O alemão Karl Marx (1818-1883) é, provavelmente, um dos pensadores que maior influência exerceu sobre a filosofia contemporânea. Sua importância foi destacada pelo pensador

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

DISCURSO, PRAXIS E SABER DO DIREITO

DISCURSO, PRAXIS E SABER DO DIREITO DISCURSO, PRAXIS E SABER DO DIREITO ELZA ANTONIA PEREIRA CUNHA MESTRANDA CPGD - UFSC A análise do discurso jurídico, proposta por nossa equipe, reside num quadro epistemológico geral com articulação de

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO Fixação 1) (PUC) Na segunda metade do século XIX, surgiu o socialismo científico, cujo teórico mais importante foi Karl Heinrich Marx. São

Leia mais

O Currículo Escolar O mais antigo e persistente significado que se associa «curriculum»

O Currículo Escolar O mais antigo e persistente significado que se associa «curriculum» O Currículo Escolar O mais antigo e persistente significado que se associa a «curriculum» é o de matérias, geralmente organizadas como disciplinas escolares que foram escolhidas para serem ensinadas a

Leia mais

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento.

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 1ª Série 6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 6DES002 ASPECTOS TEÓRICO-METODOLOGICOS DE MODALIDADES

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

CLASSE SOCIAL E LUTA DE CLASSES EM ENUNCIADOS DICIONARIZADOS

CLASSE SOCIAL E LUTA DE CLASSES EM ENUNCIADOS DICIONARIZADOS CLASSE SOCIAL E LUTA DE CLASSES EM ENUNCIADOS DICIONARIZADOS Cláudia Lino Piccinini UFRJ clpiccinini@gmail.com Noemi Cristina Xavier Oliva UFRJ noemi.ufrj@gmail.com O conceito de classe tem importância

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016 PROFESSORA: LILIANE CRISTINA FERREIRA COSTA

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016 PROFESSORA: LILIANE CRISTINA FERREIRA COSTA Escola Estadual Virgínio Perillo Avenida José Bernardes Maciel, 471 Marília, Lagoa da Prata-MG Fone: (37) 3261-3222 E-mail: escolavirginioperillo@gmail.com PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade.

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. 1- INTRODUÇÃO A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. A existência da NAÇÃO moderna pressupõe três conceitos básicos: - FRONTEIRAS

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC

SOCIOLOGIA. Prof. Carlos Eduardo Foganholo. Colégio CEC SOCIOLOGIA Prof. Carlos Eduardo Foganholo Colégio CEC Cultura - Conceitos Todos os seres humanos possuem cultura. Ninguém tem mais cultura que outra pessoa Não existe cultura superior ou inferior, uma

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades O termo classe é empregado de muitas maneiras. Sociologicamente, ele é utilizado na explicação da estrutura da sociedade capitalista, que tem uma configuração histórico-estrutural

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Componente Curricular: Filosofia Código: CTB - 110 CH Total: 60h Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2014. 2 Turma: 1º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN 60004 1º PERÍODO TOTAL DE ENCONTROS: 20 SEMANAS SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS 1 UNIDADE I UMA ANÁLISE DA

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

Unidade. A estrutura social e as desigualdades

Unidade. A estrutura social e as desigualdades Unidade 3 A estrutura social e as desigualdades O termo classe é empregado de muitas maneiras. Sociologicamente, ele é utilizado na explicação da estrutura da sociedade capitalista, que tem uma configuração

Leia mais

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL Elisabeth Rossetto 1 A formação de professores para a educação especial enfrenta em nosso país sérios desafios decorrentes tanto do contexto

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito;

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito; 1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: II CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: FILOSOFIA JURÍDICA NOME DO CURSO: DIREITO 2 EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Filosofia, Direito

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 20 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO Maria Edna Bertoldo UFAL edna_bertoldo@hotmail.com Mário André Pacifico UFAL macp_crvg@hotmail.com RESUMO O objetivo desse artigo é analisar

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO INDIVIDUAL E PROCESSUAL DO TRABALHO ATHA BUGHAI

FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO INDIVIDUAL E PROCESSUAL DO TRABALHO ATHA BUGHAI FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO INDIVIDUAL E PROCESSUAL DO TRABALHO ATHA BUGHAI A ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA NO DIREITO DO TRABALHO BRASILEIRO: HISTÓRICO, ANÁLISE CRÍTICA

Leia mais

FILOSOFIA PÓS-MODERNA Século XX

FILOSOFIA PÓS-MODERNA Século XX Século XX O termo pós-moderno se aplica aos filósofos e outros intelectuais que têm em comum a crítica ao projeto da modernidade, ou seja, a emancipação humano-social através do desenvolvimento da razão.

Leia mais

A ADRIANO MOREIRA CIÊNCIA POLÍTICA. V. í.« 6. a Reimpressão ALMEDINA

A ADRIANO MOREIRA CIÊNCIA POLÍTICA. V. í.« 6. a Reimpressão ALMEDINA A 345730 ADRIANO MOREIRA CIÊNCIA POLÍTICA V. í.«6. a Reimpressão ALMEDINA COIMBRA - 2001 ÍNDICE GERAL Prefácio 9 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 13 1." Pressupostos da Ciência Política 13 1 Aproximação semântica

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

Espaço Geográfico. As transformações realizadas pela ação humana

Espaço Geográfico. As transformações realizadas pela ação humana Espaço Geográfico As transformações realizadas pela ação humana Concepção teórica É por demais sabido que a principal forma de relação entre o homem e a natureza, ou melhor, entre o homem e o meio, é dada

Leia mais

A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO

A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO Rachel Rangel Bastos 1 Pretendemos aqui discutir a questão da dominação e servidão, independência e dependência, como noções que vinculam o desejo ao desejo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Filosofia da Educação Código da Disciplina: EDU 408 CURSO: Pedagogia Semestre de oferta: 2016/2 Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2016

Leia mais

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX)

ROMANTISMO E IDEALISMO (Século XIX) ROMANTISMO E IDEALISMO O Idealismo alemão sofreu forte influência, na sua fase inicial, do Romantismo, movimento cultural que se manifestou na Arte, na Literatura e na Filosofia. No seu ponto culminante,

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 MÉTODO Método, palavra que vem do

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Elias Januário Revisão Final: Karla Bento de Carvalho Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto Gráfico/Diagramação: Fernando

Leia mais

A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS

A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS Janice Silvana Novakowski Kierepka 1 Thatiane de Britto Stähler 2 Lenir Basso Zanon 3 Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

RESENHA. Protesto: uma abordagem culturalista. Suelen de Aguiar Silva. Universidade Metodista de São Paulo

RESENHA. Protesto: uma abordagem culturalista. Suelen de Aguiar Silva. Universidade Metodista de São Paulo Suelen de Aguiar Silva Doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo RESENHA Protesto: uma abordagem culturalista 355 356 JASPER, James M. Protesto: uma introdução aos movimentos

Leia mais

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas.

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. 1 Do trabalho, segundo Marx Há uma frase de Marx nos Manuscritos de 1861-63

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

1 Aluno do curso de Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras PB.

1 Aluno do curso de Licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras PB. A DIALÉTICA HEGELIANA E O MATERIALISMO DIALÉTICO DE MARX Daniel Leite da Silva Justino 1 RESUMO Hegel foi um dos últimos filósofos a construir um sistema filosófico que visava compreender a realidade e

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

A DIALÉTICA DE MARX. Karl Korsch

A DIALÉTICA DE MARX. Karl Korsch A DIALÉTICA DE MARX Karl Korsch A enorme importância de que se reveste a obra teórica de Karl Marx para a prática da luta de classe proletária consiste em ele ter reunido pela primeira vez formalmente

Leia mais