O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA."

Transcrição

1 O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista, sob uma ótica ontológica e seus processos relacionados com a vida social do homem e sua constituição enquanto ser social, objetivados por meio do trabalho. Entendemos o quanto é importante discutir e analisar o trabalho enquanto categoria fundante do ser social. O trabalho é o intercâmbio do homem com a natureza (MARX, 1989). Ou seja, é por meio da atividade laboral do homem, que o mesmo produz a sua subsistência tanto material como espiritual, cultural etc. E ao transformar a natureza produzindo sua subsistência o homem também transforma a sua própria natureza. Além disso, pretendemos analisamos a categoria trabalho perante a sociabilidade capitalista. METODOLOGIA Adotamos como metodologia um estudo teórico com alguns pensadores marxistas, como Lukács (1971, 1975), Tonet (2013), Lessa (2007), Bertoldo (2002), Netto (2011) e o próprio Marx (1982, 1989, 2009, 2012) que discutem a categoria trabalho na perspectiva materialista histórica/dialética, assim como, o processo de trabalho na sociedade capitalista. Tomando como base os escritos de Marx realizamos também uma análise acerca da relação do trabalho com a natureza.

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA E DISCUSSÕES Quando pensamos na teoria social de Marx é necessário mencionar as categorias que norteiam as suas discussões: natureza e trabalho. Precisamos entender que ambas não são isoladas, mas estão amplamente relacionadas. Por isso, antes de qualquer discussão em torno dessas categorias é importante conceituá-las na perspectiva compreendida por Marx. Em sua Crítica ao programa de Gotha, Marx traz algumas considerações acerca do trabalho e da natureza. E sobre o trabalho o mesmo afirma que:... é a fonte de toda riqueza e toda cultura, e como o trabalho útil só é possível na sociedade e por meio da sociedade, o fruto do trabalho [Arbeitsertrag] pertence inteiramente, com igual direito, a todos os membros da sociedade. (MARX, 2012, p. 23) É por meio do trabalho que o homem produz a sua subsistência e a cultura, à medida que se apropria da natureza com os outros membros da sociedade. Marx nos mostra que não é o trabalho que a princípio produz as riquezas da humanidade, como ele afirma inicialmente em sua Crítica ao programa de Gotha, mas sim a natureza, pois é a partir dela que o homem se apropria e produz todos os bens necessários para a sua existência, por meio do trabalho. Este por sua vez precede a natureza. O trabalho e a natureza são duas categorias que estão relacionadas no processo de produção material da sociedade. A natureza é a fonte dos valores de uso (e é em tais valores que consiste propriamente a riqueza material), tanto quanto o é o trabalho, que é apenas a exteriorização de uma força natural, da força de trabalho humana. (Ibid.). Vale ressaltar que: Antes de tudo, o trabalho é um processo que participam o homem e a natureza, processo em que o ser humano com sua própria ação, impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a natureza. [...]. Põe em movimento as forças naturais de seu corpo, braços e pernas, cabeça e mãos, a fim de apropriar-se dos recursos da natureza, imprimindo-lhe forma útil à vida da humana. Atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo modifica sua própria natureza. (Id., 1989, p. 202). O processo de trabalho impulsiona não só as forças físicas do homem, mas também outros fatores que possibilita o ato do trabalho, como a capacidade de pensar, sentir etc., diante disso, o homem ao modificar a natureza em prol da sua existência, modifica também o seu próprio ser e as relações que dele derivam. Lukács nos ajuda a pensar ontologicamente o trabalho como práxis social, que é também uma decisão entre alternativas, pois todo ato social pressupõe a decisão sobre uma determinada alternativa. O trabalho é constituído por posições teleológicas que em

3 cada caso concreto, põem em funcionamento séries causais (LUKÁCS, 1971, p. 230). Através dele realiza-se, no âmbito do ser material uma posição teleológica que dá origem a uma nova objetividade. (Ibid., p. 07). O trabalho é um ato que pressupõe um conhecimento concreto, de finalidades e meios determinados. Logo, Lukács enfatiza: O fato simples de que o trabalho é a realização de uma posição teleológica é uma experiência elementar da vida cotidiana de todos os homens, tornando- se isto um componente imprescindível de qualquer pensamento, desde as conversas cotidianas até a economia e a filosofia. (Ibid., p. 08). Uma questão que se coloca para analisamos é como ocorre a relação natureza e trabalho no âmbito da linguagem, dos processos subjetivos e da própria ciência. Iniciando com a linguagem. Esta sem sombra de dúvida é um pressuposto fundamental nas relações sociais produzidas entre o homem e a sociedade. Ela permite que haja comunicação, interação entre os sujeitos e apropriação do sistema de códigos e signos. No entanto, não podemos tomar a linguagem como base ontológica do ser social, pois o homem não usou o sistema de linguagem primeiro para depois atuar sobre a natureza. Marx enfatiza na Ideologia Alemã que: A linguagem é tão antiga quanto a consciência a linguagem é a consciência real prática que existe também para outros homens e que, portanto, só assim existe também para mim, e a linguagem só nasce, como a consciência, da necessidade [Bedürfnis], da necessidade orgânica [Notdurft] do intercâmbio com outros homens. (2009. p. 44). Quando o homem transforma a natureza, a fim de produzir valor de uso o conhecimento é indispensável no ato do trabalho. Se o homem antes trabalhava de uma maneira que não possibilitava a produção de bens necessários de forma abundante, em curto prazo e de forma aperfeiçoada, ele começou a perceber então, que ao se apropriar de técnicas e saberes precisos para agir na natureza de forma mais eficaz, o conhecimento tornou-se então necessário para o homem. Pois ao surgir às necessidades materiais de existência, surge também a necessidade de conhecer para melhor se apropriar da natureza. O conhecimento é sempre produzido em uma determinada situação histórico-social, em resposta a determinadas questões enfrentadas pela humanidade. (TONET, 2013, p. 103). O conhecimento se coloca como forma de responder e atender as necessidades humanas que vierem a surgir. Por isso, que a partir das tendências de buscar na natureza seus elementos para a preparação e execução do trabalho é que se desenvolve o pensamento científico e as ciências naturais. (LUKÁCS, 1971, p. 22). Assim são os processos subjetivos, nos quais originam também da perspectiva ontológica do trabalho. O homem não sente, pensa e deseja a partir do nada, mas sim de uma objetividade que se concretiza no ser social que supera suas condições primárias e

4 evolui para um ser que é social, que produz e manifesta relações com a sociedade por meio do trabalho. Este ser social não pode surgir e se desenvolver com base em um ser orgânico e que esse ultimo pode fazer o mesmo apenas com base no ser inorgânico (Id., 1975, p. 226). O trabalho na sua forma primária tem por função produzir valor de uso, entretanto, na sociedade capitalista a função será produzir valor de troca, mercadorias que circulam e são vendidas no mercado. O trabalho deixa de ser um meio de realização humana, para ser um meio de sobrevivência humana. Em que as formas de relações sociais produzidas entre os homens ganham uma dimensão de exploração e alienação. Marx (1989, p. 209) vai denotar que o processo de trabalho da sociedade capitalista sofre dois fenômenos: O primeiro é que o trabalhador trabalha sob o controle do capitalista, a quem pertence seu trabalho. E o segundo é que o produto do trabalho é propriedade do capitalista, e não do produtor imediato, o trabalhador. Isto significa dizer que as riquezas produzidas pelas mãos do trabalhador não pertence a ele, mas ao proprietário dos meios de produção e da força de trabalho. CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho como categoria fundante do ser social, não pode ser entendida de forma isolada das relações produzidas na sociedade, ele está dialeticamente envolvido com vários processos da vida social, como a linguagem, a ciência, a subjetividade, a consciência etc. O processo de trabalho impulsiona não só as forças físicas do homem, mas também a capacidade de pensar, sentir etc., diante disso, o homem ao modificar a natureza em prol da sua existência, modifica também o seu próprio ser e as relações que dele derivam. Além disso, o homem se torna um ser ontológico, à medida que vai deixando a sua condição natural ou biológica de ser e passa (é um processo) a ser um homem social que produz e é produzido mediante as relações sociais. Logo, o trabalho é uma categoria envolvida num movimento dialético e histórico que determina diversas circunstâncias na vida social do homem. Palavras-chave: Trabalho. Marxismo. Ontologia. REFERÊNCIAS BERTOLDO, E. A categoria do trabalho em Marx e Marcuse. Novos Rumos. v. 17. n. 38.

5 São Paulo, 2002, p LESSA, S. Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Cortez, LUKÁCS, G. O trabalho. In: Boitempo, v. 2, p Para uma ontologia do ser social. São Paulo:. G. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. The New Hungarian Quarterly, XVI, n 59, p , MARX. K. O capital. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, K. O capital: crítica da economia política. 13. ed. Rio de janeiro: Bertrand, Volume I.. K. Crítica do programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, K. Trabalho assalariado e capital. Campo Grande: Avante, NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão popular, TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

6

7

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO

A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO A IMPORTÂNCIA DA CONCEPÇÃO ONTOLÓGICA PARA A TEORIA DO ESTADO Maria Edna Bertoldo UFAL edna_bertoldo@hotmail.com Mário André Pacifico UFAL macp_crvg@hotmail.com RESUMO O objetivo desse artigo é analisar

Leia mais

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL

AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL AS RELAÇÕES CONSTITUTIVAS DO SER SOCIAL BASTOS, Rachel Benta Messias Faculdade de Educação rachelbenta@hotmail.com Os seres humanos produzem ações para garantir a produção e a reprodução da vida. A ação

Leia mais

UMA BREVE APROXIMAÇÃO: A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL E O TRABALHO ENQUANTO CATEGORIA FUNDANTE

UMA BREVE APROXIMAÇÃO: A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL E O TRABALHO ENQUANTO CATEGORIA FUNDANTE UMA BREVE APROXIMAÇÃO: A ONTOLOGIA DO SER SOCIAL E O TRABALHO ENQUANTO CATEGORIA FUNDANTE Francielly Rauber da Silva 1 RESUMO: O principal objetivo desse estudo é uma maior aproximação de análise da categoria

Leia mais

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria

A sociologia de Marx. A sociologia de Marx Monitor: Pedro Ribeiro 24/05/2014. Material de apoio para Monitoria 1. (Uel) O marxismo contribuiu para a discussão da relação entre indivíduo e sociedade. Diferente de Émile Durkheim e Max Weber, Marx considerava que não se pode pensar a relação indivíduo sociedade separadamente

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX

LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX LIBERDADE E POLÍTICA KARL MARX MARX Nasceu em Tréveris (na época pertencente ao Reino da Prússia) em 5 de Maio de 1818 e morreu em Londres a 14 de Março de 1883. Foi filósofo, jornalista e revolucionário

Leia mais

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O PAPEL DO ENSINO DE BIOLOGIA NA FORMAÇÃO DA CONCEPÇÃO DE MUNDO

PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O PAPEL DO ENSINO DE BIOLOGIA NA FORMAÇÃO DA CONCEPÇÃO DE MUNDO PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E O PAPEL DO ENSINO DE BIOLOGIA NA FORMAÇÃO DA CONCEPÇÃO DE MUNDO PEREIRA, Lucas Monteiro UNESP lucasmontp@gmail.com CAMPOS, Luciana M. Lunardi UNESP camposml@ibb.unesp.br Introdução

Leia mais

Teorias socialistas. Capítulo 26. Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores SOCIALISMO UTÓPICO ROBERT OWEN

Teorias socialistas. Capítulo 26. Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores SOCIALISMO UTÓPICO ROBERT OWEN Capítulo 26 Socialismo aparece como uma reação às péssimas condições dos trabalhadores A partir de 1848, o proletariado procurava expressar sua própria ideologia As novas teorias exigiam a igualdade real,

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

(A Ideologia Alemã Introdução)

(A Ideologia Alemã Introdução) 1 (A Ideologia Alemã Introdução) 1. Texto e contexto A Ideologia Alemã é uma obra escrita por K. Marx e F. Engels nos anos de 1845/1846. Sem dúvida, a mais importante no que se refere à elaboração dos

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR DE EDUCAÇAO FÍSICA: NECESSIDADES PARA ALÉM DA SOCIEDADE DO CAPITAL

A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR DE EDUCAÇAO FÍSICA: NECESSIDADES PARA ALÉM DA SOCIEDADE DO CAPITAL A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR DE EDUCAÇAO FÍSICA: NECESSIDADES PARA ALÉM DA SOCIEDADE DO CAPITAL FERREIRA, Raissa Louany Cunha raialou@hotmail.com SILVA, Elizandra Garcia UFAM elizandragarcia@hotmail.com

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. Apresentar a emergência da teoria social de Marx e da tradição sociológica, discutindo os traços pertinentes destas duas vertentes.

PLANO DE CURSO. 1. Apresentar a emergência da teoria social de Marx e da tradição sociológica, discutindo os traços pertinentes destas duas vertentes. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL Disciplina: Teorias Sociais

Leia mais

Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade

Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade Disciplina: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social na Contemporaneidade Código: SSO- Semestre: 2013.1 Créditos: 04 - Carga Horária: 60 hs Horário 6ª feira 08:20 11:50hs. Professores: Hélder

Leia mais

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri

Positivismo de Augusto Comte, Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Positivismo de Augusto Comte, Émile Durkheim e Karl Marx Colégio Ser Ensino Médio Introdução à Sociologia Prof. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo;

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PRESSUPOSTOS ONTOLÓGICOS, GNOSIOLÓGICOS, AXIOLÓGICOS E TELEOLÓGICOS PRESENTES NA METODOLOGIA CRÍTICO-SUPERADORA DA EDUCAÇÃO FÍSICA.

A CONTRIBUIÇÃO DOS PRESSUPOSTOS ONTOLÓGICOS, GNOSIOLÓGICOS, AXIOLÓGICOS E TELEOLÓGICOS PRESENTES NA METODOLOGIA CRÍTICO-SUPERADORA DA EDUCAÇÃO FÍSICA. A CONTRIBUIÇÃO DOS PRESSUPOSTOS ONTOLÓGICOS, GNOSIOLÓGICOS, AXIOLÓGICOS E TELEOLÓGICOS PRESENTES NA METODOLOGIA CRÍTICO-SUPERADORA DA EDUCAÇÃO FÍSICA. Prof. Ms. Roseane Cruz Freire Rodrigues (FASNE/PE)

Leia mais

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea.

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. Professor: Danilo Borges A Idade Média não alterou substancialmente

Leia mais

Fiscal Sociologia do Trabalho Material de Apoio 2 Haroldo Guimarães Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal Sociologia do Trabalho Material de Apoio 2 Haroldo Guimarães Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Sociologia do Trabalho Material de Apoio 2 Haroldo Guimarães 2013 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Professor Haroldo Guimarães haroldoguimaraes2003@yahoo.com.br

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA.

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA. ECONOMIA POLÍTICA AULA BASEADA NO CAPÍTULO 2 CATEGORIAS DA CRÍTICA DA ECONOMIA POLÍTICA, DO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA- UMA INTRODUÇÃO CRÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ MATERIAL PREPARADO PARA A

Leia mais

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas.

Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado. Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. Trabalho e socialismo Trabalho vivo e trabalho objetivado Para esclarecer uma confusão de conceito que teve consequências trágicas. 1 Do trabalho, segundo Marx Há uma frase de Marx nos Manuscritos de 1861-63

Leia mais

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa

O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa O que é Ideologia? Federação Anarquista Uruguaia (FAU) Tradução: Felipe Corrêa 2009 Projeto de capa: Luiz Carioca Ilustração da capa: Eduardo Marinho Diagramação: Farrer (C) Copyleft - É livre, e inclusive

Leia mais

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital O Capital Crítica da Economia Política Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital 1 Resumo do capítulo III sobre o dinheiro Na análise do dinheiro, Marx distingue: Funções básicas do dinheiro: medida

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

RECOMEÇAR COM MARX. Ivo Tonet Professor do Dep. de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas

RECOMEÇAR COM MARX. Ivo Tonet Professor do Dep. de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas RECOMEÇAR COM MARX 1 Ivo Tonet Professor do Dep. de Filosofia da Universidade Federal de Alagoas Nosso objetivo, nessa comunicação, é discutir a questão da reconstrução da teoria marxiana, buscando mostrar

Leia mais

O Mundo reificado ou Da Natureza da economia

O Mundo reificado ou Da Natureza da economia O Mundo reificado ou Da Natureza da economia PROF. MANUEL BEZERRA NETO - Professor de Filosofia da Educação e Sociologia Departamento de Educação da Universidade Regional do Cariri (URCA) Resumo: Este

Leia mais

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS Elaine de Holanda Rosário - Universidade Federal de Alagoas (UFAL/CEDU) Elainerosarioholanda@yahoo.com.br

Leia mais

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels

Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels Resenha Educação e ensino na obra de Marx e Engels 1 Education and training in the work of Marx and Engels José Claudinei LOMBARDI (AUTOR) 2 Cláudio Rodrigues da SILVA 3 O livro Educação e ensino na obra

Leia mais

Isadora Barreto Paiva Josefa Jackline Rabelo Susana Vasconcelos Jimenez

Isadora Barreto Paiva Josefa Jackline Rabelo Susana Vasconcelos Jimenez A EMANCIPAÇÃO HUMANA: UM PARALELO ENTRE O CONCEITO DEFENDIDO PELA PEDAGOGIA RADICAL DE GIROUX E MCLAREN VERSUS A SUA REAL POSSIBILIDADE SOBRE AS BASES DA TEORIA DE MARX E LUKÁCS 1 Isadora Barreto Paiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: SOCIOLOGIA I 0560055 1.2. Unidade:

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp

História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp História das Teorias Econômicas Aula 5: Karl Marx Instituto de Geociências / Unicamp 2 Semestre de 2008 1 Apresentação - de origem alemã - 1818 1883 - Economista, sociólogo e filósofo - Recebeu influência

Leia mais

TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES

TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política Cursos de Ciências Sociais Pelotas, agosto de 2014 O QUE É O TRABALHO? (I) 1. A etimologia:

Leia mais

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de

COLÉGIO CEC 24/08/2015. Conceito de Dialética. Professor: Carlos Eduardo Foganholo DIALÉTICA. Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de COLÉGIO CEC Professor: Carlos Eduardo Foganholo Conceito de Dialética DIALÉTICA Originalmente, é a arte do diálogo, da contraposição de ideias que leva a outras ideias. O conceito de dialética, porém,

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

TRABALHO E SER SOCIAL: UMA REFLEXÃO ONTOLÓGICA DO TRABALHO NA RELAÇÃO HOMEM X NATUREZA

TRABALHO E SER SOCIAL: UMA REFLEXÃO ONTOLÓGICA DO TRABALHO NA RELAÇÃO HOMEM X NATUREZA 78 TRABALHO E SER SOCIAL: UMA REFLEXÃO ONTOLÓGICA DO TRABALHO NA RELAÇÃO HOMEM X NATUREZA WORK AND BE SOCIAL: AN ONTOLOGICAL REFLECTION OF THE WORK PROCESS IN MAN X NATURE Ana Karina da Silva Alves 1 Ruth

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DESAFIOS À EDUCAÇÃO

TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DESAFIOS À EDUCAÇÃO TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DESAFIOS À EDUCAÇÃO MARCOCCIA, Patrícia Correia de Paula Marcoccia UEPG pa.tyleo12@gmailcom PEREIRA, Maria de Fátima Rodrigues UTP maria.pereira@utp.br RESUMO:

Leia mais

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO O termo historiografia significa a graphia ou a escrita da história. Seus significados correntes são a arte de escrever a história e os estudos históricos e críticos

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel.

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. A Questão da Transição Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. 1 Uma civilização em crise Vivemos num mundo assolado por crises: Crise ecológica Crise humanitária

Leia mais

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE?

O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? O CAPITALISMO ESTÁ EM CRISE? Nildo Viana Professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás; Doutor em Sociologia; Autor de diversos livros, entre os quais, O Capitalismo na Era

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 TEORIA DO CONHECIMENTO E EPISTEMOLOGIA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Allan Smith Lima LEPEL-UFPA/ESMAC-PA allan_smith_lima@hotmail.com Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/ESMAC-PA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - UFF

MATRIZ CURRICULAR - UFF Curso: SOCIOLOGIA Titulação: BACHAREL Habilitação: - Enfâse: - Linha de Formação: - Currículo: 98.01.001 Versão: 2 Turno: Noturno (OB) Carga horária obrigatória: 1740 (O) Carga horária optativa: 480 (E)

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Série: 1ª Ensino Médio Professora: Erika Vilas Boas Atividades para Estudos Autônomos Data: 5 / 9 / 2016 Aluno(a): N o : Turma: INTRODUÇÃO Este

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

AS DETERMINAÇÕES DO TRABALHO NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA

AS DETERMINAÇÕES DO TRABALHO NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA AS DETERMINAÇÕES DO TRABALHO NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros Correia Teotônio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Albani de Barros 4 Serviço Social

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA

Liberdade. O comportamento moral: O bem e o mal. A ética hoje O QUE É ÉTICA Liberdade O QUE É ÉTICA O comportamento moral: O bem e o mal A ética hoje LIBERDADE ÉTICA Primeiro... Supomos que o indivíduo é livre Normas - Diz como devemos agir - PODEMOS agir ou não agir conforme

Leia mais

NOTAS PARA UMA CONTRIBUIÇÃO À CONCEPÇÃO MARXIANA DA TECNOLOGIA. Palavras-chave: Tecnologia; Trabalho; Marxismo; Economia política.

NOTAS PARA UMA CONTRIBUIÇÃO À CONCEPÇÃO MARXIANA DA TECNOLOGIA. Palavras-chave: Tecnologia; Trabalho; Marxismo; Economia política. NOTAS PARA UMA CONTRIBUIÇÃO À CONCEPÇÃO MARXIANA DA TECNOLOGIA IGOR ASSONI MONTEIRO DA SILVA 1 FRANCIS KANASHIRO MENEGHETTI 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre o conceito de

Leia mais

Eixo Temático: Trabalho na contemporaneidade, questão social e Trabalho Social

Eixo Temático: Trabalho na contemporaneidade, questão social e Trabalho Social O Serviço Social como trabalho: uma solução ou um problema? Maria Norma Alcântara Brandão de Holanda 1 Modalidade do Trabalho: resultados de investigações Eixo Temático: Trabalho na contemporaneidade,

Leia mais

TRABALHO E ALIENAÇÃO

TRABALHO E ALIENAÇÃO TRABALHO E ALIENAÇÃO Nara Telânie Tavares dos Santos 1 RESUMO: Este artigo não pretende esgotar o debate teórico sobre a categoria alienação, mas de tentar compreendê-la a partir de uma rápida discussão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

O ESPAÇO ENQUANTO COMPLEXO SOCIAL: NOTAS INTRODUTÓRIAS

O ESPAÇO ENQUANTO COMPLEXO SOCIAL: NOTAS INTRODUTÓRIAS O ESPAÇO ENQUANTO COMPLEXO SOCIAL: NOTAS INTRODUTÓRIAS Gilberto Oliveira Jr. * I O texto ora apresentado resulta de esforço reflexivo substanciado na integração da categoria espaço ao arsenal categorial

Leia mais

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo:

Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: Unidade II Sociedade, natureza e espaço II. Aula 4.1 Conteúdo: A produção teórica dos clássicos da Sociologia. 2 Habilidade: Conhecer as teorias sociológicas clássicas e seus principais objetos de estudos.

Leia mais

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com Ney Ferreira França LEPEL-UFPA/SEDUC-PA

Leia mais

O CONCEITO DE CRÍTICA EM MARX 1

O CONCEITO DE CRÍTICA EM MARX 1 O CONCEITO DE CRÍTICA EM MARX 1 Estevam Alves Moreira Neto 2 Elaine Cristina dos Santos Lima 3 Ivo Tonet 4 Como em qualquer outro pensador, entendemos que ao nos debruçarmos sobre a questão do caráter

Leia mais

LUKÁCS, MARX E A EDUCAÇÃO

LUKÁCS, MARX E A EDUCAÇÃO 1 LUKÁCS, MARX E A EDUCAÇÃO Ivo Tonet Introdução Inúmeros foram os estudos que se debruçaram sobre a problemática da educação tendo como pressuposto teórico-metodológico o referencial marxista. Sabemos,

Leia mais

MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO

MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO Thalia Jaqueline Schuh; 1 Michel Goulart da Silva 2 1 Bolsista PIBIC-EM/CNPq. 2 Orientador IFC. Introdução Discute-se neste trabalho a contribuição teórica de

Leia mais

ETICA E FUNDAMENTOS SOCIO-HISTÓRICOS. Profª.Ms.Maria Beatriz Alarcón Disciplina:Ética e Serviço Social (2012)

ETICA E FUNDAMENTOS SOCIO-HISTÓRICOS. Profª.Ms.Maria Beatriz Alarcón Disciplina:Ética e Serviço Social (2012) ETICA E FUNDAMENTOS SOCIO-HISTÓRICOS Profª.Ms.Maria Beatriz Alarcón Disciplina:Ética e Serviço Social (2012) Para o Serviço Social, a ética profissional é parte integrante da questão social. Portanto,

Leia mais

Disciplina: EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

Disciplina: EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Programa Preliminar Profas. Dras. Eunice

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas

Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Durkheim, Weber, Marx e as modernas sociedades industriais e capitalistas Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de

Leia mais

ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS

ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS ÉTICA: FUNDAMENTOS SÓCIO - HISTÓRICOS Autora: Mônica E. da Silva Ramos CURSO: Serviço Social ÉTICA: Fundamentos sócio - históricos O trabalho ora posto nasce das inquietudes e reflexões da autora desenvolvidas

Leia mais

Uma pergunta. O que é o homem moderno?

Uma pergunta. O que é o homem moderno? Uma pergunta O que é o homem moderno? Respostas O homem moderno é aquele que não trabalha para viver, mas vive para trabalhar. O homem moderno não domina o tempo; ao contrário, é dominado pelo tempo. O

Leia mais

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE Mary Fátima Gomes Rodrigues Fundação Regional Educacional de Avaré e-mail: rodriguesmary@bol.com.br Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA CÓDIGO: CHF217 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60H EMENTA:

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Introdução. Curso de Economia Política. A Guerra do Fogo Jean Jacques Annaud, 1981

Introdução. Curso de Economia Política. A Guerra do Fogo Jean Jacques Annaud, 1981 Estudo da obra : uma introdução crítica Netto e Braz, 2006 Introdução : da origem à crítica marxiana Capítulo 1 Trabalho, sociedade e valor Capítulo 2 Categorias (da Crítica) da Exibição do filme 28 de

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais

Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais Ref.: Capítulo XXI, vol. 3, de O Capital de Karl Marx e cap. 1 de A finança mundializada de François Chesnais 1 Economia Vulgar É bem conhecida a duplicidade

Leia mais

AS NOVAS FACES DO CAPITALISMO NO SÉCULO XXI E O MOVIMENTO SINDICAL NO BRASIL

AS NOVAS FACES DO CAPITALISMO NO SÉCULO XXI E O MOVIMENTO SINDICAL NO BRASIL AS NOVAS FACES DO CAPITALISMO NO SÉCULO XXI E O MOVIMENTO SINDICAL NO BRASIL OS SINDICATOS EXISTIRÃO ATÉ O FIM DO SÉCULO XXI? A Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico Objetivos: Apresentar teorização

Leia mais

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 KARL MARX E A EDUCAÇÃO Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 BIOGRAFIA Karl Heinrich Marx (1818-1883), nasceu em Trier, Alemanha e morreu em Londres.

Leia mais

TRABALHO E EDUCAÇÃO: alguns elementos para discussão

TRABALHO E EDUCAÇÃO: alguns elementos para discussão TRABALHO E EDUCAÇÃO: alguns elementos para discussão Maria Auxiliadora Silva Moreira Oliveira 1 Maria da Conceição Almeida Vasconcelos 2 Resumo O presente trabalho é parte integrante da pesquisa de mestrado,

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

PARA QUE E PARA QUEM A ESCOLA CAPITALISTA SERVE? Um olhar sob à luz da teoria Marxiana do valor

PARA QUE E PARA QUEM A ESCOLA CAPITALISTA SERVE? Um olhar sob à luz da teoria Marxiana do valor 1 3º ENCONTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SERGIPE A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA QUE E PARA QUEM A ESCOLA CAPITALISTA SERVE? Um olhar sob à luz da teoria Marxiana do valor

Leia mais

CURRÍCULO, FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E AS TENDÊNCIAS DE EDUCAÇÃO. India Mara Ap.Dalavia de Souza Holleben NRE PONTA GROSSA

CURRÍCULO, FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E AS TENDÊNCIAS DE EDUCAÇÃO. India Mara Ap.Dalavia de Souza Holleben NRE PONTA GROSSA CURRÍCULO, FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E AS TENDÊNCIAS DE EDUCAÇÃO India Mara Ap.Dalavia de Souza Holleben NRE PONTA GROSSA TEORIAS CRÍTICAS NA FORMULAÇÃO DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS Concepção Dialética de

Leia mais

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso CURSO: LETRAS - LICENCIATURA PORTUGUÊS E INGLÊS MISSÃO O curso de Licenciatura em Português e Inglês da UNESA tem como fulcro a formação de

Leia mais

Um estudo do pensamento algébrico e da linguagem algébrica: uma perspectiva de relação dialética

Um estudo do pensamento algébrico e da linguagem algébrica: uma perspectiva de relação dialética Um estudo do pensamento algébrico e da linguagem algébrica: uma perspectiva de relação dialética Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Juciane Teixeira Silva 1 Marilene Ribeiro Resende 2

Leia mais

REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO

REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO REVISÃO DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO FILÓSOFO JOSÉ ADRIANO BARATA MOURA SOBRE A PRÁTICA COMO CATEGORIA FILOSÓFICA CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO Introdução SANTOS, L. (UFBA) llorenacosta@live.com 1 Agência

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO FINALIDADE DA EDUCAÇÃO Proporcionar aos homens e as mulheres o desenvolvimento da vivacidade, da invenção e reinvenção, a participação política, a sua condição de sujeito histórico. O saber sistematizado

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LITERATURA INFANTIL PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA TEORIA HISTÓRICO- CULTURAL

CONTRIBUIÇÕES DA LITERATURA INFANTIL PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA TEORIA HISTÓRICO- CULTURAL CONTRIBUIÇÕES DA LITERATURA INFANTIL PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA TEORIA HISTÓRICO- CULTURAL Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Marlova Neumann Araujo Ademir

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN. Método Dialético. Profª: Kátia Paulino CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DESIGN Método Dialético Profª: Kátia Paulino Dialética No dicionário Aurélio, encontramos dialética como sendo: "[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

Leia mais

TRABALHO, CONSTRUÇÃO DO SER SOCIAL E ÉTICA

TRABALHO, CONSTRUÇÃO DO SER SOCIAL E ÉTICA TRABALHO, CONSTRUÇÃO DO SER SOCIAL E ÉTICA Márcia Sgarbieiro Programa de Estudos Pós Graduados em Serviço Social PUC-SP Pontifícia Universidade Católica de São Paulo RESUMO: O presente texto é parte do

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA A consciência de nossa humanidade nesta era planetária deveria conduzir-nos à solidariedade e à comiseração recíproca, de indivíduo para indivíduo, de todos

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: Filosofia e Sociologia Série/Ano: 1º ANO Professores: Adriane e Silvio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais