O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO"

Transcrição

1 1 O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO

2

3 1 CONCEITO DE EMPRESA 3 a) EMPRESA : unidade econômica que combinando capital e trabalho, produz ou comercializa bens ou presta serviços, com a finalidade de lucro b) ELEMENTOS DA EMPRESA: - Capital : dinheiro ou bens tangíveis investidos - Estabelecimento: local onde se realiza - Trabalho : força de trabalho, c/ ou s/ vínculo empreg. - Objetivo : sempre o LUCRO

4 b) CONCEITO DE EMPRESÁRIO 4 Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens e de serviços.

5 REQUISITOS para enquadramento no conceito de empresário : 5 -- Profissionalismo : habitualidade de exercício, de atuação - Atividade econômica : visando lucro, acumulação de capital, retorno de investimento - Organização : dar a várias partes a disposição necessária para as funções a que ele se destina -- Produção : produção como ato que cria determinado bem(coisa) - Circulação : atividade transferência a titularidade de determinado bem de uma pessoa para outra - Bens : tudo aquilo que é capaz de suprir uma necessidade humana ; e serviços : ato de servir, exercício de uma profissão, tarefa, obra, tarefa

6 - EXCEÇÃO : 6 Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa.

7 - Requisitos à exceção: 7 - profissão : Atividade ou ocupação especializada, e que supõe determinado preparo - - intelectual : de predomínio do uso da inteligência em contraposição ao uso da força bruta - - natureza científica, literária ou artísitica : de origem científica, literária ou artística - salvo se constituir elemento de empresa : desde que a profissão não seja parte de uma estrutura de organização mais ampla ( Elementos da empresa : capital, serviço, estabelecimento e o objetivo)

8 8 Estabelecimento empresarial O estabelecimento empresarial veio definido no código civil (art.1142) e nada mais é que o local onde estão reunidos de forma legal (organizada) os bens (corpóreos e incorpóreos) para o exercício (trabalho) da empresa, pelo empresário ou pela sociedade empresária. Todos os demais estabelecimentos subordinados ou dependentes do estabelecimento empresarial dar-se o nome de sucursal, filial, agência, que chamamos de ramificação de uma estrutura administrativa.

9 CONCEITO E NATUREZA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL O que se entende por estabelecimento empresarial? E o que são bens?... Incorpóreos É o complexo de bens reunidos pelo empresário para poder desenvolver sua atividade econômica. marcas patentes direitos Corpóreos ponto comercial etc. mercadorias instalações equipamentos utensílios veículos prédio etc.

10 Não existe separação clara entre o estabelecimento físico e o empresário. Empresário = Empresa = Estabelecimento Padaria do Seu Manoel

11 O Título de Estabelecimento identifica o estabelecimento. Começa a separação clara entre o estabelecimento (físico) e o empresário. LISBOA A identificação também Insígnia pode ser feito através da insígnia, um elemento figurativo. Título de Estabelecimento

12 Exemplo Nome de Empresa: Restco Comercial Ltda.. Título de Estabelecimento: McDonald s. Insígnia:

13 Outros Sinais Distintivos Marca Sinal que individualiza produtos ou serviços, distinguindo-os dos demais do mesmo gênero e origem diversa Nome de domínio mero endereço eletrônico ou sinal distintivo autônomo (?)

14 Sociedade Limitada Nome dos Sócios Firma Individual Nome de Empresa Firma Firma Social (ou Razão Social) Sociedade Anônima Denominação (ou Denominação Social)

15 Nome de Empresa Objetivo: sinal de trabalho Reporta ao exercício da atividade econômica Conteúdo protegido: trabalho como instrumento dotado de valor econômico Bem incorpóreo que integra o fundo de comércio Direito de Exclusividade do empresário quanto aos sinais que o identificam, juntamente com sua empresa Proteção das normas concorrenciais e do direito da propriedade industrial

16 Diferenças entre os tipos de empresas Empresa individual: quando o proprietário da empresa é apenas uma pessoa; geralmente, neste tipo de organização o capital particular do proprietário se confunde com o da empresa; Microempresário individual: O Microempreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza. É aquele que fatura até R$ ,00 por ano, não participa em outra empresa como sócio ou titular e poderá ter apenas um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria;

17 17 Empresa de Responsabilidade Limitada (ou sociedade por quotas): é o tipo mais comum, a qual os sócios são responsáveis pela empresa de acordo com a quantidade de quotas. Sociedade Simples: é aquela formada por pessoas que exercem profissão de natureza intelectual, científica, artística ou literária, mesmo sem contar com colaboradores;

18 Diferenças entre os tipos de empresas Sociedade Anônima: tem seu capital distribuído em ações e a responsabilidade de cada sócio, ou acionista, é correspondente a quantidade e valor das ações que ele possui; ;

19 19 Sociedade em Comandita Simples: tipo de sociedade que, ao lado dos sócios de responsabilidade ilimitada e solidária, existem aqueles que entram apenas com o capital, não participando da gestão do negócio, tendo, portanto, sua responsabilidade restringida ao capital subscrito; Sociedade em Comandita por ações: são regidas pelas normas das sociedades anônimas porque tem seu capital dividido em ações

20 Diferenças entre os tipos de empresas Sociedade Empresária: é aquela que a atividade econômica organizada é exercida de forma profissional constituindo elemento de empresa; Sociedade em nome Coletivo: constituída apenas por pessoas físicas que respondem ilimitada e solidariamente pelas obrigações da sociedade;

21 21 Sem fins lucrativos: organizações que toda a receita é revertida para as atividades que mantém; Microempresa: aquela que tem receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00; Empresa de Pequeno Porte: aquela que tem receita bruta anual superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00.

22 Causas de mortalidade Desconhecimento do mercado; Falta de capital de giro; Concorrência mais ágil e preços melhores; Desconhecimento técnico; Modismo; Saque de dinheiro para despesas pessoais; Baixos investimentos em comunicação; Descontroles contábeis e administrativos; Baixa qualificação de mão-de-obra; Nível de dívidas bancárias insustentável.

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Empreendedorismo Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Panorama histórico Empreendedores medievais Panorama histórico Desde a antiguidade até a Revolução Industrial (Século XVIII), o trabalho sempre foi feito

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

Formas Básicas de organização Empresarial. - Firma individual. - Sociedades

Formas Básicas de organização Empresarial. - Firma individual. - Sociedades Demonstrações Financeiras Formas de rganização Professor: Roberto César Formas Básicas de organização Empresarial - Firma individual - Sociedades Firma individual É uma empresa de propriedade de uma única

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA 1 CONCEITO DE SOCIEDADE Código Civil - Art. 981 Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 04

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 04 CURSO ONLINE REFORÇO ACADÊMICO DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 04 CONCEITO DE MARCA Art. 123. Para os efeitos desta Lei, considerase: I - marca de produto ou serviço: aquela usada para distinguir

Leia mais

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 02/12/2013

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 02/12/2013 Doc. Identificação: Classificação: PARTE I Escolha a resposta correcta entre as opções apresentadas sinalizando-a de forma visível 1. As sociedades Comerciais têm por finalidade a prática de uma: a) Actividade

Leia mais

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE 1 EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES MÓDULO 1 A CONTABILIDADE 6º - Exercício CONTABILIDADE Em relação aos usuários da contabilidade, analise as assertivas abaixo e assina a alternativa correta.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. Empresário Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Pode Ser

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010).

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Prof. Thiago Gomes Empresariais O que é uma sociedade? Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Qual o foco de nosso estudo? As sociedades cujo o objetivo é lucro para seus sócios.

Leia mais

OLHO D' AGUA DOS BORGES

OLHO D' AGUA DOS BORGES 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/10/1938 - Distância da capital: 321 km - Área: 141 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 4.442 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 6 Personalidade e direitos pessoa física e jurídica Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Personalidade pessoas naturais Código Civil pessoa física sujeito de direitos e deveres Pessoas naturais

Leia mais

O CONTRATO DE SOCIEDADE

O CONTRATO DE SOCIEDADE O CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONCEITO DE CONTRATO contrato é o acordo de vontade de duas ou mais pessoas com a finalidade de adquirir, resguardar, modificar ou extinguir direitos. (Bevilacqua, 1916 p. 245)

Leia mais

O que é um plano de negócio. Prof. Marcio Cardoso Machado

O que é um plano de negócio. Prof. Marcio Cardoso Machado O que é um plano de negócio Prof. Marcio Cardoso Machado Planejamento Definição Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

CAIÇARA DO RIO DO VENTO

CAIÇARA DO RIO DO VENTO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 95 km - Área: 261 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 3.064 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Capítulo 5. Quem serão os meus aliados?

Capítulo 5. Quem serão os meus aliados? PESSOA FÍSICA OU PESSOA JURÍDICA Pessoa física É o indivíduo ou pessoa individual com seus direitos e obrigações perante o Estado. Pessoa jurídica Éaassociaçãodeduasoumaispessoasemumaentidade,comseus direitos

Leia mais

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Classificações do ativo Além de classificar a conta como ativo, precisamos ser proficientes

Leia mais

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Pessoas jurídicas são entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como sujeitos de direitos e deveres. Pessoas Jurídicas Características:

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

Tendências e cenários sobre micro e pequenas empresas

Tendências e cenários sobre micro e pequenas empresas Tendências e cenários sobre 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br twitter.com/sebraesp facebook.com/sebraesp youtube.com/user/sebraesaopaulo olanda Estatísticas básicas da participação das MPEs na economia

Leia mais

Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios O processo de criação de uma empresa às vezes é tedioso e

Leia mais

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Lisboa Junho 2016 Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL MAÍRA

Leia mais

ESTABELECIMENTO - MODIFICAÇÃO

ESTABELECIMENTO - MODIFICAÇÃO TIPO DE MODIFICAÇÃO Ampliação ou redução da área de venda ou de armazenagem Categoria de produtos comercializados Domicílio fiscal Método de venda Modalidade de venda Nome ou insígnia N.º de máquinas em

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Constituição formal de empresa

Constituição formal de empresa Constituição formal de empresa Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: RG: Órgão Emissor:

Leia mais

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito

Leia mais

Aula 12 Constituição Formal de Empresa

Aula 12 Constituição Formal de Empresa Considerações iniciais Todas as sociedades empresariais e entidades, independente do seu objeto social e porte econômico, estão sujeitas às regras estabelecidas pelo MTE, quando tiverem pessoas físicas

Leia mais

QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO

QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO QUESITOS PARA APURAÇÃO DE HAVERES DE SÓCIO 1. Sócio vivo 2. Sócio falecido No caso do sócio vivo, ou se retirando da firma, os pontos que reputamos importantes para determinação do valor real e justo da

Leia mais

Oportunidades de Negócios nos Estados Unidos

Oportunidades de Negócios nos Estados Unidos Oportunidades de Negócios nos Estados Unidos DRUMMOND ADVISORS Itajubá - MG Junho 2016 Agenda» Quem somos» Internacionalização: tendências» Casos: Estrutura societária Tipos de entidades Impactos fiscais

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL CAPÍTULO 1 Do Direito Comercial ao Direito Empresarial 3 1. Origem do Direito Comercial... 3 2. Teoria dos atos de comércio (sistema francês)... 4 3.

Leia mais

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis:

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis: Proposição n. 49.0000.2016.000773-1/COP Origem: Presidente do Conselho Federal da OAB. Protocolo n. 49.0000.2016.000764-4. Assunto: Proposta de Provimento. Sociedades Individuais de Advocacia. Relator:

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: Sócio 2 - Nome:

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo regime instituído pelo Decreto-Lei nº 234/2007, de 19 de Junho Uso exclusivo da

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº C DE O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº C DE O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.230-C DE 2013 Altera a Lei nº 12.592, de 18 de janeiro 2012, para dispor sobre o contrato de parceria entre os profissionais que exercem as atividades de Cabeleireiro,

Leia mais

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias Michele Schwan Advogada OAB/RS 86.749 As três modalidades de constituição de empresa mais utilizadas no Rio Grande do Sul, conforme a Junta

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015 TIPOS SOCIETÁRIOS: UMA ANALISE DAS MODALIDADES MAIS UTILIZADAS NO ÂMBITO DO DIREITO BRASILEIRO Charles Junior Rech 1 Leticia Gheller Zanatta Carrion 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 EMPRESA E EMPRESÁRIO. 3 INÍCIO

Leia mais

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação.

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. Prof. Carlos William de Carvalho Objetivos da aula ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. 2 Auditoria e objetivos ò A conceituação de auditoria

Leia mais

A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário:

A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário: AULA 2 - TEORIA DA EMPRESA EMPRESÁRIO - Teoria da Empresa - Código Civil Italiano de 1942: Na Itália, o Código civil de 1942 adota a teoria da empresa, sem, contudo ter formulado um conceito jurídico do

Leia mais

Oportunidade de Negócio: BOUTIQUE DE CARNES SUÍNAS

Oportunidade de Negócio: BOUTIQUE DE CARNES SUÍNAS Oportunidade de Negócio: BOUTIQUE DE CARNES SUÍNAS Maio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Comércio - Agronegócio DESCRIÇÃO: Boutique de Carnes especializada em cortes suínos, com balcão

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produção e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Quanto à propriedade Estatais Privadas

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Forma x conteúdo? Forma x conteúdo A forma é o que aparece ao interlocutor e pressupõe

Leia mais

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA O QUE CAPITALISMO? É um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 136.012,67 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 53.838,45 Operações de Tesouraria 82.174,22 5.925.173,99 Receitas Correntes 4.130.218,10 01 Impostos

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

Aula 00. Direito Empresarial para Polícia Civil do Pará (PA) Cargo: Delegado. Teoria e Exercícios. Professor: Carlos Antônio Bandeira

Aula 00. Direito Empresarial para Polícia Civil do Pará (PA) Cargo: Delegado. Teoria e Exercícios. Professor: Carlos Antônio Bandeira ` Aula 00 Direito Empresarial para Polícia Civil do Pará (PA) Professor: Carlos Antônio Bandeira www.pontodosconcursos.com.br 1 AULA DEMONSTRATIVA MAPA DA AULA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Cronograma do Curso...

Leia mais

Gloria Braga

Gloria Braga DIREITO DO ENTRETENIMENTO Direitos Autorais e Sociedades Arrecadadoras 12.11.2011 Professora: Glória Braga Direitos Autorais e Sociedades Arrecadadoras Gloria Braga 12.02.2011 PRINCÍPIOS GERAIS DOS DIREITOS

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Direito Societário. Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa?

Direito Societário. Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa? Direito Societário Quais são as minhas opções para abrir uma empresa criativa? Ficha Técnica Universidade de Brasília UnB Reitor Prof Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo Núcleo de multimídia e internet

Leia mais

SERVI OS DE INTERNET RS LTDA - ME CNPJ: 18607543/0001-37 Setembro de 2016 2 ROBERTO TEIXEIRA DA SILVA Admissªo: 01/07/2015 Descrição Referência Vencimentos Descontos 22 88 Declaro ter recebido a importância

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 657.624,33 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 20.566,18 Operações de Tesouraria 637.058,15 14.407.515,68 Receitas Correntes 9.545.574,12 01 Impostos

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: Cristiane Foroni Barrionuevo Data de Nascimento: 17/01/1983 Título Eleitoral: 018509301945 Houve mudança de endereço? Não Um dos declarantes é pessoa com doença grave

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil.

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil. Organograma do Direito de Empresa no Código Civil www.mariacelesteadv.com.br CÓDIGO CIVIL (LEI 10.406/02) DO DIREITO DE EMPRESA Livro II, arts 966 a 1.195 SOCIEDADE - arts. 981 segs. EMPRESÁRIO - arts.966

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA PLANO DE NEGÓCIOS I. APRESENTAÇÃO: dizer o que você quer fazer, que projeto/trabalho é o seu: Montar uma empresa? Implementar atividades (numa empresa já existente)? Renovar métodos? Assimilar

Leia mais

Solicito o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. 15 Situação profissional atual:...

Solicito o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. 15 Situação profissional atual:... Exmo.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Odemira NINHO DE EMPRESAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A Identificação do Promotor Despacho Registo de Entrada NIPG:... Data:... Processo nº:... Pagamento:...

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Resumão sobre Cooperativismo

Resumão sobre Cooperativismo Resumão sobre Cooperativismo Apresentação Com o intuito de facilitar a compreensão em relação às cooperativas, eu tive a ideia de fazer este resumão. A iniciativa visa, primordialmente, esclarecer e tirar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 809.124,29 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 550.398,68 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 258.725,61 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL. Saldos em 31/12/2013 PARTIDO: BALANÇO PATRIMONIAL ORGÃO DO PARTIDO UF EXERCÍCIO CÓDIGO CONTA Saldos em 31/12/2014 Saldos em 31/12/2013 CÓDIGO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 2.1. PASSIVO CIRCULANTE 1.1.1. ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica:

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: 1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: a) sociedade em nome coletivo b) sociedade em comandita simples c) sociedade de capital e indústria

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

Prof. Claudio Leite. O objeto da contabilidade é o patrimônio das entidades econômico administrativas.

Prof. Claudio Leite. O objeto da contabilidade é o patrimônio das entidades econômico administrativas. R O T E I R O 1) DEFINIÇÃO 2) FINALIDADE 3) TÉCNICAS CONTÁBEIS 4) CAMPO DE AICAÇÃO 5) PATRIMÔNIO 6) RESUMO DO MÓDULO 7) EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1 DEFINIÇÃO É a ciência que estuda, registra e controla o patrimônio.

Leia mais